quinta-feira, 25 de novembro de 2010

É O FIM DO MUNDO -- Vaca sedutora é executada //// Seductive cow runs

Depois de se apaixonar, fazer sexo e se casar com uma vaca, o indiano Busti Ngurah Alit, de 18 anos, ficou viúvo por conta de uma tradição do vilarejo de Yeh Embang, em Bali, Indonésia. Busti fez sexo com a vaca porque disse ter sido seduzido por ela, e aí acabou se apaixonando. Mas eles não foram "felizes para sempre" e não desfrutaram da vida conjugal após o casamento. É que a vaca foi morta.
Tudo começou quando o jovem foi flagrado "no ato" com o animal e obrigado a se casar. Só que, para livrar o vilarejo de uma suposta maldição, a vaca foi morta pelos próprios convidados da cerimônia. Ela foi jogada no mar e morreu afogada num ritual para afastar a má sorte.
Alit se defende, dizendo que não via a vaca como tal, mas sim, como uma "mulher bonita". O rapaz disse ainda que a vaca o chamou pelo nome e o seduziu. Em função disso, ele não resistiu ao charme e encanto do animal e por isso teve relações sexuais com a vaca numa lavoura de arroz.
O jovem teve que se casar também como forma de "limpeza de seus atos profanos". Durante a cerimônia, ele se emocionou, chegando até a desmaiar.
Após a morte da vaca, o verdadeiro dono do animal recebeu 562 dólares (cerca de R$ 1 mil) pelo "inconveniente".

Canadá: arcebispo ortodoxo é preso acusado de abuso sexual /// Canada: Orthodox Archbishop arrested accused of sexual abuse

O chefe da diocese canadense da Igreja Ortodoxa na América (OCA) foi acusado de dois crimes de abuso sexual, informou nesta quinta-feira a polícia. O arcebispo William Storheim, 64 anos, se entregou à polícia na manhã anterior, afirmou em um comunicado a polícia de Winnipeg, capital de Manitoba (centro do Canadá). Após ser acusado, foi libertado sob fiança.
Storheim renunciou em outubro, após as autoridades iniciarem uma investigação sobre as denúncias de abuso sexual de dois rapazes, de acordo com a rede de televisão pública CBC.
O canal informou que os abusos ocorreram enquanto Storheim era reitor de uma paróquia em Winnipeg.
A OCA é um ramo da Igreja Ortodoxa Russa.
AFP

Israel e Vaticano disputam “terra prometida”

Israel acusa o Vaticano de estar a ser manipulado pelos “inimigos do país”, depois dos bispos católicos do Médio Oriente terem condenado, no Sábado, a ocupação dos territórios palestinianos.
Os bispos acusaram Israel de recorrer à Bíblia e ao termo “terra prometida” para justificar uma série de injustiças.
Para o número dois da diplomacia israelita, “o governo nunca utilizou as escrituras como uma justificação para nada. Face a este tipo de declarações só posso responder, ‘quem nunca pecou que atire a primeira pedra’”.
Para o líder religioso dos colonos israelitas, “referir o termo “povo eleito” sublinha os preconceitos contra os judeus e não tem nada a ver com os colonatos ou com o território israelita”.
Reunidos em sínodo no Vaticano, os bispos católicos do Médio Oriente tinham condenado a forma como o conflito israelo-palestiniano está a acelerar o êxodo da comunidade cristã da terra santa.
Nas conclusões finais, os responsáveis apelaram a Israel a respeitar as resoluções da ONU, criticando a utilização do termo “Terra Prometida” para justificar a expansão dos colonatos israelitas.

Notícias Cristãs com informações da Euronews

Acusado por falsificação ideológica, pastor evangélico terá pedido de liberdade analisado pelo TJ-SP

Pedido de Habeas Corpus (HC 105076) impetrado pelo pastor evangélico J.M.C.F. foi julgado inadequado pela ministra Ellen Gracie, do Supremo Tribunal Federal (STF). Em sua decisão, a ministra verificou que a Corte não tem competência para analisar o caso, uma vez que a decisão questionada foi proferida pela Vara Criminal da Comarca de Jundiaí (SP).
A relatora encaminhou os autos ao Tribunal de Justiça do estado de São Paulo (TJ-SP), com base no artigo 102, inciso I, alíneas “d” e “i”, da Constituição Federal, uma vez que a autoridade que teve o ato contestado não consta no rol apresentado por esse dispositivo. Portanto, conforme a ministra Ellen Gracie, não cabe ao Supremo apreciar a matéria.

O caso
Acusado do crime de falsificação ideológica* por supostamente utilizar documento falso de magistrado, o pastor evangélico J.M.C.F. pedia ao Supremo, em habeas corpus redigido de próprio punho, para aguardar em liberdade o julgamento pelo crime a que responde. Ele foi preso em flagrante no dia 15 de março de 2010 e questionava decisão da Vara Criminal do Fórum de Campo Limpo Paulista, Comarca de Jundiaí (SP), que manteve sua prisão cautelar.
J.M., que de acordo com o Ministério Público usaria cédula de identidade com sua foto, mas em nome de um magistrado, afirmou no HC que vem “sofrendo manifesto constrangimento ilegal” em razão de a juíza de primeira instância responsável pelo caso ter-lhe negado a liberdade provisória. Segundo J.M.C.F., tal medida estaria “violando expressamente o princípio constitucional da presunção de inocência”.

Notícias STF/Notícias Cristãs

* Crime previsto no Código Penal, artigo 297 (falsificação de documento público), combinado com os artigos 304 (fazer uso de papéis falsificados ou alterados) e 69 (concurso material, ou seja, quando o agente pratica dois ou mais crimes).

 Notícias Cristãs.

Cristãos perseguidos no mundo muçulmano

Texto de António da Cunha Duarte Justo publicado no PORTUGALCLUB, que autorizou o MPP a reproduzi-lo. De modo a tornar mais fácil a apreensão das ideias e sem qualquer intenção sensória, cortámos algumas frases.

Independentemente duma avaliação da decisão dos suíços contra a construção de minaretes é incompreensível o melindre da reacção no mundo árabe. Um mundo de intolerância religiosa como não há igual protesta como se na Suíça não houvesse liberdade religiosa para os muçulmanos. Habituados a expandir sem contrapartidas e a discriminar sem que os políticos ocidentais reclamem, nem sequer notam a atitude descarada que tomam. O Islão é uma religião política sem lugar para uma sociedade aberta. Os cristãos ficariam felizes se nos países islâmicos lhes fosse dada a liberdade de prática religiosa como na Suíça.
À medida que a religião cristã se retira dos grémios de decisão da cultura por ela formada e segue o espírito do tempo, surge o Islão que pouco a pouco vai ocupando o seu lugar.
Facto é que o individualismo extremo e o relativismo do Ocidente fomentam a necessidade da religião islâmica. Ela não pode ser atacada pela sua metodologia expansionista. A sua força dá-lhe razão.
A intolerância religiosa revela-se hoje como uma forma prática e eficiente de expansão do imperialismo cultural islâmico. É talvez a sua forma de desforra perante o domínio económico ocidental.
Enquanto o jornalismo ocidental se perde em discussões inúteis de ataques ao papa com o “crime” dos preservativos, o mundo muçulmano tem um outro discurso que se pode resumir nas palavras do primeiro-ministro da Turquia, o senhor Erdogan que diz: “Os minaretes são as nossas baionetas, as cúpulas os nossos elmos, as mesquitas as nossas casernas, os crentes os nossos soldados…” in HNA3.12.2009. A saudade do poder hegemónico sobre o Próximo Oriente e Cáucaso está hoje mais que presente na Turquia que se sente com poder e consciência nata para congregar em seu torno parte dos estados islâmicos.
O Ocidente invade-os com as suas tecnologias e eles em contrapartida constroem nas sociedades ocidentais os seus guetos islâmicos que se afirmam a pretexto da liberdade religiosa. Nos países de cultura cristã exigem que se respeite o seu gueto e a construção de mesquitas e nos seus países islâmicos defendem a intolerância religiosa e a demolição do que não seja ou não se torne islâmico, muito embora os cristãos se encontrassem já nestas regiões antes do Islão ter chegado. A intolerância conduziu à extinção dos cristãos ou quase extensão como aconteceu na Turquia, que duma percentagem de cerca de 25% de cristãos nos inícios do século passado, passaram hoje a uma percentagem muito abaixo do 1%.
(…)
A violência contra os cristãos é especialmente forte nos países islâmicos e nos regimes comunistas. (…)
No Paquistão a destruição de igrejas e a perseguição dos cristãos é legalizada sob o manto da “Lei contra a Blasfémia” de 1986 que ameaça com a pena de morte quem difame o Corão ou Maomé. Segundo Peter Jacob do movimento “Pax Christi”, esta lei serve de pretexto para perseguir cristãos e muçulmanos moderados.
Na Coreia do Norte encontram-se milhares de cristãos em prisões e em campos de concentração. Os comunistas lembram-se que a queda do “muro da vergonha”e a derrocada dos regimes totalitários socialistas do Leste também teve a ver com a acção dos cristãos que defendiam a liberdade individual e os mais oprimidos do sistema.
Na China o Governo não tolera que cristãos anunciem o evangelho encontrando-se também padres e bispos em prisões, em campos de trabalho e muitos desaparecem sem rasto.
Na Nigéria a violência aumenta também a olhos vistos.
”Especialmente no Paquistão, em parte da Índia e do Extremo Oriente os cristão são tidos como gente típica do Ocidente”, afirma Eberhard von Gemmingen da Rádio Vaticano. Todo o mal é visto como vindo de fora e é atribuído ao imperialismo americano que identificam com o cristianismo, como ameaça.
(…)

A presença islâmica e consequente islamização da sociedade é vista com certa apreensão por muitos europeus ao contrário do que acontece em relação à presença de judeus, budistas ou outros. O Islão é hegemónico e considera tudo o que está fora dele como inferior, como região do combate. A religião de Maomé consolida-lhes o passado e possibilita-lhes o futuro, além de ser um factor de identificação num contexto supranacional. O conceito cristão da dignidade pessoal e da liberdade de consciência individual é antagónica a uma cultura de estruturas nómadas. A sua força de identificação contrapõe-se ao processo decadente ocidental em que um secularismo cego se afirma no desprezo da religião. O contexto judaico – cristão criou a modernidade. Duma maneira geral, o muçulmano, religioso integral, vê no cristianismo uma realidade fraca e decadente de que o modernismo e o secularismo são expressão. O modernismo ocidental, a emancipação, a desmontagem da família, o liberalismo sexual é para ele uma provocação, uma ameaça à cultura.
Na Índia, hindus perseguem brutalmente cristãos porque vêem neles uma provocação.
Embora os cristãos se encontrem na Índia desde os princípios do Cristianismo, a agressão contra os cristãos deve-se ao facto destes recrutarem novos adeptos das castas inferiores que vêem no cristianismo uma religião que lhes devolve a voz.
Na Turquia e no Norte de África, embora o Islão seja posterior ao cristianismo, a sua doutrina da intolerância e de expansão não consente gente doutro pensar. Os cristãos até na Turquia são perseguidos e discriminados sendo mesmo identificados com um número específico no bilhete de identidade. Assim torna-se mais fácil obstar a que façam carreira no Estado.
(…)
A lição da Sérvia e do Kosovo revela que quem aposta na religião tem garantido o poder futuro até mesmo sobre as democracias, uma vez alcançada a maioria. O Islão ganha terreno em todas as frentes não só pela coesão da sua religião mas também pelo interesse do capitalismo nas suas riquezas energéticas e até por uma esquerda ocidental que aposta nele como forma de estar autoritária mais compatível com o socialismo marxista.
(…)
Na Alemanha entram por ano 600 chefes religiosos (Imâns) da Turquia sem qualquer controlo enquanto que na Turquia só é permitido um padre católico para toda a Turquia não sendo permitida a construção nem restauração de igrejas. Assim dão oportunidade a que as forças mais extremistas da religião se afirmem impedindo a formação de grupos laicos e renovadores dum Islão moderno compatível com a sociedade acolhedora.
(…)
Toda a religião e doutrina que se empenhe na libertação do Homem e na defesa dos pobres e oprimidos e na mudança das relações vigentes serão depreciadas pelos mais fortes.
Nos países de cultura cristã, os muçulmanos são protegidos e apoiados até na construção de templos (mesquitas) enquanto que os cristãos em países muçulmanos se encontram em perigo de vida e são vítimas da intolerância.
A palavra de ordem da Igreja é aguentar, na esperança de novos tempos dum Islão e dum Comunismo mais tolerantes. O cristão não está legitimado a reagir com violência, em nome da religião. Naturalmente que a pessoa da rua não compreende que o Islão deva ser respeitado enquanto que o cristianismo deva ser posto à disposição como aconteceu em Portugal com o socialista Sócrates que mandou banir os crucifixos das escolas. A cruz quer-se tabu enquanto que o símbolo religioso do lenço na cabeça das mulheres se deve tornar chique. A tolerância não pode ser uma estrada dum só sentido.
(…) Enquanto que o Cristão está chamado a ser solidário com todo o ser humano, o muçulmano está chamado a ser solidário com o muçulmano. Aqui está a diferença. A diferença está documentada no Novo Testamento e no Corão. Uma leitura dos dois ajudará a compreender a diferença entre as duas maneiras de estar na vida. Na civilização árabe a ciência e a sociedade encontram-se subjugadas à religião que não deixa despontar o valor da subjectividade no indivíduo. Só conhece o sentimento colectivo religioso e o valor ordenador da tribo ou família.
Duma maneira geral, a sociedade islâmica é deficitária a nível do indivíduo e rica a nível do nós (comunidade) enquanto a sociedade ocidental é deficitária no nós para ser pródiga com o indivíduo. (…)
António da Cunha Duarte Justo

Silas Malafaia no café do CPESP, dia 8 de dezembro Jabes Alencar, presidente do Conselho de Pastores e Ministros Evangélicos do Estado de São Paulo (CPESP), receberá Malafaia no último encontro de 2010

O presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no Rio de Janeiro, pastor Silas Malafaia, será o preletor convidado da última reunião do ano do Conselho de Pastores e Ministros Evangélicos do Estado de São Paulo (CPESP). O café da manhã será no dia 8 de dezembro, quarta-feira, a partir das 8h30, na sede da Assembleia de Deus Bom Retiro (ADBR), que fica na rua Afonso Pena, 560, no bairro Bom Retiro, próximo à estação Tiradentes do  Metrô.
     Silas Malafaia, uma das mais expressivas lideranças do meio evangélico, será recebido pelo presidente do CPESP, pastor Jabes Alencar, em mais uma reunião mensal do conselho, que reúne pastores e líderes evangélicos de todo o Estado. Pastor Jabes, presidente da ADBR, é ainda presidente do Cimeb (Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil). Malafaia e Jabes são amigos de longa data e hoje representam dois nomes fortes do meio evangélico.
     Os participantes do encontro serão prestigiados pela Central Gospel – editora presidida por Malafaia – com a distribuição de 1,5 mil livros. O último café de pastores de 2010 terá ainda momentos especiais de louvor, com cantores convidados e Dayan de Alencar, pastor da Bom Retiro e líder do Ministério Livres para Louvar.
 

GUERRA NO RIO DE JANEIRO JÁ DEIXA 26 MORTOS E MUITOS FERIDOS //// WAR IN RIO DE JANEIRO NOW LEAVE 26 DEAD AND MANY INJURED

AE - Agência Estado
Dezoito pessoas morreram ontem no Rio de Janeiro, incluindo uma estudante de 14 anos, no quarto dia de confrontos entre polícia e criminosos nas ruas e nos morros. Foi o pior dia desde que a onda de arrastões e violência atingiu o Rio, no domingo. Ao todo, já são 26 mortos, 41 presos e dezenas de feridos.
Balanço da Polícia Militar divulgado hoje informa que foram apreendidas 29 armas entre pistolas e revolveres, além de 10 fuzis, duas espingardas calibre 12, uma submetralhadora, cinco granadas, duas bombas caseiras. Os números chamam a atenção da imprensa internacional por causa da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016.
Apesar das ações do governo para conter a onda de violência, incluindo transferência de oito presos para Catanduvas (PR) e operações em 27 favelas por tempo indeterminado, os ataques a veículos e os confrontos prosseguiram até a noite. Quarenta e sete escolas e dez creches, que atendem 17.772 alunos, não puderam funcionar ontem. A Universidade Gama Filho, na Piedade, zona norte, encerrou as aulas mais cedo.
Segundo informações do setor de inteligência da Secretaria de Segurança, a ordem para espalhar o terror teria partido de Marcinho VP, preso em Catanduvas (PR). O responsável pelas ações seria Fabiano Atanásio, o FB, da Vila Cruzeiro. O governo acredita que os ataques sejam uma reação às Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), que retomaram regiões dominadas por traficantes, e representariam a primeira ação conjunta das facções Comando Vermelho e Amigos dos Amigos (ADA).
O governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) prometeu não desistir de UPPs. "São manifestações desesperadas (dos criminosos)," disse.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Bola de Neve: Conferência Profética com Silas Malafaia, Heloísa Rosa, Santa Geração e outros

Cristãos são pressionados a se reconverterem ao islamismo

Cerca de 2.000 pessoas vieram participaram de uma reunião em Bangladesh . Somente 12 delas eram cristãs, recém-convertidas. Os muftis (eruditos islâmicos) da cidade organizaram o tal evento para reconverter os novos cristãos ao islamismo.

Um líder local disse: “Vamos marcar uma nova data para que os cristãos se encontrem com os eruditos islâmicos. Se eles convencerem os eruditos, nós iremos nos converter ao cristianismo”.

O Diretor-executivo da Igreja Caminho de Paz, Mannan Mridah, respondeu: “Mas nós não viemos aqui para brigar, porque acreditamos que Deus é amor”. Os cristãos que estavam com ele mantiveram firme sua fé.

Dezesseis famílias cristãs vivem na vila de Passlia, no subdistrito de Alamdanga, distrito de Chuadanga, a 225 km a noroeste de Daca. Todas elas pertencem a Igreja Caminho de Paz. Segundo uma fonte local: “Duas famílias temeram por suas vidas, porque há uma grande pressão sendo feita por diversos muftis que descobriram que elas se converteram”.

Durante o encontro, um muçulmano retorquiu: “É uma vergonha para um muçulmano se tornar um cristão. Nós não permitiremos que isso aconteça em Passlia. Nós iremos trazer essas famílias de volta ao islamismo a qualquer custo”. Ele também acusou os cristãos de destruir os relacionamentos familiares na vila, quando convertem muçulmanos, e proibiu a pregação na vila.

Hobibur Rahman, um pastor de meia-idade da Igreja Caminho da Paz, sofre perseguição de sua própria família. Ele tem três filhos e uma filha.

O pastor nos disse com o coração desanimado: “Quando meu filho mais soube sobre minha conversão, ele ficou muito irritado. Ele reuniu os muçulmanos contra mim no dia 16 de junho. Pelo menos 200 pessoas vieram a minha casa e começaram a me bater. No meio da gritaria, senti vergonha, porque minha esposa e meus filhos estavam ali, presenciando tudo o que estava acontecendo. Eles ameaçaram quebrar minha pernas, mas não fizeram isso. Alguns líderes fizeram meu filho escolher entre o pai e a casa, ele escolheu a segunda coisa”.

Os muçulmanos expulsaram Hobibur da vila. Ele lamentou: “Agora, vivo separado da minha família e tenho que ficar me movendo de lugar em lugar. Também fui proibido de usar água encanada”.

Pedidos de oração
1. Os cristãos de Passlia estão correndo perigo de serem expulsos da vila, assim como Hobibur. Oremos para que Deus intervenha a favor deles e para que continuem a permanecer firmes no Senhor apesar da pressão.

2. Ore pelo pastor Hobibur para que encontre forças e encorajamento na Palavra de Deus e em seu povo durante esse período de dificuldades. Peça a Deus que sua família também encontre Cristo.

3. Ore pelos novos convertidos de Passlia, que sofrem pressão para desistir da fé. Interceda por eles e peça que o Senhor os sustente.

Fonte: Portas Abertas

Abba Press: A Torá Bilíngue King James

BibleA Torá é o mais sagrado dos escritos para os judeus e também reconhecido por todos cristãos como o Pentateuco, os primeiros cinco livros da Bíblia. Inclui poesia, prosa, História, milagres e Lei numa cronologia narrativa que abrange milhares de anos. Com a exceção de poucas palavras em aramaico, a Torá foi escrita inteiramente em hebraico. Seu papel é central para as demais partes da Bíblia que pressupõem e se referem aos eventos que são narrados nela. A palavra, torá (do hebraico תּוֹרָה), significa “instrução”, “doutrina”, “apontamento”, ou “lei”. Este ultimo significado provem da tradução por judeus helênicos da palavra para νόμος = “lei” (Por exemplo, na Septuaginta, no Novo Testamento, no prólogo de Eclesiástico – Siraque - e nos escritos de Filon e Josefo). Esta tradução para grego leva à conclusão que a Torá é um Livro-da-Lei e assim desconsidera as partes de ensinamento e narração de eventos. Embora a palavra, torá normalmente se refira aos primeiros cinco livros da Bíblia (a Lei), às vezes também se refere às Escrituras Hebraicas todas (Antigo ou Novo Testamento pelos cristãos), ou a lei oral que na tradição rabínica inclui o Mixná (Mishná) e o Talmude, ou aos rolos usados na liturgia judaica onde se transcreve o texto hebraico dos primeiros cinco livros da Bíblia.
Agora você poderá ter em suas mãos uma EDIÇÃO INÉDITA, COMPLETA E BILÍNGUE DA TORÁ (em hebraico e português) na TRADUÇÃO DA BÍBLIA KING JAMES! São 832 páginas, no formato grande 16 x 23cm, do texto que Yahweh, o SENHOR DEUS, mandou Moisés escrever (eventualmente com a ajuda de escribas), e ensinar ao povo e a todos os habitantes da terra como testemunho perpétuo, tendo em Jesus Cristo seu principal exemplo de vida e a própria expressão viva da Torá: a Palavra!
As notas exegéticas são do Dr. Tim Carriker – conceituado hebraísta, missiólogo escritor e parceiro nos diversos projetos da Sociedade Bíblica Ibero-Americana (Bíblia King James) e Abba Press Editora.
Aproveite o preço de lançamento dessa obra única e preciosa em língua portuguesa. Seminários, Igrejas e Organizações Cristãs e Judaicas de ensino poderão contar com até 50% de desconto em compras acima de 10 unidades.
Mais informações, por favor, entre em contato com nossa Sede (11) 5686-5058 e fale com Iara ou Cida; ou com uma de nossas livrarias: no centro da capital de São Paulo (11) 3101-5355 – Rua Conde de Sarzedas, 139 ou na zona sul, no centro de Sto. Amaro (11) 5686-7046 com Camila ou Vânia. Qualquer sugestão favor encaminhar ao Comitê de Tradução da Bíblia King James através do E-mail: sbia@terra.com.br
Desejamos a você e sua família muitas bênçãos à medida da leitura e meditação diária da Torá.
Shalom em Cristo!

Jesus Não é o Garoto da Esquina

Mark 
BattersonLembra-se da história dos dois filhos de Aarão, Nabad e Abihu, que ofereceram um “fogo estranho”e foram apanhados pelo Senhor? Os estudiosos debatem-se sobre o que quererá realmente dizer “fogo estranho,” mas é consensual que eles não tiveram respeito pela santidade de Deus.
Posso só fazer uma observação?
Eu acho que há muito “fogo estranho” na nossa cultura. Não é meu hábito caluniar a nossa cultura a partir da posição confortável da subcultura cristã. Eu acredito na crítica construtiva. Mas só para verem onde quero chegar, escutem isto. Lembro-me de ter visto uma camisa há uns anos atrás com um retrato de Jesus, dizendo: “Jesus é o garoto lá do bairro.” Isto, de certo modo, até podia ser considerado como algo engraçado, criativo ou relevante. Mas Jesus não é o garoto da esquina. Ele é o impecável Filho de Deus que sofreu tortura brutal e crucificação numa cruz romana. O Seu sangue foi derramado para pagar a dívida em que você se encontra pelo pecado. E isso faz dele mais do que o garoto da esquina. Ele é o Salvador soberano que está sentado no Seu Trono e a Terra é o estrado dos Seus pés.
O que nós precisamos desesperadamente é de uma revelação da Sua santidade. Tal como disse Isaías que viu o Senhor sentado no trono, elevado e exaltado. E ele clamou: “Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou homem de lábios impuros.”
Até que tenhamos uma revelação da santidade de Deus, nós continuamos a cometer o mesmo erro que Nadab e Abihu cometeram. E assim brincamos com o fogo. E se você brincar demasiado com o fogo, acaba por se queimar. é a santidade de Deus que traz o temor de Deus. E o temor de Deus é o princípio de toda a sabedoria. Ou, por outras palavras, a nossa falta de temor é o princípio da insensatez.
Nada é mais perigoso do que subestimar e sub-apreciar a santidade de Deus Todo-Poderoso. Por quê? Quando subestimamos a santidade de Deus subestimamos a misericórdia de Deus. Nós desbaratamos a graça de Deus porque não compreendemos a Sua santidade. E aí a fundação da salvação começa a desmoronar-se.

Saiba quem são os Illuminati e se prepare para a batalha .


O Apóstolo Paulo, na Epístola aos Efésios cap. 6.10-18, nos adverte sobre estarmos equipados com toda a armadura de Deus. Já na Epístola aos Colossenses Cap.2.8 ele nos alerta: "Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não de Cristo".
Na segunda Epístola aos Tessalonicenses cap. 2.1-4, ele continua a falar: "Ora, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e pela nossa reunião com Ele, que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o Dia de Cristo estivesse já perto. Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus".
Quem são os "Illuminati"?
No Latim arcaico, "Illuminati". No plural "Illuminatus" (aquele que é iluminado), é o nome dado a diversos grupos, alguns históricos, outros modernos, poucos verdadeiros e muitos fictícios. Contudo o termo "Illuminati" tem sido empregado específicamente para referir-se aos "Illuminati" da Baviera. Refere-se a uma organização conspiracional que controlaria os assuntos mundiais secretamente. O nome "Illuminati" é algumas vezes empregado como sinônimo de Nova Ordem Mundial.
Os "Iluminati", segundo acreditam, são seres iluminados pela luz de Lúcifer. Eles buscam a "imortalidade" espiritual através de práticas de magia negra, incluindo sacrifícios humanos.
Há indícios que já em 1.090, Hassan I Sabbah fundou a seita Ismaelita, ou Haxixinos( origem da palavra assassinos ). Eles usavam o Haxixe ( derivado da planta canabis ).
No século XV o título foi assumido por outros entusiastas que argumentavam que a luz da iluminação provinha, não de uma fonte autorizada, mas secreta, como resultado de um estado alterado de consciência ou "Illuminismo", ou seja, esclarecimento espiritual e psíquico.
Adam Weishaupt fundou em 1.776 o "Illuminati" na Baviera. Adam era um maçon (membro da maçonaria ) de ascendência judaica.
Os líderes da revolução francesa eram maçons e "Illuminati", ou os seus agentes e seguidores o eram. Levaram a cabo um plano secreto para subverter as monarquias da Europa e a religião Cristã.
"Illuminati", maçonaria e ainda outras seitas são ramificações de uma mesma origem.
Atualmente essa ordem está espalhada por todo o mundo. Muitos membros dos governos, são membros do "Illuminati", assim como o são da maçonaria.
Weishaupt fundou a ordem "Os antigos sábios Iluminados" na Baviera (Alemanha ) em 1° de maio de 1.776, depois de estudar os ensinos de Hassan I Sabbah, curiosamente o 1° de maio é o dia escolhido para celebrar o dia do trabalhador.
"No Brasil"
Aquisitores é o nome genérico dado a alguns grupos dissidentes que surgiram com a atuação dos "Illuminati" no Brasil. Sua origem está quase sempre relacionada à renúncia de Jânio Quadros, o presidente que renunciou por não aguentar o peso das "forças terríveis" (forças ocultas). E a instauração do regime militar em 1.964.
O nome aquisitores é uma referência à prosperidade financeira e a atuação de seus membros na economia do País, especialmente na região de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, onde sua influência resultou na próspera fase pela qual passou a região na década de 70, no movimento metalúrgico e na posterior eleição do presidente Lula.
Durante a ditadura militar, até pouco depois de 1.985 , os membros brasileiros dos "Iluminati" se organizaram em dois grupos inimigos e teóricamente independentes dos "Iluminati" da Baviera. Ambos passaram a reinvidicar o antigo nome do grupo como sendo os únicos e verdadeiros aquisitores.
Há uma pressão muito grande, para que o presidente Lula permita que se abra os arquivos da ditadura, e de uma vez por todas, que se prove que o ex presidente Jango (João Goulart) morreu envenenado. O pedido ao governo brasileiro, foi acompanhado pela gravação de uma entrevista feita por João Vicente Goulart, filho de Jango, com o uruguaio Mario Neira Barreiro, de 53 anos, que atualmente cumpre pena em penitênciária gaúcha, por roubo, formação de quadrilha e posse ilegal de armas. Barreiro descreve seu trabalho no grupo Gama, o serviço de inteligência uruguaio, nos anos de 1.970, e detalha a operação Escorpião (subordinada à Condor), que teria levado ao assassinato de Jango por envenenamento, mediante a adulteração de seus medicamentos de uso contínuo, pois era cardiopata.
" Seus Objetivos "
Por fim aos governos: Erradicar e abolir as monarquias ou outras formas de governo que não se ajuste aos seus preceitos.
Por fim as propriedades privadas: O objetivo consiste em conseguir poder econômico para os membros da irmandade, e nas redes que esta gerou.
Por fim ao conceito de nação: É preciso erradicar a multiplicidade de nacionalidades. È melhor um só grande Império, uma só grande Pátria.
Por fim à família: Eles não acreditam no matrimônio, nem no conceito Cristão de família. O objetivo é falar de famílias livres, sem vínculo sacramental marcado pela Igreja.
Por fim às religiões: As crenças religiosas são consideradas como uma forma de distração, ao mesmo tempo, é um perigoso elo com o poder inimigo.
Seus símbolos
Um de seus símbolos mais famoso é a pirâmide com olhos que tudo vê,(olho de Lúcifer). Este símbolo é tão real que pode ser visto na notas de 1 dólar.
Por cima da pirâmide consta a frase em Latim "Annuit Coeptis"(Ele tem favorecido os nossos empreendimentos) ele provavelmente se trata de Lúcifer.
O olho significa também uma alegoria à capacidade deles estarem simultanêamente em todo lado.
Abaixo da pirâmide pode se ler "Novus Ordo Seclorum" ( Nova Ordem Mundial ).
Nós Cristãos temos que estar cada dia mais aprofundados na palavra de Deus, para não cairmos nas ciladas do inimigo de nossas almas.
Devemos estar apercebidos para os sinais do grande Dia do Senhor, ainda mais que vemos o cenário mundial preparado para que o anti Cristo assuma o seu lugar. Devemos olhar pra tudo isso e sabermos que a nossa redenção está próxima, pois este mundo em breve não será digno da presença da Igreja de Cristo.

Illuminati adquire ainda mais força no Brasil com a compra da CVC

Ela criou um fundo no México. Ela criou dois fundos no Japão. Ela criou ainda outro no Oriente Médio. E, após criar o fundo para a América do Sul, o Carlyle Group faz seu movimento no Brasil.
carlyle cvc Illuminati adquire ainda mais força no Brasil com a 
compra da CVC
A empresa americana de private equity The Carlyle Group anunciou, (07/01/10), que comprou 63,6% da CVC Turismo, maior operadora de viagens da América Latina.
Segundo a nota à imprensa, o capital necessário para a compra veio dos fundos Carlyle Partners V – o principal fundo do grupo, com patrimônio de 13,7 bilhões de dólares – e Carlyle South America Buyout Fund I. O valor do negócio não foi divulgado, mas o mercado avalia que a cifra poderia alcançar 250 milhões de dólares.
O Carlyle Group negociava a compra da CVC há cerca de dois anos. Para o fundo americano, há vários motivos para a aquisição. A CVC é a maior operadora de turismo do Brasil em número de fretamentos aéreos – 5.400 voos charters em 2008. Possui 400 lojas e 8.000 agências de viagens credenciadas pelo país, e opera viagens para mais de 80 destinos nacionais e no exterior.
Mas à parte do lucrativo negócio, quais os reais motivos da compra feita pelo Carlyle Group? Ao ter controle da empresa que mais freta vôos no Brasil, não teria poder para influenciar ao menos indiretamente – a aviação brasileira, o setor de hospitalidade e seus mercados dependentes, da forma que lhe for mais conveniente? Da mesma forma que teve influência decisiva nas guerras do Golfo, Iraque e Afeganistão, não seria essa uma forma de manipular parte da economia e política nacionais?
Um pouco sobre o Carlyle Group:
O Grupo Carlyle é a maior corporação de investimentos de capital do mundo, com amplas ramificações políticas que afetam nosso cotidiano. É uma das maiores contratantes mundiais da indústria de militar de defesa e telecom, dentre outras.
O Carlyle Group foi iniciado em 1987 por Steven Morris, um membro da familia que controla a Marriot Corporation – gigante da indústria da hospitalidade. Seu conselho de administração é composto por políticos, ex-políticos bem como servidores públicos de governos do mundo inteiro. Frank Carlucci, Secretário de Defesa durante o governo Reagan foi ex-presidente do Conselho, assim como o ex-Diretor da CIA e ex-Presidente George H. W. Bush, que atualmente ocupa o cargo de Conselheiro Sênior. Outro ex-presidente do grupo, Louis V. Gerstner, Jr. é um conhecido membro do clube Bilderberg. Da mesma forma, muitos ex-políticos ou são consultores do Grupo ou estão nas folhas de pagamento das corporações “irmãs”, recebendo benefícios acionários nas várias corporações que o Grupo Carlyle investe. Alguns dos nomes incluem John Major, ex-Premier britânico; Fidel Ramos, ex-presidente das Filipinas; Park Tae Joon, ex-Primeiro Ministro koreano; o Príncipe saudita Al-Walid; Colin Powell, membro do Bilderberg e ex-Secratário de Estado americano; James Baker III, também ex-Secretário de Estado
Secretary of State; Caspar Weinberger, former Defense Secretary; Richard Darman, former White House Budget Director; the billionaire George Soros, and even some bin Laden family members.
O documentário a seguir – exibido em 2004 pela VPRO Netherlands TV - mostra a face oculta do Carlyle Group e sua forma de agir. Até o minuto 1:47 é narrado em holandês, o restante está em inglês.
Transcrevo, abaixo, o trecho narrado em holandês:
“A Guerra no Iraque não parece ter acabado, mas nesse meio tempo a reconstrução já começou. Isso trouxe uma forte competição pelos contratos de reconstrução, que são, em sua maioria, vencidos por empresas americanas.
O que é notável sobre essas companhias, é que elas possuem em sua folha de pagamento, pessoal proveniente da política americana e das forças armadas dos EUA. Trata-se de um conflito de interesse, ou é esse a nova maneira global de fazer negócios?
[texto na tela: 'o Triângulo de Ferro']
Uma das empresas que opera desse modo é o Carlyle Group.
Em sua folha de pagamento constam pessoas como George Bush (Sr.), James Baker III e o antigo Primeiro Ministro John Major.
O Carlyle Group é um banco privado de investimentos que não chama a atenção pública com frequencia, mas é um dos maiores investidores americanos na indústria de defesa, telecom, setor imobiliário e serviços financeiros.

O que é o Carlyle Group? Quem são as pessoas por trás do nome? E quanto poder o grupo possui?”

Poderá também gostar de:

Já estão se preparando para o final dos tempos

o Lugar mais impenetravel do mundo

O abrigo de sementes do fim do mundo



A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes.
O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuclear bem cima dele. Há também um gerador instalado capaz de fornecer energia por mais de 200 anos.

PRECISO DE SUA AJUDA PARA A DIVULGAÇÃO DO NOSSO BLOG. ENVIE NOSSO LINK PARA SEUS AMIGOS E IRMÃOS ,POIS ASSIM VAMOS CUMPRIR NOSSA MISSÃO DE INFORMAR E LEVAR A VERDADE. NOS AJUDE . www.gritosdealerta.blogspot.com

Tiririca pode ser condenado por falsidade ideológica


O promotor Maurício Antônio Ribeiro Lopes entregou ontem, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo, as alegações finais do processo contra o deputado federal eleito Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR), pedindo a sua condenação pelos crimes de falsidades material e ideológica.
A ação apura se Tiririca é analfabeto e se fraudou a declaração de escolaridade entregue à Justiça Eleitoral durante o processo de registro de sua candidatura. No último dia 11, Tiririca se submeteu a testes de leitura e escrita que servem de base para a decisão do juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Aloísio Sérgio Rezende Silveira, responsável por julgar a ação penal.
Para o promotor, que teve dois mandados de segurança solicitando novo exame de redação e leitura para Tiririca negados pelo TRE na semana passada, o deputado eleito é analfabeto. "Impetrei os mandados de segurança para produzir provas, inclusive pericial, para demonstrar que a perícia feita não corresponde ao diagnóstico verdadeiro", explica. "O teste provou que ele é analfabeto", conclui.
De acordo com o promotor, o teste de Tiririca concluiu que o deputado eleito é analfabeto funcional. "Tiririca não consegue interpretar um texto e só consegue juntar sílabas, sem interpretação do que lê", resume. "Isso prova que é ele é analfabeto e portanto inelegível", conclui o promotor.
O processo também apura se o documento entregue à Justiça por Tiririca foi escrito por outra pessoa, configurando falsidade de documento particular, explica. Tiririca também é acusado de ocultação de bens, segundo o promotor.
"A pena para o crime de falsidade ideológica vai de um a cinco anos de reclusão, mas não acredito que ele será preso. O que pode acontecer é que ele pode perder o mandato eletivo", disse o promotor. O processo agora deve ser encaminhado para a defesa do deputado eleito, que terá cinco dias para apresentar as alegações finais, explica Lopes.

SOLANGE SPIGLIATTI - Agência Estado

AS MENTIRAS DA CIENTOLOGIA




Amados cada vez mais o homem tenta ter domínio sobre si próprio, tentando de maneira fracassada tomar o lugar de Deus, muitas vezes tentando ter domínio sobre a mente e corpo, achando que se mentalizar com a sua mente coisas positivas resultará em seu corpo assim podendo achar a cura para males do corpo.

Muitos que seguem essa linha de raciocínio, totalmente vazios de espírito e coração, tentam influenciar outras pessoas formando assim seguidores.

Exemplo disso são os adeptos a seita da Cientologia muito conhecido por ter como adeptos atores de Hollywood. O fundamento base dessa seita é o domínio sobre a mente e o corpo, uma purificação espiritual da mente para assim achar a cura de males no corpo físico, sem o auxilio de remédios, outro fato de discursão são as mulheres que quando grávidas não pode gritar, nem tomar analgésico para as contrações, a cientologia diz que os gritos da mãe na hora em que seu filho está nascendo pode resultar em traumas eternos na criança. É incrível como o homem que se considera ser "racional", "inteligente" consegue criar algo tão fantasioso

Veja abaixo um pequeno tutorial sobre o que é a Cientologia.

Cientologia é uma pseudo-ciência que por meio de técnicas psicoterapêuticas que tenta despertar em seu adeptos a consciência de sermos seres imortais.
A Cientologia é uma seita que para não pagar impostos se apresenta como religião, os seguidores são levados a freqüentar cursos e receber sessões de psicoterapia. Para pagar estas sessões os membros encontram sérios problemas financeiros.

A filosofia da cientologia se baseia em três partes:
O Thetan: puro espírito, que existe "desde o inicio"; é onisciente e imortal
O corpo: um componente indesejável do ser humano.
A mente: sistema de comunicação entre o Thetan e o ambiente.

O seu fundador o americano L. R. Hubbard (1911-1986), é venerado como um Deus, antes de L. R. Hubbard invertar a Cientologia, ele era escritor de ficção cientifica, embora que com o passar do anos e com novas descobertas da ciência, a qual demonstram que os fundamentos da doutrina cientológica não vão além da pura fantasia, ainda sim a seita continua com bastantes adeptos entre eles vários famosos de Hollywood.

O regime no interior da "igreja" é totalitário e seus membros são levados a desprezar quem não pertence à seita, os quais as "escrituras sagradas" chamam, de forma desprezível, "humanóides".
Um sério elemento de perigo social da seita é o tristemente famoso "Fair Game". Este consiste em uma série de diretivas do fundador Hubbard, que estabelecem que se uma pessoa se atreve a criticar a Cientologia, será declarada "Pessoa Supressiva". Esta declaração autoriza os membros a cometer qualquer tipo de abuso ou crime contra o "supressivo".

Fonte: http://xenu.freewinds.cx/pt/presentaz.htm

PADRES TARADOS E PEDOFILOS DE PLANTÃO NAS IGREJAS DA ALEMANHA , CLARO QUE NÃO EM TODAS - Disque-denúncia da Igreja na Alemanha foi informado de 664 casos de abuso

A Igreja Católica da Alemanha disse que vítimas denunciaram 664 casos de abuso sexual ao seu "disque-denúncia" --432 dos quais foram supostamente cometidos por padres ou monges.

A Conferência de Bispos da Alemanha disse em comunicado nesta quarta-feira que seus psicólogos e outros especialistas tiveram conversas aprofundadas com cerca de 3.400 pessoas nos primeiros seis meses da existência do disque-denúncia.

O comunicado informa que 664 pessoas confirmaram as alegações de abuso em pesquisa de confirmação, e mais de 80% disseram ter sofrido abuso repetidamente. O texto afirma ainda que cerca de um em cada dez casos busca assistência jurídica, e 6% perguntaram sobre indenização financeira.

O serviço de disque-denúncia começou a operar em 30 de março, quando um crescente escândalo de abuso --com a maioria do casos datando mais de décadas-- atingiram a Igreja Católica na Alemanha, terra natal do papa Bento 16.

Fonte: Folha Online

Mackenzie responde a acusações de homofobia Texto do chanceler da universidade se posiciona contra lei anti-homofobia; Mackenzie reitera que posicionamento é da Igreja Presbiteriana

Com os supostos ataques homofóbicos a três rapazes, na avenida Paulista, São Paulo, na madrugada de domingo, e após um estudante ter sido baleado porque estaria namorando durante a Parada Gay no Rio, também no domingo, um texto do chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie, publicado na semana passada no site da instituição, está correndo a internet, com comentários de indignação e revolta dirigidos à universidade.

Intitulado “Manifesto Presbiteriano sobre a Lei da Homofobia”, trata-se de uma carta aberta em que o reverendo Augustus Nicodemus Gomes Lopes expõe os motivos religiosos que o fazem ser contra a aprovação da lei, atualmente em tramitação no Senado.

"O pronunciamento afirma por um lado o respeito devido a todas as pessoas, independentemente de suas escolhas sexuais; por outro, afirma o direito da livre expressão, garantido pela Constituição", diz a carta em um trecho.O parágrafo mais taxativo afirma que: "A Igreja Presbiteriana do Brasil MANIFESTA-SE [com letras maiúsculas mesmo] contra a aprovação da chamada lei da homofobia, por entender que ensinar e pregar contra a prática do homossexualismo não é homofobia, por entender que uma lei dessa natureza maximiza direitos a um determinado grupo de cidadãos, ao mesmo tempo em que minimiza, atrofia e falece direitos e princípios já determinados principalmente pela Carta Magna e pela Declaração Universal de Direitos Humanos."

A assessoria do Mackenzie explica que, basicamente, o que ele quer dizer é que todo mundo tem direito de expressar sua opinião, desde que se mantenha o respeito. E que se a liturgia religiosa for contrária a práticas homossexuais, ela não pode ser chamada de homofóbica por pregar isso a seus fiéis.

O chanceler representa o Instituto Presbiteriano Mackenzie perante à universidade. “Ele é a voz da Igreja, não necessariamente a voz da universidade”, explica a assessoria de imprensa. No entanto, Gomes Lopes endossa no texto que o centro universitário se pauta pelos valores presbiterianos propagados pelo instituto.

O texto foi retirado da seção de artigos do chanceler, mas a assessoria confirmou sua autoria, mesmo sem saber o motivo da remoção. O Mackenzie não aceitou entrevista com Gomes Lopes ou outra autoridade do instituto ou da universidade, limitando-se a expressar-se por uma nota oficial:

"O pronunciamento sobre o PL 122 é da Igreja Presbiteriana do Brasil, Associada Vitalícia do Mackenzie, feito em 2007, e se encontra em seu site.
O Mackenzie se posiciona contra qualquer tipo de violência e descriminação (sic) feitas ao ser humano, como também se posiciona contra qualquer tentativa de se tolher a liberdade de consciência e de expressão garantidas pela Constituição."


Leia a carta aberta do chanceler, na íntegra:

"Manifesto Presbiteriano sobre a Lei da Homofobia

Leitura: Salmo
O Salmo 1, juntamente com outras passagens da Bíblia, mostra que a ética da tradição judaico-cristã distingue entre comportamentos aceitáveis e não aceitáveis para o cristão. A nossa cultura está mais e mais permeada pelo relativismo moral e cada vez mais distante de referenciais que mostram o certo e o errado. Todavia, os cristãos se guiam pelos referenciais morais da Bíblia e não pelas mudanças de valores que ocorrem em todas as culturas.

Uma das questões que tem chamado a atenção do povo brasileiro é o projeto de lei em tramitação na Câmara que pretende tornar crime manifestações contrárias à homossexualidade. A Igreja Presbiteriana do Brasil, a Associada Vitalícia do Mackenzie, pronunciou-se recentemente sobre esse assunto. O pronunciamento afirma por um lado o respeito devido a todas as pessoas, independentemente de suas escolhas sexuais; por outro, afirma o direito da livre expressão, garantido pela Constituição, direito esse que será tolhido caso a chamada lei da homofobia seja aprovada.

A Universidade Presbiteriana Mackenzie, sendo de natureza confessional, cristã e reformada, guia-se em sua ética pelos valores presbiterianos. O manifesto presbiteriano sobre a homofobia, reproduzido abaixo, serve de orientação à comunidade acadêmica, quanto ao que pensa a Associada Vitalícia sobre esse assunto:

"Quanto à chamada LEI DA HOMOFOBIA, que parte do princípio que toda manifestação contrária ao homossexualismo é homofóbica, e que caracteriza como crime todas essas manifestações, a Igreja Presbiteriana do Brasil repudia a caracterização da expressão do ensino bíblico sobre o homossexualismo como sendo homofobia, ao mesmo tempo em que repudia qualquer forma de violência contra o ser humano criado à imagem de Deus, o que inclui homossexuais e quaisquer outros cidadãos.

Visto que: (1) a promulgação da nossa Carta Magna em 1988 já previa direitos e garantias individuais para todos os cidadãos brasileiros; (2) as medidas legais que surgiram visando beneficiar homossexuais, como o reconhecimento da sua união estável, a adoção por homossexuais, o direito patrimonial e a previsão de benefícios por parte do INSS foram tomadas buscando resolver casos concretos sem, contudo, observar o interesse público, o bem comum e a legislação pátria vigente; (3) a liberdade religiosa assegura a todo cidadão brasileiro a exposição de sua fé sem a interferência do Estado, sendo a este vedada a interferência nas formas de culto, na subvenção de quaisquer cultos e ainda na própria opção pela inexistência de fé e culto; (4) a liberdade de expressão, como direito individual e coletivo, corrobora com a mãe das liberdades, a liberdade de consciência, mantendo o Estado eqüidistante das manifestações cúlticas em todas as culturas e expressões religiosas do nosso País; (5) as Escrituras Sagradas, sobre as quais a Igreja Presbiteriana do Brasil firma suas crenças e práticas, ensinam que Deus criou a humanidade com uma diferenciação sexual (homem e mulher) e com propósitos heterossexuais específicos que envolvem o casamento, a unidade sexual e a procriação; e que Jesus Cristo ratificou esse entendimento ao dizer, ". . . desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher" (Marcos 10.6); e que os apóstolos de Cristo entendiam que a prática homossexual era pecaminosa e contrária aos planos originais de Deus (Romanos 1.24-27; 1Coríntios 6:9-11).

A Igreja Presbiteriana do Brasil MANIFESTA-SE contra a aprovação da chamada lei da homofobia, por entender que ensinar e pregar contra a prática do homossexualismo não é homofobia, por entender que uma lei dessa natureza maximiza direitos a um determinado grupo de cidadãos, ao mesmo tempo em que minimiza, atrofia e falece direitos e princípios já determinados principalmente pela Carta Magna e pela Declaração Universal de Direitos Humanos; e por entender que tal lei interfere diretamente na liberdade e na missão das igrejas de todas orientações de falarem, pregarem e ensinarem sobre a conduta e o comportamento ético de todos, inclusive dos homossexuais.

Portanto, a Igreja Presbiteriana do Brasil reafirma seu direito de expressar-se, em público e em privado, sobre todo e qualquer comportamento humano, no cumprimento de sua missão de anunciar o Evangelho, conclamando a todos ao arrependimento e à fé em Jesus Cristo".

Rev. Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes
Chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie" 

por Felipe van Deursen

EM DEFESA DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO RELIGIOSA / A FAVOR DA VERDADE / * Este Blog Este Blog 20 Universidade Mackenzie: Em defesa da liberdade de expressão religiosa

A Universidade Presbiteriana Mackenzie vem recebendo ataques e críticas por um texto alegadamente “homofóbico” veiculado em seu site desde 2007. Nós, de várias denominações cristãs, vimos prestar solidariedade à instituição. Nós nos levantamos contra o uso indiscriminado do termo “homofobia”, que pretende aplicar-se tanto a assassinos, agressores e discriminadores de homossexuais quanto a líderes religiosos cristãos que, à luz da Escritura Sagrada, consideram a homossexualidade um pecado. Ora, nossa liberdade de consciência e de expressão não nos pode ser negada, nem confundida com violência. Consideramos que mencionar pecados para chamar os homens a um arrependimento voluntário é parte integrante do anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. Nenhum discurso de ódio pode se calcar na pregação do amor e da graça de Deus.

Como cristãos, temos o mandato bíblico de oferecer o Evangelho da salvação a todas as pessoas. Jesus Cristo morreu para salvar e reconciliar o ser humano com Deus. Cremos, de acordo com as Escrituras, que “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3.23). Somos pecadores, todos nós. Não existe uma divisão entre “pecadores” e “não-pecadores”. A Bíblia apresenta longas listas de pecado e informa que sem o perdão de Deus o homem está perdido e condenado. Sabemos que são pecado: “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, rivalidades, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias” (Gálatas 5.19). Em sua interpretação tradicional e histórica, as Escrituras judaico-cristãs tratam da conduta homossexual como um pecado, como demonstram os textos de Levítico 18.22, 1Coríntios 6.9-10, Romanos 1.18-32, entre outros. Se queremos o arrependimento e a conversão do perdido, precisamos nomear também esse pecado. Não desejamos mudança de comportamento por força de lei, mas sim, a conversão do coração. E a conversão do coração não passa por pressão externa, mas pela ação graciosa e persuasiva do Espírito Santo de Deus, que, como ensinou o Senhor Jesus Cristo, convence “do pecado, da justiça e do juízo” (João 16.8).

Queremos assim nos certificar de que a eventual aprovação de leis chamadas anti-homofobia não nos impedirá de estender esse convite livremente a todos, um convite que também pode ser recusado. Não somos a favor de nenhum tipo de lei que proíba a conduta homossexual; da mesma forma, somos contrários a qualquer lei que atente contra um princípio caro à sociedade brasileira: a liberdade de consciência. A Constituição Federal (artigo 5º) assegura que “todos são iguais perante a lei”, “estipula ser inviolável a liberdade de consciência e de crença” e “estipula que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”. Também nos opomos a qualquer força exterior – intimidação, ameaças, agressões verbais e físicas – que vise à mudança de mentalidades. Não aceitamos que a criminalização da opinião seja um instrumento válido para transformações sociais, pois, além de inconstitucional, fomenta uma indesejável onda de autoritarismo, ferindo as bases da democracia. Assim como não buscamos reprimir a conduta homossexual por esses meios coercivos, não queremos que os mesmos meios sejam utilizados para que deixemos de pregar o que cremos. Queremos manter nossa liberdade de anunciar o arrependimento e o perdão de Deus publicamente. Queremos sustentar nosso direito de abrir instituições de ensino confessionais, que reflitam a cosmovisão cristã. Queremos garantir que a comunidade religiosa possa exprimir-se sobre todos os assuntos importantes para a sociedade.

Manifestamos, portanto, nosso total apoio ao pronunciamento da Igreja Presbiteriana do Brasil publicado no ano de 2007 e reproduzido parcialmente, também em 2007, no site da Universidade Presbiteriana Mackenzie, por seu chanceler, Reverendo Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes. Se ativistas homossexuais pretendem criminalizar a postura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, devem se preparar para confrontar igualmente a Igreja Presbiteriana do Brasil, as igrejas evangélicas de todo o país, a Igreja Católica Apostólica Romana, a Congregação Judaica do Brasil e, em última instância, censurar as próprias Escrituras judaico-cristãs. Indivíduos, grupos religiosos e instituições têm o direito garantido por lei de expressar sua confessionalidade e sua consciência sujeitas à Palavra de Deus. Postamo-nos firmemente para que essa liberdade não nos seja tirada.

Este manifesto é uma criação coletiva com vistas a representar o pensamento cristão brasileiro, para ampla divulgação.

ESTUDO //// Os pastores e seus deveres


Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue. Atos 20.28
Nenhuma igreja poderá funcionar sem dirigentes para dela cuidar. Logo, conforme Atos 14.23, congregação local, cheia do Espírito, buscando a direção de Deus em oração e jejum, elegiam certos irmãos para o cargo de presbítero ou bispo de acordo com as qualificações espirituais estabelecidas pelo Espírito Santo em 1 Tm 3.1-7. Na realidade é o Espírito que constitui o dirigente da igreja. O discurso de Paulo diante dos presbíteros de Éfeso (20.17-35) é um trecho básico quanto a princípios bíblicos sobre o exercício do ministério de pastor de uma igreja local.

Propagando a fé

Um dos deveres principais do dirigente é alimentar as ovelhas mediante o ensino da Palavra de Deus. Ele deve ter sempre em mente que o rebanho que lhe foi entregue é a congregação de Deus, que ele comprou para si com o sangue precioso do seu Filho amado (cf. 20.26; 1 Co 6.20; 1 Pe 1.18,19; Ap 5.9).
Em 20.19-27, Paulo descreve de que maneira serviu como pastor da igreja em Éfeso; tornou patente toda a vontade de Deus, advertindo e ensinando fielmente os cristãos efésios (20.27). Daí, ele poder exclamar: estou limpo do sangue de todos (20.26). Os pastores de nossos dias também devem instruir suas igrejas em todo o desígnio de Deus. Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina (2 Tm 4.2) e nunca ministrar para agradar os ouvintes, dizendo apenas aquilo que estes desejam ouvir (2 Tm 4.3).

Guardando a fé

Além de alimentar o rebanho de Deus, o verdadeiro pastor deve diligentemente resguardá-lo de seus inimigos. Paulo sabe que no futuro Satanás levantará falsos mestres dentro da própria igreja, e, também, falsários vindos de fora, infiltrar-se-ão e atingirão o rebanho com doutrinas antibíblicas, conceitos mundanos e idéias pagãs e humanistas. Os ensinos e a influência destes dois tipos de elementos arruinarão a fé bíblica do povo e Deus. Paulo os chama de lobos cruéis, indicando que são fortes, difíceis de subjugar, insaciáveis e perigosos. Tais indivíduos desviarão as pessoas dos ensinos de Cristo e as atrairão a si mesmos e ao seu evangelho distorcido. O apelo veemente de Paulo (20.28-31) impõe uma solene obrigação sobre todos os obreiros da igreja, no sentido de defendê-la e opor-se aos que distorcem a revelação original e fundamental da fé, segundo o NT.
A igreja verdadeira consiste somente daqueles que, pela graça de Deus e pela comunhão do Espírito Santo, são fiéis ao Senhor Jesus Cristo e à Palavra de Deus. Por isso, é de grande importância na preservação da pureza da igreja de Deus que os seus pastores mantenham a disciplina corretiva com amor (Ef 4.15), e reprovem com firmeza (2 Tm 4.1-4; Tt 1.9-11) quem na igreja fale coisas perversas contrárias à Palavra de Deus e ao testemunho apostólico (20.30).
Líderes eclesiásticos, pastores de igrejas locais e dirigentes administrativos da obra devem lembrar-se de que o Senhor Jesus os têm como responsáveis pelo sangue de todos os que estão sob seus cuidados (20.26-17, cf. Ez 3.20,21). Se o dirigente deixar de ensinar e pôr em prática todo o conselho de Deus para a igreja (20.27), principalmente quanto à vigilância sobre o rebanho (20.28), não estará “limpo do sangue de todos”. Deus o terá por culpado do sangue dos que se perderem, por ter ele deixado de proteger o rebanho contra os falsificadores da Palavra.
É altamente importante que os responsáveis pela direção da igreja mantenham a ordem quanto a assuntos teológicos doutrinários e morais na mesma. A pureza da doutrina bíblica e de vida cristã deve ser zelosamente mantida nas faculdades evangélicas, institutos bíblicos, seminários, editoras e demais segmentos administrativos da igreja (2 Tm 1.13,14).
A questão principal aqui é nossa atitude para com as Escrituras divinamente inspiradas, que Paulo chama a “palavra da sua graça” (20.32). Falsos mestres, pastores e líderes tentarão enfraquecer a autoridade da Bíblia através de seus ensinos corrompidos e princípios antibíblicos. Ao rejeitarem a autoridade absoluta da Palavra de Deus, negam que a Bíblia é verdadeira e fidedigna em tudo que ela ensina (20.28-31) (ver 1 Tm 4.1; 2 Tm 3.8). A bem da igreja de Deus, tais pessoas devem ser excluídas da comunhão (2 Jo 9-11).
A igreja que perde o zelo ardente do Espírito Santo pela sua pureza (20.18-35), que se recusa a formar posição firme em prol da verdade e que se omite em disciplinar os que minam a autoridade da Palavra de Deus, logo deixará de existir como igreja neotestamentária”.

Estudo enviado gentilmente por Sammis Reachers para publicação

CRIME ESCLARECIDO - Bandidos mataram por engano bispo da Igreja Universal / Bandits killed by mistake bishop of the Church Universal

O bispo-auxiliar da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) José Carlos de Santana, 48 anos, assassinado no último dia 25 de outubro, foi morto por engano. O alvo era um presidiário em regime semiaberto que havia comandado o tráfico na região onde ocorreu o crime. A conclusão foi da delegada Josineide Confessor, da 2ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Ontem pela manhã, ela prendeu duas pessoas envolvidas no crime, que aconteceu na Estrada do Barbalho, Iputinga, Zona Oeste do Recife. Durante as buscas, os policiais encontraram outro homem, que estava com drogas e armas. Dois homens, um deles apontado como o autor dos tiros, permanecem foragidos.
Para prender os suspeitos, foi montada a Operação Universal, que contou com 30 policiais (20 civis e 10 militares). Por volta das 5h de ontem, os agentes entraram na comunidade do Detran, na Iputinga, e inicialmente capturaram Eti Paula Bernardo da Silva, 25, conhecida como Paulão e apontada como líder do grupo, e Aílton Xavier da Silva, 19, conhecido como Cara de Burro. Em seguida, prenderam o cadeirante Wellington Henrique Ferreira, 29, com dois revólveres calibre 38, 100 gramas de maconha e 50 gramas de crack. As armas serão submetidas a perícia balística.
Wellington foi encontrado no local onde a polícia procurava Robson da Silva Costa, 20, que, segundo a polícia, atirou contra o carro onde estavam o bispo José Carlos e o pastor da Iurd Joel Nunes, 46. O outro foragido é Tiago Bernardo da Silva, 19, conhecido como Tiaguinho Bodão. A polícia solicitou a divulgação das fotos dos suspeitos. Quem tiver informações sobre os dois deve ligar para o DHPP: (81) 3184-3550.
Segundo Josineide Confessor, o grupo assumiu o comando do tráfico na comunidade do Detran depois que Carlos Adriano Leite da Silva foi preso na Penitenciária Agroindustrial São João. Como o detento goza do regime semiaberto, o grupo temia que ele voltasse a agir na região e resolveu matá-lo. “Eles sabiam que Carlos Adriano andava em um carro preto e prepararam uma tocaia na Estrada do Barbalho. Eti Paula e Aílton ficavam de bicicleta tentando identificá-lo e Robson e Tiago ficavam de moto”, explicou a delegada.
OUTRO CRIME – Dois dias antes do assassinato do bispo, o grupo havia atirado contra o veículo de Carlos Adriano, um Celta, ferindo um vendedor de bolos da comunidade. No dia 25, quando o bispo e o pastor foram ao Detran para renovar a carteira de habilitação do primeiro, com um Gol preto, de placa DAL-4990, da Iurd, os bandidos confundiram os veículos e dispararam duas vezes. Um tiro atingiu José Carlos na nuca. “Houve muitas testemunhas, mas como o grupo impõe medo na comunidade, tivemos dificuldades de consolidar as investigações”, afirmou Josineide Confessor.
O grupo estaria envolvido ainda no assassinato de Jaciara Elias Pinheiro do Nascimento, que estava grávida e era irmã de um suposto amante da mulher de Robson. O crime ocorreu no último dia 25 de agosto. “Eles foram perguntar sobre o paradeiro do irmão, ela se negou a dizer e levou três tiros”, contou a delegada.
Fonte: O Verbo / Jornal do Commercio

“Quero me manter virgem até o dia em que me casar. Fui criada em uma família cristã”, diz Miley Cyrus

Estrela da TV, estrela da música, estrela do cinema. Quarta pessoa mais bem paga do show biz “antes dos 30”, com faturamento anual de US$ 48 milhões (aproximadamente R$ 82 milhões). Miley Cyrus construiu sua carreira como uma garota de família conservadora, seguindo as regras da igreja cristã e mesmo namorando famosos como Nick Jonas, dos Jonas Brothers, com o modelo Justin Gaston e também com o ator Liam Hemsworth a atriz afirma que quer se casar virgem.
Miley nasceu dia 23 de novembro de 1992 em Nashville, Tennessee, filha de Billy Ray Cyrus, grande galã da música country norte-americana e sua mulher Letícia. A pequena estrela cresceu em uma fazenda de 2 km² com cinco irmãos e, quando bebê, foi apelidada pela mãe de “Smiley” – “sorridente”, em inglês.
Logo cedo, aos 11 anos de idade, Miley iniciou suas aventuras no showbiz, seguindo os passos do pai, que na época estrelava o seriado “Doc”. Ela fez uma bateria de testes para séries de TV, mas como era muito inexperiente, acabou não conseguindo um papel.
Dois anos depois, em 2005, Miley agarrou a oportunidade que iria mudar completamente sua vida: ela foi escalada para o papel principal na série “Hanna Montana”, a maior aposta da Disney para a TV naquele ano. Ela interpretava uma adolescente com dupla personalidade — de dia era uma garota comum e de noite uma famosa cantora pop.
Em 2006, o programa já era a atração mais assistida entre jovens de 6 a 14 anos. O sucesso continuou com a trilha sonora, que atingiu o topo das paradas da Billboard. Miley se tornava também, uma sensação da música com disco de platina triplo e uma mega turnê pelos Estados Unidos, com ingressos esgotados em todas as cidades.
Na estrada com a turnê “Best Of Both Worlds” de 2007, Miley anuncia o namoro com o cantor Nick Jonas, da banda Jonas Brothers que também são da Disney. Na época, ele tinha apenas 14 anos e chegaram a juntar as turnês. “A gente se ama”, contou ela à revista “Seventeen”. O namoro duraria dois anos.
No mesmo ano, em julho, Miley foi capa da revista “People” ao lado do pai. “A preocupação é manter os pés dela no chão”, disse Billy Ray à publicação. O cantor também revelou que Miley frequentava a igreja todas as semanas e também ficava de castigo, caso fizesse algo de errado.”Quero me manter virgem até o dia em que me casar. Fui criada em uma família cristã”, disse ela.
Fonte: O Verbo / Guia-me / Gospel Prime

O que é Abuso Sexual?

O abuso sexual  ocorre quando existe um jogo, ou até mesmo o ato sexual, entre pessoas de sexo diferente, (ou  do mesmo sexo), em que o agente abusador  já tem experiência, e  visa sua satisfação sexual. 
Estas práticas geralmente  são impostas às crianças  ou adolescentes, através de violência física, ameaças, ou em alguns casos, induzindo-as, convencendo-as.  
com uso de violência ou ameaça:     
induzindo, convencendo:
No abuso sexual,  a criança  é despertada para o sexo precocemente, de maneira deturpada, traumática, ficando com marcas para o resto da vida, podendo desenvolver comportamentos patológicos como aversão a parceiros do mesmo sexo do abusador ou, por outra, promiscuidade e uma sexualidade descontrolada, entre outros. 
A criança ao ser abusada sexualmente é desrespeitada como pessoa humana, tem seus Direitos violados,  e o pior: na maioria das vezes, dentro de seu próprio lar, por quem tem a obrigação de protegê-la.
As marcas, as conseqüências do abuso sexual podem ser físicas ou psicológicas. Geralmente ficam as duas.
O abuso sexual pode se dar de várias formas, e   com ou sem contato físico.
Você tem direito a viver uma vida livre de toda e qualquer forma de violência.
O abusador geralmente ao praticar o abuso sexual  toca fisicamente a vítima, mas pode haver abuso sexual sem o toque físico. 
O abusador pode tocar a vítima sob forma de carícias, tanto  como  um beijo, ou  alisadas, seja nos seios ou em outras partes do corpo (inclusive os órgãos sexuais), às vezes chegando a manter relações sexuais: tanto vaginal quanto anal. Há muitos casos de gravidez decorrente de abuso sexual.
O sexo oral é  uma forma de sexo muito utilizada pelos abusadores, e   transmite  doenças sexualmente transmissíveis da mesma forma que o sexo vaginal e anal,   o que significa também risco de contaminação pelo vírus  da AIDS). 

Já no abuso sexual sem contato físico, alguns abusadores se limitam a olhar suas vítimas   trocarem de roupa, tomarem banho, etc.  É o "voyeur".  
Há o tipo de abusador que  expõe os órgãos sexuais  para suas vítimas. Este tipo tanto acontece na rua, como em casa. É o "exibicionista".
Alguns abusadores vêem fitas  e revistas pornográficas com suas vítimas,  alegando que precisam "ensiná-las",  despertando sua sexualidade de uma forma precoce e  deturpada. Às vezes, nestes casos, o abusador chega a manter contatos mais íntimos, sob a desculpa que "está apenas  ensinando", à vítima. 
      ou      

Acontece ainda com freqüência, que o abusador "paga" à criança em dinheiro ou em doces, dá presentinhos, para que ela permita que ele a toque intimamente, abuse de seu corpo  de diversas formas. Esta forma é mais utilizada nas comunidades  de baixa renda.
Os adultos abusadores na maioria das vezes são parentes de sangue da criança ou adolescente: (pai, irmãos, avós, tios, etc) ou parentes  por afinidade:padrasto, esposo da tia, etc.) ou são simplesmente  responsáveis pelos mesmos: tutor, padrinho, etc).
Se você foi ou está sendo vítima de abuso sexual,  precisa  falar a respeito com quem pode lhe ajudar.  
Você pode evitar conseqüências muito graves: gravidez, AIDS, ou até a morte. Gravidez na adolescência, além de transtorno, é sempre uma gravidez com riscos. Se o abusador for pai ou outro parente, maiores os riscos de um filho com problemas de má formação congênita.
Um abusador para não ser descoberto pode praticar desatinos. Previna-se. Se você é ou foi abusado(a), procure ajuda logo.
Infelizmente há muitos casos de mães omissas:  fingem não ver o que seus maridos ou companheiros praticam com seus (suas) filhos(as).

 
Você pode procurar o Conselho Tutelar  da localidade onde mora, o(a) Juiz(a)  ou o(a) Promotor da Vara da Infância e Juventude de sua cidade, ou nos mandar um e-mail:  
 
Mas, não tenha medo. Procure ajuda. é muito importante.
As conseqüências são muito graves. Fale. Bote a boca no trombone. Estamos aqui para lhe ajudar.

Você não está só.

NÃO TENHA MEDO

É    hora   de falar, de dar um basta.

Lógica do abortismo



Para o abortista, a condição de "ser humano" não é uma qualidade inata definidora dos membros da espécie, mas uma convenção que os já nascidos podem, a seu talante, aplicar ou deixar de aplicar aos que ainda não nasceram.
O aborto só é uma questão moral porque ninguém conseguiu jamais provar, com certeza absoluta, que um feto é mera extensão do corpo da mãe ou um ser humano de pleno direito. A existência mesma da discussão interminável mostra que os argumentos de parte a parte soam inconvincentes a quem os ouve, se não também a quem os emite. Existe aí portanto uma dúvida legítima, que nenhuma resposta tem podido aplacar. Transposta ao plano das decisões práticas, essa dúvida transforma-se na escolha entre proibir ou autorizar um ato que tem cinqüenta por cento de chances de ser uma inocente operação cirúrgica como qualquer outra, ou de ser, em vez disso, um homicídio premeditado. Nessas condições, a única opção moralmente justificada é, com toda a evidência, abster-se de praticá-lo.
À luz da razão, nenhum ser humano pode arrogar-se o direito de cometer livremente um ato que ele próprio não sabe dizer, com segurança, se é ou não um homicídio. Mais ainda: entre a prudência que evita correr o risco desse homicídio e a afoiteza que se apressa em cometê-lo em nome de tais ou quais benefícios sociais hipotéticos, o ônus da prova cabe, decerto, aos defensores da segunda alternativa. Jamais tendo havido um abortista capaz de provar com razões cabais a inumanidade dos fetos, seus adversários têm todo o direito, e até o dever indeclinável, de exigir que ele se abstenha de praticar uma ação cuja inocência é matéria de incerteza até para ele próprio.
Se esse argumento é evidente por si mesmo, é também manifesto que a quase totalidade dos abortistas opinantes hoje em dia não logra perceber o seu alcance, pela simples razão de que a opção pelo aborto supõe a incapacidade - ou, em certos casos, a má vontade criminosa - de apreender a noção de "espécie". Espécie é um conjunto de traços comuns, inatos e inseparáveis, cuja presença enquadra um indivíduo, de uma vez para sempre, numa natureza que ele compartilha com outros tantos indivíduos. Pertencem à mesma espécie, eternamente, até mesmo os seus membros ainda não nascidos, inclusive os não gerados, que quando gerados e nascidos vierem a portar os mesmos traços comuns. Não é difícil compreender que os gatos do século XXIII, quando nascerem, serão gatos e não tomates.
A opção pelo abortismo exige, como condição prévia, a incapacidade ou recusa de apreender essa noção. Para o abortista, a condição de "ser humano" não é uma qualidade inata definidora dos membros da espécie, mas uma convenção que os já nascidos podem, a seu talante, aplicar ou deixar de aplicar aos que ainda não nasceram. Quem decide se o feto em gestação pertence ou não à humanidade é um consenso social, não a natureza das coisas.
O grau de confusão mental necessário para acreditar nessa idéia não é pequeno. Tanto que raramente os abortistas alegam de maneira clara e explícita essa premissa fundante dos seus argumentos. Em geral mantêm-na oculta, entre névoas (até para si próprios), porque pressentem que enunciá-la em voz alta seria desmascará-la, no ato, como presunção antropológica sem qualquer fundamento possível e, aliás, de aplicação catastrófica: se a condição de ser humano é uma convenção social, nada impede que uma convenção posterior a revogue, negando a humanidade de retardados mentais, de aleijados, de homossexuais, de negros, de judeus, de ciganos ou de quem quer que, segundo os caprichos do momento, pareça inconveniente.
Com toda a clareza que se poderia exigir, a opção pelo abortismo repousa no apelo irracional à inexistente autoridade de conferir ou negar, a quem bem se entenda, o estatuto de ser humano, de bicho, de coisa ou de pedaço de coisa.
Não espanta que pessoas capazes de tamanho barbarismo mental sejam também imunes a outras imposições da consciência moral comum, como por exemplo o dever que um político tem de prestar contas dos compromissos assumidos por ele ou por seu partido. É com insensibilidade moral verdadeiramente sociopática que o sr. Lula da Silva e sua querida Dona Dilma, após terem subscrito o programa de um partido que ama e venera o aborto ao ponto de expulsar quem se oponha a essa idéia, saem ostentando inocência de qualquer cumplicidade com a proposta abortista.
Seria tolice esperar coerência moral de indivíduos que não respeitam nem mesmo o compromisso de reconhecer que as demais pessoas humanas pertencem à mesma espécie deles por natureza e não por uma generosa - e altamente revogável -- concessão da sua parte.
Também não é de espantar que, na ânsia de impor sua vontade de poder, mintam como demônios. Vejam os números de mulheres supostamente vítimas anuais do aborto ilegal, que eles alegam para enaltecer as virtudes sociais imaginárias do aborto legalizado. Eram milhões, baixaram para milhares, depois viraram algumas centenas. Agora parece que fecharam negócio em 180, quando o próprio SUS já admitiu que não passam de oito ou nove. É claro: se você não apreende ou não respeita nem mesmo a distinção entre espécies, como não seria também indiferente à exatidão das quantidades? Uma deformidade mental traz a outra embutida.
Aristóteles aconselhava evitar o debate com adversários incapazes de reconhecer ou de obedecer as regras elementares da busca da verdade. Se algum abortista desejasse a verdade, teria de reconhecer que é incapaz de provar a inumanidade dos fetos e admitir que, no fundo, eles serem humanos ou não é coisa que não interfere, no mais mínimo que seja, na sua decisão de matá-los. Mas confessar isso seria exibir um crachá de sociopata. E sociopatas, por definição e fatalidade intrínseca, vivem de parecer que não o são.

Por Olavode  Carvalho

OVELHAS - QUEM SÃO ?

     No capítulo 34 do livro do profeta Ezequiel, o Senhor faz uma relação de tipos de ovelhas e acusa os pastores de Israel (os sacerdote...