sábado, 28 de julho de 2012

Coreia do Norte mantém 70 mil cristãos presos em campos de concentração


Coreia do Norte mantém 70 mil cristãos presos em campos de concentração
Apesar de fontes confirmarem que a Coreia do Norte tenha reduzido restrições para os cidadãos desde a posse de Kim Jong Un, para os cristãos as mudanças não são perceptíveis, havendo ainda cerca de 70.000 cristãos aprisionados em campos de concentração.

De acordo com Ryan Morgan, analista do International Christian Concern Ásia, não há qualquer relato de melhora para os cristãos no país.

"Não ouvimos quaisquer relatos de melhora para os cristãos no país e não temos motivos para acreditar em qualquer coisa mudou", disse Morgan. "O regime ainda tem mais de 70.000 cristãos aprisionados em campos de concentração”, disse o analista em entrevista ao site WND.

Ele comenta que restrições seculares como os alimentos ocidentais, pizza e batatas fritas, restrições sobre o número de telefones celulares foram liberados, porém assim como o antigo governante do país, Kim Jong Un, mantém restrições religiosas.

Morgan explicou que os cristãos e suas famílias ainda podem ir para a prisão apenas por possuir uma Bíblia. "Estamos esperando e orando para que isso mude em breve, mas não vimos nenhum sinal de mudança", disse ele.

Segundo publicação WND, Morgan apontou um relatório da Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional afirmando que o regime norte-coreano está cada vez mais considerando as religiões como “ameaças potenciais à segurança do país”.

O relatório diz que o regime está oferecendo recompensas para quem fornecer informações que leve a cristãos que exerçam sua fé, a fim de prendê-los.
De acordo com uma fonte não identificada pelo WND por questão de segurança, existem pessoas pagas só para espionar redes cristãs. A fonte relata que os cristãos estão cientes do perigo e trabalham com cautela, mas que se preocupam mais com o ministério de Deus.

"Os cristãos estão cautelosos com Kim Jong Un, mas estão mais preocupados em fazer o ministério de Deus", disse a fonte. "Nosso trabalho não tem sido afetado por estes desenvolvimentos".

A fonte ainda comenta que as orações dos cristãos do ocidente são muito importantes e que eles são gratos pelo apoio.

Kim Jong Un é o sucessor de seu pai Kim Jong Il falecido em 2011. Kim Jong Il exerceu um governo de perseguição e execuções de cristãos. A Coreia do Norte ainda está em primeiro lugar na lista dos maiores perseguidores dos cristãos no mundo.

No país, qualquer forma de adoração à outra pessoa além do ‘Grande Líder’ (Kim II-Sung), avô do atual líder, e do “líder supremo” (Kim Jong-II) é vista como traição.

De acordo com Portas Abertas dos EUA, acredita-se que pelo menos 25% dos cristãos estejam "definhando" em campos de trabalho forçados porque se recusaram a adorar o fundador da Coreia do Norte, Kim II-Sung.

O ministério Portas Abertas ainda afirma que cerca de dez milhões de habitantes do país estão desnutridos, e milhares de pessoas estão sobrevivendo apenas comendo grama e cascas de árvore.

Fonte: Christian Post

Colunista afirma que “bênção evangélica” ajuda a Rede Globo a impulsionar a causa gay


Colunista afirma que “bênção evangélica” ajuda a Rede Globo a impulsionar a causa gayO colunista cristão Paulo Teixeira publicou um artigo em sua coluna no Gospel+ criticando a postura da Rede Globo em ressaltar que os “evangélicos gays” são discriminados dentro da igreja evangélica.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
O colunista comenta sobre a tentativa de aproximação da emissora com o público evangélico, através de amplas coberturas das Marchas Para Jesus e da transmissão do Festival Troféu Promessas. De acordo com Teixeira essa aproximação é uma tentativa da Globo, que estaria “de olho no crescimento evangélico” em “lograr êxito mercadológico com esse público”.
Em seu artigo Paulo Teixeira critica líderes também evangélicos que, segundo ele, adotaram a incumbência de “des-satanizar a Globo à comunidade evangélica”. Nessa crítica ele cita o pastor Silas Malafaia e o deputado federal Arolde de Oliveira (PSD), dono da Rádio 93, FM evangélica do Rio.
De acordo com Teixeira, depois de ter conquistado tal público e tendo as críticas a si neutralizadas entre os evangélicos a emissora começou a externar suas ideologias, até agora represadas, a favor da agenda gay, mostrando um casamento entre lésbicas que se declararam evangélicas e entrevista com o pastor gay Alexandre Zambom, pelo apresentado Jô Soares.
- Existem inúmeras celebridades do mundo secular que defendem a causa gay, mas a Globo está priorizando dar voz aos ‘evangélicos’ gays – ressalta o colunista.
O colunista diz ainda que é necessário que os líderes evangélicos, principalmente os que ajudaram a impulsionar a emissora diante do público evangélicos se manifestem contra o posicionamento da emissora de utilizar a imagem de supostos evangélicos para apoiar a agenda gay.
- Os executivos globais já descobriram que podem morder e pisar na mensagem bíblica, à vontade, pois sabem que qualquer ato reacionário será logo aplacado com o oferecimento de mais um Festival Promessas ou a cobertura jornalística de alguns eventos evangélicos – conclui Teixeira.

Os desafios de Deus para nossa vida.


“E aconteceu, depois destas coisas, que tentou Deus a Abraão...E disse: Toma agora o teu filho, o teu único filho... E oferece-o ali em holocausto... E estendeu Abraão a sua mão e tomou o cutelo para imolar seu filho. Mas, o anjo do Senhor bradou desde os céus e disse: Não estendas a tua mão sobre o moço... Porquanto agora sei que temes a Deus...” Gn. 22:1-14

O desafio de Deus a Abraão nessa passagem é, ao lado do sofrimento de Jó, um dos temas existenciais mais fortes do Velho Testamento. Não é necessário ser pai para imaginar que emoções Abraão vivenciou ao longo do percurso de três dias até o lugar do sacrifício. Ele teve tempo suficiente para fugir do desafio, mas decidiu caminhar para o matadouro, mesmo que sua atitude significasse o aniquilamento de suas esperanças. O que poderia tê-lo levado a evitar o desafio de Deus e seguir um destino diferente, como fez o profeta Jonas, é o que veremos nesse pequeno texto.


1. Apego demasiado às conquistas do passado.


Abraão, num primeiro momento, eu imagino, pode ter vacilado. Abandonar o que conquistara a tanto custo, tantas lágrimas, tanta energia afetiva, tanto investimento de tempo e atenção, para depois ver seu sonho, sua referência de alegria e sua esperança de posteridade ser arrancada de maneira tão cruel, não era racional. Ele poderia ter ficado estancado nas páginas que já tinha escrito na vida, afinal de contas, o que é conhecido parece mais seguro. Caminhar rumo ao desconhecido é tarefa penosa.

Nós, também, muitas vezes, deixamos de caminhar para frente por causa do que conquistamos no passado: uma profissão, uma propriedade, um negócio, uma posição social, etc. Nós nos apegamos demasiadamente ao osso que conseguimos ganhar, principalmente, quando o desafio do movimento seguinte implica em recuo ou perda. Mas, às vezes, para continuarmos caminhando, é necessário abrir mão do que nos é seguro hoje; aquilo que nos é caro e referência de importância. Por causa de uma colagem exagerada ao que ja temos na mão, podemos perder um mundo de possibilidades ainda desconhecidas, embora já sonhadas.


2. Falta de atenção aos sinais do presente.


Isaque foi o filho da velhice de Abraão, o riso de sua mãe e a alegria da casa. Debaixo de tamanha benção, a tendencia é armar a rede, curtir o momento e deixar a vida levar. Em princípio isso é saudável: usufruir das conquistas faz parte da vida. Mas, o problema é a conformação, o abandono da posição de jornada, a postura de caminhante.

Quando tudo vai bem, corremos o risco de nos acomodar, e é nesse ponto que mora o perigo. No oásis tendemos a fabricar ídolos, corromper nosso caráter e até negociar nossos princípios para garantir nossa permanência ali. É então que Deus, através da dinâmica da vida, nos envia sinais de insatisfação, que nos mostram pontos de deterioração, seja num contexto de casamento, trabalho, amizades, vida emocional e até no corpo.

Antes da tragédia final, a vida manda sinais que emergem das profundezas do inconsciente, do ambiente físico, ou das dinâmicas relacionais. Os sinais estão normalmente ao redor: uma praga na lavoura, antes de se tornar visível aos olhos do público, é facilmente detectada pelos olhos treinados de um agricultor. Uma dente apodrecido geralmente começa com uma pequena cárie que o público não percebe. Mas, um dentista é capaz de ver um pequeno sinal de deterioração até no sorriso de um passante. É por isso que a Bíblia nos ensina a ler os sinais dos tempos. Para isso, é necessário treinar os olhos para ver o aqui e agora.

Como aqueles homenzinhos da parábola de Spencer (“Quem mexeu no meu queijo”), ficamos surpresos quando, um belo dia, não encontramos mais o queijo que sempre esteve ali. Dai a moral da estória: cheire constantemente o seu queijo para ver se há sinais de desgaste, e mude rapidamente de estratégia ou de lugar. Não é uma questão de “se” mas de “quando” você terá de se reiventar se quiser sobreviver quando seu Isaque, ou seu queijo, for tirado de você.


3. Medo das incertezas do futuro.

Isaque era para Abraão o filho da promessa, o cumprimento da esperança, a garantia do riso futuro. O mesmo Deus que lhe dera o presente, agora o exigia de volta, e de um modo, no mínimo, esquisito. O medo das incertezas do futuro, sem Isaque, poderia ter levado Abraão a fugir do desafio. Assim, também nós, na maioria das vezes em que somos desafiados a abrir mão de nosso “queijo” o medo do desconhecido nos invade. As incertezas do amanhã podem nos paralisar no presente.

Na Odisséia de Homero, Odisseu voltava para casa, depois da guerra de Tróia, quando foi violentamente atacado por gigantescas ondas enviadas por Poseidon, o pai do ciclope a quem ele cegara. Já estava quase entregando os pontos, quando a ninfa Ino deu-lhe um véu, instruído-o a se lançar no mar e nadar até a Costa. Ulisses exitou! Teve medo de abandonar o único lugar seguro que julgava possuir: o que restara de uma balsa improvisada. Foi quando Poseidon mandou uma onda ainda mais violenta e ele resolveu dar o salto. Foi sua salvação, pois, se tivesse ficado agarrado à madeira, teria sucumbido.

Precisamos discernir o momento em que temos de abandonar o barco, aquilo que julgamos ser nossa tábua de salvação. Normalmente, é num contexto de crise que Deus como um véu de proteção e nos desafia a nadar por entre as ondas. Isso é o que Paul Tillich chama de Kairós: o tempo de Deus, a oportunidade de dar o salto.

Kairós é tempo oportuno, diferentemente de cronos, que é tempo-relógio, nossa agenda pessoal. Nossa agenda procura naturalmente as zonas de conforto, mas agenda de Deus, normalmente nos e dada na crista da onda, no olho do furacão.

Finalmente, quando Abraão levantou a mão para sacrificar o filho, o anjo o impediu, destacou sua fé e mostrou-lhe um sacrifício substituto. Deus não queria sangue! Deus queria a atitude de fé, de coragem e de compromisso com valores eternos. Por isso, Abraão chamou aquele lugar “O Senhor proverá.”

O Deus que prova é o Deus que provê. Por isso, preste atenção aos sinais do presente, não se apegue exageradamente às conquistas do passado, e se sentir na plataforma da alma que deve dar o salto, não exite, mesmo que o futuro pareça incerto.
 
AP.Jorge Castilho

Cartilha gay diz que homossexuais não devem votar em candidatos do PR e do PP

<>
 
   
O senador Magno Malta (PR-ES) e o deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ) são citados como os principais articuladores de propostas que prejudicam os gays.

Uma cartilha que avalia candidatos e partidos políticos pelos homossexuais foi elaborada e divulgada na internet. Batizado "Cartilha LGBT para as Eleições 2012/2014", o material é assinado por membros da LGBT (Lésbicas, Gays, Bisexuais, Transexuais e Transgêneros) Brasil do Orkut.

Segundo a cartilha, candidatos do PR -formado da fusão do Prona e do PL- não devem receber votos dos homossexuais, pois o partido pertence a um grupo que deve ser "combatido pelos LGBT". O mesmo vale para o PP.

Os deputados federais Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Paulo Maluf (PP-SP) também aparecem como candidatos que não devem ser votados "em hipótese alguma".

Álvaro de Lima Oliveira, 38, foi uma das pessoas que ajudou a escrever o documento. Oliveira, que é medico e vive em Guaxupé (MG), disse que contou com outros membros da comunidade na elaboração do trabalho que foi feito todo pela internet.

A ideia de produzir um material que orientasse a comunidade LGBT na hora de escolher seus candidatos surgiu a partir da ausência de uma representação política para esse público. "Todos conhecem a bancada evangélica, mas ninguém sabe quem faz parte da bancada de livre expressão sexual", disse Oliveira.

Dicas de como identificar um político que apoia as causas LGBT e de como votar bem, na ótica do movimento, ocupam parte das 37 páginas da cartilha. Uma avaliação detalhada de cada partido foi feita, sendo que 12 deles são citados de forma negativa, por supostamente atuarem contra as lutas do grupo.

Outro lado
O deputado federal Jair Bolsonaro disse que se sente "orgulhoso" por fazer parte da lista dos políticos não recomendados pelo movimento.

Segundo sua assessoria de imprensa, Magno Malta informou que irá pedir a retirada do seu nome.

Anthony Garotinho e Maluf preferiram não se pronunciar sobre o assunto.

O trabalho foi lançado em março e os autores não têm estatísticas de visualizações do mesmo, todavia, afirmam que a página criada no Facebook para divulgar o trabalho já conseguiu alcançar mais de 62 mil pessoas. Leia a cartilha aqui.

Fonte: UOL

Evangélicos usam templos para fazer campanha no RJ

Candidatos ligados a igrejas evangélicas pentecostais vêm usando templos no Rio de Janeiro como comitês, publica reportagem do jornal O Globo deste sábado.

Exemplos dessa prática, que tem como alvo cerca de 20% dos 11,8 milhões de eleitores do Estado, foram encontrados na sede da Igreja Primitiva do Amor, em Nova Iguaçu, e na Assembleia de Deus dos Últimos Dias, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Leia areportagem abaixo:


Evangélicos usam estrutura de templos em suas campanhas

Se a fé move montanhas, não custa tentar garantir a multiplicação dos votos. É de olho no eleitorado evangélico, estimado em cerca de 20% dos 11,8 milhões de eleitores do estado, que candidatos ligados a igrejas evangélicas pentecostais vêm fazendo de templos religiosos uma extensão de seus comitês eleitorais. Nesses locais, propaganda política e assistencialismo ganham contornos de caridade ou ação social, como o GLOBO constatou na sede da Igreja Primitiva do Amor, em Nova Iguaçu, e na Assembleia de Deus dos Últimos Dias, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Instalada numa casa simples, no alto da Rua Joélio Santana, na Palhada, um dos bairros mais carentes do município, a Igreja Primitiva do Amor sediou na manhã de quarta-feira uma ação social — evento divulgado em faixas espalhadas pela região — com o cadastramento de moradores no programa Bolsa Família, preenchimento de fichas para solicitação de aposentadoria, aplicação de flúor e outras benesses, que aparecem listadas numa folha fixada no portão da seita. O interessado, contudo, deveria apresentar comprovante de residência, carteira de identidade e título de eleitor.

Líder da seita, o pastor Raimundo Jesus disse que a ação social foi realizada no local a pedido da Secretaria de Assistência Social de Nova Iguaçu. O que não é citado nas faixas de propaganda espalhadas pelo bairro. Já alguns moradores ouvidos pela reportagem disseram que o evento estaria ligado à candidatura do petista Sebastião Wagner Berriel, que disputa uma vaga na Câmara de Vereadores do município, onde a prefeita Sheila Gama (PDT) tenta a reeleição numa coligação com o PT.

Perguntado sobre a suposta ligação do candidato com a ação social, o pastor Raimundo desconversou e disse apenas ter cedido o espaço a pedido da prefeitura. Na rua onde funciona a Igreja Primitiva do Amor há ainda outros três pequenos templos evangélicos de outras correntes pentecostais e um centro espírita. A assessoria do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, responsável pela gestão do Bolsa Família, disse inicialmente que o cadastramento só poderia ser promovido em espaços da administração municipal, sob a responsabilidade das secretarias municipais de assistência social.

Questionada sobre os critérios para a escolha dos locais de cadastramento e o suposto uso político eleitoral do programa, a secretaria de Assistência Social de Nova Iguaçu, Márcia Vieira, informou em nota que o atendimento foi realizado no templo em resposta a ofício enviado pela seita. O que contraria a informação dada pelo líder da igreja. O candidato petista não foi localizado para comentar o assunto.

Em São João de Meriti, a sede da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, seita criada pelo pastor Marcos Pereira, lembra um comitê eleitoral, com fotos, veículos adesivados e carros de som com propaganda política dos candidatos Waguinho, que disputa vaga de prefeito em Nova Iguaçu, e Allan Pereira, irmão do pastor Marcos e candidato a vereador no Rio.

Allan e Waguinho, o ex-pagodeiro que trocou as rodas de samba pela música gospel, são candidatos pelo PCdoB, e atuam na Assembleia de Deus dos Últimos Dias. Durante os cultos, segundo testemunhas, o líder da seita faz campanha aberta para a dupla. A análise dos registros de candidaturas no TSE revela que 40 “sacerdotes ou membros de ordem ou seita religiosa” do estado do Rio disputarão cargos eletivos nas próximas eleições. O dobro da quantidade de pastores candidatos em São Paulo.

A corrida pelo voto evangélico pode ser explicada em números. O Censo 2010 do IBGE mostrou que o estado do Rio passou a ter menos de 50% de católicos. Já o número de evangélicos cresceu. Prova disso é que em 11 dos 19 municípios da Região Metropolitana, os evangélicos superam os católicos.

O procurador regional eleitoral, Maurício da Rocha Ribeiro, afirma ser proibida a campanha política em templos religiosos, considerados bens comuns. O que pode resultar em ação por descumprimento da lei eleitoral, que prevê multa de R$ 2 mil a R$ 8 mil, além da retirada de cartazes e galhardetes. O procurador ressalta que líderes religiosos podem, como qualquer cidadão, demostrar suas preferências políticas, mas não podem fazer campanha negativa sobre candidatos.

Com relação ao uso de templos religiosos para a distribuição de benesses e realização de cadastros para programas sociais, os responsáveis podem ser acusados de abuso de poder econômico e político:

— Essa é uma conduta grave, mas que deve ser apurada de forma detalhada, com provas que configurem abuso de poder econômico e político. Nesse caso, pode resultar até na cassação do registro do candidato — disse o procurador.

Fonte: O Globo.com

ROMNEY A CAMINHO DE ISRAEL

 



ROMNEY NO AVIÃO A CAMINHO DE ISRAEL
Mitt Romney, candidato republicano à presidência dos EUA, está a caminho de Israel, onde amanhã iniciará uma visita de 3 dias, com grandes expectativas de receber uma calorosa recepção da parte dos governantes israelitas, uma vez que o seu prometido apoio a Israel ultrapassa de longe a contínua ambiguidade do actual presidente Obama.
Além de Israel, Romney visitará ainda a Polónia e o Reino Unido.
A visita a Israel surge numa altura em que os seus líderes estão a considerar a possibilidade de um ataque militar ao Irão, o regime da Síria está cada vez mais em causa e as conversações de paz para o Médio Oriente não levam a lado nenhum.
Amigo de longa data do primeiro-ministro, Romney vai certamente aproveitar para aprofundar as suas críticas à postura do actual presidente americano em relação a Israel e à sua forma de lidar com as ameaças nucleares iranianas.
A Casa Branca entretanto, num esforço para desvalorizar a atenção que Israel poderá dar a Romney, tratou já de anunciar que vai assinar legislação para expandir a cooperação militar e civil com Israel.
Mesmo assim, e com as sondagens revelando uma grande aproximação entre os dois candidatos à corrida presidencial, Romney espera que esta demonstração da sua posição pró-Israel o vá ajudar a conquistar votos dos eleitores judeus que tradicionalmente votam no Partido Democrático e dos cristãos evangélicos que defendem zelosamente as políticas do governo de Israel. Desde que assumiu a presidência, Obama ainda não visitou Israel.
Shalom, Israel!

Exposição que mostra pedofilia e zoofilia provoca bate boca entre deputados

Não foi só nas redes sociais que a mostra “QueerMuseu” gerou debates e bate boca. Na noite desta terça-feira (12) o assunto foi amplam...