sexta-feira, 13 de abril de 2012

Membros de seita faziam sacrifícios humanos e comiam a carne das vítimas

Membros de seita faziam sacrifícios humanos e comiam a carne das vítimas
Os membros de uma seita pouco conhecida chamado Cartel estão espalhados pelo mundo. Eles se dizem anticapitalistas e antissemitas, e combatem a procriação, desejando diminuir a quantidade de pessoas no mundo. Por isso, fazem rituais sacrificando mulheres que tinham “úteros malditos” por terem gerado mais de um filho.
Três membros dessa seita foram presos esta semana em Garanhuns, Pernambuco. Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 51, era casado com Isabel Cristina Pires da Silveira, 51, mas também vivia com a ex-mulher Bruna Cristina Oliveira da Silva, 25 anos.
Conforme o delegado Wesley Fernandes Oliveira, da 2ª Delegacia de Garanhuns “Isabel disse que eles já teriam matado pelo menos sete pessoas. Mas o casal não confirmou. Eles alegam que matam seguindo um ritual. Estamos investigando”.
Além de a polícia comprovar que eles mataram duas mulheres, revelou que Isabel vendia empadas feitas com os restos de carne humana, dos corpos das vítimas. “Eles comiam as vísceras das vítimas, como o fígado e o coração, que era para purificar a alma”, revelou o comissário Andrade, que investiga o caso. “E quando faltava ingrediente para as empadas, eles usavam os restos da carne das vítimas”. De cada vítima eles tiravam cerca de 10 kg de carne.
Os membros da seita alegam que ouviam vozes pedindo para matar, e por isso assassinaram, esquartejaram e enterraram Giselly Helena da Silva, 31, e Alexandra Falcão da Silva, 20, no quintal da casa onde viviam.
O casal tinha diagnóstico de transtorno mental e os vizinhos dizem que tinham hábitos estranhos e que não costumavam falar com os outros moradores da rua. Também contaram que muitas vezes ouviam barulho de uma máquina e o grupo costumava ouvir música em volume alto à noite. Eles costumavam pedir barro em construções da cidade, alegando que seria para fazer um trabalho, mas não explicavam qual era.
Ao ser preso, Jorge Beltrão explicou que os três seriam apenas uma célula da seita e que haveria outras no Brasil. Também explicou que os crimes eram praticados apenas por ele e Bruna, pois Isabel seria muito nervosa e “atrapalhava os rituais”. Para a seita, a criança é tida como uma “entidade de pureza e inocência”.
Os policiais encontraram na casa uma menina de 5 anos que morava com eles e também seria obrigada a comer carne dos sacrifícios humanos. A criança seria filha de Jéssica Camila da Silva Pereira, outra mulher assassinada pelo trio em 2008, enquanto pedia esmolas em um canal em Boa Viagem, no Recife.
A polícia encontrou na casa onde moravam os suspeitos, além dos cadáveres esquartejados e enterrados no quintal, um livro de magia e um caderno onde os assassinos fazem uma espécie de relato, que seria uma confissão escrita de próprio punho e indicam que planejavam matar mais duas pessoas em seus rituais.
Os três serão indiciados, entre outros crimes, por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. A criança está sob custódia do Conselho Tutelar de Garanhuns.
Com informações Terra e Pernambuco


Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/membros-de-seita-faziam-sacrificios-humanos-e-comiam-a-carne-das-vitimas/#ixzz1rxeNkMnP

Ricardo Gondim apoia decisão do STF em liberar o aborto de anencéfalos

Ricardo Gondim apoia decisão do STF em liberar o aborto de anencéfalos
O pastor Ricardo Gondim usou seu Twitter para mostrar sua posição sobre o projeto que libera o aborto em casos de gravidez de fetos anencéfalos. Em suas declarações ele assume ser favorável ao aborto não só quando for diagnosticado que o bebê não tem cérebro como também em caso de embriões.
Enquanto muitos cristãos, tanto católicos como evangélicos, se uniram em vigília em frente ao prédio do Supremo Tribunal Federal e fizeram um tuitaço na internet para que a proposta da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde não fosse aprovada, o líder da Igreja Betesda discursava afirmando que sem cérebro não havia vida.
“Células se multiplicando não significa humanidade – as amebas e diversos tipos de câncer fazem o mesmo. #ApoioSTF”, escreveu Gondim que citou os casos de morte cerebral defendendo que se desligue os aparelhos nesse caso para que os órgãos sejam doados.
“Morte cerebral significa morte, mesmo que os órgãos sejam mantidos vivos. Se desligar não mata, apenas evita que outras pessoas se beneficiem”, disse o pastor que completou sua opinião dizendo: “Portanto, sem cérebro não há vida, apenas células em funcionamento”.
Quando a decisão dos ministros foi anunciada o pastor retransmitiu a opinião da jornalista Eliane Brum que foi enfática ao defender o projeto. “Sim, vamos dormir em um Brasil melhor. Nenhuma mulher será mais obrigada a gerar um feto para a morte. Não é pouca coisa, nem foi pouca luta”.


Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/

Grupo acusado de canibalismo usava carne de vítimas para rechear empadas em Garanhuns

Três pessoas foram presas na última quarta-feira (11) no munícipio de Garanhuns, em Pernambuco, acusadas de assassinar, praticar canibalismo e usar a carne das vítimas para rechear empadas e coxinhas que uma das acusadas vendia na cidade. Inquérito investiga oito mortes atribuídas ao grupo, que praticava rituais macabros.

Dois corpos foram encontrados enterrados no quintal da casa do trio formado por Isabel Cristina Pires da Silveira, 51, Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 50, e Bruna Cristina Oliveira da Silva, 25. As vítimas desaparecidadas desde o ínicio do ano eram Gisele Helena da Silva, 31, e Alexandra Falcão, 20. Isabel teria confessado em depoimento que colocava carne humana nos salgados que vendia.
Local onde corpos das vítimas foram encontrados.

A polícia acredita que o grupo também matou Jéssica Camila, 17, que desapareceu em 2008 na região metropolitana de Olinda. Com o grupo foram encontrados documentos de Jéssica e uma menor de idade, que a polícia suspeita que possa ser a filha da vítima, que também desapareceu em 2008. Há a possibilidade de que a criança de cinco anos também fosse alimentada com carne humana. Agora ela se encontra sob a guarda do Conselho Tutelar.

Além disso, foi encontrado um diário com as práticas do ritual de 'purificação' realizado pelo grupo. As vítimas eram apenas mulheres, pois os criminosos acreditavam que elas tinham "úteros malditos". Depois de matar, o grupo drenava e bebia o sangue da vítima, em seguida desfiavam e comiam por quatro dias a carne. O texto foi registrado em cartório, no final do mês passado, com o título "Revelações de um esquizofrênico".

Parte das anotações que narram trechos dos assassinatos cometidos pelo trio no agreste pernambucano

Os três acusados foram encaminhados para presídios da região e aguardam o julgamento. Negromonte está preso na cadeia pública de Garanhuns, já as duas mulheres estão na Colônia Penal Feminina de Buíque

Lutador Manny Pacquiao diz que atletas famosos foram escolhidos para propagarem mensagem cristã

Lutador Manny Pacquiao diz que atletas famosos foram escolhidos para propagarem mensagem cristã

O lutador de boxe Manny Pacquiao em recente entrevista ao site Christian Post fez declarações sobre a postura de atletas famosos que se utilizam de sua posição de destaque para transmitirem a mensagem cristã. O boxeador disse acreditar que não apenas ele, assim como outros atletas cumprem uma missão divina, com o propósito de expandir o cristianismo.

Pacquiao citou nomes de atletas que ele considerou como referências de cristãos no meio esportivo, Jeremy Lin, que é um famoso jogador de basquete da NBA, e Tim Tebow, também um jogador de destaque de futebol americano, ambos cristãos, mas que também têm chamado a atenção pelas manifestações públicas de sua fé.

Avaliando a condição dos outros atletas e também a sua, o lutador filipino argumentou que o fato está ligado à vontade de Deus, “Por que Jeremy Lin? Por que Tim Tebow? Por que Manny Pacquiao?”, “É porque o Senhor nos quer em sua Palavra. Ele usa as pessoas famosas para atrair outras”.

Manny Pacquiao ainda revelou ser católico e leitor da Bíblia, segundo ele, foi Ela que o motivou a querer se aposentar e a deixar os ringues, dia 09 de junho será sua última atuação. A luta será contra Timothy Bradley Júnior e acontecerá em Las Vegas.

Fonte: Gospel+

Para Marisa Lobo, prática de aborto pode causar “transtornos psíquicos irreversíveis” à mulher. Leia na íntegraPara Marisa Lobo, prática de aborto pode causar “transtornos psíquicos irreversíveis” à mulher. Leia na íntegra

Para Marisa Lobo, prática de aborto pode causar “transtornos psíquicos irreversíveis” à mulher. Leia na íntegra

Por ocasião da discussão em torno da liberação do aborto em casos de gestações com fetos anencéfalos, a psicóloga Marisa Lobo publicou artigo comentando possíveis consequências para as mães que se submetem a esses procedimentos.

Em seu artigo, Marisa Lobo observa que a questão da saúde mental é um importante fator da questão, e que está sendo “ignorada” pelos ministros do STF. “Imediatamente a concepção da mulher desenvolve psicologicamente vínculo afetivo mãe-filho. Esse vínculo também é desenvolvido nas mulheres que projetam abortar. Uma mulher, frente à escolha de fazer ou não o aborto, vive sentimentos ambivalentes, angustiantes, a mulher fica vulnerável a transtornos psicológicos, a dores emocionais tão profundas que podem levá-la a escolhas erradas como, por exemplo, uso de substância psicoativa (drogas), lícitas e ou ilícitas, como forma de aliviar suas dores emocionais”.

Para a psicóloga, “a mulher que aborta voluntariamente pode ter esses sofrimentos psíquicos desenvolvidos muito tempo depois do aborto, e podem durar anos ou até mesmo a vida toda”. Marisa Lobo ressalta que o vínculo afetivo entre a gestante e o feto já existe com a intensidade de mãe e filho: “O trauma se dá, pois a mulher quando descobre que está grávida, considera esta criança não como embrião e sim como próprio filho, um ser indefeso dentro de seu ventre, portanto segundo estudos, abortar seria para essa mulher o mesmo que matar voluntariamente”.

No caso específico de anencefalia, o aborto pode trazer complicações psíquicas ainda maiores, segundo Marisa Lobo: “Quanto ao aborto de anencéfalo, muitas mães podem desenvolver uma dor e culpa ainda maior, pois sentem que estão rejeitando uma criança por causa de seu defeito. De qualquer forma um aborto é traumático, e pode ser responsável por dores e transtornos psíquicos irreversíveis”.

Confira abaixo a íntegra do artigo da psicóloga Marisa Lobo:

    O efeito do aborto voluntário da gravidez provoca na mulher “dores emocionais ignoradas” pelos que querem promover o aborto como um direito.

    Aborto pode ser um mal emocional muito maior do que concluir a gestação, ainda que difícil. A questão não envolve apenas religião, moral e sim saúde mental, tão importante para o desenvolvimento saudável dessa mulher e de sua família.

    Imediatamente a concepção da mulher desenvolve psicologicamente vínculo afetivo mãe-filho. Esse vínculo também é desenvolvido nas mulheres que projetam abortar. “Uma mulher, frente à escolha de fazer ou não o aborto, vive sentimentos ambivalentes, angustiantes, a mulher fica vulnerável a transtornos psicológicos, a dores emocionais tão profundas que podem levá-la a escolhas erradas como, por exemplo, uso de substância psicoativa (drogas), lícitas e ou ilícitas, como forma de aliviar suas dores emocionais.

    O fato de uma adolescente – uma mulher que não tenha desejado ou programado uma gravidez – ficar tão vulnerável, pode contribuir para que seja influenciada por pessoas a sua volta e tomar a decisão de aborto não como desejo em si, mas como fim mágico de resolução de problemas, pela influência que pessoas a sua volta podem ter neste momento.

    Quantos namorados, amigos, parentes e até mesmo médicos, e ou psicólogos, de alguma forma influenciam nessa decisão? Saibam que podem estar contribuindo para um grande “mal psicológico” para essa mãe.

    Especialistas concordam que imediatamente, depois do aborto, a mulher possa experimentar uma redução dos níveis de ansiedade, pois decai o elemento ansiógeno constituído por uma gravidez indesejada, mas sucessivamente, “muitíssimas mulheres vivem uma ansiedade maior, apresentando transtorno de estresse pós-traumático, depressão e maior risco de suicídio e abuso de substâncias”.

    A mulher que aborta voluntariamente pode ter esses sofrimentos psíquicos desenvolvidos muito tempo depois do aborto, e podem durar anos ou até mesmo a vida toda.

    O trauma se dá, pois a mulher quando descobre que está grávida, considera esta criança não como embrião e sim como próprio filho, um ser indefeso dentro de seu ventre, portanto segundo estudos, abortar seria para essa mulher o mesmo que matar voluntariamente.

    Uma porcentagem considerável de mulheres que abortaram desenvolve o transtorno de estresse pós-traumático, cujos sintomas são “lembranças desagradáveis, recorrentes e intrusivas do aborto voluntário, que se manifestam em imagens, pensamentos ou percepções, sonhos desagradáveis e recorrentes do sucesso, sensação de reviver a experiência do aborto através de ilusões, alucinações e episódios dissociativos nos quais através do ‘flashback’, ressurge a lembrança, mal-estar psicológico intenso à exposição de fatores desencadeantes internos ou externos que simbolizam ou se assemelham a algum aspecto do evento traumático, como o contato com recém-nascidos, mulheres grávidas, voltar ao lugar onde se praticou o aborto voluntário ou submeter-se a um exame ginecológico, evita persistentemente todo estímulo que possa associar-se com o aborto”, enumeram os especialistas do referido estudo.

    Tenho ao longo dos meus 15 anos de profissão acompanhado casos de mulheres que fizeram aborto voluntário em sua juventude e vida adulta, que hoje após muitos anos ainda lembram com detalhes e sofrem com culpa expressada em seu rosto. Mulheres que tem alucinações auditivas, em particulares, ouvem choro de crianças. Mulheres que ao ver recém nascidos choram, que desenvolveram raiva de recém nascidos e total rejeição é outro fator importante a se considerar.

    Uma paciente teve problemas sexuais em relação ao marido por mais de 25 anos, por conta de um aborto influenciado por ele, que na época ainda era seu namorado.

    Quando o aborto é involuntário, embora haja sofrimento, a mãe não conviverá com a dor da culpa, pois esta, embora a mãe se sinta culpada por algum tempo, não é consciente e não tem responsabilidade da mãe.

    Quanto ao aborto de anencéfalo, muitas mães podem desenvolver uma dor e culpa ainda maior, pois sentem que estão rejeitando uma criança por causa de seu defeito. De qualquer forma um aborto é traumático, e pode ser responsável por dores e transtornos psíquicos irreversíveis. Não podemos esquecer que este ser, esta criança, tem um pai, pode ter um irmão, enfim, uma família, e não podemos achar que somente a mulher terá problemas emocionais com esta interrupção voluntária.

    Marisa Lobo – Psicóloga Clínica

Fonte: Gospel+

“É preciso por um ponto final à ousadia” dos ativistas gays, afirma jornalista, sobre tentativa de “censura” ao pastor Silas Malafaia

 O processo movido pelo Ministério Público Federal contra o pastor Silas Malafaia voltou a ser tema de artigos do jornalista Reinaldo Azevedo, colunista da revista Veja.

Azevedo, que é católico, tem se posicionado em seus artigos de forma semelhante ao pastor nas críticas ao PL 122. Silas Malafaia considera o projeto como a “lei do privilégio” para os ativistas gays.

No artigo “Movimento gay quer passar de beneficiário da liberdade de expressão à condição de censor?”, Reinaldo Azevedo critica a postura dos ativistas gays, que segundo ele, querem impor mordaça às religiões e ao livre pensamento: “Então eles podem pegar símbolos de uma denominação cristã, que têm valor para mais de um bilhão de pessoas, submetê-los a uma, como posso dizer, “interpretação livre”, mudando ou mesmo invertendo seu sentido moral, mas um líder religioso deveria ser impedido de dizer o que pensa?”, pontua o jornalista, fazendo referência ao caso da Parada Gay de 2011, quando a organização do evento espalhou cartazes com doze modelos em posições homoeróticas.

Na ocasião, o pastor Silas Malafaia afirmou que a igreja católica deveria reagir ao que chamou de “ridicularização” dos símbolos católicos. A reação do pastor gerou protestos por parte dos ativistas gays e o processo movido pelo Ministério Público, que o acusa de incitar a violência. Sobre o processo, Azevedo afirma que apesar de não concordar com tudo que Malafaia diz a respeito do homossexualismo, acredita que o pastor está sofrendo uma tentativa de censura: “Devo silenciar diante de uma óbvia tentativa de calá-lo, ao arrepio, parece-me, da lei? Sim, a Justiça vai decidir, mas posso e devo dizer o que acho. Acho que estão recorrendo a uma óbvia linguagem metafórica com o propósito de se vingar de um notório crítico da dita Lei Anti-Homofobia. Entendo que estamos diante de um caso clássico de uso da lei para intimidar ou calar aquele que pensa de modo diferente”.

Reinaldo Azevedo afirma que “é a liberdade de expressão como um valor universal que permite hoje a essas ditas minorias, a esses grupos de pressão, falar, reivindicar etc. O que querem? Coibir a dita homofobia metendo na cadeia quem não comunga de seus valores?”, numa crítica ao que ele classifica de “sindicalismo gay”.

Em outro artigo sobre o tema (A marcha da intolerâcia. A única vítima de preconceito é o pastor), Azevedo afirma que não irá se calar, colaborando para a “para a reinstalação da censura no Brasil”, e diz que não aceita que “que partido, grupo ou grupelho decidam o que posso pensar ou não — em especial quando essa patrulha se exerce na contramão de direitos garantidos por uma Constituição democrática”.

Neste mesmo artigo, o colunista de Veja afirma ser contra o casamento gay: “Considero, absurda a decisão do Supremo que igualou legalmente os casais gays aos héteros. A razão é simples. A Constituição é explicita ao afirmar que a união civil se estabelece entre homem e mulher. Sem a mudança da Carta — o que só pode ser feito pelo Congresso —, o Supremo legislou e fez feitiçaria constitucional. Atrás desse precedente, podem vir outras ‘interpretações criativas’ da nossa Lei Maior”.

Explicando o motivo pelo qual se incomodou com a tentativa de censura à Malafaia, Reinaldo Azevedo classifica os ativistas gays de fascistas: “A proteção a minorias não pode ser maximizada a ponto de pôr em risco direitos fundamentais — entre eles, a liberdade de expressão. Esse caso envolvendo Malafaia me incomodou especialmente porque é preciso pôr (sic) um ponto final à ousadia dessas hordas fascitoides”.

Fonte: Gospel+

Família norte-coreana esconde a Bíblia no jardim para não ser condenada


O site do Portas Abertas publicou uma história emocionando de norte-coreanos que precisam esconder suas Bíblias para não serem descobertos pelo governo daquele país que é o nº 1 na Classificação de Países por Perseguição.

Na Coreia do Norte ter um exemplar da Bíblia é absolutamente proibido e, por isso, muitos cristãos precisam manter seus exemplares escondidos para não serem condenados. Na história contada pelo refugiado cristão Lee Joo-Chan ele narra como seus pais conseguiram esconder uma Bíblia.

“Todas as noites eles iam até o jardim e desenterravam um pote. Eles tiravam um livro de capa preta e o liam. Eles sempre nos disseram para nunca falar desse livro para outras pessoas. Eu sabia que eles não estavam brincando conosco e que seríamos mortos se outras pessoas soubessem do livro proibido. Às vezes minha mãe dizia que Deus estava vivo e que nós tínhamos que obedecê-Lo.”

Depois de um tempo sua família foi captura por motivos desconhecidos e eles foram levados para trabalhar no campo. Durante esse período Chan conta que eles passaram por anos difíceis, sendo submetidos à circunstâncias horríveis enquanto a Bíblia continuava escondida no jardim.

Assim que a família foi libertada, ela passou a ser acompanhada pelo ministério Portas Abertas através do irmão Simon, um ponto de contato entre o ministério e os cristãos perseguidos daquele país. “Eles eram tão gratos, eles nos deram essa Bíblia”, disse Simon que também afirmou que conseguiu entregar à família um exemplar novo da Bíblia Sagrada.

Simon acredita que um dia as Bíblias, hinários e outros materiais cristãos, que a Portas Abertas tem recebido nos últimos anos, serão trazidos novamente para a Coréia do Norte. “Então poderemos mostrar que ao povo norte-coreano o infinito e indestrutível poder da Palavra de Deus”, disse ele.

Igrejas de Rio Branco ajudam na distribuição de alimentos do Acre Solidário




A campanha de doações do Acre Solidário para os desabrigados pela cheia do Rio Acre não só foi um grande sucesso, como excedeu as expectativas de arrecadações. Nesta sexta-feira, 23, a primeira-dama do Acre, Marlúcia Cândida, solicitou ajuda das lideranças das igrejas evangélicas e católicas do Estado para auxiliar na distribuição das doações.

A primeira igreja a receber materiais para auxiliar na doação foi a Igreja Renovada. Foram 700 cestas básicas, 700 caixas de biscoito, 500 kits de limpeza e cerca de três mil peças de roupas. A Igreja Renovada será responsável por levar a distribuição de alimentos nos bairros Taquari, Seis de Agosto e parte da Sobral.

“Uma equipe nossa já está formada para que na próxima semana já comece a entrega, mas temos que fazer tudo corretamente, inclusive o cadastro das famílias, para termos o controle de quem está recebendo os donativos”, conta o pastor Alif Arão. “Muitos dos nossos irmãos e ministros já estavam envolvidos na campanha, sendo voluntários nos abrigos e reunindo doações”.

A primeira-dama e coordenadora do Acre Solidário, Marlúcia Cândida, reforçou o motivo da ajuda das igrejas na distribuição das doações explicando que, “para a gente é um prazer compartilhar esse trabalho com as igrejas e organizações que respaldam o nosso trabalho. Nós recebemos a ajuda das igrejas e agora pedimos mais essa ajuda.” Para a primeira-dama,  com a participação das igrejas o trabalho vai ganhar agilidade, pois cada instituição conhece bem a comunidade que faz parte de sua congregação.

O secretário adjunto de Articulação Institucional, André Kamai, também esteve presente durante a entrega das doações para estocagem na sede da Igreja Renovada. Ele explicou que, ao todo, sete igrejas evangélicas receberão alimentos para distribuição entre os atingidos pela cheia do Rio Acre em Rio Branco. A igreja católica também irá organizar distribuição de alimentos através da Diocese de Rio Branco.

Fonte: Noticias do Acre

Sob protesto de cristãos, aborto de anencéfalos (fetos sem cérebro) é legalizado pelo STF no Brasil

O Supremo Tribunal Federal aprovou por 6 votos a favor e 1 contra (até o fechamento desta matéria) o aborto em casos de fetos anencéfalos, ou seja, bebês gerados sem cérebro. Com os 6 votos até o momento é impossível haver uma maioria de votos contra a proposta já que restam apenas 3 votos dos ministros Celso de Mello, Gilmar Mendes e Cezar Peluso.

O termo “aborto” mal foi usado durante o julgamento. A expressão foi substituída por “antecipação terapêutica do parto” gerando diversas críticas pelos adeptos da causa “pró-vida”, que é contra o aborto. Os ministros que votaram a favor são, em ordem de apresentação do parecer: Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Ayres Brito. Já o ministro Dias Toffoli se disse impedido votar por ter sido anteriormente, como advogado-geral da União, um dos participantes do processo e já ter dito em público que é a favor da legalização do aborto de fetos sem cérebro.

O ministro Ricardo Lewandowski votou contra a proposta e afirmou: “não é dado aos integrantes do Poder Judiciário promover inovações no ordenamento normativo como se fossem parlamentares eleitos”, o ministro também lembrou que os fetos anencéfalos sentem dor e reagem a estímulos externos, e afirmou que a lei sobre aborto é clara e sem margem para interpretações, por tanto a interrupção da gravidez neste caso seria crime. Ao fim de seu discurso, Lewandowski ainda disse que a legalização do aborto de fetos sem cérebro faria o Brasil voltar a idade média, quando “crianças fracas” aos olhos da sociedades eram sacrificadas.

A ministra Cármen Lúcia, que votou a favor da causa, afirmou que “exatamente fundado na dignidade da vida neste caso acho que esta interrupção não é criminalizável”. Já Luiz Fux entende que “impedir a interrupção da gravidez sob ameaça penal equivale à tortura. A ameaça penal não tem a menor eficácia. Há dados aterrorizantes sobre a morte de mulheres que fazem o aborto de modo incipiente e depois têm de fazer a via crucis em hospitais públicos”.

Sobre a criminalização do aborto de anencéfalos, a ministra Rosa Weber afirmou que a “interpretação extensiva é que viola direito fundamental da gestante, já que não há direito fundamental à vida em jogo”, enquanto que o relator da ação, ministro Aurélio Melo, disse que “não cabe impor às mulheres o sentimento de mera incubadora, ou melhor, caixões ambulantes”.
Sobre a ação e o julgamento de aborto por anencefalia

A decisão dos ministros uniformiza as decisões que os demais juízes deverão tomar em casos semelhantes. Como não há legislação específica para casos de fetos anencéfalos, os ministros julgaram a ação da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Saúde, movida em 2004 e mantida em discussão até hoje. O Código Penal classifica todo tipo de aborto como crime, porém, prevê a retirada do feto em casos de estupro ou risco de morte da mãe, em casos de gestações delicadas.

A ação da CNTS foi motivada por anos de decisões diferentes dos juízes a respeito dos casos de anencefalia. Em alguns casos, os juízes concediam o direito de interromper a gravidez e em outros, negavam. Haviam também casos em que a ação perdia o objeto da razão devido a lentidão do judiciário, e quando a causa chegava às mãos do juiz, o parto já havia ocorrido.

A decisão tomada hoje pelo STF uniformiza o entendimento do judiciário sobre a questão, porém não resolve o problema, pois a cada novo caso de uma gestação com feto anencéfalo, os interessados deverão mover uma ação para ter o direito à interrupção da gestação.
Legislação sobre aborto

Para que o aborto nesses casos seja descriminalizado, e ocorra sem a necessidade de uma ação judicial, é preciso que o Congresso Nacional aprove uma lei, regulamentando a prática. Existem dois projetos sobre o tema aguardando para serem votados. Segundo o deputado federal Anthony Garotinho, “os projetos estão parados não é porque são polêmicos, é porque a tramitação na Casa é cheia de obstáculos”.

Ele se posiciona contra a possibilidade do aborto nesses casos, mas afirma que não se pronuncia em nome de toda a bancada evangélica: “Não posso falar pela bancada, mas os anencéfalos, na minha opinião, se for permitido interromper a gravidez, vai abrir um leque de outras opções. Amanhã vai ser possível identificar uma criança com Síndrome de Down e outras deficiências. E essas crianças? Serão abortadas também?”, questiona o deputado.

Durante o julgamento, o advogado da CNTS afirmou que “a interrupção nesses casos não é aborto. Então, não se enquadra na definição de aborto do Código Penal. O feto anencefálico não terá vida extrauterina. No feto anencefálico, o cérebro sequer começa a funcionar. Então não há vida em sentido técnico e jurídico. De aborto não se trata”, disse Luis Roberto Barroso, de acordo com informações do G1.
Cristãos protestam e fazem campanha contra a legalização

O teólogo José Barbosa Junior se posiciona favorável ao direito de interromper a gravidez nos casos de má formação do cérebro. Num artigo escrito em 2004, Junior afirma que o fanatismo religioso acaba sendo o motivador de injustiças: “Até quando seremos reféns dos homens-deuses que se julgam no direito de mandarem nas vidas alheias? Até quando o fanatismo religioso continuará a comandar atrocidades em nome daquele que certamente condenaria tudo isso? Até quando nos veremos presos à vontade imperiosa de organizações que deveriam se importar com outras coisas?”.

Entre as lideranças cristãs, o pastor Silas Malafaia e o pastor e deputado Marco Feliciano lideraram uma campanha pela reprovação do aborto, pedindo que fiéis e internautas enviassem e-mails aos ministros, pedindo que eles votassem contra a aprovação.

Silas Malafaia afirmou que “esta é a moderna depuração dos nossos tempos. Aborto de anencéfalos, daqui a pouco aborto para quem tem Síndrome de Down, depois qualquer bebê na barriga da mãe que tenha qualquer deficiência. A vida é um dom de Deus, está na sua autoridade dá-la e tomá-la”, numa referência ao nazismo.

O pastor Marco Feliciano relatou no Twitter, um drama pessoal que viveu, com um filho que nasceu com problemas, não especificados pelo pastor, e criticou a postura de não proteger a vida humana: “Nosso país tem leis que protegem tartaruga, araras, animais em geral, mas bebês com problemas de formação devem ser eliminados! Vergonha… Sepultei um filho, nasceu com problemas, ter estado com ele alguns minutos foi melhor do que nunca ter estado com ele. Eu e minha esposa sobrevivemos”.

A psicóloga Marisa Lobo também se manifestou no Twitter, afirmando que a questão do aborto não deve ser transformada em debate religioso: “Não vamos cair na jogada dos que querem transformar a questão do aborto de anencéfalos numa batalha religiosa!”.

Fonte: Gospel+

"Para nossa alegria", irmãos, vão lançar CD


Uma canção evangélica de quatro acordes, refrão de três palavras e cantada fora do tom por um casal de irmãos e sua mãe. Para a alegria de uns e desespero de outros, ‘Para Nossa Alegria’ tornou Jefferson e Suellen Barbosa conhecidos Brasil afora e não para de bombar: o vídeo, que já contabiliza quase 15 milhões de exibições no YouTube, deu origem a milhares de versões; a Pepsi fechou uma parceria com a família; e a dupla, agora conhecida nacionalmente, anuncia que vai lançar CD e uma série de camisetas, disponibilizados no www.artecrista.com.br.

O que nem todo mundo conhece são os autores da tal música. Relaxa, nem o pessoal do ‘Pânico’, que vem arrebanhando audiência em cima dos garotos, parece saber. O programa diz, erroneamente, que a criação original é do grupo Catedral, que, de fato, a gravou nos anos 90. Porém, ‘Galhos Secos’ (esse é o nome correto da canção) é uma parceria dos também irmãos Osny (falecido em 2007) e Osvayr Agreste, feita nos anos 70 quando, ainda adolescentes, integravam junto do baterista Edson Zaffani o trio Êxodos, apontado como o primeiro grupo de rock gospel do Brasil.

ENTREVISTA COM JEFFERSON BARBOSA

Jefferson e Suellen Barbosa desfrutam o momento de fama. Tanto que já é possível até contratar a dupla, que agora só fala se houver divulgação do contato para shows (e-mail: contato@nossalegria.com.br; tel.: 11 2093-4122).

O que mudou na sua vida depois de todo esse sucesso de ‘Para Nossa Alegria’?
A fama. De um dia paro o outro foram milhões de acessos. A gente não tem Internet e não entendeu direito. Quando fui pra escola, no outro dia, todo mundo queria tirar foto com a gente. Minha mãe trabalha no aeroporto e todo mundo queria tirar foto com ela. A gente entendeu uns dias depois a proporção que teve o vídeo. Foi uma coisa muito grande.

Quando lançaram o vídeo na Internet, não imaginaram a repercussão?
Na verdade, foi a nossa vizinha Juliana que postou o vídeo. A gente estava ensaiando no quarto, porque a gente ia cantar na igreja, e pensamos: “Vamos ligar a câmera na televisão”. Estávamos nos assistindo como se fosse um espelho, por isso a gente estava sorrindo. Na hora do “para nossa alegria”, eu acabei entrando muito forte. Minha irmã começou a rir e minha mãe ficou brava. Mas foi sem querer, nunca imaginava mesmo essa repercussão.

Vocês planejam viver de música?
Vamos lançar um CD em maio, que vai ser produzido pela Salluz Productions, uma gravadora gospel. Vamos começar a gravar essa semana. Vai se chamar ‘Para Crianças e Adultos Bem Humorados’. Vão ser músicas bem humoradas.

Já estão conseguindo ganhar dinheiro com o sucesso?
Graças a Deus estão aparecendo convites para a gente cantar, está sendo uma bênção. Eu e minha irmã gostamos muito de cantar. Eu estudo violão e estou aprendendo também guitarra, e Suellen vai começar a fazer aulas de canto.

Você conhece a versão original de ‘Galhos Secos’, feita pelo grupo Êxodos?
Nossos pais conheceram a música através dessa versão. Eu e minha irmã conhecemos pela versão do cantor e produtor Paulo César Baruk. Mas a música é bonita em todas as versões, por isso a gente estava ensaiando para cantar na igreja.

Fonte: O Dia

ESCRAVIDÃO . A HISTORIA QUE NINGUÉM CONTA . ACORDA PARA A VERDADE .

Você sabia que quem escravizava os negros eram os próprios “negros”??? Isso mesmo, no artigo de hoje você vai descobrir como os brancos co...