sábado, 14 de junho de 2014

Reportagem do Le Monde destaca turismo sexual e prostituição infantil em Fortaleza

Uma reportagem do jornal francês Le Monde publicada neste sábado (14) aborda o turismo sexual em Fortaleza. "A cidade, que hospeda o Mundial, é considerada a capital brasileira da prostituição de menores eum dos principais epicentros do turismo sexual no país", diz o texto. 
Ceará também é o segundo estado do Nordeste em termos de estupro." (leia a reportagem completa, em francêsLe Monde mostra o estádio Castelão e classifica Fortaleza como capital brasileira da prostituiçãoA reportagem destaca a região onde meninas se prostituem toda noite, alguma delas oferecendo programas a R$ 50.Aborda o crescimento da prostituição infantil (de 100 mil em 2001 para mais de meio milhão em 2013) e ressalta os índices de violência contra a mulher na região. "A cada mês, cerca de mil casos de violência contra as mulheres são identificadas por unidades policiais especializadas. No Norte e Nordeste, a cidade ocupa o terceiro lugar na escala de assassinatos de mulheres. 
G1 VIA  GRITOS  DE  ALERTA

AGRADEÇO A DEUS PELO LIVRAMENTO

HOJE  TIVE  UM  LIVRAMENTO  FORTE .

ESTAVA  COM  MEU  FILHO MENOR  PESCANDO  , QUANDO  2  ELEMENTOS  FOI  SE  CHEGANDO  COM  A  INTENÇÃO  DE  NOS  ASSALTAR .

EU  ESTAVA NA  BEIRA  DO  RIO  PESCANDO  , QUANDO OLHEI  PARA  A  PARTE  SUPERIOR  DE  ONDE  ESTÁVAMOS  ,  E  VI  DOIS  ELEMENTOS  SE  APROXIMANDO .
UM  COM  UM CELULAR  NAS  MÃOS  E  O  OUTRO  COM  UMA  DAS  MÃOS ESCONDIDA  SOB  UMA  BLUSA, FAZENDO  A  ALUSÃO  DE  ESTAR  ARMADO .
QUANDO VI  AQUILO ,  DEI  UM  GRITO  AO MEU  FILHO  PARA  ELE  ME  ACOMPANHAR   , E  SAI  CORRENDO  EM  DIREÇÃO  AOS  MELIANTES .

SUBI  CORRENDO  UMA  TRILHA  NO  MEIO  DO  MATO ,  EM  DIREÇÃO  AOS  MESMOS   QUE  ESTAVAM  NA  PARTE  DE  CIMA .

OS MESMOS  NÃO  ESPERAVAM  MINHA  REAÇÃO  E  SE  EVADIRAM  DO  LOCAL .

(OBS.  NUNCA REAJA A  UM  ASSALTO  ,  EU  FIZ  ISSO  APENAS PELO  FATO  DE  DEUS ME  FORTALECER  NAQUELE MOMENTO ,MAS NÃO É  A  MELHOR  OPÇÃO.)

AGRADEÇO A  DEUS  POR  ESSE  LIVRAMENTO .

BISPO  ROBERTO  TORRECILHAS

PSC anuncia Pastor Everaldo como candidato a presidente da República


O Partido Social Cristão (PSC) homologou hoje (14), durante convenção nacional, o nome do Pastor Everaldo como candidato à Presidência da República.

A convenção foi feita na Assembleia Legislativa de São Paulo, na capital paulista, com a presença de 60 delegados, dos quais todos votaram no pastor Everaldo. Pastor Everaldo defendeu a existência de um Estado mínimo e menos ministérios.

O pastor disse que “74% da população querem mudanças e nossa candidatura corresponde verdadeiramente a estas mudanças. A população quer mudanças no modelo de gestão para transformar o Brasil e inverter a política praticada pelo atual governo, que ao invés de servir ao povo se serve dele”.

Durante discurso fez críticas à atual política econômica e tributária e disse que para promover mudanças no país é preciso a existência de um Estado mínimo. Ele criticou a existência de tantos ministérios. “São 30 mil cargos comissionados que geram burocracia e a burocracia é irmã da corrupção”, observou.

Everaldo Dias Pereira é pastor da Igreja Assembleia de Deus e vice-presidente Nacional do PSC, pai de três filhos. É atuário, formado pela Faculdade de Economia e Finanças do estado do Rio de Janeiro.

O nome do candidato à Vice-Presidência não foi anunciado e deve ser confirmado no dia 31 de junho.

Fonte: UOL

Silas Malafaia desaprova xingamentos à Dilma durante abertura da Copa

Durante a abertura da Copa do Mundo, na última quinta-feira (12) a presidente Dilma Rousseff foi xingada pelos torcedores que gritaram, em coro, alguns palavrões.
A notícia foi comentada por diversas autoridades políticas, tanto pelos candidatos à presidência do Brasil, como por jornalistas e colunistas da imprensa brasileira. O pastor Silas Malafaia também comentou o caso e, apesar de ser um crítico ao governo de Dilma Rousseff, desaprovou a atitude da torcida que estava na Arena Corinthians, zona leste da capital paulista.
Malafaia tentou ensinar que tudo tem um limite e que ofender a presidente é diferente de protestar nas ruas contra a corrupção do governo e sobre os valores gastos com a Copa.
“Não é simplesmente xingar uma pessoa, e sim menosprezar o mais alto cargo que nos representa”, afirmou ele em seu site, o Verdade Gospel.
“Fazer manifestações contra os gastos bilionários da copa do mundo, realizar manifestações contra a corrupção do governo, são questões de direitos de cidadania, mas como disse ainda pouco, tudo tem um limite”, completou.
O pastor presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo entende que assim como o quebra-quebra nas ruas, os xingamentos à presidente passam do limite aceitável.
“Como não podemos aceitar quebra-quebra, também não podemos aceitar que a figura da presidente da república seja ofendida no nível que foi no jogo de abertura da copa do mundo. Mil vezes não! Isto não é coisa de gente que quer ter direitos e participar de um estado democrático pleno.”


VIA  GRITOS  DE  ALERTA

EM POSTAGEM PRECONCEITUOSA , JORNALISTA DO UOL CHAMA PASTORES DE FUNDAMENTALISTAS E VIOLENTOS

Em  matéria  vinculada  no http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2014/06/14/no-itaquerao-a-elite-branca-xingou-mas-quem-a-treinou-tao-bem/  o  jornalista Sakamoto ataca  a  moral  dos  pastores  evangélicos  os chamando  de  fundamentalistas  e  violentos 
Conforme texto  copiado ,  que  segue  abaixo .

Não somos nós, jornalistas, que vamos a público cometer agressões. Da mesma forma que não é a mão de pastores ou deputados fundamentalistas que seguram a faca, o revólver ou a lâmpada fluorescente que atacam gays e lésbicas. Mas somos nós que, muitas vezes, na busca por audiência ou para encaixar um fato em nossa visão de mundo, tornamos a agressão banal. Mandamos a polícia para cima de manifestantes. Justificamos linchamentos. Exigimos “invasões preventivas'' em países vizinhos.

Será   que  ficaremos  calados  a  esses  ataques  ou  buscaremos nossos  direitos ?

A  palavra  aos  senhores leitores.

GRITOS DE ALERTA

A CORRUPÇÃO PROVOCOU O DILÚVIO , JUÍZO PARA O BRASIL.


Gênesis 6:1-22

E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas,
Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.
Então disse o SENHOR: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos.
Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama.
E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente.
Então arrependeu-se o SENHOR de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração.
E disse o SENHOR: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito.
Noé, porém, achou graça aos olhos do SENHOR.
Estas são as gerações de Noé. Noé era homem justo e perfeito em suas gerações; Noé andava com Deus.
E gerou Noé três filhos: Sem, Cão e Jafé.
A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência.
E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra.
Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.
Faze para ti uma arca da madeira de gofer; farás compartimentos na arca e a betumarás por dentro e por fora com betume.
E desta maneira a farás: De trezentos côvados o comprimento da arca, e de cinqüenta côvados a sua largura, e de trinta côvados a sua altura.
Farás na arca uma janela, e de um côvado a acabarás em cima; e a porta da arca porás ao seu lado; far-lhe-ás andares, baixo, segundo e terceiro.
Porque eis que eu trago um dilúvio de águas sobre a terra, para desfazer toda a carne em que há espírito de vida debaixo dos céus; tudo o que há na terra expirará.
Mas contigo estabelecerei a minha aliança; e entrarás na arca, tu e os teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos contigo.
E de tudo o que vive, de toda a carne, dois de cada espécie, farás entrar na arca, para os conservar vivos contigo; macho e fêmea serão.
Das aves conforme a sua espécie, e dos animais conforme a sua espécie, de todo o réptil da terra conforme a sua espécie, dois de cada espécie virão a ti, para os conservar em vida.
E leva contigo de toda a comida que se come e ajunta-a para ti; e te será para mantimento, a ti e a eles.
Assim fez Noé; conforme a tudo o que Deus lhe mandou, assim o fez.
A terra, porém, estava corrompida  diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a  terra. Gênesis 6:11-12. Portanto DEUS detesta a corrupção, pois conforme consta de nossa enciclopédia: A corrupção política é o uso das competências legisladas por funcionários do governo para fins privados ilegítimos. Desvio de poder do governo para outros fins, como a repressão de opositores políticos e violência policial em geral, não é considerado corrupção política. Nem são atos ilegais por pessoas ou empresas não envolvidas diretamente com o governo. Um ato ilegal por um funcionário público constitui corrupção política somente se o ato está diretamente relacionado às suas funções oficiais.

“ao uso do poder público para proveito, promoção ou prestígio particular, ou em benefício de um grupo ou classe, de forma que constitua violação da lei ou de padrões de elevada conduta moral”
As formas de corrupção variam, mas incluem o suborno, extorsão,fisiologismo, nepotismo, clientelismo, corrupção e peculato. Embora a corrupção possa facilitar negócios criminosos como o tráfico de drogas,lavagem de dinheiro e tráfico de seres humanos, ela não se restringe a essas atividades.
As atividades que constituem corrupção ilegal diferem por país ou jurisdição. Por exemplo, certas práticas de financiamento político que são legais em um lugar podem ser ilegais em outro. Em alguns casos, funcionários do governo ter poderes amplos ou mal definidos, o que torna difícil distinguir entre as ações legais e as ilegais. Em todo o mundo, calcula-se que a corrupção envolva mais de 1 trilhão de dólares estadunidenses por ano. Um estado de corrupção política desenfreada é conhecido como uma cleptocracia , o que literalmente significa "governado por ladrões".
Corrupção o ato ou efeito de se corromper, oferecer algo para obter vantagem em negociata onde favorece uma pessoa e prejudica outra. Tirar vantagem do poder atribuido. Corrupção vem do latim corruptus, que significa "quebrado em pedaços". O verbo corromper significa "tornar se podre". No Brasil há um projeto de lei aprovado pelo Senado em junho de 2013, e atualmente em análise pela Câmara dos Deputados do Brasil, propondo que se considere um crime hediondo. 
"A corrupção social ou estatal é caracterizada pela incapacidade moral dos cidadãos de assumir compromissos voltados ao bem comum. Vale dizer, os cidadãos mostram-se incapazes de fazer coisas que não lhes traga uma gratificação pessoal".
Corrupção na legislação
Com a aprovação da lei no Brasil, os condenados por corrupção perdem direito à anistia, indulto e pagamento de fiança para serem libertados. O direito da liberdade condicional diminui e a pena de prisão pode ser de 4 até 12 anos .
Exemplos de corrupção
Oferecer ou aceitar suborno.
Favorecer determinada empresa em licitação em troca de algo.
Favorecer políticos em troca de cargo público, assistência médica, cesta básica e etc.
Tipos de Corrupção
Corrupção ativa
Corrupção passiva
Corrupção preditiva
Corrupção lateral

Conceitos
Corrupção política
Corrupção de menores
Corrupção eleitoral
Corrupção tributaria
Corrupção sexual
Corrupção desportiva
Suborno
                   DEUS deixou bem claro que detesta corrupção, tanto corruptor como corrompido, estes são amaldiçoados pelo CRIADOR, porém os que se colocam contra tal prática e protestam tanto pela mídia como por passeatas, são bem aventurados e serão abençoados pelo CRIADOR. DEUS pela sua eterna misericórdia fez uma aliança com Noé e seus filhos: E abençoou Deus a Noé e a seus filhos, e disse-lhes:  Frutificai e multiplicai-vos e enchei a terra. E o temor de vós e o pavor de vós virão  sobre todo o animal da terra, e sobre toda a ave dos céus; tudo o que se move  sobre a terra, e todos os peixes do mar, nas vossas mãos são entregues. Tudo quanto se move, que é vivente, será  para vosso mantimento; tudo vos tenho dado como a erva verde. A carne, porém, com sua vida, isto é, com  seu sangue, não comereis. Certamente requererei o vosso sangue, o  sangue das vossas vidas; da mão de todo o animal o requererei; como também da  mão do homem, e da mão do irmão de cada um requererei a vida do homem. Quem derramar o sangue do homem, pelo  homem o seu sangue será derramado; porque Deus fez o homem conforme a sua  imagem. Mas vós frutificai e multiplicai-vos;  povoai abundantemente a terra, e multiplicai-vos nela. E falou Deus a Noé e a seus filhos com  ele, dizendo: E eu, eis que estabeleço a minha aliança  convosco e com a vossa descendência depois de vós. E com toda a alma vivente, que convosco  está, de aves, de gado, e de todo o animal da terra convosco; com todos que  saíram da arca, até todo o animal da terra. E eu convosco estabeleço a minha  aliança, que não será mais destruída toda a carne pelas águas do dilúvio, e que  não haverá mais dilúvio, para destruir a terra. Gênesis 9:1-11

VIA   GRITOS  DE  ALERTA

Bispa Sonia realizará Simpósio de Louvor em Campinas

Com o intuito instruir levitas, ministros, instrumentistas e pessoas que estão interessadas em participar do ministério de louvor, Bispa Sonia e o Renascer Praise têm promovido simpósios em diversas regiões do país. Neste ano, o evento já aconteceu em Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ) e na capital paulista.
 
 
No próximo dia 28 de junho, eles estarão em Campinas (SP). O congresso será realizado na igreja Renascer em Cristo, a partir das 10 horas.
 
“Você vai aprender a louvar conosco e vai conhecer este ministério que é um instrumento de salvação e edificação do Corpo de Cristo”, convida Bispa Sonia.
 
O primeiro Simpósio de Louvor e Adoração do ano aconteceu no último dia 15 de março, na sede internacional da Renascer em Cristo, em São Paulo, e reuniu milhares de pessoas. Acompanhe a reportagem:
 
 
Sobre o Renascer Praise
 
Criado em 1984, o grupo conta com cantores, instrumentistas, orquestra e coral de apoio. O Renascer Praise possui 18 trabalhos gravados e já se apresentou nas principais casas de eventos e estádios do país, como Credicard Hall, Olympia, Teatro Elis Regina, Ginásio Ibirapuera e Estádio do Pacaembu, além da sede internacional da Renascer em Cristo. O grupo já esteve nos Estados Unidos, Israel e em alguns países da Europa e do continente africano.
 
O Renascer Praise influenciou a música evangélica tradicional brasileira ao agregar diversos ritmos musicais, desde o rock ao axé, e introduzir ministrações em cada música. Suas canções são interpretadas em diversas igrejas evangélicas, unindo os cristãos que têm o desejo de louvar a Deus.
 
Serviço:
Simpósio de Louvor e Adoração com Renascer Praise
Data: 28 de junho (sábado)
Horário: A partir das 10 horas
Local: Renascer Campinas
Endereço: Av Dr. Moraes Sales, 2.217 - Nova Campinas (Campinas/SP)
 
 

Denominação histórica poderá se dividir por causa do casamento gay

Mais uma vez uma denominação inteira está dividida por causa da chamada “questão gay”. Os principais líderes da tradicional Igreja Metodista estão reunidos em um encontro na Flórida esta semana para debater várias questões relacionadas com o futuro de sua igreja. Uma posição oficial da denominação sobre a homossexualidade poderá ser divulgada após cerca de 10 anos de intenso debate.
Depois de uma década de encontros, diversos documentos e argumentação firme dos dois lados, os acontecimentos recentes podem levar a uma divisão na denominação nos EUA que afetaria os metodistas de todo o mundo.
“É angustiante para mim que ainda estamos focados em questões menores, como homossexualidade,” disse o reverendo John Hill. “Sei que muitos pensam diferente, mas os verdadeiros problemas a que Jesus nos chamou para confrontar são como alimentar os famintos, e vestir quem está nu. Isso [casamento gay] não é essencial”.
Hill é uma das centenas de pastores que já assinaram uma petição exigindo que a igreja permaneça unida e respeite as opiniões individuais sobre a homossexualidade. Por outro lado, já existe um movimento que defende uma divisão, semelhante ao que ocorreu entre os anglicanos e presbiterianos alguns anos atrás.
Terceiro maior grupo cristão nos EUA, atrás de batistas e católicos, o anúncio gerou impacto entre os evangélicos. A tendência é que o assunto seja tratado de forma cada vez mais aberta, uma vez que a legalização do casamento gay tem trazido problemas constantes para os evangélicos na maioria dos Estados americanos.
A igreja metodista já vem enfrentando um declínio em seus quadros, tendo perdido quase 35% dos membros desde a década de 1970. Tom Lambrecht, um dos principais líderes metodistas antigay, afirma que isso ocorre em grande parte devido ao crescente liberalismo dentro da denominação.
Um dos “estopins” do debate este ano foi o episódio envolvendo a suspensão e posterior expulsão do pastor metodista Frank Schaefer por ter casado seu próprio filho com outro homem em uma cerimônia religiosa.
Isso contraria a posição histórica dos metodistas e seu livro de doutrinas. Contudo, os líderes da igreja nos EUA prepararam um documento chamado “ A Way Forward” [Um caminho a seguir] que propõe uma “terceira via”, que deixaria basicamente que cada congregação tomasse suas próprias decisões.
Mesmo não sendo assinado pela maioria, deverá representar a posição dos metodistas americanos no encontro mundial da denominação que ocorrerá em 2016. Líderes metodistas da África e da Ásia já se manifestaram contrários ao tópico nos outros encontros. Com informações Christian Headlines

O PROFETA MIQUÉIAS



Miqueias ou Michaías (em hebraico: מִיכָיְהוּ, Mikhayhu; em latimMichaeas) é um personagem bíblicoprofeta do século VIII A.C., morador de Morasti-Gat, na Shefelá em Judá, talvez tenha sido um líder (ancião, heb. zaqen) da comunidade. Atuou em Judá no período de JotãoAcaz eEzequias.

O Profeta Miquéias denunciava os governantes, chefes e ricos das cidades de Jerusalém e Samaria. Estes estavam roubando o povo através da língua enganosa, com armadilhas, exigiam presentes e subornos. Miquéias também denunciou a cobiça, os ganhos imorais, a maldade planejada, a balança desonesta e o crime organizado. O conteúdo deste livro apesar de ter quase 2700 anos é bem atual.

O Profeta
Miquéias nasceu em Morasti (Moréshet), uma vila no interior do reino de Judá, a oeste de Hebron. Por sua origem camponesa se assemelha à Amós, com quem compartilha uma aversão às grandes cidades e uma linguagem concreta e franca, nas comparações breves e nos jogos de palavras. Ele exerceu sua atividade entre os reinados de Jotão (Iotâm), AcazEzequias e Manassés, isto é entre 750 e 680 AC, antes e depois da tomada de Samaria pelos assírios em 721 A.C., tendo sido contemporâneo de Oséias e de Isaías .
O Livro
livro de Miqueias, escrito em hebraico, é de difícil leitura, pois o texto encontra-se corrompido, para tanto os tradutores da Bíblia utilizam-se de guias como as versões em língua gregasíria ecopta.
No livro atual de Miquéias existem também promessas e esperanças. Entre elas se destaca o anúncio do surgimento do Messias na pequena cidade de Belém (5:1-3). O Novo Testamento retomará essa profecia e atribuirá ao nascimento de Jesus (cf. Mt 2:6).
Trechos do Livro
'1:7 - Todos os seus ganhos imorais serão consumidos pelo fogo; 2:1 - Aí daqueles que planejam maldade, dos que tramam o mal em suas camas e no alvorecer o executam. 2:2 -Cobiçam terrenos e se apoderam delescobiçam casas e as tomamFazem violência ao homem e à sua família; a ele e aos seus herdeiros. 2:8 - Mas ultimamente como inimigos vocês atacam o meu povo. Além da túnica, arrancam a capa deles. 3:1 - Ouçam, vocês que são chefes e governantes da nação. Vocês deveriam conhecer a justiça. Mas odeiam o bem e amam o mal; arrancam a pele do meu povo e a carne dos seus ossos. 6: 9-13 - A voz do Senhor está clamando à cidade; é sensato temer o seu nome. Ouçam: Não há na casa do ímpio, o tesouro da impiedade e a medida falsificada, que é maldita? Poderia alguém ser puro com balanças desonestas e pesos falsos? Os ricos que vivem entre vocês são violentos; o seu povo é mentiroso e as suas línguas falam enganosamente. Por isso, eu mesmo os farei sofrer, e os arruinarei por causa dos seus pecados. 7:2 - Os piedosos desapareceram do país; não há um justo sequer. Todos estão à espreita para derramar sangue; cada um caça seu irmão com uma armadilha. Com as mãos prontas para fazer o mal o governante exige presenteso juiz aceita suborno, os poderosos impõem o que querem; todos tramam em conjunto.
LIVRO DE MIQUÉIAS

Livro de Miquéias é o sexto livro dos doze profetas menores da Bíblia hebraica e cristã, vem depois do Livro de Jonas e antes do Livro de Naum. Este pequeno livro profético do Antigo Testamento se caracteriza pela condenação dos ricos por explorarem os pobres. Denuncia os governantes, chefes e ricos das cidades de Jerusalém e Samaria. Estes estavam roubando o povo através da língua enganosa, com armadilhas, exigiam presentes e subornos. Miquéias também denunciou a cobiça, os ganhos imorais, a maldade planejada, a balança desonesta e o crime organizado. O conteúdo deste livro apesar de ter quase 2700 anos é bem atual.
Miquéias nasceu em Morasti (Moréshet), uma vila no interior do reino de Judá, a oeste de Hebron. Por sua origem camponesa se assemelha à Amós, com quem compartilha uma aversão às grandes cidades e uma linguagem concreta e franca, nas comparações breves e nos jogos de palavras. Ele exerceu sua atividade entre os reinados de Jotão (Iotâm), AcazEzequias e Manassés, isto é entre 750 e 680 AC, antes e depois da tomada de Samaria pelos assírios em 721 AC, tendo sido contemporâneo de Oséias e de Isaías.
Autoria
Miqueias profetizou durante os dias do Rei Ezequias de Judá. O versículos de Jeremias 26:18 contém praticamente tudo o que sabemos do próprio profeta. Alguns estudiosos discutem sobre a autoria do livro ser do próprio Miqueias. Tradicionalmente se aceita que os capítulos 1-3 são de fato de Miqueias (excluindo 2:12-13). Os trechos restantes são vistos por algumas como redações.
No entanto, alguns estudiosos do Antigo Testamento, por exemplo, o Bruce Waltke defende ser Miqueias o autor de todo o livro.
Data
Miquéias era ativo em Judá, desde antes da queda de Samaria (1:2-7), em 722 A.C., viveu sob o rei Acaz (735-715 a.C.) e do rei Ezequias (715-687 a.C.), e (aparentemente) experimentou a devastação causada pela invasão de Senacherib em Judá (701 a.C.). O título do livro (1:1) também adiciona o nome do rei Jotão (742-735 A.C.). Isto faria Miqueias ativo de 742 A.C a 701 A.C.. A mensagem de Miqueias 1:2-9 foi dada antes da destruição de Samaria em 721 A.C.. O apelo de Jeremias a adeptos da profecia de Miqueias confirma sua ligação com Ezequias: "Levantaram-se alguns dos anciãos da terra, e falaram a toda a assembléia do povo: Miquéias, o morastita, profetizou nos dias de Ezequias, rei de Judá; e falou a todo o povo de Judá: Assim diz Jeová dos exércitos: Sião será lavrada como um campo, e Jerusalém se tornará em montões, e o monte da casa em altos cobertos de bosque. " (Jeremias 26: 17-18).
Ambiente
Durante os reinados de Uzias, rei de Judá, e Jeroboão II, rei de Israel, um período de relativa paz e prosperidade começou a minguar. Isso foi em parte devido ao aumento da nação Assíria que após um período de quiescência, tornou-se uma potente força política no Médio Oriente. Com a ascensão da Assíria, veio um aumento da pressão militar sobre os reinos de Judá e de Israel.
Ao mesmo tempo em que o comércio era crescente, grandes proprietários estavam cobiçando e se apoderando dos terrenos e casas de famílias mais pobres. Miqueias refutou essas práticas que violaram os direitos dos pequenos agricultores e resultaram em ganhos econômicos para os grandes proprietários.
Miquéias, e os outros profetas menores, também se manifestaram contra a falta de obediência da aliança. Muitos aspectos da aliança haviam sido abandonados em favor do culto a Baal e de outras práticas pagãs. A esta luz, Samaria, um dos líderes desta apostasia, está condenada à destruição.
O período da atividade de Miquéias também se sobrepõe a de Isaías, é possível que os dois fossem contemporâneos, muitas vezes confundidos um com o outro. Jeremias 26:18-20 fala do efeito de Miqueias sobre o rei, e que ele e o rei não foram capazes de atender, mas que a mensagem de Miqueias foi capaz de trazer o rei para o arrependimento. No entanto, alguns estudiosos consideram que pode ser mais provável que Isaías tenha causado o arrependimento do rei, pois ele tinha acesso ao rei, era muito mais provável de influenciar as decisões do rei.
Conteúdo
Mesmo sendo o livro de Miquéias relativamente curto, contém uma ampla variedade de conteúdo. A macro-estrutura do livro é composta por três partes:
I . A previsão do Juízo - 1.1-3.12 II. A previsão da Restauração - 4.1-5.15 III. O apelo ao Arrependimento - 6.1-7.20
Miquéias também é conhecido como o defensor dos oprimidos. Ele condena os ricos latifundiários por tirarem a terra dos pobres (2.2). Também ataca os comerciantes desonestos por usarem balanças fraudulentas, subornarem os juízes e cobrarem juros extorsivos. Até mesmo os sacerdotes e profetas tinham-se deixado levar pela onda de ganância e desonestidade que varria o país. Miquéias fala de forma extremamente dura com aquele povo, que está mais preocupado em seguir rituais do que em viver retamente: "Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é que o Senhor pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus" (6.8). Esta é uma das passagens mais importantes do Antigo Testamento, pois expressa o princípio imutável de que a autêntica adoração consiste em fazer a vontade de Deus e tratar os outros com justiça.
Miquéias denuncia uma situação mais perversa do que a própria guerra em andamento: a cobiça e injustiças sociais, onde ele vê a causa principal da ira de Deus (2:8). Após descrever os estragos da guerra (1:8-16), o profeta nos conduz à capital, onde ele se defronta com os ricos e com os dirigentes políticos e religiosos. Vindo da roça, Miqueias acusa-os de roubar casas e campos para se tornarem latifundiários (2:1-2) e os condena por mandar matar até mulheres e crianças para se apoderarem das terras (2:9). Com o poder nas mãos, eles dançam ao ritmo do dinheiro, falseando o peso das mercadorias (6:10-12). Miqueias mostra que a riqueza deles se baseia na miséria de muitos e tem como alicerce a carne e o sangue do povo (7:1-4). Eles, porém, insistem, com a Bíblia na mão, em provar que são justos (2:6-7) e que Deus está com eles (3:11); procuram combinar religião com opressão aos fracos
Miquéias denuncia tal perversão, uma situação na qual os cultos são celebrados com fausto, mas não implicam conversão do coração, como atitude idolátrica (1:5); por isso, é taxativo: eles, juntamente com a luxuosa capital e o próprio Templo, serão destruídos (3:9-12).
No livro de Miquéias existem também promessas e esperanças. Entre elas se destaca o anúncio do surgimento do Messias na pequena cidade de Belém (5:1-3). A precisão deste versículo messiânico é impressionante, pois fornece o nome da cidade onde o Messias iria nascer, cerca de 700 anos antes. O Novo Testamento retomará essa profecia e o atribuirá ao nascimento deJesus (cf. Mt 2:6).
Principais Denúncias
1:7 - Todos os seus ganhos imorais serão consumidos pelo fogo; 2:1 - Aí daqueles que planejam maldade, dos que tramam o mal em suas camas e no alvorecer o executam. 2:2 - Cobiçam terrenos e se apoderam deles; cobiçam casas e as tomam. Fazem violência ao homem e à sua família; a ele e aos seus herdeiros. 2:8 - Mas ultimamente como inimigos vocês atacam o meu povo. Além da túnica, arrancam a capa deles. 3:1 - Ouçam, vocês que são chefes e governantes da nação. Vocês deveriam conhecer a justiça. Mas odeiam o bem e amam o mal; arrancam a pele do meu povo e a carne dos seus ossos. 6:9-13 - A voz do Senhor está clamando à cidade; é sensato temer o seu nome. Ouçam: Não há na casa do ímpio, o tesouro da impiedade e a medida falsificada, que é maldita? Poderia alguém ser puro com balanças desonestas e pesos falsos? Os ricos que vivem entre vocês são violentos; o seu povo é mentiroso e as suas línguas falam enganosamente. Por isso, eu mesmo os farei sofrer, e os arruinarei por causa dos seus pecados. 7:2 - Os piedosos desapareceram do país; não há um justo sequer. Todos estão à espreita para derramar sangue; cada um caça seu irmão com uma armadilha. 7:3 - Com as mãos prontas para fazer o mal o governante exige presentes, o juiz aceita suborno, os poderosos impõem o que querem; todos tramam em conjunto.

ESTUDO SOBRE O LIVRO DE MIQUÉIAS

Introdução ao Livro de Miqueias – Injustiça pouca é bobagem
Miqueias viveu na mesma época do profeta Isaías e é mencionado em Jeremias (26:18-19) acerca da destruição de Jerusalém cem anos depois. Esta citação aponta para o prestígio que Miqueias ainda tinha como profeta do Senhor e o cuidado dos hebreus na preservação destes registros. A mensagem de Miqueias, em termos de contundência, pode ser comparada à de Amós.
A introdução do livro deixa claro que o período que Miqueias pronunciou seus oráculos foi de aproximadamente quarenta anos na segunda metade do século VIII A.C., antes de 722 A.C. quando Samaria (Reino do Norte) foi aniquilada pela Assíria.
Tanto Miqueias quanto Isaías sabiam do destino de Judá em virtude de sua injustiça, opressão e idolatria; e, embora tenham tratado sobre a acusação e julgamento de Javé, escreveram acerca da esperança de restauração para o povo da Aliança.
Os profetas Miqueias e Isaías formam um contraste interessante, pois um era camponês de uma pequena vila a quarenta quilômetros de Belém; o outro era aristocrata e membro da corte real. A despeito de suas diferenças sociais, ambos os profetas defenderam a Aliança e abordaram a fé histórica de Israel. A origem social de Miqueias talvez explique sua preocupação com os pobres e explorados pela realeza.
Provavelmente Miqueias não fosse um profeta profissional e denuncia os sacerdotes e profetas que agem por interesse financeiro (3:11) ou proclamam mensagens favoráveis de acordo com o pagamento recebido (3:5). Miqueias se fundamenta no Espírito do Senhor para anunciar seus oráculos morais contra Israel, ratificando, desta forma, o seu chamado profético (3:8).
O ministério de Miqueias aconteceu durante a ameaça assíria. Nesta época as nações do leste estavam temerosas da crueldade dos assírios, famosos pelo tratamento cruel e desumano que dispensavam aos seus prisioneiros. A Assíria, em diversas ocasiões, sitiara e invadira Judá, servindo de contexto para algumas profecias. O mais famoso cerco assírio foi durante o reinado de Senaqueribe que chegou até em Jerusalém, capital do Reino do Sul. Oseias pôde até mesmo assistir a destruição e o cativeiro que a Assíria impôs ao Reino do Norte, Israel.
Todos esses elementos produziram um ambiente de instabilidade política e social, embora a campanha militar do rei Uzias (ou Azarias), na primeira metade do século VIII A.C., tenha trazido prosperidade econômica para alguns poucos privilegiados. Este progresso econômico gerou uma classe de comerciantes prósperos em Israel, e novos estratos sociais. Os pequenos proprietários de terras ficaram muito dependentes desses ricos comerciantes que agora contavam com o apoio do rei.
Este foi o cenário no qual Miqueias pronunciou seus oráculos contra a injustiça social e a hipocrisia religiosa, que se apoiava em rituais de manipulação para a obtenção do favor de Deus.
Estrutura de Miqueias
O livro de Miqueias, de acordo com seu conteúdo, pode ser estruturado da seguinte forma:
  • Introdução – 1:1
  • Acusação, julgamento e esperança para o povo – 1:2 – 2:11
  • Acusação, julgamento, esperança e restauração dos líderes – 3:1 – 5:15
  • Acusação, julgamento e esperança para a nação – 6:1 – 7:20
As três seções de acusação começam com a chamada para ouvir a Palavra do Senhor. Cada um desses trechos é composto por oráculos de acusação dos pecados de Israel ressaltando as suas consequências em virtude do julgamento de Javé. No final de cada um desses oráculos há a mudança do tema da acusação para a esperança e restauração.
A estrutura da primeira e da última seção é semelhante em virtude do uso de uma linguagem jurídica, que coloca Javé como relator dos pecados do povo (1:2) passando depois para o papel de promotor de acusação (6:2). A seção do meio (3:1 – 5:15) é diferente eu um pouco mais complexa que as demais por não usar nenhuma terminologia jurídica ou legal.
A seção do meio é composta por palavras duras remetendo à grande injustiça social às quais os líderes de Israel submetiam o povo (3:2-11). Além dessas acusações a seção intermediária altera o seu teor para um elemento de restauração, apontando para o futuro, que se inicia com a expressão “naquele dia” (4:1-6). A seção se altera novamente, dessa vez para o apontamento da crise atual, quando o profeta diz “agora” (4:9; 5:1). Como em todos os oráculos proféticos, a crise é solucionada pela intervenção divina (5:2-9), resultando na restauração e purificação de Israel (5:10-15).
Propósito e conteúdo
Miqueias aborda os seguintes temas em seu livro:
  • Acusações contra injustiça
  • Rituais que objetivam manipular a divindade não diminuem a ira de Deus
  • Messias davídico
  • Livramento da Assíria
Miqueias deixou seu objetivo muito claro quando disse que, por meio do Espírito do Senhor, acusaria todas as transgressões e pecados de Israel (3:8). Imbuído de coragem pronunciou seus oráculos de acusação, principalmente contra a classe rica e abastada de Judá, apontando toda a injustiça sobre a qual sua riqueza descansava. O resultado seria o cativeiro e a destruição. A referência aos do Reino do Norte Onri e Acabe (6:16) indicam que Judá praticava as mesmas coisas que levaram à destruição de Israel poucos anos antes.
Miqueias divide sua crítica e acusação em cinco julgamentos:
  1.  I.            Julgamento religioso com uso de linguagem cósmica que lembra muito à apocalíptica (1:3-7; 3:12).
  2. Julgamento social e cativeiro (1:10-16)
  3. Julgamento de pessoas específicas (2:3-5)
  4. Julgamento contra os falsos profetas (3:6-7)
  5. Julgamento econômico (6:13-16)
Ao mesclar entre os oráculos de julgamento promessas de esperança e restauração, Javé dizia ao povo da Aliança que o castigo jamais seria a última palavra dele dirigida a seu povo escolhido.
O salvador
Miqueias em seu texto aborda em dois momentos um salvador para seu povo. Este tema está presente nos trechos 2:13 e 5:2-9.
Em 2:13 o rei que vai adiante do povo é comparado ao Senhor, e isso levou alguns intérpretes a associar este rei ao próprio Deus. Outros dizem que este rei está sob o comando de Javé. O versículo 2:12 trata sobre os sobreviventes (remanescentes) salvos em um aprisco, enquanto o capítulo 1 descreve a destruição de Jerusalém; portanto, este trecho de 2:12-13 pode indicar os sobreviventes do massacre assírio sobre Judá em 701 a.C. e o livramento de Javé em resposta ao pedido do rei Ezequias.
No trecho de 5:2-9 o salvador não é um rei, mas um governante. A expressão Messias não foi usada por nenhum profeta do período pré-exílico, uma vez que este conceito floresceu durante o exílio babilônico. O seu aparecimento em Belém sugere uma quebra de continuidade real, já que os herdeiros do trono de Judá nasciam em Jerusalém. Este governante traria a liberdade aos sobreviventes ou remanescentes.
Está claro que Miqueias tratou sobre o rei davídico ideal, mas não há qualquer evidência no texto de que ele tenha tido um vislumbre do que costumamos considerar como messiânico no sentido estrito do termo, afinal ele estava muito mais preocupado com a questão da quebra da Aliança que se traduziu na injustiça social e apostasia religiosa.
Os autores no NT, guiados pelo Espírito Santo, entenderam que este governante, nascido em Belém, foi Jesus, o novo Davi. Isso nos dá segurança em crer que Deus é o autor da salvação que foi preparada durante toda a história.
A exigência do Senhor
Frequentemente o verso 6:8 de Miqueias é tido como a exigência mais abrangente daquilo que Deus requer do seu povo. Mas, para uma interpretação mais apurada, devemos analisar o contexto no qual estas palavras foram escritas.
O verso 8 foi escrito para contrastar com as práticas ritualistas dos versos 6 e 7, que se propunham a manipular a Deus com o objetivo de aplacar a sua ira. Os israelitas estavam sempre inclinados a apaziguar a ira do Senhor por meio de rituais religiosos, mas não se propunham a abandonar suas práticas injustas e idólatras.
Miqueias então lhes explica que a questão não era evitar a ira de Deus por meio de sacrifícios ou ofertas, mas sim corrigir o relacionamento do povo da aliança com Javé. Portanto, o verso 6:8 não se trata de uma exigência em termos da responsabilidade do povo perante Deus, mas sim o que Israel deveria fazer para renovar e restaurar o relacionamento da Aliança. Em outros termos, a obediência era muito mais importante do que o sacrifício (1 Sm. 15:22).
Uma exigência mais completa sobre a responsabilidade humana diante do Senhor está expressa em Dt. 10:12-13: “E agora, ó Israel, que é que o Senhor seu Deus pede de você, senão que tema o Senhor, o seu Deus, que ande em todos os seus caminhos, que o ame e que sirva ao Senhor, ao seu Deus, de todo o seu coração e de toda a sua alma, que obedeça aos mandamentos e aos decretos do Senhor, que hoje lhe dou para o seu próprio bem?”.



PALAVRA  10  VIA  GRITOS  DE  ALERTA

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...