sábado, 23 de junho de 2012

Pastor Abílio Santana manda fiel “calar a boca em nome de Jesus” durante culto. Assista na íntegra


Pastor Abílio Santana manda fiel “calar a boca em nome de Jesus” durante culto. Assista na íntegraNa última semana um vídeo do pastor Abílio Santana circulou na internet causando uma grande polêmica. Na gravação, do final do ano passado, o pastor aparece no meio de uma pregação mandando que uma mulher que estava no culto “cale a boca em nome de Jesus”. Ele pede para que a irmã pare de atrapalhar seu trabalho e exige que ela se cale.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
A gravação causou indignação nas redes sociais e em diversos blogs e sites evangélicos, que destacaram a atitude de Santana como uma falta de respeito e educação.
O Pavablog destacou ainda o fato de que o site do pastor vende vários títulos honoríficos como “Doutor em Teologia Dogmática” e “Doutor em Psicanálise”, além de ser reproduzido em diversos outros sites de supostas entidades como “Convenção das Igrejas e Comunidades Autônomas e Independentes” e “Convenção Europeia de Pastores”. Todos esses sites se destacam por, apesar de terem nomes e aparências diferentes trazem sempre o mesmo conteúdo.
A venda desses títulos chama também atenção por estar sempre relacionadas ao pagamento de valores específicos e trazerem como requisitos ser “conferido para Intelectuais, Sábios ou Professor de nível universitário ou não, ter desempenhado em suas funções destaque, como: Pastor, Teólogo, Palestrante, Escritor e Obreiro, podendo ou não estar exercendo docência na sua área de atuação”. Os sites falam também sobre tais certificados que “para fazer jus a este elevado e soberano título não é necessário fazer algum curso/concurso, ou defender tese, trata-se de um título internacional”.
No site do pastor encontram-se também links para a “Faculdade Gospel”, um site que oferece cursos à distância, e que em sua descrição afirma “antecipar-se às tendências e a preocupação em formar Pastores alinhados às expectativas do mercado”, e coloca como sendo sua missão “contribuir para a construção de um mundo melhor, produzindo conhecimento e formando Pastores criativos e empreendedores, capazes de ter sucesso em sua vida pessoal, social e Espiritual”. Em uma busca pelo site do MEC, não foi possível encontrar nenhuma menção ao registro de alguma faculdade com esse nome.
Assita ao vídeo:
Fonte: Gospel+

Imagens de um bispo católico flagrado com uma mulher em resort de luxo causa polêmica


Imagens de um bispo católico flagrado com uma mulher em resort de luxo causa polêmicaAs imagens do bispo católico Fernando María Bargalló, bispo da Diocese de Marlo-Moreno, em Buenos Aires, e presidente da Cáritas na América Latina e Caribe, que foi fotografado abraçado com uma mulher em um resort de luxo na costa mexicana, tem causado polêmica na imprensa mexicana.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
As imagens, que mostram o bispo junto com uma mulher na praia de Puerto Vallarta, no México, teriam sido tiradas em janeiro do ano passado. A mulher nas fotos seria uma empresária do ramo da gastronomia, dona de restaurantes em Buenos Aires.
O bispo, de 57 anos, inicialmente afirmou desconhecer as fotos, divulgadas pela emissora América 24 mas, com a repercussão do caso, divulgou um comunicado e pediu desculpas pelas “más interpretações” que as imagens possam suscitar.
Negando ter descumprindo o celibato, o religioso se explicou: “É uma amiga de infância, praticamente a conheço desde que me entendo por gente e as imagens só se explicam no contexto de uma grande amizade”, disse o bispo ao admitir que a viagem a uma praia mexicana ocorreu há cerca de dois anos. O bispo ainda pediu desculpas pela “ambiguidade das fotos” e por “equívocos” em que elas possam implicar.
De acordo com a agência argentina Diários y Notícias, Bargalló pode ser destituído do cargo imediatamente, e o Vaticano estuda se vai punir ou forçar a renúncia do bispo.


G+

Igreja devem protestar contra o MMA em Minas Gerais

Igrejas protestantes irão reclamar, neste sábado, da presença do MMA em solo mineiro e querem providencias dos órgão públicos.

Apesar do crescimento das artes marciais pelo mundo e toda a fama dos eventos do UFC, algumas partes da sociedade não aceitam bem a difusão deste esporte. E isto deverá ser uma das marcas do UFC Belo Horizonte marcado para o sábado (23) no Ginásio do Mineirinho. Tudo isto porque algumas igrejas protestantes irão reclamar da presença do MMA em solo mineiro e querem alguma ação dos órgão públicos.

Presidente do desenvolvimento mundial da organização, Marshall Zelaznik comentou sobre as possíveis manifestações: “Protestos contra o UFC nunca são bons, porém, nós já sofremos com isto e vários lugares do mundo como Alemanha e Inglaterra. Gostaríamos que não acontecesse isto, mas como continuamos crescendo, acho que não é tão grave assim”.

Outro que deixou bem clara sua opinião foi Wanderlei Silva: “Ao invés de protestar contra o esporte, devemos fazer um protesto contra o crack. Em todo lugar que vamos tem alguém com este problema. O MMA não gera lutadores de rua, quando o cara briga é culpa de pai e mãe, não da arte marcial”. Para o ‘Cachorro Louco’ é necessário aumentar o tempo das crianças na escola e abrir academias para trabalhos sociais, o lutador recordou seu começo no esporte quando não pagava os treinos por não ter condições para tal.

Fonte: Yahoo

Revista Avon retira livro de Silas Malafaia de seu catálogo

O livro “A estratégia: o plano dos homossexuais para transformar a sociedade” não está na nova edição da revista Avon. Silas Malafaia garante que o contrato não foi encerrado.

Após causar polêmica no último mês, ativistas gays por não concordarem com a publicação de livros do pastor no catálogo da revista considerando os temas homofóbicos, realizaram pela internet um abaixo assinado solicitando a retirada dos livros.

À princípio, a revista se manifestou dizendo que tem “como um de seus mais importantes pilares o respeito à diversidade, em todos os seus aspectos”.

A revista ainda disse que objetivo da empresa era “atender de forma ampla e democrática aos consumidores de mais de 100 países, oferecendo uma ampla variedade de cosméticos e outros produtos – entre eles os livros - para atender à pluralidade de preferências, ideias e estilos de vida”.

A resposta oficial da revista Avon, porém, foi declarada na publicação do catálogo “Moda e Casa” deste mês, não contendo mais os livros do pastor Silas Malafaia.

O pastor reagiu à iniciativa da empresa, manifestando-se em sua rede social dizendo que os ativistas estavam dando “um tiro no pé”, entendendo que esta manifestação o promove.

Silas ainda disse esta situação dá a ele elementos para que a lei PLC 122 seja “enterrada”.

“Estão me dando elementos como nunca para que o PLC 122 seja definitivamente enterrado, pois se antes de ter leis que dão a eles privilégios, eles já se acham no direito de perseguir e intimidar aqueles que são contra seus ideais, imaginem se a lei for aprovada”, disse o pastor.

Malafaia afirma que seus livros não saíram da Avon
O site Gospel Prime publicou um texto com informações da revista A Capa falando sobre a ausência de títulos da Editora Central Gospel nos folhetos de venda da AVON, empresa que foi pressionada por ativistas gays para deixar de trabalhar com livros do pastor Silas Malafaia.

Ao ficar sabendo sobre essa informação, o líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo escreveu em seu site, o Verdade Gospel, que a empresa não cancelou o contrato com sua editora, mas que divulga esses produtos alternando em algumas quinzenas.

Malafaia desmentiu a reportagem do Gospel Prime e ainda acusa os militantes homossexuais de implantarem notícias falsas. “É importante esclarecer que em algumas quinzenas não sai propaganda do nosso produto. Isto é comum neste catálogo. Temos programação para até o final do ano, portanto, mais uma mentira e safadeza de ativistas gays, o que é bem peculiar do caráter deles”, escreve o pastor.

A equipe do Gospel Prime entrou em contato com uma revendedora AVON da capital paulista que explicou que empresa envia dois folhetos por mês, ou seja, a cada 15 dias entra uma campanha nova e teve acesso às últimas três campanhas 11, 12 e 13 e em nenhum dos folhetos foram encontrados produtos da Central Gospel.

Como tudo começou
Segundo publicação da Carta Capital, tudo começou quando um professor de inglês e seu namorado que em meio a promoções de perfume e maquiagem se depararam com os livros de Malafaia no catalogo da revista.

A entrevista conta que o professor que não faz parte de nenhuma organização LGBT se indignou com os temas dos livros e resolveu protestar escrevendo uma carta para a empresa brasileira, que segundo ele em publicação, não se manifestou de imediato levando-o a traduzir a carta para o inglês e enviou para empresa americana.

O professor conta que pouco tempo depois a empresa se manifestou em comunicado em página do facebook “variedade de títulos comercializados contempla a diversidade de estilos de vida, religião e filosofia presentes em nosso País”.

Porém o professor acredita que o fator de principal foi o fato de que seu namorado é representante ‘Estrela’ da Avon, considerado um dos melhores vendedores e resolveu deixar o cargo como protesto. Neste meio tempo, conta o professor, que pessoas e representantes do grupo LGBT também resolveram se manifestar.

Fonte: The Christian Post e Gospel Prime

FINAL DOS TEMPOS - Filme quer mostrar que Jesus seria fruto de um estupro

Paul Verhoeven.
O cineasta holandês Paul Verhoeven ficou conhecido por filmes como Robocop, O Vingador do Futuro e A Espiã. Ele também é escritor e agora pretende adaptar para o cinema seu próprio livro sobre Jesus.
“Jesus of Nazareth” é o nome do livro inédito no Brasil e do filme homônimo que começará a ser rodado em breve. Diferentemente da maioria das produções sobre o tema, o Cristo de Verhoeven não é o “filho de Deus” nem foi concebido de forma sobrenatural.
O novo longa mostrará Jesus enquanto homem, e que foca mais seu papel como líder político do que religioso, eliminando da narrativa qualquer milagre ou ligação divina. A mãe de Jesus teria sido estuprada por um soldado romano, o que, segundo Verhoeven, era comum durante o período de dominação romana da Palestina.
Segundo Verhoeven, ele pesquisou a história de Jesus durante décadas antes de pensar no livro e no filme. Sua intenção é contar a vida do nazareno de “ponto de vista científico, histórico e político”. Isso exclui, obviamente, a ressurreição, questão central da fé cristã.
Na visão do cineasta, que afirma não crer nos milagres relatados na Bíblia, “Jesus era um profeta radical e chegou a realizar exorcismos porque estava convencido de que iria morrer e se encontrar no Reino dos Céus, até Pôncio Pilatos crucificá-lo”.
“Se você olhar o homem, fica claro que você tem ali uma pessoa completamente inovadora no campo da ética. Minha paixão pessoal por Jesus surgiu quando eu comecei a perceber isso. Um novo conjunto de ética, uma abertura ao mundo, que era um anátema em um mundo dominado pelos romanos. A questão não são os milagres, mas a nova ordem ética, uma visão aberta em relação ao mundo, o que se opunha à dominação dos romanos.
Eu acredito que ele foi crucificado porque sentiram que, politicamente, ele era uma pessoa perigosa e que estava em crescimento. Os ideais de Jesus dizem respeito a uma utopia do comportamento humano, falam sobre como devemos tratar uns aos outros e como devemos nos colocar na pele de nossos inimigos”, acrescenta.
Segundo Verhoeven, ele está há anos procurando financiamento sem, sucesso, já que muitas pessoas e marcas não querem seus nomes ligados ao que a opinião pública pode atribuir como atitude herege. Agora, a Muse Productions de Chris Hanley (produtor de Psicopata Americano) decidiu bancar o longa que promete gerar muitas polêmicas.
Alguns líderes cristãos, como Bill Donohue, presidente da Liga Católica, já criticou o livro de Verhoeven, dizendo “Mais uma vez vemos uma especulação maldosa, baseada em absolutamente nada. Ele não tem nenhuma evidência empírica para sustentar sua alegação”.
O último filme sobre Jesus Cristo que atraiu polêmica foi “A Paixão de Cristo”, lançado em 2004 e produzido por Mel Gibson. Ele decidiu seguir os relatos bíblicos muito de perto, incluindo as línguas originais. Ainda é o filme religioso de maior sucesso de todos os tempos, arrecadando cerca de 612 milhões de dólares em bilheteria em todo o mundo. Mesmo assim, o longa foi acusado de ser anti-semita pela maneira como retratou o povo judeu.
Roger Avary, de Pulp Fiction e “A lenda de Beowulf” foi contratado para escrever o roteiro de “Jesus de Nazareth”. Ele é conhecido por seus trabalhos provocativos, como Regras da Atração. Avary estava há bastante tempo sem escrever um roteiro, pois estava cumprindo pena na prisão por homicídio involuntário e posse de drogas.
Ainda não há cronograma de produção, nem o nome dos atores ou data de lançamento. O mais provável é que seja lançado no final de 2014. É curioso que a notícia surge num momento em que há uma grande quantidade de filmes bíblicos sendo desenvolvidos, como Noah, de Darren Aronofsky, e Gods and Kings, história de Moisés que Steven Spielberg planeja fazer.
Traduzido de The Christian Post

Assentamento judaico ensina crianças a atirar contra palestinos

Assentamento judaico ensina crianças a atirar contra palestinos
Gush Etzion é um assentamento israelense localizado no território palestino da Cisjordânia. Mas o local está gerando controvérsia ao oferecer aos turistas um mórbido campo de treinamento “antiterrorista”.
Michel Brown, 40, um banqueiro de Miami, escolheu levar sua esposa e três filhos para o local conhecido como “Caliber 3” com o objetivo de “ensinar-lhes valores”. Ao entrar, ouvem o guia israelense gritar “Mexam-se!”. “Destrua os terroristas”, ordena, apontando para alvos de papelão.
A filha de Brown, Tamara, cinco anos, explode em lágrimas. Meia hora depois, ela está segurando uma arma e disparando balas de barro como um atirador profissional.
“Isso faz parte de sua educação”, diz Michel, orgulho. “Eles devem saber de onde vêm e também podem sentir alguma emoção”. “Ouvimos na TV sobre tiroteios na Cisjordânia” diz a mãe, Olga Brown. “Agora, viemos para ver ao vivo”.
Seu filho, Jacob, 24, apanha o seu rifle e exclama: “Esta é uma experiência incrível, aprendi a parar um terrorista e como resgatar reféns. Quando estiver em apuros, saberei como agir”.
Esse “divertimento do terror” tem crescido em popularidade. Os pacotes são vendidos aos interessados sob o enigmático nome de “Turismo Hebraico Extremo”.
Eles oferecem uma série de atividades que incluem: ouvir histórias sobre batalhas, ver ao vivo o desempenho de especialistas em tiro e a oportunidade de praticar técnicas antiterrorista que incluem disparos contra alvos. No final de um dia cheio de emoções, os turistas recebem um diploma indicando que concluíram um “curso de tiro básico”. Chama atenção o fato de que a idade mínima para participar das atividades é cinco anos.
Sharon Gat, gerente do Caliber 3, diz que todos os instrutores do local serviram nas unidades de elite do Exército de Israel. “Este é um programa especial criado devido à demanda popular”, diz Gat. “Viajantes de todo o mundo vêm aqui para conhecer antigos combatentes e ouvir histórias sobre unidades de elite. É uma experiência única na vida”.
Um dos instrutores, que atende pelo nome de Shay conta que ajudou a resgatar os passageiros de um vôo da Air France, sequestrado em 1976. Logo em seguida, acrescenta: “Suponha que o terrorista na minha frente tem uma arma automática. Ele pode descarregar um cartucho em 2,8 segundos, o que significa que têm você terá menos de três segundos para derrubá-lo. E é isso que vou fazer”.
Ele se vira e aloja uma bala certeira na cabeça de cada alvo de papelão, sendo fortemente aplaudido.
Shay entrega uma arma falsa para o aluno Brian, 14, que ouve do instrutor: “Sua mãe não vai estar lá para proteger você, então levante-se e lute como um homem. Você está pronto para derrubar um terrorista?”.
“Sim, eu estou”, responde Brian. Um por um, ele e os outros turistas-soldados colocam seus óculos de proteção e recebem um rifle Tavor ou um M16 e seguem para a linha de tiro.
David Pearl, que dirige o Conselho Regional de Gush Etzion, observa que esse tipo de experiência está transformando o distrito em uma “jóia do turismo”.
Porém, as críticas têm chovido por conta da constatação que as imagens de papelão penduradas na parede são chamadas de “mechablim”, palavra usada para terroristas em hebraico. Mas na linguagem popular em território israelita, este é um sinônimo para “palestino”.
As lideranças palestinas acusam o governo de Israel de estar usando isso para disseminar o ódio contra o povo palestino.
Traduzido de Ynet News

Exposição que mostra pedofilia e zoofilia provoca bate boca entre deputados

Não foi só nas redes sociais que a mostra “QueerMuseu” gerou debates e bate boca. Na noite desta terça-feira (12) o assunto foi amplam...