segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Deputado do PSDB diz que seria 'irresponsabilidade' aprovar pacote anticorrupção do MPF na íntegra

Domingos Sávio (PSDB-MG)
Domingos Sávio (PSDB-MG)
BRASÍLIA - O deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) afirmou que seria uma "irresponsabilidade" aprovar o pacote das dez medidas contra a corrupção, proposto pelo Ministério Público Federal (MPF), na íntegra. "O melhor documento não é aquele que diz amém à proposta do MPF", disse. Segundo Sávio, alguns pontos do projeto não permitem direito de defesa aos agentes públicos e representariam "uma volta à Idade Média com uma caça às bruxas irresponsável". "Não queremos minimizar, queremos endurecer as medidas", declarou.
Deputados da comissão que analisa medidas de combate à corrupção negaram que o colegiado quer "afrouxar" o pacote do MPF. Para o deputado Mauro Pereira (PMDB-RS), durante as reuniões, "os deputados nunca disseram ser contra as medidas, apenas fizeram questionamentos". "Se não puderem fazer perguntas, então não faz sentido ter essa comissão", considerou Pereira. Líder do PPS, Rubens Bueno (PR) declarou que é "evidente que existe um projeto que precisa ser adequado", mas ponderou que ninguém quer "afrouxar coisa nenhuma".

A comissão promove neste momento uma audiência pública interativa, contudo, apenas nove dos 30 membros titulares estão participando das discussões. Os deputados já ouviram Rudinei Marques, Presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (FONACATE) e do Sindicato Nacional dos Analistas e Técnicos de Finanças e Controle (UNACON Sindical); Denise Gimenez Ramos, Doutora em Psicologia Clínica; e Lucieni Pereira da Silva, Auditora Federal de Controle Externo do Tribunal de Contas da União.

FONTE http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,deputado-diz-que-seria-irresponsabilidade-aprovar-pacote-anticorrupcao-do-mpf-na-integra,10000069651

Deputados querem afrouxar 10 medidas contra corrupção

Parlamentares da comissão especial que analisa o projeto das “Dez Medidas Contra a Corrupção”, apresentado pelo Ministério Público Federal ao Congresso, já articulam mudanças em pelo menos quatro pontos centrais do pacote: a criminalização do caixa dois, o aumento da pena para corrupção, a possibilidade de que provas ilícitas sejam consideradas válidas se forem colhidas de boa-fé e a hipótese de prisão preventiva para a recuperação de recursos desviados.
Deputados têm discutido o tema em encontros reservados com advogados. Eles resistem a expor publicamente o desconforto com as medidas, já que o projeto chegou à Câmara com o apoio de 2 milhões de assinaturas, recrutado por representantes da força-tarefa da Lava Jato e respaldado pelo juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos do petrolão em Curitiba (PR).
A criminalização do caixa dois, hoje um ilícito eleitoral, é um dos pontos mais polêmicos e tem causado reações entre parlamentares, que debatem a melhor forma para evitar o endurecimento da legislação sobre a prática. O Ministério Público Federal quer responsabilizar não só pessoas físicas, mas também os partidos que praticam o caixa dois. Apesar de a discussão na comissão ter como base as “Dez Medidas Contra a Corrupção”, do MPF, ainda não há um texto final do projeto e os deputados estudam como modificar a proposta original sem rejeitar a medida toda.
Para o presidente da comissão, Joaquim Passarinho (PSD-PA), com o fim do financiamento eleitoral, “praticamente acabou o problema do caixa dois” e é preciso analisar uma nova forma de abordar a questão. A principal tese em discussão é separar crime eleitoral de propina.
Aliado do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o peemedebista Carlos Marun (MS) avalia que a criminalização do caixa dois só será aprovada se houver uma distinção entre a prática – que consiste na doação ou recebimento recursos não declarados à Justiça Eleitoral – e o recebimento de dinheiro oriundo de corrupção. “A propina tem uma relação de causa e efeito, tem que haver fato gerador com o benefício tendo se materializado e em contrapartida o beneficiado ter feito pagamento para algum agente político. Se não houver essa diferenciação, tudo vira propina”, disse Marun.
O relator da comissão especial, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), concorda que é necessário “separar o joio do trigo”.
A tese, contudo, enfrenta resistência no próprio colegiado. Para o deputado Wadih Damous (PT-RJ), essa seria uma forma de blindar parlamentares e protegê-los de delações em curso, como a da Odebrecht. Na opinião de Rubens Bueno (PPS-PR), que é suplente na comissão, fazer a distinção entre caixa 2 e o recebimento de propina seria um “eufemismo”. “É uma forma de fugir da Justiça, acho que o caixa dois tem que ser julgado como propina também.”
Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a criminalização do caixa dois e o aumento da pena para crime de corrupção são a base fundamental das dez propostas do MPF e, por isso, “precisam ser avaliados com toda atenção pelos deputados”. “É preciso observar o que vem acontecendo na política nacional para entender por que esses são os aspectos importantes”, disse. “Sinto no meu dia a dia que a sociedade tem uma expectativa positiva com que o Congresso pode fazer com essas medidas. Estamos sob os olhares de milhões de brasileiros.”
Passarinho considera que o “primeiro impacto” das propostas é “ruim” e que alguns pontos sugeridos podem ser modificados. Sobre o aumento da pena para crimes de corrupção, por exemplo, o deputado afirma que “não é em razão do tamanho da pena que as pessoas são corruptas”.
Outra medida considerada polêmica é a possibilidade de provas apontadas como ilícitas serem validadas pela Justiça se for comprovado que foram colhidas “de boa-fé”. Os questionamentos em relação a essa medida transcende a discussão no Congresso e envolve também o mundo jurídico. A nulidade de provas é um dos principais caminhos usados por criminalistas para tentar derrubar investigações. As operações Satiagraha e Castelo de Areia são exemplos de ações anuladas por provas ilegais.
As “Dez Medidas Contra a Corrupção” foram entregues ao Congresso no fim de março deste ano. A comitiva contou com a presença do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. Em meio à turbulência do afastamento de Cunha (PMDB), o pacote ficou nas gavetas da Câmara até junho, quando o presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP), criou a comissão especial para discuti-la. Alguns dos principais partidos da Casa – PMDB, PT, PP, PSC e PCdoB – protelaram a indicação de nomes para compor o colegiado. A comissão só começou a funcionar no início deste mês.
(Com Estadão Conteúdo )

Esperança de cristãos na Líbia se transforma em pesadelo


Faz cinco anos desde que o governo líbio de Muammar Gaddafi foi derrubado por rebeldes. O que era uma esperança para os cristãos que vivem no país, tornou-se um pesadelo. A Líbia tornou-se um dos lugares mais perigosos do mundo. A atual "anarquia" deu lugar a uma perseguição religiosa ainda mais violenta e favoreceu os grupos extremistas islâmicos em seus planos de maltratar os cristãos abertamente. Os relatórios atuais da Portas Abertas apresentam relatos de cristãos que são assediados em sua vida cotidiana, de todas as formas possíveis e imagináveis.
Um cristão nigeriano, de 29 anos, que vive na Líbia disse que já foi atacado enquanto andava pelas ruas. "Os homens chegaram com muita violência e me bateram. O motivo foi simplesmente porque eu estava usando uma cruz pendurada no pescoço e eles disseram que eu deveria ter escondido", contou. Amgad Zaki*, um egípcio, disse que caiu nas mãos de um grupo islâmico: "Eles rasparam minha cabeça e então ameaçaram cortar meu pescoço. O tempo todo eles mostravam suas espadas afiadas. Eles queriam que eu insultasse o meu antigo líder cristão".
Outro fiel disse que foi levado por um muçulmano que dizia que ele iria limpar o banheiro. "Ele empurrou minha cabeça para dentro do vaso sanitário e sentou sobre ela. Também já fui açoitado e forçado a ficar sem roupas em tempo frio. Uma vez me deixaram ao ar livre, coberto de pedras, durante 3 horas. Minha vida tem sido humilhante; isso é morrer todos os dias. Eu já cheguei a pensar que a morte é melhor que viver assim", desabafou. Só no ano passado, houve dezenas de prisões de cristãos e três execuções em massa. Uma delas matou pelo menos 49 cristãos do Egito e Etiópia. Segundo a Anistia Internacional, um cristão da Nigéria alertou que a Líbia é um país para onde os cristãos jamais devem ir.
A Igreja na Líbia é composta quase que inteiramente de estrangeiros, que são proibidos de seguirem o cristianismo no país. Durante o governo de Gaddafi a perseguição religiosa já existia, mas agora está muito pior. As igrejas sobreviveram porque optaram por existir de forma subterrânea. Migrantes cristãos e refugiados estão debaixo das leis de grupos islâmicos armados que querem islamizar o país. Há esperança para os líbios? Os relatórios terminam de forma positiva, indicando que a ONU sugeriu um "Governo de Unidade", que será capaz de restaurar a ordem. É possível que o governo adote uma política de apaziguamento a fim de ganhar o apoio dos grupos radicais. Talvez essa não seja a solução definitiva para o fim da hostilidade contra os cristãos, mas pode ao menos aliviar a tensão que vivem atualmente.
*Nome alterado por motivos de segurança.
Pedidos de oração
- Ore pelos cristãos que vivem na Líbia e que enfrentam a violência diariamente. Peça ao Senhor para confortá-los e protegê-los.
- Interceda pelas autoridades líbias e ore para que, de alguma forma, o amor de Jesus possa entrar em seus corações e que eles também tenham suas vidas transformadas.
- Sabemos que a perseguição é prevista pela Bíblia, então ore para que os cristãos tenham forças para suportar esses tempos difíceis e que sejam perseverantes até o fim.

Ex-bispo diz que Igreja Universal mantinha esquema ilegal no exterior

Um ex-bispo da Igreja Universal do Reino de Deus acusa a entidade de ter mantido um esquema ilegal para operar milhões de dólares no exterior por pelo menos sete anos.

O dinheiro, segundo a versão dele, teria sido utilizado para financiar a instituição e sua emissora de TV, a Rede Record, na Europa.

Alfredo Paulo Filho, 49, afirma ter sido responsável pela Universal em Portugal entre 2002 e 2009 e um dos principais auxiliares do bispo Edir Macedo, fundador da igreja, por mais de dez anos.

Antes disso, diz que coordenou trabalhos da igreja em Estados como São Paulo, Rio, Minas e Rio Grande do Sul.

Segundo o ex-bispo, a cúpula da Universal criou uma rota para fazer remessas ilegais de dinheiro, ao menos duas vezes por ano, da África para a Europa.

Os dólares, diz, vinham de uma campanha da igreja em Angola, a Fogueira Santa, e cerca de US$ 5 milhões eram despachados por viagem.

O ex-bispo relata ter participado do esquema e afirma que os milhões de dólares chegavam à Europa em um jato particular, depois de terem sido levados, de carro, de Angola até a África do Sul.

Já em Portugal, diz, os dólares eram trocados por euros e depositados em uma conta no banco BCP como dízimos da igreja. A partir daí, afirma, eram transferidos para outros países europeus.

"A igreja em Portugal sustentava outras igrejas na Europa", diz Paulo Filho, sobre o motivo da operação.

O dinheiro proveniente de Angola, diz, ficava em sua casa em Portugal até ser depositado na conta da igreja.

"Eu que ia pegar o dinheiro. Sabia que era ilegal", diz o ex-bispo, que garante que Macedo tinha ciência de tudo.

Há pouco mais de um mês, Paulo Filho passou a postar vídeos na internet com as acusações e o caso foi divulgado pela mídia angolana.

O ex-bispo recebeu a Folha em sua casa no Rio. Mostrou fotos com Macedo e papéis a respeito de sua relação com a Universal, mas diz não ter provas do que relata (leia a entrevista abaixo).

"Minha prova sou eu. Participei e vi", diz. "O bispo Edir Macedo já falou em reunião de pastores que, para a obra de Deus, vale até gol de mão."

O advogado e professor da FGV-SP Edison Fernandes disse à Folha que, em tese, haveria crime de evasão de divisas e lavagem de dinheiro no caso.

"Evasão de divisas é enviar ou manter no exterior recursos não declarados. Lavagem é usar em operações lícitas dinheiro ilícito." Nesse caso, diz, "o dinheiro era ilícito porque não estava declarado".

Paulo Filho deixou em 2013 a igreja, conta, após trair a mulher com prostitutas. A informação, diz, chegou à cúpula da igreja, que o rebaixou a funções administrativas.

OUTRO LADO
Procurada pela Folha, a Igreja Universal do Reino de Deus afirmou, por meio da assessoria, que "prepara um processo judicial contra o ex-bispo" Alfredo Paulo Filho por calúnia e difamação.

"Portanto, não se pronunciará sobre o assunto fora dos tribunais", afirmou.

"Confiamos que a Justiça brasileira, mais uma vez, revelará onde está a verdade nesta mais nova tentativa de manchar a imagem da Universal, punindo exemplarmente o mentiroso", ressaltou. A Rede Record não quis se manifestar.

Fundada em 1977 no Rio de Janeiro por Edir Macedo, a Universal hoje está presente em mais de cem países.

A igreja ganhou corpo com megaeventos e investimentos na mídia e iniciou sua internacionalização ainda nos anos 1980.

Hoje conta com cerca de 7.000 endereços no Brasil.

Leia a matéria completa e a entrevista com o ex-bispo Alfredo Paulo Filho, aqui.

Fonte: Folha de São Paulo

PROVA FINAL - imagens de câmeras de segurança contradizem acusação contra Feliciano

Uma história de uma lunática”. Esse é o resumo que o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) fez do caso em que a jovem estudante Patrícia Lélis o acusou de agressão e tentativa de estupro, em entrevista ao programa Conexão Repórter, do SBT.
Na extensa reportagem do jornalista Roberto Cabrini foram mostradas imagens de câmeras de segurança que reforçam a defesa do pastor, e também as reiteradas acusações feitas por Patrícia Lélis, que voltou a afirmar que quando esteve a sós com Marco Feliciano em seu apartamento funcional em Brasília, ele o ameaçou com uma faca, e que o vestido que ela usava no dia teria marcas da arma.
A estudante afirmou que “não houve conjunção carnal” porque o crime teria sido interrompido por uma mulher que bateu à porta do apartamento do pastor ao ouvir seus gritos.
Feliciano, que finalmente concedeu uma entrevista sobre o caso, contou que esteve com a estudante em três ocasiões, sendo uma no Senado, outra em uma reunião do PSC e uma terceira em seu gabinete, na presença da mãe de Patrícia e uma amiga dela.
Questionado por Cabrini sobre o que se trata as acusações da estudante contra ele, o pastor classificou a narrativa como “fantasia, mentira, injúria, calúnia, difamação, falsa comunicação de crime”, e perguntou: “O único apartamento que tem aqui do lado é o de um outro deputado. Cadê essa mulher?”, afirmou, referindo-se à suposta testemunha da tentativa de estupro.
Sobre as alegações de Patrícia Lélis a respeito das possíveis propostas que ele teria feito a ela, Feliciano negou que tenha oferecido emprego em troca de um relacionamento extraconjugal: “É outra história fabulosa. Nunca houve esse tipo de conversa. Nunca houve esse tipo de reunião. Nunca”.
O pastor disse ainda que admitiria publicamente uma relação extraconjugal se ela tivesse acontecido: “Eu sou um pastor, tenho a minha família, minha esposa, Edileusa, tenho três filhas e inclusive a minha filha mais velha tem praticamente a idade dessa moça. Eu tenho respeito pelas famílias […] Se fosse verdade, pela minha família, pela imprensa, é claro que eu admitiria”.

Exame de corpo de delito

Patrícia justificou sua decisão em não procurar a Polícia de imediato, logo após a suposta agressão e tentativa de estupro, porque queria conhecer exatamente quem ela iria enfrentar, e por isso procurou o partido.
“Eu iria saber com quem eu estava brigando. Marco Feliciano tem tudo que eu não tenho. Ele tem igrejas a favor dele, ele tem foro privilegiado, é deputado e tem dinheiro. Ele tem exatamente tudo que eu não tenho”, disse.
“Não seria o normal ir imediatamente à delegacia?”, questionou Cabrini. “Seria o normal, mas nós moramos no Brasil, não é?, retrucou a estudante.
Na visão de Feliciano, se as alegadas agressões tivessem ocorrido, ela teria marcas visíveis pelo corpo: “Se isso tivesse acontecido, é tanta coisa… por exemplo: eu dei murro, dei chute, puxei pelo cabelo… Era para ela estar destroçada”, argumentou.

Contexto

Cabrini, que no início da reportagem havia mostrado o apartamento funcional de Marco Feliciano, destacou que na sala do imóvel há uma réplica do quadro Monalisa, de Leonardo da Vinci, e questionou Patrícia Lélis sobre como era a decoração do local, uma vez que ela diz ter estado lá, e ela citou os quadros que o pastor mantém com fotos da família, mas não citou a pintura mais famosa do mundo.
A estudante também descreveu o formato do apartamento, que foi construído à época da fundação de Brasília e segue um padrão arquitetônico. “Quando Patrícia me descreve o apartamento de Feliciano, a maior parte dos detalhes dos quais ela se lembra, batem com os que observei. Com uma única e importante exceção: ela não menciona o quadro, uma cópia da célebre Monalisa, que chama muita atenção na sala de estar”, diz Cabrini na narração da reportagem.

Registro

O jornalista mostrou como é o procedimento de acesso ao prédio onde ficam os apartamentos funcionais dos deputados, e conversou com um funcionário da segurança, que explicou que todos que não são moradores precisam registrar o nome, documento e horário de chegada e saída, sem exceção. Cabrini também foi à Câmara dos Deputados para consultar o arquivo desses registros, mas não encontrou o nome da estudante.
No entanto, Patrícia disse que nunca precisou se registrar nas vezes que alega ter ido ao local, para reuniões com outros militantes do partido.
Para o pastor, o registro das visitas dela não existe porque ela nunca foi ao seu apartamento: “Primeiro, o Boletim diz um endereço que não é aqui. Isso tem que ficar bem claro […] Ela fez dois boletins de ocorrência e em cada um deu um endereço. É estranho. Esse caso vem se arrastando há mais de 40 dias, então ela não se enganou, tem alguma coisa errada. Ela não conhece esse apartamento, não conhece esse endereço. É mentira”, frisou.

Prova

A estudante acusa Feliciano de tê-la atraído para o apartamento funcional no dia 15 de junho, data em que supostamente teriam acontecido a agressão e a tentativa de estupro. No entanto, o pastor provou que não estava no local no horário em que a jovem afirma que os crimes aconteceram.
“Às nove da manhã, eu tinha [na agenda] a Comissão de Educação no Seminário Nacional dos 2 anos do Plano Nacional de Educação, no auditório Nereu Ramos. E às nove da manhã eram vários compromissos no mesmo horário, então eu tinha que escolher um. Às nove da manhã eu tive uma audiência com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira [PTB-RS]. Conseguir uma audiência com um ministro não é nada fácil”, contextualizou o pastor.
O fato novo revelado pela matéria do Conexão Repórter está nas imagens das câmeras de segurança do acesso ao Ministério do Trabalho, que mostram que no dia 15 de junho, às 08h55, o pastor Marco Feliciano entrou no prédio, e deixou o local às 10h00, acompanhado do ministro.
Essas imagens reforçam as alegações de Feliciano, uma vez que o próprio site da Câmara dos Deputados já havia registrado sua presença nas três sessões que aconteceram nessa data.

Extorsão?

“Porque o seu assessor tentaria entrar em acordo financeiro com Patrícia Lélis?”, questionou Cabrini ao pastor.
“Veja só, tudo isso é ilação e mentira. Ele disse que não houve nada de questão financeira”, disse Feliciano.
A reportagem foi gravada no início da última semana, e à época ainda não haviam surgido os vídeos em que ela fala francamente sobre os valores com Talma Bauer, chefe de gabinete do pastor, e o jornalista Emerson Biazon.
Quando questionada por Cabrini sobre a existência de valores na negociação por seu silêncio, ela disse desconhecer: “Não! Se alguém pediu ou negociou alguma coisa em meu nome que responda por seus atos”.
Biazon, apontado como um dos intermediadores que Patrícia Lélis teria usado para, supostamente, fazer com que Bauer deixasse de procurá-la – os outros dois seriam Arthur Mangabeira e Marcelo Machado – também conversou com Cabrini, e disse que ajudou a estudante a procurar jornalistas para tentar ganhar dinheiro com a venda da denúncia.
“Emerson, já que ninguém quer pagar pela matéria, eu vou pegar os R$ 10 mil do Bauer e pronto, eu calo a boca. Pelo menos assim eu fico com o dinheiro, pago as minhas contas e eu sigo a minha vida. Você consegue arrumar um emprego pra mim em São Paulo?”, teria dito a estudante a Biazon.

Valores

O primeiro intermediador usado por Patrícia teria sido Arthur Mangabeira, de acordo com Biazon: “Ele tinha pedido 1 milhão, depois caiu para 300. Isso tudo quem me contou foi o Bauer. E depois fechou em R$ 50 mil. O Bauer foi lá no Rio de Janeiro e pagou os R$ 50 mil em troca de calar a boca, colocar pedra em cima […] Só que ele ficou com todo o dinheiro, não repassou nada para ela. A Patrícia ficou sabendo. [Mangabeira disse] ‘eu tenho um presente aqui que o Bauer mandou te entregar, que é R$ 10 mil’. Ele queria ficar com 40, tanto que ele já ficou com 50, não devolveu”, afirmou.
Feliciano afirmou que não conhece a origem do dinheiro: “Eu quero saber, me conte! Eu não tenho dinheiro nem para mim. Não autorizei, isso é tudo mentira. Pode vasculhar as minhas contas. [O Bauer] não tinha autorização, porque ele não deu. É mentira. Ele disse que é mentira, não é nada, não aconteceu nada”, disse o pastor.
Cabrini, a essa altura, interrompeu: “Ele disse que nunca deu dinheiro?”. E o pastor reiterou: “[Ele diz que] nunca deu dinheiro, isso não saiu dele, esse rapaz apareceu com esse dinheiro do nada. Eu queria saber disso [a origem do dinheiro]. Alguém está por trás disso”, suspeitou.

Bauer

Na entrevista, o assessor parlamentar revelou que a negociação foi conduzida por ele sem o conhecimento de Feliciano: “Eu, como chefe de gabinete, tive que tomar minhas atitudes, que eu achava por bem, e não comuniquei a ele essas negociações porque tava indo muito bem. Peguei das minhas economias e fiz o que ela queria”.
Biazon, no entanto, não acredita que Feliciano estivesse desinformado: “Ele [Bauer] é o assessor do deputado, ele veio para resolver o caso, então com certeza sabia de tudo. Sabia, porque assim, o celular dele, o tempo todo, falando com o Marco. Toda hora eu o via chamando o Marco, via WhatsApp. Não dava para ficar lendo as coisas, mas era ele”, comentou.
Já Patrícia Lélis, mais uma vez, acusou Feliciano: “Eu peguei o telefone e falei ‘o que você quer?’. Aí ele falou assim ‘querida, minha filha, me ajuda aí? Eu tenho três filhas. A minha filha do meio toda hora está procurando as coisas na internet. Me ajuda, eu tenho filhas, eu tenho igrejas’”.
“O seu assessor manteve vários encontros, e nesses encontros foram oferecidas quantias pelo silêncio dela”, disse Cabrini ao pastor. “Eu não sei disso. Ele diz que não. Ela diz que sim. Eu só fiquei sabendo do caso, que ele estava se encontrando com ela, por questão que veio à tona através das mídias sociais”, argumentou Feliciano.
A versão de Feliciano é corroborada por seu chefe de gabinete: “Das negociações, não. Sabia do fato que foi noticiado, mas da minha atitude ele não sabia, porque eu iria colocar para ele no final”.

Cárcere privado e coação

O delegado da Polícia Civil de São Paulo, Luiz Roberto Hellmeister, arquivou a denúncia feita pela estudante contra Talma Bauer, e explicou o motivo: “Fomos vendo que ela não estava cerceada da liberdade em momento nenhum, porque ela saía, foi em restaurantes – em companhia do Bauer, de Emerson e do Marcelo, que eu ouvi ontem”, afirmou.
Patrícia disse que Bauer estava armado nas vezes em que se encontraram, mas Biazon nega. “Nunca vi ele armado. Quando eu cheguei [para depor] que o delegado sentou […] que eu peguei e coloquei o pacote em cima da mesa, ele falou ‘o que é isso?’, e eu falei ‘o dinheiro’. Ele: ‘Que dinheiro?’. Ué? É o dinheiro que o Bauer deu, uma parte, porque ele ficou de depositar, dar o restante na segunda-feira para a Patrícia, que é o valor de R$ 50 mil”, afirmou o intermediário.
Bauer confirmou que entregou a quantia, que terminou apreendida pela Polícia: “Ela pediu R$ 20 mil, e foi aceito por causa disso, para evitar o mal maior”, disse.
Emerson Biazon explicou que passou a gravar os encontros às escondidas como forma de autodefesa: “Como ela aceitou o dinheiro, eu não sabia aonde isso podia dar. Eu comecei gravar tudo. Vai que alguém me envolve nessa. Que alguém descobre e fala ‘você estava junto’. Eu falo ‘não tava, está aqui a prova, porque eu estava gravando’. Foi por isso que eu gravei tudo, entendeu?”, disse ele a Cabrini.
Na opinião de Bauer, sua decisão de dar dinheiro pelo silêncio da estudante era uma forma de prevenir problemas: “Ela veio, fez o vídeo, depois acho que se arrependeu, pediu dinheiro porque disse que precisava pagar a faculdade… Eu falei, ‘bom, sendo uma coisa que está ao meu alcance, eu faço’. Se ela falasse alguma coisa fora do meu alcance eu não iria… eu achei que o escândalo era muito maior, o mal muito maior, do que o próprio dinheiro. Tem coisas que o dinheiro não compra”.

Repercussão

Cabrini questionou a Patrícia sobre sua visão a respeito de sua acusação: “Você tem consciência do tipo de repercussão que dá uma denúncia como essa perante a própria família do pastor e deputado?”. E ela foi enfática: “Tenho. Tenho conhecimento da que dá na minha também. Da que dá nas pessoas que eu conheço”.
“Você não mentiria para prejudicar o deputado?”, perguntou o jornalista. “Não. O que eu ganho em troca de fazer isso? Nada. Isso é um crime. As pessoas têm que entender que denunciar um crime não é querer acabar com uma pessoa. É denunciar um crime. Não é porque ele é pastor, que ele é deputado, que ele não cometa um crime. Ele comete crime sim, ele é humano, humanos cometem crimes”, respondeu a estudante.

Cadeia

“O senhor teme ser preso?”, interrogou Cabrini ao pastor. “Ser preso? Não, porque não há crime. Não há crime”, respondeu Feliciano.
Na narração da matéria, Cabrini afirma que essa “não é a primeira vez que ela denuncia ter sido vítima de um abuso sexual”, e questionou a mãe da jovem, Maria Aparecida, sobre o caso.
“Esse caso anterior aconteceu na minha casa. E a pessoa a gente nunca tentou descobrir porque eu levei para a delegacia, não encontrei muito apoio”, afirmou.
O jornalista foi adiante e perguntou a ela o que seu “coração de mãe” dizia a respeito das acusações feitas por Patrícia Lélis a Feliciano: “Certeza que aconteceu. Isso eu tenho certeza. Isso é a única coisa que eu tenho certeza”, disse.
Patrícia Lélis contou como teria sido esse estupro. “Era uma pessoa que trabalhava para um… para uma empresa que a minha mãe chamou para consertar a máquina da minha casa, que sempre dava problema, a máquina de lavar”, disse Patrícia.
Esse caso de estupro, que ela alega ter acontecido quando era “uma criança”, seria o mencionado em conversas por WhatsApp que o Gospel+ teve acesso entre a estudante e o pastor. Lá, ela afirma que já foi estuprada, esfaqueou o criminoso e que o caso deu cadeia, além de render traumas pessoais.
Com a alegação da mãe de Patrícia sobre a falta de desfecho para a denúncia, mais uma questão ligada ao caso fica sem resposta coerente.

Novas acusações

“Não, não perdoo. Sendo muito sincera, eu não perdoo. No momento eu não posso perdoá-lo, eu não consigo. No momento o que eu sinto dele é raiva, nojo, ódio. Ele acabou com tudo de mais importante que eu tinha na minha vida. Ele acabou com a minha imagem, acabou com a minha reputação, meu relacionamento, ele acabou com tudo. Hoje, você me perdoa, mas sendo muito sincera, eu não perdoo não”, disse Patrícia.
A estudante fez novas acusações, alegando que outros parlamentares evangélicos foram omissos no caso: “Alguns pastores, que são deputados também, que estavam sabendo do caso, não teve um que ofereceu ajuda. Não teve um. Porque tinha mais gente sabendo. A bancada evangélica em peso sabia”, alegou.

Recado

O pastor Marco Feliciano afirmou que espera que os evangélicos olhem para o caso de forma crítica e justa, pois acredita que a extensão dos danos à sua imagem por causa das acusações feitas contra ele são imensuráveis.
“Quero agradecer a oportunidade que você está me dando. Poucas pessoas me deram essa oportunidade […] [A verdade] vai aparecer. Deus é justo, Deus é Pai. Eu queria encerrar aqui e se você deixar, mandar um recado para os meus irmãos, meus eleitores. A maioria dos meus eleitores são evangélicos. Queria que eles nunca se esquecessem da passagem de José, no Egito. Eu preguei muitas vezes sobre isso para vocês. Inclusive eu tenho uma mensagem chamada ‘O sonho de José’ e um livro sobre isso. Eu contei a história de um menino que foi – incrível – condenado por uma calúnia. A mulher de um homem o acusou de tê-la assediado. Ela tentou agarrar, ele se esquivou e ela ficou com a capa dele na mão. José foi preso. Eu não fui preso, se Deus quiser não serei. Mas publicamente eu já estou destruído”.
Ao final da reportagem, o Conexão Repórter informou que Talma Bauer pediu exoneração do cargo “até que tudo seja esclarecido”.
Assista à reportagem do SBT na íntegra:
Com informações GospelMais

Perdoando uns aos outros

Caio Fábio pode ser chamado para depor sobre Lula, na operação Lava Jato

Caio Fábio Nesta sexta-feira (8), o site O Antagonista informou que integrantes do Ministério Público Federal (MPF) poderão chamar o pas...