sexta-feira, 22 de abril de 2011

A Páscoa e o Cristão - O Verdadeiro Sentido da Páscoa






Texto base : Êxodo 12:2-13

Páscoa, na língua hebraica é pessach, que significa passagem ou passar por cima. E esta idéia esta implícita em versos que referendam a esta festa em Êx 12.11,23,27. A páscoa celebrava-se com a morte de um cordeiro no dia 14 de Abibe (cf. Êx13.4). Abibe significa espigas verdes e corresponde ao primeiro mês do calendário hebraico. Durante o exílio, este nome foi substituído pelo nome babilônico Nisã, que significa, começo, abertura. Em nosso calendário este mês corresponde a março- abril. Neste estudo, estudaremos acerca do significado da páscoa.

Significado da Páscoa

O Homem moderno, em suas muitas ocupações, tem se esquecido do profundo significado da festa da Páscoa. Até porque, a versão secular desta data é apenas comercial e não religiosa. Exporemos aqui alguns significados que a páscoa tem dentro do contexto escriturístico.

Em primeiro lugar, a Páscoa significa libertação. A Páscoa surge como a festa que marcava o fim da opressão escravizadora de Faraó sobre o povo hebreu. A profecia a Abraão revelava que seus descendentes ficariam sob o domínio de uma terra estranha por 400 anos, mas que depois eles seriam libertados e sairiam com grande riqueza (cf. Gn 15: 13,14). E isto de fato ocorreu, mas não antes que esta festa fosse celebrada. E um pequeno detalhe, se esta festa era a festa da libertação, porque então ela foi celebrada antes da libertação propriamente dita?

Porque Deus quis ensinar que o sacrifício expiatório, a fé e a nossa obediência precedem a plena libertação, afinal, Israel não estava sendo libreto apenas de Faraó, mas também do Anjo Destruidor. E isto implica que a libertação espiritual sempre precede a física. Se o sangue do cordeiro não fosse derramado e aspergido sob os umbrais da casa, o povo de Israel teria sido destruído pelo Anjo. A libertação da páscoa reveste se, portanto, de um caráter introspectivo, por mostrar a necessidade pessoal de libertação por meio da substituição. E um caráter prospectivo, porque profetizava a libertação antes dela acontecer e prenunciava a obra de Cristo.

Neste sentido, a Páscoa devia ser celebrado por nos com profunda reverência, afinal, Cristo foi a nossa Páscoa. Sua vida foi posta como cordeiro que sendo morto derramou seu sangue em favor de muitos. A nossa libertação espiritual plena foi conquistada por Cristo, a nossa Páscoa. João Batista o chamou de cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (cf. Jo 1.29). Paulo disse que ele é a nossa páscoa (1Co 5.7), e ele mesmo prometeu a libertação a todos quantos crerem nele (cf. Jo 8.32,36 e Mt 11.28).

Aceitar o sacrifício de Jesus feito por nós como diz as Escrituras, é comer da páscoa, e estar no caminho da libertação espiritual. A Páscoa dos hebreus os libertou da escravidão, opressão, miséria e de seus pecados perante Deus. Esta libertação aponta para o começo de uma nova vida, liberta de todos os seus terrores e opressão.

Em segundo lugar, a Páscoa significa também salvação da família. "...Aos dez deste mês tome cada um para si um cordeiro... para cada casa"(Êx 12:3). Observem que a promessa de Deus era que por meio do sacrifício de um cordeiro cada casa era salva da destruidor. Faraó havia dito ao povo hebreu que eles podiam ir, mas sem os seus filhos (cf. Êx 10:8-11) e nisto podemos entender a vontade do Diabo quanto as nossas famílias. Se você é um servo de Deus cuja vida Ele já libertou, Satanás irá tentar cativar seus filhos. E a Páscoa nos desperta para o fato de que a obra de Jesus foi suficiente para conceder libertação também a nossa família. O Senhor nesta ocasião quer te despertar para o compromisso que você, pai e mãe, tem diante de Dele para com sua família.

E em último lugar, a Páscoa tem profundo significado para o cristão por representar a obra de Cristo para a nossa redenção. Eu já havia dito que a as festas eram "sombras das coisas futuras"( cf. Cl 2.17), ou seja, elas tipificavam aquilo que, como no caso da páscoa, um dia tornar-se-ia história na encarnação do Senhor. E a Páscoa era exatamente uma antecipação figurativa da obra de Jesus no calvário. Observemos agora algumas similaridades do cordeiro da Páscoa e de Cristo a nossa Páscoa.

A pureza

O cordeiro pascoal era separado no décimo dia de Abibe (abril) e examinado minuciosamente antes do seu sacrifício no dia 14 de Abibe, pois o cordeiro tinha que ser "... imaculado".

Quando Lucas registra a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém poucos dias antes da crucificação, o faz exatamente na hora em que o povo estava trazendo os seus cordeiros pascoais para serem examinados pelos sacerdotes. Segundo Hebreus 7: 26 Jesus tinha que ser declarado "... Santo, irrepreensível, imaculado, e inviolado pelos pecadores".

O exame dos sacerdotes

O cordeiro da Páscoa era submetido a um exame pelos sacerdotes que o julgavam, com base no exame de sua perfeição, apto para ser sacrificado. Quando lemos o relato de Mateus 22 do verso 15 ao 46, encontramos Jesus, o cordeiro de Deus, sendo examinado pelos herodianos, saduceus, escribas e fariseus e nenhum deles conseguiu achar nele nenhum defeito que o incriminasse e eles mesmo ficaram sem condições de responder-lhe nenhuma palavra ( cf. Mt 22:46).

Exame feito pelas autoridades civis

Em Jo 18:12, 28, encontramos Jesus sendo preso e levado ao tribunal na casa de Caifás, e como era ocasião da páscoa, os judeus não podiam entrar no tribunal para não se contaminarem, pois se assim fizessem não poderiam comer da páscoa. Naquele momento também, os cordeiros pascoais estavam também sendo examinados.

E Caifás queria evidências para o entregar a Pilatos, mas não as encontrou; por isso, ao invés de apresentar ofensa, disse apenas que se Ele não fosse ofensor não seria entregue (cf. Jo 18.29). Pilatos por sua vez, após ter examinado Jesus, "... não achou nele crime algum..." (cf. Jo 19.4). E com estas palavras, o veredicto legal e civil estava dado e três vezes Pilatos declarou que Jesus era inocente (cf. Jo 18: 28; 19: 4, 6).

A lei dizia que o cordeiro teria que ser sem defeito algum, senão, ele não poderia ser sacrificado ao Senhor (cf. Dt 15:21). Jesus foi achado sem defeito diante de todos depois de profundo exame e só depois foi crucificado.

Tendo em vista que o sacrifício do cordeiro pascoal era suficiente para justificar os hebreus diante do destruidor, o sacrifício de Cristo também foi suficiente para justificar o homem diante de Deus satisfazendo a justiça divina.

A aplicação da Páscoa

A páscoa, como é comemorada pelo mundo, não nos traz qualquer beneficio, mas quando entendemos que nossa Páscoa é Cristo, então chega a hora de tiramos das reflexões e práticas correlatas, muitas importantes lições.

Primeiramente aprendemos que se Cristo é a nossa páscoa, não faz sentido a comemorarmos com ovos e nem coelhinhos, tampouco com sacrifico de animais, mas através do sacramento ordenado por nosso Senhor Jesus Cristo, a ceia do Senhor.

"E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça; porque vos digo que não a comerei mais até que ela se cumpra no reino de Deus e, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai-o, e reparti-o entre vós; porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus e, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós." (LC 22: 15- 20).

Neste episódio, ocorrido pouco antes da prisão e morte de Jesus, Ele introduz naturalmente a Ceia como substituta da festa pascoal do Antigo Testamento. Se observarmos, esta evidente que o Senhor não terminou a refeição pascoal antes de instituir a Ceia, antes, a ceia esta intimamente ligada à refeição pascal. O pão que era comido com o cordeiro na páscoa foi consagrado para um novo uso pelo Senhor e o terceiro cálice, que era chamado de cálice da bênção, foi usado como segundo elemento na ceia. Desta forma percebemos que a Páscoa foi trocado por Jesus pela Ceia.

Ademais, os sacrifícios pascoais tinham significado simbólico e apontavam para Cristo que haveria de ser apresentado em nosso lugar em sacrifício. Quando este estava a ponto de ser morto e cumprir as escrituras e tudo aquilo que estes sacrifícios pascoais prenunciavam há séculos, houve a necessidade de mudar o símbolo e o tipo. Afinal, haveríamos de continuar comendo cordeiros? Haveríamos de comer a carne de Cristo sendo Ele nosso cordeiro pascoal? E calo que não.

Mas como então comemorar este ato memorável feito por Cristo senão através da festa que ele instituiu, a santa ceia?

Aprendemos ainda que na ocasião da páscoa e da ceia, deveríamos meditar na tão grande libertação que Cristo a nossa Páscoa nos proporcionou.

Jamais deveremos esquecer o significado da páscoa e foi por isto que Jesus nos ensinou a Cear com a seguinte admoestação, "... fazei isto... em memória de mim...".

A memória deste acontecimento nos permite gozar da certeza da libertação do pecado, da morte e da miséria na qual estávamos, e nos permite olhar para o futuro com esperança já que cada vez que ceamos anunciamos a morte do Senhor até que ele venha ( cf. 1 Co 11.26). A nossa celebração da ceia, tão como foi a primeira celebração da páscoa pelos Hebreus, prenuncia que Cristo vira nos livrar da opressão deste mundo. Estamos anunciando que ele vira nos libertar deste mundo de angústias e que enquanto ele não vem, estaremos protegidos do Anjo Destruidor por efeito do seu Sangue que esta aspergido sobre sua igreja.

Em cada ocasião como esta devíamos meditar no poder do Sangue de Jesus.

Aprendemos três coisas com relação ao sangue do cordeiro de Deus:
1. O sangue sempre será o instrumento de libertação espiritual e moral.
2. Pelo sangue somos protegidos do Destruidor.
3. Pelo sangue de Jesus liberta a nós como guarda nossa família neste mundo.

Eu não poderia terminar este artigo sem mencionar a questão do uso de símbolos como o ovo de páscoa e o coelhinho como representantes significativos da páscoa, por isto vejamos:

O ovo de Páscoa e o coelhinho

Com o correr dos tempos muitas festas e tradições de diferentes povos acabaram se mesclando com a páscoa secular que atualmente conhecemos. Nas religiões orientais, na mitologia grega, nas tradições populares, o ovo sempre teve significado de principio de vida. O ovo aparentemente morto contém uma vida que surge repentinamente, acreditando-se por isto, que ele seja o símbolo da páscoa da ressurreição.

Outro fato é que depois da quaresma e da semana santa, comer ovos era um método conveniente e nutritivo para a preparação da páscoa. Embora haja divergência sobre os ovos da páscoa vindo do antigo Egito, como por exemplo, para alguns os ovos enfeitados era uma tradição começou na Idade Média. Séculos antes, porém, os chineses já costumavam colorir ovos que eram distribuídos aos amigos na Festa da Primavera, como lembrança da continua renovação da vida.

Para os historiadores, daí os missionários trouxeram o costume que acabou se transformando nos ovos confeitados. No século XVIII, a Igreja católica adotou oficialmente o ovo como símbolo da ressurreição de Cristo. Assim foi aceito um costume originalmente pagão, e, pilhas de ovos coloridos começaram a ser benzidos antes da distribuição entre os fiéis.

As lendas e estórias sobre os coelhinhos apareceram muito mais tarde por volta 1215 na Aláscia, França. Uma mistura de mitologia pagã, onde coelhos eram símbolos de fecundidade e abundância, com a tradição católica. O próprio sentido dos ovos como símbolo de vida se perdeu na história, mas até hoje os ovos de chocolates são vendidos sob a propaganda de um coelhinho.

Em nossos dias os ovos de chocolate e os coelhinhos de chocolate são os preferidos da meninada, porém é importante lembrarmos que estas coisas não possuem nenhuma relação com o sentido real da Páscoa. Também não são estes os elementos presentes na páscoa ou na ceia do Senhor, de forma que, se quisermos comprar ovos de chocolate, façamos isto como quem compra chocolate e não com reverência pascoal, por que a introdução, tanto do ovo como do coelho nesta data, e de origem paga e não cristã.

Que nesta data, depois desta simples exposição que fizemos sobre a Páscoa, procure pensar no real significado desta festa para nos, aplicando as lições que este tema sugere na sua vida, para que você goze do privilégio da genuína libertação por meio de Cristo, nosso cordeiro pascoal.




Minha Fonte: Missão Evangélica no Brasil

EXCLUSIVO: Jovem mãe com câncer sacrifica a própria vida por filho em gestação


20 de abril de 2011 (Notícias Pró-Família) — Em agosto do ano passado Jessica Council — uma bela mulher de 30 anos de idade, mãe de um filho — notou que estava com dor na garganta. Mais ou menos na mesma época, ela começou também a suspeitar que estivesse grávida.
Jessica e Clint Council com seu filho
Quando depois de duas semanas a dor de garganta não havia sumido, Jessica decidiu fazer um exame médico. O médico dela lhe disse que provavelmente era algum problema de aumento da tiroide, e que em análise final não era nada com que se preocupar muito. Só para se certificar, porém, ele realizou um teste, que ele disse confirmou suas suspeitas iniciais. Tudo ficaria bem, disse ele.
Mas tudo não estava bem. O médico interpretou mal o teste.
Em 15 de novembro, Jessica começou a ter dificuldades para respirar. Em 21 de novembro ela foi parar na sala de emergência de um hospital. Então, em 22 de novembro, sua garganta se fechou tão estreitamente que ela não conseguia respirar, mas nesse ponto os médicos deram um jeito de introduzir uma sonda na garganta dela, e a colocaram numa máquina de respiração artificial.
No dia seguinte, 23 de novembro, Jessica foi informada de que estava com câncer. Naquela altura, ela também sabia com certeza que estava grávida.
Assim começou uma jornada que imporia o teste máximo à fé e convicções pró-vida de Jessica e seu marido, Clint.

“Valeu cada dia”

Jessica e Clint se conheceram na Universidade Greenville, [uma instituição evangélica de ensino]. Numa entrevista longa para LifeSiteNews.com, Clint disse que ele havia descoberto a deslumbrante ruivinha sentada um dia no refeitório da universidade, e perguntou se ele podia se juntar a ela. Ela recusou. Mas Clint não desistiu.
(Leia a entrevista completa em inglês aqui.)
Aliás, somente depois de um ano e meio de amolações de Clint Jessica concordou em sair para um encontro; o casal se casou dois anos e meio depois disso. “Suponho que entendemos quando chega a hora do casamento”, disse ele. “Eu tive de lutar muito por ela, mas valeu cada dia”.   
O casal mudou para Traveler’s Rest, na Carolina do Sul, onde tiveram um filho e trabalhavam como mentores de adolescentes numa instituição evangélica de caridade. A vida era boa: eles eram jovens, apaixonados, saudáveis e gozando a vida.
Clint aponta para o fato de que sua esposa sempre cuidava meticulosamente de si mesma. “Ela tinha sempre sido extremamente, extremamente saudável”, disse ele. “Ela tomava muito cuidado com o que comia. Ela procurava honrar a Deus com seu corpo. Ela fazia exercícios regularmente”.
Por esse motivo, a última coisa que um deles esperava era o câncer que ocorreu em agosto passado.

Sem mais opções

Clint descreve a reação de sua esposa à notícia do câncer na garganta dela como “um misto de medo e surpresa”. Quanto a si mesmo, ele diz que sentiu “praticamente todas as emoções que dá para se pensar… exceto alegria. Eu me sentia como se tivesse sofrido amputação de todos os membros”.
Jessica Council
Mas, é claro, Jessica não era a única ameaçada pelo câncer: ela estava grávida, e qualquer tratamento que ela fizesse quase que certamente prejudicaria, e possivelmente até mataria, seu bebê em gestação.
Em 25 de novembro, o obstetra do hospital ofereceu a realização de um aborto para o casal. Clint diz que Jessica nunca hesitou. “Isso nunca foi uma opção”, disse ele. “Isso era muito claro para nós”.
Mas o que era menos claro era se ou não aceitar os tratamentos: embora o oncologista tivesse dito que a quimioterapia provavelmente mataria o bebê, o obstetra discordou, dizendo que o bebê provavelmente sobreviveria, mas sofreria danos cerebrais.
“Jessica olhou para mim, e levou alguns segundos para ela”, diz Clint, “e ela balançou a cabeça e disse ‘não’”. Ela também recusou terapia de radiação por causa de riscos semelhantes.
“Nós realmente não tínhamos muitas opções de tratamento depois disso”, disse Clint, apontando que a cirurgia jamais foi uma opção por causa do local onde o câncer estava.

“Ela não despertou”

A questão do tratamento surgiu de novo quando o bebê alcançou o terceiro trimestre. Naquele ponto, diz Clint, a decisão era muito mais difícil, com os médicos afirmando que os riscos eram mínimos porque o bebê já estava quase inteiramente desenvolvido.
Entretanto, Jessica ainda recusava os tratamentos por amor ao seu bebê em gestação — uma decisão que Clint diz deixou os médicos dela “muito confusos”.
Clint conta em segredo que nem ele nem sua esposa sentiam que os médicos estavam sendo completamente francos acerca dos riscos. Mas ele também diz que sua esposa tinha outra razão para recusar os tratamentos.
“Ela sabia que de todo jeito ia morrer”, diz ele. “Ela só falou isso comigo pouco antes de morrer… Mas eu acho que ela sabia, e ela estava pensando em dar a este bebê toda chance que ela pudesse”.
Embora o casal tivesse tido algum sucesso com métodos alternativos para deter o crescimento do câncer, inclusive uma dieta rigorosa de sucos de verduras orgânicas e suplementos, sem tratamentos mais agressivos era só uma questão de tempos antes que o câncer prevalecesse.

Um milagre de 23 semanas

Na noite de 5 de fevereiro, Jessica foi dormir com dor de cabeça e náusea. “Ela não acordou”, diz Clint.
No dia seguinte o hospital declarou Jessica cerebralmente morta, e Clint deu aos médicos o sinal verde para fazer o parto cesáreo. Em 6 de fevereiro, o pequeno “Jessi” nasceu, pesando 535 g.
Os médicos haviam pensado que Jessica estava com 25 semanas de gravidez, mas depois que fizeram o parto eles perceberam que ela provavelmente estava com uma gravidez de apenas 23 semanas e meia — o limite absoluto da viabilidade.
“Só posso testificar acerca da graça de Deus nisso, pois Jessica morreu no momento exato em que o bebê estava viável para viver fora do útero”, diz Clint. Os médicos dizem que o bebê Jessi está indo bem.

“Emocionalmente brutal”

Clint descreve a experiência toda como “emocionalmente brutal”, e confessa que apesar de suas firmes convicções cristãs e pró-vida, foi a vereda mais sofrida que ele e sua esposa tiveram de trilhar.
“Sim, eu realmente lutei”, diz ele, “porque na Bíblia a única pessoa que temos ordem de amar mais do que a mim mesmo, essa era ela. Eu realmente lutei”.
“Às vezes é mais fácil ser altruísta com qualquer coisa que nos acontece”, ele aponta, “mas quando atinge com a perda da pessoa que você mais ama, é muito difícil”.
Foi também difícil para seu filho de dois anos e meio. Clint reconta que depois que Jessica foi internada, seu filho não pôde vê-la durante um mês, e durante esse tempo ele não queria nem mesmo olhar ou falar com seu pai. Mas depois que ele pôde visitar sua mãe, “ele começou a agir melhor”, diz Clint.
Depois da morte de Jessica o menino sofreu um período de aguda “ansiedade de separação”, embora seu pai dissesse que ele começou a se ajustar.
Quanto ao próprio Clint, mal se passaram dois meses após a morte de sua esposa, ele diz que está fazendo tudo como se estivesse em piloto automático, permanecendo ocupado com o trabalho e cuidando de seus dois filhos.
Nesse ponto ele faz uma pausa. “Vou ser muito franco”, diz ele, notando que ele quer fazer tudo o que puder para ajudar outros que podem estar em situação semelhante. “No primeiro mês, eu não conseguia — e quero dizer isso como numa incapacidade literal — eu não conseguia ler minha Bíblia, eu não conseguia orar”.
Ele descreve o sentimento como parecido ao de uma criança que está sendo disciplinada pelo pai: “Muito embora eu soubesse cognitivamente que o relacionamento estava ali, eu sabia que [Deus] me amava, eu aceitei essas coisas de um ponto-de-vista mental. Eu não sentia nada, espiritualmente. E não é sobre os sentimentos, mas a alegria em Deus havia desaparecido completamente de mim por um mês. Eu estava levando a vida exclusivamente com base no que eu sabia era verdade de um ponto-de-vista mental”.
Ele diz que agora, porém, avançou para além dessa primeira fase, e começou a orar de novo, inclusive por outras pessoas.
Apesar disso, ele diz que chegará provavelmente um tempo em que ele terá de deixar tudo, e fazer um luto apropriado pela perda de sua esposa.

“Deus seja louvado”

Muito embora o cansaço e o sofrimento sejam palpáveis na voz de Clint, ao falar com ele dá para se detectar algo mais também — uma profunda resignação nascida não do desespero, mas de uma fé autêntica e enraizada que aceita que esse sofrimento teve em análise final um significado, e que há tragédias piores até mesmo do que a morte.
Numa nota escrita menos de duas semanas depois da morte de Jessica, e postada num blog sobre a luta dela contra o câncer, Clint escreveu as últimas palavras que muitos esperariam ouvir de um homem que acabou de perder uma jovem esposa a quem ele muito amava.
“Que Deus seja louvado, meus amigos”, disse ele. “Não duvidem de Deus; não se irem contra Ele por mim. Tive o privilégio de ter tido uma esposa que estava cheia do amor do Pai. Regozijem-se comigo, irmãos e irmãs. Deus abençoou Jessica ao levá-la para um lugar de perfeita paz e sem dor. Devo ser grato pelo tempo que tive com ela em vez de ser ingrato por todas as coisas que nunca pudemos fazer juntos. Devemos dar graças em todas as coisas pois essa é a vontade de Deus em Jesus Cristo.
“Graça e Paz para todos”.
Traduzido por Julio Severo:

Israel fecha acesso à Cisjordânia durante período da Páscoa judaica


Israel fecha acesso à Cisjordânia durante período da 
Páscoa judaica País permitiu a entrada em seu território de palestinos cristãos autorizados
O Exército israelense manteve fechados, até ontem (19), os acessos do território palestino ocupado da Cisjordânia por ocasião da celebração da Páscoa judaica, que começou na noite de segunda-feira (18).

Durante o período de fechamento foi permitida a passagem de pessoas que precisaram de atendimento médico, ajuda humanitária e de assistência excepcional.

Israel também permitiu a entrada em seu território aos palestinos cristãos que tinham em seu poder "as permissões relevantes e foram autorizados a celebrar a Semana Santa no local".

Fonte: Agência EFE/ Redação CPAD News

Cristãos estão sob pressão crescente no Paquistão , e esse grupo de radicais muçulmanos estão por detrás desses ataques.


Cristãos
 estão sob pressão crescente no Paquistão Bíblias são profanadas, igrejas atacadas e defensores de direitos humanos ameaçados
Os cristãos são perseguidos no Paquistão, durante anos, mas o clima se piorou nos últimos meses com os assassinatos de Punjab, Salman Taseer governador e ministro das Minorias Shahbaz Bhatti, e particularmente desde a queima de um Corão na igreja do pastor na Flórida Terry Jones no mês passado.

No último sábado, o Sarhadi Igreja Luterana em Mardan, na província de Khyberpakhtunkhwa, foi alvejado num ataque à bomba. Acredita-se que militantes islâmicos colocaram a bomba que causou danos consideráveis no edifício.

Apesar das pessoas estarem presentes na igreja no momento, ninguém foi morto ou ferido na explosão, segundo a notícia Assist. O pastor da igreja, o reverendo Ghulam Shad, disse que "parece que os militantes só queriam demolir a igreja, mas para não ferir nenhum dos nossos povos".

Quando perguntado pelo serviço de notícias sobre a atitude da Igreja para com os autores, ele respondeu. "Tudo o que podemos fazer é orar por eles como nós somos ensinados por nosso Senhor Jesus Cristo".

Um dia antes, um muçulmano entrou numa igreja em Lahore e rasgou a Bíblia, em retaliação pelo incêndio Corão. Ele foi detido pela polícia e aguarda julgamento.

Um dos defensores mais sincero do Paquistão pelos direitos dos cristãos, José Francisco, recebeu ameaças de morte nos últimos meses. Francis é o diretor do Centro de Assistência Jurídica, Assistência e Liquidação (CLAAS), que prevê a cristãos no Paquistão com o apoio jurídico gratuito e tem um forte lobby para a revogação das leis sobre o tema polêmico.

CLAAS apelou aos cristãos para rezar pela sua segurança

Em uma mensagem aos cristãos, José Francisco prometeu continuar lutando pelos direitos dos cristãos, apesar das ameaças de morte que tem sofrido. "Sofro ameaças de morte como um soldado de Cristo, mas estou disposto a defender os direitos dos perseguidos e pressionados pelas leis injustas", disse ele.

Os britânicos paquistaneses da Associação Cristã (BPCA) estão apelando aos cristãos na Grã-Bretanha para defender seus irmãos e irmãs. Estão planejando um protesto para o dia 02 de julho para pedir a reforma das leis de blasfêmia e da constituição paquistanesa.


Fonte: Christian Today

Falece em São Paulo pastor João Carlos Padilha

Falece em 
São Paulo pastor João Carlos Padilha

Sepultamento do corpo do líder da AD em Presidente Prudente ocorrerá amanhã, às 10h, em sua cidade
Faleceu às 4h45 de hoje, por complicações em sua saúde, o pastor João Carlos Padilha, 45 anos, líder da Assembleia de Deus em Presidente Prudente (SP), presidente do Conselho Fiscal da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) e 2º secretário da Convenção Fraternal e Interestadual das Assembleias de Deus no Estado de São Paulo (Confradesp).

Formado em Teologia e Direito, pastor João Padilha liderou as ADs em Mirante do Paranapanema e Piedade, ambas no Estado de São Paulo, antes de assumir, há seis anos, a liderança da AD em Presidente Prudente, sucedendo o seu pai, o pastor Carlos Padilha de Siqueira, à frente da igreja. Sob sua gestão, a igreja em Prudente experimentou um novo período de crescimento, chegando a cerca de 200 congregações e investindo fortemente nas áreas de missões, evangelismo e comunicação.

Deixa viúva a irmã Márcia Padilha e três filhos: Maressa, Marciele e João Carlos Padilha Filho.

O corpo do pastor João Padilha está sendo velado no templo-sede da Assembleia de Deus em Presidente Prudente, situado à Rua Bella, 161, no bairro de Vila Ocidental, e o sepultamento ocorrerá amanhã, às 10h. O telefone da igreja é (18) 3334-5620.

29º Congresso dos Gideões Missionários da Última Hora , A festa missionária começa dia 23 de abril

29º
 Congresso dos Gideões Missionários da Última Hora


Os Gideões Missionários da Última Hora preparam-se para a 29ª Edição do Congresso Internacional de Missões a ser realizado de 23 de abril a 03 de maio, em Camboriú-SC, no Ginásio de esportes Irineu Bornhausen, Pavilhão Gideões Missionários.

Este ano, o tema do congresso será Ei, Gideões, cuidado! Ao tardar do noivo, não durmam, trabalhem, avancem!
Para a edição deste ano o congresso contará com as pregações dos pastores Israel Marcelino (USA), Yossef Akiva (RJ), Lucier Freitas (SC), Luiz Franco (SC),  Nerildo Acioly (SP),  Willian Ferreira (MG), Alexandre Brito (SP), Daniel Pedroso (PR) e muitos outros.
Para mais informações acesse o site do organizador.
Com informações da AD de Alagoas
Redação CPAD News

PÁSCOA- Cristãos Relembram Últimos Dias de Jesus Durante a Semana Santa


    Cristãos ao redor do mundo começaram a observância da Semana Santa com o Domingo de Ramos, dia que marca a entrada de Jesus em Jerusalém.
    Os peregrinos cristãos participaram da tradicional procissão do Domingo de Ramos, no Monte das Oliveiras, com vista sobre Cidade Velha de Jerusalém no domingo, 17. O Domingo de Ramos comemora a entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém, e é o início da Semana Santa Cristã.
    Naquele dia, mais de 2.000 anos atrás, foi um dia amargo para Jesus, como pastor do Sul da California, Greg Laurie colocou. Embora houvesse uma multidão alegre e gritos de "Hosanna" entre o povo, Jesus chorou quando ele montou no burro.
   Jesus sabia que o povo que o saudava e dizia "bem-aventurado é aquele que vem em nome do Senhor" logo estaria gritando "crucifique-o."
    Ele também sabia que ele estava no caminho para a ressurreição, o que incluiria sua morte na cruz, Laurie disse em seu sermão de domingo no Harvest Christian Fellowship.
   "Antes da ressurreição gloriosa, haveria uma crucificação devastadora. Antes que houvesse um túmulo vazio, primeiro tinha que haver uma cruz sangrenta," o conhecido pastor e evangelista explicou.
    A morte e ressurreição de Cristo é o acontecimento histórico mais importante em toda a história humana, perdendo apenas ou pelo menos igual a seu nascimento em Belém, Laurie enfatizou.
    Na verdade, isto é o que separa o Cristianismo das outras religiões, disse ele.
   "Você pode ir aos túmulos dos profetas e gurus e mostrar respeito, mas a tumba de Jesus Cristo, você descobrirá que está vazia porque Ele ressuscitou," disse Laurie.
    Mas antes de celebrar a ressurreição no domingo de Páscoa, que este ano é 24 de abril, os Cristãos meditam sobre os dias finais do tempo de Jesus na terra durante a Semana Santa.
    John Piper, teólogo reformado que lidera a Igreja Batista Bethlehem em Minneapolis, Minnesota, observou que, embora todo o tempo seja sagrado porque pertence a Deus, o Cristão deve separar a semana entre o Domingo de Ramos e da Páscoa "para o foco sagrado."
    Os Cristãos ortodoxos, que usam o calendário juliano, estão marcando a Semana Santa, juntamente com protestantes e católicos este ano.
    Em Jerusalém, milhares participaram na tradicional procissão do Domingo de Ramos, marchando desde o Monte das Oliveiras até a Cidade Velha de Jerusalém, no domingo. Enquanto isso, nos EUA, as Igrejas realizaram suas manifestações próprias, agitando ramos de palmeira nas ruas de suas comunidades locais.
    Embora a Harvest Christian Fellowship estivesse entre as muitas Igrejas que não aderiram em procissões tradicionais com ramos nas mãos, Laurie conseguiu que sua mega congregação começasse a meditar sobre o que Jesus fez por eles poucos dias depois de sua entrada em Jerusalém.
    "Não é que nosso Senhor tenha simplesmente expirado. Jesus Cristo morreu uma morte sangrenta, terrível," disse ele.
    "Deus tratou Jesus como se ele tivesse vivido a minha vida pecaminosa para que ele pudesse me tratar como se eu tivesse vivido a vida sem pecado de Jesus," pregou Laurie.
    "Foi na cruz que Deus e os homens foram reconciliados mais uma vez... Nossa salvação foi comprada."
    "O Calvário mostra... o quão longe Deus iria para a salvação do homem."
    A Semana Santa vai continuar com Sexta-Feira Santa em 22 de abril e o Domingo de Páscoa.

CREIO

Deus está em Controle? 'Perdi a Fé,' diz Teólogo Brasileiro Polêmico

Em seu blog o teólogo Ricardo Gondim escreveu ‘Perdi a fé’ confessando que enquanto um orador cativava mil pessoas com sua “oratória carismática” ele repetia para si mesmo “já não comungo com os mesmos pressupostos deste senhor.”

O presidente nacional da Assembléia de Deus Betesda, conhecido por ser autor premiado de vários livros e artigos polêmicos, afirmou que vive em “controvérsias, tanto pelo que escuta quanto pelo que fala.”
Recentemente, o teólogo causou polêmica ao questionar o controle de Deus sobre a tragédia do Japão, dizendo, “O deus que ‘administra’ os eventos, tem propósitos insondáveis e que, pra cumpri-los, deixa tragédias acontecerem, é um demônio (sic).”
Aos que lhe perguntam sobre se ele provoca polêmica para “fazer tipo” ele disse que apenas reponde: “Estou mais certo dos caminhos que não quero trilhar.”
Gondim escreveu que ele se recusa a eliminar suas dúvidas com “cinismo” e por isso causa muitas controvérsias.
“Fujo de tornar-me inconsequente nas declarações que possa fazer a respeito de Deus e da fé.”
Segundo ele, algumas instituições sobre teologia ainda estão “verdes,” mas que ele não sabe se quer que elas “amadureçam.”
“O pouco de sentido que me fazem basta para que eu me ponha a garimpar a verdade. E isso é bom. Há um fluxo que me faz abandonar certas pedras onde outrora tomei pé. O que abandonei?”
Gondim confessou que não acredita em um “Deus inativo, que carece de preces ‘verdadeiras’ para mover-se.” “Uma frase que não faz nenhum sentido para mim? "Oração move o braço de Deus."
Ele parece não concordar que Deus privilegia apenas alguns com seus milagres inquietando-se com que Deus seja “intervencionista de micro realidades, deixando exércitos de ditadores ‘correrem frouxos’” e que tenha uma “vontade ‘permissiva,’ para multinacionais lucrarem com remédios que poderiam salvar vidas.”
“Não consigo mais acreditar que Deus, mantendo o controle absoluto de tudo o que acontece no universo, tenha sujado as mãos com Aushwitz, Ruanda, Darfur, Iraque e outras hecatombes humanas.”
O polêmico pastor colocou “não consigo mais acreditar em determinismo, mesmo chamado por qualquer nome: fatalismo, carma, destino, oráculo.”
“Parei de acreditar que o cosmo funcione como um relógio de quartzo. Acredito que Deus criou o mundo com espaço para a contingência. Sem esse espaço não seria possível a liberdade humana.”
“Creio que no meio do caminho entre determinismo e absoluta casualidade resida o arbítrio humano. Entendo que liberdade é vocação: homens e mulheres acolhendo o intento do Criador para que a história e o porvir sejam construídos responsavelmente.”

CRISTIAN POST

PM libera realização de evento da Igreja Mundial

Em nota oficial, a Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro informou que a Polícia Militar autorizou evento da igreja de Valdomiro Santiago (foto) neste feriado.

Em nota oficial, a Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro declarou: “A Polícia Militar autorizou nesta quarta-feira (20/04), a realização do evento “13º aniversário da Igreja Mundial do Poder de Deus”, a ser realizado no feriado de Tiradentes, dia 21/4.

O pedido de autorização da organizadora do evento, a Igreja Universal (sic) do Poder de Deus, havia sido vetado pelo 2º Batalhão da Polícia Militar (Botafogo) por motivo de precaução. A decisão se baseia na justificativa de que um evento religioso semelhante, realizado anteriormente na Enseada de Botafogo, reuniu aproximadamente um milhão de pessoas e causou inúmeros transtornos à cidade, principalmente aos bairros de Botafogo, Flamengo, Urca, Copacabana, Glória, Catete e Centro, que tiveram suas ruas totalmente congestionadas resultando em várias reclamações, críticas e ainda uma ação pública ajuizada no Ministério Público Estadual.

“Diante da negativa, a Igreja Mundial do Poder de Deus procurou o comando do 2º Batalhão e solicitou uma audiência.

O comandante se reuniu com representantes da igreja na segunda-feira (18/04), ouviu os argumentos e as partes concordaram que a organização deveria assinar um termo se comprometendo a cumprir as determinações do artigo 1º, inciso 12 da resolução Seseg 013, nas seguintes letras:

D – Apresentar o plano de instalação de geradores de energia;
E – Apresentar o plano de incremento de transporte de massa;
H – Apresentar cópia do plano de atendimento médico emergencial, com a criação de postos médicos com ambulância;
J – Apresentar solicitação de implantação pelo órgão técnico de um corredor viário que possibilite o deslocamento de viatura de serviço, ambulância, policiais e outras instituições autorizadas;
M – Apresentar cópia do compromisso de implantação de plataforma de observação pelos promotores do evento, após analise e indicação pela PMERJ;
O – Apresentar cópia de planejamento visando à implantação de sistema de monitoramento local, para eventos com público superior a 20 mil pessoas.

“Com o compromisso firmado, visando evitar os mesmos transtornos causados anteriormente, o comando do batalhão local e o 1º Comando de Policiamento de Área consentiram na realização do evento no Monumento dos Pracinhas, Aterro do Flamengo, das 9h às 14h.”

Fonte: SOMA

"A oração realiza grandes coisas" - um testemunho do poder da oração


   
ORIENTE MÉDIO - “A oração realiza grandes coisas. Algumas vezes, quando oramos, não enxergamos o resultado de nossa oração. Outras vezes, você vai ouvir que a reunião de oração da qual participou foi diretamente usada pelo Senhor, e que um dos nossos irmãos foi abençoado no exato momento em que você intercedeu por ele”, afirma Michael, um dos colaboradores do Oriente Médio.

Ele continua: “Nadia, por exemplo, passou alguns meses na prisão apenas por ser cristã. Um de nossos colaboradores se encontrou com ela e Nadia contou sua história. Em uma ocasião, ela disse para os oficiais da prisão que não daria nenhuma informação sobre as pessoas que ela conhecia ou sobre seu marido; apenas falaria sobre si mesma. Isso fez com que ela ficasse em uma solitária por 4 dias. Essa cela mede 2m x 3m. “Fazia muito frio lá”, ela conta. “E não havia banheiro, nem nada disso. Em certo momento, estava com muito frio e a experiência foi muito difícil. De repente, senti uma brisa quente soprando em meu rosto; tão quente que quando respirei fundo e o ar entrou em meus pulmões, comecei a tossir”.

Ela não tinha ideia de onde aquele calor vinha e, ao mesmo tempo, estava muito feliz. Essa sensação de alegria a invadiu de tal forma que Nadia começou a dançar na cela. Ela estava confusa. Ela se perguntava como conseguia sentir calor em um lugar frio como aquele? “Então, eu ouvi uma voz”, ela enfatiza que não era uma voz interna, e sim audível, “como se alguém dentro da cela estivesse dizendo: ‘Isso é porque pessoas estão orando por você. Esse é o espírito de alegria que está sobre você’”.

Tempos depois, quando foi solta, Nadia compartilhou sua experiência na cela da prisão com a sua irmã. Quando ela contou quando o fato havia ocorrido, sua irmã disse que era a hora e o dia exatos em que 32 cristãos se encontraram para orar por ela. Dois cristãos foram para outro lugar para representar Nadia e outro cristão que estava preso, enquanto os outros 30 irmãos se reuniram para pedir a Deus que os confortasse e enviasse seu espírito de alegria sobre eles.

Michael encerra o relato dizendo: “O testemunho foi de grande encorajamento para esse grupo de oração, e para todos os outros que dobram os seus joelhos para orar por cristãos em situação semelhante”.

Tradução: Deborah Stafussi



Fonte: Portas Abertas
 

Barack Obama fala sobre morte e ressurreição de Jesus


Para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a ressurreição de Jesus Cristo mantém as coisas em perspectiva.

Essa foi a sua reflexão da Páscoa enquanto ele discursava aos líderes Cristãos de manhã na Casa Branca.

Obama continuou a tradição de realizar um Café da Manhã de Oração da Páscoa - o que ele quer fazer ser anual - durante a Semana Santa, um dos momentos mais sagrados do ano para os Cristãos, já que marcam a morte e a ressurreição de Jesus Cristo.

"Eu queria realizar este café da manhã por uma razão simples - porque tão ocupado que como somos, tantas tarefas se acumulam, durante esta temporada, somos lembrados de que há algo sobre a ressurreição ... do nosso salvador, Jesus Cristo, que coloca tudo em perspectiva," disse Obama em seu discurso.

Embora não fosse exatamente um culto, a reunião breve - realizado um dia depois que Obama estendeu a mão para a comunidade judaica com Páscoa Judaica - mostrou a ressoar entre os mais de 100 convidados.

A lista de convidados deste ano incluiu alguns pastores de megaigrejas proeminentes como o bispo TD Jakes da The Potter's House, Tim Keller da Igreja Presbiteriana Redeemer, Andy Stanley, da Igreja North Point Community, Dave Gibbons da Igreja NewSong Community, Mark Batterson da Igreja National Community, e Joel Hunter da Igreja Northland.

"Você pode achar difícil de acreditar, mas Experimentei alguns momentos Santos na Casa Branca hoje," tuitou Gibbons.

Embora reconhecendo as agendas lotadas dos pastores e líderes denominacionais sentados no Salão Leste, Obama ofereceu o café da manhã de oração como um tempo para se reunir e se fortalecer enquanto eles refletem sobre o que Jesus fez há mais que 2.000 anos atrás.

"O triunfo do Domingo de Ramos. A humildade de Jesus lavando os pés dos discípulos. Sua marcha lenta até a colina, e a dor e o desprezo e a vergonha da cruz. E nós somos lembrados de que, naquele momento, ele tomou os pecados do mundo - passado, presente e futuro - e ele estendeu a nós o dom incomensurável da graça e salvação através de sua morte e ressurreição," disse ele.

Citando o livro do Antigo Testamento de Isaías, Obama acrescentou: "Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados."

Obama chamou isso de "graça maravilhosa," "graça expansiva," "graça surpreendente."

é essa graça que o chama a refletir, orar, pedir perdão a Deus e louvar a Deus "o dom de ... Seu Filho e nosso Salvador," disse ele.

"E é por isso que temos este café da manhã," ressaltou. "Porque no meio de críticas debates nacionais, no meio de nossas vidas ocupadas, devemos sempre ter certeza de que estamos mantendo as coisas em perspectiva."

Enquanto filhos e cônjuges também ajudam a manter as coisas em perspectiva, o presidente observou que "nada bate a Escritura e a lembrança do eterno."

A Bispa Vashti McKenzie, o primeiro bispo do sexo feminino na Igreja Metodista Episcopal Africana, ofereceu uma oração poderosa depois de ter sido introduzida por Obama como a "bispa high-tech" pelo seu Ipad.

"Eu só tenho que fazer uma observação rápida: você notou que as orações nestes dias estão em um iPad," disse Obama ao risos.

A leitura a partir do seu computador tablet da Apple, McKenzie orou: "Lembramo-nos esta manhã que na cruz você demonstrou durante todo o tempo seu amor maravilhoso.”

"Agradecemos a reversão Sexta-Feira Santa da Páscoa ... Cristo ressuscitou. Portanto, sabemos que mesmo em nosso mundo confuso e agredido você está trazendo a vida da morte e da esperança, do desespero."

Keller e Bispo Jakes também falaram durante o evento.

O segundo Café da Manhã de Oração da Páscoa foi realizado quando poucos americanos acreditaram que Obama era Cristão. Uma pesquisa de agosto 2010 pelo Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública revelou que apenas 34 por cento dos norte-americanos, contra 48 por cento em 2009, dizem que Obama é Cristão. Entre os pastores protestantes, 41 por cento dizem acreditar que ele é um Cristão, de acordo com uma pesquisa separada em dezembro 2010 pela LifeWay Research.

Os planos de Obama para o fim de semana de Páscoa ainda não foram divulgados. Na última Páscoa, Obama e sua família atenderam a Igreja Chapel AME de Allen no sudeste de Washington.

Fonte: The Christian Post

DENUNCIA - Unesco torna túmulo de Rachel patrimônio Islâmico - SERIA ESSA UNESCO MAIS UM BRAÇO DOS ILLUMINATIS ?

Amigos,

Em recente decisão, o comitê executivo da UNESCO considerou o túmulo de Rachel patrimônio da religião Islâmico, reclassificando-o como uma Mesquita.
Com essa resolução, a UNESCO nega a Israel o seu direito de adicionar à lista de herança nacional os Túmulos de seus Patriarcas, em Hebron, onde quase todos os Patriarcas e Matriarcas de Israel estão enterrados . O Judaísmo antecede ao Islamismo. Essa decisão é um ultraje ao povo judeu e ao Estado de Israel, é revisionismo histórico em sua pior forma. São seguintes as palavras de protesto do primeiro ministro de Israel, Benyamin Natanyahu : " A tentativa de retirar de Israel seu patrimônio é um absurdo. Se os locais de sepultamento de quase 4.000 anos de idade os Patriarcas e Matriarcas da nação judaica - Abrão, Isaac, Jacó, Sarah, Rebeca, Rachel e Lea não fazem parte de sua cultura , o que é então um sitio cultural Nacional ? " Em razão disso, está sendo encaminhada para UNESCO uma petição protestando contra essa resolução arbitrária, cujo título é: " UNESCO, proteja, e não negue a herança judaica" É importante que todos nós nos mobilizemos afim de impedir que decisões como essas da UNESCO, que tem a clara intenção de alterar nossa história, venham a se tornar mais frequentes. Este documento já conta


BISPO ROBERTO TORRECILHAS

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...