domingo, 5 de maio de 2013

HOJE TEM CULTO


@[100004302993416:2048:Diaconiza Rose]@[100003285751272:2048:Jacylene Queiroz]@[100002492242207:2048:Diácono Cicero Terto]@[100002941579008:2048:Tarcisio Ferreira Dantas]@[100003175972156:2048:Karina Moraes]@[100003934801759:2048:Edite Aparecida]@[100004036111648:2048:Missionario Webson Reis]@[100001946607759:2048:Missionária Ana Cristina]@[100003963444474:2048:Valquiria Souza]@[100003609530978:2048:Maay Nilson]
MINISTÉRIO GERAÇÃO GRAÇA E PAZ
RUA MARANHÃO 156 - CENTRO - JAGUARIÚNA - SP

João Gordo deixa Ratos de Porão e se converte ao evangelho cristão

    VEJA A MATÉRIA.


O movimento punk acordou um pouco mais triste nesta manhã. João Francisco Benedam, mais conhecido pelos fãs de rock como João Gordo, anunciou nessa quarta-feira a sua saída da banda Ratos de Porão. A notícia e o motivo não são tão inusitados quanto parece: ele se converteu ao cristianismo evangélico.
João Gordo já havia dado indícios desse caminho ao assinar contrato com a Rede Record, sendo, atualmente, um dos âncoras do programa Legendários, exibido aos sábados e apresentado por Marcos Mion.
Segundo o cantor e apresentador, esse era um caminho natural.
“Ah, cara. Eu já vivi muita loucura. Quem acompanhou minha carreira (e não foram poucas, risos) sabe que se eu estou aqui, nesse momento, dando essa entrevista, é porque alguém lá em cima gosta muito de mim. Não estou traindo o movimento nem nada do tipo, mas chega uma hora em que você escuta o chamado. É algo que você não consegue explicar. Estou seguindo apenas o que o meu coração diz. Espero que os fãs do Ratos de Porão entendam esse momento e me apoiem”.
Nas redes sociais, muitos fãs já começaram a comentar sobre o assunto. Alguns mais exaltados alegam que a conversão de João Gordo seja uma imposição da emissora em que o cantor trabalha atualmente, uma vez que ela é ligada à Igreja Universal do Reino de Deus.
Durante o comunicado à imprensa, João Francisco Benedam (que agora pretende deixar de lado o apelido “Gordo”) disse que está planejando uma “turnê” pelo Brasil para divulgar o seu testemunho, a fim de incentivar outras pessoas se converterem.
“Ao contrário que muita gente pensa, não estou abrindo mão de quem eu fui ou sou. É claro que o passado vai ficar para trás, mas eu quero transmitir uma mensagem positiva às pessoas. Todo mundo pode mudar para melhor, basta apenas o incentivo certo. E, nesse caso, não há melhor incentivo que Jesus”.
O apresentador, atualmente com 48 anos, continuará a fazer parte do elenco do humorístico Legendários.
Saiba mais clicando aqui.

Com grande repercussão, novo vídeo clipe de Thalles Roberto causa polêmicas na internet

O novo vídeo clipe do cantor gospel Thalles Roberto, com a música “Filho Meu”, lançado nesta terça-feira (30) no You Tube, tem repercutido e causado polêmicas na internet, onde os internautas dividem as opiniões entre críticas e elogios. A música do clipe faz parte do repertório do novo CD de Thalles Roberto: Sejam Cheios do Espírito Santo, com previsão de lançamento para junho. O álbum, com 17 faixas inéditas e uma introdução, reúne músicas que relatam as experiências do cantor com Deus.

O vídeo, que já conta com mais de 500 mil visualizações e com mais 3.500 comentários somente no You Tube até na manhã deste domingo (5), traz na letra da música uma conversação entre Deus e seu filho, na qual Thalles aparece cantando, na primeira pessoa, como se fosse Deus, dando conselhos para uma outra imagem sua simulando que fuma e bebe. “Filho meu, ta fugindo de mim, já tentei, procurei e outra vez, você me rejeitou. Porta na cara doeu”, diz parte da letra cantada e encenada por Thalles.
Entre os comentários críticos negativos mais comuns, os internautas contestam que o cantor apresenta imagens de bebida e cigarro no clipe e ainda por usar o nome Deus na primeira pessoa. O internauta Rodrigo Antunes argumentou. “Sou evangélico praticante. Mas realmente está horrível este trabalho (opinião). Se colocar como se Deus estivesse falando. ‘Eu acho que paguei um preço alto demais’. Você acredita de verdade que Deus pensa assim? E Deus nunca ficaria jogando as coisas na nossa cara, Deus é amor, não imposição ou raiva, como demonstra o vídeo”, avalia.
Outro internauta, que se diz fã dos trabalhos do cantor, também expressou sua opinião na rede social. “Sou fã do Thalles Roberto, já fui no Show dele, é realmente uma benção e uma ministração poderosa. Mas minha opinião sobre essa musica é: 'Não gostei, letras fortes, ditas por ‘Deus’ como se ele estivesse com raiva do ‘filho desviado'”, avalia , Wellington Ribeiro.
Já o outro internauta contestou o clipe “E o pior que, ele jamais deveria insinuar que iria fumar. Talles errou feio, não precisava disto, não teria outra forma para executar o clipe? Daqui a pouco vão fazer cenas de sexo, depois desta. Gosto de ouvir o Talles, mas depois dessa, vou pensar duas vezes. Nota zero nesta cena. Vc Concorda internauta?”.
Apesar das críticas o vídeo clipe de Thalles também foi muito elogiado pelos internautas. Muitos argumentaram que o cantor é realista e canta o que realmente todos precisam ouvir. “O diferencial das músicas do Thalles é que ele não tem medo de falar/cantar o que verdadeiramente precisamos ouvir. Enfim, eu o defino como um Realista da última hora”, diz Samuel Garcia Ribeiro.
O internauta Darlly Gomes elogia a música e contesta as críticas. “Amei está música!! Pois ela fala do cuidado que Deus tem conosco, mas infelizmente muitas pessoas não dão valor, preferem dar lugar pra coisas do mundo!!! Acordem pessoal, ao invés de criticar, procure entender o real sentindo da canção!!”
A pré-venda do CD "Sejam Cheios do Espírito Santo", já alcançou o segundo lugar em vendas no Itunes.Em sua fan page no facebook, Thalles comemorou o aguardado lançamento do clipe e aproveitou para chamar as pessoas para assistirem. “Esse clipe está mergulhado na unção do Espírito Santo. Eu vou ficar aqui batendo nessa mesma tecla com vocês porque esse clipe é uma arma poderosa de evangelismo! Quase meio milhão de visualizações no You Tube e preciso de mais milhares! Pra ganhar almas pra Jesus!”.


VEJA O VÍDEO .
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=Lr0H4bXTWFg


CP

Mulher morre queimada por resistir a estupro na Índia

Uma mulher morreu por causa de graves queimaduras que sofreu quando um homem lhe ateou fogo após ela resistir a uma tentativa de estupro no Estado de Rajastão, no noroeste da Índia, informou neste domingo uma fonte policial citada pela imprensa local.

O crime aconteceu na sexta-feira, quando o agressor entrou na casa da mulher, 28 anos, que dormia junto de sua filha, de apenas 4 anos, na cidade de Nohar, disse o porta-voz da polícia local, Antar Singh, ao jornal The Times of India.

A mulher resistiu à violação, por isso o suspeito, identificado como Jitendra Singh Rajput, jogou querosene no corpo dela e ateou fogo. "Ao escutar os gritos, o marido e o irmão da vítima correram para dentro de casa e encontraram a mulher em chamas", disse Singh, acrescentando que o marido sofreu graves queimaduras ao tentar ajudar sua esposa e está internado.

A mulher foi levada a um hospital com queimaduras em 70% do corpo e faleceu ontem, enquanto o suspeito foi detido pela polícia.

O estupro coletivo de uma jovem estudante em Nova Délhi, em dezembro do ano passado, e sua posterior morte, causaram protestos e um debate sem precedentes na Índia sobre a forma como as mulheres são tratadas. Desde então, a imprensa informa continuamente de novas agressões sexuais. No final de abril, o estupro de uma menina de cinco anos em Nova Délhi reacendeu as manifestações na capital.
 
TERRA/EFE

Cristão americano preso na Coreia do Norte é condenado a 15 anos de trabalhos forçados

Kenneth Bae
(Foto:Reuters)
Kenneth Bae, cristão americano preso na Coreia do Norte.O cristão americano Kenneth Bae foi condenado nessa quinta-feira na Coreia do Norte à pena de 15 anos de reclusão e trabalhos forçados. Ele é acusado de crimes contra o Estado e seria um missionário. A agência de notícia estatal KCNA não apresentou nenhuma outra acusação quando relatou a decisão da Suprema Corte.

Agências de notícias internacionais divulgaram que ativistas de direitos humanos na Coreia do Sul informaram que Kenneth Bae é cristão e pode ter sido preso por ter fotografado crianças desabrigadas passando fome. O jornal Religion Today noticiou que ele é um é um missionário cristão ligado à evangelização e ajuda social de Ohio, nos EUA.
Kenneth Bae foi detido pela polícia na sua chegada à cidade de Rajin, localizada no norte do país. A região faz divisa com a China e a Rússia. Ele está em poder das autoridades desde 03 de novembro de 2012, quando estava em um grupo com mais quatro turistas. Bae é natural da Coreia do Sul, mas é cidadão americano naturalizado.
 A lei norte-coreana regulamenta a punição para atos hostis contra o Estado de cinco a 10 anos de trabalhos forçados. Após o julgamento, Kenneth Bae pode receber ainda a pena de morte.
Amigos e colegas informaram ao Religion Today que Bae,é um cristão do estado de Washington, mas mora na cidade de Dalian, na fronteira chinesa. Ele viaja com frequência para a Coreia do Norte para levar ajuda e alimentar os órfãos.
O Departamento de Estado de Washington pediu anistia imediata para o cidadão americano. A sentença é divulgada na mesma semana em que o porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Patrick Ventrell, tinha apelado à “libertação imediata” do suspeito, invocando “razões humanitárias”.
A condenação do americano acontece no momento delicado da relação entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos. O impasse diplomático está com as tensões acirradas nas últimas semanas com as ameaças de Pyongyang de atacar bases militares dos Estados Unidos no Pacífico e no Sul.
A Organização das Nações Unidas (ONU) reforçou as restrições após o terceiro teste de armas nucleares feito pela Coreia do Norte, em fevereiro.

CP

Conselhos para quem se converteu a Jesus Cristo e quer deixar o comportamento homossexual


 



1- A mudança só será possível depois que o indivíduo reconhecer e confessar que sua atitude e conduta precisam ser transformadas. É uma questão de decisão. Homossexualismo não é imutável. Alguns psicólogos afirmam que as pessoas não são homossexuais, mas estão homossexuais. Homossexualismo é um comportamento aprendido e, portanto, pode ser desaprendido;


2- O homossexual deve confessar seus pecados e temores a Deus e pedir-lhe que o purifique no Sangue de Jesus (1 Co 6.9 a 11);
 
3- Aquele que deseja a mudança deve pedir a Deus que lhe dê profunda consciência de pecado através do Espírito Santo (Jo 16.8) e um grande desejo de mudança de mente (Rm 12.1, 2);
 


4- O envolvimento com uma igreja local é extremamente importante para o crescimento espiritual, para a restauração emocional, para a socialização com pessoas que sempre foram heterossexuais. Isso é o que nos ensina Hebreus 10.25: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações.” A unidade cristã é decisiva para o homem e a mulher que estão saindo do homossexualismo;


5- Saber que há tentações e que o pecado, o mundo, a carne e o diabo devem ser vencidos. As carências e vulnerabilidades do ser humano levam a equívocos sexuais. Buscar entender 2 Co 5.7. Observe o que declarou um ex-homossexual americano: “Você é heterossexual em Cristo. Não importa a profundidade de seus sentimentos homossexuais, pois profundamente jaz dentro de você sua identidade heterossexual, enterrada debaixo de milhares de temores.” (Extraído do livro Deixando o Homossexualismo, Ed. Mundo Cristão. Ver Apêndice Livros Indicados);

6- Esperar sempre em Deus a força e o poder para a mudança (Fp 1.6 a 9);

7- Obedecer os conselhos recebidos do conselheiro, se tem convicção que essa pessoa foi posta por Deus em sua vida;

8- É preciso aprender a disciplinar os pensamentos (Rm 12.1, 2) e hábitos (pessoais e públicos) para vencer as tentações;

9- Contar com a ajuda de um ministério cristão de apoio a homossexuais também é muito importante;

10- Falar com Deus sobre os problemas, tentações, tristezas, decepções etc., sempre com absoluta sinceridade, sabendo que Ele é onisciente e é, também, o amigo mais compreensivo;

11- Deve confessar a Deus e ao conselheiro se cair durante o processo pois, do contrário, pode haver desânimo profundo, hipocrisia e acusação do diabo. A confissão e o abandono do pecado também trazem uma profunda consciência do perdão de Deus (ler Pv 28.13 e Tg 5.16);

12- Uma vida de leitura bíblica, oração, jejum e louvor é a melhor arma para se vencer o homossexualismo pois, como disse Frank Worthen, fundador do ministério Amor em Ação (EUA) “Os indivíduos que têm maior chance de abandonar o homossexualismo são aqueles que se entusiasmam com Deus, que antecipam o que Ele vai fazer em suas vidas. Eles vêem Deus trabalhando até mesmo em pequenos detalhes da vida deles, e seus corações estão cheios de louvor.” (Extraído do livro Deixando o Homossexualismo, Ed. Mundo Cristão);


13- Evitar amizades que possam influenciar na volta às práticas homossexuais assim como filmes, programas, revistas e lugares onde há pornografia, objetos do passado e tudo que exerça influência homossexual etc.
“E assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas passaram; eis que se fizeram novas.” (2 Co 5.7)
 
 
VIA GRITOS DE ALERTA / MOSES

HOMOSSEXUALISMO A LUZ DE ROMANOS .

Desde os primórdios da humanidade, as sociedades convivem com os mais variados tipos de comportamentos sexuais. O relato bíblico da Criação em Gn 1 e 2 mostra que Deus formou o homem e a mulher para viverem em comunhão íntima, tornado-se “uma só carne”. Porém o pecado infiltrou-se nos relacionamentos sexuais entre os seres humanos de tal forma que hoje a sociedade convive com uma variação enorme de perversões sexuais, tais como: narcisismo, homossexualismo, masturbação, sadismo, masoquismo, exibicionismo, pedofilia, gerontofilia, fetichismo, travestismo, incesto, pluralismo, necrofilia, bestialidade, zoofilia, voyeurismo, sexopatia acústica, renifleurismo, coprofagia, frotterurismo, entre outros.

O presente trabalho não vai entrar nos detalhes das diversas anomalias sexuais, limitando-se apenas ao estudo do homossexualismo, pois este é o tema tratado pelo apóstolo Paulo em Rm 1:26 e 27. O artigo será dividido nas seguintes seções: Estudo da referência paulina em Romanos; conceito e causas da homossexualidade; os motivos pelos quais Deus condena este comportamento sexual; terapia para a regeneração daqueles que apresentam este desvio da sua sexualidade. Ao final, será apresentado um resumo do trabalho e as conclusões encontradas.
Comentário Sobre Rm 1:26-27
Encontra-se a declaração de Paulo nas seguintes palavras:
"Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro." Romanos 1:26-27

Há um consenso geral de que Paulo referia-se aqui à prática do lesbianismo e do homossexualismo masculino.                  

A palavra “natural” (kata physin) em oposição à “contrária à natureza” (para physin) era usada no tempo de Paulo com muita freqüência como uma maneira de estabelecer distinção entre comportamento heterossexual e homossexual. Harrison acrescenta que “Paulo usa linguagem direta, para condenar a perversão do sexo fora do seu justo lugar: dentro do relacionamento conjugal”.

                    Outro teólogo afirma que a contaminação do corpo humano é claramente manifestada no homossexualismo, pois ele é obviamente antinatural, contrário à natureza sexual.

A prática do homossexualismo era comum no mundo pagão, tendo forte presença na sociedade em geral, sendo designado como o “pecado grego”. Paulo escreveu sua epístola aos Romanos na cidade de Corinto, a capital dos vícios gregos, e certamente já vira ali evidências sobre as práticas homossexuais.

Lovelace ainda diz que “contrária à natureza” significa “simplesmente contra a intenção de Deus para o comportamento sexual humano que é explicitamente visível na natureza, na função complementar dos órgãos sexuais e dos temperamentos do macho e da fêmea”.

No verso 27 Paulo emprega o termo arsen 3 vezes, traduzidos na ARA por “homens”. O substantivo arsenokoites (“homossexual masculino”, “pederasta”) é empregado pelo apóstolo como alguém que não herdará a salvação por estar sob a condenação de Deus (1Co 6:9; 1Tm 1:10).

Brown ainda acrescenta que aqui a perversão sexual é vista como resultado de (e, até certo ponto, um julgamento sobre) o pecado do homem em adorar a criatura ao invés do criador.

Conceito e Causas da Homossexualidade

Uma vez comprovado que o tema que Paulo abordou em Rm 1:26-27 foi mesmo a homossexualidade, tanto masculina quanto feminina, faz-se necessário um maior aprofundamento sobre o estudo deste comportamento sexual.


O homossexual é considerado uma pessoa com tendência a dirigir o desejo sexual para outra pessoa do mesmo sexo, ou seja, ele (ou ela) sente atração erótico-sexual por parceiro do mesmo sexo. Maranon apresenta uma definição mais completa sobre a homossexualidade nas seguintes palavras:
Por mais classificações que se façam desta anormalidade, a base patogenética é sempre a mesma: uma sexualidade recuada, de polivalência infantil que, por circunstâncias externas, condiciona sob diferentes formas seu objetivo erótico em sentido homossexual. 


                  Baseando-se no relatório de Kinsey, os homossexuais pretendem que sua condição seja considerada “uma espécie de forma alternativa de sexualidade, homóloga e simétrica à heterossexualidade”.

Bergler, porém, vê a homossexualidade como uma espécie de “síndrome neurótica”, caracterizada por alguns estigmas bem definidos, a saber: uma elevada dose de masoquismo psíquico, levando o homossexual a situações de desconfianças e humilhações; medo, ódio, fuga em relação ao sexo oposto; insatisfação constante e insaciabilidade sexual; megalomania; depressão; sentimento patológico de culpa; ciúme irracional; e inadmissibilidade psicopática.

As pesquisas com relação às causas da homossexualidade ainda não são consideradas de todo consistentes; porém, elas podem ajudar na orientação de uma profilaxia social com relação ao homossexualismo.

                   Gius afirma que “não se verificam quadros de aberração cromossômica ligados primitivamente à homossexualidade”, o que descarta sua origem genética, pois “em todos os casos de homossexualidade masculina examinados, o sexo genético correspondia ao sexo fenotípico (respectivo) e faltavam sinais de qualquer alteração cromossômica verdadeira”.

Mesmo os defensores da origem genética da homossexualidade admitem que a eventual “predisposição inata” só se transforma em efetivo desejo homossexual por força de fatores desencadeadores de natureza psicossocial, dentre os quais: obsessiva ligação com uma mãe autoritária ou possessiva; falta de uma figura paterna significativa como modelo de identificação; experiências de iniciação na infância ou adolescência; e fixação ou regressão da personalidade a níveis auto-eróticos, com supervalorização do falo (órgão sexual masculino).
O homossexual é um homem ressentido por acreditar que não tem o corpo que sua mente mereceria. Freud também considerava que o meio onde as crianças se desenvolvem é fator determinante de sua sexualidade.

Snoek divide estes fatores determinantes em três categorias:

1. Fisiológicos - Nenhuma das teorias (genética, hormonal, morfológica) foi comprovada;
2. Familiares - Uma mãe dominante, juntamente com um pai apagado; uma supermãe, tão envolvente que para o filho só existe uma mulher, que é ela; a mãe frustrada no seu relacionamento com o marido, incutindo na cabeça das filhas que homem nenhum tem valor; um superpai que exige uma virilidade impossível de ser alcançada pelo filho; os pais desejam um menino, mas nasce uma menina;
3. Sociais – O unissexismo, que ocorre na forma do segregacionismo ou do igualitarismo; o anarquismo; e a sedução por adultos.

Por Que Deus Condena o Homossexualismo?
Deus abençoou o homem e a mulher e lhes deu o mandamento de serem fecundos e multiplicarem-se (Gn 1:28).

O casamento é a “união de duas pessoas que originalmente foram uma, depois foram separadas uma da outra, e agora no encontro sexual do casamento se uniram novamente”. Lovelace acrescenta dizendo que “não é por acidente que toda forma de expressão sexual fora da aliança do casamento seja explícita ou implicitamente condenada no restante das Escrituras”.

A sociedade atual está cada vez mais perdendo de vista o princípio que Deus definiu para a união sexual entre os seres humanos: um homem e uma mulher, unidos pelo compromisso eterno do matrimônio. Em virtude deste crescente desvio do padrão idealizado por Deus no princípio, é que têm surgido todas estas anomalias sexuais descritas até aqui. Hoje já se convive até mesmo com o “casamento” entre homossexuais e a adoção de filhos por estes “casais”.
O propósito de Deus é que o homem junte-se com a mulher e os dois formem “uma só carne” (Gn 2:24), constituindo-se numa família heterossexual, na qual os filhos poderão ser educados em meio a um ambiente sadio e livre de preconceitos. 
                  
Este ideal está totalmente corrompido na sociedade moderna, e as relações sexuais passaram a ser apenas um meio de obter prazer a qualquer custo, sem atentar para as orientações dadas por Deus no passado, e para os perigos de não seguir estas orientações. A atual sociedade já aprendeu a conviver pacificamente com o outrora chamado “pecado grego”, vendo os homossexuais como apenas “um pouco diferentes”. 
                  
Deus condena o homossexualismo porque ele é totalmente contrário ao propósito original das relações sexuais: procriação e/ou prazer. Segundo Boice, apenas em se olhar para a anatomia dos órgãos sexuais do homem e da mulher já deveria haver argumento suficiente para convencer de que as práticas homossexuais não são normais. Tanto o Judaísmo quanto o Cristianismo sempre reconheceram esse fato, defendendo que o homossexual está sob a condenação de Deus.

Cura Para o Homossexual
Após verificar que o homossexualismo está arraigado fortemente na sociedade hodierna, faz-se necessário apresentar ao portador desta anomalia sexual um meio de regeneração e retorno ao ideal divino. A terapia de aconselhamento para o homossexual consiste em “escutar a quem pede ajuda, a fim de facilitar-lhe a decifração, por ele mesmo, de seu próprio discurso... levando a uma convivência mais saudável consigo mesmo e, em vários casos, chega-se à heterossexualidade”.
Talvez o maior problema a princípio seja romper as barreiras da solidão e da incomunicabilidade que a sociedade erige em relação aos homossexuais. Gatti defende que o ponto de partida deve ser a total aceitação do homossexual como pessoa, a plena compreensão de seu drama, e a mais leal solidariedade a seus sofrimentos e a seus problemas. Para o auxílio pastoral ao homossexual são sugeridos os seguintes passos:

1. Reconhecimento e confissão de que sua atitude e conduta são errados;

2. Ele deve admitir e reconhecer seu problema;
3. Deve confessar o pecado a Deus e a um conselheiro espiritual, e depois deve pedir a Deus que o purifique e perdoe;
4. O homossexual que busca a cura deve pedir a Deus que lhe dê um espírito de arrependimento;
5. Pode-se considerar a possibilidade de uma libertação de demônios;
6. O conselheiro deve repetir a promessa de que o indivíduo poderá mudar;
7. O homossexual deve concordar em submeter-se a um plano de disciplina que Deus possa usar para concretizar a mudança desejada;
8. Entre o homossexual e o conselheiro deve haver sinceridade absoluta;
9. O homossexual deve começar a participar de uma comunidade cristã compreensiva;
10. O conselheiro deve ser paciente.
Para o homossexual, como para qualquer outro homem, no fim é apenas a graça do Espírito Santo com seus misteriosos dinamismos que é capaz de tornar a cura do homossexual possível. Acima de todos os meios educativos e terapêuticos, é sempre na graça de Deus que o homem pecador deve confiar.
O Dr. José Maria concorda com o pensamento de que a igreja deve ser o conduto para a ajuda aos homossexuais que desejarem um retorno aos desejos sexuais naturais de cada ser humano. Ele afirma que “a igreja será o último reduto para a consolidação dos conceitos familiares” nos próximos anos.
Resumo e Conclusão

O homossexualismo está presente na história humana desde o seu princípio. Biblicamente, encontra-se referências à homossexualidade já no relato de Sodoma e Gomorra (Gn 19:4-5), de onde advém o termo “sodomia” como referência à homossexualidade e outras anomalias do gênero; bem como no período dos Juízes (Jz 19:22).

 Moisés também fez referências a esta prática sexual entre o povo de Israel (Lv 18:22; 20:13), condenando-a e considerando-a abominável aos olhos de Deus, punível mesmo com a morte.
No Novo Testamento, a referência clássica à homossexualidade, tanto feminina quanto masculina, encontra-se na epístola de Paulo aos Romanos (Rm 1:26 e 27). Porém, o apóstolo também faz outras referências à condenação divina sobre esta prática (1Co 6:9-10; 1Tm 1:9-11).

O presente trabalho analisou o texto de Romanos, observando a quase unanimidade entre os teólogos e comentadores de que Paulo realmente referia-se na passagem em estudo ao homossexualismo. Porém, é crescente o grupo de eruditos que não aceitam esta interpretação usual, e tentam reinterpretar as declarações paulinas, aplicando-as aos dias atuais, onde a homossexualidade tornou-se já parte comum do cotidiano das grandes cidades.

Através dos estudos e pesquisas científicas consultadas, verifica-se que é reduzida a probabilidade de que as tendências homossexuais sejam o resultado de uma “deformação genética” ou algum caractere hereditário. Ao contrário, é grande o número de estudiosos da psicologia humana que acreditam que este comportamento sexual advém de fatores psicossociais vividos na infância (até os 5 anos de idade, principalmente), e que acarretam traumas e complexos que podem levar o indivíduo a desenvolver o homossexualismo durante sua vida.
Apesar de Deus condenar este comportamento anômalo, em virtude de desvirtuar-se do Seu propósito para o relacionamento sexual e matrimonial, Ele concede ao homossexual desejoso de regenerar-se uma opção de cura, que está disponível através de Sua infinita graça e misericórdia pelas mazelas que atingem a humanidade.

Como representantes de Deus e instrumentos Seus para distribuição de Sua graça ao mundo pecador, os cristão não devem olhar o homossexualismo como uma doença típica de pessoas “despudoradas”; mas devem encarar o problema com o mesmo amor fraternal e solidariedade que Jesus demonstrou em Seu convívio com o ser humano. Resta ao cristão ouvir e atentar ao conselho do próprio apóstolo Paulo: “Tudo posso, nAquele que me fortalece” (Fp 4:13).

VIA GRITOS DE ALERTA / JESUS VOLTARÁ

Neymar se emociona com quinta final e faz discurso religioso

“Sou um cara cristão e estava agradecendo ao que Ele fez na minha vida.", disse Neymar para repórteres que invadiram o campo.

A classificação do Santos para a final do Campeonato Paulista emocionou Neymar. Ao final das cobranças de pênaltis, que levaram o time do litoral para a decisão, o atacante se ajoelhou no centro do gramado, com a cabeça baixa. Depois, levantou os braços, em claro sinal de graça a Deus.

O resultado o coloca na quinta decisão seguida do campeonato estadual – ele decidiu o título em todas as edições do torneio desde que subiu para o elenco principal. “O time correu, caprichou nas penalidades. É mais uma final. A felicidade é muito grande. Mais uma (final) para a história. Cinco paulistas, cinco finais. Graças a Deus não sei o que é ficar fora de uma final de Paulista”.

Ao ser questionado pelos repórteres que invadiram o campo sobre a comemoração emotiva, ele quebrou o protocolo pessoal que costuma seguir e fez um discurso religioso incomum. “Sou um cara cristão e estava agradecendo ao que Ele fez na minha vida. Só estava agradecendo. Ele fez a vontade Dele, que é levar, não só a mim, mas ao Santos para a final do Paulista”, afirmou, nitidamente feliz.

Apesar de citar Deus em alguns momentos, Neymar costuma evitar a imagem de “atleta de cristo”, que ficou famosa com Marcelinho Carioca na década de 90. No ano passado, em entrevista à apresentadora Marília Gabriela, ele admitiu que paga dízimo para a igreja que frequenta, mas fez questão de afirmar que o assunto era pessoal e não alongou a discussão.

No início desse ano, o UOL Esporte conversou com o pastor da Igreja Batista Peniel, que o jogador frequenta há 13 anos. Segundo Newton Lobato, Neymar ainda aparece no local para cultos, mas com frequência menor, por conta dos compromissos. “Como profissional, diminuiu a frequência por questão natural dos compromissos. Depois dos 17, 18 anos, ele começou a ter um jogo atrás do outro. Ele está no momento dele, muito assediado, não tem tempo quase nem pra ele. Fico alegre quando vejo ele (sic) na igreja. Fico alegre porque sei das dificuldades e ainda assim ele vai pra igreja, fica quietinho ali e depois vai embora”, disse o pastor na entrevista.

Fonte: UOL

Entrevista com Michael Glatze: Um ex-ativista gay de Esquerda Homossexual


12Michael Glatze era considerado uma estrela em ascensão no movimento gay, editor-chefe da revista Young Gay America, que teve como alvo adolescentes gays e adultos jovens e respeitado como uma autoridade em jovens gays nos Estados Unidos. Michael foi destaque em uma reportagem de capa da revista Tempo intitulado Gay Juventude na América em 2005 e recebeu o prêmio nacional modelo de proeminente grupo de direitos gay Equality Forum em 2003.Ele ajudou a produzir o documentário Jim In Bold, que incidiu sobre jovens gays na América e foi editor do Guia de Sobrevivência do XY – tudo o que você precisa saber sobre ser jovem e gay, que foi considerado o primeiro guia de recurso abrangente para a juventude gay.Então, em 2005, Michael descobriu Deus e isso mudou radicalmente sua vida. Jonathan Bellamy ouviu sua história.
Jonathan: Qual foi o ponto de viragem na sua vida que o levou a Jesus? Você pode descrever o que estava acontecendo ao seu redor, então?
Michael: Eu estava ficando muito bem sucedido no sentido mundano. Eu estava na revista Time e um monte de outras coisas de alto perfil. Eu estava sentado em um painel na Universidade de Harvard em Massachusetts e pediu para falar como uma autoridade sobre a juventude gay nos Estados Unidos.
Como eu estava falando, eu comecei a pensar – meu Deus eu não sei se eu realmente acredito que todas as coisas que estão saindo da minha boca, coisas como a importância de começar a homossexualidade nas escolas cada vez mais cedo, para que possamos chegar a aquelas mentes jovens impressionáveis. Eu não estava certo de que eu acreditava várias plataformas que eu segurava na época, então eu comecei a me sentir muito estranho. Esta manifesta-se na física, me senti doente. Eu simplesmente não conseguia descobrir o que estava errado e que Deus estava me rasgando tentando me forçar a olhar para a verdade.
Jonathan: Qual foi o catalisador que tenho você para começar a virar de cento e oitenta graus?
Michael: Bem, eu realmente saí e comprei uma Bíblia. Eu tive essa experiência com Deus, onde eu estava doente e tentando descobrir o que havia de errado comigo. Fui ao médico e ele disse que estava bem. Deitei-me na minha cama e disse: graças a Deus e foi realmente estranho estar a pensar em Deus. Foi uma evolução.
Comecei a chegar aos parentes cristãos e ler a Bíblia e realmente tem que conhecer Jesus através da Palavra de Deus. Naquela época, meus olhos estavam apenas abertos para esta incrível verdade de Jesus, o que é que ele era muito mais útil e muito mais bonito e muito melhor do que eu tinha imaginado em minha mente. Eu já tinha visto ele como esse inimigo odioso irritado, na verdade eu era o único que estava com raiva e ódio quando eu contrastava minhas próprias experiências com a verdade de que ele estava descrevendo na palavra. Então eu comecei a procurar mais informações, porque eu poderia dizer que era verdade. Era tão claro para mim que essa era a verdade.
Foi um processo de compreender a verdade mais e mais. I acabou por conhecer algumas pessoas em diferentes grupos políticos no lado direito do espectro e ler alguns dos seus materiais. Eu só aprendi mais e mais. Esse foi o lado intelectual.No lado pessoal, eu tinha que tomar, então o que eu aprendi e tentar casar isso com a minha própria experiência pessoal. Logo era uma espécie de uma percepção de que wow eu realmente não pode ser gay mais.
Jonathan: Sobre aquele momento em sua vida que você disse, ‘saindo de sob a influência da mentalidade homossexual foi a coisa mais bela e surpreendente mais libertadora que eu já experimentei na minha vida inteira “. Isso é um forte comentário sobre o seu estado de espírito e experiência naquele momento. Muitas pessoas podem pensar que você acabou de trocar um conjunto de pensamentos de como viver a sexualidade, por outro.
Michael: Definitivamente, eu acho que isso é muito importante.Há uma sexualidade que todos são dadas por nascimento e através da nossa criação, nosso criador e que a sexualidade não é homossexual. Esse é o primeiro ponto. Esse é o primeiro princípio e essa é a verdade. Cada pessoa tem acesso a várias tentações de várias causas e, por várias razões, você pode olhar para as causas sociais e em todos os tipos de razões pelas quais as coisas ocorrem para as pessoas, como a tentação de roubar, a tentação de fazer isso ou a tentação de fazer isso . Essas tentações existem e são comuns a muitos de nós, mas não precisamos nos definir por eles.
Como eu mencionei no início, a homossexualidade torna-se essa identidade solidificada para muitas pessoas e eles ficam lá por um longo tempo. Que a identidade é uma falsidade. É uma maneira que nós mesmos nos prendemos no estado onde não estamos completos, estamos constantemente querendo algo que nunca poderemos ter, se você é um homem que é a essência de alguém da masculinidade, se você é uma mulher sua feminilidade.
Eu posso olhar para trás em minha própria experiência e reconhecer que havia um sentimento de incompletude com a minha masculinidade, uma sensação de estar quase separado da minha própria masculinidade. Eu estava olhando para ele de outra pessoa. Sair desse processo foi a coisa mais linda mais surpreendente, porque ele realmente era como sair de uma caverna escura e estar nos campos verdes frescas com céu azul, apenas respirar livre, porque eu era capaz de ser inteiro. Eu era capaz de ser eu mesmo e não tem que se desculpar ou me defender, não tem que ficar para qualquer coisa politicamente, não tenho que me justificar, porque eu já estava totalmente justificado pelo sangue de Cristo.
Jonathan: É interessante o que você está dizendo, porque muitos homossexuais dizem quando eles saem tão gay que está sendo fiel a quem eles são. Talvez eles possam sentir que está sendo liberado para ser fiel a quem eles são. Você acha que isso é preciso, você acha que a homossexualidade é o verdadeiro eu para essas pessoas?
Michael: Não, eu não a todos. No momento em que eu saí como gay eu pensei que era uma coisa libertadora, porque ele certamente se sentirá libertadora para obter algo que você está segurando o seu peito. Eu acho que é uma experiência comum, não importa o que é, se você acabou de admitir a alguém que você fez algo que você não poderia dizer a eles por um longo tempo, ou se você sair e dizer que eu sou gay.
O mundo diz-lhe para ter orgulho de ser gay e acaba de sair e dizer ao mundo que isso é verdade. Isso é definitivamente um sentimento que é comum a muitos, mas por baixo desse sentimento é a verdadeira essência de quem você realmente é.Isso sempre vai estar lá, não importa como você se sente liberado por saltar para essa identidade gay.
Fonte original Aqui

ISRAEL SE PREPARA PARA A GUERRA NA PALESTINA: 'NOSSA RESPOSTA SERÁ DURA'

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, responsabilizará o Hamas em caso de um ataque vindo da Faixa de Gaza. Neste domingo, ...