terça-feira, 26 de julho de 2016

Decapitação de padre foi filmada, diz freira sobrevivente

A Freira que conseguiu fugir de uma igreja católica de Saint-Étienne du Rouvray, na França, para alertar que dois homens haviam feito reféns no local contou que os terroristas fizeram o padre se ajoelhar, o decapitaram e filmaram o crime.  Em entrevista à emissora de rádio RMC , a irmã Danielle explicou que os assassinos ordenaram aos cinco religiosos que estavam dentro da igreja para ficarem juntos. Apesar das súplicas dos reféns para que não cometessem o assassinato, eles não hesitaram em nenhum momento.  Os homens forçaram o sacerdote Jacques Hamel, de 84 anos, a se ajoelhar, e quando este tentou se defender, "começou o drama", segundo a freira."Gravaram em vídeo. Fizeram uma espécie de sermão em árabe em torno do altar. Foi horroroso", disse Danielle, que acrescentou que conseguiu fugir no momento em que os homens atacaram o sacerdote e depois pediu socorro a uma pessoa que passava de carro pela rua da igreja.
Foto: EFE
Em relação a Hamel, a freira lembrou que "era um padre extraordinário".
O presidente da França, François Hollande, declarou que os "dois terroristas, que disseram ser do Estado Islâmico", cometeram "um covarde assassinato".


Foto: EFE

Partido Comunista proíbe o funcionamento de igrejas durante uma semana na China

Partido Comunista proíbe o funcionamento de igrejas durante uma semana na China
Autoridades chinesas proibiram que as igrejas da cidade de Hangzhou abram suas portas ou realizem qualquer tipo de programação religiosa durante a semana da Cúpula do G20, que irá acontecer em setembro deste ano (2016). A justificativa do Partido Comunista (governo atual da China) é que tal medida vá "criar um ambiente seguro" para quando os líderes mundiais chegarem à cidade.
Líderes globais estarão na capital da província de Zhejiang para uma reunião anual de dois dias, que será organizada pelo presidente chinês Xi Jinping. As autoridades decretaram um feriado de uma semana para os serviços para reduzir o congestionamento e facilitar a mobilidade do evento, mas os cultos religioso também foram proibidos.
'Global Times' - tabloide comandado pelo Partido Comunista - disse que reuniões religiosas em grande escala serão proibidas "para criar um ambiente seguro durante os dias da reunião".
Radio 'Free Asia' (com base nos Estados Unidos) informou que as igrejas não oficiais da cidade também tinham sido proibidas de realizarem suas reuniões.
"Eles estão obrigando também as igrejas domésticas a não se reunirem durante os dias próximos da cúpula do G20", disse Zhang Mingxuan, presidente da igreja doméstica chinesa'Alliance'.
Mas há suspeitas que este movimento tenha mais a ver com a repressão do Partido Comunista contra as igrejas de Zhejiang que com a chegada dos líderes mundiais para o encontro do G20.
"Eu não posso entender por que eles fizeram isso ... Adorar a Deus não tem nada a ver com a Cúpula do G20", disse Li Guisheng, um advogado cristão de Direitos Humanos, que acrescentou que o decreto não tem base na lei chinesa.
Sob ordem do Partido Comunista, mais de 1.200 templos cristãos foram atacados e tiveram suas cruzes removidas na província de Zhejiang, que tem a maior população cristã no estado oficialmente ateu.
Muitos dos que tentaram impedir o cumprimento das ações do governo foram detidos. Um pastor bem conhecido, Gu Yuese, só foi liberado recentemente, depois de ter sido preso em janeiro, por criticar a campanha de remoção das cruzes.
O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido reconhece que as igrejas domésticas da China têm enfrentado uma "pressão constante" do Partido Comunista, em um relatório oficial.

Pesquisa revela que 63% dos franceses não se identificam com nenhuma religião



Os ataques em janeiro levantaram a questão do lugar da religião na França. As estatísticas étnicas ou sobre a pertença religiosa foram altamente regulamentados na França, o número exato de pessoas sem religião é desconhecido. Mas várias pesquisas a nível mundial e europeu oferecem uma boa estimativa da questão religiosa na França.

A maioria dos franceses considera-se ateu
Segundo uma sondagem do Instituto de pesquisas WIN / Gallup International, especialista em questão religiosa, um terço dos franceses afirma ser "não religioso" e quase outro terço afirma ser "ateu".

Assim, 63% dos franceses não se identificam com nenhuma religião, contra apenas 37% dos que se dizem religioso. O estudo foi realizado em 2012, num universo de 50 000 pessoas.

Em 2010, a pesquisa do ‘Eurobarètre’ encomendada por uma Comissão Europeia, confirmou as respostas da primeira pesquisa: 40% dos franceses se declaram ateus e cerca de um terço diz "acreditar em um espírito ou um poder superior".

Quase 70% dos franceses ouvidos, portanto, não pertencem a nenhuma religião específica. Mesmo que um terço deles acredite em alguma forma de divindade, a resposta é enquadrada no item "sem religião".

Os muçulmanos são mais praticantes que os católicos
Mas ter fé e praticar sua religião são duas coisas distintas. De acordo com o estudo da Gallup, uma parte significativa dos entrevistados declarou pertencer a uma religião, mas não praticá-la. De fato, a pesquisa do IFOP revela que a percentagem de praticantes franceses está em grande diminuição. Assim, somente 4,5% frequentam semanalmente a Santa Missa.

Além disso, mesmo que cerca de 70% da população francesa seja batizada, as novas gerações não querem batizar seus filhos: em comparação com os 472.000 batismos em 1990, foram realizados não mais de 303.000 em 2010, num universo de 800.000 nascimentos.

Em relação ao Islã, a prática religiosa é mais regular. De acordo com uma pesquisa IFOP encomendada pelo La Croix, 41% das pessoas de “origem muçulmana” se dizem "crentes e praticantes" (contra 16% entre os católicos), e 34% "crentes, mas não praticantes" (57% Católica), 25% se dizem "sem religião ou somente de origem muçulmana" (27% dos católicos). Apenas 25% dos entrevistados dizem ir "geralmente à mesquita na sexta-feira".

A França é um dos países mais ateus do mundo
A tendência ao ateísmo é mundial, segundo critérios estabelecidos pelo estudo Gallup. Entre os cinco países mais ateus, dos 50 pesquisados, a França ocupa o 4º lugar, atrás da China, do Japão e da República Checa.

O estudo correlaciona os resultados com a riqueza do país. Grande parte dos países mais religiosos também têm o menor rendimento nacional bruto: Gana, Nigéria, Romênia, Quênia, Afeganistão. Pelo contrário, os menos religiosos são muitas vezes os mais ricos, como a França, Japão, Suécia , Hong Kong, Austrália, Alemanha e Holanda.

Fonte: Rádio Vaticano

Com 44% da população de ateus, Holanda transforma igrejas em museus e cafeterias

Após uma pesquisa apontar que 44% da população dos Países Baixos é formada por ateus, a necessidade de ter tantas igrejas e templos religiosos não está fazendo sentido. Esses locais, então, estão sendo substituídos por museus, cafeterias e muito mais.
Imagem redimensionadaAlém de vazios, os templos do país não conseguem mais se manter, pois as ordens religiosas não têm recursos para isso. Para não desperdiçar espaço, além de incentivar a cultura e o encontro entre pessoas, os edifícios que antes abrigavam igrejas, agora são utilizados por livrarias, cafés, salão de cabeleireiro, pistas de dança, restaurantes, casas de show e outros estabelecimentos do tipo.

A população da Holanda é formada por 44% de ateus, 28% de católicos, 19% de protestantes, 5% de muçulmanos e 4% de fiéis de outras religiões. Apesar de a maior parte dos habitantes ainda acreditar em alguma crença, nem todos são assíduos frequentadores de celebrações e cultos religiosos, assim como acontece em outros países.

Fonte: Pure Viagem

Morre o teólogo Tim LaHaye, autor do livro "Deixados para Trás"



Morreu na manhã desta segunda-feira, o autor, pastor e escritor Tim LaHaye vítima de um acidente vascular cerebral. Lahaye tinha de 90 anos de idade.

Sua família anunciou a notícia de sua morte em um hospital de San Diego em sua página no Facebook.

Seu trabalho como escritor foi o que o destacou em todo o mundo, são mais de 60 títulos publicados.

LaHaye era mais conhecido por ser co-autor da série de livros “Deixados para trás”.

A série de livros Left Behind (Deixados Para Trás) de autoria de Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins, é uma obra ficcional, de temática religiosa, que narra os últimos dias na Terra após o arrebatamento da igreja. A série de livros vendeu mais de 70 milhões de exemplares e foi publicada em mais de 34 idiomas, além de ter duas versões cinematográficas.

“Ele está no lugar onde ele sempre quis estar, sua partida deixa um vazio na minha alma”, disse Jerry B. Jenkins, co-autor do livro "Deixados Para Trás". “O Tim LaHaye que eu conhecia tinha um coração de pastor e viveu para compartilhar sua fé”, completou.

Biografia

Nasceu em 27 de abril de 1926, em Detroit, Michigan. Co-autor da série “Deixados para trás”, é fundador e presidente do Ministério Tim LaHaye e do PreTrib Research Center (Centro de Pesquisas Pré-tribulacionistas).

Por 25 anos, LaHaye pastoreou uma das maiores igrejas dos EUA em San Diego, na Califórnia. LaHaye escreveu mais de 45 livros sobre uma grande variedade de assuntos, como a vida em família, temperamentos e profecias bíblicas.

LaHaye foi apontado pelo periódico Evangelical Studies Bulletin como o líder cristão mais influente dos últimos 25 anos. LaHaye era casado com Beverly LaHaye desde 1947, e deixou quatro filhos: Linda, Larry, Lee e Lori.

Fonte: JM Notícia com informações do portal CharismaNews

Morre o teólogo Tim LaHaye, autor do livro "Deixados para Trás"



Morreu na manhã desta segunda-feira, o autor, pastor e escritor Tim LaHaye vítima de um acidente vascular cerebral. Lahaye tinha de 90 anos de idade.

Sua família anunciou a notícia de sua morte em um hospital de San Diego em sua página no Facebook.

Seu trabalho como escritor foi o que o destacou em todo o mundo, são mais de 60 títulos publicados.

LaHaye era mais conhecido por ser co-autor da série de livros “Deixados para trás”.

A série de livros Left Behind (Deixados Para Trás) de autoria de Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins, é uma obra ficcional, de temática religiosa, que narra os últimos dias na Terra após o arrebatamento da igreja. A série de livros vendeu mais de 70 milhões de exemplares e foi publicada em mais de 34 idiomas, além de ter duas versões cinematográficas.

“Ele está no lugar onde ele sempre quis estar, sua partida deixa um vazio na minha alma”, disse Jerry B. Jenkins, co-autor do livro "Deixados Para Trás". “O Tim LaHaye que eu conhecia tinha um coração de pastor e viveu para compartilhar sua fé”, completou.

Biografia

Nasceu em 27 de abril de 1926, em Detroit, Michigan. Co-autor da série “Deixados para trás”, é fundador e presidente do Ministério Tim LaHaye e do PreTrib Research Center (Centro de Pesquisas Pré-tribulacionistas).

Por 25 anos, LaHaye pastoreou uma das maiores igrejas dos EUA em San Diego, na Califórnia. LaHaye escreveu mais de 45 livros sobre uma grande variedade de assuntos, como a vida em família, temperamentos e profecias bíblicas.

LaHaye foi apontado pelo periódico Evangelical Studies Bulletin como o líder cristão mais influente dos últimos 25 anos. LaHaye era casado com Beverly LaHaye desde 1947, e deixou quatro filhos: Linda, Larry, Lee e Lori.

Fonte: JM Notícia com informações do portal CharismaNews

Ataque a igreja na França deixa padre morto e religiosa ferida; EI reivindica autoria


  • Policiais e bombeiros chegam à igreja Saint-Étienne-du-Rouvray, em Normandia
Pelo menos três pessoas morreram após um ataque realizado na manhã desta terça-feira (26) em uma igreja em Saint-Etienne-du-Rouvray, nas proximidades de Rouen, na França. O refém morto é o padre Jacques Hamel, de 84 anos, que teria sido degolado.
As outras duas vítimas são os agressores, que foram "neutralizados" pelas forças de segurança, de acordo com o Ministério do Interior francês. Além disso, uma religiosa foi hospitalizada em estado grave e um policial ficou ferido durante a operação.
O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque. Em comunicado, os jihadistas disseram que o atentado foi realizado por "dois soldados" do grupo.
Os criminosos teriam invadido a igreja portando facas e fizeram, além do padre e da fiel, duas freiras e outras pessoas presentes no local como reféns.
Uma terceira religiosa que conseguiu fugir avisou as autoridades, que rodearam o templo com agentes do corpo de elite da Brigada de Investigação e Intervenção (BRI) da polícia.
Segundo a emissora pública "France Info", esta freira teria dito à polícia que os homens proferiram palavras em árabe ao entrar na igreja.
A seção antiterrorista da Promotoria de Paris assumiu a investigação e encomendou à Subdireção Antiterrorista (SDAT) e à direção geral da Segurança Interior (DGSI) as tarefas de apurar o caso. Os serviços de segurança procuram explosivos ocultos na igreja.
O presidente francês, François Hollande, original da vizinha cidade de Rouen, chegou a Saint-Étienne-du-Rouvray, acompanhado pelo ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, e declarou que os sequestradores eram "terroristas" do Estado Islâmico.
"Estamos mais uma vez enfrentando um teste, a ameaça é muito elevada", disse Hollande, acrescentando que se trata "de uma guerra para ser conduzida por todas as frentes, no âmbito do respeito aos direitos". "Os terroristas querem nos dividir." 
O primeiro-ministro, Manuel Valls, expressou em uma primeira reação através de Twitter seu "horror" contra o "bárbaro ataque na igreja, que "fere a todos os franceses".
O papa Francisco lamentou o episódio e, segundo o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, está rezando pelas vítimas. O pontífice condenou "esta violência absurda" e "toda forma de ódio".
A França está em estado de alerta desde 13 de novembro do ano passado, quando ataques jihadistas deixaram 130 mortos e centenas de feridos na capital, Paris. A medida de segurança foi estendida após, no último dia 14, um homem ligado ao EI ter feito outras 84 vítimas em Nice. (Com agências internacionais)

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...