domingo, 20 de setembro de 2015

Para que servi o Ano do Jubileu e qual o sentido em nossos dias?

)




Antigamente, no Yom Kipur do qüinquagésimo ano, tocava-se o shofar na Terra Santa como sinal feliz da libertação dos escravos e o retorno de terrenos a seus donos originais.
A palavra jubileu vem do hebraico, yovel. Refere-se ao carneiro, cujo chifre foi usado para anunciar o ano festivo. Há comentaristas que oferecem mais uma explicação. Dizem que yovel vem do verbo hebraico "trazer de volta", pois os escravos voltavam a seu estado anterior de liberdade, não sendo mais servos de homens e sim apenas do Criador; e os terrenos também voltavam aos proprietários originais.
Além da contagem do ano de shemitá, de sete em sete anos, existe a contagem do yovel - o jubileu, que ocorre a cada cinquenta anos, no ano seguinte ao término de 7 anos sabáticos.
Para um agricultor judeu, é muito difícil não trabalhar os campos e pomares durante um ano inteiro, não podendo dispensar-lhes os cuidados adequados. Que dirá então o quão difícil é para ele não trabalhar a terra por dois anos seguidos! O sétimo ano de Shabat Shemitá e o seguinte, do jubileu.
Na época do Templo Sagrado isto era exatamente o que acontecia a cada cinqüenta anos. Atualmente, não se guarda o Yovel.
O Yovel caracterizava-se por três obrigações, que recaíam sobre a nação inteira:
1. Abstenção de qualquer trabalho agrícola, exatamente como em Shemitá.
2. Liberdade incondicional para todo escravo hebreu.
3. A devolução de todos os campos aos seus proprietários originais.
No Yovel, os escravos judeus são libertados
A cada ano de Yovel, em Yom Kipur, o San'hedrin (Tribunal Superior) tocava o shofar. A seguir os judeus em Israel, tocavam o shofar. O som podia ser ouvido em Israel inteira, anunciando: "Chegou a hora de libertar todos os escravos judeus. Todos os que possuem escravos judeus devem libertá-los e enviá-los à suas casas."
Não importava se o escravo recém começara a servir seu senhor, ou se já havia trabalhado seis anos, todo escravo judeu tinha de ser enviado de volta ao seu lugar de origem. O toque do shofar era um lembrete para ouvir e observar esta mitsvá. Depois de possuir um escravo por um longo período, o amo deve achar difícil mandá-lo embora; assim como o escravo pode ficar relutante em deixar seu amo. De Rosh Hashaná até Yom Kipur do ano de Yovel, um escravo não retorna à sua casa; nem seu amo pode empregá-lo. Em vez disso, senta-se à mesa de seu amo, come, bebe, e relaxa. Quando o shofar é tocado em Yom kipur, ele finalmente parte. Este período de dez dias de transição ajudam-no a readaptar-se à liberdade. D'us disse: "Quando tirei o povo judeu do Egito, tornaram-se Meus escravos. Por isto, nenhum judeu poderá servir a outro por toda a vida, somente Eu posso exigir tal submissão."
O que nos ensinava a mitsvá de tocar o shofar no Yovel?
O toque do shofar no ano de Yovel anunciava a libertação de todos os escravos judeus. Da mesma forma, um dia escutaremos um magnífico toque do shofar, que anunciará a vinda de Mashiach. Este som será o início da verdadeira liberdade para o povo judeu. Mashiach virá e construirá o Terceiro Templo Sagrado. D'us libertará o mundo da morte e da má inclinação. A ressurreição dos mortos será realidade, e viveremos para sempre. Rezamos diariamente na oração da Amidá para que isto aconteça logo: o toque do grande shofar anunciando nossa liberdade.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.

A Festa das Cabanas


Neemias 8

Todos os israelitas haviam se instalado em suas cidades, após o término do muro de Jerusalém, mas todos se reuniram na praça, em frente da porta das Águas do muro no primeiro dia do sétimo mês.
Pediram então ao escriba Esdras que trouxesse o Livro da Lei de Moisés, que o Senhor dera a Israel. É a primeira vez que Esdras o sacerdote e escriba é mencionado no livro de Neemias.
Esdras havia ido da Babilônia a Jerusalém 13 anos antes de Neemias (458 a.C. Veja Esdras 7) e era provavelmente mais velho do que Neemias. Enquanto Neemias era o líder político Esdras era o líder religioso, como sacerdote, mas em virtude de ser escriba era também advogado, tabelião, professor e especialista em assuntos da lei. Os escribas estavam entre as pessoas mais cultas da sociedade judaica daquele tempo.
Sem dúvida os judeus gostariam de voltar a ter plena soberania nacional como nos tempos antigos, mas estavam agora submetidos ao rei da Pérsia, e ele não lhes permitiria ter rei próprio. A solução mais sábia foi a de ter estes dois líderes, ambos os quais eram fiéis ao Senhor Deus de Israel e aprovados pelo rei da Pérsia.
Atendendo ao pedido do povo, Esdras imediatamente se preparou e, com treze acompanhantes subiu numa plataforma elevada num lugar mais alto, para que todos pudessem vê-lo. A manhã ainda estava raiando, presumindo-se portanto que o povo havia se congregado no dia anterior e falado com ele à noite.
Quando Esdras abriu o Livro, na presença dos homens, mulheres e de todos os que podiam entender, o povo todo se levantou e Esdras louvou o Senhor, o grande Deus. Todo o povo ergueu as mãos e respondeu: "Amém! Amém!" e adoraram o SENHOR, prostrados, rosto em terra.
A reunião assim começou com louvor e adoração. Era um bom exemplo para seguir em nossas reuniões dedicadas ao estudo da Palavra de Deus. Mas não é costume agora erguer as mãos para dizer "Amém" nem prostrar com o rosto em terra para adorar o SENHOR. Dizemos "Amém" na posição em que nos encontramos, e o louvor e a adoração é geralmente feita em pé, na maioria das vezes cantando hinos apropriados.
O Senhor Jesus nos ensinou que "os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem" (João 4:23) - a atitude física revela respeito mas pode tomar diversas formas: o essencial éque os adoradores o façam sinceramente, sem hipocrisia.
Em seguida Esdras começou a ler o Livro em voz alta, para que todos pudessem ouvir. Ele havia colocado entre o povo treze levitas para que explicassem o que ele estava lendo e instruíssem assim o povo. Deduzimos que ele teria feito pausas entre as frases para que elas fossem explicadas pelos levitas.
Muitas vezes em nossos dias um estudo bíblico é feito em forma de palestra, um monólogo em que o preletor procura antecipar as dúvidas dos ouvintes e as esclarece. Muito mais eficaz é o estudo bíblico em que existe a oportunidade para ouvir as perguntas dos que se encontram presentes e explicar pessoalmente o que a Bíblia diz. Assim fez Esdras com a ajuda dos levitas, pois o auditório era muito grande.
Era um estudo bíblico feito em equipe, e durou a manhã toda, até o meio dia. Todos permaneceram em pé, e o povo ouvia com atenção a leitura do Livro da Lei.
A maioria do povo, fora os levitas, provavelmente nunca tinha tido a oportunidade de ler a Palavra de Deus - não existiam cópias abundantes de fácil aquisição como as temos hoje em dia. Talvez muitos nunca tinham podido ouvir alguém ler o Livro da Lei, menos ainda explicar.
O resultado foi que, terminada a leitura, o povo estava chorando, ao perceber o quanto individualmente e coletivamente ele havia se afastado dos padrões que Deus havia estabelecido em Sua lei. Então Neemias, Esdras e os levitas declararam ao povo que não chorasse, pois esse dia era consagrado ao SENHOR seu Deus.
Neemias ordenou a todos que fossem embora e se alimentassem do melhor que tivessem e repartissem com os que não tivessem trazido nada. Um ingrediente importante da festa era repartir, dando aos carentes a oportunidade de celebrar também. Quando celebramos uma festa e convidamos outros a participarem conosco, sentimos mais alegria, pois "mais bem-aventurada coisa é dar do que receber" (Atos 20:35).
Tendo o dia sido consagrado ao seu Senhor, a alegria do SENHOR os fortaleceria. Os levitas o apoiaram, tranqüilizando o povo e dizendo que não ficassem tristes porque este era um dia santo, ou seja, dedicado inteiramente a Deus.
A alegria do Senhor nos fortalece. O apóstolo Paulo escreveu: "Posso todas as coisas naquele que me fortalece" (Filipenses 4:13) e um pouco atrás, no versículo 4, ele ordenou "Regozijai-vos, sempre, no Senhor; outra vez digo: regozijai-vos". O regozijo é a fonte da força, e a Palavra de Deus nos faz regozijar. Se o estudo da Palavra de Deus não nos dá alegria, alguma coisa está errada.
A primeira epístola de João foi escrita com o propósito de nos trazer alegria: "Estas coisas vos escrevemos, para que o vosso gozo se cumpra" (1 João 1:4). Deus não quer que tenhamos apenas um pouco de alegria: Ele deseja que nos regozijemos muito ao ler e estudar a Sua palavra. Ela deve nos encher de gozo. Também devemos sentir grande alegria ao irmos a uma reunião onde vamos estudar a Palavra de Deus juntos.
O povo obedeceu e celebrou com grande alegria aquele dia, porque agora compreendia as palavras que lhe foram explicadas.
No dia seguinte, Esdras se reuniu apenas com os chefes das famílias, os sacerdotes e os levitas, para estudarem as palavras da Lei. Foi então que descobriram que o SENHOR havia ordenado através de Moisés que os israelitas deveriam morar em tendas, ou cabanas, numa festa de uma semana que deveria ser realizada a partir do dia 16 do sétimo mês que estava se iniciando. Era a chamada Festa das Cabanas.
Um estudo cuidadoso das Escrituras sempre exige respostas a duas perguntas: o que devo fazer com o conhecimento que agora adquiri? Que mudança devo fazer em minha vida? Convém descobrir de que maneira aquilo que aprendemos terá um bom efeito sobre nós.
Os que estavam naquela reunião imediatamente decidiram cumprir com o mandamento concernente à Festa das Cabanas: anunciaram em todas as suas cidades e em Jerusalém que o povo se preparasse para celebrar condignamente a festa, buscando o material necessário para fazer as cabanas, conforme estava escrito na lei (Levítico 23:37-40).
O povo prontamente obedeceu, e foi buscar ramos de árvores com os quais eles mesmos construíram cabanas nos seus terraços, nos seus pátios, nos pátios do templo e na praça da porta das Águas e na da porta de Efraim. E ouve muita alegria entre o povo.
Neemias nos informa que desde os tempos de Josué (sucessor de Moisés) o povo nunca mais havia habitado assim (em tendas). Essa festa fora instituída por Deus "para que saibam as vossas gerações que eu fiz habitar os filhos de Israel em tendas, quando os tirei da terra do Egito" (Levítico 23:43). Durante todos os dias da festa.
Dia a dia, durante os sete dias da festa, o Livro da Lei de Deus era lido, provavelmente por Esdras, ou em rodízio por ele e pelos escribas que o acompanhavam. No oitavo dia houve uma reunião solene, como demandava o ritual da festa.

AS 7 FESTAS DE ISRAEL E SEUS SIGNIFICADOS .


  • Levítico 23
    Vimos que um dos aspectos da lei era providenciar ao povo de Israel, o povo redimido, a adoração a Deus, e que era através de sete festas, conforme descritas em ÞLevítico 23. Falamos também que naquelas sete festas, está profetizado o programa de Jesus Cristo como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Estas festas são básicas para entendermos o plano de Deus. 
    • 1ª festa, a Páscoa; era a comemoração da saída do povo do Egito. A cada ano o povo repetia o que Deus instituiu na noite em que saíram do Egito; imolavam o cordeiro, matavam, aspergiam o sangue e comiam a carne, tudo para memorial, para lembrança da saída do jugo da escravidão no Egito. 
    • Hoje fazemos o mesmo quando participamos da realização da ceia do Senhor, a qual foi instituída na noite em que Jesus foi sacrificado; é um memorial, uma lembrança do sacrifício de Jesus que propiciou nossa saída do jugo da escravidão do pecado.
Þ I Coríntios 5:7; Jesus é a nossa páscoa.
A profecia a que se refere esta festa, já foi cumprida em Jesus Cristo.
    • 2ª festa, Pães Asmos (ou Ázimos); na tarde do dia de páscoa, só poderia ser comido coisas sem levedo, sem fermento. Þ I Coríntios 5:8
Porque o Cordeiro, Jesus, foi imolado, podemos ser hoje sem fermento. Fermento na Bíblia, fala de pecado. Porque o Cordeiro foi imolado, posso ser sem pecado, posso ser pão ázimo.
    • 3ª festa, as Primícias; no 3º dia após a páscoa, vinha a festa das primícias, em que eram oferecidos, no tabernáculo e depois no templo, os primeiros frutos da terra. O povo separava os primeiros frutos que a terra produzia, fossem cereais, frutas ou qualquer coisa, e ofereciam e "moviam" (mexiam), entregando ao Senhor. A festa das primícias são os primeiros frutos da terra.
      O que aconteceu no 3º dia após a morte de Jesus, o Cordeiro Pascal? Jesus ressuscitou. Após a morte, Jesus foi enterrado, a semente foi plantada, e após três dias a terra produziu o primeiro fruto, as primícias.
Þ João 12:23~24; Jesus falando de sua morte; o trigo foi semeado.
Þ João 6:35; Jesus é o pão da vida, o fruto do trigo que foi morto.
Þ Coríntios 15:20~23; Jesus as primícias.
Primícias fala da ressurreição de nosso corpo. Jesus é primícias dos que dormem; Ele foi o primeiro a ressuscitar para não mais morrer. Jesus sai debaixo da terra e ressuscita como os frutos que a terra produzia e eram entregues a Deus na festa das primícias. Jesus ao 3º dia ressuscitou, foi ao céu e mostrou (moveu a oferta) o Seu sangue a Deus Pai, para fazer a redenção de toda a raça humana.
Þ João 20:16~17; Jesus após a ressurreição foi a Deus para apresentar a oferta, o Seu sangue derramado na cruz.
Só recebe essa redenção, quem crê. Primícias, Jesus também já cumpriu. "Domingo de páscoa deveria ser domingo das primícias"; páscoa é a morte do Cordeiro e primícias a ressurreição, o fruto da terra. 
    • 4ª festa, Pentecostes; 50 dias após trazer o molho da oferta, os frutos da terra, vem pentecostes; palavra que significa 50. Em pentecostes dois pães, agora com levedo, com fermento, eram oferecidos ao Senhor. Após a ressurreição Jesus ficou na terra por 40 dias e, antes de ir para o céu, disse:
Þ Atos 1:4~5; "ficai aqui em Jerusalém, porque daqui poucos dias descerá sobre vós o Espírito Santo".
Þ Atos 1:8; recebereis poder para ser testemunhas.
50 dias após as primícias, no dia da festa de pentecostes, os apóstolos juntamente com outros discípulos estavam reunidos e o Espírito Santo de Deus desceu sobre eles. Línguas como que de fogo posaram sobre eles e falaram em outras línguas engrandecendo a Deus, e todo o povo ficou maravilhado.
Þ Atos 2:1~13
Então, Pedro se levantou e disse: "vou explicar o que está acontecendo, é o cumprimento da profecia". Em pentecostes dois pães, ainda com levedo, eram oferecidos ao Senhor; e o que aconteceu naquele pentecostes, o que foi fundado naquele dia? A Igreja do Senhor Jesus Cristo foi fundada naquele dia, no local onde o Espírito Santo veio sobre os apóstolos e discípulos. Judeus e gentios formando um só corpo, ainda com pecado, porque estamos ainda com nossa velha natureza. Por isso aqueles dois pães tinham levedo, dois pães simbolizando que agora judeus e gentios formavam o Corpo de Cristo, a Igreja. Esse é o significado de pentecostes, que também já se cumpriu como profecia.
Þ Efésios 2:11~22; Jesus, de ambos os povos, fez um só.
    • Estas quatro festas eram comemoradas no intervalo de dois meses, mais ou menos, uma festa após a outra; vemos ainda hoje os judeus comemorando-as. Depois havia um intervalo de cerca de quatro meses e então recomeçava o ciclo das festas, agora com mais três, encerrando-se assim o ciclo anual. O ciclo profético da quatro primeiras festas já se cumpriu e para o cumprimento das últimas três, estamos no intervalo, que para nós já dura 2.000 anos. Quando o ciclo final das festas começar a ser cumprido, também haverá um intervalo curto, uma festa após a outra se cumprirá.
    • 5ª festa, Trombetas; qual será o sinal do arrebatamento?
Þ I Coríntios 15:50~58; ao som da última trombeta.
Þ I Tessalonicenses 4:13~18; ao som da trombeta de Deus.
Nós vamos ouvir o som da trombeta, aleluia!
    • 6ª festa, Expiação; após sete anos do arrebatamento, sete anos esses chamado do período da tribulação, Jesus Cristo voltará a terra para cumprir Seu pacto com Israel, para implantar Seu reino, a princípio só para Israel. No dia exato em que Israel receber o Seu Messias, acontecerá a expiação do povo de Israel, o reconhecimento de Jesus como o Messias prometido. O profeta Zacarias diz que o povo de Israel vai chorar como nunca chorou, chorarão amargamente pelo primogênito. Eles verão a quem traspassaram e chorarão arrependido. Esse será o dia da expiação, onde se cumprirá a festa da expiação.
Þ Zacarias 12:10
    • 7ª festa, Tabernáculos;
ÞZacarias 14:9
Jesus vem e faz morada na terra por mil anos, esse é o significado da festa dos tabernáculos.
Þ João 1:14
"O Verbo se fez carne e habitou entre nós"; a palavra correta é "tabernaculou" entre nós. A festa dos tabernáculos será cumprida quando Jesus vier para ficar para sempre com Seu povo.
  • Esse é o programa das festas anuais para Israel de adoração a Deus; era a profecia do programa de Jesus Cristo como o Redentor do mundo, aleluia! Glória ao Senhor Jesus porque mais da metade está cumprido e o que falta vai ser cumprido, com certeza e muito breve.
  • Uma pergunta que surge: Israel sabia ou sabe desse programa? Sabe do arrebatamento, trombetas, etc.? Não, não sabe, são somente festas para eles. Mas, quando alguém de Israel hoje se converte, fica sabendo e crê, como nós; porém as festas, esses mesmos comemoravam e não sabiam destes significados. Quando Israel comemorava, as festas já apontavam para Jesus Cristo, mas eles não tinham consciência de que: "eu estou comemorando uma profecia", não tinham consciência de que a festa era uma profecia que seria cumprida em Jesus. As profecias foram cumpridas e agora todo aquele que crê, entende e vê que é mesmo o programa de Deus.
  • Hoje Israel tem um problema sério em relação a essas festas; p. ex., a páscoa, tinha que se imolar um cordeiro no tabernáculo e posteriormente no templo. Porém, existe templo hoje? Não. Então como é que Israel comemora essas festas? Percebem a confusão? Eles só poderiam expiar os pecados sacrificando animais, e só era permitido fazer sacrifícios no tabernáculo ou no templo.
  • Quando o templo foi destruído no ano 70 d.C., acabou-se a possibilidade de se lidar com o pecado na forma do V.T. Esse era também um dos motivos da lei ser dada, lidar com o pecado, providenciar que o povo pudesse reatar-se com Deus. O povo não conseguia guarda a lei, visivelmente era provado que eram transgressores diante de Deus, mas Deus diz assim: "para cada lei transgredida, traga um animal, coloque sua mão sobre ele, identificando-se com ele, e mate-o em seu lugar. Eu Deus, aceito a morte desse animal, aceito o seu sangue, para que você não seja morto". Porque na lei era assim: a alma que pecar essa morrerá,ÞEzequiel 18:20.
  • Pensem, quantos pecados! O templo, o tabernáculo, ficava aberto o dia todo; haviam dois sacrifícios, um pela manhã e outra a tarde. O templo ficava aberto para que os indivíduos de Israel pudesse acertar a sua vida com Deus, ao trazer o seu animal. O israelita pegava o animal e corria a cidade, era uma confissão pública de pecado, não era fácil. Uma vez por ano havia também o sacrifício pela nação, era no dia do "Yon Kipur". Quando o sumo-sacerdote terminava esse sacrifício, significava que por um ano a nação estaria coberta; as transgressões da nação estavam cobertas diante de Deus. A palavra "kipur" significa expiação e também cobertura. 
  • Hebreus 10:4

Se o sangue de touros e de bodes não tira pecado, como é que Israel ficava? A chave está na palavra "kipur". Há muita diferença entre cobrir pecados e remover pecados.
I João 1:7; o sangue de Jesus nos purifica de todo o pecado, aleluia!
Sangue de bodes e de touros não tiram pecados, mas o sangue de Jesus nos purifica de todo o pecado e de toda a injustiça. Então, o que acontecia? Kipur, cobria. O israelita que pecasse, pegava um animal, colocava sua mão sobre ele, se identificando com o animal, e matava esse animal em seu lugar. O animal tomava o lugar o homem pecador; em vez desse pecador morrer como a lei mandava, a alma que pecar essa morrerá, ele matava o animal em seu lugar. Porém, aquele sangue não tirava o seu pecado, não lavava, não removia o seu pecado, mas cobria. E, quando Deus olhava para aquele homem, o pecado cometido estava coberto. É como num restaurante onde o garçom põe uma toalha limpa sobre uma toalha suja, a aparência está ótima, você faz a refeição, mas lá em baixo está tudo sujo. Aquela toalha precisa ser tirada e lavada para ficar limpa. Os sacrifícios do V.T. faziam isso, cobriam, por isso era "kipur", cobertura.
  • Então, quando um israelita ia acertar o seu pecado e fazia toda aquela cerimônia, tinha um significado mais profundo, ele fazia tudo pela fé. Ele matava o animal, o sangue era apresentado no altar, o altar era coberto pelo sangue, era tudo pela fé. Era o mesmo tipo de fé que temos que ter hoje para crer que Jesus foi crucificado e que meu pecado foi transferido para Ele. Fé que Jesus foi sepultado, ressuscitou sem pecado e que Deus me colocou Nele e por isso sou santo; precisamos de fé para crer. Então, era o mesmo nível de fé para crer que pondo a mão em cima de um animal, os meus pecados eram transferidos para ele e, quando eu o matasse, Deus iria olhar e eu estaria coberto com aquele sangue; é preciso ter fé. Por isso que a salvação é sempre pela fé; fé em que? Na provisão de Deus, e no V.T. a provisão era essa.
    (leia a seguir sobre a aplicação com Jesus.)


As Festas do Senhor
As Festas do Senhor são as festas ordenadas por Deus ao Seu povo, conforme está no livro de Levíticos. Em Colossenses 2:17, referindo-se a essas festas, o apóstolo Paulo nos ensina que elas eram sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo. Como se tratava de uma sombra de algo que seria concretizado no futuro, a presença de Cristo é evidente em cada uma delas. Através das festas, Deus tratava de ensinar ao Seu povo a identificar o Seu plano de redenção que seria executado através de Seu Filho, Jesus Cristo. Nós preferimos celebrar Jesus e o que Ele fez por nós, obedecendo o calendário bíblico, a nos comprometer com as festas pagãs sincretizadas com a idolatria que tanto dano tem feito ao Corpo de Cristo.
Vejamos essas Festas e como identificamos a pessoa de Jesus Cristo em cada uma delas:
Na Festa da Páscoa - Jesus é o Cordeiro Pascal (1 dia).
Na Páscoa dos hebreus o povo celebrava a saída do Egito, da terra da escravidão. O sangue de um cordeiro devia ser passado nos umbrais de suas portas para identificar aqueles que tinham a promessa de Deus feita a Abraão. Aquele sangue impediria que o anjo da morte executasse sua tarefa naquela casa que era matar o primogênito.
E este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo (Ex 12:14).
Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês tome cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um cordeiro para cada família (Ex 12:3). Paulo identificou a pessoa de Jesus Cristo naquele cordeiro e cujo sangue nos purifica de todo o pecado. É o sangue da nova aliança. O sangue de nossa redenção. O sangue que foi oferecido como pagamento de nossa libertação da escravidão do pecado.
I Co 5:7 - Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós.
João 1:29 - No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
João 1:36 - E, vendo passar a Jesus, disse: Eis aqui o Cordeiro de Deus.
Esta festa tem a duração de apenas um dia, pois num só dia Jesus consumou sua obra redentora na cruz do calvário, derramando o Seu sangue, trazendo a nossa redenção.
Na Festa dos Pães Ázimos – Jesus nos oferece uma nova vida (uma semana)
Esta festa deve ser celebrada por toda uma semana e imediatamente após a Páscoa.
“Guardai pois a festa dos pães ázimos, porque naquele mesmo dia tirei vossos exércitos da terra do Egito; pelo que guardareis a este dia nas vossas gerações por estatuto perpétuo” (Ex 12:17). “E aos quinze dias deste mês é a festa dos pães ázimos do Senhor; sete dias comereis pães ázimos” (Lv 23.6). Sete dias, uma semana completa, significa uma vida toda. Uma semana significa uma existência completa. Jesus nos oferece a possibilidade de vivermos toda a nossa vida livres da maldição do pecado.
“De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Rm 6:4). “Limpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós” (Co 5:7).
Na Festa das Primícias – Cristo foi feito as Primícias dos que dormem
Esta festa devia ser celebrada ao seguinte dia do sábado, ou seja, no domingo (Lv 23:11)
“Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando houverdes entrado na terra, que vos hei de dar, e fizerdes a sua colheita, então trareis um molho das primícias da vossa sega ao sacerdote. Ele moverá o molho perante o Senhor, para que sejais aceitos; no dia seguinte ao sábado, o sacerdote o moverá” (Lv 23:10-11)
Esta festa está relacionada com a colheita dos primeiros frutos. Como se trata de uma “sombra” do que viria acontecer através de Jesus, o Senhor espera que aqueles que morreram com Cristo na Páscoa, vivem uma vida sem pecado, ou seja, vivam a Festa dos Pães Ázimos e possam começar a produzir o fruto do Espírito imediatamente. Este é o primeiro significado dessa festa. O segundo aponta para o Senhor Jesus que foi feito primícias dos que dormem. Ele foi o primeiro a ressuscitar dentre os mortos; dando-nos a esperança gloriosa de ressuscitarmos juntamente com Ele. “Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem” (I Co 15:20).
“Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda” (I Co 15:23) Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. (Jo 11:25).
Estas três primeiras festas no calendário bíblico acontecem simultaneamente e estão relacionadas com a primeira vinda de Jesus à Terra. Elas marcam a obra redentora de nosso Senhor Jesus Cristo já realizada.
Na Festa de Pentecostes – Jesus capacita sua Igreja para a colheita
Esta Festa é também chamada de Festa das Semanas ou Festa da Colheita. Ao cumprir o Dia de Pentecostes, Jesus envia o Espírito Santo para revestir sua Igreja de poder do alto para que ela seja testemunha do seu evangelho tanto em Jerusalém, como na Judeia, Samaria e até aos confins da terra.
“Não dizeis vós que ainda há quatro meses até que venha a ceifa? Eis que eu vos digo: Levantai os vossos olhos, e vede as terras, que já estão brancas para a ceifa” (Jo 4:35).
E dizia-lhes: Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara” (Lc 10:2).
E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder” (Lc 24:49).
“E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. 3 E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais repousaram sobre cada um deles” (At 2.1).
Esta festa acontece cinquenta dias após a Festa das Primícias e marca a inauguração da era da Igreja. Nesse dia Pedro deu início a obra de evangelização dos povos, alcançando quase três mil almas, numa só cruzada evangelhística, que é o trabalho que Jesus deixou para que os seus discípulos realizem até que Ele retorne.
Na Festa das Trombetas – Jesus anuncia a Sua volta
Esta festa aponta para o futuro, para a volta do Senhor, o Arrebatamento da Igreja e consequentemente o encerramento dos trabalhos da Igreja aqui na Terra.
Fala aos filhos de Israel, dizendo: No sétimo mês, ao primeiro do mês, tereis descanso, memorial com sonido de trombetas, santa convocação” (Lv 23:24).
Tocai a trombeta em Sião, e clamai em voz alta no meu santo monte; tremam todos os moradores da terra, porque o dia do Senhor vem, já está perto” (Joel 2:1).
“Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembleia solene” (Joel 2:15). Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem” (1Te 4:15).
“Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor” (1Te 4:17).
Na Festa da Expiação ou o “Dia do Perdão” – Jesus nos chama ao arrependimento e nos oferece a purificação de nossos pecados pelo seu próprio sangue
Jesus pagou o preço da nossa redenção, contudo nos ensina que para seguí-lo temos que tomar nossa cruz, renunciarmos a nós mesmos (sacrifício vivo).
“Mas aos dez dias desse sétimo mês será o dia da expiação; tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; e ofereceis oferta queimada ao Senhor. E naquele mesmo dia nenhum trabalho fareis, porque é o dia expiação, para fazer expiação por vós perante o Senhor vosso Deus. Porque toda a alma, que naquele mesmo dia se não afligir, será extirpada do seu povo” (Lv 23: 27-29).
E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia sua cruz, e siga-me” (Mc 8:34).
“E dizia a todos: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia sua cruz, e siga-me” (Lc 9:23).
“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Rm 12:1). O Dia do Perdão é observado dez dias antes da Festa de Tabernáculos. É uma chamada final para o povo de Deus se voltar para Ele antes que seja tarde demais.
Na Festa de Tabernáculos –  Jesus tabernaculando com sua Igreja(uma semana)
Esta Festa aponta para o reinado milenar de Jesus. É a mais importante Festa profética para a Igreja. Assim como a Festa dos Pães Ázimos, esta festa dura toda uma semana, que significa um período de tempo completo – um período milenar. O governo do Messias sobre as nações da Terra.
E no primeiro dia tomareis para vós ramos de formosas árvores, ramos de palmeiras, ramos de árvores frondosas, e salgueiros de ribeiras, e vos alegrareis perante o Senhor vosso Deus por sete dias. E celebrareis esta festa ao Senhor por sete dias cada ano; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações; no mês sétimo a celebrareis. Sete dias habitareis em tendas; todos os naturais em Israel habitarão em tendas; para que saibam as vossas gerações que eu fiz habitar os filhos de Israel em tendas, quando os tirei da terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso Deus” (Lv 23:40-43).
No tempo em que os filhos de Abraão habitaram em tendas no deserto, eles o fizeram porque estavam numa viagem para a Terra Prometida. Não construíram edificações permanentes porque o coração do povo estava em Canaã. As tendas podiam ser montadas e desmontadas com grande facilidade. Durante todos aqueles quarenta anos o Senhor estava com eles, numa nuvem durante o dia e numa coluna de fogo durante a noite. Assim, nós a Igreja, a noiva do Cordeiro, devemos ter nossa vida como uma tenda que pode ser desmontada aqui na terra a qualquer momento e remontada no céu. Devemos ter o nosso coração voltado somente para o Noivo e aguardar ansiosamente por sua volta. Do mesmo modo que o Senhor não abandonou o Seu povo no deserto, assim também o Senhor Jesus não nos abandona nem um só dia neste tempo de espera. “...e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” (Mt 28:20).
“Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus” (Ap 22:20).
Nos Sábados (Shabat) – Jesus é o Senhor do Sábado
O Sábado é o último dia da semana. É o dia escolhido por Deus para o homem descansar. Depois de uma semana que significa uma existência completa, uma vida, Deus preparou o descanso para os Seus filhos. “E ele disse-lhes: Isto é o que o Senhor tem dito: Amanhã é repouso, o santo sábado do Senhor; o que quiserdes cozer no forno, cozei-o, e o que quiserdes cozer em água, cozei-o em água; e tudo o que sobejar, guardai para vós até amanhã” (Ex 16:23). Em três evangelhos Jesus se apresenta como o Senhor do sábado:
Mt 12:8 - Porque o Filho do homem até do sábado é Senhor. Mr 2:28 - Assim o Filho do homem até do sábado é Senhor. Lc 6:5 - E dizia-lhes: O Filho do homem é Senhor até do sábado.
Como as demais festas, o sábado – dia de repouso, era uma “sombras” do que viria ser concretizado na pessoa de Jesus. Como ele é o Senhor do sábado, só podemos encontrar descanso para nossas almas em sua pessoa. Como Ele mesmo disse em Mt 11:29 -“Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas”.
Por esta razão celebramos o “Shabat” todas as semanas para não nos esquecermos que em Jesus encontramos a paz e o descanso que necessitamos.

ISRAEL SE PREPARA PARA A GUERRA NA PALESTINA: 'NOSSA RESPOSTA SERÁ DURA'

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, responsabilizará o Hamas em caso de um ataque vindo da Faixa de Gaza. Neste domingo, ...