terça-feira, 16 de junho de 2015

Cristão americano morre lutando contra jihadistas do Estado Islâmico na Síria


Cristão americano morre lutando contra jihadistas do Estado Islâmico na Síria
A batalha contra os radicais islâmicos, que formam o Estado Ilâmico (ISIS), continua. E para combater aos radicais, foi formado grupos de cristão cansados de serem perseguidos e mortos pelos jihadistas. Centenas de cristãos já estão na linha de frente lutando contra o EI, e em um destes confrontos, o jovem americano Keith Broomfield foi morto.
Na quarta-feira passada (10/06), o Departamento de Estado dos Estados Unidos confirmou oficialmente a morte do jovem cristão de 36 anos, Keith Broomfield, de Massachusetts-EUA, em batalha no dia 03 de junho/15, perto da cidade que faz fronteira com a Síria Kobani. Broomfield havia se juntado as forças cristãs curdas de combate, para defender seus irmãos(as) em Cristo das perseguições dos jihadistas.
É, provavelmente, o primeiro cidadão americano que morre na luta contra o grupo terrorista que está levando pânico aos cidadãos cristãos daquela região.
Broomfield que deixou família e os amigos, os quais afirmam que ele foi para frente de batalha motivado por sua fé em Deus para lutar contra o ISIS.
“Ele só tinha esta ideia na mente, de combater os perseguidores dos cristãos, e foi isso que fez”, disse o chefe de policia de Westminster.
Em uma troca de mensagem de texto postados no Facebook de sua irmã, o falecido Broomfield escreveu: “Eu vou fazer o que tenho que fazer.”
A mãe de Broomfield disse à rede NBC News que pediu em lagrimas para o filho não ir  – ” Eu não quero que que você vá, mas eu não tinha escolha” – relatou por telefone.
A sua irmã Jannifer Broomfield, postou uma mensagem de texto no Facebook dizendo: “não achava que iria perdê-lo”.
E continuou – “Se permitimos que esta guerra continue é porque estamos ignorando que somos todos irmãos e irmãs”, escreveu ela.
E desabafou: “Meu irmão morreu para defender minha irmãs em Cristo, que estão sendo vendidas, escravizadas, estupradas e assassinadas. Como também para defender meus irmãos em Cristo, que estão sendo decapitados e sendo jogados empilhados em caminhões. Isso não pode continuar. Isso precisa acabar.”

CPAD

Estudo vê menor risco cardíaco em pessoas que comem mais chocolate

Ovo de Páscoa com beijinho e brigadeiro montado pela doceira Andressa Paganini, de Volta Redonda (Foto: Cristiane Mendes/G1)Um estudo feito por pesquisadores britânicos com 25 mil homens e mulheres mostrou que aqueles que declaram consumir mais chocolate têm estatisticamente menos doenças cardiovasculares.
A ingestão de chocolate amargo já foi associada no passado, por meio de diversos estudos, a uma melhor saúde cardiovascular, mas sem que qualquer relação de causa e efeito tenha sido claramente estabelecida. A pesquisa atual, apresentada em artigo publicado on-line na revista britânica especializada "Heart" (do grupo BMJ), mais uma vez apresenta estatísticas, mas não analisa qual seria o mecanismo que poderia fazer com que o chocolate influencie a saúde do coração.
Para este estudo, um grupo de pesquisadores britânicos procurou analisar as correlações entre o consumo de chocolate e a saúde cardiovascular do grupo de 25 mil homens e mulheres que moram em Norfolk (leste da Inglaterra) e o acompanhou durante, em média, dez anos.
Os cientistas colocaram em relação as quantidades de chocolate que os participantes declaravam consumir e os dados sobre sua saúde cardiovascular: taxa de colesterol, ocorrência de acidentes cardíacos, de acidente vascular cerebral (AVC) e etc.
Até 100 g por dia
A partir desta observação, foi constatado que aqueles que declaram consumir mais chocolate têm estatisticamente menos doenças cardiovasculares. "Segundo este estudo (...), o consumo de até 100 gramas de chocolate por dia está associada a um risco menor de doenças coronarianas e AVC (...)", indicam
O médico nutrólogo Arnaud Cocaul, do hospital parisiense da Pitié Salpêtrière, explica que trata-se de "um estudo de observação com todas as suas limitações. Uma indústria alimentícia não pode usá-lo como argumento de venda"
Mas o autores reconhecem também que aqueles que comem mais chocolate são também mais jovens, menos gordos, dispõem de melhor saúde e praticam mais esportes. Seria possível, então, que o estilo de vida seria o responsável por tornar este grupo de pessoas menos sujeito às doenças do coração.
Além disso, aqueles que sabem que estão em risco de doenças cardiovasculares podem ter tendência a limitar o consumo de chocolate em busca de um estilo de vida melhor, observaram os pesquisadores.
"Apesar de tudo, os itens acumulados relatados neste estudo sugerem que o alto consumo de chocolate pode estar associado a benefícios cardiovasculares", concluíram.
Entrevistado pela AFP, o médico nutrólogo Arnaud Cocaul, do hospital parisiense da Pitié Salpêtrière, explica que trata-se de "um estudo de observação com todas as suas limitações. Uma indústria alimentícia não pode usá-lo como argumento de venda".
Outro especialista parisiense da nutrição, Pierre Azam ressalta por sua vez que "nenhuma certeza em matéria de saúde pública pode sair deste tipo de estudo". Azam disse preocupar-se com os "estragos" com as "reduções" que podem ser feitas pela população a partir destes estudos.

MATÉRIA COMPLETA EM; 
http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2015/06/estudo-associa-consumo-de-chocolate-menor-risco-cardiaco.html

MANIFESTO EM FAVOR DAS NOSSAS CRIANÇAS - NÃO A IDEOLOGIA DE GÊNERO . BRA...

Deputado evangélico será relator de projeto sobre aborto de Jean Wyllys


Deputado evangélico será relator de projeto sobre aborto de Jean Wyllys
O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) encaminhou um projeto de lei que dá garantias de atendimento de saúde, mas que na surdina também legaliza o aborto. O que o parlamentar não contava é que seu projeto fosse cair justamente nas mãos de um evangélico.
Esse “jabuti” – nome dado a temas estranhos inseridos dentro de outros projetos – pretende garantir as políticas públicas no âmbito da saúde sexual e dos direitos reprodutivos e logo nos primeiros artigos estabelece o direito de a mulher decidir se quer ou não ter filhos, o que na prática legalizaria o aborto.
Esse projeto está apensado ao 313/07 e acabou sendo designado a relatoria do deputado federal João Campos (PSDB-GO). O ex-delegado é autor do projeto apelidado pejorativamente de “Cura Gay”, que garantia o direito dos homossexuais procurar ajuda psicológica sem que os profissionais da área fossem constrangidos pelo Conselho Federal de Psicologia.
Wyllys tem tentado achar no regimento uma forma de tirar do evangélico a relatoria do seu projeto, que está na Comissão de Seguridade Social e Família. Se conseguir desapensar o PL 882/15 ele terá tramitação individual e poderá ir para outro relator.
Nos últimos anos o deputado Jean Wyllys tornou-se um dos principais opositores aos projetos cristãos na Câmara e acabou conquistando a oposição de mais de 300 parlamentares, entre católicos e evangélicos.
Wyllys – que ganhou fama como subcelebridade ao participar de um reality show – propôs, entre outros projetos, legalizar a prostituição no Brasil e a mudança de sexo em crianças pelo SUS mesmo sem autorização dos pais.
No Artigo 1 do PL o texto deixa claro que o projeto visa “regular as condições da interrupção voluntária da gravidez e estabelecer as correspondentes obrigações dos poderes públicos”. Além disso, o segundo artigo estabelece a garantia de uma vida sexual segura, com a liberdade de escolha em ter filhos e quando ter filhos.
“O estado de bem estar físico, psicológico e social nos aspectos relativos a capacidade reprodutiva da pessoa, que implica na garantia de uma vida sexual segura, a liberdade de ter filhos e de decidir quando e como tê-los”, diz o trecho.
Já o artigo 3º estabelece que independente das circunstâncias o Estado deve garantir o direito de interrupção voluntária da gravidez.

OVELHAS - QUEM SÃO ?

     No capítulo 34 do livro do profeta Ezequiel, o Senhor faz uma relação de tipos de ovelhas e acusa os pastores de Israel (os sacerdote...