quinta-feira, 6 de outubro de 2016

COLEIRAS ANTIPULGAS E CARRAPATOS ERVA DE SANTA MARIA.

COLEIRAS ANTIPULGAS E CARRAPATOS ERVA DE SANTA MARIA.
PARA USO EM CÃES ADULTOS, FILHOTES E GATOS
As Pulgas e carrapatos são parasitas externos mais freqüentes,
responsáveis por transmitir doenças coceiras, desconforto,
reações alérgicas e vermes. Elas podem ser encontradas, em sua maioria,
no ambiente em que o cão ou gato vivem (cama, tapetes, assoalhos e casinhas, etc.)
Trata-se de uma coleira repelente, não medicamentosa injetada com pvc atóxico
onde estão incorporados óleos naturais, extrato de ervas tais como
ERVA DE SANTA MARIA, NEEM, CITRONELA, e outras. Protege, contra
PULGAS,CARRAPATOS E O MOSQUITO TRANSMISSOR DA LEISHEMANIOSE.
OBS: As Coleiras ERVA DE SANTA MARIA são mais eficazes do que as coleiras que contém veneno.
Para completo efeito o ambiente deve ser tratado simultaneamente.
CASO O AMBIENTE NÃO SEJA TRATADO O PRODUTO NÃO SURTIRÁ O EFEITO DESEJADO.
TOTALMENTE LIVRE DE VENENO!
SEU EFEITO PERDURA POR 4 MESES
Com o agradável aroma de Tutti-Frutti,


DESPACHAMOS PARA TODO BRASIL
19 9 82927812   WHATSS APP
EMAIL pedidosmfb@outlook.com

TUDO TUDO - PRESTADORA DE SERVIÇOS EM GERAL - 19 9 82927812


Juiz condena igreja evangélica a indenizar vizinha em R$ 15 mil por barulho



A 16ª Vara Cível de Campo Grande condenou a igreja Assembleia de Deus das Missões do bairro Jardim Aeroporto a pagar indenização de R$ 15 mil por crime de poluição sonora. Quem ajuizou a ação é a dona de casa Sandra Argemon dos Santos, que mora ao lado da igreja e sentia-se incomodada com o barulho realizado durante os cultos. A sentença foi do juiz Marcelo Andrade Campo Silva. As informações são do TJ-MS.

“A referida entidade religiosa provoca barulho insuportável, que ocorre geralmente pela manhã e à noite nas quartas-feiras, sábados e domingos; nesses dias invariavelmente as atividades se estendem da manhã até à noite, muitas vezes iniciando às seis horas da manhã, chegando a ultrapassar o limite das 22:00 horas,indo terminar já de madrugada. Em certas épocas a agressão sonora ocorre em todos os dias da semana”, afirma a ação. Sandra chegou a registrar diversos boletins de ocorrência.

Consta na ação que Sandra pediu a abertura de um inquérito do MPE-MS (Ministério Público Estadual), que tramitou na 5ª Vara do Juizado Especial Cível e Criminal de Campo Grande. A ação, no entanto, decidiu que a Assembleia de Deus deveria realizar doações a uma entidade sem fins lucrativos.

“Por força de acordo homologado por sentença naqueles autos pelo Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito daquele Juízo Especial, a requerida, através de seu representante legal, obrigou-se a fazer doação de R$ 362,00(trezentos e sessenta e dois reais)em duas parcelas de R$ 181,00(cento e oitenta e hum reais), em favor da entidade AFRANGEL ASSOCIAÇÃO FRANCISCANA ANGELINAS “LAR DAS CRIANÇAS COM AIDS”.

As ação, no entanto, não fizeram com que a poluição sonora acabasse, conforme explicam os autos. “Apesar de sofrer as referidas cominações judiciaisem ambas as ações penais,a requerida não se abalou, continuando a perturbar o sossego público, como se a questão não tivesse passado pelo crivo do Poder Judiciário”.

Com o impasse, a autora tentou mudar de residência. “A autora vem tentando mudar-se para outra localidade, mas não encontra comprador para seu imóvel. Apresentaram-se vários interessados, mas ao tomarem conhecimento dos incovenientes aqui narrados desistem imediatamente da compra do bem. Outros interessados chegaram a dizer à autora que lamentavam não poderem fechar o negócio diante dos óbices provocados pelo templo da requerida”.

Assembleia de Deus
A Assembleia de Deus nega que os cultos impliquem em poluição sonora e que as reuniões ocorram todos os dias da semana. “A requerida tem seus cultos religiosos, as quarta-feira, sextas-feiras e domingos, das 19h30min às 21h00min; não existem reuniões o dia inteiro e nem cultos que comecei as 6h00min; seus nunca chegaram às 22h00min e nem estenderam à madrugada a fora, sendo certo, porém, que seus cultos ocorremdentro da sonoridade permitida em lei”, afirma.

“A ordem é calar a igreja, disso a autora não mede esforços para afrontar, desprestigiar, fazer falsas acusaçõese tentar obter vantagem ilegal; seu intendo não teve sucesso, mas não dará tréguas até que a ré sucumba diante de toda sorte de falsas imputações”, complementa.

Decisão

Ainda assim, com a ajuda de testemunhas, o juiz entendeu que o som dos cultos era incômodo à vizinhança. “Neste ponto, observa o juiz que os ruídos ultrapassam o limite tolerável de 55 decibéis, pois podem ser escutados do imóvel de uma testemunha que mora a três casas de distância da igreja. Por outro lado, a ré não produziu nenhuma prova ao contrário dos depoimentos”, afirma o TJ-MS.

“Ela teve lesados o sossego e a qualidade de vida pelo som e ruídos produzidos pela ré, comprometendo sua integridade psíquica, levando-a, inclusive, a se mudar do local que se tornou, para ela, insuportável”, declarou o juiz.

Ainda assim, o magistrado negou pedido de danos materiais. A justificativa, de acordo com ele, é que Sandra não comprovou que seu imóvel sofreu, de fato, desvalorização por ser vizinho a igreja.

Fonte: JM Notícia com informações TJ MS via MídiaMaz

TUDO TUDO - PRESTADORA DE SERVIÇOS 19 9 82927812


TUDO TUDO PRESTADORA DE SERVIÇOS - ATENDEMOS JAGUARIÚNA E TODA REGIÃO


TUDO TUDO SERVIÇOS EM GERAL

SOMOS DA TUDO TUDO SERVIÇOS .
19 9 82927812
19 9 9137 1059










“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...