segunda-feira, 31 de março de 2014

Médico diz que encontrar Deus durante o coma é algo real


Uma mulher da Carolina do Norte (EUA) alegou que depois de passar por um quadro de morte clínica pôde então ver o céu, ganhando o apoio de um médico que afirmou que encontros divinos durante um coma é algo real.

Debbie Caim conta que depois de passar por uma operação para remover seu apêndice, seu coração teria "parado durante a cirurgia", entrando em estado inconsciente para um encontro especial com Jesus Cristo, segundo ela.

"Eu comecei a sentir este amor de dentro, era quente e como a luz que eu vi começou a limpar tudo por completo, pude ver Jesus em pé por lá. Ele olhou para mim e sem eu dizer uma palavra, Ele me tocou e disse 'Agora não, minha filha'. A próxima coisa que eu lembro, é que eu estava acordada em uma sala de recuperação", relata Caim.

Ela ainda revela que não era religiosa antes da operação. Contudo, depois da experiência onde quase foi obrigada a lidar com a morte, ela aponta que não tem mais motivos para duvidar da existência de Deus.

Com outras experiências parecidas no Alleghany Memorial Hospital, da Carolina do Norte, o neurocirurgião Michael Minotti passou a pesquisar situações de quase morte com encontros diante de Deus, passando pela conclusão de que "há mais evidências de que são reais de que não são", destaca.

Minotti era cético e não acreditava que casos como estes poderiam ser verdadeiros. Entretanto, várias revelações trouxeram autenticidade à tona e puderam convencê-lo de que deveria pensar absolutamente o contrário.

"Há casos de pessoas cegas que tiveram uma experiência de quase morte. Estiveram clinicamente mortos, e foram ressuscitados, deixando seus corpos e vendo a luz pela primeira vez. Todavia, eles explicam detalhes a respeito dos esforços de reanimação, que de algum modo poderia ter acontecido", explica o médico.

Fonte: The Christian Post

Boom imobiliário de Nova York faz igrejas vender terrenos


Vendas de propriedades comerciais podem atingir um recorde de US$ 63 bilhões neste ano. Com preços em ascensão, instituições religiosas estão buscando vendas imobiliárias para gerar caixa e financiar suas missões.

Após ser ordenado em 2012, o reverendo Christopher Ballard foi nomeado para uma histórica igreja episcopal no Brooklyn, Nova York, e começou a trabalhar em uma parte fundamental de seu novo emprego: incorporação imobiliária.

Ballard, 49, decidiu vender a residência paroquial da Igreja de São Lucas e São Mateus, além de um estacionamento adjacente: 4.000 metros quadrados de espaço residencial edificável atrás da igreja histórica de Clinton Hill.

O local está avaliado em US$ 8,6 milhões, dinheiro que ajudaria a cobrir a manutenção de uma casa de culto que data de 1891.

“Este mercado não voltará a ter a artilharia pesada que tem agora: este é o momento de fazer isso”, disse Ballard, em entrevista concedida no segundo andar da igreja Romanesque Revival, a cerca de 800 metros da arena Barclays Center. “Trata-se de ser um administrador prudente da congregação”.

Com preços de terrenos e edifícios em ascensão por toda Nova York, as instituições religiosas estão buscando vendas imobiliárias para gerar caixa e financiar suas missões. Muitas das igrejas e sinagogas da cidade foram construídas décadas atrás e aquelas que administram casas de culto religioso se veem às voltas com estruturas massivas e arquitetonicamente distintas, que exigem consertos caros.

Para os clérigos de igrejas de lugares como Washington Heights, Park Avenue e Wall Street, e de todo o Brooklyn, navegar pelo mundo de altos e baixos da incorporação imobiliária é parte da descrição do trabalho, disse Mitchell Moss, professor de Política e Planejamento Urbano da Universidade de Nova York.

“Você não pode ser um membro bem-sucedido do clero em Nova York a menos que você saiba como tirar vantagem do mercado de terrenos”, disse Moss. “A única diferença entre um incorporador imobiliário e um membro do clero é as roupas que eles usam”.

Preços dos terrenos
As igrejas estão entrando no mercado em meio a um crescente apetite dos compradores por terras em Nova York. Locais para construção em Manhattan foram vendidos por em média US$ 445 o pé quadrado (US$ 4.789,98 o metro quadrado) no ano passado, acima dos US$ 366 o pé quadrado (US$ 3.939,62 o metro quadrado) de 2012, uma alta pós-recessão, segundo a Massey Knakal Realty Services.

As vendas de propriedades comerciais podem atingir um recorde de US$ 63 bilhões neste ano, um salto de 68 por cento em relação a 2013, com base na força dos preços em ascensão em Manhattan e um maior interesse dos investidores nos bairros mais afastados, estimou a empresa em janeiro.

Compradores de imóveis também estão optando pela região norte de Manhattan, onde a Igreja Batista Wadsworth Avenue, de 88 anos de antiguidade, em Washington Heights, está no mercado por US$ 8 milhões. A congregação quer construir um novo edifício no lugar e manter 30.000 pés quadrados (2.787 metros quadrados) para a igreja, deixando 67.500 pés quadrados (6.271 metros quadrados) de potencial espaço residencial para uma construtora.

“Estamos pedindo uma solução para seguir com o clero no bairro”, disse o pastor, o reverendo Joshua Blair, cuja igreja ainda tem seu telhado original e janelas de painel único. “Nós acreditamos que o mesmo Deus que nos ajudou a permanecer aqui todo esse tempo tem um plano para o futuro”.

Confrontos no bairro
O choque entre igreja e imóveis gera controvérsia, pois as construtoras têm entrado em confronto com moradores e preservacionistas. Na Igreja Cristã Park Avenue, no bairro Upper East Side, a Extell Development Co. está redesenhando os planos para uma torre de condomínio no terreno próximo à propriedade depois que um desenho inicial atraiu opositores. O edifício proposto seria erguido no entorno da torre da igreja, bloqueando a luz solar no prédio centenário, cujo modelo foi inspirado na La Sainte-Chapelle, em Paris.

A Comissão de Preservação de Marcos Históricos da cidade de Nova York, que está estudando uma designação histórica para o bairro, precisa aprovar um novo plano de construção, disse George Artz, porta-voz da igreja.

“Há um sentimento de que esses edifícios, por si só, são sagrados, de que as quatro paredes são o clero”, disse Ballard. “É preciso realmente dar-se conta de que eles são feitos de tijolo e cimento e que devemos usá-los para cumprir nossa missão”.

Fonte: Exame.com

Pastor diz que mulheres devem ficar em silêncio na igreja


O pastor Steven L. Anderson causou polêmica ao dizer que as mulheres devem ficar em silêncio na igreja e não devem nem mesmo “dizer amém” durante os cultos.

O pastor Steven L. Anderson disse que as mulheres devem ficar em silêncio na igreja e não devem nem mesmo “dizer amém” durante os cultos. A opinião polêmica rendeu discussões nas redes sociais e colocou o líder evangélico na mira das críticas.

Dirigente da Igreja Batista Palavra Fiel, na cidade de Tempe, Arizona (EUA), Steven L. Anderson virou assunto no mundo inteiro depois que o vídeo do culto do último domingo, 23 de março foi parar no YouTube.

Usando a passagem de 1 Timóteo 2:11, o pastor decidiu que era hora de calar as mulheres: “A mulher aprenda em silêncio com toda a submissão”, disse o pastor, completando: “Mas eu não permito que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o homem”. Na sequência, o pastor leu o capítulo 14 de 1 Coríntios: “As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas, pois não lhes é permitido falar”.

Ignorando o contexto, o pastor afirmou que “quando é tempo de aprendizagem, é hora de silêncio”, mas disse que é permitido às mulheres conversarem antes dos cultos e cantar os hinos no momento dos louvores.

O pastor ainda acrescenta que está fora de questão permitir às mulheres a palavra durante o culto, mesmo que para fazer perguntas, expressar alegria ou dizer “amém”. “Em primeiro lugar, não é para uma mulher estar fazendo a pregação. E em segundo lugar, não é para as mulheres ficarem falando. Mesmo se elas tiverem uma pergunta, não devem fazê-la na igreja. Em segundo lugar, mesmo que elas queiram fazer perguntas a seu marido, eles devem esperar até chegar em casa”.

O reverendo Jim Burklo, da Associação da Vida Religiosa na Universidade do Sul da Califórnia, afirmou Huffington Post que é importante abordar essas passagens bíblicas para evitar interpretações equivocadas: “Se você está preso na questão das mulheres em silêncio na igreja, [deve praticar também o] apedrejamento até a morte dos homossexuais, etc. Ninguém, nem mesmo o reverendo Steven Anderson, pode eventualmente seguir todas essas prescrições”.

A maioria dos comentários no vídeo é de perplexidade com a proibição que o pastor impôs sobre os fiéis de sua igreja: “Eu não posso acreditar que tantas pessoas acham na Bíblia uma pregação tão ofensiva. Deus te abençoe Pastor Anderson”, ironizou.

Outro internauta preferiu ignorar a interpretação do pastor: “Não há necessidade de ficar chateado por isso. Apenas deixe este homem ter seu próprio pequeno grupo, onde ele pode ser contra as mulheres… e judeus e outros cristãos… e outras Bíblias… e, bem, quem pensa de forma diferente do que ele. Deve ser divertido, no reino de dele”.



Fonte: O Nortão

Big Bang apoia criação bíblica, junto com a descoberta de onda gravitacional


Para cientistas cristãos, a descoberta da "onda gravitacional", localizado no polo sul, confirma o relato bíblico da criação, ao amparar a teoria do "Big Bang".

Alguns cristãos especialistas em ciências acreditam que a descoberta da "onda gravitacional", anunciada no início dessa semana, por cientistas que trabalham no telescópio BICEP2 (Imagiologia de Fundo de Polarizão Cósmica Extragalática 2) localizado no polo sul, confirma o relato bíblico da criação, ao amparar a teoria do "Big Bang".

"A Bíblia foi a primeira a prever a cosmologia do Big Bang", de acordo com Hugh Ross, presidente e fundador do Reasons to Believe, uma organização de criacionismo de Terra antiga que acredita que cristianismo e ciência são complementares.

Em uma entrevista ao Christian Post (CP) no último dia 18 de março, Ross explicou que a detecção de ondas gravitacionais resultantes da rápida expansão do universo, teoria denominada como "inflação", mostra que, "quando o universo tinha um trilionésimo de trilionésimo de segundo de idade, ele dilatou mais rápido que a velocidade da luz.

Essas ondas gravitacionais são um tipo específico de flutuação quântica - pequenas ondulações no tecido do espaço-tempo – que mostram quão rápido a luz se espalhou e o universo aumentou.

As ondas parecem sugerir que o universo se expandiu a uma velocidade maior do que a velocidade da luz por uma fração de segundo, um fato que Ross afirma ser essencial para a formação da vida humana.

"Se o universo é termodinamicamente conectado, ele não tem a homogeneidade e uniformidade necessária para a vida ser concebível", disse Ross.

Ele segue explicando que se o universo é muito velho ou se esfria muito rápido, as estrelas necessárias para se ter formas de vida avançadas vão se esgotar, antes que a vida possa aparecer.

Ross argumenta que os seres humanos estão no "fim da linha", pois não vão demorar muito até que o sol se torne muito quente para qualquer tipo de vida na Terra". Ele completou dizendo que o universo inteiro é "hostil diante de formas de vida avançadas, exceto no planeta Terra", e mesmo a Terra seria hostil se o universo não tivesse se expandido dessa maneira.

Leslie Wickman, diretor do Centro de Pesquisa em Ciências da Azusa Pacific University, disse ao CP na terça que, "a evidência para o Big Bang, geralmente, nos diz que houve um início", e "se houve um início, pela simples lógica de causa e efeito, deve ter havido um agente desse início".

Wickman também acredita que a teoria do Big Bang concorda com a cosmovisão cristã.

"Uma das minhas paixões na vida é fazer as pessoas entenderem que não precisamos ter de escolher entre ciência ou fé. Você pode ser um bom cientista e um cristão fiel", acrescentou Wickman.

Stephen Meyer, diretor do Centro de Ciência e Cultura no Discovery Institute, e autor do best-seller "A dúvida de Darwin: A origem explosiva da vida animal e o caso para o design inteligente"(tradução livre), disse ao CP que ele também acredita que a "teoria do Big Bang dá suporte ao entendimento bíblico da criação".

"Se você olhar para a história científica, a teoria que persistiu antes do Big Bang foi a teoria do universo estático, que, se enquadra bem com a famosa frase de Carl Sagan que 'O universo é tudo que foi, tudo que é, e tudo que vai ser'", segundo Meyer. Ao sugerir um início concreto, o Big Bang aponta pra a criação, ao invés de um universo eterno, como proposto por Sagan e apresentado na sua nova série "The Cosmos".

Meyer ainda sugere que a recente evidência da chamada inflação corrobora com a descrição da escritura de um universo em expansão.

"Vemos repetidamente no Velho Testamento, tanto nos Profetas quanto nos Salmos, que Deus está espalhando ou ainda, estendeu os céus", afirma. Ele ressalta que existem "pelo menos uma dúzia de referências" a essa ideia na Escritura.

"O Espaço expandiu rapidamente, e essa é uma evidência adicional apoiando a ideia da inflação", disse ele, referindo-se ao estudo.

Nem todos os cristãos que praticam ciência, no entanto, acreditam que o Big Bang suporta o relato bíblico da criação.

Danny Faulkner, professor de astronomia no Creation Museum, e que possui um pHD na área, disse ao CP que "Meu problema com o Big Bang é que ele não é bíblico".

Ele pensa em uma interpretação literal, com dias de 24 horas de Genesis 1, e afirma que o universo tem apenas 6.000 anos, enquanto o modelo do Big Bang estima uma idade para o universo de aproximadamente 13,8 bilhões de anos.

"Na Bíblia, vemos que a Terra estava lá desde o início, as estrelas vieram depois", disse ele.

Ele também sugere que os cristãos não deveriam tentar misturar a cosmovisão bíblica com descobertas científicas, pois a ciência muda frequentemente.

"Quando só cristãos tentam incorporar o pensamento cristão nas teorias vigentes, o paradigma muda e traz descrédito a Palavra", observa.

Faulkner mencionou a Revolução de Copérnico, a descoberta científica de que a Terra gira em torno do Sol, como um exemplo do que acontece quando os cristãos tentam incorporar ciência na leitura da Escritura. Quando Galileu desafiou a ideia de que o Sol gira em torno da Terra, a cristandade pareceu tola por acreditar no contrário.

"O problema é que as pessoas estão tentando interpretar a Bíblia em termos do entendimento humano da cosmologia, ao invés de fazer ao contrário", explicou Falkner.

Ele ainda aponta que a descoberta das ondas gravitationais pode ser resultado da necessidade da inflação para o modelo do Big Bang.

"Se a inflação não ocorreu, então o modelo do Big Bang está em grandes apuros", então existe uma pressa no julgamento dessa questão para muitas pessoas". Faulkner leu o relatório, e conta que "eles estão basicamente argumentando que 'achamos que encontramos isso', o que não é a mesma coisa que dizer que nós definitivamente encontramos".

Os experimentos, ele notou, eliminaram uma hipótese contra o modelo da inflação que não prova que a inflação aconteceu.

Em resposta, Meyer declarou que entende a nota de aviso, mas acrescentou que "A defesa de um universo finito vem crescendo e crescendo desde o início do século 20". Ele também indica que "é realmente estranho para pessoas com uma perspectiva Criacionista negar uma teoria que diz que o universo veio do nada".

Ross também citou a Escritura para argumentar contra a visão literal de seis dias de 24 horas, mencionando Hebreus 4, João 5 e o Salmo 95 para suportar a sua ideia de que a humanidade está vivendo no sétimo dia da criação.

De acordo com Genesis 1, Deus fez o Homem, macho e fêmea, no sexto dia. Ross acredita que isso significa que o dia sexto foi um longo período de tempo porque, Genesis 2 narra que Adão cuidou do jardim, deu nome aos animais e percebeu que estava sozinho antes de Deus criar Eva.

Meyer também aponta que três grandes descobertas cientificas no último século sustentam a narrativa bíblica para a criação: O Big Bang, que diz "o universo teve um começo", o "ajuste fino do princípio antrópico", que afirma que as regras da matéria funcionam de maneira mais adequada para a vida humana, e das propriedades de condução de informação do DNA, que evidencia que os elementos da base da vida têm algum tipo de conhecimento.

E ele também comentou em seu artigo " A volta da hipótese de Des" (tradução livre) no qual ele explica que somente o teísmo, e não o deísmo, panteísmo ou materialismo podem explicar essas novas descobertas.

Meyer reiterou sua crença, de que os cristãos devem usar seu melhor conhecimento científico e seu melhor entendimento da Bíblia para reconciliar os dois.

Fonte: The Christian Post

Visão Mundial anuncia apoio ao casamento gay, sofre críticas e recua após fuga de doadores


A Visão Mundial, uma das instituições cristãs de ação social mais influentes e reconhecidas no mundo, se tornou o centro da discussão sobre o casamento gay por admitir que homossexuais casados em seu quadro de funcionários.

O anúncio da divisão norte-americana da Visão Mundial que aceitaria que cristãos homossexuais casados poderiam trabalhar em suas ações levantou discussões acaloradas.

As declarações de Richard Stearns, presidente da ONG nos Estados Unidos, foram dadas à revista Cristianismo Hoje. O executivo disse que embora a entidade não “aprove o casamento entre pessoas do mesmos sexo, optou-se por deixar esta questão sob a autoridade de cada igreja, e assim, a escolha era não excluir uma pessoa da oportunidade de trabalhar na Visão Mundial”.

Open in new windowStearns acrescentou ainda que a proposta da Visão Mundial era que a ONG fosse um canal de inspiração para a “unidade cristã”, e a aceitação de homossexuais casados em seu quadro de funcionários era “simbólica, ou seja, sem compromisso com esta posição, e em favor da unidade [cristã]”.

Porém, a repercussão negativa da decisão obrigou a Visão Mundial a recuar de sua postura, e emitir um comunicado informando que a postura havia sido revertida.

“O conselho reconheceu que cometeu um erro e optou por reverter a decisão para a nossa política de conduta de longa data que requer abstinência sexual para todos os funcionários solteiros e fidelidade dentro do pacto bíblico do casamento entre um homem e uma mulher “, dizia o documento assinado por Stearns.

O presidente da Visão Mundial expressou ainda uma crença na “visão bíblica do casamento” e se desculpou pela confusão a decisão inicial causado, lembrando que a entidade se pautou pela proposta de tratar a todos com respeito, independentemente de sua opção sexual, pois todas as pessoas foram “criadas por Deus”.

A motivação para a mudança de postura sobre a decisão pode ter sido motivada pela enxurrada de ligações de patrocinadores da entidade informando que deixariam de contribuir com as ações da ONG. Estimando que as perdas fossem milionárias – já que cada doador cadastrado contribui com US$ 35 mensais – o Conselho da entidade resolveu voltar atrás.

Fonte: Gospel+

Egípcio quer processar Israel por causa das pragas de Moisés

Um ativista egípcio causou grande polêmica ao assinar sua coluna no jornal Al-Yawm Al-Sabi. O escritor Ahmad al-Gamal vai contra séculos de tradição dos muçulmanos e não nega a veracidade dos registros bíblicos sobre a libertação dos judeus com grande sinais feitos por Deus.
Pelo contrário, ele pede que sua nação processe o Estado de Israel, pedindo compensação pelas consequências das 10 pragas bíblicas. “Queremos ser compensados pelas pragas que foram infligidas sobre nós como resultado das maldições que antepassados dos judeus lançaram sobre os nossos antepassados. Eles não mereciam pagar pelo erro do governante do Egito na época, o Faraó”, afirmou ele.
Piada para alguns, o assunto gerou controvérsia entre aqueles que levaram o argumento a sério. O Egito passa por uma grave crise econômica e política, enquanto o vizinho Israel tem a democracia mais sólida do Oriente Médio e desfruta de estabilidade econômica há anos.
“O que está escrito na Torá prova que foi o faraó quem oprimiu os filhos de Israel, não o povo egípcio. [Mas] eles infligiram sobre nós a praga de gafanhotos, que não deixou nada para trás, a praga que impediu que as águas do Nilo pudessem ser bebida por um longo tempo, a praga da escuridão que manteve o país nas trevas”, justifica.
Também acredita que o material que os judeus saquearam o país quando saíram do Egito “Nós queremos uma compensação também por todo aquele ouro, prata, cobre, pedras preciosas, tecidos, couros e madeira, peles de animais e outros materiais que os judeus usavam em seus rituais”, numa referência ao que seria posteriormente usado para a construção do Tabernáculo no deserto.
O fato de al-Gamal, sendo muçulmano, citar o Velho Testamento irritou muitos religiosos radicais. Contudo, ele insiste que o governo use “todas as medidas da lei” para exigir compensação. Se necessário, sugere, inclusive em fóruns internacionais.
Entre os damos a seres cobertos por esse processo, estariam os danos à “psique egípcia”, não apenas causada por judeus, mas também acredita que foi infligida no país pela Turquia, que invadiu o Egito durante o Império Otomano, a França durante a invasão de Napoleão e por fim a Grã-Bretanha, que ocupou a nação durante 72 anos.   Com informações WND

DESMENTINDO OS TJ - QUEM SÃO OS CENTO E QUARENTA E QUATRO MIL TESTEMUNHA - Ap 7.



João vê quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra...” (Ap 7.1), que simboliza os quatro pontos cadeias, isto é, o mundo inteiro. “Estavam retendo os ventos da ira do todo Poderoso, até que fossem assinalados os servos de Deus que encontravam em toda a terra”.
E o número dos assinalados era CENTO E QUERENTA E QUATRO MIL, de todas as tribos de Israel. Estes cento e quarenta e quatro mil, são os remanescentes que serão salvos em Israel (Is 10.22; 17.6; Rm 9.27).
Os cento e quarenta e quatro mil, são descritos como servos de Deus, provenientes das tribos dos filhos de Israel. Deus irá marcá-los nas suas testas para indicar que pertencem ao Senhor. Serão selados, iluminados e protegidos pelo Espírito Santo desde os céus, são guardados sob os cuidados de Deus em lugar especialmente preparado.
Nos primeiros três anos e meio o Anticristo fará uma aliança com Israel. Todavia os cento e quarenta e quatro mil ouvirão e aceitarão a pregação das duas testemunhas que ensinarão o povo israelita que o tal cristo não é o verdadeiro e sim um o falso messias o “Anticristo”.
Talvez sejam os primeiros convertidos pela pregação das duas Testemunhas. Eles substituirão a Igreja na obra de testemunhar, Deus nunca ficou sem testemunho, nem mesmo durante a apostasia de Israel (1º Rs 19.18-19; Rm 11.5). Os novos crentes, dentre os filhos de Israel, serão capacitados pelo Espírito Santo para pregar o evangelho durante os negros dias da tribulação. O testemunho dos cento e quarenta e quatro mil salvos durante a Grande Tribulação resultará numa grande multidão de salvos dentre todas as nações (Ap 7.9, 13, 14).
No evangelho de São Mateus 24.14, Jesus diz: “E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim. Para aqueles crentes que subiram com o Senhor talvez o fim chegou, mas para aqueles que ficaram que conheciam a Jesus, e para aqueles que continuaram a nascer, porque a vida depois do arrebatamento continuará normal, sabemos que não será fácil ser crente na terra, e, contudo enfrentando a ditadura do Anticristo.
Eu acredito que os cento e quarenta e quatro mil e outros mais que surgirão, serão estes que conseguirão dar cabo da grande evangelização mundial, porque na Grande Tribulação aqueles que não aceitarem a marca da besta (Anticristo) e não negarem a Jesus entregarão suas vidas para serem salvas: “Então, ouvi o número dos que foram selados, que era cento e quarenta e quatro mil...” (Ap 7.4).
Conhecemos o selo também da atual dispensação, pois conforme Efésios 1.13, todos que renasceram em Cristo Jesus foram selados com o Espírito Santo. O mesmo vale também para os 144.000, apesar da aparente onipotência da besta que controla todo o mundo sua adoração através do falso profeta, mandando matar todos que não adoram a imagem da besta. Mas eles não serão dizimados. Em virtude de estarem selados com o Espírito Santo, eles resistiram vitoriosamente á fúria da besta e serão arrebatados para o céu:
“São estes os que não se macularam com mulheres, porque são castos. São eles os seguidores do Cordeiro por onde quer que vá. São os que foram redimidos dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro” (Ap 14.4).

A expressão na Bíblia, que diz que não se contaminarão com mulheres, é apenas uma expressão no sentido espiritual. Os 144.00 permanecerão puros, recusando-se a se conformar com o sistema mundial ímpio do Anticristo e do falso profeta. Isso quer dizer que eles não se contaminarão com o mundo (mulher aqui significa o sincretismo de religiões falsas).

II. OS CENTO E QUARENTA E QUATRO MIL TESTEMUNHA - Ap 14.

“Olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, tendo na fronte escrito o seu nome e o nome de seu Pai. Ouvi uma voz do céu como voz de muitas águas, como voz de grande trovão; também a voz que ouvi era como de harpistas quando tangem a sua harpa. Entoavam novo cântico diante do trono, diante dos quatro seres viventes e dos anciãos. E ninguém pôde aprender o cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra” (Ap 14.1-3).
Sem duvida trata-se novamente dos cento e quarenta e quatro mil selados dentre as dozes tribos de Israel, que vimos no capítulo sete. Assim os que pertencem a Deus e os que são do diabo se distinguem abertamente.
O Cordeiro é figura de Cristo, “o Cordeiro de Deus” (Jo 1.36). O monte Sião não se trata da Jerusalém terrena e o drama que o restante da nação de Israel irá passar na batalha do Armagedom no final da Grande Tribulação. O Monte Sião, onde o Cordeiro está em pé, e com Ele os cento e quarenta e quatro mil, certamente é o Monte Sião celestial, conforme escreveu o autor da carta aos judeus cristãos: “Mas tendes chegado ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, e a incontáveis hostes de anjos, e à universal assembléia” (Hb 12.22).
Além do mais, não podemos esquecer de que este é o período da segunda metade da Grande Tribulação, quando o mundo está sendo assolado com a presença do Anticristo. Ele também está assentado no santuário em Jerusalém, ostentando-se como se fosse o próprio Deus.
Os cento e quarenta e quatro mil não refere-se aqui á Igreja, a Noiva. Os anciões referidos no verso 3, são distintos dos cento e quarenta e quatro mil, e incluem e representam a Igreja.
Os cento e quarenta e quatro mil são as primícias de Israel que vão reconciliar e reconhecerão que Jesus é o verdadeiro Messias (Jr 31.32-33; Ez 11.19-20; 36.27-28; Os 2.16-23). No meu entendimento os cento e quarenta e quatro mil serão arrebatados em meio a Grande Tribulação. conforme já vimos: “A mulher, porém, fugiu para o deserto, onde lhe havia Deus preparado lugar para que nele a sustentem durante mil duzentos e sessenta dias” (Ap 12.6).
Observe que no capítulo 7, João vê os 144.00 na terra, mas no capítulo 14 João vê eles no céu com o Cordeiro. No céu são agora reveladas as características dos cento e quarenta quatro mil. O que eles eram na terra, manifesta-se agora na sua glória. Suas características são ao mesmo tempo as características de todos os selados com o Espírito Santo. O que somos aqui interiormente será então manifestado na glória.
Em Apocalipse 7.3, somente é dito que os 144.00 selados são “servos de Deus”. Mas com o Cordeiro na glória, na Sião celestial, mostra-se o grau da sua semelhança com Ele.
O selo que é o Espírito Santo torna visível o nome do Pai. O selo com o nome sagrado sobre sua fronte revela:
1. Que em meio ao furor do Anticristo, eles foram fiéis testemunhas. Eles perseveraram na fé. Isto em contraste com os muitos milhões que têm o nome da besta gravado em sua fronte ou na sua mão direita.
2. Que mantiveram a pureza absoluta, pois está dito deles: “São estes os que não se macularam com mulheres, porque são castos. São eles os seguidores do Cordeiro por onde quer que vá. São os que foram redimidos dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro; e não se achou mentira na sua boca; não têm mácula” (Ap 14.4-5). Certamente não se trata no caso de celibato, mas de pureza. A decadência dos costumes morais atualmente se alastra cada vez mais, será tão completa durante a Grande Tribulação, que será difícil permanecer imaculado. Mas em virtude de estarem selados, os 144.000 permanecerão imaculados.
3. E são verdadeiros: “...e não se achou mentira na sua boca” (v. 4). Quão infinitamente importante é que não haja mentira em nós, já somente porque o Senhor só nos ouve quando o invocamos com o coração verdadeiro. Quem age com engano em todas as áreas quer seja política ou religiosa no caso de falsos ensinos corrupção, afasta-se cada vez mais da Sião celestial, sendo cada vez mais preso ao pai da mentira.
Durante a Grande Tribulação os 144.000 experimentarão muitas coisas: eles creram, foram selados e também serão arrebatados para o Cordeiro. Estas puras e verdadeiras primícias de Israel, apesar de terem a mentalidade de noiva, não farão parte da Igreja-Noiva. Pois esta já está ataviada e preparada para as bodas do Cordeiro. Estes serão os convidados para as “Bodas do Cordeiro” (Ap 19.7).
Os 144.000 não se encontram sobre tronos, mas diante do trono, do mesmo modo como a multidão inumerável dentre todos os povos e línguas (Ap 7.9). Lá os selados de Israel entoam um “novo cântico” (v. 3). Apesar de não serem ligados ao trono como os quatro seres viventes (Ap 4.6-9), nem estarem sentados sobre tronos e com coroas nas cabeças como os vinte quatro anciões (a Igreja; conf. Ap 4.4, 10 e 11), eles têm um motivo extraordinário e especial para louvar ao Criador. Nem os quatro seres viventes, nem os vinte e quatro anciões têm este motivo. Pois ninguém cumpriu tal tarefa como eles: a pregação do evangelho para seu povo diante da face da besta e do Anticristo. Em virtude de estarem selados, eles venceram na provação extrema da genuidade da sua fé em Jesus Cristo. Não é de admirar que esse maravilhoso cântico é procedido por um indescritível prelúdio: “Ouvi uma voz do céu como voz de muitas águas, como voz de grande trovão” (vv.2).
Estas primícias de Israel mostram-nos também uma ordem completamente nova: todo o Israel, que será salvo mais tarde (Rm 11.26). Do mesmo modo como os vinte quatro anciões representam toda Igreja de Jesus, os cento e quarenta quatro mil representam as primícias da nação de Israel, embora eles sejam os rabiscos da colheita. Eles são as testemunhas especiais do Pai e do Filho nos escuros dias da angústia de Jacó, na humilhação e na miséria de seu povo. Junto a Cristo, em seus atos especiais para a salvação final da nação escolhida, eles têm a posição mais elevada. Justamente por isso eles também são selados de maneira especial nos dias especialmente difíceis. Esse é o galardão pela sua fidelidade ao Senhor na presença do mentiroso desde o princípio. Por isto está escrito sobre eles a honrosa referência: “São eles os seguidores do Cordeiro por onde quer que vá” (v. 4).
Os russelitas, também conhecidos por testemunhas de Jeová, querem afirmar que os cento e quarenta e quatro mil são o número dos que hão de ser salvos, dentre todas as nações e através de todos os tempos, e os únicos redimidos. Mas, aqui, cai por terra este ensino herético, porque são os anciãos que representam a Igreja, e estes cento e quarenta e quatro mil são assinalados do capítulo 7, onde inclui todo o remanescente de Israel salvo pela vinda do Libertador (Rm 11.26). Amem!


http://conselhodepastorescpb.ning.com/

domingo, 30 de março de 2014

Vídeo de funcionários de fábrica de queijo dentro de tanques de leite causa polêmica

Empregados entraram nus em tanque e filmaram imagens para publicar na internet.



Funcionários de uma fábrica de queijo estão sendo investigados depois de publicarem um vídeo onde aparecem nus, dentro de uma caixa de leite usada na produção da empresa. Os trabalhadores capturaram as imagens durante uma festa de Ano-Novo na fábrica de Omsk, na Sibéria.

"Sim, nosso trabalho é muito chato", diz a legenda da postagem na internet. Estamos verificando se realmente as fotos foram tiradas em instalações de processamento de queijo na empresa, e se as fotos estão ligados a esta fábrica", disse Alexander Kriga, chefe do Rospotrebnadzor.

Vídeo de funcionários de fábrica de queijo dentro de tanques de leite causa polêmica

Omsk é um centro de processamento de alimentos líder na Rússia. Assista ao vídeo abaixo:

Fonte: Daily Mail

O Plano para a Extinção ou Abolição da Família


Mostrando as Unhas: O Plano para a Extinção da Família 



ÀS VEZES POR SER TÃO INACREDITÁVEL,
A VERDADE DEIXA DE SER CONHECIDA

Enquanto a maioria das pessoas leva uma vida agitada e não consegue perceber
(seja porque está trabalhando demais ou festejando demais), a sociedade está 
sendo preparada para cair na armadilha de um  plano sinistro que tem como 
objetivo abolir (ou eliminar) a famíliaÉ isto mesmo! Existe um plano para 
acabar com a família. E esse projeto, que já vem sendo trabalhado a um 
certo tempo, está agora muito perto de virar lei e entrar em vigor. Se isto
 lhe parece absurdo e inacreditável, então continue lendo para conhecer as
 evidências (as provas) e saber como isto está sendo feito, diante dos seus olhos.



 DECLARAÇÕES ASSOMBROSAS

Eis o que declarou a feminista e lésbica Julie Bindel, que é reconhecida
 como uma das grandes defensoras dos direitos homossexuais no mundo:

 
“Muitas pessoas que sabem que sou lésbica... ficarão surpresas por me
 verem dizer isto, mas eu gostaria de abolir [de vez]
 o casamento... [eu] tornaria ilegal o casamento para todos”.
 (março de 2012).





Essa declaração foi feita ao vivo no canal de TV inglês Sky News
 (que se pronuncia assim: Iscái Níus). E também publicada no Jornal
 The Guardian (O Guardião - também em inglês).

  
FAZENDO A CABEÇA DO BRASILEIRO E INTRODUZINDO 
A IDEIA NO BRASIL

Esta mesma ideia de abolir o casamento foi insinuada no Programa 
Encontro com Fátima Bernardes (de 30 de Julho de 2012); quando 
um promotor de justiça fez a seguinte declaração:


“A questão é que num casamento, a ideia que se tem é a de que ambos 
os parceiros estão ligados um ao outro pelo dever de lealdade... 
As coisas seriam mais fáceis com a abolição do matrimônio”.


Curioso também é que a apresentadora não estranha a declaraçãodo
 promotor (pois continua sorrindo tranquilamente) e em seguida 
chama o comercial (normalmente).

OBServação: o vídeo também não está disponibilizado ao público geral:



PORQUE ABOLIR O CASAMENTO

casamento é a união oficial entre homem e mulher. Também é o
 primeiro passo para a formação de uma família.
Então, abolir o casamento significa ELIMINAR O PRINCÍPIO
 DE FORMAÇÃO da família. Ou seja, acabar com o casamento
 é um pretexto (uma desculpa) para impedir a formação de famílias:
 
QUEM IGNORA A HISTÓRIA,
IGNORA OS AVISOS DO PASSADO

No decorrer da história o ser humano criou vários impérios
 (ou seja: governos muito poderosos). E em todos esses impérios que
 criou, a raça humana se deparou com um perigo mortal: aTirania.
Ou seja, esses impérios acabavam se tornando governos muito autoritários 
(e também opressores, cruéis, violentos e controladores - pois se achavam
 no direito de intimidar os cidadãos e invadir a privacidade com a desculpa
 de que “quem não deve, não teme!”. Também com o pretexto de que 
era para localizar terroristas, e assim “tranquilizar” a sociedade).

SOCIALISMO, COMUNISMO E NAZISMO:
ENGANOS MORTAIS QUE MUITOS IGNORAM

Isto ocorreu recentemente na história da Alemanha nazista de Adolf Hitler 
(que arrastou o mundo para a Segunda Guerra Mundial); também na 
Rússia Socialista e Comunista, comandada pelo ditador Stalin; atualmente 
ocorre na China, Coréia do Norte e Cuba (também comunista). E agora 
o Brasil está indo na mesma direção.


E a população ignorante (ou seja, desprovida) de conhecimento, festeira 
e distraída não está percebendo o perigo. Será que as pessoas vão acordar?


MAS, O QUE ISTO TEM HAVER
COM A ABOLIÇÃO DA FAMÍLIA?

A família sempre foi o principal obstáculo (barreira) no caminho dos loucos
 por poder total, que desejaram ter o controle absoluto (completo) da sociedade
 (e assim: de uma nação inteira). Portanto, para que exista de fato um
 império realmente totalitário, será necessário eliminar esse obstáculo: a
 família. Esta foi a principal razão de Deus criar a famíliapara impedir
 a sociedade de ser totalmente controlada e cair no perigo de 
massacres em massa por governos ou impérios tirânicos e sanguinários.



FOMOS AVISADOS!

A Bíblia já avisava que na época do Retorno de Jesus Cristo seria posto
 em prática o plano de dar fim ao casamento. Confira você mesmo:


“Mas o Espírito [de Deus] expressamente diz que nos últimos tempos 
alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos 
enganadores, e a doutrinas [ensinamentos] de demôniospela hipocrisia 
de pessoas que falam mentiras, tendo cauterizada 
a sua própria consciência; PROIBINDO o casamento...”
(Primeira Timóteo: Capítulo 4, Versos 1 ao 3 - na Bíblia).


Além de já ser fantástico que a Bíblia avisasse  bem antes sobre esse
 plano inédito e diabólico, sendo apresentado ao público “nos
 últimos tempos”; também é notável o fato de que essa mesma 
Bíblia profetizou (anunciou com antecedência) o surgimento
 de um Governo Mundial justamente na mesma época do plano 
satânico da proibição do casamento. E quanta gente ainda não se
 ligou que esse papo de “Globalização” nada mais é que um
 condicionamento (preparo mental) para a formação de um Governo 
Global?ACORDA!!!

Pois, Deus deseja que todos os homens se salvem, chegando
 ao conhecimento da verdade. (Primeira Timóteo Cap. 2, Verso 4)


FONTE:

http://www.observandoanovaordem.blogspot.com.br/

FINAL DOS TEMPOS - Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia

Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia Segundo relato da vítima à políc...