quinta-feira, 25 de maio de 2017

A ditadura da Coreia do Norte tem muito medo do Evangelho, diz missionário

Kim Chung-seong, um 'desertor' norte-coreano que agora trabalha como missionário, diz que apesar da Coreia do Norte ser considerada com maior nível de perseguição religiosa em nível mundial (segundo a lista anual da Missão Portas Abertas), a Igreja continua crescendo por lá.

Imagem redimensionada"A coisa da qual o regime norte-coreano tem mais medo é a pregação do Evangelho", disse ele na sexta-feira, durante a primeira Cúpula Mundial em Defesa dos Cristãos Perseguidos em Washington (EUA). "O Evangelho nos diz a verdade. Quando a luz brilha no quarto escuro, aquele quarto passa a ser iluminado".

O missionário explicou que apesar dos esforços do governo na Coreia do Norte, a fé dos cristãos naquele país continua a crescer e se fortalecer.

"Eles (o governo) farão qualquer coisa para impedir a propagação do Evangelho na Coreia do Norte. [Mas] como você pode ver, não é possível bloquear a luz do sol com a nossa mão", disse Kim.

A Missão Portas Abertas, uma organização que atende aos cristãos perseguidos em mais de 60 países, classificou a Coréia do Norte como "o lugar mais opressivo do mundo para os cristãos", em sua lista mais recente, divulgada no início de 2017.

"Os cristãos são forçados a esconder completamente sua fé das autoridades governamentais, dos vizinhos e, muitas vezes, até mesmo de seus próprios cônjuges e filhos. Devido à vigilância sempre presente, muitos oram com os olhos abertos e as reuniões para cultos e a prática da comunhão são praticamente impossíveis", explicou a organização.

"Todas as famílias cristãs são aprisionadas em campos de trabalho forçado, onde morrem números desconhecidos a cada ano. Além de serem presos, muitos também são torturados ou mortos nestes locais. Os que tentam fugir para a Coreia do Sul através da China também correm o risco de serem executados ou encarcerados, e aqueles que ficam para trás não costumam ficar em melhor situação", acrescenta a organização.

De acordo com o jornal 'The Sun', Kim, de 41 anos, já foi cantor na antiga banda oficial do ditador norte-coreano Kim Jong-il, mas se viu obrigado a fugir para salvar a própria vida, usando apenas um par de calças, quando foi condenado aos 20 anos pelo regime totalitarista.

Ele chegou a ser recrutado como espião para os chineses, mas depois se converteu ao cristianismo e tornou-se pastor e radialista na Coreia do Sul, onde vive desde 2004.

Kim pediu aos cristãos de todo o mundo que orem pelos pela liberdade religiosa na Coreia do Norte.

"Peço que todas as comunidades cristãs internacionais orem para que os cristãos norte-coreanos realmente se envolvam e ajudem a difundir o Evangelho, não só através das obras das igrejas clandestinas, mas também através do governo e clamem pela liberdade religiosa", disse Kim aos repórteres através de um tradutor, de acordo com um relatório da CNA.

O desertor explicou que o governo norte-coreano usa uma rede de "fachadas" - a Associação Cristã da Coreia - para identificar os cristãos no país, ao mesmo tempo retratando uma falsa narrativa sobre a liberdade religiosa no país.

Dos mais de 24,4 milhões de habitantes da Coréia do Norte, apenas 300 mil se identificam como cristãos, segundo a Coreia do Norte.

Através de seu trabalho com a Companhia de Radiodifusão do Extremo Oriente, Kim ajuda a a divulgar a mensagem do Evangelho, músicas cristãs e notícias de todo o mundo para os norte-coreanos, através de pen-drives USB e cartões de memória SD, de acordo com a CNA.

"No entanto, o trabalho mais importante é encher as mentes das pessoas da Coreia do Norte com a mensagem de Jesus Cristo, porque a verdade os libertará", disse Kim à audiência na sexta-feira. "Esta é a minha oração sincera... que a verdade vai libertar cada um dos meus irmãos e irmãs da Coreia do Norte".

Fonte: Guia-me

A ditadura da Coreia do Norte tem muito medo do Evangelho, diz missionário

Kim Chung-seong, um 'desertor' norte-coreano que agora trabalha como missionário, diz que apesar da Coreia do Norte ser considerada com maior nível de perseguição religiosa em nível mundial (segundo a lista anual da Missão Portas Abertas), a Igreja continua crescendo por lá.

Imagem redimensionada"A coisa da qual o regime norte-coreano tem mais medo é a pregação do Evangelho", disse ele na sexta-feira, durante a primeira Cúpula Mundial em Defesa dos Cristãos Perseguidos em Washington (EUA). "O Evangelho nos diz a verdade. Quando a luz brilha no quarto escuro, aquele quarto passa a ser iluminado".

O missionário explicou que apesar dos esforços do governo na Coreia do Norte, a fé dos cristãos naquele país continua a crescer e se fortalecer.

"Eles (o governo) farão qualquer coisa para impedir a propagação do Evangelho na Coreia do Norte. [Mas] como você pode ver, não é possível bloquear a luz do sol com a nossa mão", disse Kim.

A Missão Portas Abertas, uma organização que atende aos cristãos perseguidos em mais de 60 países, classificou a Coréia do Norte como "o lugar mais opressivo do mundo para os cristãos", em sua lista mais recente, divulgada no início de 2017.

"Os cristãos são forçados a esconder completamente sua fé das autoridades governamentais, dos vizinhos e, muitas vezes, até mesmo de seus próprios cônjuges e filhos. Devido à vigilância sempre presente, muitos oram com os olhos abertos e as reuniões para cultos e a prática da comunhão são praticamente impossíveis", explicou a organização.

"Todas as famílias cristãs são aprisionadas em campos de trabalho forçado, onde morrem números desconhecidos a cada ano. Além de serem presos, muitos também são torturados ou mortos nestes locais. Os que tentam fugir para a Coreia do Sul através da China também correm o risco de serem executados ou encarcerados, e aqueles que ficam para trás não costumam ficar em melhor situação", acrescenta a organização.

De acordo com o jornal 'The Sun', Kim, de 41 anos, já foi cantor na antiga banda oficial do ditador norte-coreano Kim Jong-il, mas se viu obrigado a fugir para salvar a própria vida, usando apenas um par de calças, quando foi condenado aos 20 anos pelo regime totalitarista.

Ele chegou a ser recrutado como espião para os chineses, mas depois se converteu ao cristianismo e tornou-se pastor e radialista na Coreia do Sul, onde vive desde 2004.

Kim pediu aos cristãos de todo o mundo que orem pelos pela liberdade religiosa na Coreia do Norte.

"Peço que todas as comunidades cristãs internacionais orem para que os cristãos norte-coreanos realmente se envolvam e ajudem a difundir o Evangelho, não só através das obras das igrejas clandestinas, mas também através do governo e clamem pela liberdade religiosa", disse Kim aos repórteres através de um tradutor, de acordo com um relatório da CNA.

O desertor explicou que o governo norte-coreano usa uma rede de "fachadas" - a Associação Cristã da Coreia - para identificar os cristãos no país, ao mesmo tempo retratando uma falsa narrativa sobre a liberdade religiosa no país.

Dos mais de 24,4 milhões de habitantes da Coréia do Norte, apenas 300 mil se identificam como cristãos, segundo a Coreia do Norte.

Através de seu trabalho com a Companhia de Radiodifusão do Extremo Oriente, Kim ajuda a a divulgar a mensagem do Evangelho, músicas cristãs e notícias de todo o mundo para os norte-coreanos, através de pen-drives USB e cartões de memória SD, de acordo com a CNA.

"No entanto, o trabalho mais importante é encher as mentes das pessoas da Coreia do Norte com a mensagem de Jesus Cristo, porque a verdade os libertará", disse Kim à audiência na sexta-feira. "Esta é a minha oração sincera... que a verdade vai libertar cada um dos meus irmãos e irmãs da Coreia do Norte".

Fonte: Guia-me

Ataque contra cristãos acontece a cada 40 horas na Índia, diz pesquisa



Os ataques de violência contra os cristãos na Índia estão aumentando, de acordo com um novo relatório. O documento publicado pela All India Christian Council, uma aliança nacional de denominações cristãs, agências missionárias, instituições federações e líderes cristãos, diz que há um ataque anticristão a cada 40 horas. As investidas são apoiadas pelo partido nacionalista hindu, que governa e tenta criar uma "nação hindu" no país.

Em 2016, os ataques contra os cristãos subiram cerca de 20%, enquanto a violência física aumentou cerca de 40%. "Os ataques se tornaram graves e mais frequentes. Os incidentes costumavam estar confinados em alguns estados, e agora a violência se espalhou para 23 estados", diz o relatório.

Os ataques são descritos como agressões físicas e torturas. Além disso, foram registrados vandalismo nas igrejas, queima de Bíblias, ameaças de morte e ainda forçam os cristãos a renunciar sua fé e se converter ao hinduísmo.

Liberdade religiosa?

No início deste mês, a Yuva Vahini, uma organização hindu, exigiu que a polícia parasse uma reunião de oração cristã em Uttar Pradesh. O grupo reclamou que o encontro de oração, que contava com mais de 150 participantes, visava a conversão de pessoas ao cristianismo.

Em fevereiro, um evangelista na Índia ficou em coma depois que ele foi agredido por nacionalistas hindus pelo fato de estar distribuindo publicamente cópias do Novo Testamento. O grupo ameaçou queimá-lo vivo, perguntando se Jesus o salvaria das chamas". Embora não houvesse evidência de violência física, o evangelista sofreu uma hemorragia cerebral e entrou em coma horas depois do incidente.

Os ataques aumentaram desde que o partido nacional hindu Bharatiya Janata ganhou a eleição nacional em 2014. O partido acredita na ideologia hindu, onde somentes eles podem dominar a Índia.

No início deste ano, a Yuva Vahini ainda atacou a Igreja Full Gospel em Gorakhpur, área em Uttar Pradesh, alegando conversões. O grupo foi formado por um líder, Yogi Adityanath, que assumiu o cargo de ministro-chefe do estado de Uttar Pradesh no mês passado após a vitória de seu partido nesse estado.


Fonte: Guia-me

Milhares de pessoas celebram os 500 anos da Reforma Protestante na cidade natal de Lutero

As comemorações oficiais dos 500 anos da Reforma Protestante tiveram no início no último domingo, na antiga cidade natal de Martinho Lutero, Wittenberg, na Saxônia-Anhalt, Alemanha.

Imagem redimensionadaCerca de 4.000 pessoas participaram de um culto na praça da cidade, que apresenta estátuas de Lutero e seu companheiro reformador, Philipp Melanchthon, que também viveu e trabalhou na cidade.

O culto incluiu uma participação do presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, que disse que a Reforma influenciou toda a história, cultura e estilo de vida da Alemanha durante séculos e ainda o faz hoje. Ele disse que uma de suas lições é que os seres humanos poderiam "vencer a intolerância e a violência, que é cometida em nome da religião".

O presidente da Igreja Luterana Evangélica na Alemanha (EKD), Heinrich Bedford-Strohm, disse que queria que as pessoas fossem inspiradas pela mensagem da Reforma e que era seu sonho e sua esperança de que os céticos encontrassem a fé depois da série de eventos, chamada "Verão da Reforma".

Também foi lançada neste final de semana, na estação ferroviária da cidade, a exposição itinerante sobre a vida de Lutero, que vai começar uma turnê por toda a Europa - incluindo o Reino Unido - durante os próximos meses. Na ocasião, um culto de oração contou com a participação de cerca de 250 pessoas, sendo ministrado pela bispa Ilse Junkermann, na sua inauguração.

Como a cidade é fortemente associada à história de Martinho Lutero, onde o reformador formulou sua teologia revolucionária da graça e pregou suas 95 teses na porta da Igreja do Castelo, Wittenberg está no coração das celebrações do aniversário da Reforma Portestante e está se preparando para uma incursão turística importante durante os próximos poucos meses (até outubro). A Igreja Luterana Evangélica da Alemanha preparou uma grande exposição em torno da pequena cidade com sete zonas com 80 expositores sobre temas como a Igreja, a sociedade e a política. O objetivo é mostrar como o legado de Lutero está impactando o mundo e a Igreja ainda hoje.

As festividades também contarão com eventos neste próximo fim de semana como parte do 'Kirchentag', o evento bi-anual organizado pela EKD que atrai dezenas de milhares de participantes de todas as denominações e em todo o mundo. Este ano, Berlim vai sediar a maioria dos eventos, tendo Wittenberg como um local adicional.

Assim como as duas grandes igrejas associadas a Lutero - a Igreja do Castelo e a Stadtkirche, onde ele pregou - a cidade também abriga a maior exposição permanente de Lutero, na antiga casa do reformador. A "Luther House" também apresenta uma nova exposição que reúne objetos e insights especialmente para o 500º aniversário da Reforma, "95 tesouros - 95 pessoas". As casas de Philipp Melanchthon e Lucas Cranach, o artista responsável pelas imagens icônicas de Lutero, também podem ser visitadas.

Fonte: Guia-me