quinta-feira, 14 de abril de 2016

Arábia Saudita decreta pena de morte para quem carregar Bíblia


  A Arábia Saudita é o “berço” do Islamismo, tendo em Meca a cidade mais sagrada desta religião.
A Arábia Saudita é o “berço” do Islamismo, tendo em Meca a cidade mais sagrada desta religião. Já é proibido aos não muçulmanos entrarem naquela cidade. De modo geral, a perseguição religiosa só aumenta. Não há igrejas conhecidas e a maioria dos cristãos naquela nação são imigrantes estrangeiros.
Agora, o governo do país que já se diz regido pela lei sharia, anuncia modificações em uma lei sobre literatura. Isso poderá marcar o fim do cristianismo na região. O motivo é simples: está prevista pena capital para quem carregar Bíblias para dentro da Arábia. Ou seja, o que já era considerado contrabando, agora chega ao extremo. Não se pode comprar legalmente uma cópia das Escrituras por lá.
A missão Heart Cry  [Clamor do coração] divulgou em seu relatório mais recente que ao legislar sobre a importação de drogas ilegais, incluiu-se um artigo que aborda “todas as publicações de outras crenças religiosas não islâmicas e que tragam prejuízo”. Ou seja, na prática, entrar com uma Bíblia na Arábia Saudita será o mesmo que carregar cocaína ou heroína.
Opinião:
 
“E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.”
Apocalipse 6:9
Perseguição e morte de cristãos é bíblico e ocorre desde os tempos de Jesus.
Por ser um importante parceiro comercial dos EUA – onde rola grana alta e muito petróleo – a Arábia raramente recebe cobertura negativa da imprensa internacional…. nem nessa caso contra cristãos, nem contra gays, por exemplo, que também são sumariamente mortos por lá quando descobertos.
E não se ouve falar em protestos do pessoal dos direitos humanos, nem em manifestações contrárias de nenhum tipo. Assim como já ocorre na Síria e em outras partes do mundo, parece que o assassinato de cristãos é algo encarado com certa naturalidade.

Pastor é assassinado após tentar evangelizar membros de uma gangue, na Nigéria


A polícia da Nigéria prendeu quatro integrantes de uma quadrilha, que confessaram ter assassinado brutalmente um pastor, simplesmente porque ele estava pregando sobre Jesus a eles e teria lhes dito que eles deviam se arrepender de seus pecados.
"A quadrilha também confessou ter sido a responsável pelo sequestro do pastor Chukwu Ekere, da comunidade Ohigha e ter assassinado o evangelista, simplesmente porque o homem de Deus os 'perturbou' com sua pregação, que os chamava ao arrependimento e também por ter proposto que eles deixassem de praticassem as suas atividades nefastas e aceitassem a Deus", informaram as autoridades em um comunicado à mídia local.
A polícia do estado de Rivers (Nigéria) disse que inicialmente prendeu os membros da gangue da região de Ohigha em Ogba e em Diobu, descobrindo a ligação dos homens com crimes, como o seqüestro, estupro e assassinato de uma mulher identificada apenas como Sra. Igila, da vila Ohigha. O crime ocorreu no dia 07 de janeiro.
Os membros da gangue foram identificados como: Henry Ajie, 23 anos; Bright Ajie, 22, Dadison Ogadima, 22 e Sampson Dibia, 30.
Comentando o crimes do estupro e assassinato de Igila, o comando da polícia disse que "os suspeitos confessaram as acusações de sequestro da vítima, e também o estupro e o estrangulamento dela".
Rivers é um dos 36 estados da Nigéria e o sexto mais populoso do país, com uma população de 5.185.400.
Perseguição religiosa
De acordo com um relatório da Missão Internacional Portas Abertas - uma organização que serve aos cristãos perseguidos em todo o mundo - e da Associação Cristã da Nigéria, a matança de cristãos no país aumentou 62% em apenas um ano.
O relatório que avalia o impacto da violência persistente sobre a Igreja no norte da Nigéria, mostra que em 2015 houve 4.028 mortes e 198 ataques contra igrejas. Estatísticas do ano anterior mostram que os assassinatos totalizaram 2.484, enquanto houve 108 ataques a igrejas. Estima-se que 30 milhões de cristãos no norte da Nigéria formam o maior grupo das chamadas "minorias religiosas" em um ambiente de maioria muçulmana.
"Este relatório mostr quea a extensão e o impacto da violência persistente sobre a Igreja no norte da Nigéria é muito mais grave que o esperado anteriormente. Mesmo que o Boko Haram seja derrotado, o problema não será resolvido", diz parte do relatório.
"Os cristãos que vivem sob a lei sharia estão enfrentando discriminação e marginalização e têm pouco ou nenhum acesso aos direitos federais", disse um diretor parceiro da Missão Portas Abertas na África Ocidental. "Esperamos que este relatório solicite que o governo nigeriano e a comunidade internacional se sensibilizem com o sofrimento real dos cristãos perseguidos seriamente e aja em seu nome. Junto a isso, espero que nigerianos cristãos se envolvam mais com os seus irmãos e irmãs e que eles estejam 'na brecha' uns pelos outros".

CPAD

PRÓXIMO ALVO DO ESTADO ISLÂMICO - BRASIL - Abin alerta sobre ameaça terrorista

a  anos , EU VENHO AVISANDO QUE OS ISLÂMICOS ESTÃO SE ORGANIZANDO PARA LANÇAR  ATAQUES TERRORISTAS NO BRASIL.
CRITICADO POR ALGUNS , ELOGIADO POR OUTROS , SEGUIMOS NOSSA CAMINHADA .

TANTO A  ABIM QUANTO A PF  SABEM MUITO BEM QUE NOSSOS POSTS SOBRE OS TERRORISTAS TEM FUNDAMENTO ,POREM POUCO SE IMPORTARAM .
AGORA DIANTE DAS AMEAÇAS , ESTÃO COMEÇANDO A VER QUE NÃO ESTÁVAMOS BRINCANDO DE INFORMAR A VERDADE .

ROBERTO TORRECILHAS


SEGUE MATÉRIA .


Rio - ‘Brasil, vocês são nosso próximo alvo. Podemos atacar esse país de merda”. A ameaça foi postada , em um perfil do Twitter que tinha como dono Maxime Hauchard, 22 anos. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) afirmou, ontem, que o perfil realmente pertence ao terrorista francês que aparece em vídeos do Estado Islâmico (EI) decapitando sírios.
A mensagem foi postada uma semana após os atentados coordenados na França, que deixaram 129 mortos e dezenas de feridos. A conta na rede social do terrorista já foi suspensa. “Monitoramos e percebemos que o perfil realmente era do Maxime, um dos líderes do Estado Islâmico. A partir do momento da postagem houve uma maior intensidade nos discursos de agressividade dos autoproclamados seguidores desse grupo terrorista no Brasil”, afirmou o diretor de Contraterrorismo da agência, Luiz Alberto Sallaberry, na Feira Internacional de Segurança que está sendo realizada no Rio.
“Maxime é uma espécie de garoto-propaganda do Estado Islâmico. Saiu de um vilarejo no interior da França para a Síria, aos 18 anos, onde se integrou ao terrorismo. É o segundo na linha de comando de decapitadores e gosta de dizer que estar no grupo “é como estar no Éden”, descreveu o diretor a uma plateia de especialistas em Segurança.




Maxime Hauchard aparece em vídeos de decapitação na Síria. A Agência Brasileira de Inteligência confirmou a autenticidade do perfil
Foto: Reprodução Internet

Segundo Sallaberry, no Brasil há um crescente nível de pessoas que dizem ter feito o juramento ao califado do Estado Islâmico, ou seja, concordantes com um grupo que deturpou os princípios da religião islâmica e utiliza a violência para expandir seu domínio territorial.
“Quando uma pessoa faz o juramento ao califado e se torna autoproclamado ela está disposta a cometer qualquer atentado violento em nome do grupo. A ordem não precisa ser presencial, pode ser via internet”, disse Sallaberry.
LOBOS SOLITÁRIOS
Os ataques dos chamados ‘lobos solitários’, pessoas que praticam ataques sozinhas, são a maior preocupação da agência para a Olimpíada no Rio de Janeiro. Dez delegações, entre elas dos Estados Unidos e Canadá, são classificadas pela agência com nível “muito alto” para ataques. O nível de ameaça da delegação brasileira é alto. 
O monitoramento das redes sociais é uma das atividades da Abin para combater o terrorismo. Por razões de segurança, Sallaberry não divulga o número de pessoas que se dizem autoproclamadas e que são monitoradas. 
Cursos para auxiliar na identificação de terroristas
Para melhor ilustrar seu discurso na Feira Internacional de Segurança, o diretor de Contraterrorismo da Agência Brasileira de Inteligência, Luiz Alberto Sallaberry, apresentou bandeiras do Brasil onde, em árabe, está escrito “Deus acima de tudo”, com símbolos do Estado Islâmico, postadas por pessoas monitoradas. 
“Posso dizer que são de origem salafista sunita, comunidade que está ligada ao Estado Islâmico. Não estou dizendo que vai acontecer um atentado. Estou dizendo que é a primeira vez que a probabilidade aumentou sobremaneira no nosso país”, afirmou o diretor da agência.
Para evitar possíveis ataques, a Abin intensificou cursos com setores de hotelaria, taxistas e outras pessoas para que elas possam identificar possíveis alvos terroristas em território nacional. Além disso, faz constante intercâmbio com forças estrangeiras e internas. “O sucesso contra o terrorismo só é possível com cooperação. O terrorista é a ameaça sem rosto. Pode ser qualquer um”, afirmou em seu discurso.



GRITOS DE ALERTA

Caio Fábio pode ser chamado para depor sobre Lula, na operação Lava Jato

Caio Fábio Nesta sexta-feira (8), o site O Antagonista informou que integrantes do Ministério Público Federal (MPF) poderão chamar o pas...