sábado, 17 de setembro de 2011

Maria pode rogar por nós?

 



Gostaria de começar deixando bem claro que esta foto desta imagem de escultura feita pelas mãos de homens nada tem a ver com Maria, nossa irmã do passado, que foi obediente a Deus e a sua palavra, deu a luz ao Senhor Jesus, nosso Salvador e também Salvador de Maria, Ele sim único Senhor. Nossa irmã Maria como serva de Deus obediente a palavra do Senhor nunca, jamais adorou imagens de escultura, não as carregou em procissão, ela assim como os apóstolos do Senhor Jesus jamais aceitaram serem adorados e venerados, jamais aceitaram que alguém se curavasse diante deles ou que fizessem imagens de escultura em sua homenagem.1 Coríntios
8:6 Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele.

Efésios 4
5 Um só Senhor, uma só fé, um só batismo;
6 Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós.

O Senhor Jesus escolheu 12 varões para iniciar a obra aqui na terra, não vemos em momento nenhum nas escrituras o Senhor Jesus encarregando Maria nossa irmã de alguma coisa mas somente no final do evangelho de João o Senhor recomenda ao apóstolo João que cuide de Maria.

Como lemos nos versículos acima não existe uma nossa senhora, só existe UM SENHOR que é o Senhor Jesus Cristo pelo qual todos devemos ser salvos. Ele sozinho bebeu o cálice da ira de Deus que nos era destinado. Maria nossa irmã não fez isso pois ela mesma era pecadora, como diz a bíblia, todos pecaram e nossa irmã Maria também.

A bíblia nos diz que não podemos servir a dois senhores. Não podemos também servir a um Senhor e uma senhora. Maria não é senhora e nem tampouco tem algo a ver com estas imagens de escultura. Nossa irmã Maria nem sabe o que tem se passado aqui na terra e nem mesmo conhece os que pensam que estão orando para ela.

Eclesiastes 9
5 Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.
6 Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.

Quem morre não participa mais de nada que está aqui na terra, por isso a bíblia diz para orarmos somente ao Senhor pois Ele está vivo !
 
VIA GRITOS DE ALERTA

Igrejas Chinesas Tranbordam de Fiéis aos Domingos

A China vive um crescimento vertiginoso no número de conversões ao Cristianismo, em meio ao crescimento econômico sem precedentes.
Apesar das estatísticas não serem precisas, não há dúvidas de que o número de Cristãos cresce rapidamente. Os números do governo dizem que são 25 milhões de Cristãos, 19 milhões de protestantes e seis milhões de católicos.
Mas fontes extra-oficiais apontam que esses cálculos estão minimizados. Entre as estimativas independentes, as mais conservadoras apontam para uma número em torno de 60 milhões. As informações são da BBC Brasil.
Há fortes indícios ainda de que a Igreja Protestante oficial cresça ainda mais rápido do que a católica. Em uma manhã de domingo de Páscoa, no centro de Pequim, uma igreja celebrou quatro missas. Todas estavam lotadas, com mais de 1.500 fiéis.
Muitos acreditam que aos domingos haja, nas igrejas da China, mais fiéis do que em todas as igrejas europeias somadas. Os novos Cristãos podem ser encontrados em vilarejos no interior e também nas grandes cidades, onde vivem os jovens de classe média.
Com um passado histórico ligado ao comunismo e ateísmo, a estrutura do Cristianismo chinês é complexa. Durante todo o século 20 ele foi associado ao imperialismo ocidental.
Após a vitória dos comunistas, em 1948, missionários cristãos foram expulsos do país, mas o Cristianismo continuou sendo permitido em igrejas aprovadas pelo Estado - desde que essas igrejas se mantivessem fiéis, primeiramente, ao Partido Comunista.
Mas o líder Mao TseTung classificava as religiões como um ‘veneno’. Sob seu comando, a Revolução Cultural das décadas de 1960 e 1970 tentou erradicá-las. Forçados a praticar sua religião em segredo, os Cristãos chineses não apenas sobreviveram. Agora, com seus próprios mártires, os fiéis se multiplicaram em número e fervor.
De acordo com as informações da BBC Brasil, tanto protestantes quanto católicos estão divididos, na China, entre igrejas oficiais e não oficiais.
A estrutura do Cristianismo chinês é complexa. Durante todo o século 20 na China, ele foi associado ao "imperialismo ocidental".
Após a vitória dos comunistas, em 1948, missionários cristãos foram expulsos do país, mas o Cristianismo continuou sendo permitido em igrejas aprovadas pelo Estado - desde que essas igrejas se mantivessem fiéis, primeiramente, ao Partido Comunista.
Para o líder Mao TséTung, no entanto, religiões eram um "veneno". Sob seu comando, a Revolução Cultural das décadas de 1960 e 1970 tentou erradicá-las.
Forçados a praticar sua religião em segredo, os Cristãos chineses não apenas sobreviveram. Agora, com seus próprios mártires, os fiéis se multiplicaram em número e fervor.
Igrejas nos lares
As estatísticas, porém, significam pouco em comparação ao número de fiéis que frequentam as chamadas "igrejas domésticas".
Essas igrejas vêm se espalhando de forma clandestina e incomoda a igreja oficial, que teme uma reação do governo chinês diante do fervor dos fiéis. As autoridades chinesas consideram inaceitável a recusa por parte das igrejas domésticas em acatar qualquer forma de autoridade oficial sobre elas.
O Estado teme a influência do evangelismo americano e, de fato, a liturgia de algumas das igrejas recebem influência daquele país. Mas os movimento das igrejas domesticas demostra ser um fenômeno tipicamente chinês, carismático, cheio de energia, e sobretudo, jovem.
Falando à BBC, uma jovem cristã com bom nível educacional descreveu sua igreja dessa forma: "Temos 50 jovens profissionais nesta igreja. Todos trabalham muito, não têm tempo para atividades sociais".
"Mas na igreja as pessoas sentem um calor, se sentem bem-vindas. Elas sentem que as pessoas as amam de verdade, então querem fazer parte da comunidade, muitos vêm por isso".
Hoje, fala-se muito a respeito de uma "crise espiritual" na China. A frase foi usada até pelo premiê WenJiaoBao. Uma sociedade anteriormente regida por dogmas marxistas e leninistas vêm mostrando ao mundo como um exemplo claro do capitalismo selvagem.
Os mais velhos puderam acompanhar de perto como uma sociedade regida por dogmas marxistas e leninistas se transformou em um modelo dos mais viscerais do capitalismo selvagem.
A questão que tanto incomoda as autoridades é a razão pela qual tantos vêm se voltando para a religião.
Para os jovens que lutam para enriquecer, a confiança nas instituições e a confiança entre indivíduos e entre diferentes gerações está sendo erodida. De acordo com um dos mais importantes filósofos da religião no país, o professor He Guanghu, da Universidade Renmin, em Pequim, para essas pessoas, o culto aos bens materiais tornou-se o único propósito de suas vidas.
"Acho muito natural que muitas outras pessoas não se satisfaçam (...) e saiam em busca de algum significado para suas vidas", disse He Guanghu. "Por isso, quando o Cristianismo entra em suas vidas, elas o agarram com força".

CRISTIAN POST / VIA GRITOS DE ALERTA

Mensagem póstuma via Facebook pode "matar" a máquina

Chega a ser irônico. Um aplicativo para Facebook, que oferece ao internauta a oportunidade de gravar, em vídeo, uma mensagem póstuma, é acusado de nem esperar o falecimento do usuário para “matar” a sua máquina.

Segundo a companhia de segurança BitDefender, quando executado, o “If I Die” (Se eu morrer) instala um programa espião no computador, que rouba senhas e informações pessoais, e as envia a outro endereço.

Além disso, o aplicativo abre as portas do PC, tornando-o presa fácil para quem deseja controlá-lo remotamente, seja por pura pirraça – tirando fotos da vítima e as espalhando - seja para usá-lo como botnet.

A BitDefender é taxativa: Se o usuário baixar o aplicativo, “estará assinando o certificado de óbito de seu computador”. Se o site do software estiver correto, mais de três mil internautas já caíram na armadilha.

O outro lado
Os desenvolvedores do If I Die usaram a própria página no Facebook para se defender. Segundo eles, a companhia de segurança confundiu um scam – golpe propagado por e-mail – com o aplicativo. A mensagem, alegam, se aproveita da crescente popularidade do programa para enganar os usuários. O arquivo baixado a partir dela, porém, não tem nenhuma relação com o legítimo software.

“Portais de notícia que receberam a informação, rapidamente nos julgaram e, erroneamente, nos acusaram”, diz o comunicado. “Nossos advogados entrarão em contato com eles para que admitam o erro”.

O aplicativo ainda está disponível para download e funciona da seguinte maneira: o usuário grava uma mensagem e escolhe três amigos da rede social. Quando todos comunicarem o falecimento do amigo pelo Facebook – há esta opção – o vídeo será postado em seu perfil.

De qualquer forma, é importante esperar um posicionamento da BitDefender antes de experimentá-lo. Caso contrário, a morte da máquina pode chegar antes que você imagina.

Fonte: IDG now

Silas Malafaia responde as declarações de Edir Macedo

O pastor Silas Malafaia respondeu às criticas do bispo Edir Macedo contra as manifestações pentecostais e contra cantores evangélicos

O pastor Silas Malafaia usou seu programa para responder ao Bispo Edir Macedo e outros bispos da Igreja Universal do Reino que falaram nas últimas semanas contra as manifestações pentecostais e contra os cantores evangélicos dizendo que 99% deles são endemoniados.

“Qual é a diferença da arruda da sua igreja e a do centro de macumba? Qual é a diferença do sal grosso da sua igreja e o do centro de macumba? Qual é a diferença da rosa ungida da sua igreja e da do centro de macumba?”, questiona Malafaia falando sobre as campanhas da Igreja Universal.

O pastor assembleiano demonstra indignação ao falar sobre o caso e critica, sem citar nome de igrejas ou líderes, o ponto de vista teológico usado pela IURD. “Você é tão trouxa na tua argumentação, tão fraco que teologicamente vocês são um zero! Eu digo até que vocês entendem de fé, de oração. Eu digo até que vocês entendem um pouco trabalho. Mas de teologia, vocês são analfabetos.”

Malafaia fala contra a Rede Record
Outro tema criticado pelo presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo foi a forma como a IURD fala sobre demônios e também diz que a Rede Record é comandada por principados das trevas. “Os demônios que incorporam pessoas no máximo eles comandam legiões, agora em efésios 6, a partir do versículo10, diz que satanás tem principados, príncipes das trevas, está falando de demônios que comandam principados, esses não incorporam em pessoas, esses comandam a programação da rede de televisão de vocês”.

A crítica se refere ao fato de usar o dinheiro dos membros da igreja para financiar a programação secular que Silas Malafaia caracteriza como “lixo moral financiado por dízimos e ofertas”. Ainda sobre a programação da Record ele cita que a fazenda, que hoje é palco de um reality show, antes era usada para treinamento de pastores.
Jogo comercial de gravadoras

O apresentador do programa Vitória em Cristo também comentou sobre os cantores evangélicos que foram chamados de endemoniados. Na visão do pastor Silas Malafaia, a cúpula da IURD só está falando isso para impedir que os membros de sua igreja comprem os CDs dos cantores que não fazem parte do casting da gravadora ligada à Igreja Universal.

“A gravadora dele não está com nada, a gravadora dele está dando prejuízo há anos, e a Ana Paula [Valadão] gravou por essa grande gravadora dessa grande emissora de TV. O jogo é comercial”, disse Malafaia que ainda concluiu. “É para o povo dele não comprar o CD”.
Ainda sobre esse tema ele fala sobre as rádios que pertencem a IURD, questionando que se 99% dos cantores evangélicos são endemoniados porque as emissoras de rádio da igreja transmitem a música desses artistas em sua programação? Malafaia termina o programa dizendo que não está falando da Igreja, mas dos líderes.

Assista ao vídeo clicando aqui

Fonte: Gospel Prime / VIA GRITOS DE ALERTA

DENUNCIA GRAVE. Líderes usam Igreja Universal para lucrar

Documentos da Receita Federal concluem que os líderes da Igreja Universal do Reino de Deus usam a instituição para lucrar e aumentar o próprio patrimônio.

O Fisco pede que a igreja deixe de ser tratada como entidade religiosa, e passe a pagar impostos como qualquer empresa.

No documento a universal é definida como uma mera geradora de recursos para a montagem de um grupo econômico. O patrimônio da igreja está sendo transformado em patrimônio particular.

Além disso, o documento ressalta que as operações fogem da racionalidade financeira, já que milhões de dólares são emprestados a quem não tem patrimônio, e sem garantias.

Veja a reportagem do Jornal da Band aqui

Fonte: Band / VIA GRITOS DE ALERTA

Com orquestra no altar, Pastor Silas Malafaia completa 53 anos e pastores do mundo inteiro prestam homenagem. Veja o vídeo

Com orquestra no altar, Pastor Silas Malafaia completa 53 anos e pastores do mundo inteiro prestam homenagem. Veja o vídeo
Na última terça-feira, 13/09, foi realizado um culto especial na Assembleia de Deus Vitória em Cristo, em homenagem ao aniversário do Pastor Silas Malafaia, que completou 53 anos no dia 14/09.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
O culto contou com a presença de vários líderes ministeriais, entre eles o pastor Jorge Linhares da Igreja Batista Getsemâni, o pastor Jabes Alencar da Assembleia de Deus do Bom Retiro, Mike Murdock, Pastor e Televangelista parceiro de Malafaia, além de seu irmão, Samuel Malafaia. No culto, estavam presentes ainda familiares e amigos do Pastor.
O Pastor Jorge Linhares o considera como um irmão mais novo e brincando disse esperar que quando mais velho o Pastor Silas não seja um “velho ranzinza”. O Pastor Robb Thompson (Illinois, Chicago) fez um discurso em vídeo que foi mostrado durante o culto. “Estou muito feliz de participar de poder fazer parte dessa celebração… Obrigado por doar sua vida pelas pessoas. Nós queremos te honrar, e celebrá-lo hoje, pois Deus o trouxe aos seus 53 anos”, afirmou Thompson, que é amigo pessoal de Malafaia.
Já o Pastor Mike Murdoch cantou “Happy Birthday… to you” e disse que sempre que está na presença de Silas Malafaia, percebe algo diferente que todos do mundo deveriam ter. O deputado Samuel Malafaia, “mano” do pastor, mandou um “beijo na careca”, além dele a sogra, o pai, mãe e esposa do líder da Igreja Vitória em Cristo também deixaram seus parabéns no vídeo.


No culto de aniversário houve também uma grande homenagem da orquestra da Assembléia de Deus Vitória em Cristo. Vestindo quiltes (vestimenta tradicional escocesa que consiste em uma saia quadriculada utilizada por homens) a orquestra tocou no altar em homenagem a Silas Malafaia o hino “Segura na Mão de Deus” na presença do pastor. Confira abaixo:


Fonte: GOSPEL +  / VIA GRITOS DE ALERTA

SERIA FALTA DE SABEDORIA ? SP: homem é resgatado de mata após jejum religioso de 10 dias

Fiel em momento íntimo de oração no monte - Wania Corredo
IMAGEM ILUSTRATIVA
Um homem de 30 anos que fazia jejum havia 10 dias foi resgatado pelo Corpo de Bombeiros no interior de uma mata fechada entre os bairros Tamboré e Imperial, em Barueri, na Grande São Paulo, na noite desta sexta-feira. Segundo a coordenadora do resgate, tenente Catarina Sanches Prestes, o homem fazia um retiro religioso no local, mas, se sentindo debilitado no 10º dia sem comida nem bebida, telefonou para a irmã em busca de ajuda.
"Ele trazia uma agenda na mochila onde ia marcando os dias de jejum. Contamos dez. A cada novo dia, ele escrevia também versículos da Bíblia", disse Catarina, para quem a irmã do resgatado afirmou que ele é evangélico.
O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 18h20, após o Centro de Operações da corporação informar a existência de uma vítima em uma mata cortada por trilhas para a prática de motociclismo. A Polícia Militar estava com a ocorrência desde as 17h30, mas tinha dificuldades em acessar o local. O homem só foi encontrado após uma hora de caminhada em terreno acidentado. "Fomos com a polícia e avistamos uma fogueira, que a própria vítima tinha feito com os livros que trazia na mochila. Tentamos chegar no local com viaturas, mas foi impossível", narra Catarina.
Ao checar os sinais vitais do religioso, os bombeiros constataram que ele estava desidratado. "Ele estava totalmente debilitado, conseguia apenas balbuciar algumas palavras. Era um local mais ou menos plano. Tentamos resgatá-lo com o (helicóptero) Águia, mas não havia teto. Havia clareira, mas o nevoeiro impediu o socorro aéreo", afirma a tenente. O homem acabou sendo carregado a pé, tendo sua barraca improvisada como maca. De acordo com a tenente Catarina, a irmã da vítima informou que o homem já havia feito jejum por 48 horas em outra ocasião. Ele foi avaliado por um médico e transportado pelos Bombeiros para o Hospital Regional de Osasco.

TERRA / VIA GRITOS DE ALERTA

Convenção Batista Nacional promoverá ‘Café de Pastores’ EXPOCRISTÃ na manhã do dia 23/09

Convenção Batista Nacional promoverá ‘Café de Pastores’ EXPOCRISTÃ na manhã do dia 23/09A EXPOCRISTÃ 2011 presenteará a líderes e pastores mais uma vez com um grande evento.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
A Convenção Batista Nacional (CBN) promoverá, no dia 23 de setembro, o Café de Pastores no Espaço Cultural da EXPOCRISTÃ. O evento, marcado para as 9h da sexta-feira, reúne lideranças, pastores e obreiros de todo o Brasil.
“Será um grande prazer receber a todos neste evento. Convidamos a todos os colegas de ministérios e pastores da Convenção Batista para mais este evento. Será um momento de comunhão e celebração, num momento em que acreditamos ser de extrema importância, que é o mês de mais uma EXPOCRISTÔ comunica por meio da assessoria de imprensa, o pastor presidente Salim Buassali Neto, um dos organizadores do Café.
Tanto Salim Buassali quanto membros e diretores da CBN comemoram a unidade promovida através da EXPOCRISTÃ. A expectativa que líderes da Igreja, entre eles o ex-presidente da CBN, Eneas Tognini, que influenciou e formou líderes de diversas denominações da igreja evangélica no Brasil, participem deste grande encontro.

 EXPOCRISTÃ / VIA GRITOS DE ALERTA

Pastor Marco Feliciano denuncia site UOL por disponibilizar pornografia gay grátis a qualquer um

Pastor Marco Feliciano denuncia site UOL por disponibilizar pornografia gay grátis a qualquer umEm pronunciamento o Deputado Pr. Marco Feliciano-PSC/SP – na Sessão da Câmara dos Deputados na tarde desta terça-feira (13/09/2011) – informa irregularidades encontradas no “SITE UOL”, os denunciado de atentado ao pudor.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Feliciano sugere que o site proteja seu conteúdo, evitando assim que menores de idade e de pessoas que não tenham interesse em tal assunto, acessem a este sem intenção.
“Faço uso desta tribuna para denunciar graves irregularidades que constatei no Site UOL. Fui procurado em meu gabinete por um jovem rapaz informando que ao acessar o referido Site e clicar no índice do portal, na letra G, onde se referia a alusões Gay, tal foi seu espanto ao encontrar sem uso de qualquer senha, ou seja, podendo ser acessado por crianças da mais tenra idade, fotos de homens nus, em atitudes flagrantemente eróticas.” Escreve o deputado em seu site.
Foi constatado que as imagens se tratavam de um material publicitário de uma revista direcionada ao público gay, no entanto, Feliciano acionou a Policia Legislativa desta Casa para as providencias cabíveis, ”Se tal revista só tem autorização para ser vendida nas bancas com encarte que proteja seu conteúdo, evitando-se a visão para pessoas menores de idade e de pessoas que não tenham interesse em tal assunto, quanto mais num Site com livre acesso.”
“Notificarei os órgãos de fiscalização pertinentes para que urgentes medidas sejam tomadas para retirar o conteúdo do ar, o mais rápido possível.” Conclui o deputado em defesa das famílias.
Confira no vídeo abaixo o pronunciamento feito na Sessão da Câmara dos Deputados:


Fonte: GOSPEL +  / VIA GRITOS DE ALERTA

O cristão e o dinheiro

A Bíblia não ensina que há virtude na pobreza, nem pecado na riqueza. O que a Bíblia condena não é a quantidade de riqueza, mas antes, a atitude errada para com ela.

Toda a vida dos cristãos está sob o senhorio de Jesus Cristo. Isso inclui questões financeiras, tem implicações na atitude diante da riqueza e da pobreza. Não é surpresa, então, que os assuntos econômicos sejam importantes nos ensinamentos da Bíblia e na ética social da igreja cristã.

Encontramos na Bíblia uma ambivalência fundamental com relação ao dinheiro. Em alguns contextos, especialmente no Velho Testamento, ele é apresentado de forma bem positiva. O texto fala que Abraão “tinha enriquecido muito, tanto em gado como em prata e ouro” (Gênesis 13.2). Jó era muito rico e Salomão recebeu riqueza e honra sem igual entre os reis que viveram na mesma época que ele (1 Reis 3:13). Provérbios diz que “a bênção do Senhor traz riqueza” (10:22); e apresenta uma ética de trabalho simples: “As mãos preguiçosas empobrecem o homem, porém as mãos diligentes lhe trazem riqueza” (10:4).

Claro que o Velho Testamento apresenta advertências quanto à riqueza. Nunca podemos perder a sua fonte: “Lembrem-se do Senhor, o seu Deus, pois é Ele que lhes dá a capacidade de produzir riqueza” (Deuteronômio 8.18). Jamais devemos colocar na riqueza nossa confiança. O salmista escreveu que Deus trará destruição completa ao “homem que rejeitou a Deus como refúgio; confiou em sua grande riqueza” (Salmos 52:7). Além disso, a obrigação de cuidar dos necessitados acompanha a aquisição de bens: “Quem trata bem os pobres empresta ao Senhor” (Provérbios 19.17). As determinações do Velho Testamento sobre dízimo, o sábado e jubileu serviam, em parte, para lembrar aos israelitas que a riqueza deles pertencia, no final das contas, a Deus e que deveriam usá-la para a glória dele.

A imagem do dinheiro muda no Novo Testamento, que enfatiza a chegada do reino de Deus com a vinda de Jesus Cristo. A ênfase maior passa a ser nos aspectos negativos. Jesus abordou várias vezes o assunto. Na parábola do rico insensato (Lucas 12.19), mostrou a tolice de ser rico materialmente e pobre diante de Deus. Condenou a atitude idólatra de quem se relaciona com o dinheiro como deus: “Nenhum servo pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará outro, ou se dedicará a um e desprezará outro. Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro” (Lucas 16.13). Jesus lembra que o dinheiro foi criado por Deus e não pode assumir a liderança de nossa vida; precisamos buscar em primeiro lugar o reino de Deus e todas as outras coisas nos serão acrescentadas (Lucas 12.31). A riqueza facilmente nos conduz à tentação de dedicarmos atenção para as coisas deste mundo, afastando-nos de Cristo e de seu reino. Na parábola do semeador, a riqueza sufocou a palavra e impediu-a de frutificar (Mateus 13.22). Por isso, é difícil um rico se converter (Mateus 19.23-24). Os pobres estão em vantagem, não apenas por serem pobres, mas porque não têm como confiar em seus próprios recursos e, assim, estão mais prontos a se submeter ao senhorio de Cristo.
Esses ensinamentos de Jesus se refletem no restante do Novo Testamento, onde somos avisados de que “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” (talvez a declaração bíblica mais conhecida sobre o assunto). Para Paulo, o oposto de cobiça é contentamento, aspecto fundamental da vida cristã (Filipenses 4.12).

Finalmente, a verdadeira riqueza deve ser encontrada na salvação em Jesus Cristo, descrita muitas vezes na Bíblia em termos econômicos. Os pobres deste mundo foram escolhidos para serem “ricos em fé” e “herdarem o Reino” (Tiago 2.5). Paulo descreveu seu ministério: “pobres, mas enriquecendo muitos outros; nada tendo, mas possuindo tudo” (2 Coríntios 6.10). Logicamente, podemos concluir que Paulo afirma que somos ricos porque Jesus se tornou pobre (2 Coríntios 8.9). O que a Bíblia ensina sobre o dinheiro, então, possui dois aspectos: ele é um presente de Deus, sinal de sua bênção. Mas não pode se tornar um deus para nós. A Bíblia não prega o ascetismo, ou seja, não vê virtude inerente à pobreza, nem pecado inerente à riqueza. Mas nos ensina que a verdadeira riqueza é a espiritual, não a material.

Como a Igreja Primitiva via a questão
Como os ensinamentos bíblicos sobre o dinheiro têm sido interpretados durante a história da Igreja? A Igreja Primitiva em geral era pobre. Ensinava a indiferença e o desapego diante das coisas deste mundo, em parte por causa da expectativa escatológica da consumação iminente do reino. Pouco a pouco, desenvolveu desconfiança diante da riqueza e exaltação da pobreza.

Porém, a Igreja Primitiva não era comunista ou socialista como muitos já afirmaram. Os líderes perceberam a tensão entre a afirmação da pobreza na Bíblia e as exigências radicais do amor cristão. Aceitavam a propriedade privada e a atividade comercial, embora as considerassem instituições surgidas depois da Queda, acomodações ao pecado humano e, por isso, proibidas aos membros do clero. E as advertências quanto aos perigos da riqueza eram constantes, assim como as instruções aos ricos para aliviarem o sofrimento dos pobres através de atos de caridade. A propriedade privada deveria ser usada para beneficiar os outros. Policarpo de Esmirna disse: “Quando estiver ao seu alcance fazer o bem, não deixe de fazer, porque as esmolas libertam da morte”.

Entretanto, não pensavam que a Bíblia se opunha totalmente à riqueza. O que ela condena não é a quantidade de riqueza, mas antes a atitude errada para com ela.

Agostinho escreveu, em seu comentário sobre o Salmo 72, que a cobiça é um pecado que ataca o pobre tanto quanto o rico: “Não é uma questão de renda e sim de desejo. Observe o rico ao seu lado; talvez tenha muito dinheiro, mas não é avarento; você, no entanto, não tem dinheiro, mas é muito avarento”. A mesma idéia ecoou no sermão “Quem é o rico que será salvo?”, de Clemente de Alexandria. Ele declarou que o rico da parábola, que não se preocupa com seu sustento, pode ser menos ganancioso do que o pobre e, assim, estar mais perto da salvação. Não somos obrigados a concordar com a exegese dele para afirmar que a advertência bíblica contra o amor ao dinheiro se aplica tanto a pobres quanto a ricos.

De modo geral, os Pais da Igreja se concentraram em questões financeiras pessoais e não trataram de questões amplas de justiça econômica. A exceção notável foi sobre a condenação da usura. Eram contra qualquer cobrança de juros em empréstimos. Consideravam as proibições do Velho Testamento válidas (Deuteronômio 23.19) e os ensinamentos do Novo Testamento sobre o amor eram incompatíveis com a cobrança de juros (“emprestem... sem esperar receber nada em troca” - Lucas 6.35). Atanásio ensinava que a usura era um pecado tão grave que quem a praticava perdia a salvação. Ambrósio concordou com ele e escreveu: “Se alguém pratica a usura, rouba e não possui mais a vida”.

Com a proibição da usura, os Pais da Igreja visavam proteger especialmente os pobres, mais inclinados a pedir empréstimos. Os que emprestavam muitas vezes os levavam à escravidão ou ao suicídio. Os Pais da Igreja não lidavam com o aspecto moral nos casos em que o devedor era o beneficiado com o empréstimo.

A Igreja medieval desenvolveu e institucionalizou o pensamento cristão sobre o dinheiro. O movimento ascético da Igreja antiga encontrou apoio no dualismo natureza-graça presente no pensamento de Tomás de Aquino. O dinheiro era considerado não-espiritual, produto do mundo decaído. Qualquer riqueza superior ao mínimo necessário para a sobrevivência era tida como contrária à verdadeira espiritualidade (oposta à matéria) e a pobreza, como necessária para se alcançar perfeição espiritual. Tomás de Aquino refletia a antipatia dos pais da Igreja pela atividade comercial, vendo nela “um toque desprezível”, especialmente quando envolvia a prática da usura.

Começamos a ver, na Idade Média, esforços legislativos da Igreja no sentido de minimizar o problema da pobreza. Os concílios elevaram a prática de doações quase como um imposto. Os membros eram obrigados a entregar aos bispos um décimo de sua renda com a finalidade específica de ajudar os pobres.

A Doutrina dos Reformadores sobre o dinheiro
A Reforma redescobriu a doutrina da justificação pela fé, e isso causou um impacto importante na interpretação das questões econômicas. Os reformadores rejeitaram a glorificação da pobreza. Os movimentos monásticos haviam iniciado como obras de caridade, mas se transformaram em meio de buscar a salvação. A justificação pela fé ensinava que a salvação é o fundamento, não o alvo, da vida cristã. Portanto, não havia qualquer valor para a salvação em ser pobre nem em dar esmolas. Os reformadores não negavam as advertências da Bíblia quanto à riqueza (Lutero defendia a necessidade de três conversões: a do coração, a da mente e a do bolso). Mas, apesar disso, não recomendavam a pobreza material. Calvino escreveu que esta é tão perigosa para o espírito quanto a riqueza: “À direita encontram-se, por exemplo, riqueza, poder e honra, que costumam abafar a percepção dos homens com o brilho e a aparente bondade que apresentam, e os enganam com agrados, de modo que, presos por essas armadilhas e embriagados por essas doçuras, acabam se esquecendo de Deus. À esquerda estão, por exemplo, pobreza, desgraça, desprezo, aflições e coisas semelhantes. Frustrados pelas lutas e dificuldades, tornam-se desesperados na mente, afastam toda segurança e esperança e, por fim, se afastam completamente de Deus”.

Os reformadores também abandonaram o antimaterialismo de Tomás de Aquino, que servia de base à rejeição da riqueza na Idade Média. Tomás de Aquino ensinava que o dinheiro surgira como conseqüência da Queda, mas Calvino o considerava sob um aspecto mais positivo, como parte da criação, da “ordem natural”, veículo para facilitar a comunicação humana. Portanto, o uso errado do dinheiro era uma corrupção da ordem da natureza.

Calvino foi o primeiro teólogo a questionar o ensinamento escolástico sobre a usura. Para ele, a proibição absoluta da cobrança de juros se relacionava mais a uma visão aristotélica do dinheiro do que ao testemunho bíblico. O dinheiro não era uma unidade estática de troca (como Aristóteles defendia), mas uma ferramenta dinâmica para criação da riqueza. Como havia possibilidade de quem pedia empréstimo ter lucro com o dinheiro, os argumentos contra a usura perdiam um pouco a força. Mas Calvino não a defendeu por completo, fez distinção entre a legal e a ilegal. Esta seria a prática profissional que, invariavelmente, oprimia os pobres e deveria ser banida da Igreja, insistia Calvino: “Não podemos enriquecer à custa de outros”. Mas a usura seria legal, e inclusive necessária, nos contextos comerciais. Os reformadores não viam incompatibilidade entre atividade comercial e vida cristã. Calvino se limitava a insistir que a Regra de Ouro deveria controlar os negócios. Wesley aconselhava os crentes a fazerem seus negócios para a glória de Deus: “Ganhe o máximo que puder, poupe tudo que conseguir e dê tudo que for possível”.

Dissidência anabatista
Apesar do consenso da visão positiva sobre o dinheiro na Reforma, os anabatistas se colocaram como importante voz dissidente. Na economia, como em outros assuntos, consideravam que os reformadores não tinham avançado até o ponto necessário. Menno Simmons criticava os reformadores por não cuidarem dos pobres da forma devida, fato que segundo ele, deixaria o evangelho “muito fácil” e o sacramento reduzido a um “mero partir do pão”.

É triste, uma hipocrisia intolerável, que esses infelizes se gabem de ter a Palavra de Deus, de ser a verdadeira igreja cristã e nunca se lembrem que perderam por completo a marca do verdadeiro cristianismo. Muitos possuem muito de tudo, andam em seda e veludo, ouro e prata e todo tipo de pompa e esplendor; enfeitam a casa com móveis caros; têm o cofre cheio e vivem em luxo e esplendor. Mesmo assim, impelem os membros pobres e aflitos, a pedirem esmolas e os carentes, famintos, idosos, aleijados, cegos e doentes a mendigar o pão em suas portas (Menno Simmons).

Para Simmons, o evangelho implicava em uma obrigação radical de cuidar dos pobres: “Se alguém tiver recursos materiais e, vendo seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode permanecer nele o amor de Deus?” (1 João 3:17).

A maioria dos anabatistas aceitava a propriedade privada, mas alguns renunciavam completamente a posse de bens. Os seguidores de Ulrich Von Hutten praticavam a “comunhão dos bens”, adotaram um tipo de “comunismo cristão”. As palavras de Ulrich Stadler revelam como a posse de bens parecia destrutiva aos olhos deles: “um, comum edifica a casa do Senhor e é puro, mas meu, teu, dele, próprio divide a casa do Senhor e é impuro. Assim, onde existe propriedade e uma pessoa a possui, e é dela, que não deseja ser uma com Cristo e pertencer a Ele na vida e na morte, está afastada de Cristo e de sua comunhão e não tem um Pai no céu”.

A Ética puritana
Porém, os anabatistas eram uma minoria perseguida, com influência limitada. Enquanto isso, os puritanos trouxeram o legado econômico da Reforma para o Novo Mundo. Seguiam uma ética de trabalho, moderação e vida simples. Ironicamente, essa ética acabava produzindo grande riqueza. A semelhança entre a ética de trabalho dos puritanos e a ética profissional do capitalismo levou o sociólogo Max Weber a criar a tese de que a teologia da Reforma, em especial do Calvinismo, deu origem ao capitalismo. Em seu famoso livro A ética protestante e o espírito do capitalismo, ele afirmou que as virtudes calvinistas da frugalidade, honestidade e economia produziram um “ascetismo deste mundo” que substituiu o “ascetismo do outro mundo” medieval e gerou acúmulo de riquezas.

A tese de Weber atrai, mas Calvino advertia contra o perigo de se ver a riqueza como sinal automático da eleição divina. Não devemos tentar esquadrinhar os mistérios da providência de Deus. Afinal, a sua graça não faz diferença entre as pessoas, e Ele concede riquezas aos pagãos. Os puritanos, também, não viam nenhum mérito inerente à riqueza. Ela costumava ser encarada com muito cuidado. Richard Baxter avisou: “onde o mundo colocou os bens no coração, nos tornamos falsos para com Deus e o semelhante, infiéis no chamado e falsos para com a própria religião”. Os puritanos tinham convicção profunda de que as riquezas podiam afastar a pessoa de Deus. Cotton Matter escreveu, comentando o materialismo de sua época: “A religião gerou a prosperidade e a filha devorou a mãe”.

Críticos de Weber se inquietam por encontrar no calvinismo uma legitimação do capitalismo; alguns vêem uma correlação oposta entre o crescimento do capitalismo e o declínio do calvinismo. Na era pós-Reforma, o capitalismo secularizou a ética calvinista. O protestantismo se tornou sinônimo de classe média respeitável e as virtudes cristãs se confundiram com os valores burgueses. A era pós-Reforma abandonou o pensamento social revolucionário dos Reformadores. Em vez de buscar soluções estruturais para a pobreza, característica da Reforma, o protestantismo voltou ao modelo de caridade pessoal da Igreja Primitiva. Os esforços para amenizar a situação das vítimas econômicas da industrialização em geral não tiveram como alvo mudanças estruturais na sociedade.

Economia cristã no continente americano
Para os evangélicos dos Estados Unidos, o problema da pobreza se vincula à questão de relacionar evangelismo e ação social. No século 19, o império evangélico não via conflito e a igreja se dedicava a ambas atividades. O historiador Timothy Smith afirma que evangélicos que defendiam a Reforma uniam, com sucesso, esforços espirituais e sociais: “O impulso de ganhar almas impeliu os cristãos a realizar esforços sistemáticos para aliviar o sofrimento dos pobres que moravam nas cidades”. Na virada do século, contudo, pré-milenistas pessimistas consideravam a reforma social uma causa perdida. Mais uma vez, a caridade se tornou privatizada e, nas igrejas, a ênfase voltou a ser o evangelismo. Dwight L. Moody, por exemplo, defendia que a conversão dos indivíduos era a maior esperança de mudança social. A partir da metade do século 20, os evangélicos têm considerado a indiferença diante da ação social uma característica dos fundamentalistas, mas continuam a existir debates sobre como a Igreja pode tratar melhor da pobreza e de outras questões sociais.

No cristianismo contemporâneo, grande parte da atenção nos debates sobre questões econômicas enfoca as raízes estruturais da riqueza e da pobreza. Alguns autores renunciam à preocupação tradicional com a atitude diante da riqueza e consideram a quantidade de riqueza um pecado nesse mundo de diferença cada vez maior entre ricos e pobres. Os efeitos desiguais da industrialização, o empobrecimento do Terceiro Mundo e o hedonismo grosseiro do consumismo ocidental levou essas pessoas a buscarem solucionar o problema da pobreza através da distribuição da riqueza. Walter Rauschenbusch, com o movimento do Evangelho Social, tentou reformar o capitalismo laissez-faire dominante nos Estados Unidos no século 19 colocando as estruturas econômicas sob a “lei de Cristo” e não da “lei de Mamom”. A visão dele era estabelecer uma era de justiça econômica, caracterizada por salários justos, poucos desempregados e redistribuição da riqueza.

Mais recentemente, e mais radical, a teologia da libertação atribuiu a fonte da pobreza do Terceiro Mundo à riqueza ocidental. Segundo essa linha, o dinheiro não é neutro, mas pode assumir caráter demoníaco, sendo um dos “principados e potestades” das trevas que lutam contra o reino de Deus. Assim, os ricos são os opressores deste mundo e os episódios bíblicos do Êxodo e da Encarnação (Lucas 4), modelos para ação revolucionária: Deus agindo decisivamente para depor os poderosos e libertar os pobres. Muitos teólogos da libertação condenam a propriedade privada e geralmente possuem visão utópica de uma sociedade onde a ética do reino sobrepuja o egoísmo humano.

Enquanto o evangelho social e a teologia da libertação recomendam mudanças econômicas socialistas, outra corrente de pensamento defende uma “teologia da libertação alternativa” no capitalismo democrático. Essa corrente vê falhas na atitude negativa para com o dinheiro e na pressuposição básica da redistribuição (os pobres são pobres porque os ricos são ricos). Aponta as virtudes da produtividade e o sucesso das sociedades capitalistas na elevação do padrão de vida, e encontra esperança para os pobres na criação de mais riqueza. Essa escola de pensamento prefere modelos de desenvolvimento em lugar de libertação. E considera a visão da teologia da libertação irreal: o máximo que os cristãos podem esperar neste mundo é controlar o egoísmo e não erradicá-lo.

O debate atual e as tensões na história da interpretação nos fazem lembrar os dois aspectos do testemunho bíblico sobre o dinheiro. Embora ele seja uma bênção de Deus, o amor a ele é pecado. Na atitude pessoal diante da riqueza, as duas idéias se harmonizam no conceito bíblico de mordomia. Na mordomia, o dinheiro é recebido como presente de Deus, mas a pessoa não pode esquecer que tudo que possui pertence, no final das contas, a Deus. O dinheiro nos é confiado por algum tempo, e seremos obrigados a prestar contas sobre como vamos usá-lo.

O teólogo presbiteriano Robert Dabney, do sul dos Estados Unidos, escreveu que a mordomia exige do cristão a utilização da riqueza da forma mais eficiente que puder: “É sua obrigação usar cada parte de seus bens da melhor maneira possível em suas circunstâncias. Se houver outro caminho a nosso alcance em que nosso dinheiro poderia ter produzido bem maior e mais honra a Deus, e nós o gastamos em algo inocente, mas nem tão benéfico ao serviço dele, falhamos em nosso dever. Pecamos”. Dabney oferece um teste simples para avaliar a forma como usamos o dinheiro de Deus: Tornamo-nos servos de Deus mais eficientes quando usamos o dinheiro?

Fonte: Cristianismo Hoje / VIA GRITOS DE ALERTA

Pregadores Mirins: Resultado de Fanatismo dos Pais?

Que brincar, que nada! O que Tipton, Matheus e Terry gostam mesmo é de pregar.
pregador-mirim-terry
(Foto: Divulgação)
Terry chamado de “o pastor mas jovem do mundo”.
A frase é do documentário “Bastidores: Pregadores Mirins”, exibido pelo canal a cabo NatGeo, que mostra o dia-a-dia de crianças na idade de 4 a 12 anos que já são consideradas profetas.
 
A série “Fé Extrema” descreve como cada um deles usa sua fé para converter os pecadores do mundo, segundo o F5.
Considerado “o pregador mais jovem do mundo”, o americano Tipton, de 4 anos, ainda não sabe ler nem escrever.
Matriculado na pré-escola, Tipton no púlpito da igreja de seu pai em Granada, Mississipi - de uma forma muito parecida com muitos evangelistas - grita e agita os braços, saltando e enxugando a testa com um lenço.
Seu pai, o pastor Damon Tipton, de Os Pentecostais de Granada desde 2008, acredita o filho não somente imita seus gestos, mas também possui um chamado.
"Sim, as crianças absorvem tudo o que você colocar na frente delas. Ele tem estado em torno do ministério", disse ele ao programa norte-americano Today. "Mas sinto que a mão de Deus está sobre ele de uma maneira especial".
Os pregadores mirins têm gerado polêmica sobre a conveniência e propriedade de deixá-los tomar os púlpitos.
KanonTipton possui diversos vídeos no YouTube, e tornou-se uma sensação com sua pregação petencostal
"Sou um Cristão e sério, isso não é bonito. O garoto é adorável, mas pregação imitada não é", disse o usuário do YouTube anapier2006.
O Bispo David Tipton, Jr., Superintendente Distrital de Mississipi da igreja United Pentecostal ChurchInternational, afirmou que concorda com ele.
Respondendo às críticas de que Kanon é muito jovem para pregar a uma congregação, o Pastor Damon Tipton disse ao programa Today: "Tudo o que temos feito é o envolvê-lo na igreja. Ele mesmo tem esta paixão. Não estamos forçando-o".
Kanon não prega o tempo todo, apenas quando inspirado.
"O Senhor está aqui esta noite e seu nome é Jesus!" prega o jovem, à medida que a congregação bate palmas e responde em apoio. "Há um só Deus!" Kanon diz que gosta de ficar e pregar na frente da congregação como ele vê o seu "papai pregar o tempo todo".
Terry, por sua vez é chamado de “o pastor mas jovem do mundo”. Alguns fiéis acreditam que ele possua o dom de curar doentes.
Já Matheus, que mora no Rio de Janeiro, viaja pelo Brasil convertendo ladrões, narcotraficantes e criminosos em novos adeptos.
De acordo com o F5, o documentário explora até que ponto essas crianças são resultado de pais fanáticos e congregações que esperam por ver milagres a qualquer custo.

CRISTIAN POST / VIA GRITOS DE ALERTA

Governo Devolve Propriedades para Cristãos

O governo da Turquia está retornando centenas de propriedades confiscadas de minorias cristãs e judaicas do país nos últimos 75 anos, em resposta ao gesto de grupos religiosos que se queixam de discriminação que também é passível de impedir decisões judiciais possíveis contra o país.
Um decreto do governo publicado sábado retorna bens que pertenceram à gregos, armênios ou judeus e prevê o pagamento de uma indenização por parte do governo para qualquer propriedade confiscada que já tenha sido vendida.
As propriedades incluem um antigo hospital, orfanato ou edifícios escolares e cemitérios. Seu retorno é uma exigência fundamental da União Européia e uma série de processos judiciais também foi movida contra a Turquia de maioria muçulmana no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. No ano passado, o tribunal ordenou que a Turquia devolvesse um orfanato para o Patriarcado Grego Ortodoxo.
O Governo de Erdogan de raízes islâmicas, procurando promover as liberdades religiosas, se comprometeu a resolver os problemas das minorias religiosas. Nos últimos anos, alterou as leis para permitir o retorno de algumas das propriedades, mas as restrições permaneceram e a questão sobre como resolver o problema das propriedades que foram vendidas a terceiros foi deixado sem solução.
Minorias religiosas muitas vezes se queixaram de discriminação na Turquia, que tinha histórico de conflito com a Grécia e com armênios acusando as autoridades turcas de tentar exterminá-los no início do século passado. A Turquia diz que os assassinatos em massa naquela época eram o resultado do caos da guerra, em vez de uma campanha sistemática de genocídio. Poucos membros de minorias foram capazes de ocupar cargos de topo na política, no militar ou no serviço público.
Fonte: Persecution

O QUE SIGNIFICA 5777--"LEI PERFEITA, LEI DA LIBERDADE"

(TG 2:8; 1:25)(ler -2 Co 3:16 a18)."SE CRISTO VOS LIBERTAR SEREIS VERDADEIRAMENTE LIVRES."(JO 8:36)-- Para que...