sábado, 30 de julho de 2016

Feminilidade Bíblica X Feminismo


INSTAGRAM: REGIMARINO




Hoje quero falar um pouquinho sobre um assunto que dá muito pano pra manga, muitos comentários, tanta a favor como contra: A Feminilidade Bíblica X Feminismo.
Algum tempo aqui no blog postei alguma coisa sobre feminismo como sendo o lado oposto do machismo. Em minha opinião, nenhum dos dois são benéficos para nossa sociedade. Alías, nada que a nossa sociedade faz por si só é benéfico.
O machismo trouxe opressão contra as mulheres, desigualdade entre os sexos e violência doméstica.
E como forma de revidar a esse desmando machista, nasce o feminismo levantando bandeiras reivindicando divisão do trabalho doméstico, igualdade salarial, combate à violência doméstica, creches e escolas para crianças e legalização do aborto.
Já falei também aqui  no blog que o feminismo não é o patinho feio, não é de todo ruim, ou seja algumas reivindicações fazem sentido: lutas contra a violência doméstica, lutas do direito ao voto feminino, direito de estudar e trabalhar, independência financeira e  etc. Mas nós, mulheres cristãs, temos que saber separar o joio do trigo. Quando as lutas femininas vão sendo direcionadas contra o que diz a Palavra do Senhor, temos que ficar antenadas.
Os preceitos feministas adentraram nossas famílias e nossas igrejas. Perdemos  a noção do certo e do errado. A bíblia passou a ser obsoleta. Uma coisa velha, sem sentido, machista, pois agora demos uma rasteira em Deus, passando na frente dEle quando descobrimos a solução contra o desmando machista: o feminismo.
A liberdade sexual foi nos imposta pelo feminismo. É regra não casar virgem, é regra ter filho se quiser, pois o aborto é real, mesmo não sendo legal, e a conquista do mercado de trabalho pode ser muito mais emocionante do que ficar em casa cuidando do lar. Tudo isso é defendido pelo feminismo.

Como se vê, em uma sociedade sem Deus onde o machismo dominante não atendeu às suas demandas, vem então agora, o feminismo que com suas posturas também antibíblica não atendeu a nossa sociedade. Resultado: nós, como sociedade, com manhismo ou feminismo, tanto faz, continuamos perdidos dentro de nós mesmos.
Não escondo de ninguém que tenho uma cosmivisão bíblica. Para mim, nada que não venha da Palavra de Deus trás benefícios para ninguém. Assim, sendo, no tocante homem x mulher tenho que ir à Bíblia para saber.
A palavra de Deus é clara, tanto para homens como para mulheres, cada um tem seu papel na sociedade, com direitos e deveres. É certo que durante muito tempo, aproveitando-se da fragilidade feminina, os homens fecharam os olhos para seus deveres: “Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não vos irriteis contra elas.” (Colossenses 3:19),   “Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida; para que não sejam impedidas as vossas orações.” (1 Pedro 3:7 ), etc, e requeraram, à força, somente seus direitos de homem.
Infelizmente, como sempre, a humanidade longe de Deus se perde. Hoje temos homens perdidos nos seus papeis, não sabem mais qual sua função dentro da sociedade, rapazes se comportanto e  se vestindo como mulheres, é a feminilização da sociedade, enquanto que as mulheres também perdidas, se debatem dentro da guerra dos sexos, sem noção do seu papel como mulher na sociedade.
Todas as instituições da sociedade se vêem perdidas, até mesmo nossas igrejas absorveram os preceitos e lutas feministas quando mulheres assumem  lideranças como pastoras, coisa que de acordo com a palavra de Deus não é permitido: “A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição. Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão.” (1 Timóteo 2:11-14).
Se temos cosmivisão bíblica, esta tem que ser total, pra tudo. Nosso papel de mulher virtuosa (provérbios 31) e adujadora “ E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.” (Gêneses 2:18) não pode ser esquecido pelo que nossa sociedade sem Deus prega. Pois se confiamos no Senhor tempos que aceitar que sua vontade é boa, agradável e perfeita “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.”(Romanos 12:2).
Então, se uma mulher com pensamentos diferentes do feminismo, da mesmice, quer viver sua vida dentro dos preceitos bíblicos, é encarada como se fosse ET. Ou seja a nossa “sábia” sociedade, independente de Deus e de moral, com visões diferentes (leia-se contrária) da Palavra de Deus, não a entenderá. Será criticada e ridicularizada, somente porque sua visão do mundo não está de acordo com  todos.
Vamos lutar por nossos direitos em sermos femininas conforme a Palavra do Nosso Senhor e não de acordo com o que a nossa sociedade “acha” que devemos ser.



http://eumulhermoderna.blogspot.com.br/2012/07/feminilidade-biblica-x-feminismo.html

FALECEU O PASTOR CESINO BERNARDINO , LÍDER DOS GIDEÕES DA ÚLTIMA HORA


Morre pastor Cesino Bernardino

O pastor Cesino Bernardino, 81 anos, conhecido por ter fundado os Gideões Missionários da Última Hora, é chamado por muitos de “Pai de missões”. No final de junho, após ter realizado uma cirurgia, ele entrou em coma profundo.
Foram feitas diversas campanhas de oração lideradas pelo seu filho, pastor Reuel Bernardino, na expectativa de um milagre. Cesino tinha sérios problemas nos rins e nos pulmões.
Na tarde deste sábado (30) ele entrou em óbito, após passar mais de um mês na UTI do hospital Santa Catarina, em Blumenau.

Pastor fez história

Os GMUH surgiram no final da década de 1970, idealizado por Bernardino, recém chegado para assumir a Assembleia de Deus em Camboriú, Santa Catarina. Devido às grandes dificuldades financeiras da congregação, ele iniciou uma campanha de oração para que Deus o orientasse.
Segundo a revelação dada aos membros da igreja, que faziam reuniões de oração em suas casas, anunciou-se que a pequena cidade se tornaria referência para o país. Seguindo a tradição pentecostal, o pastor Cesino pregava constantemente em sua igreja e nas cidades vizinhas sobre o batismo no Espírito Santo.
Logo, ele reuniu uma equipe que, compartilhando de sua visão começou a preparar encontros de avivamento. No início da década de 1980, Bernardino realiza um congresso para os membros da igreja de Camboriú, o 1º Encontro de Missões, na igreja sede.
Na ocasião, foi comissionada a primeira missionária do ministério, enviada para a Argentina. Em pouco tempo surgiram outros. Criou-se uma tradição, que continua até hoje de realizar a cada mês de abril um evento similar em Camboriú.
Em 2016, celebrou-se o 34º Encontro dos Gideões, considerado o maior evento do tipo no mundo. Seguindo um crescimento contínuo com o passar dos anos, o encontro sempre reúne pessoas de todo o Brasil e também exterior.
De acordo com a organização do evento, cerca de 150 mil pessoas participam do encontro.

terça-feira, 26 de julho de 2016

Decapitação de padre foi filmada, diz freira sobrevivente

A Freira que conseguiu fugir de uma igreja católica de Saint-Étienne du Rouvray, na França, para alertar que dois homens haviam feito reféns no local contou que os terroristas fizeram o padre se ajoelhar, o decapitaram e filmaram o crime.  Em entrevista à emissora de rádio RMC , a irmã Danielle explicou que os assassinos ordenaram aos cinco religiosos que estavam dentro da igreja para ficarem juntos. Apesar das súplicas dos reféns para que não cometessem o assassinato, eles não hesitaram em nenhum momento.  Os homens forçaram o sacerdote Jacques Hamel, de 84 anos, a se ajoelhar, e quando este tentou se defender, "começou o drama", segundo a freira."Gravaram em vídeo. Fizeram uma espécie de sermão em árabe em torno do altar. Foi horroroso", disse Danielle, que acrescentou que conseguiu fugir no momento em que os homens atacaram o sacerdote e depois pediu socorro a uma pessoa que passava de carro pela rua da igreja.
Foto: EFE
Em relação a Hamel, a freira lembrou que "era um padre extraordinário".
O presidente da França, François Hollande, declarou que os "dois terroristas, que disseram ser do Estado Islâmico", cometeram "um covarde assassinato".


Foto: EFE

Partido Comunista proíbe o funcionamento de igrejas durante uma semana na China

Partido Comunista proíbe o funcionamento de igrejas durante uma semana na China
Autoridades chinesas proibiram que as igrejas da cidade de Hangzhou abram suas portas ou realizem qualquer tipo de programação religiosa durante a semana da Cúpula do G20, que irá acontecer em setembro deste ano (2016). A justificativa do Partido Comunista (governo atual da China) é que tal medida vá "criar um ambiente seguro" para quando os líderes mundiais chegarem à cidade.
Líderes globais estarão na capital da província de Zhejiang para uma reunião anual de dois dias, que será organizada pelo presidente chinês Xi Jinping. As autoridades decretaram um feriado de uma semana para os serviços para reduzir o congestionamento e facilitar a mobilidade do evento, mas os cultos religioso também foram proibidos.
'Global Times' - tabloide comandado pelo Partido Comunista - disse que reuniões religiosas em grande escala serão proibidas "para criar um ambiente seguro durante os dias da reunião".
Radio 'Free Asia' (com base nos Estados Unidos) informou que as igrejas não oficiais da cidade também tinham sido proibidas de realizarem suas reuniões.
"Eles estão obrigando também as igrejas domésticas a não se reunirem durante os dias próximos da cúpula do G20", disse Zhang Mingxuan, presidente da igreja doméstica chinesa'Alliance'.
Mas há suspeitas que este movimento tenha mais a ver com a repressão do Partido Comunista contra as igrejas de Zhejiang que com a chegada dos líderes mundiais para o encontro do G20.
"Eu não posso entender por que eles fizeram isso ... Adorar a Deus não tem nada a ver com a Cúpula do G20", disse Li Guisheng, um advogado cristão de Direitos Humanos, que acrescentou que o decreto não tem base na lei chinesa.
Sob ordem do Partido Comunista, mais de 1.200 templos cristãos foram atacados e tiveram suas cruzes removidas na província de Zhejiang, que tem a maior população cristã no estado oficialmente ateu.
Muitos dos que tentaram impedir o cumprimento das ações do governo foram detidos. Um pastor bem conhecido, Gu Yuese, só foi liberado recentemente, depois de ter sido preso em janeiro, por criticar a campanha de remoção das cruzes.
O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido reconhece que as igrejas domésticas da China têm enfrentado uma "pressão constante" do Partido Comunista, em um relatório oficial.

Pesquisa revela que 63% dos franceses não se identificam com nenhuma religião



Os ataques em janeiro levantaram a questão do lugar da religião na França. As estatísticas étnicas ou sobre a pertença religiosa foram altamente regulamentados na França, o número exato de pessoas sem religião é desconhecido. Mas várias pesquisas a nível mundial e europeu oferecem uma boa estimativa da questão religiosa na França.

A maioria dos franceses considera-se ateu
Segundo uma sondagem do Instituto de pesquisas WIN / Gallup International, especialista em questão religiosa, um terço dos franceses afirma ser "não religioso" e quase outro terço afirma ser "ateu".

Assim, 63% dos franceses não se identificam com nenhuma religião, contra apenas 37% dos que se dizem religioso. O estudo foi realizado em 2012, num universo de 50 000 pessoas.

Em 2010, a pesquisa do ‘Eurobarètre’ encomendada por uma Comissão Europeia, confirmou as respostas da primeira pesquisa: 40% dos franceses se declaram ateus e cerca de um terço diz "acreditar em um espírito ou um poder superior".

Quase 70% dos franceses ouvidos, portanto, não pertencem a nenhuma religião específica. Mesmo que um terço deles acredite em alguma forma de divindade, a resposta é enquadrada no item "sem religião".

Os muçulmanos são mais praticantes que os católicos
Mas ter fé e praticar sua religião são duas coisas distintas. De acordo com o estudo da Gallup, uma parte significativa dos entrevistados declarou pertencer a uma religião, mas não praticá-la. De fato, a pesquisa do IFOP revela que a percentagem de praticantes franceses está em grande diminuição. Assim, somente 4,5% frequentam semanalmente a Santa Missa.

Além disso, mesmo que cerca de 70% da população francesa seja batizada, as novas gerações não querem batizar seus filhos: em comparação com os 472.000 batismos em 1990, foram realizados não mais de 303.000 em 2010, num universo de 800.000 nascimentos.

Em relação ao Islã, a prática religiosa é mais regular. De acordo com uma pesquisa IFOP encomendada pelo La Croix, 41% das pessoas de “origem muçulmana” se dizem "crentes e praticantes" (contra 16% entre os católicos), e 34% "crentes, mas não praticantes" (57% Católica), 25% se dizem "sem religião ou somente de origem muçulmana" (27% dos católicos). Apenas 25% dos entrevistados dizem ir "geralmente à mesquita na sexta-feira".

A França é um dos países mais ateus do mundo
A tendência ao ateísmo é mundial, segundo critérios estabelecidos pelo estudo Gallup. Entre os cinco países mais ateus, dos 50 pesquisados, a França ocupa o 4º lugar, atrás da China, do Japão e da República Checa.

O estudo correlaciona os resultados com a riqueza do país. Grande parte dos países mais religiosos também têm o menor rendimento nacional bruto: Gana, Nigéria, Romênia, Quênia, Afeganistão. Pelo contrário, os menos religiosos são muitas vezes os mais ricos, como a França, Japão, Suécia , Hong Kong, Austrália, Alemanha e Holanda.

Fonte: Rádio Vaticano

Com 44% da população de ateus, Holanda transforma igrejas em museus e cafeterias

Após uma pesquisa apontar que 44% da população dos Países Baixos é formada por ateus, a necessidade de ter tantas igrejas e templos religiosos não está fazendo sentido. Esses locais, então, estão sendo substituídos por museus, cafeterias e muito mais.
Imagem redimensionadaAlém de vazios, os templos do país não conseguem mais se manter, pois as ordens religiosas não têm recursos para isso. Para não desperdiçar espaço, além de incentivar a cultura e o encontro entre pessoas, os edifícios que antes abrigavam igrejas, agora são utilizados por livrarias, cafés, salão de cabeleireiro, pistas de dança, restaurantes, casas de show e outros estabelecimentos do tipo.

A população da Holanda é formada por 44% de ateus, 28% de católicos, 19% de protestantes, 5% de muçulmanos e 4% de fiéis de outras religiões. Apesar de a maior parte dos habitantes ainda acreditar em alguma crença, nem todos são assíduos frequentadores de celebrações e cultos religiosos, assim como acontece em outros países.

Fonte: Pure Viagem

Morre o teólogo Tim LaHaye, autor do livro "Deixados para Trás"



Morreu na manhã desta segunda-feira, o autor, pastor e escritor Tim LaHaye vítima de um acidente vascular cerebral. Lahaye tinha de 90 anos de idade.

Sua família anunciou a notícia de sua morte em um hospital de San Diego em sua página no Facebook.

Seu trabalho como escritor foi o que o destacou em todo o mundo, são mais de 60 títulos publicados.

LaHaye era mais conhecido por ser co-autor da série de livros “Deixados para trás”.

A série de livros Left Behind (Deixados Para Trás) de autoria de Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins, é uma obra ficcional, de temática religiosa, que narra os últimos dias na Terra após o arrebatamento da igreja. A série de livros vendeu mais de 70 milhões de exemplares e foi publicada em mais de 34 idiomas, além de ter duas versões cinematográficas.

“Ele está no lugar onde ele sempre quis estar, sua partida deixa um vazio na minha alma”, disse Jerry B. Jenkins, co-autor do livro "Deixados Para Trás". “O Tim LaHaye que eu conhecia tinha um coração de pastor e viveu para compartilhar sua fé”, completou.

Biografia

Nasceu em 27 de abril de 1926, em Detroit, Michigan. Co-autor da série “Deixados para trás”, é fundador e presidente do Ministério Tim LaHaye e do PreTrib Research Center (Centro de Pesquisas Pré-tribulacionistas).

Por 25 anos, LaHaye pastoreou uma das maiores igrejas dos EUA em San Diego, na Califórnia. LaHaye escreveu mais de 45 livros sobre uma grande variedade de assuntos, como a vida em família, temperamentos e profecias bíblicas.

LaHaye foi apontado pelo periódico Evangelical Studies Bulletin como o líder cristão mais influente dos últimos 25 anos. LaHaye era casado com Beverly LaHaye desde 1947, e deixou quatro filhos: Linda, Larry, Lee e Lori.

Fonte: JM Notícia com informações do portal CharismaNews

Morre o teólogo Tim LaHaye, autor do livro "Deixados para Trás"



Morreu na manhã desta segunda-feira, o autor, pastor e escritor Tim LaHaye vítima de um acidente vascular cerebral. Lahaye tinha de 90 anos de idade.

Sua família anunciou a notícia de sua morte em um hospital de San Diego em sua página no Facebook.

Seu trabalho como escritor foi o que o destacou em todo o mundo, são mais de 60 títulos publicados.

LaHaye era mais conhecido por ser co-autor da série de livros “Deixados para trás”.

A série de livros Left Behind (Deixados Para Trás) de autoria de Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins, é uma obra ficcional, de temática religiosa, que narra os últimos dias na Terra após o arrebatamento da igreja. A série de livros vendeu mais de 70 milhões de exemplares e foi publicada em mais de 34 idiomas, além de ter duas versões cinematográficas.

“Ele está no lugar onde ele sempre quis estar, sua partida deixa um vazio na minha alma”, disse Jerry B. Jenkins, co-autor do livro "Deixados Para Trás". “O Tim LaHaye que eu conhecia tinha um coração de pastor e viveu para compartilhar sua fé”, completou.

Biografia

Nasceu em 27 de abril de 1926, em Detroit, Michigan. Co-autor da série “Deixados para trás”, é fundador e presidente do Ministério Tim LaHaye e do PreTrib Research Center (Centro de Pesquisas Pré-tribulacionistas).

Por 25 anos, LaHaye pastoreou uma das maiores igrejas dos EUA em San Diego, na Califórnia. LaHaye escreveu mais de 45 livros sobre uma grande variedade de assuntos, como a vida em família, temperamentos e profecias bíblicas.

LaHaye foi apontado pelo periódico Evangelical Studies Bulletin como o líder cristão mais influente dos últimos 25 anos. LaHaye era casado com Beverly LaHaye desde 1947, e deixou quatro filhos: Linda, Larry, Lee e Lori.

Fonte: JM Notícia com informações do portal CharismaNews

Ataque a igreja na França deixa padre morto e religiosa ferida; EI reivindica autoria


  • Policiais e bombeiros chegam à igreja Saint-Étienne-du-Rouvray, em Normandia
Pelo menos três pessoas morreram após um ataque realizado na manhã desta terça-feira (26) em uma igreja em Saint-Etienne-du-Rouvray, nas proximidades de Rouen, na França. O refém morto é o padre Jacques Hamel, de 84 anos, que teria sido degolado.
As outras duas vítimas são os agressores, que foram "neutralizados" pelas forças de segurança, de acordo com o Ministério do Interior francês. Além disso, uma religiosa foi hospitalizada em estado grave e um policial ficou ferido durante a operação.
O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque. Em comunicado, os jihadistas disseram que o atentado foi realizado por "dois soldados" do grupo.
Os criminosos teriam invadido a igreja portando facas e fizeram, além do padre e da fiel, duas freiras e outras pessoas presentes no local como reféns.
Uma terceira religiosa que conseguiu fugir avisou as autoridades, que rodearam o templo com agentes do corpo de elite da Brigada de Investigação e Intervenção (BRI) da polícia.
Segundo a emissora pública "France Info", esta freira teria dito à polícia que os homens proferiram palavras em árabe ao entrar na igreja.
A seção antiterrorista da Promotoria de Paris assumiu a investigação e encomendou à Subdireção Antiterrorista (SDAT) e à direção geral da Segurança Interior (DGSI) as tarefas de apurar o caso. Os serviços de segurança procuram explosivos ocultos na igreja.
O presidente francês, François Hollande, original da vizinha cidade de Rouen, chegou a Saint-Étienne-du-Rouvray, acompanhado pelo ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, e declarou que os sequestradores eram "terroristas" do Estado Islâmico.
"Estamos mais uma vez enfrentando um teste, a ameaça é muito elevada", disse Hollande, acrescentando que se trata "de uma guerra para ser conduzida por todas as frentes, no âmbito do respeito aos direitos". "Os terroristas querem nos dividir." 
O primeiro-ministro, Manuel Valls, expressou em uma primeira reação através de Twitter seu "horror" contra o "bárbaro ataque na igreja, que "fere a todos os franceses".
O papa Francisco lamentou o episódio e, segundo o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, está rezando pelas vítimas. O pontífice condenou "esta violência absurda" e "toda forma de ódio".
A França está em estado de alerta desde 13 de novembro do ano passado, quando ataques jihadistas deixaram 130 mortos e centenas de feridos na capital, Paris. A medida de segurança foi estendida após, no último dia 14, um homem ligado ao EI ter feito outras 84 vítimas em Nice. (Com agências internacionais)

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Cantora gospel morre em grave acidente de carro


A cantora gospel Letícia Nunes faleceu na madrugada do último sábado (23), vítima de um grave acidente de trânsito que resultou em um traumatismo craniano. Os fãs da artista expressaram a tristeza por meio das redes sociais, após receber a notícia da morte.

O acidente aconteceu no dia 2 desse mês, na cidade de Americana, São Paulo. Além de Letícia, estavam com ela, no veículo, o pastor Gunna Ferrari juntamente com sua esposa, a cantora Amanda Ferrari (Saiba mais).


foto-publicada-nos-perfis-oficiais-da-cantora-nas-redes-sociais_771301Um dos veículos envolvidos no acidente bateu no muro de concreto, que divide a rodovia. Logo depois dois veículos que vinham, bateram com força contra esse carro. Amanda, que teve de adiar a gravação de seu DVD, e seu esposo tiveram ferimentos mais leves e, após passarem por exames, ficaram de alta. Apesar disso, Letícia precisou continuar internada por ter sofrido traumatismo craniano. Ela teve de ficar na UTI, até que morreu no último sábado.
O comunidado feito no Facebook pela família da cantora chocou todos os amigos e também os fãs, na manhã do último domingo. Muito abalada com a notícia, Patrícia Nunes, irmã da cantora, disse que a “Terra acaba de perder uma pessoa de enorme talento”. Nas redes sociais foram muitas as mensagens publicadas, lamentando o falecimento de Letícia.
A irmã da cantora ainda escreveu que o “coro celeste ganhou mais um integrante”, que era uma pessoa que havia dedicado toda sua vida à obra de Deus e que sempre procurou repassar às pessoas a mensagem do Senhor. “Mulher guerreira,ativa, sempre disposta”, postou.
Letícia Nunes morava no interior do estado do Pará, na cidade de Marabá e, desde bem nova, já cantava. Seu primeiro disco foi lançado em 2012 e fez grande sucesso. Em 2015 ela lançou o segundo álbum e sua agenda estava repleta de shows. Os fãs torcem para que a família tenha força para superar este momento tão difícil.
(Guiame)

A Hora da Verdade Sobre o Islã

Dave Hunt

O Que é Ser Fanático?

Pode-se chamar o líder espiritual de uma nação de “fanático”? É razoável descrever assim a um homem que é reconhecido mundialmente como o representante de sua religião? Quem conhece melhor sua religião do que o próprio líder espiritual? O aiatolá Khomeini do Irã demonstrou isso quando declarou: “A alegria maior no islã é matar e ser morto por Alá”.[1] Isso é fanatismo?
Pode-se chamar o fundador de uma das maiores religiões do mundo de fanático? Maomé, que juntamente com seus seguidores massacrou milhares de pessoas para estabelecer e espalhar o islã, disse aos muçulmanos: “Matem a quem não aceitar nossa fé...”[2] “Recebi a ordem de Alá para lutar com as pessoas até que elas testifiquem que não há outro deus além de Alá e que Maomé é o seu profeta”.[3]
Maomé era um fanático? São fanáticos aqueles que lhe obedecem hoje em dia, impondo a pena de morte aos muçulmanos que se convertem a outra religião (como ocorre no Afeganistão, nos Emirados Árabes, no Paquistão, na Arábia Saudita e no Sudão)? Precisamos de uma nova definição de “fanático”?

Terrorista e Prêmio Nobel da Paz

Existe uma certa hipocrisia no modo irado com que os Estados Unidos e o mundo agora estão vendo o terrorismo. O terrorista mais maligno, sanguinário e bem-sucedido da História, Yasser Arafat, recebeu o prêmio Nobel da Paz e foi aclamado como um líder de Estado. Para seus possíveis imitadores ele é a prova cabal de que o terrorismo vale a pena. As Nações Unidas, a União Européia e incontáveis líderes políticos e religiosos aliaram-se a ele em seu terrorismo contra Israel. Arafat e sua OLP são detentores de alguns recordes: o maior seqüestro (quatro aeronaves de uma só vez) – igualado com os atentados de 11 de setembro de 2001 – o maior número de reféns de uma só vez (300), o maior número de pessoas assassinadas em um aeroporto, o maior resgate já recebido (US$ 5 milhões, pagos pela Lufthansa), a maior variedade de alvos (um avião com 40 passageiros civis, cinco navios de passageiros, 30 embaixadas ou missões diplomáticas, além de incontáveis depósitos de combustível e fábricas), etc.[4] Ao invés de ser julgado por um tribunal internacional, como os líderes nazistas e sérvios, os atos sangrentos de Arafat lhe garantiram aceitação e fizeram dele um “líder pela paz”!

Recompensas no Paraíso

Seria ingenuidade extrema imaginar que os terroristas que estão dispostos a se tornar homens-bomba em Israel ou a explodir um avião, o que custará sua própria vida e a de muitas outras pessoas, estão fazendo algo por uma causa humanitária. Sua coragem vem de uma doutrina específica do islã. Abu-Bakr, o primeiro califa a suceder Maomé (e um dos poucos a quem Maomé prometeu o paraíso sem a necessidade de martírio), declarou que, mesmo que estivesse com um pé dentro do paraíso, não poderia confiar que Alá o deixaria entrar. No islã, a única maneira de alguém chegar com certeza ao paraíso é sacrificar sua própria vida na jihad. Para o muçulmano, é proibido o suicídio como ato contra a própria vida, mas quando ele sacrifica a vida para matar infiéis, isso lhe traz a maior das recompensas.
Qual é a recompensa, no paraíso, para o mártir da jihad? A promessa é que ele receberá um palácio feito de pérolas que possui 70 mansões; dentro de cada mansão existem 70 casas. Em cada casa há uma cama com 70 lençóis e, em cada lençol, uma bela virgem. Ele recebe a garantia de que terá o apetite e a força de 100 homens para a comida e para o sexo. Esse é um sonho fantástico, alimentado pelos meninos muçulmanos desde sua tenra infância. Apenas essa motivação já é suficiente para lhes dar a coragem e a determinação inabaláveis para treinar e executar atos terroristas em que sacrificarão suas vidas, trazendo morte e destruição para “os inimigos de Alá”.

Uma Religião Fundamentada na Violência

É verdade que a imensa maioria dos muçulmanos é amante da paz e afirma que se opõe ao terrorismo. Naturalmente eles têm nossa simpatia, mas deveriam estar se questionando por que seguem uma religião fundada através da violência, que desde o início tem sido imposta pela espada. Sob a liderança de Maomé no século VII, milhares de árabes (e muitos judeus e cristãos) da Península Arábica foram mortos pelos ferozes “guerreiros santos” do islã, que impunham a aceitação daquela religião no mundo árabe. Com a morte de Maomé, a maioria dos árabes abandonou o islã, imaginando que finalmente ficariam livres. Rapidamente, dezenas de milhares foram massacrados nas Guerras da Apostasia, que forçaram a Arábia a voltar ao domínio de Alá. A partir daquela base, o islã foi propagado por todo o mundo através da espada.
Na verdade, os terroristas agem em obediência direta a Maomé, ao Corão, a Alá e ao islamismo.
Após a inesquecível terça-feira negra de setembro de 2001, os americanos ouviram repetidas vezes autoridades bem-intencionadas dizendo que devemos ser cuidadosos para não culpar o islã por aquilo que uns poucos fanáticos fizeram. Na verdade, os terroristas agem em obediência direta a Maomé, ao Corão, a Alá e ao islamismo. Enquanto muçulmanos nominais rejeitam essa idéia, os eruditos islâmicos concordam que é uma obrigação religiosa de cada muçulmano usar a violência sempre que possível para espalhar o islã, até que este domine o mundo. Precisamos encarar algumas questões simples: não é a tentativa de forçá-los a se submeterem ao islã o que causa a escravidão cruel, a tortura e o massacre de milhões no sul do Sudão, por exemplo? Não é o islã a força por trás dos ataques assassinos e destrutivos contra cristãos que ocorrem na Nigéria, na Indonésia, no Paquistão e em outros lugares? Não era a imposição da lei islâmica que fazia o Talibã negar todos os direitos civis às pessoas que estavam sob seu controle no Afeganistão? O que além do islã une o sempre conflituoso mundo árabe em um ódio implacável e irracional contra Israel? Nenhum mapa árabe do mundo admite a existência de Israel. É somente a declaração do islã de que Ismael, e não Isaque, era o filho da promessa e que a Terra Santa pertence a ele que une os árabes numa “fanática” determinação de destruírem os judeus.

Preconceito Religioso?

Há uma relutância natural em aceitar qualquer declaração que pareça ser preconceituosa contra uma religião mundial. O medo de tal preconceito impede o mundo de encarar a verdade. Seria preconceito expor esses simples fatos? Não é – mas é difícil encarar a verdade de que o islã é uma religião de violência e que seus praticantes não são extremistas e fanáticos, no sentido estrito dessas palavras, mas seguidores sinceros de Maomé.
O mundo todo tem se juntado ao islã em sua falsa exigência em relação à terra de Israel, que hoje é erroneamente chamada de Palestina. Essa Terra Prometida, dada a Israel pelo Deus da Bíblia, tem sido continuamente ocupada pelos judeus durante os últimos 3.000 anos, e eles são as únicas pessoas que deveriam fazê-lo. Em reconhecimento desse inegável fato histórico, toda a “Palestina” deveria ter sido entregue aos judeus para ser seu território segundo uma decisão da Liga das Nações em 1917. Mas os judeus foram traídos pela administração inglesa na execução dessa determinação (e o declínio do Império Britânico pode ser datado a partir dessa traição). A terra foi dividida entre a Jordânia, a Síria, o Líbano, etc. Israel agora é acusado de “ocupar” a terra que, na verdade, tem sido sua por 3.000 anos. Esses “palestinos” de última hora são sustentados por uma mentira propagada pelo mundo inteiro, que diz que eles são os proprietários originais daquela terra. Como resultado, o terrorismo é perpetrado não apenas contra Israel, mas agora também contra os Estados Unidos, com o objetivo de fazer pressão para que o povo de Israel seja expulso da terra que é sua por direito e para que o islã se espalhe por todo o mundo.

E Agora, o Que Deve Ser Feito?

Chegamos a um momento definitivo, quando a verdade poderia triunfar se o mundo reconhecesse que os terroristas islâmicos não são “fanáticos”, mas fundamentalistas muçulmanos devotos que estão seguindo sua religião com fidelidade. Esse reconhecimento poderia trazer uma preocupação renovada com os muçulmanos de todas as nacionalidades, que estão cruelmente aprisionados por esse sistema religioso. A exposição da verdade poderia constranger as nações muçulmanas a abrirem a “Cortina Islâmica” e a dar liberdade para que se entre em suas fronteiras. Essa poderia ser uma nova chance de evangelização do mundo, onde não a força, mas o amor e a razão permitiriam que cada pessoa determinasse a fé que desejaria seguir de todo o coração. Oremos para que isso aconteça.

Notas:

  1. David Lamb, The Arabs: Journey Beyond a Mirage (Vintage Books, 1988), p. 287; David Reed, “The Holy War Between Iran and Iraq” (Reader’s Digest, agosto de 1984), p. 389.
  2. Citado na autoridade de Ibn ’Abbas em Sahih of al-Bukhari (Parte 9), p. 19. Atestado por vários eruditos islâmicos.
  3. Ibid (Parte 1), p. 13.
  4. John Laffin, The PLO Connections (Transworld, 1982), p. 18.
Dave Hunt (1926-2013) — Devido a suas profundas pesquisas e sua experiência em áreas como profecias, misticismo oriental, fenômenos psíquicos, seitas e ocultismo, realizou muitas conferências nos EUA e em outros países. Também foi entrevistado freqüentemente no rádio e na televisão. Começou a escrever em tempo integral após trabalhar por 20 anos como consultor em Administração e na direção de várias empresas. Dave Hunt escreveu mais de 20 livros, que foram traduzidos para dezenas de idiomas, com impressão total acima dos 4.000.000 de exemplares.
As opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade dos seus autores.

Menina cristã é sequestrada, estuprada e obrigada a se casar com muçulmano

Menina cristã é sequestrada, estuprada e obrigada a se casar com muçulmano
Uma menina de 14 anos foi sequestrada, estuprada e forçada a se casar com um muçulmano no Paquistão. Seu pai foi morto a tiros quando ele vendeu sua casa em uma tentativa de comprar sua liberdade.
Mehwish Masih, que deixou a escola muito nova porque sua família não podia mais arcar com os custos, foi contratada como zeladora de tempo parcial em uma casa em Faisalabad. As informações são daAssociação Cristã Britânico Paquistanês (BPCA).
Ela foi convidada para ficar até mais tarde ajudando em uma festa no mês de março, e não retornou no dia seguinte. Logo depois, seus pais receberam uma cópia de sua certidão de casamento islâmico.
Seu pai Tanveer Masih, um motorista, vendeu sua casa na favela de Faisalabad slum (Khalid Colony) para pagar um advogado que conseguiu com que o sequestro fosse registrado como crime. Ele foi alertado pelos parentes do novo marido de sua filha, para deixar o caso. Tanveer foi assassinado por dois pistoleiros desconhecidos.
Najma Bibi é a mãe de Mehwish. Ela disse que "a polícia não fez nada de substancial para ajudar a minha filha, que agora não têm dinheiro para defender os nossos direitos e sem o meu marido, não temos nenhuma voz. Vivemos em uma situação desesperadora, precisamos de ajuda. Eu oro para que a minha filha continue a colocar a sua esperança em Jesus Cristo".
Kanwal Amar da BPCA, está tentando aumentar a conscientização sobre Mehwish, além de mencionar outros que compartilham do mesmo destino. Ele está tentando levantar fundos para encontrar uma nova casa para a família. "A família está com medo do futuro, mas estão optando buscar pela justiça custe o que custar. Eles estão esperando que os cristãos do Ocidente possam ajudar a apoiar sua causa. Eles estão com medo da tortura e do estupro que sua jovem filha está passando”, comenta.
“Nagma, a mãe de Mehwish, também expressou o desejo de ter mais segurança para sua família. O incidente causou grande ansiedade e trauma e eles precisam de um lugar para reavaliar o seu futuro, enquanto eles se recuperam", ressaltou.
Wilson Chowdhry, presidente da BPCA, disse que há uma estimativa de 700 jovens cristãs por ano que são sequestradas, estupradas e obrigadas a se casar no Paquistão.
"Esse número é apresentado por ONGs cristãs e continuamos a afirmar que muitos casos não são declarados. As pessoas no Oeste estão expressando grande consternação pelo fato de ser feito pouco caso na busca por justiça para as filhas sequestradas. Bem, aqui vemos o resultado de uma ação contra os autores. Um pai foi assassinado”, disse.
"Assim, muitos fatores devem ser levados em conta durante esses incidentes e eu recomendo que as famílias possam lutar por justiça, mas também entendo por que tantos escolhem não fazer nada e suportar a dor para salvar o que resta de suas famílias”, finalizou.

Cristãos nigerianos podem enfrentar tempos ainda mais difíceis


Um novo projeto de lei que está tramitando no Parlamento Federal Nigeriano tem preocupado muito os cristãos que vivem no país. Trata-se do direito a novas pastagens dado aos pastores fulani (fazendeiros nômades muçulmanos). O governo pretende oferecer a eles novas rotas por terras nigerianas, alegando que é necessário encontrar uma solução para o esgotamento de recursos das terras por onde eles peregrinam atualmente. Antes, suas pastagens eram exclusivas, evitando dessa forma os conflitos com os agricultores cristãos.
De acordo com a declaração oficial da CAN (Associação Cristã da Nigéria), emitida em 25 de maio de 2016, a nova proposta prevê aos fulani o direito de passar por terras de todos os estados da Nigéria. Simultaneamente, existem outros projetos de lei reforçando a competência dos tribunais que utilizam a sharia (lei islâmica) em processos penais. Tendo seus territórios expandidos, os pastores muçulmanos também serão beneficiados com base jurídica para um possível domínio da região Sul do país, que até o momento está sob o domínio de agricultores pertencentes a grupos étnicos e religiosos minoritários.
Lembrando que, os muçulmanos já dominam o Norte do país, no Sul estão os cristãos, em sua maioria, e o Cinturão Médio, área central da Nigéria, é onde há o maior número de conflitos violentos entre muçulmanos e cristãos. Até o momento, não há nenhum projeto de lei que atenda aos interesses das minorias religiosas. Na verdade, de acordo com a CAN, o projeto que favorece os fulani é um claro sinal de que os planos de islamização da Nigéria estão sendo patrocinados pelos atuais governantes. Ore pela igreja na Nigéria.

NIGÉRIA FECHA 70 IGREJAS POR SEREM MUITO BARULHENTAS


Cerca de 70 igrejas foram fechadas no final de junho por serem consideradas muito “barulhentas” na cidade mais populosa da África — Lagos, na Nigéria.
A ação controversa começou em 2007, de acordo com o jornal nigeriano Vanguard. A cidade fechou 10 igrejas até 2009 e, em 2014, fechou 24 congregações.
Bola Shabi, um funcionário da Agência de Proteção Ambiental de Lagos, disse que é parte de uma meta tornar a cidade "sem ruídos" até 2020.
"Nós estivemos tão estritos que não iremos permitir igrejas improvisadas no estado por mais tempo", disse Shabi ao Vanguard. "O que quero dizer com improvisadas são igrejas que usam tendas e prédios inacabados".
O governo investiga incidentes quando são registradas queixas de vizinhos, relatou a agência Associated Press.
A cidade também foi fechou alguns hotéis, mesquitas e clubes noturnos, embora as igrejas sejam as maiores afetadas.
"Não é certo que mesquitas e igrejas perturbem outras pessoas com o ruído de suas atividades, simplesmente porque elas estão adorando a Deus", disse Tunji Bellow, comissário da cidade para o Meio Ambiente, em 2014. "A adoração a Deus não deve acontecer com tanto desconforto para os outros.”

"A perseguição irá aumentar, mas estamos prontos para enfrentá-la", diz pastor em Bangladesh

Mesmo que a perseguição contra os cristãos em Bangladesh esteja em ascensão, o número de muçulmanos que se converte ao cristianismo também cresce cada vez mais na nação do sul da Ásia.

Assim como em outros países onde a população é dominada por um governo de maioria muçulmana, os cristãos de Bangladesh estão correndo risco de serem mortos ou perseguidos por causa da sua fé em Jesus Cristo.
Imagem redimensionadaMas enquanto cerca de 90% da população de Bangladesh - um total de de 165 milhões de habitantes - é formada por muçulmanos, o cristianismo está ganhando força no país.

De acordo com a organização de direitos humanos 'Christian Freedom International' (CFI), estima-se que mais de 91.000 muçulmanos, em toda Bangladesh, se converteram ao cristianismo nos últimos seis anos, apesar da apostasia ser um ato punível com a morte no islamismo, em muitos países.

O pastor Faruk al-Ahmed - que também é um ex-muçulmano que se converteu ao evangelho - vem compartilhando a mensagem de Cristo desde que se converteu, em meados da década de 90. Ele pessoalmente atestou a ascensão do cristianismo em sua própria comunidade, no norte de Bangladesh, durante uma entrevista ao site britânico de notícias, 'Express'.

"Quando comecei meu ministério em Kurigram, havia apenas uma família de tradição cristã e outra culturalmente muçulmana", explicou o pastor. "Agora, quase 1.500 cristãos que vieram do islamismo estão glorificando a Deus nesta área".

"A perseguição virá ainda mais forte, mas nós estamos prontos para enfrentá-la", acrescentou al-Ahmed.

Estima-se que o número de cristãos em Bangladesh seja de 1,6 milhão, que compreende cerca de 1% da população total do país.

Apesar de relatos de que o Cristianismo está crescendo no país, a CFI enfatiza que os cristãos são obrigados a manter suas atividades de adoração na clandestinidade para evitar "retaliações" por sua fé.

"Igrejas - especialmente as igrejas domésticas onde os crentes se encontram - preferem não exibir quaisquer símbolos cristãos em suas entradas ou em seu interior, para evitar que sejam reconhecidas como tal", diz um relatório da Missão Internacional Portas Abertas do Reino Unido. "Às vezes, até mesmo igrejas históricas enfrentam oposição e restrições para colocarem uma cruz ou outros símbolos religiosos em seus templos".

Contexto

A Portas Abertas classifica Bangladesh como o 35º pior país no mundo, quando se trata de perseguição ao cristismo e relata que nove igrejas foram obrigadas a fechar em 2015, devido a preocupações com relação à segurança.

Embora muitos cristãos de Bangladesh tenham sido mortos, espancados, estuprados e torturados por causa da sua fé, a perseguição contra os crentes acontece de muitas formas sociais diferentes, de acordo com a Portas Abertas.

"A conversão não é proibida por lei, mas a pressão para renunciar a fé cristã é muitas vezes exercida por familiares, amigos e vizinhos. Houve vários relatos de comerciantes cristãos que tiveram que fechar de suas lojas ou empresas, devido à pressão exercida pela maioria muçulmana", acrescenta o relatório Portas abertas.

"Muitos dos que se convertem, acabam ficando isoladas de suas famílias e também há relatos de que os filhos desses novos cristãos acabam sendo automaticamente registrados como muçulmanos".

Os radicais muçulmanos, muitas vezes têm um nível de impunidade, porque a polícia em Bangladesh tende a fechar os olhos para a perseguição de minorias religiosas, de acordo com a 'Christian Freedom International'.

Enquanto o Estado islâmico e outros grupos extremistas têm se espalhado pelo país e matado um número de cristãos e minorias religiosas no último ano, cerca de 2.000 cristãos se reuniram na Arquidiocese de Dhaka e na diocese de Khulna, em junho para orar simultaneamente para que a humanidade volte seus olhos para a violência promovida pelo terrorismo no país.

"Oremos para que esse venha a se tornar um país de unidade, paz e harmonia", disse o arcebispo de Dhaka Patrick D'Roazario durante as orações.

"Oremos para que a humanidade adormecida tome consciência da violência, dos assassinatos cometidos em segredo e da perseguição", continuou ele. "Que o nosso Deus Todo-Poderoso toque o coração [dos terroristas] para que eles mudem de ideia".

Fonte: Guia-me

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...