segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A TODOS OS QUE COMPREENDEM O VALOR DA VIDA.




A TODOS OS QUE COMPREENDEM O VALOR DA
VIDA:

Na quarta feira dia 4 de agosto, o Deputado Paes de lira
pronunciou, no Congresso Brasileiro, um forte discurso denunciando a
ilegalidade do "Consenso de Brasília", documento elaborado na
primeira quinzena de julho de 2010 pela Secretaria das Políticas
das Mulheres do governo Lula em conjunto com a CEPAL (Comissão
Econômica para América Latina e Caribe da ONU), que pretende
promover a legalização do aborto em toda a América Latina,
utilizando a pressão dos organismos regionais da ONU em nosso
continente. Veja e ouça a íntegra do pronunciamento do deputado
neste link:

http://www.youtube.com/watch?v=0K4TPKZiyVc

Junto com o pronunciamento, os deputados federais Paes de Lira
(PTC-SP), Talmir Rodrigues (PV-SP) e Miguel Martini
(PHS-MG) apresentaram à Câmara o Projeto de Decreto
Legislativo PDC 2840/2010, que susta os efeitos gerados
pelo documento "Consenso de Brasília". O texto do PDC
2840-2010 pode ser lido na íntegra no site da Câmara dos
Deputados.

http://www.camara.gov.br/internet/sileg/Prop_Detalhe.asp?id=484558

O Decreto afirma, dentre outras coisas:

"A PRESENTE PROPOSIÇÃO VISA SUSTAR OS
EFEITOS GERADOS PELO DOCUMENTO
“CONSENSO DE BRASÍLIA, PRODUZIDO PELA
XI CONFERÊNCIA REGIONAL SOBRE A MULHER
DA AMÉRICA LATINA E DO CARIBE, OCORRIDA
ENTRE 13 E 16 DE JULHO DE 2010. ESTE
DOCUMENTO PROMOVEU, ATRAVÉS DA
PARTICIPAÇÃO SEM RESSALVAS DO MINISTRO
DAS RELAÇÕES EXTERIORES CELSO AMORIM E
DA SECRETÁRIA DE POLÍTICAS PARA AS
MULHERES NILCÉIA FREIRE, O APOIO DO
GOVERNO BRASILEIRO À IRRESTRITA
PRÁTICA DO ABORTO.

O BRASIL JÁ ESTÁ COMPROMETIDO, POR MEIO
DE TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS
HUMANOS DE CARÁTER VINCULANTE, A
DEFENDER “O DIREITO À VIDA, EM GERAL,
DESDE O MOMENTO DA CONCEPÇÃO”, O QUE
CONFIGURA, INCLUSIVE, A ILEGALIDADE DO
CONSENSO DE BRASÍLIA. PORTANTO,
FALAR-SE EM ABORTO IMPORTA EM
FLAGRANTE VIOLAÇÃO AO TEXTO
CONSTITUCIONAL E AO DIREITO
INTERNACIONAL, FERINDO GARANTIA
FUNDAMENTAL E PORTANTO DIREITO
INDISPONÍVEL. É INADMISSÍVEL O GOVERNO
BRASILEIRO, SEM RESPALDO
CONSTITUCIONAL MANIFESTAR À
COMUNIDADE INTERNACIONAL QUALQUER
INCLINAÇÃO ÀS POLÍTICAS DE LIBERAÇÃO
IRRESTRITA DO ABORTO.

AOS REPRESENTANTES DO ESTADO NÃO É
PERMITIDO, AINDA QUE POR INSTRUMENTO
NÃO FORMAL ADERIR OU PROLATAR PELO
PODER EXECUTIVO ATOS QUE ATENTEM
CONTRA A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E
TRATADOS DE DIREITOS INTERNACIONAIS JÁ
SANCIONADOS PELO LEGISLATIVO".

http://www.camara.gov.br/sileg/integras/793082.pdf

O Congresso Brasileiro deverá proximamente realizar a votação
deste decreto, pela qual o legislativo rejeitará oficialmente o
conteúdo do documento. Esta medida está sendo considerada, por
diversos portais latino americanos, como um

"DURO QUESTIONAMENTO À MINISTRA
NILCÉIA FREIRE PELO APOIO DADO, EM NOME
DO GOVERNO, À PROMOÇÃO DO ABORTO SEM
RESTRIÇÕES NO BRASIL E EM TODA A
AMÉRICA LATINA".


http://www.aciprensa.com/noticia.php?n=30605

http://www.aica.org/index.php?module=displaystory&story_id=22902&format=html&fech=2010-08-12

http://www.lapop.org/content/view/341/1/




LEIA A SEGUIR

1. O CONSENSO DE BRASILIA

2. DILMA ROUSSEFF NEGA QUE O GOVERNO
SEJA A FAVOR DO ABORTO.

3. A POSIÇÃO DAS IGREJAS NO BRASIL

=======================================

1. O CONSENSO DE BRASILIA

=======================================

O documento intitulado "Consenso de Brasília" propõe, no âmbito
do direito internacional, para todos os governos da América Latina,
inclusive o Brasil, a completa legalização do aborto. O documento
foi aprovado no mais completo silêncio midiático, na sexta feira,
dia 16 de julho de 2010, em Brasília, por ocasião da
conclusão da XIª Conferencia Regional sobre a Mulher da América
Latina e Caribe, promovida pela CEPAL (Comissão Econômica
para América Latina e Caribe da ONU) em conjunto com a
Secretaria de Políticas para as Mulheres do governo Lula, e
realizada em Brasília entre 12 e 16 de julho de 2010.

O texto final do documento exorta os governos da América Latina a
legalizarem o aborto quando pede para

"PROMOVER A SAÚDE INTEGRAL E OS
DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS DAS
MULHERES, REVISANDO AS LEIS QUE
PREVÊEM MEDIDAS PUNITIVAS CONTRA AS
MULHERES QUE TENHAM COMETIDO ABORTOS,
E GARANTINDO A REALIZAÇÃO DO ABORTO EM
CONDIÇÕES SEGURAS NOS CASOS
AUTORIZADOS POR LEI".

http://www.eclac.org/mujer/conferencia/doc/ConsensoBrasilia-portugues.pdf

Na quarta feira, dia 14 de julho, o presidente Lula recebeu a
delegação da 11ª Conferência Regional da Mulher. Foi
apresentado ao presidente a versão preliminar do Consenso de
Brasília, na qual já se recomendava a legalização do aborto em
toda a América Latina.


Na quinta feira, dia 15 de julho, a própria Ministra Nilcéia
Freire passou a coordenar pessoalmente as discussões e apressar a
aprovação do documento tal como ele estava redigido, pedindo aos
delegados presentes que permanecessem sentados se não tivessem
objeções e, aos que tivessem objeções, que as enviassem por
escrito à secretaria da Conferência sob a forma de reservas, para
serem posteriormente publicadas. O documento, cujo verdadeiro alcance
não foi adequadamente compreendido pela maioria das delegações
presentes, foi finalmente aprovado, ao meio dia da sexta feira,
através de uma simples aclamação por meio de palmas, sugerida pela
própria Ministra Nilcéia Freire, sem que o documento tivesse sido
lido nem votado. Acompanhe no vídeo abaixo a cena da aprovação
final do documento.


http://www.pesquisasedocumentos.com.br/nilceia_aprovacao.wmv

Pela lei brasileira, e mais especialmente pelo PACTO DE SÃO
JOSÉ DA COSTA RICA de 1969, do qual o Brasil é
signatário, ratificado pelo Congresso e com força de lei, o Brasil
se obrigou a defender a vida desde a concepção, conforme consta dos
artigos 1, 3 e 4:

"PARA EFEITOS DESTA CONVENÇÃO, PESSOA
É TODO SER HUMANO. TODA PESSOA TEM
DIREITO AO RECONHECIMENTO DE SUA
PERSONALIDADE JURÍDICA. TODA PESSOA
TEM O DIREITO DE QUE SE RESPEITE SUA
VIDA. ESSE DIREITO DEVE SER PROTEGIDO
PELA LEI E, EM GERAL, DESDE O MOMENTO DA
CONCEPÇÃO."

http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/instrumentos/sanjose.htm
=======================================

2. DILMA ROUSSEFF MENTE E NEGA QUE O
GOVERNO SEJA A FAVOR DO ABORTO.

=======================================

No dia 20 de julho de 2010, o site da CNBB publicava um
artigo de Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, bispo de Guarulhos, a
segunda maior cidade do Estado de São Paulo, no qual o prelado
denunciava o compromisso assumido pelo Partido dos Trabalhadores com a
legalização do aborto no Brasil e pedia aos verdadeiros cristãos que
não votassem nos candidatos deste partido. O mesmo artigo pode ser
lido, na íntegra e com data posterior, também no site da Diocese de
Guarulhos:

"O PARTIDO DOS TRABALHADORES (PT)
ATRAVÉS DE SEU IIIº E IVº CONGRESSOS
NACIONAIS (2007 E 2010
RESPECTIVAMENTE), RATIFICANDO O 3º
PLANO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS
(PNDH3) ATRAVÉS DA PUNIÇÃO DOS
DEPUTADOS LUIZ BASSUMA E HENRIQUE
AFONSO, POR SEREM DEFENSORES DA VIDA,
SE POSICIONOU PÚBLICA E ABERTAMENTE A
FAVOR DA LEGALIZAÇÃO DO ABORTO, CONTRA
OS VALORES DA FAMÍLIA E CONTRA A
LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA.

NA CONDIÇÃO DE BISPO DIOCESANO, COMO
RESPONSÁVEL PELA DEFESA DA FÉ, DA MORAL
E DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA LEI
NATURAL, DENUNCIAMOS E CONDENAMOS COMO
CONTRÁRIAS ÀS LEIS DE DEUS TODAS AS
FORMAS DE ATENTADO CONTRA A VIDA, COMO
O SUICÍDIO, O HOMICÍDIO ASSIM COMO O
ABORTO PELO QUAL, CRIMINOSA E
COVARDEMENTE, TIRA-SE A VIDA DE UM SER
HUMANO, COMPLETAMENTE INCAPAZ DE SE
DEFENDER.

NÃO TEMOS PARTIDO POLÍTICO, MAS NÃO
PODEMOS DEIXAR DE CONDENAR A
LEGALIZAÇÃO DO ABORTO.

ISTO POSTO, RECOMENDAMOS A TODOS
VERDADEIROS CRISTÃOS E VERDADEIROS
CATÓLICOS A QUE NÃO DÊEM SEU VOTO À
SENHORA DILMA ROUSSEFF E DEMAIS
CANDIDATOS QUE APROVAM TAIS
“LIBERAÇÕES”, INDEPENDENTEMENTE DO
PARTIDO A QUE PERTENÇAM. EVANGELIZAR
IMPLICA ANUNCIAR A VERDADE E DENUNCIAR
O ERRO, E NÃO É CONTRARIANDO O
EVANGELHO QUE PODEMOS CONTAR COM AS
BÊNÇÃOS DE DEUS.

D. LUIZ GONZAGA BERGONZINI BISPO DE
GUARULHOS"

http://www.diocesedeguarulhos.org.br/miolo.asp?fs=menu&seq=701&gid=10

No dia 22 de julho de 2010, em entrevista publicada pela Folha
de São Paulo, a candidata Dilma Rousseff, negou que tanto ela
quanto o presidente Lula jamais defenderam o aborto e afirmou que a
posição do bispo de Guarulhos não é a posição da CNBB:

"O ARTIGO [DO BISPO] PARTE DO
PRESSUPOSTO INCORRETO. TANTO EU QUANTO
O PRESIDENTE LULA NÃO DEFENDEMOS O
ABORTO. DEFENDEMOS O CUMPRIMENTO
ESTRITO DA LEI", AFIRMOU DILMA.

A CANDIDATA DO PT À PRESIDÊNCIA DISSE
QUE A OPINIÃO DO BISPO DE GUARULHOS NÃO
É A POSIÇÃO DA CNBB (CONFERÊNCIA
NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL)".

http://www1.folha.uol.com.br/poder/770779-dilma-nega-defender-aborto-e-diz-que-opiniao-de-bispo-nao-e-uma-posicao-da-cnbb.shtml

Mas a candidata não pode tapar o sol com a peneira.

A candidata não mencionou que menos de uma semana antes o governo
Lula, através da Secretaria das Políticas das Mulheres, já
havia iniciado, em parceria com a ONU, através da promulgação do
Consenso de Brasília, a promoção da legalização do aborto não
apenas no Brasil, como também em toda a América Latina.

A candidata também não mencionou que em dezembro de 2004, o
Presidente Lula assinou, de próprio punho, o Plano Nacional de
Políticas para as Mulheres, colocando entre as prioridades de seu
governo a legalização do aborto no Brasil.

http://200.130.7.5/spmu/docs/PNPM.pdf

A candidata não mencionou que, em 9 de dezembro de 2004, a
ministra da Secretaria de Política para as Mulheres, Nilcéia
Freire, a mesma que agora acaba de coordenar a aprovação do
Consenso de Brasília, afirmou ao Estado de São Paulo que "A
REVISÃO DA LEGISLAÇÃO SOBRE O ABORTO
NÃO É UM PLANO DA SECRETARIA E SIM DO
GOVERNO", e que em 12 de março do ano seguinte a mesma
Ministra foi mais além e deixou claro que o presidente Lula a havia
assegurado que ele próprio estava pessoalmente interessado e avalizando
a legalização do aborto no Brasil, e que "OS MINISTROS
DEVIAM ENTENDER QUE A LEGALIZAÇÃO DO
ABORTO ERA UM PROGRAMA DO SEU GOVERNO", e
não da Secretaria da Mulheres ou dos Ministérios. Segundo a
Ministra declarou ao Estado de São Paulo:

"O PRESIDENTE ENCARA O PLANO NACIONAL
DE POLÍTICA PARA AS MULHERES COMO UM
PROGRAMA DO SEU GOVERNO, NÃO COMO UM
PROGRAMA DA SECRETARIA. DIGO ISSO COM
TODA A TRANQÜILIDADE. EU MESMA FIZ A
ELE A EXPOSIÇÃO DE TODAS AS AÇÕES
PREVISTAS NO PLANO, INCLUINDO AS
RELACIONADAS AO ABORTO, E O PRESIDENTE
SE MOSTROU TÃO INTERESSADO QUE FALOU:
"ISSO TEM DE SER DIVULGADO EM CADEIA
NACIONAL E POR VOCÊ." LÁ FUI EU PARA A
TELEVISÃO E PARA O RÁDIO, EM REDE.
NENHUM OUTRO PRESIDENTE FEZ ISSO.
FICOU CLARO PARA OS MINISTROS QUE O
PRESIDENTE ESTÁ AVALIZANDO TUDO. NÃO É
À TOA QUE HOJE A SECRETARIA ARTICULA
AÇÕES EM DIFERENTES MINISTÉRIOS."

A candidata não mencionou que o governo Lula em 2005, reconheceu
perante a ONU, em documento oficial, o aborto como um direito
humano das mulheres e em seguida afirmando-se comprometido a revisar a
legislação punitiva para as mulheres que praticam o aborto, conforme
consta nas páginas nona e décima do "SEXTO INFORME
PERIÓDICO DO BRASIL" apresentado pelo governo
brasileiro em agosto daquele ano ao Comitê da ONU para a
Eliminação da Discriminação contra a Mulher.

http://www.pesquisasedocumentos.com.br/cedaw.pdf

A candidata não mencionou que o governo Lula instalou, em 2005,
uma Comissão Tripartite estabelecida com o propósito, segundo
afirma em documento oficial, "DE EXAMINAR O TEMA DO
ABORTO E APRESENTAR UMA PROPOSTA PARA
REVISAR A LEGISLAÇÃO PUNITIVA DO
ABORTO". Em parceria com a ONU, o Fundo de
Desenvolvimento das Nações Unidas para Mulher (UNIFEM) e
com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a
Comissão pretendeu demonstrar ao público "O DESCOMPASSO
DO LEGISLADOR BRASILEIRO PERANTE A
LEGISLAÇÃO DO ABORTO E A
INCONSTITUCIONALIDADE DA
CRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO" e passou a defender
não mais a simples legalização do aborto, mas a própria
"INCONSTITUCIONALIDADE DE QUALQUER
CRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO". Como conseqüência
dos trabalhos da Comissão Tripartite, o governo Lula, através da
Secretaria da Política das Mulheres, depois da aprovação pessoal
do próprio presidente, apresentou ao Congresso Nacional o
substitutivo do PL 1135/91, cuja relatora e aliada do governo
na Câmara veio a ser a então deputada federal Jandira Feghali,
projeto que, em seus primeiros artigos, DEFINIA O ABORTO
COMO UM DIREITO e nos seus últimos artigos
REVOGAVA TODOS OS ARTIGOS DO CÓDIGO
PENAL QUE DEFINIAM O ABORTO COMO UM
CRIME, tornando-o com isso, caso o projeto viesse a ser
aprovado, LEGAL DURANTE TODOS OS NOVE MESES
DA GRAVIDEZ, DESDE A CONCEPÇÃO ATÉ O
MOMENTO DO PARTO, e posicionando o Brasil como a nova e
espetacular referência emergente no cenário internacional na difusão
da Cultura da Morte.

Veja uma discussão em detalhe do infame projeto no seguinte
documento:

http://promotoresdavida.com.br/arquivos/category/26-apresentaes-do-simpsio-de-biotica?download=76%3Acontextualizao-da-defesa-da-vida-no-brasil

A candidata não mencionou que quatro dias antes do primeiro turno das
eleições de 2006, no dia 27 de setembro de 2006, o
próprio presidente Lula incluiu o aborto em seu programa pessoal de
governo para o segundo mandato em um caderno de 24 páginas intitulado
"LULA PRESIDENTE: COMPROMISSO COM AS
MULHERES, PROGRAMA SETORIAL DE
MULHERES 2007 -2010", onde, apesar da linguagem
velada, reafirmava inequivocamente seu compromisso em legalizar o
aborto no Brasil.

http://www.pesquisasedocumentos.com.br/compromissomulheres.pdf

A candidata não mencionou que o 3º Congresso Nacional do PT (de
31 de agosto a 2 de setembro de 2007) aprovou uma resolução
que, em sua página 82, sob o título "Por um Brasil de Mulheres
e Homens Livres e Iguais" afirma:

"O PT, ATRAVÉS DE SUA SECRETARIA
DEFENDE E REAFIRMA SEU COMPROMISSO COM
POLÍTICAS E AÇÕES, HOJE INCORPORADAS
PELO GOVERNO FEDERAL, SÃO EXTREMAMENTE
SIGNIFICATIVAS PARA A MELHORIA DA
QUALIDADE DE VIDA DAS MULHERES:

[...]

- DEFESA DA DESCRIMINALIZAÇÃO DO
ABORTO E REGULAMENTAÇÃO DO ATENDIMENTO
A TODOS OS CASOS NO SERVIÇO PÚBLICO".

http://www.pt.org.br/portalpt/images/stories/arquivos/livro%20de%20resolucoes%20final.pdf

A candidata não mencionou que a resolução do Terceiro Congresso do
Partido em descriminalizar o aborto tem caráter obrigatório para
todos os membros do PT, conforme diz o Estatuto do Partido em seu
artigo 128:

"ART. 128. SÃO PRÉ-REQUISITOS PARA SER
CANDIDATO DO PARTIDO:

[...]

C) ASSINAR E REGISTRAR EM CARTÓRIO O
“COMPROMISSO PARTIDÁRIO DO CANDIDATO
PETISTA”, DE ACORDO COM MODELO
APROVADO PELA INSTÂNCIA NACIONAL DO
PARTIDO, ATÉ A REALIZAÇÃO DA CONVENÇÃO
OFICIAL DO PARTIDO.

§ 1º A ASSINATURA DO “COMPROMISSO
PARTIDÁRIO DO CANDIDATO PETISTA”
INDICARÁ QUE O CANDIDATO ESTÁ
PREVIAMENTE DE ACORDO COM AS NORMAS E
RESOLUÇÕES DO PARTIDO, EM RELAÇÃO
TANTO À CAMPANHA COMO AO EXERCÍCIO DO
MANDATO.

§ 2º QUANDO HOUVER COMPROVADO
DESCUMPRIMENTO DE QUALQUER UMA DAS
CLÁUSULAS DO “COMPROMISSO PARTIDÁRIO
DO CANDIDATO PETISTA”, ASSEGURADO O
PLENO DIREITO DE DEFESA À PARTE
ACUSADA, O CANDIDATO SERÁ PASSÍVEL DE
PUNIÇÃO, QUE PODERÁ IR DA SIMPLES
ADVERTÊNCIA ATÉ O DESLIGAMENTO DO
PARTIDO COM RENÚNCIA OBRIGATÓRIA AO
MANDATO".

http://www.pt.org.br/portalpt/images/stories/textos/estatutopt.pdf

A candidata não mencionou que, justamente porque a defesa da
legalização do aborto é obrigatória para os militantes do PT, o
Partido dos Trabalhadores condenou, no dia 17 de setembro de
2009, os deputados federais Luiz Bassuma (do Estado da Bahia)
e Henrique Afonso (do Estado do Acre), acusados de violarem
gravemente o Código de Ética do Partido, por terem se posicionado
contra o aborto, defendido a vida desde a concepção, apresentado
vários projetos de lei contra o aborto no Congresso Nacional, terem
fundado e liderado a Frente Parlamentar a Favor da Vida e
apresentado um requerimento que pedia a abertura de uma Comissão
Parlamentar de Inquérito para investigar quem estaria financiando a
promoção do aborto no Brasil. Segundo o julgamento, isto
representou uma infração contra a Ética Partidária que mereceu para
os dois deputados praticamente a sua expulsão virtual.

O julgamento foi presidido pelo próprio presidente nacional do
Partido dos Trabalhadores, o Deputado Ricardo Berzoini, na quinta
feira, dia 17 de setembro de 2009, na sede do Diretório
Nacional do Partido dos Trabalhadores, em Brasília e a
condenação foi por unanimidade pelos 38 votos de uma comissão de
membros da direção nacional do Partido dos Trabalhadores.

A candidata não mencionou que, em comunicado oficial emitido no mesmo
dia, o site do PT afirmou claramente que a condenação dos deputados
foi motivada porque os deputados militavam contra a legalização do
aborto:

"O DIRETÓRIO NACIONAL DO PT, REUNIDO
NESTA QUINTA-FEIRA (17), ANALISOU OS
PARECERES DAS COMISSÕES DE ÉTICA
INSTAURADAS CONTRA OS DEPUTADOS
FEDERAIS LUIZ BASSUMA (PT-BA) E
HENRIQUE AFONSO (PT-AC). POR
UNANIMIDADE, OS MEMBROS DO DN
ENTENDERAM QUE OS DOIS DEPUTADOS
INFRINGIRAM A ÉTICA-PARTIDÁRIA AO
"MILITAREM" CONTRA RESOLUÇÃO DO 3º
CONGRESSO NACIONAL DO PT A RESPEITO DA
DESCRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO".

http://www.pt.org.br/portalpt/index.php?option=com_content&task=view&id=81962&Itemid=195
Agora a candidata, em vez de assumir a verdadeira posição deste
governo, ela tem a ousadia de mentir deslavadamente à imprensa e
afirmar que o povo brasileiro está partindo de pressupostos
equivocados,

"PORQUE TANTO EU QUANTO O PRESIDENTE
LULA NÃO DEFENDEMOS O ABORTO.
DEFENDEMOS O CUMPRIMENTO ESTRITO DA
LEI".

http://www1.folha.uol.com.br/poder/770779-dilma-nega-defender-aborto-e-diz-que-opiniao-de-bispo-nao-e-uma-posicao-da-cnbb.shtml

Só existe esta única explicação possível: a candidata mente.

A CANDIDATA MENTE DE MODO FRANCO,
ABERTO, DESLAVADO, CONFIANDO NA
CUMPLICIDADE DOS QUE NÃO DIVULGARÃO A
VERDADE, NÃO IMPORTA SE AMPLAMENTE
DOCUMENTADA. ALÉM DE DESRESPEITAR A
VIDA, A CANDIDATA E SEU PARTIDO ESTÃO
TRAINDO, À VISTA DE TODOS, O SEU
PRÓPRIO ELEITORADO.

=======================================

3. A POSIÇÃO DAS IGREJAS NO BRASIL

=======================================

O que mais, porém, está surpreendendo o povo brasileiro nesta
campanha é o silêncio das igrejas e de seus pastores a respeito deste
assunto.

A maioria dos pastores está de acordo com a posição do bispo de
Guarulhos, mas simplesmente tem receio de tomar uma posição pública
clara. Os fiéis esclarecidos, uma multidão em todas as igrejas,
está acompanhando de perto o comportamento de seus pastores.
Percebem, com evidente perplexidade, o quanto estão distantes da
atitude profética adotada na época da ditadura, que tanto causou
admiração em todo o mundo, quando prelados de coragem como Dom
Paulo Evaristo Arns e Dom Oscar Romero não tinham receio de
denunciar os crimes ocultos das ditaduras. Agora, que estamos em uma
democracia e tudo está devidamente documentado, os mesmos pastores
não encontram a coragem de dizer claramente aquilo com que concordam,
mas que os meios de comunicação e os próprios candidatos ocultam de
seus fiéis.

A atitude das igrejas e de seus pastores tornar-se-á um marco
histórico. Em pouco tempo ficará claro o que terá acontecido e
então de que terá valido pedir desculpas pelas omissões de não haver
denunciado o nazismo no século passado? Exatamente neste momento,
através de um jogo de mentiras, desproporcional até mesmo para os
padrões da história política brasileira, pretende-se introduzir a
Cultura da Morte em nosso país enquanto os pastores, de quase todas
as igrejas, aos quais cabe por ofício serem testemunhas da verdade,
omitem-se de seu dever de esclarecer os fiéis, quando bastaria uma
palavra para que viesse à luz do dia a realidade dos fatos.

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...