quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Traição - Uma Arma do Inimigo

             

Juízes 16:4,5,16,17,18,19
 
Muitos pensam que a traição está somente ligada ao sexo, à ação de uma espôsa infiel, ou de um marido desleal. No entanto, a traição está operando em muito maior escala do que apenas no aspecto sexual.
Quantas pessoas traem seus amigos, parentes e até se sabe de crente traindo suas igrejas, às vezes por vantagens irrisórias.
A TRAIÇÃO É UMA INTENÇÃO DIABÓLICA?
O termo traição pode ser entendido como deslealdade, desapontamento da expectativa de alguém; é desvendar os segrêdos de outrem, entregar um amigo aos seus inimigos; distanciamento; é também decepcionar um amigo até de ser contada como engano e infidelidade, perfídia, desonestidade. A traição é baseada na mentira.
È um dos piores, senão o pior golpe que alguém pode receber de um amigo ou de uma pessoa que se considera ou que se ama.
O que o Diabo mais anseia é destruir a obra de Deus. O seu propósito é usar de todos os meios possíveis para se vingar, porque o seu plano não foi bem sucedido, lá no início da criação (Ez:28:15 a 17).
Então, ele procura atacar com fúria a obra-prima do Criador, que é o homem, criado para louvar, bendizer, adorar e enaltecer o nome do Todo-Poderoso.
O inimigo persiste em enganar as pessoas e tirar-lhes o prazer de servir ao Senhor.
Existem três pontos vulneráveis no homem, os quais Satanás procura atingir com suas artimanhas, que são: Sexo, poder e riqueza.
Vejamos alguns aspectos que marcam a traição:
A traição fere muito porque vem sempre de alguém em quem se deposita confiança. Parece que, em consequência desse fato, torna-se mais difícil perdoar uma traição do que outra qualquer afronta.
O ofendido sente o seu amor-próprio abalado, a moral ferida, e também a sua reputação abalada. Porque na maioria das vezes as pessoas fazem julgamentos  indevidos, até condenando a vítima por não ter sido mais esperta para notar os fatos e as circunstâncias a fim de fugir com tempo da situação desagradável.
Um fato que bem ilustra o exposto está registrado no Salmo 55. > Davi orava pedindo ao Senhor socorro e fazia um relatório da situação em que se encontrava a cidade de Jerusalém.
Multiplicava-se alí a iniquidade, todo tipo de maldade, engano, fraude, e até homicídios. Os habitantes viviam inseguros e amedrontados. Não havia paz e os crimes estavam acontecendo fora de qualquer controle.
Você sabe o que de fato traz maior sofrimento?
Como os demais habitantes, Davi também achava-se inseguro e temeroso. Mesmo vivendo aquela situação de tortura, crimes e maldades sem limites, o que mais feriu Davi e abalou o seu estado emocional foi a traição de um amigo (SL 55:12 a 15).
O homem que havia ameaçado sua vida era um amigo íntimo, um companheiro, igual. Talvez até fosse um companheiro de juventude, que, como  ele mesmo diz: juntos adoravam a Deus.
De súbito aquele em quem depositava tanta confiança voltou-se contra para fazer-lhe mal e até desejar a sua morte.
Alguns comentaristas afirmam que esse amigo tão chegado de Davi que o traiu foi o seu próprio filho Absalão (2SM 15:1 a 10).
Como fica o coração traído? Angustiado?
A traição foi deveras um golpe muito forte pra Davi.
Homem acostumado a enfrentar inimigos valentes e sempre sair vencedor, agora se deparava com outra espécie bem diferente de inimigo.
Esse não usava lanças nem carros de batalhas, nem tochas ardentes, mas palavras macias que se tornavam espadas agudas que o feriam sem piedade. Por isso Davi clamava ao Senhor pedindo que ele fizesse justiça (SL:55:21 a 23).
Como perdoar a traição? Coisa difícil não é?
O maior exemplo de amor e nobreza, foi o de Jesus com relação aos seus traidores. Não houve traição pior do que a sogrida por Êle.
Um amigo de Sua intimidade, participanete do Seu ministério, foi usado por Satanás para traí-lo de maneira vil (Mt:26:14,16;42,49).
Uma traição que teve como consequência a morte mais vil e mais humilhante que foi a crucificação. Mesmo diante de tanta infâmia e de tanto sofrimento, Jesus teve a grandeza de sentimento liberando perdão para quem o fez sofrer daquela maneira.
Vamos ver onde e como a traição opera:
Desde que Adão pecou, o homem, que é sua descendência, tornou-se sujeito à prática do  mal, pois a sua natureza é pecaminosa (Rm 3:23).
A Bíblia registra vários casos de traição.
No momento em que o homem despreza os preceitos divinos, êle está dando legalidade para Satanás operar em seu coração.
Como a traíção atinge os pontos vulneráveis?
Com o já foi dito, a natureza humana possui  pontos vulneráveis dos quais o inimigo se aproveita para descarregar suas armas. E uma das armas perigosas é a traição, que também é revestida de astúcia. Essa arma desfaz amizades, destrói famílias, suscita vinganças, ódio e até desperta o desejo de matar.
A traição quando alguém almeja um poder.
Um caso bem marcante de traição foi o de Saul, que intentou por várias vezes matar Davi para não perder o reinado.
Por algumas vezes, o monarca já havia intentado matar o jovem guerreiro, mas sempre em vão. Até que ele resolveu mudar de tática. Usando de astúcia e de engano ofereceu sua filha em  casamento em troca de Davi torna-se um filho valoroso para liderar as guerras contra os filisteus. Assim, pensava ele, os filisteus o matarão eu me livrarei dele, e o poder do reino será sempre meu (1Sm:18.17 a 22). Foi uma traição bem planejada. O jovem foi totalmente iludido pelos planos de Saul, mas o Senhor Deus cuidou para que o jovem não fosse prejudicado com aquela traição. E assim Deus agiu a favor de Davi livrando-o da morte pelos filisteus.
Será que a cobiça na riqueza, suscita a traição?
Possuir riquezas é muito bom, quando se tem o pensamento voltado para as coisas espirituais e não colocarmos o coração nos bens materiais (2CO 6:10). O amor às riquezas pode produzir, entre outras coisas, o esquecimento de Deus. Rejeição a Cristo. Grandes tentações. A mania de riqueza pode levar até mesmo um monarca a desejar aumentar seus bens e para isso não se importar de trair pessoas que lhe dedicaram amor e fidelidade. Esse foi o caso do rei Assuero que, dando ouvidas a uma proposta diabólica do príncipe Hamã, assinou cartas consentindo a matança dos judeus que habitavam o seu reino, em troca da doação de uma boa quantia. Foi uma traição que ele mesmo não havia planejado. Mas a cobiça levou-o a concordar com o caso.
Deus, porém, impediu que se consumasse aquela tragédia, poupando até a vida da própria rainha que era judia. Atualmente, muitas pessoas estão se deixando levar pelo mesmo expediente a fim de enriquecer com facilidade. Às vezes, não estão traindo outras pessoas, mas a si mesma, a sua reputação, a moral, a confiança e até a fé.
Como falar da traição no sexo?
A instituição do casamento, que foi determinado por Deus para trazer felicidade e plena realização ao homem, está sofrendo sérias mutações para pior. Os valores absolutos ordenados por Deus estão sendo esquecidos e substituidos por valores relativosm, que trazem supostas vantagens ao homem. A mídia se incumbe de oferecer programas e propagandas indecorosas que desmoralizam e ridicularizam o casamento, ironizam a união matrimonial, facilitam os envolvimentos ilícitos, tudo sob o título de modernidade e progresso. Mas o resultado é família destruída, homens e mulheres frustrados sofrendo de depressão, mágoas, filhos desequilibrados, agressivos, sem conhecer o verdadeiro sentimento de amor, embrutecidos. E, no final, adotados pelo crime, pelas drogas, pela sexualidade desgovernada e imoral, enfim, sujeitos a doenças incuráveis e à morte. Todas estas coisas são abomináveis ao Senhor.
O apóstolo Paulo faz um veemente apêlo, aos crentes de Corintos, que é próprio para os crentes de todas as épocas. A traição é um pecado que fere profundamente porque parte de uma pessoa amada, que comunga, que divide as alegrias e as tristezas, que planeja, que participa intensamente da vida um do outro. Pelo menos, é o que se espera do casamento. Por essa razão, é mais dificil a um cônjuge perdoar o traidor. No entanto, não há pecado que não possa ser perdoado, e mais "Onde o pecado abundou, superabundou a graça".
Então, a força do amor prevaece e é capaz de liberar o perdão, desde que haja, de fato, arrependimento e o firme propósito de deixar o pecado.
Qual foi a traição que terminou em tragédia?
A Bíblia conta a história de Sansão, um dos mais dramáticos registros de traição, que levou um grande homem de Deus ao nível mais baixo de humilhação. A traição da mulher amada levou Sansão ao ponto mais baixo de sua vida. Porém, a misericórdia de Deus o alcançou, e ele pode, na hora da sua morte, conquistar uma vitória inesquecível para o povo de Israel.
O que acontece quando temos nossa vida consagrada a Deus?
A vida de Sansão foi um milagre. Sua mãe era estéril, não podia conceber. Mas Deus a escolhei para ser mãe de um dos heróis mais valentes do seu povo; o qual livraria Israel das  mãos dos filisteus.
Esse menino seria nazireu, isto é consagrado ao Senhor.
Desde jovem, Sansão foi usado pelo Espírito Santo e operava prodígios. Todavia, Sansão não manteve integralmente o seu nazireado, e isso foi a causa de ele pagar um alto preço.
Uma traição poderá levar a queda. Os príncipes dos filisteus procuravam, por todas as maneiras, ocasião para dar fim aquele inimigo terrível, pois ele já era conhecido de todos, por sua bravura.
Sabendo os filisteus que Sansão estava enamorado por uma mulher filistéia, armaram então um plano para sua execução. Ela foi orientada a descobrir de onde provinha a força descomunal daquele homem. Tentada pela grande soma de dinheiro que lhe foi oferecida não excitou em trair o seu amado.
È muito perigoso brincar com o pecado. Foi o que Sansão fez. Não vigiou e deixou-se levar pelos caprichos de Dalila que por três vezes tentou obter o seu segredo. Nem assim Sansão despertou para o mal que estava tão próximo dele se, por acaso, aquela mulher descobrisse o segredo da sua força. A cobiça pela grande soma que pagaria a traição impeliu Dalila a perseverar tentando descobrir o segredo de Sansão, até que conseguiu o seu intento, depois de muitas palavras manhosas e de muitas lágrimas. Por sua vez, Sansão já desgastado por tanta conversa, tanta súplica e também por estar muito afeiçoado a ela, cedeu às petições e desvendou o segredo do seu nazireado: os seus cabelos não poderiam ser raspados nem aparados. A FORÇA DO PECADO PREVALECEU.
Será que existe algum cristão que, como Sansão, está tão seguro de sua própria força que brinca com o pecado e, por isso, chega muito perto de escorregar?
Pense. Dê um passo decisivo. Se existe algo que você possa fazer para fugir de uma tentação maior, não hesite. Peça a ajuda do Espírito Santo e não deixe Satanás armar ciladas para destruir seu lar, sua família e a você próprio.
Confie nas misericórdias do Senhor Jesus. Ele quer o melhor para os seus servos. Abrace a Jesus e peça misericórdia por ter traído algum irmão ou qualquer pessoa, se  é que você o fez. Jesus disse a Maria Madalena quando estava em adultério e foi acusada. Filha, perdoados estão seus pecados, vais e não peques mais.
MEDITE: O salário do pecado é a morte.

CHEGA DE TRAIÇÃO


Tiago 1.4
 

 Uma canção norte-americana de anos atrás, tinha um refrão que, traduzido, dizia o seguinte: "Tentar amar dois não é fácil".
Esta frase resume a mensagem desta noite...

Provavelmente você já ouviu a expressão "ficar em cima do muro" - ficar em cima do muro é quando alguém não se posiciona nem para um lado nem para o outro, tentando ficar nos dois lados ao mesmo tempo.
A pessoa que está tendo um caso extraconjugal, mantendo uma casa e uma família, é alguém "em cima do muro"... isso é adultério... isso é infidelidade.

É uma posição altamente perigosa, porque a falta de definição pode destruir completamente a família... o cônjuge se cansa da traição e aí vem o divórcio.

Não é possível manter dois amores ao mesmo.

Irmãos, a Bíblia usa a analogia do adultério para descrever a nossa infidelidade espiritual para com o Senhor.
Todos sabemos que a esposa tem o direito de cobrar do marido: exclusividade, fidelidade, afeição... o marido também tem o direito de cobrar isso da esposa.

Agora, veja o que o Senhor fala sobre os crentes que O estão traindo... nós lemos em Tg 4.4: "Gente infiel! Será que vocês não sabem que ser amigo do mundo é ser inimigo de Deus? Quem quiser ser amigo do mundo se torna inimigo de Deus".

Jesus tem o direito de cobrar o nosso amor - ora, morreu por nós! ...mas não somente isso, Ele também faz questão de ser o nosso único amor. Você percebeu?

Nesse verso Jesus chama os crentes que O traem de "gente infiel"... nas outras versões da Bíblia está escrito: "adúlteros".

O Senhor chama de adúlteros as pessoas que dizem no domingo: "Eu só quero te amar... eu só quero ver a tua face... quero te dar o meu coração...", mas quando chega a manhã de segunda-feira, correm de volta para o seu amante que se chama, lemos aqui, "o mundo".
O que o Senhor diz é isto: "Você está tentando me enganar com a sua freqüência dominical ...você vem para o prédio da igreja todos os domingos, como se entre nós tudo estivesse bem ...porém, sei que você está me traindo durante a semana!"

Mesmo que toda hora você fale: "Amém, louvado seja o Senhor", Jesus diz: "nos temos um problema sério para ser resolvido".

Jesus está dizendo: "Você me diz uma coisa no domingo, mas me deixa lá, plantado no banco, enquanto vai fazer as suas coisas durante a semana... você se esquece de que posso ver onde você está indo e o que está fazendo... fazendo coisas que Eu não faria... indo a lugares para onde Eu não iria... e dizendo coisas que Eu não diria... no entanto, aos domingos você sempre volta para casa e me diz que é bom estar aqui!"
Essa é a mesma situação de um homem que diz: "Minha mulher e eu nos damos muito bem em casa" - mas ele quase não aparece em casa para ver a esposa... quando aparece, chega e pergunta: "E aí, quais são as novidades?" E a mulher responde: "A única novidade por aqui é que você apareceu!"

Essa também é a reclamação do Senhor...
Ele diz: "Você tem intimidade com o mundo... Eu não preciso que você me engane com palavras "eu te amo"... sei que você tem uma amante chamada mundo, e que a visita todos os dias... então não tente me enganar aparecendo no domingo e dizendo: "Jesus e eu estamos muito bem".

Você deve saber disto: Jesus reage à traição... Ele não Se satisfaz com um compromisso só aos domingos.

Mas há, por aí à fora e nem muito longe daqui, muitos crentes que estão em cima do muro... com uma perna pendurada do lado do Reino de Deus e com a outra no reino deste mundo.
Assim, é muito fácil pra eles... quando está na hora de se estar no reino de Deus, então colocam as duas pernas no reino... e quando está na hora de se estar com seus amigos, eles colocam as pernas para o lado do mundo... vivem trocando de lugar, passando de um lado para o outro...

Deus não se agrada disso.... Deus não tolera amantes. Ele diz: "Quem quiser ser amigo do mundo se torna inimigo de Deus".

Então, no v.4, o que lemos é algo muito sério, quando Deus chama o Seu povo de adúltero.
Você pode estranhar e dizer: "Hummm! Deus está sendo tão duro!" ...mas o v.5 explica a razão: como qualquer marido ou esposa, Deus é ciumento - um ciúme, obviamente, não doentio, mas zeloso...

Deus é zeloso... Ele não quer dividir você com o mundo!

Mas a infidelidade espiritual acontece quando existe a tentativa de amar os dois ao mesmo tempo, depois de você já ter assumido compromisso com um.
Quando o crente entrou nas águas no dia do seu batismo, ele estava dizendo: "Comprometo a minha vida com o Senhor Jesus... então, quando sair dessa água, quando eu me levantar, vou me levantar para andar com Ele numa nova vida, numa vida totalmente dedica a Ele".

Mas se você dá atenção para Ele uma ou duas vezes por semana, e começa a desejar as coisas do mundo, os prazeres do mundo... então você terá problemas...

O v.1 até menciona "as lutas e as brigas". E Tiago questiona: "De onde [elas] vêm?" E, mais adiante, responde: "Elas vêm dos maus desejos que estão sempre lutando dentro de vocês".
Uma das formas de você saber se está traindo Jesus com o mundo, é quando existe muita confusão, conflito e tormentas em sua vida.

Se por causa dos seus desejos... dos desejos que você tem, dos prazeres que você quer satisfazer, você busca o mundo, você busca os recursos do mundo... o jeito do mundo conseguir as coisas... como coloquei, isto é adultério espiritual, isso é infidelidade para com Deus...

Aqui no v.2, lemos que a maneira do crente ter as coisas é pedindo a Deus e não lutando e brigando, como o mundo faz.
Tiago diz nesse: "Vocês querem muitas coisas; mas, como não podem tê-las, estão prontos até para matar a fim de consegui-las [veja a maneira do mundo conseguir as coisas...]. Vocês as desejam ardentemente; mas, como não conseguem possuí-las, brigam e lutam[essa a maneira do mundo, pisar nos outros, puxar o tapete dos outros...]. Não conseguem o que querem porque não pedem a Deus".

A maneira de nós crentes obtermos coisas é pedindo a Deus.

Fazer de maneira diferente, Tiago diz no v.4, é nos tornarmos inimigos de Deus: "Quem quiser ser amigo do mundo se torna inimigo de Deus".
Ser amigo do mundo... será que é trabalhar junto de pessoas pecadoras? ...será que é fazer negócio com elas ou morar na mesma rua que elas?

Não... ser amigo do mundo é se conformar com ele, se ajustar a ele, se amoldar a ele... coisa que somos advertidos em Rm 12.2: "Não vivam como vivem as pessoas deste mundo...".

Então, que fique claro: Tiago não está dizendo "não participe do mundo". Ele está recomendando: "Não se conforme com o mundo"... não se relacione com o mundo de uma forma que Jesus não possa participar.
Muitos crentes perguntam: Agora que sou crente, o que é que posso e não posso fazer?

Existe uma resposta muito simples para esta pergunta... você deve perguntar a você mesmo: "Posso levar Jesus comigo?" ...ou será que você precisará dizer: "Jesus, fique aqui do lado de fora que eu volto já!"?
Irmão, se você não pode levar Jesus, porque Ele não pode ir aonde você vai, ou não pode olhar para o você vai fazer, está na hora de você mudar os seus hábitos.

Se a toda hora você precisa deixar o seu amor em casa, existe algo errado. Jesus quer você só para Ele.

Você sabe o que acontece quando se tem um caso de amor com Jesus, com exclusividade?
Veja o v.6, o resultado é mais graça: "Porém a graça que Deus dá é ainda mais forte... dá graça aos humildes."

A graça é Deus fazendo por você aquilo que você não pode fazer por sua própria conta.

Pode estar certo: há sempre um momento na vida em que você precisará da graça de Deus.

Mas se seu relacionamento com o Senhor não estiver correto, esta graça poderá estar ausente... você vai querer que Jesus esteja lá, mas Ele dirá: "Não vou estar com você enquanto estiver me traindo".

O v.6 mostra que, se você for orgulhoso, Deus vai trabalhar contra você.
O que é ser orgulhoso? ...é você pensar que é o máximo, o dono da situação... que não precisa de ninguém, o mundo é que precisa de você...

Então Deus dirá: "Muito bem, uma vez que o mundo precisa de você, n]ao trabalhar a seu favor... quero ver como você se sai sem Mim".

Não importa quem você seja, vai chegar uma hora em que vai precisar de uma graça da parte de Deus... você vai precisar de Deus para fazer algo que não pode fazer por si mesmo.

Agora, se Deus vai ou não conceder graça, isso será determinado pela fidelidade de seu relacionamento de amor com Jesus.

E como você pode ter certeza de contar com a graça de Deus?
O v.7 nos responde: "obedeçam a Deus e enfrentem o Diabo, que ele fugirá de vocês".

Isso se parece uma moeda, tem dois lados: a obediência a Deus e a resistência ao diabo.
Submissão é um termo militar... um soldado raso não dita o que um general deve fazer... assim somos nós para com Deus, devemos dizer: "Senhor, o que o Senhor quiser que eu faça, eu vou fazer".

Resistir ao diabo significa simplesmente dizer não a ele. O diabo não vai ficar sentado e olhando você obedecer a Deus. Satanás não vai dizer: "Desculpe-me, você resolveu obedecer a Deus, então é melhor eu deixa-lo em paz". Não! ...quanto mais você obedece, mais o diabo tentará destruí-lo... mas esse verso diz que chega um momento em que o diabo corre de você.

Mas como podemos obedecer a Deus, obedecer sempre?
Lemos no v.8: "Cheguem perto de Deus, e ele chegará perto de vocês". Isso fala de relacionamento.

Muitas vezes o Senhor diz: "Aproxime-se de Mim... você está tendo um caso com o mundo... mas aproxime-se de Mim e eu responderei da maneira certa. Achegue-se a Mim e eu me achegarei a você".

Como você se achega ou se aproxima mais de Deus? ...a resposta está nesse v.8: ...lavando as mãos - isto significa, acertar a vida, não continuar fazendo as coisas que fazia antes... não ficar mais em cima do muro, ora de um lado, ora do outro...

A Palavra de Deus diz mais: "Limpem o coração".
O que alguém que está em cima do muro e traindo a Deus precisa falar para o Senhor?

Você deve falar... o que sair, vai limpando o coração...

O v.9 recomenda que é melhor parar de rir e começar a chorar: "Fiquem tristes, gritem e chorem. Mudem as suas risadas em choro e a sua alegria em tristeza".
Você pode até dizer: "Mas, não sinto vontade chorar"... então é bom que você force o choro...

Se você está traindo Jesus, você não do que se alegrar... é melhor você chorar agora do que chorar mais tarde.

Mas por que? ...você descobre no v.10: "Humilhem-se diante do Senhor, e ele os colocará numa posição de honra".

Conclusão
Você deve tentar fazer isso agora, acreditando que funciona.
Curve-se perante à autoridade de Jesus, esforce-se para amá-lo como seu primeiro e único amor.

Então, Ele exaltará você no seu tempo e na sua hora e será glorioso em sua vida!
Pr Walter Pacheco da Silveira, 15.13.06 - Fonte: Tony Evans, "De Volta Ao Primeiro Amor" -Vida.

"Por que Judas traiu Jesus?"



  
Embora não possamos ter certeza absoluta do motivo pelo qual Judas traiu a Jesus, algumas coisas são certas. Primeiro, temos que reconhecer que, embora Judas tenha sido escolhido de forma consciente para ser um dos doze (João 6:64), as Escrituras apontam ao fato de que ele nunca realmente acreditou que Jesus era Deus, e ele provavelmente nunca tinha sido convencido de que Jesus era o Messias. Ao contrário dos outros discípulos que chamaram Jesus de "Senhor" (que é de grande importância em várias formas), Judas nunca utilizou este título para Jesus e ao invés o chamou de "Rabi"; isso afirmava apenas que ele via Jesus como nada mais do que um professor. Enquanto outros discípulos várias vezes fizeram grandes profissões de fé e de lealdade (João 6:68, 11:16), Judas não só nunca fez isso, mas permaneceu bastante silencioso em todas as narrativas bíblicas. Esta falta de fé em Jesus é o alicerce para todas as outras considerações abaixo. O mesmo vale para nós. Se não reconhecermos Jesus como Deus encarnado e, portanto, a uma única pessoa que pode oferecer salvação eterna e perdão pelos nossos pecados, então seremos sujeitos a vários outros problemas que resultam de uma visão errada da Deus.

Em segundo lugar, Judas não só faltou fé em Cristo, mas ele teve pouco ou nenhum relacionamento pessoal com Jesus. Quando os evangelhos sinóticos dão uma lista dos doze, eles são sempre mencionados na mesma ordem com pequenas variações (Mateus 10:2-4, Marcos 3:16-19, Lucas 6:14-16). Acredita-se que essa ordem indica a proximidade da sua relação pessoal com Jesus. Apesar das variações, os irmãos Pedro e Tiago e João são sempre mencionados em primeiro lugar; isso é bastante coerente com o seu relacionamento com Jesus. Judas é sempre mencionado por último, o que pode indicar a falta de um relacionamento pessoal com Cristo. Além disso, ao avaliarmos os evangelhos, podemos ver que o único diálogo registrado entre os dois envolve Judas sendo censurado por Jesus por ter feito um comentário à Maria com objetivos gananciosos (João 12:1-8), a negação de Judas de sua traição (Mateus 26 : 25) e a traição em si (Lucas 22:48).

Em terceiro lugar, Judas foi consumido por ganância, a ponto de trair a confiança não só de Jesus, mas também dos outros discípulos, como vemos em João 12:5-6. Judas talvez teve o desejo de seguir a Jesus simplesmente porque ele viu que pessoas importantes também estavam seguindo a Jesus; outalvez ele tenha acreditado que poderia tirar proveito das coletas para o grupo. O fato de Judas ter sido o encarregado da bolsa de dinheiro aparenta indicar o seu interesse e experiência com dinheiro (João 13:29).

Além disso, Judas, como a maioria das pessoas naquela época, acreditava que o Messias iria acabar com a ocupação romana e assumir uma posição de poder para reinar sobre a nação de Israel. Talvez Judas seguiu a Jesus com a intenção de tirar vantagem da sua associação com ele como o novo poder político. Não há qualquer dúvida de que ele esperava fazer parte da elite dominante quando isso viesse a se realizar. Ao chegar o momento da traição de Judas, Jesus já tinha deixado claro que ele planejava morrer e não iniciar uma rebelião contra Roma. Por isso Judas pôde ter assumido, tal como fizeram os fariseus, que uma vez que ele não iria acabar com a ocupação romana, ele provavelmente não era o Messias que estavam esperando.

Há alguns versículos do Velho Testamento que apontam para a traição, alguns mais especificamente do que outros, veja dois a seguir:

“Até o meu próprio amigo íntimo em quem eu tanto confiava, e que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar”(Salmo 41:9, veja sua realização em Mateus 26:14, 48-49). Também: “E eu lhes disse: Se parece bem aos vossos olhos, dai-me o que me é devido; e, se não, deixai-o. Pesaram, pois, por meu salário, trinta moedas de prata. Ora o Senhor disse-me: Arroja isso ao oleiro, esse belo preço em que fui avaliado por eles. E tomei as trinta moedas de prata, e as arrojei ao oleiro na casa do Senhor” (Zacarias 11:12-13, veja a realização dessa profecia em Mateus 27:3-5). Essas profecias do Velho Testamento indicam que Deus já sabia da traição de Judas e que Ele já tinha planejado soberanamente a forma pela qual Jesus iria morrer.

Mas se Deus já sabia da traição de Judas, então teve Judas uma escolha, e ele é quem vai ser responsabilizado por sua parte na traição? É muito difícil para muitos conciliarem o conceito de "livre arbítrio" (como a maioria das pessoas compreendem isso) com a presciência de Deus de eventos futuros; em grande parte isso é devido à nossa experiência limitada de passar pelo tempo de uma forma linear. Se vemos Deus como fora do tempo, pois Ele criou tudo antes que o "tempo" começou, então podemos compreender que Deus pode ver cada momento como o presente. Vivemos em um tempo linear como se o tempo fosse uma linha reta e passamos gradualmente de um ponto a outro, lembrando o passado, mas não cientes do futuro que se aproxima. No entanto, Deus, sendo eterno e o Criador da noção de tempo, não seria "pontual", ou seja, sobre a linha do tempo, mas sim fora dela. Então, poderíamos enxergar o tempo (em relação a Deus), como um círculo, onde Deus habita no centro e, portanto, igualmente perto de todos os pontos e não se limitando a poder estar em apenas um ponto no tempo.

Dessa forma, Judas teve a capacidade completa de fazer sua escolha – pelo menos até o ponto onde “entrou nele Satanás” (João 13:27) – e a presciência de Deus (João 13:10,18,21) de nenhuma forma substitui a habilidade de Judas de fazer sua escolha. Ao contrário, Deus já enxergava o que Judas iria eventualmente escolher como parte do presente, e Jesus deixou bem claro que Judas seria responsável por suas escolhas e teria que prestar contas por elas: “E, quando estavam reclinados à mesa e comiam, disse Jesus: Em verdade vos digo que um de vós, que comigo come, há de trair-me” (Marcos 14:18). Note que Jesus chama a participação de Judas de traição. Quanto a sua prestação de contas por sua traição, Jesus disse: “Pois o Filho do homem vai, conforme está escrito a seu respeito; mas ai daquele por quem o Filho do homem é traído! bom seria para esse homem se não houvera nascido” (Marcos 14:21). Satanás também teve sua parte no processo, como vemos em João 13:26-27 e ele também terá que prestar contas por suas obras. Deus, em Sua sabedoria, é sempre capaz de transformar até mesmo a rebelião de Satanás para o benefício da humanidade. Satanás ajudou enviar Jesus à cruz, e sobre a cruz o pecado e a morte foram derrotados, tornando a oferta de salvação de Deus livremente disponível para todos os que aceitam Jesus Cristo como seu salvador pessoal para o perdão dos seus pecados.

AGORA OS CORRUPTOS ESTÃO TREMENDO _ Filho de Evangélica , Joaquim Barbosa é eleito novo presidente do STF, em votação protocolar

O STF (Supremo Tribunal Federal) elegeu nesta quarta-feira (10) o ministro Joaquim Barbosa, relator no julgamento do mensalão e atual vice-presidente do Supremo, para ser o novo presidente da Corte por um mandato de dois anos. Ele substituirá o ministro Ayres Britto, que completa 70 anos em novembro e, pela lei, será obrigado a se aposentar.
Barbosa foi eleito por nove votos a um -- Ricardo Lewandowski teve um voto. Para  vice-presidência, foi eleito Lewandowski, por nove votos a um, que foi para a ministra Cármen Lúcia. Vale lembrar que os ministros não costumam votar neles mesmos. Barbosa foi escolhido segundo a tradição do STF, que é a de escolher o vice-presidente.
Com base no artigo 12 do regimento Interno do STF,  a eleição deve ocorrer na segunda sessão ordinária do mês anterior ao da expiração do mandato do presidente. Barbosa também foi eleito para presidir o CNJ (Conselho Nacional de Justiça)
 "Dirceu efetivamente comandou a atuação de Marcos Valério e Delúbio Soares", disse o ministro Joaquim Barbosa ao votar pela condenação do ex-ministro José Dirceu Mais Roberto Jayme/UOL

Troca de farpas não deve influenciar eleição no STF

A eleição foi por voto secreto e feita em cédulas de papel. Quem fez o escrutínio do resultado foi Rosa Weber, a ministra mais nova da casa.
O mandato do presidente do STF é de dois anos e o presidente não pode ser reeleito para o mandato imediatamente seguinte. Entre suas atribuições estão a de velar pelas prerrogativas do Tribunal, representá-lo perante os demais poderes e autoridades, além de dirigir os trabalhos e presidir as sessões plenárias.
Em entrevista à colunista da "Folha de S.Paulo" Monica Bergamo, Barbosa disse que pretende, no cargo, lançar discussões sobre práticas do Judiciário. "No Brasil, coisas absurdas são admitidas como as mais naturais. Por exemplo, filhos e mulheres de juízes advogarem nas cortes em que seus parentes atuam. Se você fizer uma interpretação rigorosa do devido processo legal, da igualdade de armas que o juiz deve conceder às partes, pode chegar à conclusão de que essa prática é ilegal."
Após a eleição, que durou menos de dez minutos, o decano Celso de Mello diz que Barbosa saberá enfrentar e superar os obstáculos que são "tão comuns" ao exercício da Suprema Corte do Brasil. "Desejo, e certamente sinto que posso falar em nome dos colegas, desejo ao ministro Joaquim Barbosa todo o sucesso no desempenho das suas elevadíssimas funções e que saberá agir com a prudência e segurança enfrentar e superar os obstáculos que são tão comuns no exercício da presidência da Suprema Corte do Brasil", afirmou Mello.
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, também saudou a escolha de Barbosa, relembrando que ele também fez parte do Ministério Público anteriormente.
"Da classe dos advogados, tenho a honra de saudar e me associar às manifestações do ministro Celso de Mello e a nação encontra-se em júbilo com a eleição do ministro Joaquim Barbosa que, ao manter a tradição deste Supremo Tribunal Federal foi eleito, e terá a sabedoria da condução pelos desígnios e desejos que a nação tanto espera da nossa Justiça", afirmou Roberto Caldas, juiz da Corte Interamericana de Direitos Humanos.
Barbosa agradeceu a eleição pelos colegas. "Gostaria de agradecer aos colegas pela confiança e dizer da minha satisfação, da minha honra, em ser eleito para a presidência da Casa."
O atual presidente da Corte, Ayres Britto, disse que Barbosa é "homem afeito às mais variadas leituras" e que ele "honra esta Casa pela sua inteligência fulgurante e pelo seu desassombro pessoal".

Fama

Joaquim Barbosa ganhou fama recentemente por ser o relator do processo do mensalão, julgado atualmente pelo Supremo. Ao votar no último domingo, no Rio de Janeiro, Barbosa foi saudado efusivamente por eleitores ao chegar para votar. Da entrada do clube até a urna, Barbosa ouviu elogios e pedidos de fotos.
Quando um cidadão o saudou dizendo "ministro, cana neles", em referência aos réus do julgamento do mensalão, Barbosa disse que esse tipo de manifestação era comum. "Muitos falam assim, mas eu não dou bola, porque não é disso que se trata."
O ministro diz que não gosta de ser tratado como "herói" do julgamento. "Isso aí é consequência da falta de referências positivas no país. Daí a necessidade de se encontrar um herói. Mesmo que seja um anti-herói, como eu."

O julgamento do mensalão no STF

 
Foto 1 de 200 - 10.out.2012 - O ex-deputado federal José Genoino comenta a sua condenação por participação no esquema do mensalão. Genoino leu uma carta intitulada "Carta Aberta ao Brasil" na qual se disse inocente Michel Filho/Agência O Globo

Polêmica sobre presidência

O ministro Marco Aurélio Mello disse, em setembro, estar “preocupado” com o fato de o colega Joaquim Barbosa ser o próximo a assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal.
“Eu fico muito preocupado diante do que percebo no plenário. Eu sempre repito: o presidente [da Corte] é um coordenador. Ele é algodão entre cristais. Ele não pode ser metal entre cristais”, disse Marco Aurélio.
O magistrado disse que já havia comentado anteriormente sobre a “falta de urbanidade” do relator quando proferiu duras críticas ao ministro-revisor, Ricardo Lewandowski, diante das divergências dos votos deles. O relator acusou o revisor, Ricardo Lewandowski, de fazer "vista grossa aos autos".
Em resposta, Joaquim Barbosa insinuou que Marco Aurélio só está na corte por ser primo do ex-presidente Fernando Collor, por quem foi indicado. “Ao contrário de quem me ofende momentaneamente, devo toda a minha ascensão profissional a estudos aprofundados, à submissão múltipla a inúmeros e diversificados métodos de avaliação acadêmica e profissional. Jamais me vali ou tirei proveito de relações de natureza familiar”, afirma o texto da nota, divulgada na noite de quinta-feira (28).

FONTE  E DIREITOS - http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2012/10/10/relator-do-mensalao-joaquim-barbosa-deve-ser-eleito-hoje-novo-presidente-do-stf.htm

Rubens Teixeira é co-autor do livro “As 25 Leis Bíblicas do Sucesso” com prefácio de Eike Batista


25 leis
Será lançado em novembro deste ano, no Rio de Janeiro, o livro “As 25 Leis Bíblicas do Sucesso”, cujo co-autor é o pastor assembleiano Rubens Teixeira.
O livro é prefaciado pelo empresário Eike Batista e trata dos conceitos e regras bíblicas, infalíveis para o sucesso pessoal e profissional, não excluindo a mensagem principal da Bíblia que é o alcance da vida eterna.


EU TAMBÉM SOU CONTRA O PAI DO KIT GAY , POR ISSO NÃOINDICOE NEM VOTARIA EM HADAD . FORA MENSALEIROS ,FORA PAI DO KIT GAY , FORA PT .

Neuza Itioka usa Isaías 45 para pedir voto para Serra (45)

Neuza Itioka

Serra é comparado ao imperador persa ‘Ciro, o grande’
A apóstola brasileira Neuza Itioka, fundadora e presidente do Ministério Ágape Reconciliação faz parte da tropa anti-’pai do kit gay’ (o Haddad, do PT), composta por outros líderes religiosos. Itioka está engajada pela eleição de José Serra, neste segundo turno, para prefeito de São Paulo.
A líder evangélica fez referência ao escrito pelo profeta Isaías, no capítulo 45, onde narra a passagem (que começa no cápitulo 44.28) em que Deus fala sobre a entrada do imperador persa Ciro, o Grande, no cenário histórico específico de Israel. O texto mostra que o persa seria usado pelo Altíssimo com a missão de reconduzir de volta a Jerusalém os judeus que haviam sido deportados à Babilônia, cerca de 70 anos antes, por Nabucodonozor, o caldeu.
Itioka postou, na segunda-feira (8),  em seu perfil no Facebook a seguinte mensagem:
“Minha gente querida.
Vamos para o segundo turno com o Serra. Lembra Ciro de Deus? Isaias 45 fala dele. Serra 45.
Cuidado com quem se assemelha com ao perseguidor de Israel.


Neuza Itioka”.

Joaquim Barbosa – herói nacional do STF – é filho de evangélica


joaquim barbosaJoaquim Barbosa parece nunca ter se acomodado ao que parecia ser o caminho natural para ele.  O hoje ministro do Supremo Tribunal Federal, aos 58 anos aparece com destaque na mídia em meio ao histórico julgamento do mensalão.
Filho de um pedreiro, cresceu ouvindo que nas festas de aniversário de famílias mais abastadas deveria ficar sempre no fundo do salão. Mas Joaquim, quando criança, preferia não ir às festas a ter de se submeter à humilhação de ficar separado dos colegas.
Dario Alegria, um primo distante de Joaquim, diz que naqueles tempos os garotos negros da cidade eram vítimas de forte preconceito. “Mas o Joaquim quebrou toda essa lógica, ele era diferente, nunca levava desaforo para casa e não aceitava humilhação”, acredita.
O pai de Joaquim morreu há dois anos. Ele atribui muito do seu perfil à influência de Benedita, sua mãe, evangélica da Assembleia de Deus há 45 anos.
Fonte: Gospel Prime, com adaptações de Holofote.Net

APÓSTOLO FRED BERRY ANUNCIA

 

 
QUE O AZUSAFEST 2013 SERÁ DENTRO DO II SALÃO INTERNACIONAL GOSPEL
Mais de um século atrás, um homem veio do Texas para Los Angeles para divulgar o ministério pentecostal. Seus primeiros esforços para pregar a mensagem pentecostal foram rejeitados. Os líderes da igreja ficaram desconfiados de sua doutrina religiosa e seus ensinamentos, mas ele perseverou e continuou a orar. Então, em abril de 1906, um poderoso derramamento do Espírito Santo ocorreu dentro de seu pequeno grupo de adoradores. Havia curas físicas e mentais, falar em línguas desconhecidas e muitas outras ocorrências milagrosas e inexplicáveis. A notícia se espalhou e logo centenas de pessoas começaram a vir de todo o mundo para a Missão de Fé Apostólica em Azusa Street, em Los Angeles, para receber o Espírito Santo.
O Reavivamento da Rua Azusa durou mais de três anos e é amplamente considerado como o principal catalisador que desencadeou o movimento mundial Pentecostal. Atualmente, estima-se que mais de 800 milhões de pentecostais nos Estados Unidos, América Latina, África e Ásia podem traçar suas origens religiosas para a revitalização da Rua Azusa e Bispo William J. Seymour. Fred e Wilma Berry continuam a história da Rua Azusa como representantes internacionais através da Azusa Street Mission & Historical Society. A missão da organização é levar a chama da Rua Azusa para a próxima geração em todas as nações do mundo...
O Azusafest, celebração normalmente realizada em Los Angeles desde 2006, em 2013 será em São Paulo, Brasil, de 19 a 21 de Abril, no Salão Internacional Gospel. O Apóstolo Fred Berry postou as seguintes palavras em seu perfil na rede social Facebook: “Saudações meus amigos no Brasil. Minha esposa e eu queremos convidá-los para o Azusafest, que será celebrado em São Paulo, Brasil, de 19 a 21 de Abril de 2013. Estaremos comemorando mais de 100 anos de expressão evangélica pentecostal, dentro do Salão Internacional Gospel. No auge do Renascimento na América, William Seymour parou uma reunião, em 1910, e profetizou que um maior reavivamento da Rua Azusa iria atingir a Terra mais de 100 anos a partir de então. Ao mesmo tempo, dois missionários suecos baptistas ficaram cheios do Espírito Santo sendo batizados. Estes dois homens foram enviados dos EUA, sendo pioneiros do movimento pentecostal no Brasil. Daniel Berg e Gunnar Vingren abriram a Missão de Fé Apostólica, que mais tarde tornou-se a Assembléia de Deus .... Durante três dias de seminários e workshops de celebração da música gospel vamos honrar os esforços desses homens .... Você pode se juntar a nós gratuitamente no Salão Internacional Gospel.... Participe dos nossos seminários e escolas de formação. Escola Profética ou a Escola de Intercessores será realizada durante o dia das 14:00 às 18:00 horas a cada dia .... e depois juntar-se a adoração em um de nossos três shows internacionais gospel ...... cada noite de 19:00 às 22:00 horas.
Fred e Wilma Berry"

A REBELIÃO DE CORÁ

 

Números capítulo 16

Esta foi uma rebelião promovida por um levita, Corá. Bisneto de Levi, ele sem dúvida tinha muita influência e autoridade, pois conseguiu reunir atrás de si duzentos e cinqüenta homens de renome, líderes do povo.
Inflado pela sua posição, Corá promoveu uma demonstração de força diante de Moisés e Arão a fim arrancar-lhes a autoridade, exclamando que Moisés e Arão se exaltavam indevidamente sobre o povo, onde todos eram iguais. Sem dúvida Corá ambicionava tomar o lugar deles, colhendo para si e para a sua família vantagens políticas e financeiras. Ele e os seus comparsas, Datã e Abirão, insuflaram o povo alegando que Moisés e Arão haviam feito Israel subir de uma terra que mana leite e mel (o Egito) para fazê-los morrer no deserto e ainda por cima queriam fazer-se príncipes entre eles!
O que alegavam era mentira, sem qualquer fundamento: Moisés não estava assumindo a liderança por vontade própria. Ele relutou bastante antes de aceitar a missão que o SENHOR lhe confiara, e Arão foi também nomeado pelo SENHOR porque Moisés queria alguém que o ajudasse. O povo já teria entrado na terra de Canaã não fosse a sua incredulidade. Moisés nada queria para si, ao contrário de Corá, que provocou esta rebelião por inveja.

O SENHOR havia definido a posição e o ministério de cada um, inclusive o de Corá, um coatita (Êxodo 6:16,18; Números 3:17,28,29,31; 4:36; 26:57,62). Uma rebelião como esta era coisa muito séria, e era necessário tomar medidas drásticas.

Ainda hoje, as igrejas continuam a ser perturbadas pela inveja que surge entre alguns dos seus membros, resultando em rebelião contra seus líderes e mesmo na divisão da igreja.


É por isto que somos instruídos a nos revestir de humildade e mansidão (Colossenses 3:12). Toda a autoridade na igreja vem de Deus, e cada um de nós recebe dele dons espirituais diferentes para exercermos dentro da igreja (1 Coríntios 12). Alguns vaidosamente querem uma posição destacada, sem reconhecer que Deus não os quer lá, porque lhes falta o talento necessário. Aqui temos uma lição importante para tais pessoas.
Moisés, em sua mansidão, não retrucou com invectivas nem procurou defender sua posição. Com toda a humildade, ele propôs deixar para que o SENHOR indicasse quem era o santo da sua escolha, quando Corá e os homens do seu grupo deitassem incenso no dia seguinte diante dEle, junto com Arão (era uma das funções sacerdotais). Moisés sabia o que os havia motivado - embora já tendo um cargo importante no Tabernáculo, eles queriam a liderança exercendo o sacerdócio. Ele os repreendeu por isso e lembrou-os que estavam agindo contra o SENHOR.

Ninguém toma esta honra para si mesmo, senão quando chamado por Deus, como aconteceu com Arão (Hebreus 5:4). Era uma tentativa de criar uma ordem sacerdotal sem a aprovação divina (Hebreus 5:10). Foi o que fizeram os nicolaítas na era cristã (Apocalipse 2:6,15), dividindo uma irmandade em que todos são iguais, em duas castas, a do clero e a dos leigos, e arrogando-se títulos para diferenciar-se dos outros (Mateus 23:8-10).
O Novo Testamento nos ensina a reconhecer os dons de ministério (1 Coríntios 12:4-31; Efésios 4:8,11,12) e os supervisores (anciãos, presbíteros, bispos) e os diáconos (1 Timóteo 3:1-13; Tito 1:5-9), o que é totalmente diferente do que o clero se arroga para si.
Datã e Abirão não quiseram cooperar neste teste e fizeram acusações maliciosas contra Moisés e Arão. Se tivessem seguido ao mando de Moisés eles já estariam desfrutando da verdadeira terra que mana leite e mel, que não era o Egito onde eram escravizados.
Moisés desta vez irou-se com tamanha injustiça e declarou diante de Deus a sua inocência.
O juízo do SENHOR veio, severo e rápido. Não fosse pela intercessão de Moisés e Arão, Ele teria consumido a congregação toda. Os rebeldes principais, Corá, Datã e Abirão foram mortos com as suas famílias e seus bens mediante a abertura sobrenatural de fendas na terra embaixo de suas casas, que se fecharam em seguida, sepultando-os vivos.
Mas os filhos de Corá foram poupados (capítulo 26:11). Esta foi a prova que Moisés deu ao povo que o SENHOR o enviara a realizar tudo o que havia feito, que não havia procedido dele mesmo (v.28).

É notável como o SENHOR os julgou: porque eles procuraram separar o povo, o SENHOR os separou do povo e depois separou o solo debaixo deles para que fossem tragados. Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará (Gálatas 6:7).

O juízo sobre os duzentos e cinqüenta homens foi o mesmo que acontecera antes aos filhos de Arão que apresentaram incenso indevidamente diante do SENHOR (Levítico 10:2): foram consumidos por fogo vindo do SENHOR. Ficou Arão, o legítimo titular da posição de sumo-sacerdote.
A mando do SENHOR os incensários desses homens, feitos de metal, foram fundidos e convertidos em lâminas para cobertura do altar, por memorial para que nenhum estranho, que não fosse da descendência de Arão, acendesse incenso perante o SENHOR.
É abominável para um homem ou um grupo revoltar-se contra a ordem que Deus estabeleceu, e introduzir algo para dividir o seu povo. O juízo do SENHOR virá certamente sobre tais pessoas.

Mas o povo culpou Moisés e Arão pelas mortes dos rebeldes, e, logo no dia seguinte, iniciaram nova murmuração ajuntando-se contra Moisés e Arão.
Sua atitude lhes trouxe ainda maior castigo. É de admirar como o povo aparentemente tinha dificuldade em compreender que o SENHOR era quem os estava disciplinando para que aprendessem a confiar nEle e a obedecê-lO. Era realmente um povo de dura cerviz, como o Senhor havia declarado antes a Moisés (Êxodo 32:9, etc.).


O caminho para a rebeldia começa com a falta de contentamento e o ceticismo, passa para as reclamações contra as circunstâncias e contra Deus, depois adquire amargura e ressentimento, seguidos finalmente por rebelião e hostilidade. Vigiemos se estivermos descontentes, cépticos, inclinados a reclamar ou a ficar ressentidos: estas atitudes nos levarão a nos rebelar contra Deus e as conseqüências serão sérias para nós.



A Glória do SENHOR novamente apareceu, como em todas as outras ocasiões, dentro da nuvem que desceu e cobriu a tenda da congregação. Outra vez coube ao injuriado, Moisés, interceder pelo povo. Mas a ira do SENHOR foi tal, que Ele começou a castigar o povo com uma praga mortal.
Foi preciso que, a mando de Moisés, Arão oferecesse expiação pelo povo, pondo fogo do altar em seu incensário e correndo entre o povo, deitando incenso nele à medida que corria, finalmente parando entre os mortos e os vivos. Morreram catorze mil e setecentas pessoas por causa da praga. Isto nos lembra que é Aquele que a raça humana pregou numa cruz que nos salva. Ele está de pé entre Deus e o pecador.

CRESCEM TENSÕES ENTRE A SIRIA E A TURQUIA

 




O recente ataque com morteiros sírios que causou a morte de 5 turcos na fronteira entre os dois países levou a uma pronta resposta dos turcos, no dia de ontem, com bombardeamentos a uma instalação militar síria próxima da fronteira, havendo ainda esta manhã alguns desses bombardeamentos a prosseguir.
Esta situação tensa entre os 2 países iniciou-se com o ataque sírio a um avião militar turco há poucos meses atrás, e os sinais indicam que a escalada pode aumentar, provocando mais desestabilização naquela região já demasiado sensível.
Uma das maiores preocupações é saber se os ataques sírios estarão sendo coordenados pelo exército, o que será muito grave, uma vez que a Turquia também faz parte da NATO (OTAN), ou se serão ataques descoordenados que confirmam o receio de que há um descontrole total e que cada sector militar reage à sua maneira, sendo este também um perigo não menos preocupante que o anterior...
Se se instalar o provável caos na Síria após a queda do regime de Assad, isso tornará a situação muito perigosa naquela região do mundo, uma vez que cada grupo militar fará e atacará quem entender! Imagine-se que, assim como tiveram a "coragem" de atacar turcos em território turco, poderá muito facilmente haver um grupo que lance ataques contra Israel a partir da fronteira com a nação judaica, e aí Israel terá obviamente de retaliar, e o fim será completamente imprevisível...!
A situação gravíssima que se vive na Síria pode facilmente descarrilar para um conflito regional de proporçoes inimagináveis...
Shalom, Israel!

O ESPÍRITO DE REBELIÃO

 
 
Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um.”
 
A palavra “medida” que aparece neste texto é a palavra grega “métron”, de onde vem a nossa palavra metro. Deus repartiu a cada um uma medida de fé diferente.
 
 
O perigo que corremos, diz Paulo, é pensar que somos maiores do que na realidade somos. Em Mt 25:15 Jesus diz que os servos receberam um talento, dois talentos, e cinco talentos “a cada um segundo a sua capacidade.” Em Mt 13:23 um semeador produz cem, outro sessenta, e outro trinta. Em Ef 4:7 diz que “a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida (métron) do dom de Cristo.” A medida da fé é a medida do dom, como está escrito em I Co 14:5b “porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.” O sentimento de importância pode levar a rebelião, como aconteceu com Israel, no Antigo Testamento.
 
PRIMEIRO NÍVEL DE REBELIÃO – Nm 12:1-15.
 
Aconteceu no seio da família, pois Arão e Miriam era irmãos de Moisés. Além de irmãos, eram irmãos mais velhos, sendo Moisés o caçula. Em Mt 10:36 Jesus diz “E assim os inimigos do homem serão os seus familiares.” No caso em questão, Miriam era profetisa, e Arão era o sumo-sacerdote, e porta-voz de Moisés. Eles tinham consciência da sua importância. E disseram “Porventura falou o Senhor somente por Moisés? Não falou também por nós?” A desculpa que eles deram para falar mal de Moisés, foi o seu casamento com uma mulher cushita. Falar mal do líder certamente é uma tentação que todos enfrentaremos. E os motivos são aparentemente justos. Afinal casar com uma mulher estrangeira era algo proibido para um judeu. Esaú não caíra exatamente nesse pecado? Só que no reino de Deus antiguidade não é posto, como na vida militar. Apesar de ser o mais novo, Moisés era o escolhido de Deus, e se rebelar contra ele era desafiar a autoridade de Deus. Sim, porque falar do líder configura rebelião. E teve consequências. Deus castigou Miriam que ficou leprosa por sete dias, sendo curada somente pela intercessão de Moisés, seu irmão.
 
SEGUNDO NÍVEL DE REBELIÃO – Nm 16:1-35.
 
Novamente o sentimento de importância foi usado pelo diabo para levar pessoas a rebelião. Coré, Datã e Abirão não eram irmãos de Moisés, mas tinham seus predicados, pois o primeiro era da tribo de Levi, que fora separada das demais tribos para o serviço do tabernáculo, e os outros dois eram da tribo de Rúben, o primogênito de Jacó. Estes levantaram mais duzentos e cinquenta “príncipes da congregação, homens de posição”, contra Moisés e Arão. Era a rebelião da liderança. Moisés falou a eles o seguinte: “Ouvi agora, filhos de Levi: porventura pouco para vós é que o Deus de Israel vos tenha separado da congregação de Israel, para vos fazer chegar a si, e administrar o ministério do tabernáculo do Senhor e estar perante a congregação para ministrar-lhe; E te fez chegar, e todos os teus irmãos, os filhos de Levi, contigo? Ainda também procurais o sacerdócio?” (Nm 16:8-10). Estes levitas pensavam de si mais do que deveriam pensar, queriam ser mais do eram. Eles eram importantes, mas não tanto. Quando o diabo não consegue te anular, fazendo você pensar que não é nada, leva você a pensar que é mais importante do que na verdade é. A rebelião desses líderes teve consequências. A terra se fendeu e engoliu Coré, Datã e Abirão, com suas respectivas famílias. E os duzentos e cinquenta líderes que tinham se associado com os rebeldes, foram mortos pelo fogo que saiu da presença do Senhor. Mesmo que você seja líder, fique na sua. Não queira ser palmatória do mundo e consertar tudo o que você acha que está errado na igreja. Há pessoas acima de você na hierarquia da igreja. Deixe que eles resolvam o problema. Procure saber qual é o seu lugar no corpo de Cristo. Se você é o dedo mínimo do pé, não queira se comportar como se fosse o olho.
 
TERCEIRO NÍVEL DE REBELIÃO – Nm 16:41-50.
 
Neste caso “toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e contra Arão, dizendo: Vós matastes o povo do Senhor.”
 
 
foi a família de Moisés, nem os líderes, mas todo o povo que se rebelou.
 
 
 A justificativa da rebelião é sempre uma falha ou suposta falha do líder.
 
 
 
 
 No caso de Arão e Miriam, a justificativa foi o casamento de Moisés com uma mulher estrangeira; no caso de Coré, Datã e Abirão, foi que Moisés tinha se colocado acima de todos eles; e neste caso, foi que Moisés e Arão tinham matado o povo do Senhor. Ora, quem matou os líderes foi Deus. A rebelião de todo o povo é uma rebelião generalizada.
 
 
O espírito de rebelião foi migrando dos líderes para o povo, contaminando toda a congregação. Se Moisés não tivesse tal intimidade com Deus, tudo estaria perdido. Mas Deus interveio, enviando uma praga, que matou catorze mil e setecentas pessoas do povo de Israel. O sentimento de importância está revelado nas palavras dos líderes: “toda a congregação é santa, todos são santos, e o Senhor está no meio deles.” (Nm 16:3). Apesar de ser o povo de Deus, um povo especial, Deus exige ordem e decência. (I Co 14:40). Deus não tolera rebeldia, pois Ele se lembra de Satanás, que foi o primeiro rebelde. Falar mal do líder, murmurar contra o líder, é rebeldia. Não deixe esse espírito contaminar você.
 
VIA   GRITOS   DE   ALERTA

Os 3 sintomas que denunciam o coração

 






Graça e paz!

Às vezes somos surpreendidos ao saber que pastores, líderes e pessoas que estavam indo tão bem na jornada cristã e caem acintosamente em pecado. Às vezes também nos deparamos com algumas pessoas que estavam tão motivadas, rompendo em seu ministério, e depois se rebelam, ficam insubmissas se tornando pessoas murmuradoras, amargas e acabam ficando sozinhas e cheia de frustrações. Por que será que isso acontece? Será que o seu cristianismo é só de aparência? Será que estavam em nosso meio só para nos enganar? Ou será que eram pessoas desde o inicio más intencionadas? Na verdade acredito que com poucas exceções, a grande maioria são pessoas sérias em Deus! 1Co 10:12 ?Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia?. No entanto, uma das razões principais que muitas pessoas tem caído é porque não tem vigiado na motivação do coração, ?Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida. Pv 4:23?.

Quero lhe apresentar 3 sintomas que denunciam o nosso coração:

1 ? QUANDO A OBEDIÊNCIA É PELA METADE

Vivemos em uma geração que quase nada é absoluto e quase tudo é relativo.E as vezes ficamos indignados com os desobedientes mas achamos normal quando é incompleta, entretanto, na visão de Deus a desobediência e a obediência pelas metades estão quase do mesmo nível.

A desobediência de Saul:

1 Sm.13:1 um ano de obediência é um ano conseqüentemente de vitória, mas quando queremos crescer em Deus, os testes aparecem não para que ele conheça o seu coração, porque ele sabe de todas as coisas.é para que nós mesmos saibamos como é o nosso coração.

1° TESTE:
I Sm. 13:8 até 11 Saul desobedece a Deus fazendo sacrifícios.Algo que não era de sua atribuição e é reprovado por Deus.

2° TESTE:
I Sm. 15:2 - 3 A ordem de destruir uma nação pecaminosa; I Sm. 15:9 Saul poupa o rei Agague e o melhor dos bois e ovelhas.Saul novamente é reprovado no teste; I Sm. 15:22- 23 ?o obedecer é melhor do que sacrificar?. O rei Saul um homem que começou tão bem, mas no meio dos testes e das pressões, não respondeu a Deus.Por enquanto sua obediência era pelas metades. ?A obediência pela metade é uma rebeldia com capa de fidelidade? Obediência pelas metades não passa de uma rebeldia fantasiada de crente.Deus está chamando uma geração de pessoas radicais com ele,que estejam dispostos a obedecer pelo menos 100%. O grande problema dos cristãos hoje é que eles querem obedecer somente quando convém.
Quantos foram libertos da prostituição, mas hoje ainda permitem impurezas em suas vidas? Quantos foram libertos da mentira e continuam mentindo ? Quantos foram libertos da avareza , mas continuam sonegando ?

2 - QUANDO O PECADO NÃO É TRATADO COM SERIEDADE:

Do ponto de vista de Deus, nenhum mal é mais grave que o pecado e nada tem conseqüências piores para os próprios pecadores, para igreja e para o mundo. O que significa pecado? Um dos significados da palavra pecado no original é ?errar o alvo?. Na verdade, nem sempre vamos acertar o alvo.Algumas vezes vamos errar,mas que o errar seja um acidente e não a regra da nossa vida.

TRÊS IMPLICAÇÕES PARA QUE TRATEMOS O PECADO COM SERIEDADE

1° NÃO VIVER NA PRÁTICA DO PECADO:

A palavra de Deus nos garante que o pecado não tem mais domínio sobre nós. Negar que vamos pecar novamente é dizer ao contrario da palavra de Deus Podemos até pecar, o que não podemos é viver na prática do pecado.

2°ASSUME O ERRO E NÃO TRANSFERE A CULPA PARA OS OUTROS ( I Sm. 15:14 ? 15):

Quando não tratamos o pecado com seriedade, Deus permite os ?mugidos? para a vergonha do pecador. O rei Saul quando foi exposto pela sua desobediência em vez se assumir o seu erro ele simplesmente colocou a culpa no povo. Servimos um Deus compassivo e misericordioso,mas para que experimentemos de sua compaixão precisamos assumir as nossas culpas,esse é um passo fundamental para quem quer desenvolver um relacionamento com Deus.

3° TEM UM ARREPENDIMENTO GENUÍNO

Arrependimento significa mudança de mente,mas o rei Saul não se arrependeu de uma maneira verdadeira e genuína - ( 1 Sm.15:30).O rei Saul não estava nem um pouco preocupado com o coração de Deus que ele acabara de ter ofendido pelo seu pecado,ele só queria ficar bem com os líderes da nação e com o povo. Assim acontece com muitos líderes e membros de nossas igrejas,eles não ficam muito tristes pelo seu pecado terem entristecido o Espírito Santo,eles só demonstram tristeza quando as pessoas de fora ficam sabendo.

O EXEMPLO DE DAVI:
?Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mal perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no teu falar e puro no teu julgar.?(Sl 51:4)

A DIFERENÇA ENTRE CARÁTER E REPUTAÇÃO:
Caráter é o que Deus pensa ao meu respeito.Reputação é o que outros pensam ao meu respeito.

A FORMULA DIVINA PARA A AUTORIDADE:
Caráter+unção+compromisso+talentos=Autoridade

3 - QUANDO O SUCESSO DOS OUTROS RESULTA INDIGNAÇÃO E INVEJA (1Sm 18:6-8):
Quando observamos a maneira de Deus tratar as pessoas que ele incubiu uma missão, podemos observar o seguinte: Quando não cumprimos a missão que ele cabe a nós, Deus levanta outro para fazer aquilo que não fizemos.e lhe dá tanta capacidade como recompensa. Saul foi levantado como líder para liderar o povo de Deus nos combates.Porém,quando o gigante Golias se levanta, a reação de Saul novamente é improvável,(1 Sm. 17:11; 1 Sm. 18:6-8); V.8 Indignação seguida de inveja.A inveja é considerada um dos pecados capitais pela igreja, por ser um dos piores pecados que alguém pode cometer.
O que é invejoso? O invejoso é aquele que fica infeliz com o sucesso dos outros.O invejoso não consegue ser feliz com a felicidade dos outros. Agostinho disse sobre a sua inveja: ?Terrível mal da alma que corrói o coração e é um dos piores crimes que é feito no coração.? As conseqüências da inveja e ciúmes são terríveis, a saber: A maledicência, a calúnia e o que é pior, o ódio. Foi o que aconteceu com Saul: no lugar de buscar o arrependimento profundo,deixou a inveja entrar no seu coração. A inveja é a companheira permanente daqueles que não suportam o sucesso dos outros, e não se conforma em ver alguém melhor do que ele mesmo. A inveja é algo que nasceu no coração de Satanás, ele tinha inveja de Deus, pois ele queria ser igual a Deus. E o que mais ele queria Deus deu ao homem, ao cria-lo à sua imagem e semelhança. Talvez você nunca pensou nisso, mais é bom que você saiba: ?Satanás é o pai da inveja. Ele tem inveja de você? Quando manifestamos esse sentimento em nós, deixamos de ser semelhante à Cristo e nos tornamos parecidos com o diabo. A melhor maneira de acabar com o veneno da inveja em nosso coração: É ter admiração e o desejo da felicidade e do sucesso das outras pessoas. Tenho aprendido uma verdade: A nossa ?vela não perde a luz quando acendemos a vela dos outros.? O rei Saul, como resultado de sua inveja, ele ficou endemoninhado, se tornou um perseguidor implacável de Davi, e foi rejeitado por Deus.

Para concluir, eu digo que muitas pessoas começaram bem e terminaram mal. Saul, um homem escolhido por Deus e cheio de qualidades, porém, um exemplo a não ser seguido. 1º Sua obediência não foi completa, e sim pela metade. 2º Quando o pecado não é tratado com seriedade. Saul não se preocupou com o coração de Deus, mas tão somente com a sua reputação. 3º Quando o sucesso dos outros provoca indignação e inveja. A inveja levou Saul ao endemoninhamento, a rejeição e a morte.

Amado irmão, guarde o seu coração.

O QUE SIGNIFICA 5777--"LEI PERFEITA, LEI DA LIBERDADE"

(TG 2:8; 1:25)(ler -2 Co 3:16 a18)."SE CRISTO VOS LIBERTAR SEREIS VERDADEIRAMENTE LIVRES."(JO 8:36)-- Para que...