sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

As Funções Sociais e Políticas da Profecia - Pb. Josenildo Cardoso Cavalcante

“ Não havendo profecia, o povo se corrompe; mas o que guarda a lei, esse é bem-aventurado” Pv 29.18.

Introdução

Amados irmãos, A Paz do Senhor Jesus. Nesta lição vamos estudar as funções sociais e políticas da profecia. Para início, o profeta desempenhava uma função muito importante no cenário político e religioso de Israel. O governo nos tempos dos de Moisés, era Teocrático, a forma de governo centrado nas leis de Deus, e exercido por sacerdotes, que também muitas vezes eram Profetas e sacerdotes que faziam as funções, políticas e sociais entre o povo. Em seguida foi o período dos juízes, que também tinham a função social e política, de julgar o povo, aconselhando-os e Deus dava livramento ao povo pelos Juízes, e o primeiro deles foi Otniel irmão mais novo de Calebe, o ministério profético estava presente nesse período, vemos a profetiza Débora, que também era juiz, fazendo a parte política, julgando e a parte social, aconselhando o povo. Agora o cenário político de Israel ia se definindo, em seguida, o povo pede um Rei, que tinha a função de governar o povo de Deus, tendo como missão, aconselhar e guiar o povo. Bom assim estava completa a divisão política de Israel: Rei, Sacerdote e Profeta.

I – O papel político e social da profecia nas escrituras.

1. O profeta e o povo.

O povo precisava de um líder, a quem seguir, pois é uma primícia básica do homem, seguir alguém ou alguma coisa, como o povo estava iniciando, e devido seus sofrimentos, no Egito, nas mãos de seus inimigos, Deus levanta o profeta, para ser o canal de comunicação entre Ele e o povo, com essa função política e social o profeta era muito respeitado, isso fica claro quando lemos em Dt 34. 10-12, até o dia de hoje Moisés é tico como um dos maiores profetas que Israel já teve.

2. O profeta e o rei.

O rei para governar, tinha ao seu lado fazendo parte dos seus conselheiros, homens entendidos em toda ciência, cheios de conhecimento, sabedoria. Dn 1.3-4

Quando o assunto era guerra, chamava o general, para aconselhar, e escolher a melhor estratégia. Entre os conselheiros do Rei estava o Profeta, que tinha a função mais importante do reino, quando o Rei era temente a Deus, no caso de Davi, II Sm 7.17; 24.18,19. Sempre que o profeta era consultado, pelo rei para ver o que o Senhor tinha para seu povo e este lhe dava ouvidos, Deus abençoava, e o rei podia conduzir o povo na direção certa, com isso a função do profeta também era social. Mas nem sempre foi assim.

3. O profeta marginalizado

No período dos reis de Israel e Judá, os profetas de Deus ficaram fora dos círculos reais, com exceção de Isaías (39.3). Com a decadência espiritual dos monarcas de Israel, os profetas desenvolveram seu ministério distante do círculo central. Com isso os reis passaram a perseguir os profetas e marginalizá-los, observamos isso no ministério de Elias, quando Acabe perseguia o servo do Senhor, essa perseguição e marginalização, acontecia por conflitos de interesses, entre o rei e a vontade de Deus. Quero fazer uma observação a respeito de nossos dias, a palavra de Deus tem caído em descrédito, justamente por causa de interesses pessoais, de obreiros que querem, apenas o status da posição, alimentam-se da gordura das ovelhas, querem ter o poder aos seus pés, a sua visão está nesta terra. Deus tem levantados homens e mulheres, cheios do Espírito Santo, falando como verdadeiros profetas, mas o apego as coisas mundanas tem segado nossos pastores. Aos amados irmãos que Deus pela sua misericórdia e amor, tem usado em profecia, fale o que Deus mandar, não acrescente nem diminua, pois ainda tem obreiros e pastores tementes a Deus e com certeza eles ouvirão a voz do Senhor.

II – O Profeta é enviado ao rei.

1. O princípio do fim do reino de Judá.

O fim do reino de Judá, teve início quando Zedequias, mesmo depois de jurar lealdade e obediência aos babilônicos, rebelou-se contra o rei dos caldeus no oitavo ano de seu reinado (2 Rs 24.8-17).

Mesmo já estando Judá sob o domínio babilônico, tal postura ocasionou a destituição do rei Joaquim (que é o mesmo Zedequias, pois Nabucodonozor mudou seu nome de Joaquim para Zedequias) em 598 a.C.

2. Profecia dirigida ao rei.

O exército dos caldeus, liderando as demais tropas dos povos conquistados, estava à volta de Jerusalém esperando o assédio final.

Jeremias já vinha anunciando durante décadas o trágico fim do reinado de Judá (1.15; 5.15; 6.22; 10.22; 25.9). Mais uma vez, a pessoa do profeta aparece trazendo uma mensagem importante para o rei e para todo o povo, que mesmo com a destruição iminente, se o povo se arrependesse, Deus os livraria. Mas o rei, juntamente com seus príncipes e a maioria do povo, não deram ouvidos ao profeta Jeremias, nem aos demais profetas. Agora Deus fala mais uma vez através do profeta Jeremias ao rei, que a cidade será entregue nas mãos do rei da Babilônia, o qual a queimará.

3. O destino do rei Zedequias é anunciado

Quando não damos ouvidos a palavra de Deus, nosso destino é trágico, se quisesse ter paz, o povo deveria se submeter ao rei da Babilônia, pois Jeremias afirma em sua mensagem que o cativeiro haveria de durar 70 anos (25.11-14; 29.4-10). A mensagem de Jeremias ao rei Zedequias, era que este seria entregue nas mãos do rei de babilônia.

Infelizmente os profetas contemporâneo de Jeremias, eram politicamente corretos, levando o povo a acreditar mais no falso profeta Hananias, que incitava o povo a se levantar contra o rei da Babilônia, do que em Jeremias que era tido como um espião, um traidor.

O compromisso do profeta de Deus, é com o povo de Deus, mesmo que isso venha a contrariar a vontade do rei e do povo. E o compromisso do pastor e do povo é buscar e seguir a vontade de Deus, pois só essa fará com que possamos chegar às mansões celestiais. O pastor que ignora a direção e orientação da palavra de Deus, deixa de se colocar como instrumento de Paz e harmonia entre os irmãos, causando até discórdia, com suas atitudes arbitrárias.

III – A Questão de ordem social.

1. A liberdade dos escravos Hebreus.

A atitude de Zedequias em libertar os escravos, como manobra política, talvez aconselhado por algum profeta conhecedor das leis Hebraicas, tem um cunho interesseiro, e meramente político. Com essa atitude aparentemente correta, pois era ordem de Deus, segundo (Ex 21.2), o rei pensava em livramento da parte de Deus. Porém, o momento era de entregar-se aos caldeus, conforme Deus falara através do profeta Jeremias. Hoje infelizmente, acontece a mesma coisa, “pastores” usando a palavra de Deus fora de contexto, apenas com interesses os mais diversos possíveis, menos o de fazer o correto.

A palavra liberta, mas o mal uso da mesma, trás escravidão, infelizmente dentro da igreja há muitos presos, escravos de homens escrupulosos, que só pregam as rosas e esquecem de pregarem os espinhos, o arrependimento, a santificação e com isso geram uma falsa liberdade na mente dos ouvintes.

2. A alforria dos escravos é cancelada.

Quero transcrever o que o comentarista diz pois é muito interessante.

O profeta Jeremias anunciou que o rei do Egito retornaria a sua terra e o cerco da cidade santa pelos caldeus recomeçaria (Jr 37.5-8 – Convém salientar que os capítulos do livro de Jeremias não estão em ordem cronológica). Entretanto, os fatos de faraó ter vindo em socorro de seu aliado em Judá, o cerco de Jerusalém ter sido suspenso e os caldeus se retirado, fizeram com que o rei Zedequias e os seus príncipes não acreditassem no profeta de Deus. Assim, pensando estarem salvos do perigo, revogaram a lei da libertação dos escravos (v.11). O pecado maior deles consistiu em desfazer um concerto religioso feito em nome de Deus e no templo: “[...] e tínheis feito diante de mim um concerto, na casa que se chama pelo meu nome” (v. 15). Cabe-nos uma reflexão a respeito deste episódio.

Quando fazemos um pacto com o Senhor Jamais devemos voltar a trás, esse pacto pode ser em servi-lo o resto de nossas vidas, é um voto que fazemos, é uma promessa. Prezado irmão se fizeste um pacto com o senhor, cumpra, se foi um voto e não cumpriste até agora, cumpra e Deus mudará seu cativeiro.

3. A Indignação divina

De Deus ninguém zomba, com Deus ninguém brinca, a atitude de Zedequias em revogar um concerto religioso feito em nome de Deus, deixou o Senhor indignado. Em vez dos babilônios, foi o próprio Deus quem liberou a espada para a destruição de Judá. A reação divina contra a atitude indigna e vergonhosa de Zedequias, de seus príncipes e dos grandes de Judá, tinha a sua razão de ser. Os últimos versículos do capítulo 34, descreve o duro juízo do Senhor sobre o rei, seus príncipes e todo o povo de Israel.

Observação:

Nestes últimos dias, onde a igreja caminha cada vez mais para a apostasia, será que não é fruto dos pactos quebrados pelo povo, principalmente pela liderança, que deveriam dar o exemplo? Temos sofrido na terra por “crentes” não honrarem o compromisso com Deus, de falar, viver a verdade. Deus tem cobrado de Seu povo, santidade, amor uns para com os outros.

Pastores, líderes, acordem, voltem ao primeiro amor, igreja do Senhor Jesus, busquemos a paz e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor. Creio que nestes últimos dias da igreja na terra, Deus está indignado com muitos que se dizem “crentes”. Voltemos ao primeiro amor, guardemos os concertos e estatutos do Senhor, porque Ele é misericordioso para perdoar nossos pecados.

Conclusão:

Os profetas, viveram e morreram anunciando a palavra de Deus, sua vida foi para combater a desigualdade social no meio do povo de Deus, não foi em vão, pois muitos deram ouvidos, mas aqueles que não deram ouvidos dizendo:

Inútil é servir a Deus; que nos aproveita termos cuidado em guardar os seus preceitos, e em andar de luto diante do SENHOR dos Exércitos? (Ml 3.14) Esses pereceram, “Então aqueles que temeram ao SENHOR falaram freqüentemente um ao outro; e o SENHOR atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o SENHOR, e para os que se lembraram do seu nome”.

“E eles serão meus, diz o SENHOR dos Exércitos; naquele dia serão para mim jóias; poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve. Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que não o serve”. Prezados irmãos lutemos em favor do povo de Deus, desenvolvamos trabalhos na igreja, voltados para o bem social do nosso povo, então com certeza veremos a diferença entre o que serve e o que não serve.

O templo é aonde nos reunimos, as famílias devem ir ao templo felizes, satisfeitas, pois é ali que adoramos ao Senhor, louvamos o seu Santo nome, revemos os amados irmãos, o salmista tinha razão quando disse: “alegrei-me quando mim disseram vamos à casa do Senhor”. E mais, “uma coisa peço ao Senhor, que eu possa morar em sua casa todos os dias da minha vida” Um grande abraço em Cristo Jesus e uma boa aula.

Elaboração por: Pb. Josenildo Cardoso Cavalcante

Governo concede passaporte diplomático para bispo da Igreja Universal e MPF faz de conta que não vê

O que mais se estranha é a omissão do Ministério Público Federal no Brasil que não age para coibir essa ilegalidade, já que é sua atribuição constitucional.
No apagar das luzes do governo Lula, o Itamaraty realizou uma série de questionáveis emissões de passaportes diplomáticos. Um dos privilegiados foi o bispo Romualdo Panceiro, da Igreja Universal. Ele recebeu o documento em “caráter excepcional” nos últimos dias de dezembro. A benesse, válida por um ano, foi concedida para atender um pedido formal do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), também bispo da Universal, e autorizada pelo ex-ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

Panceiro é o número dois na hierarquia da Universal, e apareceu em uma gravação de abril do ano passado ensinando pastores a arrecadar dinheiro de fiéis durante a crise econômica mundial. “Com essa crise, se não pegar tudo que tem no banco e der para Deus, o espírito da crise vai pegar tudo”, disse o bispo durante uma videoconferência. Ele recomendava aos religiosos usarem passagens bíblicas para estimular os fiéis.

Por lei, os passaportes diplomáticos só podem ser concedidos a autoridades de estado, como o presidente da República, ministros, congressistas e, naturalmente, diplomatas. As exceções são permitidas apenas para pessoas que representem interesses do país. O documento diplomático facilita a entrada de seus portadores em outros países, pois elimina a burocracia na alfândega.

Além do bispo, dois filhos do então presidente Lula, Marcos Cláudio e Luís Cláudio, receberam o documento diplomático, válidos por quatro anos. Têm direito ao passaporte diplomático filhos de presidente de até 21 anos (até 24 anos se estudante) ou portadores de deficiência. Não é o caso de ambos.

O Itamaraty fez outra gentileza a Marcos Cláudio e Luís Cláudio: além do passaporte, enviou um pedido formal à embaixada americana solicitando visto para que os dois pudessem realizar uma viagem a Nova York de 5 a 15 de janeiro.

O que mais se estranha é a omissão do Ministério Público Federal no Brasil que não age para coibir essa ilegalidade, já que é sua atribuição constitucional.

Fonte GP1

nota do Gritos de Alerta.

BISPO , PELO AMOR DE DEUS , VAMOS ACORDAR E NÃO FAZERMOS DE CONTA QUE DEUS NÃO EXISTE.

Os profetas, viveram e morreram anunciando a palavra de Deus, sua vida foi para combater a desigualdade social no meio do povo , não foi em vão, pois muitos deram ouvidos, mas aqueles que não deram ouvidos dizendo:

Inútil é servir a Deus; que nos aproveita termos cuidado em guardar os seus preceitos, e em andar de luto diante do SENHOR dos Exércitos? (Ml 3.14) Esses pereceram, “Então aqueles que temeram ao SENHOR falaram freqüentemente um ao outro; e o SENHOR atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o SENHOR, e para os que se lembraram do seu nome”. “E eles serão meus, diz o SENHOR dos Exércitos; naquele dia serão para mim jóias; poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve. Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que não o serve”. Prezados irmãos lutemos em favor do povo de Deus, desenvolvamos trabalhos na igreja, voltados para o bem social do nosso povo, então com certeza veremos a diferença entre o que serve e o que não serve.

Franklin Graham Conduzirá Festival da Esperança no Haiti

franklin-graham-christian-postQuase um ano se passou desde o terremoto devastador que ocorreu próximo ao Porto Príncipe, capital do Haiti, deixando mais de um milhão de pessoas desabrigadas.
  • (Foto: Samaritan's Purse)
    Franklin Graham viajou para o Haiti em 5 de fevereiro de 2010, para rever os esforços de ajuda humanitária da Samaritan's Purse e avaliar o melhor plano para compromisso a longo prazo da organização.
Desde o desastre que atingiu a região altamente povoada em 12 de janeiro de 2010, os sobreviventes continuam a lutar para reconstruir suas vidas no país mais pobre do Ocidente.
É neste momento de desespero que o Festival da Esperança será realizado com Franklin Graham, presidente e CEO da Samaritan's Purse e da Associação Evangelística Billy Graham (AEBG). Ele está decidido a levar o evento em resposta a um convite de 75 pastores do Haiti ansiosos para entregar a mensagem do Evangelho aos sobreviventes como um lembrete da esperança e do amor de Deus para com eles.
Mais de 500 Igrejas locais também se reunirão em apoio ao evento que será realizado no domingo, 9 de janeiro, no Estádio Nacional de Futebol do Haiti.
"É muito importante agora, a mensagem de esperança. O povo do Haiti precisa esperar," disse um pastor que perdeu sua esposa e filha no terremoto. "Essa é a razão pela qual é importante ter o festival. Não só um festival, mas uma festa da esperança."
Equipes de Resposta a Desastres da organização de ajuda internacional Samaritan's Purse tem trabalhado continuamente com as Igrejas do Haiti no ano passado, construindo mais de 10.000 abrigos, fornecendo comida e água potável e tratamento de mais de 6.500 vítimas do recente surto de cólera.
No mês passado, o ex-governador do Alasca, Sarah Palin juntou-se a Graham para uma visita de dois dias à ilha, ajudou na entrega de presentes de caixa de sapatos da Operação Natal para Criança para crianças pobres e abandonadas, passou por um abrigo comunitário para as vítimas desabrigadas e avaliou o progresso da recuperação nas cidades completamente destruídas pelo terremoto.
Em um esforço coordenado, BGEA expediu capelães treinados para confortar e orar pelas pessoas de luto por familiares e amigos perdidos. O ministério evangélico tem testemunhado 1.370 haitianos aceitando a Cristo desde o desastre.
Apesar dos esforços de alívio, um relatório recente da Visão Mundial afirmou que a pequena nação é improvável de ter uma recuperação completa em breve, ao que o país já está lidando com problemas de saneamento, saúde, educação e renda, antes do terremoto.
Mas a comunidade cristã no Haiti permanece esperançosa, com o Diretor do Festival BGEA, Sherman Barnette, dizendo: "Em meus 20 anos fazendo isso, eu nunca trabalhei com um grupo de pessoas mais animado em um festival e com Franklin."
"Na medida em que há a preparação para o festival, tudo que você tem a fazer é ter o sinal de que algo precisa ser feito, e eles estão por toda parte. Eles o farão."
A transmissão ao vivo do festival evangélico estará disponível no domingo às 1:30 pm EST em www.billygraham.org/HaitiLive.

VOTO NELA , AGORA AGUENTA - MARTA VAI REAPRESENTAR PLC 122/06 Projeto que criminaliza homofobia foi arquivado mas pode voltar

Depois de muita reclamação e protestos, valeu a força dos evangélicos e no final de 2010, o Senado Federal arquivou o projeto PLC 122/06, projeto de lei que criminaliza a homofobia. Segundo parlamentares, o motivo não é político, mas regimentar.

   Fim de legislatura no Congresso significa, além da preparação para receber os novos parlamentares eleitos, a organização, o saneamento e o arquivamento de projetos. Pelo Regimento Interno do Senado, todas as propostas que estão tramitando há mais de duas legislaturas são imediatamente arquivadas. Neste caso, terão o arquivo como destino todas as matérias apresentadas em 2006, último ano completo de trabalhos da 52ª legislatura, e dos anos anteriores.

     Estão nessa situação, por exemplo, o PLC 122/06, que criminaliza a homofobia. Mesmo já tendo sido aprovado pela Câmara e pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado – faltam as análises das Comissões de Assuntos Sociais e de Constituição, Justiça e Cidadania, além do Plenário. Mas o fato de ter chegado à Casa ainda na legislatura passada já o qualifica para o arquivamento.

    “O que é considerado não é a relevância do tema, e sim a antiguidade da proposição” explica o secretário-geral adjunto da Mesa, José Roberto Leite de Matos.
     Entretanto, as proposições arquivadas ainda poderão tramitar por mais uma legislatura – a próxima será a 54ª – caso haja requerimento apoiado por um terço dos senadores para a continuidade da análise da proposta. Os interessados devem apresentar esse requerimento com 27 assinaturas até 60 dias após o início do ano legislativo, e o pedido deve ser aprovado em Plenário. O desarquivamento só pode ocorrer uma vez, caso contrário, o projeto será arquivado definitivamente.

     Marta Suplicy, senadora eleita por São Paulo, afirmou em entrevista que levaria o PLC da homofobia adiante nesta nova legislatura.

creio.com.br

A POUCA VERGONHA DOS PASSAPORTES DIPLOMÁTICOS DA VERGONHA BRASILEIRA

Sabemos que no Brasil todos temos direitos iguais .
Não é porque foi presidente que deva ter direitos especiais que outros brasileiros não tenham .
Eu ,  particularmente , até concordo com alguns direitos que um ex presidente possa ter  , mas com qual autoridade filhos e netos de um ex presidente herdam passaportes diplomáticos?
Não entendo muito dessas leis , mas acho muito feio abusarem da boa fé desse povo Brasileiro , que gosta tanto dele(Lula).
Parem de abusar , pois vocês já tiveram seus dias de palácio e agora voltem a rotina normal de todos Brasileiros, depois recebem criticas e não gostam.
O Gritos de Alerta não concorda com coisas , ao nosso ver imorais , e ter passaporte diplomático sem ter esse cargo ou parentesco  , em nosso ver é muito imoral.
Devolva logo e livrem nosso ex presidente desses dissabores.

Gritos de Alerta , de olho nos políticos Brasileiros.

Pastor Roberto Torrecilhas.

SERVIR E LIDERAR.


Servir e liderar



O líder que deseja servir pode prover esperança em meio ao caos e pode ser um exemplo para aqueles que desejam direção e propósitos em suas vidas. O princípio que Jesus viveu é que, quando um líder se torna servo, irá ampliar o alcance da sua influência na liderança. O serviço funciona como um respaldo à autoridade. Na proporção em que um líder serve aos seus liderados, ele reforça sua autoridade para conduzi-los na direção dos objetivos que precisam ser atingidos. Na proporção em que o líder apenas manda nos seus liderados ele os força a seguí-lo por causa da sua posição.



Servir é fruto da visão de vida. Servir é fruto de um conjunto de valores que os líderes cultivam e praticam. Servir é fruto de um conjunto de valores que os líderes cultivam e praticam. Servir é uma atitude e não a inclusão de alguns itens na agenda, que demonstrem uma aparência para as pessoas. Oswald Sanders comenta que:



“Embora Jesus não fosse um revolucionário no sentido político, muitos de seus ensinos eram espantosos e revolucionários, especialmente aqueles concernentes à liderança. No mundo contemporâneo, o termo servo tem uma conotação de inferioridade, mas, não era assim no ensino de Jesus. Na verdade, ele magnificou o termo, igualando-o à grandeza, e isto, certamente, foi um conceito revolucionário. A maioria das pessoas não tem nada em tornar-se senhores, mas há muito pouca atração em ser servo” (p.15).



Um líder não é apenas alguém que detém o poder para conduzir um grupo de pessoas a alcançar um objetivo. Jesus trabalhou um conceito de poder diferenciado com seus discípulos. Logo quando os chamou para iniciarem a missão com ele, afirmou que lhes daria poder para serem efetivos. O poder a que Jesus se referia indicava autoridade ou lastro. A ênfase de Jesus na figura do líder-servo foi especialmente para combater o falso tipo de liderança que existia em sua época.



A estratégia de líder-servo de Jesus



A história e a estratégia de Jesus apenas mostram aquilo que não é novidade. De tempos em tempos, os líderes começam apenas a exercer uma função que lhes foi conferida, fascinam-se com os símbolos de poder e distanciam-se de um exemplo prático de liderança que serve as pessoas. Um dos significados mais fortes que Jesus deu para a liderança, não foi simplesmente realizar coisas, mas formar pessoas. O apego ao poder da função faz com que os líderes queiram realizar cada vez mais atividades e se preocupem cada vez menos com o desenvolvimento de outros líderes.

Poder, delegação e desenvolvimento de líderes são três coisas conexas na vida de Jesus. O que Jesus mostrou através do seu próprio exemplo é que o maior legado que um líder pode deixar para o futuro é a formação de outros líderes através da sua própria vida.

Quando se observa a vida de Jesus, entende-se a forma como ele conseguiu conjugar dois termos aparentemente opostos: servir e liderar. Liderar requer motivação, servir requer coragem. Liderar depende das habilidades que se consegue obter, mas servir depende daquilo que uma pessoa é. A liderança servidora não é apenas uma boa forma de se liderar. Líderes-servos não são passivos conforme Lawrence. Eles se envolvem com seus liderados, ajudando-os a crescer. No entanto, o envolvimento não é apenas intelectual, mas de coração a coração.

Líderes são servos e eficazes quando as pessoas que lideram se tornam melhores por sua causa, e não quando conseguem subjugá-las para que os sirvam e alcancem melhores resultados. A formação de um líder-servo parece não ser completa apenas com a assimilação de alguns conceitos. É necessário um processo. A primeira parte do processo implica em fazer o líder desaprender parte do que sabe sobre liderança, especialmente o que contraria a essência do que significa ser servo. A segunda parte do processo implica em padecer as dores de tornar-se servo, assimilando valores que influirão no “ser” do líder. Quando o líder capacita seus liderados esta é uma forma de servi-los.



O processo para se tornar um líder-servo



O líder-servo não é apenas caracterizado por atitudes externas, mas por princípios interiores, refletidos em sua forma de agir e se relacionar com as pessoas. É a mente de um líder-servo que processa e estabelece uma forma diferente de pensar. Autry diz que quanto mais útil um líder for mais ele será capaz de servir. Segundo Autry, liderança tem muito mais a ver com ser útil do que controlar pessoas.

Para um líder chegar a ser servo é necessário entender o processo pelo qual Jesus Cristo passou, que envolve algumas etapas: entender a linha divisória entre ser líder e se tornar líder-servo; ajustar o caráter; submeter-se à missão; focalizar-se na realização da visão e multiplicar os resultados. O processo pode ser assim ilustrado através de alguns princípios, baseados na experiência de Jesus



The harvest ministry

OAB pede que filhos de Lula devolvam passaporte diplomático


Claudia Andrade
Direto de Brasília
Em nota divulgada à imprensa nesta sexta-feira, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, faz um apelo para que os filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva devolvam os passaportes diplomáticos concedidos pelo Itamaraty. No texto, Ophir diz ainda que Lula pode ser alvo de ação judicial por improbidade administrativa.
"A Ordem apela para que os filhos do (ex) presidente Lula devolvam o passaporte especial; não submetendo seu pai a um constrangimento público dessa natureza, inclusive com possibilidade de ação judicial por improbidade administrativa para alcançar quem concedeu esse benefício", diz a nota.
Se a devolução não ocorrer, o presidente da OAB prevê a hipótese de apuração pelo Ministério Público Federal (MPF) de suposto "ato de ilegalidade administrativa, que quebra a isonomia entre os brasileiros".
Ophir afirma que a concessão dos passaportes especiais é algo "extremamente danoso face ao princípio da moralidade administrativa e atenta contra a própria lei". "O governante não pode ceder às tentações do cargo. Enquanto ele estiver no cargo, deve ter as regalias necessárias para o exercício do cargo; a partir do momento em que deixa o cargo, ele passa a ser um cidadão comum, igual a todos os brasileiros e brasileiras".
Em reportagem publicada na quinta-feira, o jornal Folha de S.Paulo informa que os passaportes diplomáticos foram concedidos dois dias antes do fim do mandato do ex-presidente. A decisão teria sido tomada em "caráter excepcional" e "em função de interesse do País", sem justificativa para a concessão.
Segundo o jornal, dependentes de autoridade podem receber o documento até os 21 anos, a menos que sejam estudantes (24 anos) ou portadores de deficiência (sem idade). Luís Cláudio Lula da Silva, 25 anos, e Marcos Cláudio Lula da Silva, 39 anos, não se encaixariam no perfil.
Redação Terra

Brasileiros que buscam a cura apenas na religião são quase 100 mil

Há quase 100 mil pessoas no Brasil que, quando ficam doentes, não procuram um posto médico, nem clínica, nem hospital.

Preferem se entregar a religiosos que oram ou rezam por sua cura, ou a curandeiros que dizem receber espíritos pra operar milagres e restaurar a saúde dos que acreditam.

Segundo a pesquisa "Um Panorama da Saúde no Brasil - acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde 2008", divulgada neste 31 de março pelo IBGE e pelo Ministério da Saúde, 97 mil brasileiros costumam procurar seu "serviço de saúde" em cultos religiosos quando precisam de atendimento.

Obviamente, este não foi o dado destacado pelos divulgadores oficiais, até porque o número de pessoas envolvidas nesta observação é muito pequeno se comparado com o universo de 139,9 milhões que costumam buscar outro tipo de serviço de saúde.

Mas não deixa de ser curioso perceber este número tão expressivo, em termos absolutos, daqueles que costumam, exclusivamente, preferir receber uma oração ou mandinga espiritual do que procurar um profissional. E esse número ficaria ainda maior se incluísse aqueles que declararam que costumam buscar outro tipo de atendimento profissional, mas que não deixam de ir também nos cultos de curas.

A tabela que traz a informação religiosa, intitulada "Características de saúde dos moradores - Tabela 2.9: Pessoas que normalmente procuravam o mesmo serviço de saúde quando precisavam de atendimento de saúde, por tipo de serviço normalmente procurado, segundo os grupos de idade, o sexo e as classes de rendimento mensal domiciliar per capita - Brasil - 2008", chama de "outros" a opção dos 97 mil brasileiros.

Mas, nas explicações finais do relatório, o texto dá um detalhamento maior ao tópico, deixando clara a que tipo de escolha se refere: "outro tipo de serviço (curandeiro, centro espírita etc.) – quando a pessoa tem o hábito de procurar o mesmo serviço que presta atendimento de saúde informal (culto religioso voltado para a cura divina, terreiro de umbanda, centro espírita, pajelança, curandeiro, rezadeira, curiosa, benzedor, pai de santo, entidade espírita, pessoa que presta alguma atividade de atenção à saúde sem ter formação profissional nesta área etc.)".

O relatório ressalta que está excluída desta opção "o serviço prestado por profissional de saúde que atende em consultório, clínica ou posto de saúde mantido por culto religioso". Dos que buscam culto religioso ou curandeiro, 50 mil são mulheres, sendo 26 mil com mais de 40 anos.

Quando considerado ambos os sexos, 45 mil têm mais de 40 anos e 60 mil tem rendimento menor que um salário mínimo. Os outros serviços de saúde relacionados na pesquisa, e o número de pessoas que buscam neles o atendimento, são: Posto ou centro de saúde (79.422.000, o mais procurado), Consultório particular (26.851.000), Ambulatório de hospital (17.073.000), Pronto-socorro ou emergência (7.088.000), Ambulatório ou consultório de clínica (5.877.000), Farmácia (2.148.000), Ambulatório ou consultório de empresa ou sindicato (1.008.000) e Agente comunitário de saúde (320.000).

Fonte: IBGE via Creio

CRISTÃOS SECRETOS



Quem são os cristãos secretos?
Um "cristão secreto" é um cristão perseguido cuja vida corre perigo constante por ele estar seguindo Jesus. Na maioria das vezes, um cristão secreto é convertido do islamismo, mas pode ser encontrado em outras culturas também. Por se converter, ele foi agredido ou ameaçado por seu governo, seus amigos e até pela própria família. Cristãos secretos têm necessidades únicas que só podem ser supridas pelo apoio dos demais membros do Corpo de Cristo.

Ao longo deste ano, você aprenderá sobre eles, lerá seus testemunhos, saberá como orar por eles e como ajudá-los. Verá o que a Portas Abertas tem feito para ajudá-los a se manter firmes na fé a despeito das restrições que lhes são impostas por uma cultura que não permite que se expressem de forma livre. Por fim, você verá que, quando uma pessoa se converte, as circunstâncias para ela não são as mesmas se tivesse se convertido na igreja que você frequenta.

Por que esse tema foi escolhido?
Recebemos muitas informações sobre os cristãos perseguidos em geral, mas no ano de 2011 decidimos dar um destaque para aqueles cristãos que precisam exercer sua fé clandestinamente, e por isso precisam muito das nossas orações específicas por eles. Eles não podem compartilhar sua fé ou suas dificuldades uns com os outros, pois não sabem quem são seus irmãos em Cristo. Assista ao vídeo e conheça mais sobre os cristãos secretos.

Nossos irmãos precisam de nós. Levante-se em oração por eles desde já!

A vida de um hindu transformada por Jesus


Delhi, na Índia
  A Missão Portas Abertas está em férias coletivas entre os dias 22 de dezembro e 2 de janeiro.

Nesse período, o site terá um conteúdo especial, com testemunhos que podem ser usados nas igrejas, em pequenos grupos ou em qualquer situação, para a edificação do Corpo de Cristo.

Em 2007, a Portas Abertas publicou o testemunho de um hindu que se converteu ao cristianismo. Relembre essa emocionante história:

Imagine encontrar um homem muito intimidador e fora de si que amedrontava todo mundo ao seu redor, principalmente os cristãos. Além disso, ele abusa de sua esposa e de seus filhos, explora os pastores e despreza o cristianismo de uma maneira geral.

Esta descrição enquadra-se num homem chamado Sumitr, mas isso é só parte da história. Por muitos anos, a esposa dele carregara um tumor no peito, além da realidade do filho dela, que abandonou seus pais para se afastar do ambiente hostil no qual vivia com o próprio pai.

Sumitr vive em Kerala, província localizada ao sul da Índia. Um dia, ele convidou o missionário Nabhoj Vaman, do ministério Gospel for Asia (GFA, sigla em inglês), a visitá-lo em sua casa. Disse ao pastor que queria ouvir falar de Jesus.

Mas o verdadeiro motivo daquele homem era zombar do cristianismo. No entanto, Deus tinha outros planos.

Quando o pastor Nabhoj chegou, Sumitr começou a fazer várias perguntas a respeito de Cristo. Ao final da discussão, Sumitr ficou surpreso com as concepções errôneas que tinha sobre a fé cristã.

Ansioso em aprender mais, ele aceitou o convite de Nabhoj para visitar uma igreja e, após observá-la, Sumitr entregou sua vida para Cristo.

A notícia da conversão de Sumitr se espalhou pela vila. Quando os amigos dele ficaram sabendo, imediatamente foram ao encontro de Sumitr e tentaram convencê-lo a desistir do cristianismo.

Eles até ameaçaram ferir sua esposa, caso discordasse em desistir de ser cristão.

Ainda assim, Sumitr sabia que Jesus era o único que tinha mudado sua vida, fazendo com que recusasse a coação de seus amigos. Percebendo que Sumitr realmente tinha se convertido, acabaram desistindo e o deixaram em paz.

Agora a família de Sumitr está muito feliz e radiante com Jesus. Sumitr e sua esposa foram batizados. Deus curou o tumor no peito de sua esposa através das orações de Nabhoj e o filho do casal se reintegrou à família.

Deus está sendo louvado por esse milagre e Nabhoj pede por oração à Sumitr e sua família para que se fortaleçam na fé.








Fonte: ANS

WEB RÁDIO GRITOS DE ALERTA , UMA RÁDIO A SERVIÇO DO REINO DE DEUS

Em breve no ar a WEB RÁDIO GRITOS DE ALERTA , onde teremos uma programação especial todos os dias.
PREGAÇÕES AO VIVO - PALESTRAS SOBRE TEMAS ESPECIFICOS - LOUVORES - CANTORES - LANÇAMENTOS  e muito mais.


aguardamos seus comentários e participação.


Pastor Roberto Torrecilhas.

EM BREVE NO AR A NOVA WEB RÁDIO - GRITOS DE ALERTA - A PALAVRA VERDADEIRA DOA A QUEM DOER .

Queridos , aguardo seus comentários sobre esse novo projeto.

Acham que é importante uma rádio para falarmos a verdade , sem medo e sem placa ?


Pastor Roberto Torrecilhas.

Quatro cavalos morrem atropelados em acidente no interior de SP Cada animal foi atingido por um veículo em via que liga Indaiatuba a Salto. Segundo a polícia rodoviária, uma pessoa ficou ferida.

acidente cavalos salto Do G1 SP, com informações da TV Tem

Quatro cavalos morreram em acidente no interior
de SP (Foto: Divulgação/Polícia Militar Rodoviária)
Quatro cavalos morreram após serem atropelados por quatro carros na madrugada desta sexta-feira (7) na Rodovia Prefeito Hélio Steffen, que liga Indaiatuba a Salto, no interior de São Paulo. De acordo com a Polícia Militar Rodoviária, os atropelamentos ocorreram um em seguida do outro – cada animal foi atingido por um dos veículos.
Os cavalos morreram na pista. Outros animais que também estavam soltos retornaram a terrenos baldios que ficam às margens. Nenhum proprietário dos animais foi localizado.
Ainda segundo a polícia, uma pessoa que estava em um dos carros ficou ferida e foi levada ao Hospital Nossa Senhora Mont Serrat, em Salto. Uma das pistas da rodovia chegou a ficar interditada até que os animais fossem retirados por funcionários da concessionária que administra o trecho.

29º Congresso Internacional de Missões (Congresso dos Gideões 2011) O MAIOR CONGRESSO DE MISSÕES DO BRASIL

http://www.gideoes.com.br/images/stories/eventos/29.jpg
O MAIOR CONGRESSO DE MISSÕES DO BRASIL
Preletores e Cantores nacionais e internacionais.

Forme suas caravanas e participem.

Por Gritos de Alerta.

Listagem de preletores da 29ª edição do Encontro de Missões



A listagem será divulgada no mês anterior aos dias do evento, contudo, todas as informações estarão disponíveis, em breve, no portal do encontro.

Contatos:
Atendimento on-line - FALE CONOSCO
TELEFONES:
(47) 3404-8714

Calebe Ibaldo Moreno
Departamento de Comunicação GMUH

6 MILHÕES de muçulmanos se convertem ao cristianismo todos os anos

Mantenedor da Fé
A TV Árabe Al Jazeera (جزيرة), cujo nome significa A Ilha, entrevistou o Sheik Ahmed Al Katani e Maher Abdallah.
Sheik Ahmed é o presidente da منارة الصحابة للعلوم الشريعة الإسلامية “Companheiros do Farol para a ciência da lei islâmica” na Libia. Esta instituição se especializou em formar pregadores muçulmanos e imans.
Nesta entrevista levada ao ar em toda área coberta pela Al Jazeera eles estavam discutindo sobre a Cristianização da África. De acordo com o Sheik Katani, o número de muçulmanos na África diminuiu significante no ultimo século.

Glória a Deus !!!

Assista e ouça a reportagem por você mesmo (em árabe com legenda em inglês)
Artigos Relacionados:

Islâmicos têm sonhos e visões da vida de Jesus e se convertem ao cristianismo

Boa parte dos muçulmanos está entregando o coração ao Senhor Jesus. Após um longo período de resistência, relatos do Oriente Médio afirmam que o grupo tem aceitado ouvir a Palavra de Deus e começou a reconhecer Jesus como único Salvador.
Nizar Shaheen, apresentador do programa cristão Luz para as Nações – assistido pela maioria dos muçulmanos – tem percebido o mover. “Eu vejo muitas, muitas pessoas de contexto muçulmano se achegando a Cristo, aceitando-o como Senhor e Salvador”, disse.
O evangelista e sacerdote copta no Egito, Zakaria Henein, também está surpreso com a receptividade dos islâmicos. “O que acontece nos dias de hoje, no mundo muçulmano, nunca aconteceu antes. Jovens e velhos, estudados ou não, homens e mulheres, até os mais extremistas, estão entregando suas vidas a Jesus”, contou.
Prova disso é a conversão do ex-extremista Samer Achmad Muhammed, que estudou durante anos para se tornar um xeique wahabbi – uma das posições religiosas mais elevadas do islamismo. “Eu odiava os cristãos e a Igreja, mas Jesus Cristo perdoou os meus pecados. Agora, dedico minha vida a Ele”, revelou.
Para os cristãos que têm presenciado o operar de Deus, o mais interessante é a forma com que os muçulmanos estão se convertendo. Segundo o ministro Heidi Baker, os islâmicos têm visto Jesus em revelações e sonhos. “O Senhor tem aparecido para milhares de africanos muçulmanos. Eles estão se convertendo e sendo até batizados”, disse.
De acordo com Shaheen, ele recebe muitas cartas de pessoas que sonharam com Jesus, tiveram visões e viveram milagres. Para a autora do livro “As Visões de Jesus: Sinais e Maravilhas no Mundo Muçulmano”, Christine Darg, isso tem uma explicação. “Cristo está indo aos muçulmanos e revelando em particular as últimas 24 horas da vida dEle na terra. Jesus tem mostrado coisas que o Islã não ensina: a crucificação, a ressurreição e todo o seu poder”, explicou.
Fonte: Elnet

nota do Gritos .

As bombas não podem parar  o poder do Senhor Jesus Cristo , muitos ainda se achegarão e serão libertos .
GLÓRIAS A DEUS.

Motociclista morre ao ser atingido por linha com cerol em Minas

Um motociclista morreu na noite de quinta-feira em Belo Horizonte depois de ser atingido no pescoço por linha com cerol. Segundo o Corpo de Bombeiros, ele chegou a receber os primeiros socorros por um médico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu ao ferimento.
Os bombeiros afirmaram ainda que, ao chegarem à marginal de entrada para Santa Luzia, na capital mineira, o motoqueiro apresentava sangramento. Ele foi encaminhado para um hospital em Venda Nova, onde morreu.

terra.

CRISTIANISMO E ISLAMISMO NO MUNDO ATUAL




1. Panorama histórico
Após muitos séculos de confrontação com a cristandade, o domínio árabe na Europa ocidental (Península Ibérica) chegou ao fim em 1492.

O fim do avanço otomano terminou em 1683, com a derrota diante dos poloneses no segundo cerco de Viena. O império turco ainda se envolveria em várias guerras com a Rússia (como a da Criméia, em 1854), mas começaria a perder progressivamente os seus territórios nos Bálcãs e no Oriente Médio. O califado otomano chegou ao fim em 1924, não sem antes ter promovido o terrível genocídio dos armênios (a partir de 1915).

Análise do prof. J. Dudley Woodberry (Fuller), que desde 1957 tem estudado, lecionado e ministrado no Líbano, Afeganistão, Paquistão e Arábia Saudita e visitou 35 outros países predominantemente muçulmanos:

No início da I Guerra Mundial, foi dito aos árabes que, se apoiassem os aliados contra os seus senhores turcos, que apoiavam a Alemanha, eles receberiam a independência. Um ano depois, o Acordo Sykes-Picot dividiu o Oriente Médio entre os ingleses e os franceses (+Espanha, Holanda e Rússia). Isso gerou uma profunda frustração e sentimento de deslealdade.

Logo em seguida veio a Declaração Balfour (02-11-1917), do ministro das relações exteriores da Inglaterra, que dizia que o governo britânico iria apoiar a criação de "um lar nacional para o povo judeu" na Palestina, contanto que isso não interferisse nos direitos civis e religiosos dos moradores locais.

O Acordo Sykes-Picot e a Declaração Balfour violaram entendimentos anteriores com os árabes. A partir de então, os muçulmanos começaram a demonstrar sentimentos anti-britânicos e anti-franceses (quando estes ocuparam a Síria e o Líbano).

O presidente americano Woodrow Wilson (1913-1921) não tinha aspirações coloniais e os EUA decidiram não participar da divisão dos territórios conquistados, feita após a guerra pela Liga das Nações. Escolas e hospitais cristãos em todo o Oriente Médio, Paquistão e Irã também produziram atitudes positivas para com os Estados Unidos.

No final da II Guerra Mundial, Harry Truman violou a promessa feita por Franklin Roosevelt a Abdul Aziz, o rei da Arábia Saudita, de não fazer nada na Palestina sem consultar os árabes. Os Estados Unidos deram pleno apoio ao Estado de Israel (1948), nas Nações Unidas e de outras maneiras. Foi então que surgiu o sentimento anti-americano entre os árabes. (Razões para o apoio a Israel: holocausto, judeus americanos, cristãos conservadores.)

Desde então, os muçulmanos têm tido uma atitude rancorosa para com os EUA. A Palestina é uma questão tão importante que obscurece todas as demais. (Livro Irmãos de Sangue, de Elias Chacour)

2. Fanatismo religioso

O fenômeno do fanatismo está presente em todas as religiões (bem como em ideologias não-religiosas, como o marxismo).

No caso dos muçulmanos, a militância fundamentalista está diretamente relacionada com um sentimento de trauma e de frustração na comunidade islâmica. Fatores:
- Senso de estarem ameaçados pelo Ocidente, especialmente pela secularização, pela dissolução dos valores;
- Sentimento de serem injustiçados pela política americana, principalmente no caso dos palestinos e do apoio incondicional dos EUA a Israel;
- Revolta com a presença de tropas norte-americanas na Arábia Saudita, o berço do islã.

Essas frustrações abrem velhas feridas, como a questão das Cruzadas, e alimentam uma corrente intolerante e agressiva dentro do islamismo que remonta ao próprio Maomé e ao Corão. De um modo geral, Maomé tratou bem os cristãos, mas os judeus não tiveram igual sorte. Quando os homens da tribo dos Qurayza se recusaram a ajudá-lo, ele os decapitou junto a uma vala que mandara abrir (Ibn Ishaq, biógrafo islâmico).

O islamismo nasceu em oposição consciente ao cristianismo e ao judaísmo. É uma religião militante e por muitos séculos usou, além da persuasão verbal, a força das armas para se expandir. Alguns líderes foram intolerantes com os cristãos, abrindo precedentes perigosos.

Em 717, o califa Umar II iniciou a primeira perseguição geral de não-muçulmanos. O califa Harun al-Rashid ordenou a destruição de todas as igrejas novas (807). O califa fatímida Hakim destruiu a Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém (1009). Em 1244, os residentes cristãos de Jerusalém foram expulsos.

3. O conceito de jihad
Um conceito que pode causar problemas é o de jihad. Literalmente, o termo significa "luta", "esforço" ou "empenho". No seu contexto religioso, ela sempre envolve uma luta contra o mal, mas isso pode assumir várias formas. (Análise de Mateen A. Elass, "Four Jihads".)

(a) Jihad do coração: significa a luta contra as tendências más da natureza humana, a busca do aperfeiçoamento pessoal. (b) Jihad da boca: visa solapar a oposição ao islã de duas formas - argumentação verbal e maldições ou imprecações, ou seja, guerra verbal. Ex: Saddam Hussein na I Guerra do Golfo: "a mãe de todas as batalhas". (c) Jihad da pena: utiliza a palavra escrita em defesa do islã (por exemplo, as doutrinas centrais da fé cristã tem sido um alvo especial da apologética islâmica). (d) Jihad da mão: busca promover a causa de Alá através de ações louváveis (tratamento exemplar dos outros, devoção a Deus, etc.).

A última e mais problemática forma de jihad é a da espada. Esse aspecto domina a história e a jurisprudência islâmica. Quando essa palavra ocorre no Corão sem um qualificativo ou com o qualificativo típico "na causa de Alá", ela invariavelmente significa um apelo ao combate físico em favor do islã. Palavras de Maomé após uma batalha (segundo a hadith): "Todos nós voltamos da jihad menor para a jihad maior". O conceito tem quatro estágios distintos de desenvolvimento no Corão:

(1) Quando o islã era um movimento incipiente, Maomé aconselhou uma política de persuasão pacífica: "Incita os humanos à senda de teu Senhor com prudência e com bela exortação; refuta-os de maneira benevolente... se fordes pacientes, será preferível para vós" (Sura 16:125-126). Posteriormente, Maomé decretou que a luta era permissível somente para repelir a agressão e resgatar bens confiscados por infiéis. "Ele permitiu o combate aos que lutaram, porque foram ultrajados; em verdade, Deus é poderoso e pode secundá-los. São aqueles que foram expulsos injustamente de seus lares só porque disseram: Nosso Senhor é Deus!" (Sura 22:39).

(2) Dentro de poucos meses, essa permissão para lutar em autodefesa se tornou uma obrigação religiosa de batalhar contra aqueles que iniciassem hostilidades contra a comunidade islâmica ou seus interesses: "Combatei pela causa de Deus àqueles que vos combatem; porém, não os provoqueis, porque Deus não estima os agressores. Combatei-os onde quer que os encontreis e expulsai-os de onde vos expulsaram... Não os combatais nas cercanias da Sagrada Mesquita, a menos que vos ataquem. Mas, se ali vos combaterem, combatei-os. Tal será o castigo dos incrédulos" (Sura 2:190-191).

À medida que a doutrina da jihad se desenvolveu, Maomé ensinou que aqueles que sacrificassem suas vidas em batalha pela causa de Alá seriam recebidos no nível mais elevado do céu. Por outro lado, os muçulmanos aptos que rejeitassem o chamado à luta sofreriam a punição divina (9:38-39). Não é de admirar que desde então tenha crescido o número de muçulmanos desejosos de se dedicarem à guerra.

(3) O terceiro estágio de desenvolvimento levou a jihad da defesa para o ataque, exceto nos quatro meses de peregrinação religiosa: "Mas quando os meses sagrados houverem transcorrido, combatei os idólatras onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os; porém, caso se arrependam, observem a oração e paguem o tributo, deixai-os em paz" (Sura 9:5).

(4) A evolução final do conceito corânico de jihad afastou quaisquer limitações quanto à época de batalhar na causa de Alá. Quando comandados por um líder islâmico reconhecido, os muçulmanos podiam atacar os incrédulos em qualquer época e em qualquer lugar que ainda não havia se rendido os exércitos do islã. "Combatei aqueles que não crêem em Deus e no Dia do Juízo Final, nem se abstêm do que Deus e seu Apóstolo proibiram, não professam a verdadeira religião daqueles que receberam o Livro, até que eles, submissos, paguem o tributo" (Sura 9:29).

4. O fundamentalismo

Portanto, ao lado de uma tradição tolerante, o islamismo obviamente tem uma ênfase beligerante e agressiva, desde a época de sua fundação. Essa tradição alimenta o radicalismo religioso ou fundamentalismo militante, dependendo das circunstâncias.

No fundamentalismo cristão, isso é grandemente atenuado pelo exemplo e ensinos de Cristo no Novo Testamento (em contraste com a tradição do Antigo Testamento): sua ênfase na não-resistência ou resistência pacífica, ao amor, ao perdão aos inimigos, etc.

Outros fatores que tem alimentado o radicalismo islâmico nas últimas décadas e o seu sentimento anti-ocidental e anticristão (além da questão de Israel) são:

  1. A tentativa de modernização forçada de alguns países muçulmanos, e a conseqüente ameaça de secularização e ocidentalização. Ex: o Irã na época do xá Reza Pahlavi e a revolução dos aiatolás. A conseqüência tem sido o surgimento de repúblicas islâmicas. 
  2. O expansionismo político, cultural e econômico do Ocidente gera animosidade. Tem se usado o termo "cruzado" no sentido de "imperialista", "colonialista" ou mesmo "capitalista".
  3. Como o islã é uma religião abrangente, que integra todas as esferas da vida e da sociedade (não há separação entre o religioso e o secular, religião e política), os muçulmanos tendem a aplicar o mesmo critério ao Ocidente, ou seja, não distinguir entre ações políticas de governos e o cristianismo. Não levam em conta a separação entre igreja e estado.
  4. Senso de frustração pela situação decadente em que se encontra o mundo islâmico em comparação com os períodos áureos do passado. O Ocidente é rico, avançado tecnologicamente, tem dado as maiores contribuições ao mundo na área cultural.
  5. Os muçulmanos estão divididos politicamente e religiosamente: países ricos x países pobres; estados seculares x estados teocráticos; árabes x não-árabes. Eles têm guerreado entre si (Irã x Iraque, Iraque x Kuwait).

A partir dos anos 50, o conservadorismo tradicional que sempre se opusera ao modernismo endureceu na forma de resistência política, revolução e finalmente terrorismo. Os conservadores passaram a criticar a decadência ocidental e insistir na volta aos fundamentos islâmicos. As supostas agressões aos valores muçulmanos passaram a ser repelidas com veemência (Versos Satânicos, de Salman Rushdie, 1989).

Tudo isso tem afetado profundamente as relações entre o cristianismo e o islamismo. Os cristãos que vivem em países muçulmanos têm sentido mais fortemente os ventos de mudança. Os muçulmanos moderados temem se manifestar. Há uma necessidade de ações positivas de ambos os lados, a começar do Ocidente, visando curar as feridas abertas e restaurar a confiança entre as duas comunidades.


Alderi Souza de Matos

Enfoque:
Panorama dos conflitos atuais e questão do fanatismo religioso 

via Gritos de Alerta

Diferenças Irreconciliáveis Entre o Islamismo e o Cristianismo


Elwood McQuaid
No início da década de 80, três irmãos – todos muçulmanos ativos e devotos, filhos de um líder da fé islâmica – entregaram a vida ao Senhor Jesus Cristo. Em relação à sua conversão, eles escreveriam, mais tarde: "Nós não mudamos de religião. O sangue de Jesus nos salvou [...]. O que ocorreu foi o gracioso ato divino da redenção".
O pai os repudiou. "Poderia ter sido pior" – escreveram eles – "De acordo com a hadith 9.57, nós três deveríamos ter sido mortos". Eles só voltaram a ver o pai dezessete anos depois, em 1999, quatro dias antes da morte dele. E ele morreu muçulmano.
Hoje em dia, Ergun e Emir Caner são professores cristãos de história eclesiástica e teologia, e autores de um livro extraordinário, intitulado Unveiling Islam (Revelando o Islã, Kregel Publications). O livro está repleto de informações históricas sobre Maomé e a fé islâmica, e esclarece de forma brilhante as diferenças irreconciliáveis entre o cristianismo e o islamismo.
Maomé versus Jesus
Aos quarenta anos, Maomé começou a ter convulsões, e afirmava que foi através delas que recebeu a revelação de Deus (Alá), por meio do anjo Gabriel. Porém, ele tinha um "medo mortal" da fonte dessa revelação e achava estar possuído por demônios. Foi sua esposa que o convenceu do contrário.
Os Caner escrevem: "As dúvidas de Maomé são perturbadoras. Será que um autêntico profeta de Deus duvidaria da fonte de sua revelação? [...] Certamente nenhum dos genuínos profetas da Bíblia atribuiu a revelação de Deus aos demônios".
Maomé incumbiu todo muçulmano de empreender a guerra santa, a jihad. Em 627, na cidade de Medina, ele ordenou que 800 judeus fossem enterrados numa trincheira com as cabeças para fora, sem a menor possibilidade de reação, e depois decapitados, "um procedimento que levou um dia inteiro e prosseguiu pela noite adentro [...]. Jesus, por sua vez, não ordenou as cruzadas assassinas" – declararam os Caner. "Maomé era desumano na batalha [...]. Porém, a única vida que Jesus Cristo entregou voluntariamente foi a Sua própria. Seu caráter demonstra compaixão contínua e incontestável. Maomé, por outro lado, era imprevisível e hostil aos que se recusavam a segui-lo".
Os Caner continuam:
Ele matava seus críticos por expressarem seu pensamento, ordenou o espancamento de uma mulher para obter informações e manteve relações sexuais com uma criança de nove anos. Além disso, era um general sanguinário e atacava caravanas apenas para conseguir dinheiro para a expansão de seu movimento. Ele chegou até a quebrar as regras de guerra, comandando um ataque durante um mês sagrado.
Maomé "raramente conseguia uma conversão que não fosse através de coação". Além disso, confiava em suas próprias boas obras para chegar ao céu, e ordenou aos muçulmanos: "...matai os idólatras onde quer que os encontreis" (sura 9.5). Foi ele que fez constar do Corão a ordenança para a execução, crucificação, mutilação ou exílio de qualquer um que fizesse "guerra a Deus (Alá) e a seu Mensageiro..." (sura 5.33).
Ao contrário do cristianismo, o islamismo não tem o conceito de um relacionamento pessoal com Deus, e a ênfase que Jesus dava ao amor é completamente estranha ao islã: "O amor não entra na equação, pois a religião muçulmana está fundamentada no senso de dever e no desejo de receber a recompensa" – afirmam os Caner. Enquanto a Bíblia ensina "Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem" (Mateus 5.44), os muçulmanos são ensinados a odiar os inimigos de Alá (como faz o próprio Alá), e o Corão promete o paraíso a todos os que morrerem lutando pelo islã.
Lutar até a morte
"vós que credes, combatei os descrentes que estão próximos de vós. E que sintam dureza em vós! E sabei que Deus está com os piedosos"
(sura 9.123).

O Corão ensina seus seguidores a lutar até que o islamismo domine o mundo:
"Que combatam pela causa de Deus (Alá) os que trocam esta vida terrena pela vida futura! Pois quem combater pela causa de Deus, quer sucumba quer vença, conceder-lhe-emos grandes recompensas" (sura 4.74).
"Os crentes combatem na senda de Deus (Alá); os descrentes combatem na senda do ídolo Tagut. Combatei, pois, os aliados do demônio. A astúcia do demônio é ineficaz" (sura 4.76).
"Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, matai os idólatras onde quer que os encontreis, e capturai-os e cercai-os e usai de emboscadas contra eles" (sura 9.5)
"Combatei-os: Deus (Alá) os castigará por vossas mãos e os humilhará e vos dará a vitória sobre eles..." (sura 9.14).
"Dos adeptos do Livro, combatei os que não crêem em Deus nem no último dia e nem proíbem o que Deus (Alá) e seu Mensageiro proibiram e não seguem a verdadeira religião – até que paguem, humilhados, o tributo" (9.29).
"Mas o Mensageiro e os que creram lutaram com seus bens e sua vida. A abundância e a vitória lhes pertencerão" (sura 9.88).
Ao contrário do cristianismo, o islamismo não tem o conceito de um relacionamento pessoal com Deus, e a ênfase que Jesus dava ao amor é completamente estranha ao islã: "O amor não entra na equação, pois a religião muçulmana está fundamentada no senso de dever e no desejo de receber a recompensa"

"vós que credes, combatei os descrentes que estão próximos de vós. E que sintam dureza em vós! E sabei que Deus está com os piedosos" (sura 9.123).
"Quando, no campo da batalha, enfrentardes os que descrêem, golpeai-os no pescoço. Depois, quando os tiverdes prostrado, apertai os grilhões. Depois, outorgai-lhes a liberdade ou exigi deles um resgate, até que a guerra descarregue seus fardos. Se Deus (Alá) quisesse, Ele mesmo os teria derrotado. Mas Ele assim determinou para vos provar uns pelos outros. E não deixará perder-se o mérito dos que morrem por sua causa" (sura 47.4).
"Deus ama os que combatem por Ele em fileiras semellhantes a uma parede bem construída" (sura 61.4).
"Foi Ele que enviou o Seu Mensageiro com a orientação e com a religião verídica para que a fizesse prevalecer sobre todas as outras religiões, ainda que isso desgoste os idólatras" (sura 61.9).
Realmente, estão bem claras as diferenças irreconciliáveis entre o cristianismo e o islã! (Israel My Glory - Elwood McQuaid - http://www.beth-shalom.com.br)

Elwood McQuaid é editor-chefe de "The Friends of Israel".

via Gritos de Alerta.

Bispo Edir Macedo lidera concurso criado por principal autor da Rede Globo para saber qual é “O Maior Brasileiro de Sempre”

No entanto, esse número já foi ultrapassado, e agora, o bispo já está com 46%, dando um total de mais de 700 mil votos, até o momento. Em segundo lugar está o empresário Eike Batista (17%), em terceiro, Chico Xavier (14%) e em quarto, o empresário Silvio Santos.
Qualquer pessoa pode participar da votação
O concurso, dividido em três fases, iniciou no dia 8 de novembro de 2010 e vai até o dia 30 de junho deste ano. Na primeira fase, não há limite de voto individual, possibilitando que a pessoa vote quantas vezes quiser (esta fase vai até o dia 28 de fevereiro).
Em seguida, apenas os 30 mais votados passarão para a segunda fase, que iniciará a votação no dia 5 de março, finalizando no dia 30 de abril. Desta fase, sairão os 10 nomes mais votados. É importante frisar que tanto na segunda, quanto na terceira e última fase, cada internauta poderá votar apenas uma vez.
Na última fase, a votação iniciará no dia 5 de maio, terminando no dia 30 de junho. O resultado sairá até o dia 5 de julho no portal do dramaturgo.
O objetivo do concurso é eleger “a personalidade mais marcante da história do Brasil”. De acordo com o regulamento, “o concurso é um verdadeiro desafio ao País e a toda a sociedade brasileira”.
Se você deseja participar da votação, acesse o Portal de Aguinaldo Silva.
Fonte: Arca Universal

Apóstola Neuza Itioka confirma conteúdo da carta sobre a vinda de Jesus até 2018, mas se nega a comentar

A carta causou extrema polêmica após a Apóstola, comentando sobre a volta de Jesus, citou uma suposta teoria de um rabino que teria morrido em 1217 e profetizado o fim do mundo em 2017 e defendeu a tese: “Sim, de acordo com os acontecimentos, a figueira que representa Israel floresceu em 1947 e o Senhor disse que, a geração que assistiu o florescimento não passaria, até que todas estas coisas acontecessem. Uma geração dura 70 anos. De 1947 mais 70 anos corresponde a 2017. ( Lc. 21; 29-33) Aparentemente, o Messias está para voltar, logo e logo. Você e eu poderemos estar no meio desta igreja que sobe ou fica.” Neuza ainda comentou na carta que a data do acontecimento poderia ser em 2018 e não em 2017 como profetizou o rabino.
Entre outros conteúdos além da polêmica de 2017, a Apóstola afirma que há uma Nova Ordem Mundial supostamente criada pelas 13 famílias mais ricas do mundo, estes seriam os Iluminates que junto com a ONU estariam trabalhando para acelerar a vinda do anti-cristo. Neusa Itioka também previu para os próximos anos a eliminação de 90% da população mundial e pediu muitas orações e jejuns, recomendou ler 20 vezes os dois livros de Tessalonicenses e alertou que muitos evangélicos não irão ter com o Pai devido a suas condutas, mudanças de opinião ou pouca dedicação a Deus.
Procurado pelo Gospel+, o Ministério Ágape e Neuza Itioka se negaram a comentar a polêmica, mas confirmaram que a carta foi realmente toda escrita e enviada pela Apóstola líder do Ministério.

O outro lado

O Ministério Ágape Reconciliação negou que Neuza tenha afirmado ou sugerido que Jesus faria sua segunda vinda a Terra em 2017. Segundo o Ministério, Neuza Itioka apenas citou e defendeu em sua carta aos Cristãos a profecia do Rabino Ben Samuel como alerta.
O Ministério Ágape Reconciliação também afirmou que irá fazer correções na carta e publica-la no site oficial do Ministério.

Sobre Neuza Itioka

Neuza é formada em Pedagogia pela USP e publicou os livros Os Deuses da Umbanda, A Noiva Restaurada, Restauração Sexual, Libertando-se de Prisões Espirituais, Cristo nos resgata de toda maldição, entre outros. Foi ungida Apóstola pelo também Apóstolo Rony Chaves, da Costa Rica, o mesmo ungiu Valnice Milhomes ao mesmo título em 2001, todos são ligados ao Dr. Morris Cerullo. Tanto Valnice quanto Morris já profetizaram o fim do mundo, o americano anunciou que seria em 2000 e a brasileira em 2007, ambos erraram.

Fonte: Gospel+

TESTEMUNHO DE THALLES ROBERTO

Vivendo Jesus intensamente


Em um passado não tão distante, ele estava no auge da fama. Dinheiro, carro, bens e luxúria faziam parte do cotidiano de Thalles Roberto. Porém, existia um vazio, uma tristeza profunda que o levara quase ao suicídio e a conclusão de que a fama não traz felicidade, nem a verdadeira paz que só Jesus Cristo pode dar.

Aos 31 anos, Thalles é o que chamamos de pessoa animada, de bem com a vida. Mas só ele (e Deus) sabe o que passou nos últimos seis anos até chegar aqui. Vindo de família humilde, filho de pastores, Thalles nasceu no interior de Minas, em uma cidade chamada Passos. Apesar de ter crescido em um lar evangélico, não tinha tido uma real experiência com Deus. Sempre com dons musicais, tanto para tocar violão e guitarra, quanto para cantar e colocar para fora seu timbre forte e inconfundível.


Há cerca de seis anos Thalles tomou uma decisão e resolveu agir, como ele mesmo diz, “como filho pródigo”, e foi parar em uma famosa banda mineira. Ali teve oportunidade de mostrar seus dons com a música, onde cantava, tocava e também era compositor, e ainda, ganhava bastante dinheiro. A fama chegou, repleta de viagens, agenda lotada, festas e atrativos que o mundo oferece. “Entrei pesado em tudo o que não presta: droga, cigarro, bebida, farras, mulheres. Não por causa da banda, mas porque eu estava escolhendo aquele caminho”, conta.

O sucesso veio, mas com ele a melancolia e as frustrações de quem está sem Jesus. Thalles tinha tudo o que queria, casa, carro, dinheiro e fama. Tocou com grandes músicos do cenário nacional e internacional, porém tudo isso não conseguiu acabar com a tristeza, com a depressão profunda. “Estava me sentindo um lixo, me sentia muito mal. Percebia que caminhava para a morte com a vida desregrada que levava”. Mesmo assim, Thalles continuou cantando no meio secular. Depois de aproximadamente cinco anos cantando em bandas famosas ele diz: “Tinha tudo o que eu queria, mas não tinha paz”.

Em meio ao borburinho da fama e do dinheiro, Thalles começou a pedir para Deus fazer um milagre em sua vida. “Sou uma pessoa muito intensa. Então comecei a pedir para Deus sacudir minha vida. Desejava ouvi-lo, não queria continuar como estava”. Logo, teve uma experiência que para muitos pode parecer estranha, mas que foi definitiva para sua mudança de vida. “As pessoas podem até não acreditar na minha história. Mas quem as convencerá será o Espírito Santo de Deus”, afirma veemente. Em uma noite quando estava em seu quarto, Thalles ouviu claramente uma voz, e teve entendimento que era a voz de Deus chamando por seu nome três vezes, sentiu que Deus realmente estava ali. “Ele me mostrou todas as coisas erradas que eu estava fazendo. E me mostrou dois caminhos, o caminho que eu teria se continuasse como estava, ou seja, a morte, ou o caminho que Ele tinha pra mim”. Thalles conta que se viu humilhado pelo diabo, e por todas as situações que vivera até ali. Ele passou a sentir nojo do pecado. “Pedi perdão a Deus, disse a Ele que queria realmente mudar de vida. Deus começou a me mostrar tudo que eu tinha feito de errado. Eu não orava, não lia a Palavra. Precisava mudar de fato, senão iria morrer”.

A partir daquele momento iniciou-se um processo de cura e restauração na vida de Thalles. “Voltei com força total”. O desejo e ler a Bíblia e de fazer a vontade de Deus aumentava. Apesar dos compromissos e contratos a cumprir, Deus lhe concedeu graça para administrá-los.

No momento, Thalles está envolvido integralmente na obra de Deus. Segundo ele, os pastores André e Márcio Valadão, da Igreja da Lagoinha, onde congrega, têm sido seus grandes apoiadores nessa nova caminhada. “Estou gravando meu primeiro CD solo que deve sair em breve. O nome dele é ‘Na Sala do Pai’. Todas as canções são composições resultantes desse processo de retorno para os caminhos do Senhor Jesus”, relata feliz. Assim como na parábola do filho pródigo (Lc 15.11-32), Thalles saiu de sua casa e andou errante pelo mundo. Porém, em um momento de profunda tristeza, sentiu saudades do Pai, o Deus Vivo, e voltou para os braços dele. Deus fez toda diferença na história desse jovem, e agora, convicto, sabe que fará toda diferença nesse mundo também. “Nada nessa vida vale a pena sem a presença de Deus. Convide-o para entrar na suavida”, finaliza Thalles.

Extraido: Jornal Atos Hoje

Rússia festeja Natal Ortodoxo

Cristão ortodoxo segura o filho enquanto ambos acendem velas na 
Catedral de São Clemente. Foto: APCristão ortodoxo segura o filho enquanto ambos acendem velas na Catedral de São Clemente
Foto: AP


Desde o estreito de Bering até suas bases na Antártida, a Rússia festeja hoje o Natal Ortodoxo. A Igreja Ortodoxa Russa mostrou de novo sua fidelidade ao antigo calendário Juliano que comemora o Natal 13 dias depois que católicos e protestantes, e convocou seus fiéis, em uma meia-noite gelada, aos ofícios religiosos celebrados em mais de 16 mil igrejas e 635 monastérios do país. Os habitantes da aldeia de Oktiabrsk, em Kamchatka, passaram o dia isolados do resto do mundo por uma neve e vento que assolaram esta península do extremo leste russo. Enquanto isso, no outro extremo do mundo, os cientistas da base russa de Bellinsgauzen, na Antártida, realizaram uma vigília natalina e uma missa oficiada pelo padre Kalistrato, que comanda também a construção do templo ortodoxo mais meridional do planeta. Com 30 anos, este pope tem a tarefa de ser o "pastor" dos militares e cientistas que habitam essa base russa na ilha antártica do Rei Jorge, aonde já chegaram os símbolos e seis sinos da primeira igreja ortodoxa na Antártida.
Mas o centro das celebrações do Natal Ortodoxo na Rússia foi de novo a catedral de Cristo Salvador, no coração de Moscou, onde o Patriarca Alexis II oficiou o principal serviço do dia. O templo de Cristo Salvador é um exemplo do golpe de governo dado pela Rússia, no qual a religião ortodoxa se converteu em ponto de referência do Estado e estandarte do crescente nacionalismo que domina o país.
Esta catedral é construída sobre os pilares do templo original (fundado em 1812 para comemorar a vitória sobre Napoleão), que foi arrasado por ordem de Stalin para ser convertido em piscina da cúpula soviética. Desde sua consagração em 2000, a catedral se converteu no farol dos esforços para recuperar a "velha" Rússia, com os valores ortodoxos como bandeira.
Em sua homilia natalina, Alexis II fez pedidos em favor da paz e do fim do terrorismo, mas também encorajou os fiéis ortodoxos a "restaurar os valores espirituais e morais da história milenar da Rússia". "Tenho certeza que nossa amada pátria reviverá, assim como fez esta catedral", declarou.
Nos últimos anos, a religião ortodoxa foi utilizada pelo Kremlin não só para unir os sentimentos nacionalistas da população, mas como símbolo do retorno da Rússia a uma Europa que, buscando alavancas de integração, afunda em suas raízes cristãs, segundo o Patriarcado. Por isso, o outro protagonista deste Natal Ortodoxo foi de novo o presidente russo, Vladimir Putin, que foi a Suzdal (220 quilômetros ao nordeste de Moscou) para festejar a data. Suzdal é um autêntico "museu vivo" da história da Rússia, com igrejas antiquíssimas que parecem cobertas de prata nestes dias de neve e gelo.
Putin visitou a igreja de Borís e Gleb, construída em 1152 em homenagem aos irmãos assassinados do príncipe Yuri Dolgoruki, lendário fundador de Moscou, e decorada com afrescos do século XII que escaparam do demolidor efeito de séculos de pilhagens e esquecimento oficial. O chefe de Estado assistiu aos ofícios religiosos de Natal na Igreja do Santo Sinal, onde dúzias de habitantes de Suzdal suportaram várias horas de frio intenso para saudar o governante e dizer que rogariam em suas preces por sua vitória nas eleições presidenciais de março.
EFE

Cristãos oram para um referendo pacífico e bem-sucedido no Sudão

Cristãos oram para um referendo pacífico e bem-sucedido no 
Sudão Igreja mundial tem oferecido o seu apoio ao país e à igreja do Sudão
Cristãos na Inglaterra ofereceram oração de paz e de esperança, diante de um referendo crucial no Sudão, que pode determinar o futuro da nação.

A Fellowship of Reconciliation na Inglaterra orou pela paz e pela reconciliação no Sudão, pois os sudaneses do Sul estão para decidir no domingo se eles irão se separar do Norte. O referendo marca a fase final do Acordo de Paz Global (CPA), assinado em 2005 para pôr fim a décadas de guerra civil, e deverá resultar na formação de um Estado independente do Sudão.

Apesar da rigorosa votação da comunidade internacional, existem preocupações com a transparência e equidade do referendo, e temem que o resultado não seja respeitado pelo Norte.

Millius Palawiya, diretor do Fellowship of Reconciliation na Inglaterra, disse: "Espero que o referendo pacifique e que todos os interessados sejam devidamente honrados, respeitados e aceitem o resultado. Eu sei o quanto é importante para todas as partes em conflito o envolvimento com o processo de paz na Serra Leoa, para reconciliarem uns com os outros para o bem de todos e da criação de uma ‘comunidade amada’, e para os órgãos regionais e internacionais apoiarem e serem os agentes de uma resolução pacífica do conflito".

A igreja mundial tem oferecido o seu apoio ao Sudão e à igreja do Sudão antes do referendo.

A Aliança Evangélica Mundial, que foi convidada a enviar observadores, criou um fundo de paz para o Sudão e convidou os evangélicos em todo o mundo para orar por um "livre, justo e seguro" referendo.

As esperanças de paz no sul do país ganharam um novo impulso ontem, quando um acordo de cessar-fogo foi alcançado entre as forças rebeldes do general George Athor e o governo do Sudão do Sul.

O acordo sinaliza o fim da rebelião do general no sul. Ele foi assinado em uma cerimônia na cidade de Juba, capital do sul do Sudão, em que participaram o vice-presidente Riek Machar, Abraão Thon, um representante da General Athor, David Gressly, e o chefe da ONU no sul do Sudão, Deng.



Fonte: Christian Today / Redação CPADNews

A UNÇÃO PROFÉTICA




Unção: Na terra é quando alguém usa de um óleo consagrado para marcar outra pessoa. Para alcança-la você precisa buscar uma autoridade espiritual, ou seja um sacerdote de Deus. Devidamente instruido e preparado para tal função. Que é obdiênte a Deus e está sobre autoridades humanas e celestial. Não pode ser um desgarrado, um rebelado. Pois a rebeldia é um pecado, e quem nele está não se encontra em condições espirituais para ungir ninguém.

No mundo Espiritual: Quando o espirito Santo, está sobre uma pessoa, isso só acontece quando a pessoa esta debaixo da autoridade de Deus e de uma autoridade sacerdotal. Para alcançar as graças de Deus, deve-se estar em conformidade com o mesmo.

A unção desejada: É quando uma pessoa é ungida na terra e recebe o espírito santo, confirmando o ato profético.

Profecia: Algo que foi determinado e que irá se cumprir no futuro próximo ou distante.

Unção profética é portanto: Quando se marca uma pessoa com um óleo na intensão de que os pedidos feitos pela mesma ou pelo sacerdote, sejam realizados por meio do espírito santo.
  1. A profecia é uma declaração, uma afirmação e não uma dúvida. (por isso declare eu vou conseguir)
  2. Deus determina a bênção porém só a alcança quem não se desvia dos planos de Deus.
  3. Temos que pedir tudo que desejamos, pois quem não pede o que deseja, duvida de que Deus possa realizar seus pedidos.
  4. Devemos entregar os pedidos a Deus na confiança de que ele vai nos entregar o melhor, ainda que esse melhor não seja o que esperamos, mais se vem de Deus é o que necessitamos.
  5. Deus nos deu um espírito de ouçadia, intepridez e coragem. Por isso devemos colocar toda nossa esperança e fé de que alcançaremos as bênçãos do senhor.

A unção na bíblia.

Levítico 8:10
10  Então Moisés tomou o azeite da unção, e ungiu o tabernáculo, e tudo o que havia nele, e o santificou;
11   E dele espargiu sete vezes sobre o altar, e ungiu o altar e todos os seus utensílios, como também a pia e a sua base, para santificá-las.
12   Depois derramou do azeite da unção sobre a cabeça de Arão, e ungiu-o, para santificá-lo.

1 Samuel 16:13
Então Samuel tomou o chifre do azeite, e ungiu-o no meio de seus irmãos; e desde aquele dia em diante o Espírito do SENHOR se apoderou de Davi; então Samuel se levantou, e voltou a Ramá.

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...