sexta-feira, 17 de junho de 2011

GOLPE PURO -Site cobra R$54 por mês para orar e perdoar pecados de vivos e mortos

O serviço tem convênio com quatro igrejas ortodoxas, e o assinante terá de optar por uma delas. Site e igrejas dividem entre si o dinheiro arrecadado.
O Christian Post repercutiu a informação com Father iulian Anitei (sic), sacerdote do credo ortodoxo em Houston, Estados Unidos. Ele disse que o site não tem a aprovação da Igreja Ortodoxa da Romênia e questionou a seriedade dos líderes religiosos que se associaram à iniciativa da oração on-line por perdão de pecados.
“O que sei é que os líderes ortodoxos romenos não estão de acordo [com o site], porque são muitos tradicionais”, disse.
Contudo, Anitei confirmou ser comum as igrejas ortodoxas receberem dinheiro de fiéis que pedem orações para obter determinadas graças, mas a contribuição não é obrigatória.
O professor Craig J. Hazer, da Universidade Biola, uma instituição cristã que fica da Califórnia, disse que a cobrança por orações não está de acordo com os ensinamentos de Jesus e dos apóstolos.
Anitei afirmou que, diferentemente do que o site dá a entender, “não é que fiéis esperam de Deus perdão de seus pecados porque deram dinheiro, mas é uma maneira de expressar a sua profunda fé”.



Fonte: Paulopes

Evangélico, relator de processo que pode cassar mandato de Jair Bolsonaro diz que religião não influência na decisão

embro da Frente Parlamentar Evangélica e relator do processo disciplinar contra Jair Bolsonaro (PP-RJ), o deputado federal Sérgio Britto (PSC-BA) afirma que o posicionamento religioso de sua bancada não influenciará seu parecer sobre as representações apresentadas pelo Psol. Bolsonaro responde, no Conselho de Ética da Câmara Federal, por suas frases preconceituosas, acusadas de incitar a violência contra negros e gays.
- Eu tenho a minha crença. Esse é um ponto pacífico. Eu não admito que ninguém possa falar mal de nenhum ser humano (…) Agora, sobre a minha crença… Tenho um ponto pacífico, mas a minha religião também não permite que haja discriminação de qualquer tipo – garante o deputado do PSC.
Britto promete apresentar o relatório prévio em 29 de junho. A partir de seu parecer, o Conselho votará pela continuidade do processo. Nesta quarta-feira (15), instaurou-se uma ação contra Bolsonaro, englobando duas representações: a primeira, por causa da entrevista do militar reformado ao programa “CQC”; a segunda, por insultos trocados com a senadora Marinor Brito (Psol-PA), em maio.
No “CQC”, provocado por uma pergunta da cantora Preta Gil, sobre o que ele faria se seu filho namorasse uma negra, Bolsonaro reagiu: “Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco, e meus filhos foram muito bem educados e não viveram em um ambiente como, lamentavelmente, é o teu”. Vinte deputados moveram um processo por racismo.
- Vamos observar tanto a imunidade dele quanto os direitos do outro, os deveres e os direitos individuais – diz o relator.


G+

TRAIDORA DOS EVANGELICOS - Marta Suplicy revela: PLC 122 deve entrar em votação em breve

Segundo Marta, o relatório está sendo elaborado em conjunto com diversos setores, como lideranças religiosas e Associação de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (ALGBT).
Marta Suplicy garantiu que no texto será incluída a proibição da incitação à violência contra os LGBTs nos moldes da Lei no 7.716/89 que define e pune os crimes de preconceito de raça ou de cor
“Os entendimentos estão avançando a passos rápidos. É impossível não criar algo que cerceie a violência. Por exemplo, na internet, uma pessoa pode usar um blog para incitar hostilidades contra homossexuais e nós não podemos fazer nada. Enquanto, se ela fizer o mesmo em relação ao racismo, ela será criminalizada. Então, porque se pode proteger tantos grupos e não proteger os LGBTs?”, reclamou a senadora.
O PLC 122/06 está há cinco anos tramitando no Congresso Nacional e, há quatro anos está em discussão no Senado, onde pressões de setores ligados às igrejas têm dificultado sua aprovação.
No início do mês, a senadora Marta Suplicy teve de retirar o projeto de combate à homofobia da pauta de votação da CDH na tentativa de fechar um acordo com os senadores ligados às igrejas evangélicas.



Fonte: Vermelho
CO  ACRESCIMO VIA GRITOS DE ALERTA 

FINAL DOS TEMPOS - Missionária Lana Houder e companheira pastora lésbica afirmam que pregarão a Palavra de Deus na Parada Gay

“A história da Parada Gay é muito bonita, mas perdeu seu motivo original”, diz Lanna Holder. Para a pastora, há no movimento promiscuidade e uso excessivo de drogas. “A maior concepção dos homossexuais que estão fora da igreja é que, se Deus não me aceita, já estou no inferno e vou acabar com minha vida. Então ele cheira, se prostitui, se droga porque já se sente perdido. A gente quer mostrar o contrário, que eles têm algo maravilhoso para fazer da vida deles. Ser gay não é ser promíscuo.”
As duas pastoras vão se juntar a fiéis da igreja e a integrantes de outras instituições religiosas para conversar com os participantes da parada e falar sobre a união da religião e da homossexualidade. Mas Lanna diz que a evangelização só deve ocorrer no início do evento. “Durante [a parada] e no final, por causa das bebidas e drogas, as pessoas não têm condição de serem evangelizadas, então temos o intuito de evangelizar no início para que essas pessoas sejam alcançadas”, diz.
Leandro Rodrigues, de 24 anos, um dos organizadores da Parada Gay, diz que o evento “jamais perdeu o viés político ao longo dos anos”. “O fato de reunir 3 milhões de pessoas já é um ato político por si só. A parada nunca deixou de ser um ato de reivindicação pelos direitos humanos. As conquistas dos últimos anos mostram isso.”
Segundo ele, existem, de fato, alguns excessos. “Mas não é maioria que exagera nas drogas, bebidas. Isso quem faz é uma minoria, assim como acontece em outros grandes eventos. A parada é aberta, e a gente não coíbe nenhuma manifestação individual. Por isso, essas pastoras também não sofrerão nenhum tipo de reação contrária. A única coisa é que o discurso tem que ser respeitoso.”

Negação e aceitação da sexualidade

As duas mulheres, juntas há quase 9 anos, chegaram a participar de sessões de descarrego e de regressão por causa das inclinações sexuais de ambas. “Tudo que a igreja evangélica poderia fazer para mudar a minha orientação sexual foi feito”, afirma Lanna. “E nós tentamos mudar de verdade, mergulhamos na ideia”, diz Rosania. As duas eram casadas na época em que se envolveram pela primeira vez.
“Sempre que se fala em homossexualidade na religião, fala-se de inferno. Ou seja, você tem duas opções: ou deixa de ser gay ou deixa de ser gay, porque senão você vai para o inferno. E ninguém quer ir para lá”, diz Lanna.
A pastora afirma que assumir a homossexualidade foi uma descoberta gradual. “Conforme fomos passando por essas curas das quais não víamos resultado, das quais esperávamos e ansiávamos por um resultado, percebemos que isso não é opção, é definitivamente uma orientação. Está intrínseco em nós, faz parte da nossa natureza.”

Igreja Cidade de Refúgio

Segundo as duas mulheres, após a aceitação, surgiu a ideia de fundar uma igreja inclusiva, que aceita as pessoas com histórias semelhantes as delas. “Nosso objetivo é o de acolher aqueles que durante tanto tempo sofreram preconceito, foram excluídos e colocados à margem da sociedade, sejam homossexuais, transexuais, simpatizantes”, diz Lanna.
Assim, a Comunidade Cidade de Refúgio foi inaugurada no dia 3 de junho na Avenida São João, no Centro de São Paulo. Segundo as pastoras, em menos de 2 semanas o número aumentou de 20 fiéis para quase 50. Mas o casal ressalta que o local não é exclusivo para homossexuais. “Nós recebemos fiéis heterossexuais também, inclusive famílias”, diz Rosania.
Apesar do aumento de fiéis, as duas não deixaram de destacar as retaliações que têm recebido de outras igrejas através de e-mails, telefonemas e programas de rádio e televisão. “A gente não se espanta, pois desde quando eu e a pastora Rosania tivemos o nosso envolvimento inicial, em vez de essa estrutura chamada igreja nos ajudar, foi onde fomos mais apontadas e julgadas. Mas não estamos preocupadas, não. Viemos preparadas para isso”, afirma Lanna.



Fonte: G1

Ditadura gay que se instalou no Brasil ameaça as crianças, diz bispo




Dom Luiz Gonzaga Bergonzini  disse que, com aprovação pelo STF (Supremo Tribunal Federal) da união civil entre homossexuais, se instalou no Brasil uma “ditadura gay”. “Ninguém, nem mesmo os nossos filhos estão seguros nessa ditadura”, disse Bergonzini em entrevista ao Valor Econômico.
Ele acusou a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) de estar empenhada em uma campanha internacional que camufla seus verdadeiros objetivos. ”Há uma conspiração da Unesco para converter metade da população mundial é gay.”
Ele não é o único clérigo a fazer tal acusação. No começo deste ano, o bispo ultraconservador Demetrio Fernández, de Córboda (Espanha), afirmou que a Unesco tem instrumentalizado programas educacionais para difundir a ideologia de gênero de movo 50% da população mundial se converta ao homossexualismo nos próximos 20 anos.
Dom Bergonzini se destacou no noticiário na época das eleições por pedir aos fiéis que não votassem na Dilma Rousseff, uma candidata pró-aborto, segundo o bispo. Para ele, esse seu apelo impediu que a petista fosse eleita já no primeiro turno.



Com informação do Valor Econômico. / Paulo Lopes

Pastor da Assembleia de Deus é morto a tiros na frente de casa

O pastor dava aulas de Teologia e era voluntário em uma clínica para dependentes químicos.
Um pastor da Igreja Assembleia de Deus foi assassinado com três tiros em frente à casa onde morava, na noite desta segunda-feira (13) no Parque Industrial, zona sul de São José dos Campos. A Polícia Civil trabalha com duas hipóteses para o crime: latrocínio ou homicídio por vingança.
Segundo a polícia, Nério dos Reis, 47 anos, foi morto dentro do carro, enquanto chegava em casa, por volta das 23h. Duas pessoas em uma moto atiraram três vezes contra o Golf da vítima, que faleceu antes de o socorro chegar ao local.
Além de pastor, Reis dava aulas de Teologia, trabalhava como voluntário em uma clínica de recuperação de dependentes químicos no bairro Cajuru, na zona leste, e era coordenador de produção na Eaton.
Motivos
O motivo do crime ainda não foi esclarecido. Uma das suspeitas da polícia é de que o assassino seja algum ex-funcionário da Eaton que tenha sido demitido por Reis. “Ouvimos essa informação de conhecidos dele e estamos apurando. É uma possibilidade, mas ainda não há provas”, disse Vernei Antonio de Freitas, delegado titular da DIG (Delegacia de Investigações Gerais).
Outra possível motivação para o crime seria uma tentativa de roubo frustrada. “Como conhecia muita gente, é possível que o ladrão tenha conhecido ele e o executado para evitar uma denúncia à polícia”, afirmou o delegado.
Família
Nério dos Reis era casado e tinha quatro filhos, sendo três mulheres e um homem. A filha mais velha tem 24 anos e o rapaz, mais novo, 16.
“Era um homem cheio de sonhos. Gostava de dar bons exemplos e ajudar as pessoas em volta. De repente, morre por um motivo banal”, disse o pai da vítima, Hélio Ludovico dos Reis, de 71 anos.
Na igreja do Parque Industrial, onde atuava há 24 anos, Reis era considerado um “referencial”. “É uma grande perda. Além de ser uma pessoa idônea, trabalhava como voluntário para ajudar as pessoas”, afirmou Luiz Claudio Ferreira, 42 anos, pastor dirigente da Assembleia de Deus.
Despedida
O velório da vítima aconteceu a partir das 11h na igreja onde ele congregava. Ao longo do dia, amigos de trabalho, fiéis da igreja e familiares compareceram ao local.
“Ele morou neste bairro desde os 6 anos. Nunca cultivou inimizades. Era muito querido por todos”, contou o pai.
O enterro de Reis aconteceu por volta das 17h e reuniu cerca de 300 pessoas no cemitério Parque das Flores, no Jardim Morumbi, zona sul.
Fonte: Bom Dia/ Folha Gospel

BABILONIA - Garotas fazem sexo diante de altar de catedral contra o desmatamento




A polícia de Oslo, capital da Noruega, prendeu duas jovens que estavam fazendo sexo nuas diante do altar da catedral da cidade durante uma missa. Militantes do Fuck for Forest, o FFF, elas estavam protestando contra o desmatamento do planeta.
Furiosos, os fiéis separam as garotas e as detiveram até que chegasse a polícia. O rapaz que fotografava as duas também foi levado para a delegacia.
Em nota, a polícia confirmou ter prendido três pessoas “em atividade sexual” na igreja.
O site do FFF informa que se trata de uma organização sem fins lucrativos que recorre à nudez com o propósito de arrecadar dinheiro para defender a natureza que corre risco de desaparecimento. No site, há fotos eróticas feitas em florestas, entre as quais uma que simula sexo grupal em cima de uma árvore. O acesso às páginas de sexo explícito, incluindo às de vídeos, é pago.
Um porta-voz do grupo informou que os três militantes foram soltos.
“Tivemos duas opções: pagar uma pequena multa ou detenção de 16 dias. Escolhemos a primeira porque a segunda seria muito tempo sem sexo.”
Com informação do Orange, entre outros sites. / Paulo Lopes

Pastor é assassinado a tiros na Nigéria




Extremistas muçulmanos da seita Boko Haram, na terça-feira, 7 de junho, atiraram contra uma igreja no norte da Nigéria.
O reverendo David Usman, de 45 anos, e seu secretário, Hamman Andrew, foram as últimas vítimas de uma onda de ataques feitos pela militância islâmica Boko Haram, que tomou conta do norte da Nigéria este ano. O resultado dos ataques foi a destruição de igrejas, com morte e mutilação de cristãos.
O reverendo Tito Dama Pona, pastor da Igreja Evangélica Vencendo Tudo (ECWA) em Maiduguri, disse que o pastor Usman foi morto e baleado por membros da Boko Haram, em um bairro ferroviário próximo da igreja que Usman liderava.
Pona disse que os cristãos em Maiduguri estão com medo, por causa dessa onda de violência atribuída aos membros da Boko Haram, que desejam impor a sharia (lei islâmica) no norte da África.
“Os cristãos se tornaram alvos desses militantes muçulmanos e já não se sentem livres circulando pela cidade; a maioria das igrejas não realiza seus cultos, com medo de se tornar alvo dos ataques que estão ocorrendo”, disse Pona.
Pessoas confirmaram a morte do Pastor Usman. O reverendo Logan Gongchi disse que todos os cristãos da região, inclusive o próprio Gongchi, que fez seu seminário teológico com Usman, confirmaram isso.
De acordo com Gongchi, o pastor Usman se queixou uma vez das atividades da Boko Haram, dizendo que o governo nigeriano deveria enfrentar o grupo extremista, que mata muitas pessoas inocentes. Usman pediu que orassem por ele, pois não sabia como seria o fim desse conflito com os extremistas muçulmanos.
A morte do pastor marcou o segundo ataque contra a igreja e suas instalações feito por militantes muçulmanos. O primeiro ataque foi em 29 de julho de 2009, quando a Boko Haram queimou o prédio da igreja e matou alguns membros da congregação.
O significado do nome Boko Haram é interpretado no sentido figurado como “contra a educação ocidental”. Alguns acreditam que isso tem como significado ir contra a fé judaico-cristã. O desejo desse grupo é que a Nigéria se torne um Estado teocrático islâmico.


Fonte: Portas Abertas

ESTAMOS POSTANDO POUCO PORQUE A TELEFONICA NÃO HONRA SEUS COMPROMISSOS COM SEUS CLIENTES , DEIXANDO PESSOAS QUE PAGAM PELO SPEED SEM OS SERVIÇOS DO SPEED , UMA POUCA VERGONHA .

Telefonica , caso não tenham capacidade para servir seus clientes , desocupem o lugar e permita que outros o façam .


Bispo Roberto Torrecilhas
cansado do descaso de nossos politicos , que muitos trabalham somente pelos seus intereces pessoais.

Pesquisa revela que 56% dos evangélicos brasileiros fizeram sexo antes do casamento; 25% já trairam a esposa e esposo


Novos tempos, novos valores. Ultimamente, os crentes em Jesus têm aprendido não só a valorizar o sexo – quando praticado dentro dos limites do casamento, bem entendido – como a, vejam só, falar sobre ele. O resultado disso é que trabalhos inimagináveis há algumas décadas têm sido realizados entre a comunidade evangélica, levando os crentes a mostrar a cara e a falar claramente sobre suas preferências, dificuldades e práticas de alcova. O mais recente deles é a pesquisa de opinião O crente e o sexo que constitui um amplo panorama sobre o assunto, em que quase 12 mil crentes – sendo 5,1 mil casados – responderam a perguntas enviadas pelo Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã (Bepec), que está sendo lançado junto com a pesquisa.
Através de uma parceria com a empresa Akna Software, especializada em marketing digital, e o portal e revista cristã Genizah, o Bepec teve acesso a mais de 1,5 milhão de endereços eletrônicos de evangélicos, sendo que o instrumento de coleta foi mandado para cerca de 71,5 mil destinatários. Por questão de metodologia, apenas o grupo-alvo dos evangélicos casados foi totalizado neste primeiro momento. Um universo amplo, representando diferentes regiões do país e classes sociais, bem como oito grandes grupos de confissões, incluindo igrejas tradicionais, pentecostais e neopentecostais e denominações de grande porte, como Batista e Assembleia de Deus. “A pesquisa foi feita com rigor científico”, destaca o profissional de marketing digital e blogueiro Danilo Silvestre Fernandes, idealizador do Bepec. Evangélico, ele conta que suas principais motivações foram o interesse que o assunto desperta e a carência de material do gênero. “Não há quase nada disponível sobre a sexualidade dos evangélicos”, atesta. “Sexo é tabu entre os crentes e as matérias sobre isso são as mais lidas e comentadas. Quisemos produzir conteúdo inédito – incluindo dados primários, como é o caso da pesquisa O crente e o sexo.”
Não se pode negar mesmo que o assunto seja apimentado. E que, a partir da divulgação dos resultados da pesquisa, deve render mais pano para a manga nas igrejas. Como explicar, por exemplo, o espantoso percentual de 25% dos homens crentes casados que já traíram a mulher? Ou que 56% dos pesquisados do sexo masculino tenham praticado sexo com o futuro cônjuge antes do casamento? E isso, mesmo levando em conta que quase a metade dos respondentes têm mais de dez anos de conversão à fé evangélica e que o espectro etário é amplo, compreendendo dos 16 aos 55 anos. Ademais, a metade dos pesquisados informou ter mais de oito anos de casamento – ou seja, é gente que já passou pela famosa “crise dos sete anos”, o que é indicativo de estabilidade na relação. A conclusão, óbvia, é de que o abismo entre o discurso dos púlpitos e a prática dos crentes, que sempre se suspeitou existir, é um fato.
“Chamou-me a atenção o índice de casais crentes que tiveram relações sexuais antes do casamento”, aponta o pastor Gilson Bifano, diretor do Oikos, ministério cristão de apoio à família. Sediado no Rio de Janeiro, a entidade promove aconselhamento, estudos e eventos voltados para casais crentes. Ele diz que muito do que a pesquisa mostrou já é do conhecimento de quem trabalha nesta área. “Creio que os tempos modernos têm influenciado o comportamento dos casais crentes. Sexo é assunto que ficou, por muitos anos, sem ser tratado no âmbito evangélico. Há muito dogmatismo e falta diálogo.”

“Sem Surpresa”

A pesquisa desce a minúcias como práticas sexuais dos casais crentes, envolvimento com homossexualismo e uso de pornografia – quesito no qual 44,5% dos consultados responderam “sim”. No entender de Danilo, o que chama a atenção é a proximidade relativa dos dados de Os crentes e o sexo e outra pesquisa, esta realizada pelo Ministério da Saúde em 2009 com a população em geral. Ali, o objetivo era bem diferente: balizar políticas públicas de combate à Aids. Mesmo assim, alguns dados são inquietantes – como o índice de traição ao parceiro fixo, que ficou na casa dos 16 por cento em um ano na mostra do governo. “Isso não quer dizer, evidentemente, que o evangélico traia mais”, ressalva. “Apenas que os crentes, em diversos aspectos, não diferem tanto assim das pessoas que a Igreja convencionou chamar como ‘do mundo’.”
“De modo geral, não me surpreendo”, comenta o pastor Geremias do Couto, da Assembleia de Deus. Fiéis de sua denominação, conhecida historicamente pelo rigor nos costumes, constituem um quinto do total de pessoas casadas que entraram na pesquisa. Mesmo assim, ele concorda que a influência de uma prática de vida liberal tem cobrado seu preço da Igreja, sobretudo nesta área: “O percentual naqueles pontos que, de fato, consideramos anomalias, ou mesmo pecado, estaria, a meu ver, dentro de um corte que corresponde ao modo como a prática da fé cristã é vivida, hoje, sem muito comprometimento”.
Geremias, que é vinculado ao projeto My hope (“Minha esperança”), da Associação Evangelística Billy Graham, e dedica parte de seu ministério à orientação cristã para casais, teve acesso aos dados da pesquisa antes de sua divulgação. O ponto que mais chamou sua atenção foi mesmo o da traição entre cônjuges crentes. Exatos 24,68% dos homens admitiram a pulada de cerca, enquanto que 12% das casadas evangélicas caíram em adultério. O detalhe é que, entre os neopentecostais, o índice supera em cerca de 5 pontos o de adeptos de outras denominações – como os anglicanos e presbiterianos, classificados na pesquisa como “reformados”. “Seriam, hipoteticamente, dois a três casos de infidelidade em cada dez casais crentes”, aponta o pastor.

Abertura

A pesquisa não deixou de abordar questões como frequência de atos sexuais no casamento e as diferentes modalidades de práticas sexuais. Engana-se quem pensa, por exemplo, que crentes se contentam com as mais convencionais. Quase 38% dos que responderam a pesquisa – lembrando que foram 56% de homens e 44% de mulheres – disseram que “vale tudo” no quarto conjugal, desde que ambos concordem. Aí entram a masturbação mútua, o sexo oral (com grande aceitação para mais de 80%) e até sexo anal, normalmente vetado por líderes e conselheiros por sua associação com práticas promíscuas homossexuais, a chamada sodomia. Mas 21,4% dos casais crentes confessaram praticá-lo.
Tratar de aspectos tão delicados da intimidade conjugal só foi possível, segundo Danilo, pela garantia do anonimato. “Pesquisas onde a coleta dos dados não é presencial, embora exijam mais cuidado na amostragem científica, ganham nos fatores envolvendo a privacidade do objeto do estudo. Isso incentiva a abertura para assuntos difíceis e a honestidade das respostas”, explica. “Tenho certeza de que muitos usaram a pesquisa como uma espécie de confessionário, prática abandonada pelo protestantismo”, opina o bispo Hermes Fernandes, um dos colaboradores de Genizah e líder da Rede Episcopal de Igrejas da Nação Apostólica (Reina). Ele acompanhou a elaboração da pesquisa e diz que o estudo confirma, com riqueza de detalhes e informações, o que todo mundo sabe: “O proibido é mais gostoso”. Para Hermes, a pressão exercida pela religiosidade acaba por acentuar as pulsões sexuais, tornando-as exacerbadas. “Muitos certamente ficaram aliviados por saber que não são os únicos a adotar certos comportamentos considerados tabus.”

“Religião não é cabresto”

O pastor Carlos Moreira, 45 anos, da Igreja Episcopal Carismática do Brasil, acredita que a pesquisa O crente e o sexo foi importante para desfazer mitos. Graduado em teologia e filosofia, ele conversou com CRISTIANISMO HOJE:
Como explicar a proximidade de alguns dados da pesquisa entre casais crentes e os levantados junto à população em geral?
Na verdade, a pesquisa desvela um universo que, talvez, ainda seja desconhecido do público em geral. Contudo, ela apenas comprova o que já escuto todos os dias no meu gabinete, durante as seções de aconselhamento. O que existe na verdade é que a sociedade imagina que a religião é um cabresto para determinados impulsos da natureza humana, como a sexualidade, por exemplo. Tratar os evangélicos como uma categoria diferenciada da população é alimentar um mito, é imaginar que esta “fatia” da sociedade possui hábitos e costumes diferentes das outras pessoas. Engano. Se isso algum dia foi verdade, hoje, já não é mais.
E por que o tema é tão espinhoso para os evangélicos?
Sexo, para os cristãos, sempre foi um problema, e isso desde o início da Igreja. Paulo já carregava notadamente certa dose de preconceito em suas epístolas, talvez por questões pessoais, talvez como forma de antagonizar a doutrina cristã frente à devassidão da sociedade romana, na qual ele vivia. Esta, por sua, vez, já tinha influências do helenismo grego, onde o sexo assumia diversos matizes contrários aos costumes hebreus. Dali para a frente, a questão só piorou. No século 4, com Santo Agostinho, o sexo tornou-se algo terrível, uma nódoa na consciência dos cristãos – feio, sujo, impuro, perverso e vicioso. Esta não é uma questão ligada a uma época ou a uma cultura, é algo atemporal, intrínseco ao ser humano, faz parte de nossa natureza, devia ser visto como coisa comum, natural, pois, tratar o tema de outra forma só faz proliferar o que temos aí, o sexo como algo insalubre, como perversão escondida, como neurose religiosa, e tudo o que é proibido explode da alma para a vida nas formas mais hediondas possíveis.


Fonte:  Cristianismo hoje

Por isso a palavra de Deus nos adverte , QUEM ESTA DE PÉ , VIGIE PARA QUE NÃO CAIA.

Maior denominação evangélica dos EUA elege primeiro líder negro

Maior denominação evangélica dos EUA elege primeiro líder negro

Decisão tem um valor simbólico extremamente importante
A Convenção Batista do Sul dos Estados Unidos (Southern Baptist Convention - SBC) é a maior denominação evangélica daquele país, e uma das maiores organizações denominacionais protestantes de todo o mundo, com cerca de 16 milhões de membros nominalmente afiliados às igrejas sob sua jurisdição. Sua influência no Brasil foi enorme, já que foram seus missionários que trouxeram a fé batista para cá no século XIX e se mantiveram ativos e relevantes durante praticamente todo o século XX.

A única notícia boa antes do congresso anual, que começou na última segunda-feira em Phoenix (Arizona), era que houve um aumento no número de igrejas no último ano. Entretanto, os delegados chegaram ao evento já sabendo de alguns dados preocupantes sobre a situação que enfrentam:

1) o número anual de batismo caiu em 5% chegando ao menor nível em 60 anos, e é a 8ª vez nos últimos 10 anos que este número cai;
2) o número total de membros caiu pelo quarto ano seguido;
3) a frequência aos cultos diminuiu em 2%;
4) dízimos e ofertas despencaram para US$ 153 mil
5) o número de missionários mantidos pela Junta de Missões Internacionais teve uma redução drástica de 12%;
6) embora o número total de membros seja de aproximadamente 16 milhões, atualmente a frequência real às igrejas aos domingos mal chega aos 6 milhões

Ontem foi um dia histórico para os batistas do Sul, já que foi eleito para o cargo de vice-presidente da SBC o pastor Fred Luter, que está em New Orleans desde 1986, segundo informa o News Observer. É uma decisão que tem um valor simbólico extremamente importante porque a dolorosa divisão entre batistas do Norte e do Sul dos EUA se deu em 1845, justamente por causa de divergências incontornáveis em relação à escravidão naquele país, o que provocou a Guerra Civil em 1861 até 1865, também chamada de Guerra da Secessão, justamente dividindo nortistas e sulistas sobre a abolição da escravatura.

Significa também o rompimento definitivo com um passado que machucou muito os batistas do Sul dos EUA ao longo das décadas. Quem teve a oportunidade de conversar com eles ali pelos anos 1980, como eu tive, sabe como eles faziam de tudo para não se referir a essa parte triste de sua história. Agora se espera que este trauma seja superado, e a igreja toda se mobilize para recuperar o terreno perdido. O único sinal de alerta, entretanto, é uma palavra que ecoou pelo congresso nos últimos dias: "diversidade". Muitos convencionais entendem que a "diversidade" é a palavra-chave para ser trabalhada a fim de evangelizar mais pessoas, mas o exemplo das outras denominações norteamericanas quanto a esta tal "diversidade" não é exatamente um bom modelo a ser seguido, já que boa parte delas descambou para o liberalismo desenfreado e a apostasia. Seria ótimo que os batistas do Sul percebessem que "diversidade" não é necessariamente antônimo de "unidade" e "coerência" com o que a Bíblia ensina. Queira Deus que os batistas do Sul tenham melhor sorte.


Fonte: Guia-me

Morre, aos 95 anos, pastor Francisco Pacheco

Morre, aos 95 anos, pastor Francisco Pacheco

O honrado obreiro era o líder da Assembleia de Deus em Campina Grande (PB)
Faleceu hoje, dia 16 de junho, o pastor Francisco Pacheco de Brito, aos 95 anos de idade. Ele era o pastor da Igreja Assembleia de Deus em Campina Grande (PB) e presidente da Convenção das Igrejas Assembleias de Deus de Campina Grande e Estado da Paraíba.

O corpo do ministro está sendo velado no templo-central da AD em Capina Grande, na Avenida Antenor Navarro, 693, bairro Prata. O sepultamento ocorrerá neste sábado, dia 18 de junho, às 15h. Familiares, amigos e obreiros estão prestando as últimas homenagens ao pastor e as condolências para família.

O pastor Francisco Pacheco de Brito nasceu em 16 de maio de 1916 no município de São João do Cariri, filho de Inácio Jerônimo de Brito e Maria de Jesus. Ainda jovem, adotou Campina Grande como sua terra natal, onde trabalhou na construção civil. Ele sempre disse ter orgulho da cidade que viu crescer. Casou com Albertina Barbosa de Lima (já falecida), com quem constituiu uma família composta de 10 filhos, netos e bisnetos. Sua carreira ministerial começou cedo. O pastor Francisco Pacheco foi consagrado diácono em novembro de 1943 e presbítero, em outubro de 1949. Em janeiro de 1948, foi ordenado ao ministério como pastor. Já liderava a AD em Campina Grande havia algumas décadas e sempre se destacou pela seriedade e amor à obra de Deus, sendo um dos mais prezados líderes das Assembleias de Deus no Nordeste e no Brasil.
Mais informações na próxima edição do jornal Mensageiro da Paz.
Redação CPAD News

Jovens cristãos participam de programa de liderança política da ONU

Jovens cristãos participam de programa de liderança política da ONU

Objetivo do projeto é capacitar jovens de diferentes credos a trabalharem juntos em questões políticas e sociais
Nesta semana, um grupo de cristãos estava celebrando a formatura em um premiado programa de desenvolvimento de liderança da ONU.

Hazel Blears, Iain Duncan Smith e Margaret Hodge estavam entre os deputados que orientaram os alunos do Fórum Religioso de Graduação por Mentores do Parlamento (Undergraduate ParliaMentors -UP).

O programa UP foi lançado em 2007 para ajudar a construir melhores relações entre pessoas de diferentes credos e construir uma rede de novos líderes que possam trabalhar juntos em questões políticas e sociais.

Os alunos aprenderam sobre o funcionamento interno da política, participando de debates e reuniões, bem como em rede de responsáveis políticos a eventos exclusivos no Parlamento.

Eles também trabalharam juntos utilizando a fé para desenvolver ação social e serem capacitados para criação de projetos solucionadores de questões como tráfico de seres humanos e a pobreza educacional.

John Bercow MP, presidente da Câmara, disse que o objetivo do programa é incentivar os jovens de todas as crenças a aprenderem sobre liderança e boa cidadania.

"Tenho certeza que muitos dos jovens que participam desse projeto irão para uma grande carreira na política e em outros lugares, fazendo um excelente uso dos valores e habilidades que este esquema tem ajudado a desenvolver", disse ele.

O cristão Andrei Constantin foi um dos formandos na cerimônia da última terça-feira (14) na Câmara. Ele disse que tinha feito uma boa amizade com pessoas de diferentes crenças através do trabalho conjunto nos vários projetos.

Ruth Grayston, formada também na UP e estudante na Universidade de Manchester, disse que o programa tinha lhe dado a oportunidade de trabalhar com pessoas de diferentes crenças em um ambiente onde "fazer perguntas sobre as nossas diferenças era bem-vindo".

"Um trio dentre os meus colegas no programa veio à minha igreja no domingo. Este projeto realmente constrói pontes", disse ela.

"Isso prova que religião e política podem se unir para promover harmonia social e compreensão ao fazer uma contribuição positiva à sociedade", completa a estudante.

Fonte: Christian Today / Redação CPAD News
Foto: Richard Eaton

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...