quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

CELEBRANDO COM CELEBRAÇÃO A CEIA DO SENHOR

Há mais vida cristã com qualidade quando celebramos a Ceia do Senhor.

1. O QUE ACONTECE QUANDO CELEBRAMOS A CEIA DO SENHOR

Podemos celebrar a Ceia do Senhor com diferentes e excludentes práticas:

Hipótese 1: nada acontece

Muitas vezes,a celebração da Ceia do Senhor não tem qualquer sentido para a vida. Participamos dela, mas nada acontece. Tudo não passou de um ritual (pobre ou solene) sem significado existencial.

Hipótese 2: transubstanciação

Quando um Católico Romano participa da Ceia ("Eucaristia"), ele diz acreditar que os elementos (pão e vinho) são miraculosamente transformados no que quimicamente não são: corpo e sangue de Jesus Cristo. É por esta razão que o participante não tem contato físico com os elementos, por terem sido transformados em corpo e sangue de Jesus Cristo.

Hipótese 3: consubstanciação

Quando um luterano participa da Ceia ele diz acreditar que os elementos (pão e vinho) passam a conter a presença real de Jesus Cristo, embora mantenham suas propriedades químicas.

Hipótese 4: celebração

Para os batistas e outros grupos evangélicos, a participação na Ceia do Senhor é uma recordação da morte/ressurreição e da volta de Jesus Cristo para tornar plena a sua presença.
Esta doutrina (que recebe o nome de "Ceia memorial") foi desenvolvida por Zwinglio e incorporada desde cedo pelos batistas. Entendemos que ela é sustentada pelos textos bíblicos sobre a Ceia do Senhor. Os elementos (pão e vinho) continuam sendo o que são. Quando os tomamos, celebramos Jesus, recordando Sua morte- ressurreição e orando por Sua volta. Este é o sentido dos textos bíblicos sobre a Ceia.

2. RECORDANDO O NOVO TESTAMENTO (Lucas 22.14-20 e correlatos, 1Coríntios 11.17-34a)

[Lucas 22.14-20 e correlatos: Mateus 26 e Marcos 14]

Quando chegou a hora, Jesus e os seus apóstolos reclinaram-se à mesa. E lhes disse:
-- Desejei ansiosamente comer esta Páscoa com vocês antes de sofrer. Pois eu lhes digo: Não comerei dela novamente até que se cumpra no Reino de Deus. [Lucas 22.14-16]

Recebendo um cálice, ele deu graças e disse:

-- Tomem isto e partilhem uns com os outros. Pois eu lhes digo que não beberei outra vez do fruto da videira até que venha o Reino de Deus. [Lucas 22.17-18]

Tomando o pão, deu graças, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo:
-- Isto é o meu corpo dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim. [Lucas 22.19]

Da mesma forma, depois da ceia, tomou o cálice, [Lucas 22.20a] deu graças e o ofereceu aos discípulos [Mateus 26.27a], dizendo:
-- Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês. [Lucas 22.20b] Bebam dele todos vocês. Isto é o meu sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos, para perdão de pecados. Eu lhes digo que, de agora em diante, não beberei deste fruto da videira até aquele dia em que beberei o vinho novo com vocês no Reino de meu Pai. [Mateus 26.27b-29] Todos beberam. [Marcos 14.23]

Depois de terem cantado um hino, saíram para o monte das Oliveiras. [Marcos 14.26]

[1Coríntios 11.17-34a]
(17) Entretanto, nisto que lhes vou dizer não os elogio, pois as reuniões de vocês mais fazem mal do que bem.

(18) Em primeiro lugar, ouço que, quando vocês se reúnem como igreja, há divisões entre vocês, e até certo ponto eu o creio. (19) Pois é necessário que haja divergências entre vocês, para que sejam conhecidos quais dentre vocês são aprovados.

(20) [Em segundo lugar] quando vocês se reúnem, não é para comer a ceia do Senhor, (21) porque cada um come sua própria ceia sem esperar pelos outros. Assim, enquanto um fica com fome, outro se embriaga. (22) Será que vocês não têm casa onde comer e beber? Ou desprezam a igreja de Deus e humilham os que nada têm? Que lhes direi? Eu os elogiarei por isso? Certamente que não!

(23) [Por isto, eu lhe digo que] recebi do Senhor o que também lhes entreguei: Que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão (24) e, tendo dado graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim”. (25) Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isso sempre que o beberem, em memória de mim”.

(26) Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha.

(27) Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor. (28) Examine-se cada um a si mesmo, e então coma do pão e beba do cálice. (29) Pois quem come e bebe sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação. (30) Por isso há entre vocês muitos fracos e doentes, e vários já dormiram. (31) Mas, se nós tivéssemos o cuidado de examinar a nós mesmos, não receberíamos juízo. (32) Quando, porém, somos julgados pelo Senhor, estamos sendo disciplinados para que não sejamos condenados com o mundo.

(33) Portanto, meus irmãos, quando vocês se reunirem para comer, esperem uns pelos outros. (34a) Se alguém estiver com fome, coma em casa, para que, quando vocês se reunirem, isso não resulte em condenação.

3. PARA QUE HAJA CELEBRAÇÃO

Para que a celebração da Ceia do Senhor mereça este nome (celebração), devemos ter em prática alguns cuidados:

1. Devemos saber que Jesus celebrou a primeira Ceia. Ela deve ser celebrada em memória de Jesus, como uma forma de recordarmos sua vida/morte por nós.

2. Devemos nos lembrar das palavras instituidoras de Jesus, segundo Quem pão é memória (passado); vinho é promessa (futuro). Participar da Ceia é participar intensamente da vida, colocada entre o passado e o futuro. Jesus veio (passado); Jesus voltará (futuro).

3. Devemos celebrar de modo digno a Ceia do Senhor.
3.1. Devemos celebrar nossas divergências (entre os membros da igreja), desde que apontem para a nossa convergência (em Cristo), nunca para a divisão.
Nossas divergência só podem subsistir no plano das idéias, nunca envolvendo/separando/desrespeitando pessoas. Por religião se deve brigar, ainda mais dentro do mesmo corpo (a igreja).

3.2. Nossas diferenças devem ser convites à humildade (somos todos iguais), jamais à distinção (como se não fôssemos todos iguais). Na igreja as pessoas só valem pelo que são, não pelo que têm (recursos intelectuais ou financeiros).

3.3. Nossa celebração é um convite à fraternidade.
Todo o contexto da instrução paulina tem a ver com problemas em relação à fraternidade, que se encontrava ameaçada até mesmo na celebração da Ceia.
Neste texto de Paulo, os coríntios são disciplinados por falharem no teste prático da fé, que é o amor efetivo uns pelos outros. Toda vez que celebramos a Ceia como um convite a acertarmos em nós o que precisa ser acertado. "Examine-se cada um a si mesmo" (verso 28) -- eis a síntese do apóstolo Paulo.

4. PARA QUE A CELEBRAÇÃO DA CEIA DO SENHOR NOS FAÇA BEM (!Coríntios 11.17):

1. Devemos ansiar pela Ceia do Senhor.

Devemos participar da Ceia com emoção, porque é um momento de reflexão (o que seria de mim sem Jesus?) e de proclamação: quando testemunhamos a morte de Jesus, convidamos o mundo a vir para Jesus.

2. Devemos dar graças a Deus (como Jesus mesmo fez) pelo sacrifício de Jesus.
Celebração é alegria. Quando celebramos a Ceia com tristeza, ficamos fracos, doentes e derrotados. A Ceia é a afirmação da alegria da salvação.
A cruz nos torna membros da nova aliança, pela qual a salvação se dá pela graça, não pelo mérito que vem do cumprimento à Lei.

3. Devemos anunciar a volta de Jesus.

A história de Jesus não acabou. Tem mais história pela frente.

4. Devemos cultivar a fraternidade.

Este é o sentido do discernimento do corpo (igreja) do Senhor (verso 29). Na Ceia, somos todos iguais. Nela somos lembrados que somos todos iguais.
Somos realmente membros da nova aliança quando abrimos mão do preconceito, seja ele racial, sexual ou social.

TRINDADE: UMA CERTEZA ESSENCIAL

1. INTRODUÇÃO

Quando nos propomos a meditar sobre as doutrinas essenciais da fé cristã, precisamos apresentar, como uma das primeiras, a da Trindade divina, para que possamos compreender a própria natureza da experiência cristã.
Comecemos por afirmar que a doutrina da Trindade é exclusiva do Cristianismo. O Judaísmo, de quem ficamos com as suas Escrituras como primeiro volume das nossas, que tem dois: o primeiro e o segundo Testamentos. O Judaísmo e o Islamismo, que são monoteístas, não são trinitários. A propósito, uma das grandes dificuldades para a aceitação de Jesus por parte dos judeus era precisamente a sua afirmação de que era um com o Pai.
Esta exclusividade encontra outra característica: a palavra "Trindade" não aparece na Bíblia, mas nela está contido claramente o ensino segundo o qual Deus é uma unidade em três pessoas, três pessoas que são completamente divinas em si mesmas.
Não dá para compreender a Trindade apenas com o esforço racional, embora devamos usar a razão para entender algo tão complexo. Talvez alguns se perguntem: por que nos preocuparmos com um assunto desta natureza?
A razão é que a doutrina da Trindade é essencial para a fé cristã, especialmente porque sem ela teremos de reduzir Jesus Cristo à condição de ser humano, e isto inviabiliza a redenção. Teremos que reduzir o Espírito Santo a apenas um vento divino, nunca como uma pessoa da Trindade com divindade própria e função própria.
Até mesmo para uma compreensão da oração, precisamos da Trindade. A quem oramos? A oração é á mais importante corporificação da idéia da Trindade, uma vez que oramos ao Pai, em nome do Filho, contando com a interpretação do Espírito Santo.
Se não temos a palavra "Trindade" na Bíblia, a realidade um Deus completo em três pessoas está claramente presente ao longo de suas páginas. Nós vamos nos fixar em apenas um texto, que contém um conjunto de frases proferidas pelo próprio Jesus (conforme João 14).
Antes, porém, precisamos recordar alguns equívocos acerca da Trindade.

2. VISÕES ERRADAS SOBRE A TRINDADE

A Trindade como conceito sempre desafiou a mente dos cristãos desde os primórdios. Por esta razão, muitos debates foram travados, muitas dúvidas foram respondidas, embora ainda permaneçam ensino incompatíveis.
Vamos nos ocupar brevemente de * destas visões equivocadas.

1. Ao longo dos séculos, um dos equívocos acabou tomando o nome de unitarianismo, corrente que reúne todos aqueles que se recusam a aceitar a existência de três pessoas formando a Trindade. Para eles, só existe uma pessoa divina. A maior dificuldade dos unitarianos consiste em aceitar a divindade de Jesus. São unitarianos todos aqueles, por exemplo, que admitem existir vários salvadores, não apenas um, vários caminhos, não apenas um. Jesus é um homem a ser seguido, não um Deus a ser adorado
Esta visão esbarra nas afirmações de Jesus em João 10.30: Eu e o Pai somos um. Se aceitamos a Bíblia e a própria palavra de Cristo, não temos como não afirmar a divindade do Pai e a divindade do Filho.

2. Um desvio sedutor, preconizado por cristãos como Tertuliano (século 3) e Hegel (século 19), ensina que cada época tem uma das pessoas da Trindade como agente. O Antigo Testamento foi a era do Pai. O Novo Testamento foi a dispensação do Filho. Agora, estamos na era do Espírito Santo.
Onde está o equivoco? Esta visão, chamada de econômica, não afirma que cada pessoa da Trindade é inteiramente Deus e eterna, preexistindo à sua manifestação.

3. A defesa do monoteísmo levou alguns, como os monarquianistas do período pós-apostólico, a pensarem a Trindade como sendo uma só pessoa com diferentes nomes, atributos e atividades. A palavra Deus abarca toda estas diferenças.
O equivoco está em negar o fato que Jesus Cristo é uma pessoa, como Ele mesmo se apresentou. O equivoco consiste em negar que o Espírito Santo é da mesma natureza do Pai e do Filho.to.

4. O extremo está no triteísmo, que é a crença que o Pai, o Filho e o Espírito Santo não formam uma unidade, mas são três pessoas completamente distintas, constituindo-se em três deuses.
Este ensino não encontrou formulação explícita, mas pode ser derivada de visões bem claras ao longo da história. O termo também é empregado pelos adversários da Trindade para indicar seu erro como triteísta.

5. Uma visão com muitos simpatizantes é o adocionismo, segundo a qual Jesus Cristo é um filho adotivo de Deus, adotado por ocasião do seu batismo ou por ocasião de sua morte ou ressurreição. Jesus, portanto, é alguém que se tornou Deus, significando que também podemos sê-Lo.
Apesar de atraente, esta visão não tem amparo na Bíblia, que afirma que Jesus é o Alfa e o Ômega, portanto pré-existe ao prorio Jesus encarnado, nascido de uma Virgem pelo Espírito Santo.


3. AFIRMANDO A TRINDADE

Quando lemos a Bíblia, diferentemente dessas visões, nós vemos as três pessoas da Trindade em ação.
Quando Gênesis fala do Deus criador, não fala apenas do Pai mas da Trindade. Façamos o homem à nossa imagem e semelhança (Gênesis 1.26) -- está bem nas primeiras páginas das Escrituras Sagradas. Quando o Evangelho de João fala da dádiva do Filho, mostra claramente o plano de Deus, por meio do Pai e do Filho.
A Trindade divina, portanto, é formada por três pessoas, que desfrutam da mesma eternidade, da nesma natureza e da mesma substância. Quando entra em ação na história, cada pessoa da Trindade continua plenamente divina. Assim, por exemplo, o Espirito Santo, por exemplo, nao é um gás divino que enche o crente, mas o próprio Deus habitando conosco.
A Trindade mantém a unidade de Deus, em que cada pessoa é completamente Deus. Mesmo que num determinado período da história, uma das pessoas tome a proeminência, cada um conserva a plenitude de sua divindade, sem qualquer mudança de sua essência.
Para entender a Trindade, o ensino de Jesus em João 14 é bastante revelador.

1. Jesus Cristo é o caminho para o Pai. O diálogo com seus discípulos traz esta afirmação clara. E vós sabeis o caminho para onde eu vou. Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; como saber o caminho? Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim (versos 4-6).
Enquanto na terra, Jesus se subordinou ao Pai. A Sua vontade era a do Pai. Quando ainda estava no conselho celeste, Ele não teve dúvidas em abrir mão da Sua divindade para que pudessem ser salvos (Filipenses 2.1-6).

2. Conhecemos o Pai conhecendo a Jesus Cristo. Quem o vê vê o Pai. Se vós me tivésseis conhecido, conheceríeis também a meu Pai. Desde agora o conheceis e o tendes visto (vrso 7).

3. O Pai e o Filho formam uma unidade. Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras. (versos 10a, 11). Jesus esclarece aindamais esta unidade, quando afirma, mais adiante, que tudo quanto o Pai tem Lhe pertence (João 16.15).
Por constituírem uma unidade, o Pai realiza sua obra salvadora por meio do Filho. As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras (verso 10b).

4. O Espírito Santo é um presente do Pai e do Filho para nós. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco (verso 16). Este Espírito já está conosco, convencendo-nos do erro e nos mantendo de pé. Ele habita conosco (verso 17).

5. Cada Pessoa da Trindade tem funções específicas. A do Pai é coordenar, a do Filho é salvar e a do Espírito Santo é defender.poderosamente e ensinar convincentemente. (João 16.8-11). As três pessoas conjugam esforços para a realização do propósito divino. O Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito (verso 26).
Esta divisão nós a vemos claramente na oração. Devemos pedir ao Pai em nome do Filho. Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei (verso 14). O apóstolo Paulo complementa, quando garante que Jesus intercede e o Espírito Santo interpreta as nossas orações.


4. CONCLUSÃO

Assim, quando dizemos que amamos a Deus, amamos a Trindade divina. A recomendação do Filho é bastante precisa: Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele (verso 21).
Quando A amamos, nós realizamos a sua obra. Podemos realizar as obras da Trindade. Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai (verso 12). Nossas obras serão maiores num sentido quantitativo (não qualitativo) porque serão desenvolvidas em meio a situações bem diferentes das de Jesus e porque alcancaremos mais pessoas diretamente do que Ele e seus discípulos alcançaram..

CRUCIFICAÇÃO: 7 RAZÕES DA CRUZ

A cruz é o centro da fé. A cruz é a graça inaugurada.
A cruz deve ser o centro de nossa vida, se queremos que a graça nos seja suficiente.
Há um hino que afirma: "Eu amo a mensagem da cruz". E que mensagem é esta?

1. A cruz nos mostra que nosso pecado nos separa de Deus.

Isaías disse aos seus contemporâneos: "as suas maldades separaram vocês do seu Deus; os seus pecados esconderam de vocês o rosto dele, e por isso ele não os ouvirá" (Isaías 59.2).
Na verdade, esta era a situação da humanidade até Jesus fincar no Calvário a cruz e morrer nela. Aprendemos na Bíblia que o nosso pecado original nos separa totalmente de Deus, até que nos arrependamos. Também aprendemos que o nosso pecado atual se nos separa de Deus, até que o confessamos e somos perdoados.

2. A morte de Jesus na cruz foi uma necessidade, para pôr fim à ira de Deus, que alcançou plenamente seu objetivo: o de nos permitir a paz com Deus.
Com isto, a "ira de Deus" (a rejeição divina ao pecado humano) foi aplacada (tornada sem efeito, pela própria vontade e providência de Deus). Por isto, "quem crê no Filho tem a vida eterna; já quem rejeita o Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele” (João 3.36). Na cruz, "Cristo nos amou e se entregou por nós como oferta e sacrifício de aroma agradável a Deus" (Efésios 5.2). Desde então, "tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Romanos 5.1).

3. Na cruz Deus se identifica conosco.

O Pai se torna humano e sofre a nossa dor. A morte do Filho foi algo real e não uma representação.
Jesus no jardim Getsêmani, orando, é Deus se identificando conosco. Choramos? Jesus chorou. Tememos? Jesus temeu. Sentimo-nos abandonados? Jesus se sentiu abandonado. Somos atacados, açoitados, magoados? Jesus foi atacado, açoitado, magoado.
O Deus que se inclina, como aprendemos no Antigo Testamento (Daniel 9.18), se identifica com a nossa dor. A explicação para o sofrimento humano, como o experimentado por Jesus e por todos os seres humanos, não é uma explicação: é uma vivência divina. Deus viveu o nosso drama. Ter um Deus que sofre conosco é a mensagem da cruz.

4. Devemos morrer em Jesus, aceitando o seu sacrifício por nós.

Na cruz, "Deus ofereceu [Jesus Cristo] como sacrifício para propiciação mediante a fé, pelo seu sangue, demonstrando a sua justiça" (Romanos 3.25a).
Aceitamos seu sacrifício quando confessamos o nome de Jesus como nosso Salvador (renúncia) e Senhor (compromisso). O que devemos é, "por meio de Jesus", oferecer "continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome" (Hebreus 13.15).

5. Devemos nos santificar permanentemente.

"Fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Jesus Cristo, oferecido uma vez por todas". Por isto, "se continuarmos a pecar deliberadamente depois que recebemos o conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados, mas tão-somente uma terrível expectativa de juízo e de fogo intenso que consumirá os inimigos de Deus" (Hebreus 10.10, 26-27).

6. Devemos dizer que está doendo quando está doendo.

Diante da história de cruz, devemos ter a mesma atitude de Jesus diante do sofrimento. Ele, que pediu "passe-me" e disse que estava pronto, enfrentou o sofrimento, experimentando-o e gritando que doía.

7. O Deus que abandonou Jesus não nos abandona; logo, podemos confiar nEle, buscar por Ele, esperar nEle.
Por um instante, Deus abandonou Jesus por causa do nosso pecado, mas aquele abandono se tornou vicário e não somos mais abandonados. Depois, Deus providenciou o cuidado pleno para Jesus, com seu corpo sendo perfumado, até ter ressuscitado e levado ao céu, onde está exaltado à direita de Deus, intercedendo por nós.
Então, tudo podemos em Jesus (Filipenses 4.13).

1Pedro 1.3-9, 4.12-19: O PODER DAS PROVAÇÕES

1.
INTRODUÇÃO

Vivendo numa sociedade anti-cristã, os leitores da 1 Epístola de Pedro estavam sendo maltratados por chefes perversos (2.18), chateados por cônjuges incrédulos (3.1,6), ridicularizados por vizinhos e amigos céticos (4.14) e ameaçados pela perseguição religiosa (4.12-18) capitaneada em nível mundial pelo imperador Nero.
Apesar disso, aqueles cristãos deviam viver exultantes, com alegria indizível e cheia de glória (v. 9). É assim que devemos nos portar, os cristãos de hoje. Nossa situação se assemelha aqueles cristãos, a quem Pedro chamou de estranhos ao mundo, por ter recebido a salvação (quando o mundo continua perdido) e por ser diferente a sua forma de encarar a adversidade (ao recebê-la como parte da vida).
Pedro expõe a força e a fraqueza das provações.

1Pedro 1
Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível, reservada nos céus para vós, que pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé, para a salvação que está preparada para se revelar no último tempo; na qual exultais, ainda que agora por um pouco de tempo, sendo necessário, estejais contristados por várias provações, para que a prova da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo; a quem, sem o terdes visto, amais; no qual, sem agora o verdes, mas crendo, exultais com gozo inefável e cheio de glória, alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas.

A alegria do cristão deriva do fato de sermos escolhidos por Deus; de sermos estranhos neste mundo, uma vez que não somos propriedades deste mundo que geme, mas membros da família de Deus que exulta; de sermos santificados pelo Espírito Santo; de sermos lavados no sangue de Jesus, nosso Cristo e Senhor; de sermos objetos da misericórdia de Deus o Pai; de termos nascido de novo; de termos uma viva esperança, porque garantida pela ressurreição e ascensão de Jesus Cristo, e de termos uma herança viva, que jamais perece, porque guardada no céu.
Este conteúdo, com todas as suas conseqüências na vida do cristão, só pode provocar nele exultação, que não é um sorriso apenas, mas uma alegria "escandalosa", como a de uma torcida quando seu time faz um gol.

2. A NATUREZA DA PROVAÇÃO

A Bíblia usa duas palavras para uma mesma idéia: tentação e provação querem, intercambiavelmente, se referir a uma prova ou teste por que passa o crente.

2.1. Ser tentado x cair em tentação
Há uma diferença entre

. ser tentado/provado, que em si não é pecado, pois o próprio Jesus o foi, mas não pecou.
Não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. (Hb 4.15)

. e cair em tentação ou fracassar na prova, que é pecado
Não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. (Mt 6.13)
Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca (Mt 26.41).


2.2. Tipos de tentação

Podemos, pois, falar em quatro tipos de tentações/provações:

PROVAÇÕES NATURAIS


Tratam-se de adversidades decorrentes de quebras, conscientes (costumes atentatórios à saúde; infrações de regras do bem-viver ou de trânsito) ou inconscientes (que são infrações a leis desconhecidas) da natureza, contra as quais temos que lutar e usar, quando possível, para o nosso crescimento. Não podem ser atribuídas a Deus ou a Satanás.
[Deus] faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos. (Mt 5.45b)

Entre as leis, há as leis sociais de uma sociedade decaída e carecida da glória e da graça de Deus. Quando o cristão as quebra, pode pagar um preço. Elas são uma decorrência da fidelidade a Deus e infidelidade ao mundo. Em certo sentido, elas são naturais para os que buscam viver em santidade. As provações mencionadas em 1Pedro 1 estão nesta categoria.
Não estranheis a ardente provação que vem sobre vós para vos experimentar, como se coisa estranha vos acontecesse. (1Pd 4.12)

PROVAÇÕES HUMANAS

Tratam-se de ações de outras pessoas, com força de sedução sobre nós, sejam intencionais (como no caso de todos os tipos de pornografia, para a qual a indústria e um comércio) ou não-intencionais (assumidos como estilos de vida). Paulo fala deste tipo de tentação/provação. O erro de uma pessoa pode nos seduzir e se nos constitui em fonte de tentação/provação.

Se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado (Gl 6.1)
Não vos sobreveio nenhuma tentação, senão humana. (1Co 10.13a)

PROVAÇÕES SATÂNICAS

Tratam-se de tentações demoníacas intencionais, para nos seduzir ou como um esforço dele de medir forças com Deus, como no caso de Jó.
Por isso também, não podendo eu esperar mais, mandei saber da vossa fé, receando que o tentador vos tivesse tentado, e o nosso trabalho se houvesse tornado inútil. (1Ts 3.5)

Jesus foi objeto deste esforço destruidor do mal.
[Jesus] esteve no deserto quarenta dias sentado tentado por Satanás. (Mc 1.13)
Não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado (Hb 4.15)

Só as provações de origem satânica podem adequadamente ser chamadas de tentações.
Ninguém, sendo tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele a ninguém tenta. Cada um, porém, é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência (Tg 1.13-14)

PROVAÇÕES DIVINAS

Tratam-se de testes à nossa fé, para nosso crescimento, enviados por Deus. Deus fez isto com Abraão, quando lhe pediu Isaque. Deus fez com Paulo, quando não lhe retirou o espinho da carne.

Seja qual for a procedência, a promessa bíblica é que jamais virá sobre um servo fiel uma provação/tentação maior que ele possa suportar.

Fiel é Deus, o qual não deixará que sejais tentados [provados] acima do que podeis resistir, antes com a tentação dará também o meio de saída, para que a possais suportar (1Co10.13)
O Senhor sabe livrar da tentação os piedosos e reservar para o dia do juízo os injustos, que já estão sendo castigados. (2Pd 2.9)


3. O PODER DA PROVAÇÃO

Na 1 Epístola de Pedro, aprendemos que, seja qual for a procedência da provação, ela tem uma utilidade e uma duração. Quando não motivada pelo pecado próprio, ela é um privilégio e nos ajuda a entender um pouco de como Deus nos trata.


3.1. A utilidade das provações (1.7)

As provações servem a duas finalidades.
Para que a prova da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo (1.7)

ELAS SERVEM PARA NOS PROVAR A FÉ.

As dificuldades da vida são o teste, a prova, da fé. Mesmo aquelas que não foram enviadas diretamente por Deus (e apenas permitidas), Ele as integra em seu plano soberano para nos ajudar no fortalecimento da fé.

ELAS SÃO INSTRUMENTO PARA A GLÓRIA DE DEUS

Embora Deus no-las mande para este fim, elas servem para a glória de Deus.
Naol nos esqueçamos que Deus é soberano, mas não arbitrário, que Ele não joga conosco, embora tenha seus propósitos que visam sempre o bem do ser humano.

3.2. A duração das provações

Na qual [a salvação] exultais, ainda que agora por um pouco de tempo, sendo necessário, estejais contristados por várias provações (1.6)

A provação não é para sempre, mas por um pouco de tempo, por mais que nos pareça uma eternidade. É verdade que, por vezes, vem sobre nós como uma torrente volumosa.
A cessação do sofrimento está garantida no céu (1.4). O presente deve ser comparado com a eternidade.
Mesmo no contexto das provações, devemos e podemos exultar, porque não exultamos na dificuldade, mas na salvação. Não podemos esquecer que fomos alcançados por tão grande salvação.

3.3. O privilégio de quem é fiel a Cristo
1Pd 4.12-16

Regozijai-vos por serdes participantes das aflições de Cristo; para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e exulteis.
Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória, o Espírito de Deus.
Que nenhum de vós, entretanto, padeça como homicida, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se entremete em negócios alheios; mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus neste nome.

É um privilégio passar pela provação decorrente da fidelidade a Cristo (4.13) e uma tristeza passar por ela por causa de nossa infidelidade (v.15)
Quando a adversidade é provocada pelo pecado, só cabe o arrependimento, para um novo começo. Quando trazida pela falta de sabedoria de vida, só cabe o discernimento da melhor forma de viver e por-se a caminho.


4. O melhor livramento
Deus nos livra das tentações, mas não nos livra de passar por elas. Deus nos livra das tentação, fazendo-nos triunfar sobre elas (2.9)

4. CONCLUSÃO

O poder de que fala Pedro é o poder da esperança, de uma esperança viva, que produz frutos na vida do crente.
Bem-aventurado o homem que suporta a provação; porque, depois de aprovado, receberá a coroa da vida, que o Senhor prometeu aos que o amam. (Tg 1.12)

Classificação de países por perseguição

Classificação de países por perseguição
1º semestre 2008




1 Coréia do Norte
2 Arábia Saudita
3 Irã
4 Maldivas
5 Butão
6 Iêmen
7 Afeganistão
8 Laos
9 Uzbequistão
10 China
11 Eritréia
12 Somália
13 Turcomenistão
14 Comores
15 Paquistão
16 Catar
17 Vietnã
18 Chechênia
19 Egito
20 Zanzibar
21 Iraque
22 Azerbaijão
23 Líbia
24 Mauritânia
25 Mianmar
26 Sudão (Norte)
27 Omã
28 Cuba
29 Brunei
30 Índia
31 Argélia
32 Nigéria (Norte)
33 Djibuti
34 Turquia
35 Kuweit
36 Sri Lanka
37 Tadjiquistão
38 Emirados Árabes Unidos
39 Jordânia
40 Marrocos
41 Belarus
42 Palestina
43 Etiópia
44 Síria
45 Barein
46 Tunísia
47 Indonésia
48 Bangladesh
49 Quênia (Nordeste)
50 Colômbia (Áreas de conflito)

Missão Portas Abertas - Classificação de países por perseguição - Lista 2008

Missão Portas Abertas - Classificação de países por perseguição - Lista 2008

entre nesse link e veja o quadro dos paises que perseguem a igreja do Senhor Jesus e seus filhos.


http://www.portasabertas.org.br/classificacao/default.asp

Cristãos batistas continuam sendo presos

Em mais cidades do Uzbequistão, penas continuam sendo impostas em decorrência do Código Administrativo para a atividade religiosa pacífica.

A Corte Criminal da cidade de Fergana, em 13 de setembro, multou o batista Aleksandr Avdeev em 208.650 soms (154 dólares).

Ele foi considerado culpado por violar o Artigo 184 do Código de Administração de Infrações do Uzbequistão, que penaliza a distribuição de materiais que promovem o "extremismo religioso, separatismo ou fundamentalismo".

Os batistas disseram ao Forum 18, que Aleksandr foi convocado para o Tribunal da cidade em 13 de setembro, e ele foi autorizado a entrar com outros quatro cristãos. Eles disseram que o julgamento, que durou apenas dez minutos, aconteceu na sala do juiz Shukhrat Akhmedov.

A polícia do distrito prendeu Aleksandr em 30 de agosto, durante uma operação de “limpeza antiterrorista”, pois ele estava oferecendo livros cristãos gratuitamente nas ruas. Aleksandr foi levado à delegacia e obrigado a escrever uma declaração. Todo o seu material religioso foi confiscado.

A sentença do tribunal registrou que 33 livros religiosos de Aleksandr foram apreendidos. A decisão alegava que ele não tinha autorização adequada para distribuir livros na língua uzbeque. O tribunal ordenou que todos os livros confiscados fossem destruídos.

O assistente do juiz Shukhrat, que não deu o seu nome, sustentou que os livros ainda não tinham sido destruídos. “A queixa dos batistas irá ser considerada pelo Tribunal Regional de Fergana”, ele disse ao Forum 18. “Em seguida, uma nova decisão será tomada sobre o futuro dos livros.”

Prisões

Nesse período, o distrito policial de Bektemir, na cidade de Tashkent deteve nove batistas. Conforme um protestante que preferiu não ser identificado, as prisões se deram em 28 de setembro. Os batistas tinham acabado de realizar o batismo de seus novos membros em um rio quando chegaram 12 agentes das polícias militar, penal e secreta.

Os batistas detidos foram levados para a delegacia do distrito de Bektemir. Eles se recusaram a escrever declarações ou assinar quaisquer documentos. O protestante Dmitri Belan, um cristão de 45 anos, foi espancado por agentes da polícia criminal de Bektemi. Dmitri foi levado para o hospital da Velha Tashkent às 21 horas, onde foi diagnosticado com lesões no rosto.

Acusações administrativas estão sendo preparadas contra os batistas sob o Código Administrativo do Uzbequistão, artigo 201, que penaliza violar o procedimento de realização de eventos em massa; e artigo 240, que penaliza violar a lei sobre organizações religiosas.

O assistente do major Odil Opirov, do distrito policial de Bektemir, confirmou as detenções, mas se recusou a falar sobre o caso ou a agressão de Dmitri. Ele salientou que os batistas tinham sido libertados, mas se recusou a esclarecer quanto tempo ficaram detidos. Ele confirmou que acusações administrativas seriam usadas contra eles.

Tanto Aleksandr, em Ferghana, como os membros da igreja em Tashkent pertencem ao Conselho das Igrejas Batistas, que se recusam a se registrar em todas as antigas Repúblicas Soviéticas onde estão estabelecidas.



Tradução: Carlos Alberto Campos



Fonte: Forum18 News Service (em inglês)

Com o objetivo de servir você com mais informações e de lhe oferecer perspectivas de, pelo menos, mais uma fonte, passamos a reproduzir notícias do Forum 18 a partir de 20 de janeiro de 2004, com a devida autorização.

O Forum 18 é uma organização que trabalha para a implementação do Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, e concentra-se na séria violação da liberdade de religião, e particularmente em situações onde as vidas e bem-estar de indivíduos e grupos são ameaçados, e onde o direito de reunir-se em torno de sua fé é impedido.



A Igreja Perseguida no Uzbequistão

O Uzbequistão está localizado na Ásia central, entre o Cazaquistão e o Turcomenistão. O território uzbeque é caracterizado pela presença de desertos arenosos e pontilhados por dunas que circundam vales intensamente irrigados ao longo dos rios Amu Dária, Sir Dária e Zarafshon. A pecuária ocupa quase metade do território do país, que apresenta um clima árido e não possui saída para o mar.

O Uzbequistão possui quase 28 milhões de habitantes, dos quais cerca de um terço tem idade inferior a 15 anos. Houve uma perda recente de dois a três milhões de pessoas que imigraram em busca de trabalho em países vizinhos. No entanto, ele ainda é o país mais populoso da Ásia Central. Entre as principais cidades estão Tashkent, Samarqand e Bukhara, todas com séculos de história. As comunidades rurais, onde vive mais da metade da população uzbeque, são densamente povoadas.

Até o colapso do comunismo na década de 1990, o Uzbequistão era parte da União Soviética. Sua independência foi declarada em 1991 e uma nova Constituição foi promulgada no final de 1992. O texto constitucional, no entanto, tem passado por diversas alterações. O atual sistema de governo é uma república presidencialista baseada em uma legislação derivada do sistema legal soviético, e o país ainda carece de um sistema judiciário independente.

O Uzbequistão era uma das repúblicas mais pobres da antiga União Soviética. Atualmente, ele é o segundo maior exportador de algodão do mundo e fornecedor de gás natural e ouro. Além disso, as indústrias químicas e metalúrgicas do país formam um importante pólo industrial na região. Mas sua situação econômica está se deteriorando rapidamente, uma vez que não foram realizadas as reformas necessárias. Junto a isso, o nível de corrupção e burocracia impede o crescimento econômico e sufoca iniciativas privadas. O controle estrito sobre a agronomia é bem comum e, apesar de declarações sobre reforma agrária e privatização no setor, os fazendeiros não têm autonomia real. Para que haja uma reforma, é necessário que a corrupção seja combatida a partir das esferas mais altas da sociedade.

O Uzbequistão está na rota do narcotráfico, que vai do Afeganistão para o mercado russo e do Leste Europeu. O país luta contra o vício, cada vez maior entre os habitantes.

A sociedade uzbeque lembra o Ocidente em muitos aspectos. O país adotou o calendário gregoriano e não existem mais casamentos arranjados, por exemplo. O índice de analfabetismo é mínimo. O uso da telefonia, televisão e de outros meios de comunicação está crescendo amplamente.

A esmagadora maioria da população é muçulmana. No entanto, muitos uzbeques praticam crenças supersticiosas por debaixo de uma imagem superficialmente islâmica, utilizando amuletos e seguindo tradições animistas. Há um descontentamento cada vez maior no país, o que alimenta o extremismo religioso. O governo, por sua vez, tem adotado uma política de mão-de-ferro, não tolerando grupos religiosos que não tenham sido registrados.

A Igrejavoltar ao topo

O cristianismo foi difundido na Ásia Central pela Igreja Apostólica do Oriente, mas foi drasticamente atingido pelas campanhas militares de Tamerlão nos séculos XIV e XV. Nos séculos seguintes, o islamismo passou a dominar as áreas conquistadas de forma que o cristianismo seja praticado hoje por menos de 10% da população uzbeque.

Antes de 1991 , quando o Uzbequistão se tornou um Estado independente, havia poucos cristãos. A Igreja Russa tinha de funcionar em segredo e a maioria de seus membros não tinha uma visão evangelística, e de compartilhar o evangelho com os uzbeques. Entretanto, no começo daquela década, os uzbeques começaram a buscar ao Senhor. Gradualmente, uma Igreja começou a se formar, com um estilo de culto e evangelismo baseado em sua própria cultura.

Geralmente o crescimento da Igreja se dá nas famílias. Os parentes percebem a mudança que o evangelho causou em um membro da família e abraçam a fé.

Metade destes cristãos mantém sua identidade religiosa em sigilo e praticamente todos os demais são ortodoxos russos que se mudaram para o país durante o domínio soviético. Muitos destes ortodoxos estão regressando para a Rússia, o que tem provocado o declínio da Igreja no Uzbequistão.

O crescimento da Igreja nativa (formada por convertidos uzbeques) é rápido. O número de pequenos grupos cresce a largos passos.

A perseguiçãovoltar ao topo

O controle que o governo exerce sobre a Igreja é forte. Todas as comunidades religiosas têm de se registrar, mas para a Igreja Protestante, esse é um processo longo, cansativo e quase impossível. Geralmente o registro é negado; às vezes, ele é concedido só para ser retirado de novo. Não há igrejas nativas uzbeques com registro (só as estrangeiras o possuem).

O governo não permite nenhum tipo de culto ou religião independente. Além disso, todas as formas de evangelização são proibidas. Líderes cristãos são constantemente vigiados e sofrem freqüentes hostilidades no país.

A importação e impressão de livros no país são estritamente monitoradas e censuradas. As autoridades nacionais e locais confiscam livros cristãos no idioma uzbeque com freqüência. Há altíssimas multas para aqueles envolvidos em distribuição de livros cristãos.

A televisão nacional transmite programas negativos sobre as igrejas. Como resultado, muitas pessoas sofrearam pressões físicas e psicologias na comunidade que vivem.

Em 2006, o pastor pentecostal Dmitry Shestakov, foi condenado a quatro anos de prisão por promover atividades religiosas. Pediu apelo da sentença, mas este lhe foi negado. Foi dito que primeiramente a promotoria tentou acusar o pastor sob o artigo 216-2 do Código Criminal, que pune "violação da lei de organizações religiosas" com prisões de até três anos. Entretanto, a polícia secreta do Serviço de Segurança nacional ordenou que Dmitry fosse acusado de traição, uma ofensa mais séria.
"A polícia secreta estava particularmente irritada porque Dmitry estava pregando entre o povo uzbeque", disse um cristão. "Parece que eles estão se preparando para fazer do julgamento de Dmitry um aviso para os outros."

O caso do pastor Dmitry Shestakov é único no que diz respeito à perseguição de minorias religiosas na história recente do Uzbequistão. Quando as autoridades querem punir fiéis religiosos por sua atividade, elas geralmente abrem processos sob "violação da lei de organizações religiosas", ou "violação de procedimento no ensino religioso". A pena máxima para quem infringe esses artigos é de 15 dias de prisão, embora normalmente os religiosos sejam multados, em vez de irem para a cadeia.

No dia 7 de maio de 2007, Dmitry foi transferido da prisão de Andijan para um campo de trabalhos forçados em Pskent. Lá ele passou duas semanas em uma solitária por ter supostamente "violado regras internas". No dia 25 de maio, ele foi transferido novamente, desta vez para uma prisão em Navoi. Esta cidade fica bem longe de Andijan. As autoridades alegaram que a mudança aconteceu por causa de suposto mal comportamento. Os dias para a família de Dmitry não têm sido fáceis. Eles não sabem em qual prisão ele está. Enquanto isso, diversos membros da igreja do pastor estão sendo investigados e punidos.

"Quando Dmitry foi preso eu estava com medo", disse Marina, sua esposa. "Tive medo, não por mim e pelas minhas filhas, mas por meu marido. As crianças ainda não sabem expressar o sofrimento em lágrimas, sofrem por dentro. Eu disse que o pai não era culpado. Expliquei que sempre trabalhamos pela salvação do povo uzbeque e que esse era o preço a pagar", disse ela.

Motivos de Oraçãovoltar ao topo

1. O governo controla a Igreja por meio da polícia secreta, solicitando o registro das congregações. Ore para que esse controle se suavize e para que a Igreja tenha mais liberdade e segurança para se reunir.

2. Os líderes uzbeques que são evangelistas ativos geralmente recebem "convites" da polícia para serem interrogados. Ore pela segurança desses líderes, e também para que eles perseverem na fé me Cristo.

3. A importação e a impressão de livros cristãos são atividades proibidas no país, mas a Igreja tem muita necessidade desse recurso. Ore para que haja abertura para a produção de material no país, e por maneiras criativas de suprir a Igreja enquanto houver opressão.

4. Louve a Deus pelo crescimento da Igreja uzbeque. Agradeça ao Senhor pelos líderes que se arriscam a sua vida pela expansão do Reino de Deus. Ore pelo crescimento na fé dos novos convertidos.

Fontes

- 2007 Report on International Religious Freedom (http://www.state.gov/g/drl/rls/irf/2007/)

- CIA Factbook 2008 (https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/)

- Países@ (http://www.ibge.gov.br/paisesat/main.php)

- Open Doors International

Vamos Orar

"Esta é a minha oração: que o amor de vocês aumente cada vez mais em conhecimento e em toda percepção."

Filipenses 1.9


Uzbequistão (9º) - Família reunida


Dia 1 - Lembre-se da família do pastor Dmitry. Sua esposa e filhas passarão mais um Natal sem ele. Ore para que o trabalho dos advogados de Dmitry tenha bons e rápidos resultados.



Bangladesh (48º) - Pressão sobre ex-muçulmanos


Dia 2 - As igrejas em que ex-muçulmanos se reúnem têm sido atacadas. Esses irmãos são pressionados a voltar ao islã, e alguns têm sido presos ou seqüestrados. Ore para que sejam discipulados de maneira consistente e sistemática em sua fé cristã a fim de que permaneçam firmes, apesar da pressão.



México - Libertação aguardada


Dia 3 - Continue a orar pelos cristãos aprisionados em Acteal e por suas esposas. Peça a solução desse caso que já dura tanto tempo (leia mais na revista). Ore pelos juízes da Suprema Corte que irão analisar o caso. Peça a Deus a libertação dos prisioneiros.



Índia (30º) - Proteção contra ataques


Dia 4 - Interceda por Kartik e por sua esposa. Desde que se tornaram cristãos, a família e a aldeia de Kartik estão à procura do casal, para trazê-lo de volta à fé hindu. É provável que, caso se não queiram se re-converter, venham a ser mortos. Peça ao Senhor para que lhes conceda proteção.



Colômbia (50º) - Recuperação de pastor


Dia 5 - Ore por um pastor do norte da Colômbia que foi baleado em setembro. A tentativa de assassinato foi cometida por dois paramilitares porque esse pastor pregava sobre Jesus em lugares que tal grupo proibia.



Sri Lanka (36º) - Firmeza e graça


Dia 6 - O número de incidentes contra o Corpo de Cristo no Sri Lanka é alarmante. Interceda pelos perseguidos, para que permaneçam firmes na fé e cresçam em graça e amor.



Vietnã (17º) - Reposta às mudanças


Dia 7 - Ore pela unidade da Igreja vietnamita, principalmente durante este período de mudanças que têm ocorrido no país. Ore para que a Igreja tenha sabedoria para reagir às mudanças que estão ocorrendo.



Butão (5º) - Discernimento político



Dia 8 - Interceda pelos cristãos do país, para que tenham discernimento e criatividade em face das oportunidades oferecidas pela nova forma de governo. Que eles lidem sabiamente com as ameaças que essas mudanças políticas podem trazer.



Indonésia (47º) - Natal em paz


Dia 9 - Ore para que a celebração do Natal seja segura e abençoada em todas as igrejas e denominações espalhadas no país. No ano passado, as comemorações foram perturbadas por sentimentos anticristãos. Houve até ataques às igrejas.



Mianmar (25º) - Restauração de vítimas


Hoje - Dia 10 - Ore pela contínua recuperação e restauração das vítimas do ciclone Nargis que arrasou a parte sul de Mianmar em maio deste ano. Ore pelos cristãos birmaneses, para que continuem a ser testemunhas do amor de Deus para seu povo.



China (10º) - Líderes guiados por Deus


Dia 11 - Interceda por altos funcionários do governo que são responsáveis por estabelecer a política religiosa do país. Ore para que essas pessoas tenham o temor de Deus, e que a sabedoria do Senhor lhes direcione.



Península Arábica - Nascimento de uma Igreja


Dia 12 - Um grupo de ex-muçulmanos começou a participar semanalmente de uma reunião cristã. Ore pelo crescimento espiritual deles, por uma comunhão profunda e consistente e pelo início de uma comunidade cristã formada por convertidos.



Catar (16º) - Fome da Verdade

Dia 13 - Ore para que os cataris comecem a questionar o que têm ignorado até agora: sua fé e cultura, os ensinamentos dos imames e a riqueza vinda do petróleo. Ore para que o Senhor venha a abrir seus olhos e fazê-los ter fome da Verdade.



Mauritânia (24º) - Proteção contra o fundamentalismo



Dia 14 - Soubemos que fundamentalistas têm ameaçado cristãos. Interceda ao Senhor pela segurança da Igreja e pelo avanço do Reino!



Mauritânia (24º) - Doe hoje

Dia 15 - A necessidade de apoio financeiro é fundamental no serviço à Igreja Perseguida. Abençoe nosso ministério com sua doação. Nossos irmãos perseguidos agradecem.



Irã (3º) - Segurança para comunidade cristã


Dia 16 - A situação para os cristãos no Irã está piorando. Peça a Deus por proteção e coragem para todos os que querem seguir Jesus.



Palestina (42º) - Ami Ortiz


Dia 17 - Agradeça a Deus por sua providência e fidelidade na vida de Ami Ortiz e de sua família. Em janeiro, Ami foi seriamente ferido em um atentado à bomba contra sua família.



Líbia (23º) - Sabedoria para discípulos e mestres


Dia 18 - Lembrem-se dos irmãos que trabalham no discipulado de novos convertidos. Eles precisam de sabedoria extra para cumprir esta importante tarefa. Peça ao Senhor para guiar aqueles que estão crescendo na fé.



Síria (44º) - Jovens missionários


Dia 19 - Ore para que os jovens tenham o desejo de ir aonde quer que Deus os mande, sem impor suas próprias condições. Essa é uma oração de todas as igrejas chinesas e queremos ver a Igreja de Deus em movimento!



Líbano - Oração por unidade


Dia 20 - O Líbano necessita de muita oração. Este ano mostrou como o país pode facilmente entrar em outra guerra. Ore para que o amor de Deus se manifeste primeiramente entre os cristãos e, por meio deles, para outros.



Quênia (49º) - Esperança no Senhor



Dia 21 - A maioria das pessoas que mora na região de Turbi é fundamentalista. Em janeiro, uma igreja anglicana foi completamente destruída, e agora só há uma pequena igreja católica de 15 membros. Alguns ex-muçulmanos e outros cristãos têm de se encontrar às escondidas. Ore por eles, para que coloquem sua esperança no Senhor. Ore pelo crescimento espiritual e para a expansão do Reino de Deus em Turbi.



Somália (12º) - Igreja evangelista


Dia 22 - Há uma igreja somali com 80 membros no campo de refugiados de um país vizinho, e sabe-se que estão quase concluindo a construção de um templo. Ore pela construção e interceda pelo crescimento espiritual dessa igreja, que tem potencial para liderar o trabalho missionário na Somália.



Uganda - Curso sobre islamismo


Dia 23 - Em agosto, a Portas Abertas iniciou um curso de evangelização de muçulmanos. Ore para que o fruto do trabalho seja visto naqueles que participaram do curso.



Etiópia (43º) - Reconstrução de vidas


Dia 24 - Asfaw, o único cristão em sua vila, teve a casa atacada em abril. Ele e sua família escaparam com vida e estão morando em um abrigo construído com palha, que oferece pouca proteção nas chuvas. Ore para que Asfaw e sua família confiem em Deus.



Internacional - Natal na prisão


Dia 25 - Hoje, cristãos de todo o mundo se reúnem para celebrar o nascimento de Jesus. Interceda pelos cristãos que estão presos em decorrência da fé em Cristo. Eles não terão troca de presentes nem refeições especiais. Estarão sozinhos, sem amigos ou familiares para celebrar esta data. Peça a Deus para preencher o vazio que talvez sintam, e que lhes mostre que cristãos de todo o mundo estão em oração por eles.



Nigéria (32º) - Igreja sob ameaça


Dia 26 - Uma igreja evangélica, de 2 mil pessoas, no Estado de Kano foi destruída. A congregação tem recebido ameaças da comunidade muçulmana e vive com medo de ataques. Ore para que os cristãos coloquem sua confiança no Senhor. Peça sabedoria e orientação da parte de Deus aos líderes da igreja.



Ásia Central - Contatos perigosos


Dia 27 - Em muitos países da Ásia Central, o contato entre igrejas e estrangeiros está cada vez mais difícil. Se ele acontece, a igreja é imediatamente colocada na lista-negra do governo. Peça sabedoria tanto para a igreja quanto para os imigrantes e visitantes que estão no país.



Dia 28 - Clame pela segurança e proteção dos obreiros da Portas Abertas e de suas famílias. Alguns tiveram encontros desagradáveis com a polícia e têm recebido ameaças.



Tadjiquistão (37º) - Treinando novas famílias


Dia 29 - A maioria dos jovens cristãos no país não conhece os princípios bíblicos de casamento e família. Ore para que as famílias e os casamentos cristãos sejam cheios do amor de Jesus e transmitam esse amor para a sociedade.



Brasil - Ore pela Missão Portas Abertas



Dia 30 - Agradeça conosco por mais um ano de trabalho que se encerra. Peça ao Senhor que nos dê sabedoria para o planejamento das atividades de 2009.



Dia 31 - Louve a Deus, juntamente conosco, pela vida de todos os nossos parceiros - pessoas sem as quais não poderíamos desenvolver nosso ministério de socorro à Igreja Perseguida. Que o Senhor retribua a cada um segundo a sua generosidade.


TEMPOS MAUS

Portanto, o que for prudente guardará silêncio naquele tempo, porque o tempo será mau (Amós 5.13).

A prudência é uma virtude que nos faz ver o perigo e afastar-nos dele. Os tolos vêem o que o inimigo lhes está preparando, mas não se desviam (Provérbio 14.16). Há um período para guardar silêncio, e são poucos os que o fazem. Fechar a boca no tempo mau é a recomendação dos Céus. Diante de um ataque do adversário, devemos apenas falar o que nos foi concedido pelo Espírito do Senhor, por meio das Escrituras.

Se há algo que precisamos buscar de Deus é a prudência. Com ela, conseguimos perceber os perigos e evitá-los (Provérbio 27.12). São muitas as ciladas que o adversário arma diante de nós, pois, para ele, o que interessa é a nossa destruição. Ele se ressente da nossa posição em Cristo, de termos sido feitos filhos de Deus e sermos herdeiros Seus e co-herdeiros com Cristo. O diabo sabe o que nos está preparado e o que seremos por toda a eternidade.

As pessoas que não têm juízo acham que somos exagerados e não precisamos ter o cuidado que temos. Elas chegam a ver algumas armadilhas colocadas pelo adversário, mas não fazem nada. O resultado: vivem caindo e se machucando. Ver o que está posto contra nós e não se desviar é tolice.

Quem não guarda silêncio no tempo mau sofre muitas dores. Diz a Palavra que há tempo para tudo; tanto para ficar em silêncio quanto para falar (Eclesiastes 3.1-8). Quem disser algo fora do tempo terá problemas, e quem não falar algo na época certa deixará de ser abençoado.

Em qualquer situação, o correto é obedecer ao Senhor, que, como nosso Pai, quer o melhor para nós. Se Ele não nos dá a Palavra, ficar calado é o recomendado. Se, porém, Ele coloca em nossa boca o que dizer, declará-lo é o mais acertado.

O erro que levou o apóstolo Pedro a negar Cristo foi o fato de ter falado o que não devia para o Senhor. Ao alertá-lo de que Satanás havia pedido que o cirandasse, Jesus estava revelando a Pedro algo sério (Lucas 22.31,32). Pelo menos, o discípulo deveria ter agradecido e entrado em oração, mas se julgou forte o suficiente e proferiu aquilo que o Senhor não lhe dera. Resultado: antes que o galo cantasse, ele negou três vezes que conhecia Jesus (Mateus 26.33-35, 69-75).

Meu irmão, fale somente o que estiver de acordo com o que o Altíssimo diz. Pronunciar alguma coisa sem a direção divina não somente é temerário, mas também tolice. Nossas palavras precisam estar revestidas da Palavra de Deus para produzirem o resultado que desejamos.

Em Cristo, com amor,

JACO - ISRAEL

De todos os relatos da Torá, este é um dos mais envoltos em mistério. Conta-nos a história da luta entre um ser humano e um anjo e a da ...