domingo, 16 de março de 2008

ESSA É DE ARREPIAR.....MALDITO O HOMEM QUE CONFIA NO HOMEM.


23 Abril 2006

Caio Fábio se desnuda
Dez anos atrás, Caio publicou sua biografia, e a propaganda desse livro prometia que Caio se “desnudaria”, e o público acreditou, pensando que finalmente conheceria os maiores segredos do homem que era tratado sagradamente como um “papa” evangélico.
Desnudar significa revelar tudo. Mas tudo começou a ser desnudado só em 1998, depois da publicação da biografia dele, com os escândalos financeiros e sexuais que o tragaram.
Hoje, ele se gaba de que, com um estalar de dedos, poderia facilmente envergonhar famosos pastores e derrubar ministérios inteiros se ele abrisse a boca para revelar tudo o que sabe acerca deles. Mas quando chega a vez dele, ele se retrai e nega.
Caio escreveu-me, em resposta ao meu texto “Filho de Caio Fábio ajuda igreja gay”, que desnuda a triste situação em que se acha um de seus filhos, que é prisioneiro do homossexualismo.
A resposta dele é, no mínimo, chocante.
Guardei-a e esperei, para ver se ele acabaria refletindo em suas próprias palavras. Se ele as escreveu num momento de descontrole emocional, mais tarde ele poderia simplesmente me mandar uma notinha se desculpando pela evidente atitude mal-educada, e eu entenderia sem nenhuma dificuldade.
Todos erram e têm o direito de pedir perdão.
Mas não foi o que aconteceu.
Mesmo conhecendo muito bem a Bíblia e mesmo pastoreando uma igreja em Brasília e ensinando suas ovelhas inocentes a perdoar e pedir perdão, ele próprio jamais se desculpou.
Ele é, ao contrário de sua propaganda, um homem que não gosta de se desnudar nem de ser desnudado.
Portanto, desnudarei a resposta dele, com o único objetivo de que você que está lendo saiba que hoje Caio não é um homem que precisa de seguidores, fãs e idólatras, mas unicamente de oração, para que Deus o livre do estado de estranha graça (ou desgraça) em que se encontra.
Julio Severo
ALERTA GERAL,PRESTE MUITA ATENÇÃO NAS PALAVRAS QUE SE SEGUEM...
Resposta de Caio Fábio para Julio Severo
De: contato@caiofabio.comData: 16/03/2006 14:04
Assunto: Re: Filho de Caio Fábio ajuda igreja gay do Brasil

PARA O SEVERO FROUXO!

Seu Severo palhaço!

Meu filho não é líder de nada, não frequenta igreja alguma, e apenas me ouve quando prego no Rio, na Catedral; ou na rádio do site.

Ele é contra igrejas gays!

Mas voce, Severo, é tão doente de alma... pitbul de alma... que dá vontade de encontrar você, seu frouxo, e dessossar você.

Mas você é Frouxo!

Profetinha de internet.
Ponha as caras para fora; adoraria encontrar você; e olhar nos seus olhos, seu projeto de homem; seu menino doente; seu tarado sexual!

Vou procurar saber onde encontro você pessoalmente!

E mais: publique esta carta em seu site!

Com grandes letras,

CAIO
RESPOSTA DE ;JULIO SEVERO AO CAIO FABIO.
Carta aberta para Caio Fábio;

A Palavra de Deus ensina que uma das maiores referências de um homem que deseja ser pastor é o testemunho de seus filhos. Afinal, se um homem não sabe pastorear e abençoar sua própria família, para que tentar cuidar de uma igreja, que é a família de Deus?
Se ele não é fiel à sua própria esposa, como será um bom exemplo para os filhos e um pastor fiel nas responsabilidades com o rebanho de Deus?

“Esta afirmação é digna de confiança:
Se alguém deseja ser bispo [grego: epíscopo, palavra que descreve o homem que ocupa a função pastoral], deseja uma nobre função.
É necessário, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher, moderado, sensato, respeitável, hospitaleiro e apto para ensinar; não deve ser apegado ao vinho, nem violento, mas sim amável, pacífico e não apegado ao dinheiro.
Ele deve governar bem sua própria família, tendo os filhos sujeitos a ele, com toda a dignidade.
Pois, se alguém não sabe governar sua própria família, como poderá cuidar da igreja de Deus?
Não pode ser recém-convertido, para que não se ensoberbeça e caia na mesma condenação em que caiu o Diabo.
Também deve ter boa reputação perante os de fora, para que não caia em descrédito nem na cilada do Diabo”. (1 Timóteo 3:1-7 NVI)

“É preciso que o presbítero seja irrepreensível, marido de uma só mulher e tenha filhos crentes que não sejam acusados de libertinagem ou de insubmissão.
Por ser encarregado da obra de Deus, é necessário que o bispo seja irrepreensível: não orgulhoso, não briguento, não apegado ao vinho, não violento, nem ávido por lucro desonesto.
Ao contrário, é preciso que ele seja hospitaleiro, amigo do bem, sensato, justo, consagrado, tenha domínio próprio e apegue-se firmemente à mensagem fiel, da maneira como foi ensinada, para que seja capaz de encorajar outros pela sã doutrina e de refutar os que se opõem a ela”. (Tito 1:6-9 NVI)

Caio, você sabe melhor do que eu que a Palavra de Deus ensina assim.
Então, se há realmente algum amor genuíno para com Deus dentro de sua alma, deixe o pastorado.
Não vou debater com você pessoalmente.
Vendo que você perde o controle com facilidade e pratica jiu-jitsu, eu não teria chance.
Você poderia realmente realizar sua vontade de me arrancar os ossos. Aliás, veja que um dos requisitos para o homem interessado no posto de pastor é ter domínio próprio.
Se você acha que ser um excelente filósofo isenta você de preencher todas as qualificações que Deus exige para o homem que quer pastorear, então se esqueça da Bíblia.
Se Deus qualificasse para pastor somente na base da superfilosofia, os homens simples não teriam chance alguma.

Mas, graças a Deus, os requisitos de Deus são simples e justos, envolvendo família, fidelidade à esposa, obediência dos filhos, caráter, domínio próprio, honestidade, etc.
Basta preenchê-los. Sem essas qualidades morais, um homem não pode nem ser diácono, por mais filósofo que seja.
Caio, você pode seguir qualquer profissão que desejar: filósofo, eletricista, engenheiro, deputado ou até mesmo professor de jiu-jitsu, se você já tem bastante experiência nesse tipo de arte marcial. Mas a infalível Palavra de Deus deixa bem claro qual não é o chamado do homem que está no estado em que você está.
Seja humilde, por amor a Deus e por amor às pobres almas que o seguem.
Deixe o pastorado para quem tem qualificação moral e bíblica.
Se você de fato conhece pastores, bispos e outros líderes evangélicos envolvidos em pecados graves em suas famílias, não use o exemplo errado deles para justificar sua própria permanência no púlpito, achando que se eles podem, você também pode.
Dê o seu exemplo a eles: Aposente-se definitivamente da função pastoral e, no propósito de ser um bom ouvinte e praticante da Palavra de Deus, valorize o banco de uma igreja do jeito que você sempre valorizou o púlpito.
Não se desanime se você não conseguiu ser bom exemplo para as muitas ovelhas inocentes que o idolatravam no passado. Pelo menos, você pode agora ser exemplo para os pastores que estão em pecado.

Quem sabe Deus não queira usar você para ensinar humildade para eles.
Quem sabe esse não seja o seu maior e mais importante chamado.

De um simples servo de Cristo, que não sabe filosofar, nem fazer leituras psicológicas da alma das pessoas,

Julio Severo

Índios estatizados: o papel do Estado no sufocamento do Evangelho entre as tribos


Julio Severo



O governo Lula gosta de ser pioneiro. É marcadamente o governo mais socialista que o Brasil já teve. Mas seu pioneirismo em favor do Estado absoluto e absolutamente dominante sobre tudo e todos — inclusive valores éticos e morais — não se restringe apenas ao fervor socialista.


Para que não reste a ninguém dúvidas acerca de suas pretensões, o governo Lula mostra, a nível internacional, aonde quer levar seu pioneirismo. Os representantes do Estado brasileiro introduziram na ONU logo no primeiro ano do governo Lula uma infame resolução classificando o homossexualismo como direito humano inalienável. Esqueça literalmente o que Deus diz sobre homossexualismo — o que vale agora é a lei e vontade do Estado. É a primeira vez na história da ONU que um país requer a defesa mundial do homossexualismo.


No próprio Brasil, o governo Lula é responsável pela criação e implementação do programa Brasil Sem Homofobia, em 2004. Como se esse programa federal não fosse o suficiente, Lula assina em 2007 decreto presidencial convocando os militantes homossexuais do Brasil inteiro para um grande encontro em Brasília — sob patrocínio do governo federal — para discutir a criação e implementação de muito mais leis e políticas públicas para beneficiar exclusivamente os que escolheram o vício da sodomia. É a primeira vez na história do Brasil que um governo impõe como prioridade a defesa do homossexualismo.


O Estado todo-poderoso decide se a sodomia deve ser considerada nojenta ou sagrada, e todos os outros deuses que se prostrem às sentenças estatais. Aliás, esse mesmo Estado vem decidindo se a vida humana pode ou não ser descartada — supostamente para salvar outras vidas por meio de experiências fatais com células-tronco embrionárias. De seu trono, o Estado laico arrogante decide tudo o que quer, não temendo ou respeitando nenhum deus, por não lhes reconhecer nenhuma autoridade legal. Para o Estado laico, todos os deuses — seja Jesus, ou qualquer outra entidade considerada divina por qualquer outra religião — são iguais e seus seguidores devem igualmente reconhecer a autoridade do Estado laico como suprema.


O Estado laico brasileiro tem assumido uma postura altiva nas decisões nacionais e internacionais envolvendo aborto e homossexualismo, sem se importar com nenhuma opinião divina ou humana.
Agora, seguindo seu padrão de pioneirismo e arrogância, o governo Lula iniciará a primeira grande ofensiva contra ONGS estrangeiras.
Será que finalmente o governo Lula descobriu que a mentalidade estatal atual em favor do aborto e homossexualismo no Brasil é conseqüência de investimentos bilionários de entidades e fundações dos países ricos? Será que finalmente o governo Lula chegou ao conhecimento de que a vasta maioria dos grupos de aborto e homossexualismo do Brasil recebe assistência financeira e logística estrangeira?
A operação Arco de Fogo, contra as ONGs estrangeiras, será realizada pela polícia federal — mas essa ação nada tem a ver com ONGs de aborto e homossexualismo. Essa ação não incomodará nenhum dos vastos investimentos externos de aborto e homossexualismo no Brasil.


O que então a polícia federal fará que já está estabelecendo o pioneirismo estatal na intervenção a entidades estrangeiras?
De acordo com o Jornal do Brasil de 21 de fevereiro de 2008, entre outras ações, “a polícia federal vai acertar nas ONGs estrangeiras que há décadas atuam na Amazônia tendo como pretexto… a evangelização. No mesmo período da operação, uma força-tarefa criada por portaria do ministro Tarso Genro, da Justiça, dará início à fiscalização de entidades suspeitas de… interferir na cultura indígena”.


O Jornal do Brasil relata que a polícia federal já elaborou uma “lista das principais ONGs a serem investigadas por supostas irregularidades. Não se sabe ainda que tamanho tem a lista, mas é maior que a elaborada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e encaminhada pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. No grupo há entidades acusadas de deturpar a cultura indígena ao introduzir rituais religiosos estranhos às etnias”.


Entidades missionárias evangélicas, que já estão sendo investigadas pela KGB brasileira, a Abin, agora sofrerão medidas repressivas mais pesadas do governo federal. Para não se ter dúvidas das intenções estatais, a Abin tem tido ligações com o infame serviço secreto comunista de Cuba. A ditadura de Fidel Castro é responsável pela tortura e assassinato de dezenas de milhares de pessoas inocentes, inclusive cristãos. Mesmo assim, Lula sente orgulho de ter amizade com a múmia comunista.


Os missionários evangélicos são responsáveis pela introdução do Evangelho entre as tribos do Brasil e têm grande carinho pelos índios. Recentemente, a revista Istoé e meses atrás a revista Veja noticiaram o escândalo da matança de crianças índias por bárbaros costumes tribais — debaixo dos olhos da estatal FUNAI, que não intervém para salvar as crianças a fim de não “interferir” nas culturas indígenas. Agora, com a ajuda da KGB brasileira, o Estado policial paranóico — que nunca se importou com tal matança — está colocando os olhos nas ONGs missionárias que estão “interferindo” nas culturas indígenas.


Para que não “interferiram”, basta que os missionários façam exatamente o que o Estado faz — não se importar se tradições de bruxaria tribal condenam crianças inocentes a morte por enterramento, sufocação, tortura, flechadas, pauladas, estrangulamento, envenenamento, etc.
Contudo, o Estado quer muito mais indiferença. Não “interferir” também significa não introduzir Jesus e a Bíblia nas culturas indígenas. No que depender do governo, os missionários podem fazer as malas e voltar cada um para o seu lugar.
Todo cristão sabe que a principal missão de vida na terra é glorificar Jesus e levar o Evangelho a toda criatura. E os índios também são criaturas de Deus. Eles também precisam de Jesus e do Evangelho.
Opinião contrária tem o governo: os índios — com sua cultura de infanticídio e feitiçaria — não precisam da “cultura” de Jesus e do Evangelho. Eles não devem ser incomodados.
Enquanto a polícia federal se prepara para agir, os líderes evangélicos silenciam. Aliás, muitos deles não têm aberto a boca para denunciar o governo federal pelo seu apoio a políticas de aborto e homossexualismo. Seria então de estranhar que eles também não se levantem para defender os missionários que denunciam o infanticídio entre os índios? Mas durante a eleição e reeleição de Lula, muitos abriram a boca para apoiá-lo.
Silenciar na questão do aborto, homossexualismo e infanticídio entre índios é ato de grande negligência diante de Deus. Como podemos deixar de denunciar a maldade estatal? Restringir a atividade missionária entre os índios é abortar a eternidade deles. Se as vozes dos líderes evangélicos não se levantarem, as pedras clamarão. Aliás, já estão clamando.


O Dep. Márcio Junqueira, de Roraima, declarou na Câmara dos Deputados em 21/02/2008:


Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, hoje venho à tribuna da Câmara dos Deputados trazer ao conhecimento do País fatos da maior gravidade, fatos esses que exigem de todos nós, Parlamentares e cidadãos, uma contundente e definitiva resposta, sob pena de estarmos acumplicidados pelo silêncio à prática da segregação racial e religiosa, em clara violação da Constituição da República Federativa do Brasil.
Sr. Presidente, uma grande nação somente será construída se calcada no respeito à liberdade e aos direitos humanos. Entre esses direitos sagrados se encontra aquele de professarmos, livremente, nossa crença ou de mudarmos, se assim nos convir.
Acontece, Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, que o meu Estado, que há muito tempo vem sendo desrespeitado pelo arbítrio do Governo Federal, como se não fizesse parte da Federação, encontra-se agora vivendo momentos de perplexidade diante das medidas inusitadas tomadas pela FUNAI.
Não bastasse a violência de uma demarcação sem levar em consideração a segurança nacional, agora decidem que todos os missionários e pastores evangélicos não índios sejam expulsos da reserva… E notem, senhores, que o argumento utilizado para a retirada dos missionários evangélicos é o fato de não serem índios, apesar de serem brasileiros…
Fui procurado pelo Pastor José Dilson Reis de Mesquita, que lidera um movimento em defesa da liberdade religiosa nas áreas indígenas. Ele informa que diante das pressões da FUNAI e do Conselho Indígena de Roraima… algumas igrejas já retiraram os seus missionários, deixando seus fiéis sem orientação religiosa, razão pela qual consideramos que a hora é grave e o momento é decisivo. Por isso, os evangélicos reclamam posicionamento de todos.
Todos aqui conhecem a seriedade e os relevantes serviços prestados pela Igreja Evangélica Assembléia de Deus nos mais distantes recantos do Brasil. Aliás, tenho em mãos uma notificação judicial que obriga a Assembléia de Deus a se retirar da Vila do Surumú, Município de Pacaraima, e das localidades de Água Fria e Socó.
Eu pergunto: quem é a FUNAI para dizer qual pode ser a minha fé? Manter-se na indiferença ou inatividade na presente hora é crime imperdoável de lesa-patriotismo. Por isso, conclamo todos os evangélicos e os amantes da liberdade a repudiarem essa atitude discriminatória do Governo Lula contra os evangélicos não só de Roraima e mas também de todo o Brasil.
Diante da gravidade dos fatos, o Movimento em Defesa da Liberdade Religiosa nas Áreas Indígenas estará organizando uma grande manifestação pública para o mês de abril, com o objetivo de chamar a atenção de toda a sociedade brasileira, para que essa situação absurda e inaceitável que hoje acontece em Roraima acabe. Os evangélicos são um segmento do cristianismo, que é uma religião universal. Todos os povos necessitam ouvir a Palavra de Deus. Em obediência a uma ordem imperativa do seu fundador, que disse: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. Isso inclui os indígenas da área Raposa do Sol.
No Governo Lula, o Estado de Roraima está sendo privado da posse de suas terras, o povo já perdeu o direito de ir e vir em território nacional e agora até a liberdade religiosa nos é negada. É hora de nos unirmos para dar um basta a essa situação.
Não aceitamos esse tipo de coisa. Temos uma posição e cremos num só Deus.



O Dep. Márcio Junqueira declarou o que os líderes evangélicos já deveriam estar declarando.
O bem-estar espiritual — que também traz bem-estar físico e social — não é alcançado por meio da bruxaria ou do paganismo, e muito menos pelo Estado, mas unicamente através de Jesus Cristo. Seja índio ou não, velho ou jovem, brasileiro ou estrangeiro, adulto ou criança, todos os que desejam esse bem-estar espiritual devem estar dispostos a renunciar a tradições, costumes e práticas que interferem no reconhecimento do Senhorio de Jesus. Todos têm direito de conhecer Jesus e renunciar ao mal. Mas no que depender do governo federal, os índios não têm esse direito.
Os índios podem ficar sem Deus, por determinação do Estado. Mas o que o Estado jamais aceitaria é que os índios escolhessem ficar sem o Estado.
Quanto aos cristãos, eles farão o que para confrontar um Estado que age ilegalmente impedindo os índios de conhecer Jesus?
Sim, é hora de o governo federal saber que o Estado não é Deus nem está acima de Jesus. Mas quem lhe dirá essa verdade?
Os índios — e todo o restante da população brasileira — têm direito a um Estado que respeite seus direitos pessoais. E nenhum direito é maior do que a liberdade de conhecer e adorar o verdadeiro e único Deus. Qualquer governo que ouse interferir nessa liberdade é ilegal.
Portanto, o governo federal deve cessar seu controle e autoritarismo sobre a alma dos índios e respeitar a liberdade legítima de eles decidirem se querem ou não Jesus e se querem ou não o Estado e suas loucuras.
O Brasil precisa urgentemente de cidadãos sérios. Um governo que tem a cara de pau de lançar uma operação de investigação contra ONGs missionárias, mas joga para baixo do tapete suas próprias ligações com as FARC, merece muita intercessão e intervenção de seus cidadãos.
As ONGs evangélicas, em sua maioria, proporcionam o bem aos índios e ao Brasil. As FARC, o maior movimento terrorista comunista da América Latina — com toda a sua imensa rede de narcotráfico que opera na região amazônica, tirando vantagem até mesmo dos índios —, são uma das maiores ameaças ao Brasil e ao mundo. Contudo, o governo socialista do Brasil prefere voltar sua atenção não contra os terroristas comunistas narcotraficantes, mas contra os missionários.
O Brasil tem hoje o governo que o inferno pediu.


POR ;JULIO SEVERO.

TEMPOS DIFICEIS


TEMPOS DIFICEIS
Martin e Deidre Bobgan

Os cristãos estão vivendo tempos difíceis. Descontentamento, decepção, desconforto, desencorajamento, desespero, depressão, divórcio, discórdia, desdém, desgosto, dissensão e desobediência são bastante comuns entre os que foram chamados para dar testemunho da glória de Deus e para refletir a imagem de Cristo.
Muitos cristãos têm buscado conselheiros profissionais e psicólogos para ajudá-los a resolver os problemas da vida, mas esses problemas parecem estar aumentando.

Os "consumidores" cristãos carregados de problemas também podem escolher entre uma grande quantidade de produtos: livros, conferências e grupos de auto-ajuda – mas os problemas continuam se multiplicando.
Quanto mais se trata dos problemas, mais as pessoas se tornam centradas neles.
Até aqueles que tentam resolver os problemas da vida com princípios bíblicos, muitas vezes acabam se envolvendo tanto nesses problemas que não alcançam a raiz da dificuldade real.
O tratamento dos problemas freqüentemente alcança somente os sintomas superficiais, apenas substituindo-os por outros sintomas. Alguns cristãos vivem de crise em crise.
Outros carregam um peso que parece ficar mais e mais pesado com o passar dos anos.
Nunca houve tantos livros disponíveis para os cristãos na sua busca da família perfeita, do casamento perfeito e da vida perfeita. Não obstante, muitos cristãos são incapazes de refletir a imagem de Cristo em sua família, no casamento e na vida.
Será que as dificuldades que os cristãos enfrentam estão relacionadas com o fato deles estarem vivendo naqueles tempos difíceis sobre os quais Paulo alertou a Timóteo? "Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas..." (2 Tm 3.1-2).
A Edição Revista e Corrigida diz:"Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos..."

As pessoas estão perecendo por causa do amor – do amor a si próprias.
Elas foram ensinadas pelos especialistas modernos em psicologia que deveriam amar a si mesmas.
Elas ouviram que, a menos que se amassem, elas não poderiam amar aos outros.
Pregadores e outras pessoas bem-intencionadas fizeram ecoar as palavras: "você precisa se amar".
Conselheiros e televangelistas insistiram: "Ame-se! Goste de si mesmo! Honre-se! Você merece!" Cada vez mais essas tentações de auto-comiseração ou exaltação do ego são sutil e facilmente aceitas pelas pessoas, pois o coração é enganoso (Jr. 17.9).
Mas, observe o que procede de pessoas que são "amantes de si mesmas".
Esses homens "egoístas" são: "avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus" (2 Tm 3.2-4).

Uma rápida observação das palavras que seguem "amantes de si mesmas" revela um estado de vida bastante pecaminoso, assim como atitudes e atos pecaminosos.
Tal amor a si próprio é tão poderoso que os "amantes de si mesmos" são "mais amigos dos prazeres que amigos de Deus".
E isso está em profunda contradição com o Grande Mandamento: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento.
Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Mt 22.36-39).

Enquanto que os propagadores do amor a si próprio tentam ler um terceiro mandamento (ame-se a si mesmo) nessa passagem das Escrituras, Jesus deixou claro que estava falando de apenas dois mandamentos, pois disse:
"Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas" (Mt 22.40). Não há nas Escrituras um mandamento para amar a si mesmo.
Os homens são infelizes e sofrem com os problemas da vida porque se tornaram "amantes de si mesmos" e "mais amigos dos prazeres que amigos de Deus"
. A inclinação pecaminosa do ser humano é amar a si mesmo mais do que a Deus e às outras pessoas.
O egoísmo se agarra à natureza humana e produz inveja, luxúria, orgulho, arrogância, desrespeito por Deus, desobediência aos pais, falta de gratidão, engano, provocando tanto a paixão pelos seus próprios caminhos quanto a contenda por causa deles.
Ele leva também a falsas acusações, que são exageradas, já que as pessoas têm sido encorajadas a culpar seus pais, as circunstâncias, e a qualquer outra coisa, menos a si mesmas, pela sua condição de vida.

Será que as pessoas estão tentando desenvolver-se, melhorando a si mesmas e às circunstâncias em que vivem, sem tocar na raiz do problema?
Será que o amor a si próprio está escondido sob os mais benevolentes gestos e por trás das orações mais fervorosas?
Que tipo de crescimento pessoal as pessoas estão procurando?
O crescimento pessoal que vai aumentar sua auto-estima, ou o crescimento pessoal que envolve negar a si mesmo e tomar a sua cruz?
O crescimento pessoal que vai confirmar o valor de seus próprios egos, ou o que as tornará semelhantes à imagem de Cristo?
Ambas as formas de crescimento, tanto a que se inclina para o amor a si mesmo quanto a que se inclina para amar a Deus, têm um custo elevado.
Amar a si mesmo mais do que amar a Deus leva a uma perda espiritual, mas amar a Deus com todo o seu ser leva a negar o "eu" e faz com que o efeito mortal da cruz se faça sentir contra o velho homem (aquele "eu" ao qual muitos de nós ainda estão agarrados e amam), que deve ser considerado morto (Rm 6).

Jesus disse: "Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; quem perder a vida por minha causa, esse a salvará.
Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder-se ou a causar dano a si mesmo?" (Lc 9.23-25).

O mesmo Deus que salva e santifica também ordenou que as boas obras sejam uma conseqüência natural da Sua obra:
"Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas" (Ef 2.8-10).
Essas boas obras incluem amar a Deus de todo o coração, de toda a alma, de todo o entendimento e a obediência a Ele, pois o amor a Deus é expresso obedecendo-Lhe e amando-se uns aos outros.
Uma pessoa não é salva nem se santifica pelas boas obras. Entretanto, as boas obras são conseqüência do que Deus já fez e continua a fazer. Por isso, Paulo diz: "Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade" (Fp 2.12-13).

Além disso, todas essas coisas devem ser feitas sem murmurações nem contendas (Fp 2.14), ou seja, sem reclamar ou discutir com Deus sobre as circunstâncias da vida e como proceder na presença dEle.
Por toda a caminhada cristã há o despojar-se dos velhos caminhos (do velho homem com suas paixões enganosas) e o revestir-se do novo homem, "criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade" (Ef 4.24).

Essa é a caminhada diária do cristão. Despojar-se do velho homem é o equivalente a negar a si mesmo, e revestir-se do novo homem envolve tomar sua cruz e seguir a Cristo.
Se bem que muitos cristãos podem concordar em princípio, quantos estão fazendo isso diariamente, momento após momento?
Quantos de nós estão confiando no Senhor o suficiente para tomarmos a nossa cruz, reconhecendo-O em todos os nossos caminhos e deixando-O afastar-nos do amor-próprio para amá-lO de todo o coração, de toda a alma, de todo o entendimento e de toda a força, amando-nos uns aos outros tanto quanto nós já nos amamos a nós mesmos?
Cada dia é cheio de oportunidades para amar a Deus ou para amar o "eu" em primeiro lugar. Qual vamos escolher?
(Martin e Deidre Bobgan, PsychoHeresy Awareness Letter 3-4/2000
– traduzido por Jarbas Aragão - http://www.apaz.com.br)








www.goocrente.com






O Preconceito da TV Globo

Euder Faber

A história da Igreja Cristã é marcada por perseguições e todo tipo de discriminação.
Durante o Império Romano os cristãos eram jogados às feras como parte do entretenimento das massas.
Outros foram mortos ao fio da espada e lançados em tachos quentes, dentre outras barbaridades.
Na Idade Média não foram poucos que terminaram na fogueira.
Hoje em diversos lugares do mundo a perseguição continua.
Países como Coréia do Norte, Arábia Saudita, China, Irã, Cuba, Vietnã e outras dezenas de nações têm imprimido um intenso estado de perseguição e discriminação aos cristãos, onde muitos têm pago com o próprio sangue para não negarem a fé em Jesus.
No Brasil, em especial no Nordeste, muitos foram os relatos de perseguição no passado, onde muitas Igrejas foram apedrejadas, principalmente no interior da região.
Hoje temos assistido ao surgimento de outro tipo de perseguição.
São leis que estão sendo preparadas e que, caso aprovadas, farão ressurgir o fantasma da perseguição, discriminação e preconceito, que no passado assolou muitos cristãos no Brasil.
Parte da grande mídia tem estado a serviço desses movimentos que visam amordaçar o discurso evangélico no país.
Uma demonstração de tudo isso se deu na última quarta-feira, dia 12, onde em horário nobre a Rede Globo veiculou em uma de suas novelas (Duas Caras), uma das cenas mais discriminatórias e preconceituosas que se tem notícia na TV brasileira

(http://duascaras.globo.com/Novela/Duascaras/Capitulos/0,,AA1674499-9156,00.html).

No capitulo da referida novela é mostrado uma turma, sendo comandada por um grupo de “evangélicos”, se dirigindo a uma casa onde dois homens e uma mulher mantêm um suposto triângulo amoroso — sendo um deles gays.

Na cena vemos os “evangélicos” de Bíblia na mão e uma das “irmãs” gritando: “Nós vamos tirar o demônio de seu corpo e vai debaixo de pau e pedra”.

Em outro momento se ouve uma delas dizer: “Eu sou a mão da força divina”.

Daí, em certo momento, uma das “evangélicas” atira uma pedra na direção da mulher que estava sendo acusada de manter a aventura amorosa com os dois homens.

Depois, ocorre a invasão da casa, onde os “crentes” gritam:

“Quem não quiser arder no fogo do inferno me siga”. O desfecho da cena é lamentável. A “crente” por nome de Edvânia de faca na mão esfaqueia o colchão dizendo: “O sangue de Jesus tem poder”.
Mas o que mais chamou a atenção foi quando um dos homens que é apresentado como suposto homossexual, ao ser agredido, gritou: “O pecado está no preconceito, na intolerância, na violência”.

Foi aí que revelou-se a intenção da referida cena.
Essa frase dita pelo suposto gay é um dos chavões do movimento gay no Brasil, geralmente usada contra a Igreja Evangélica, que fundamentada na Bíblia repudia tal comportamento. Tudo isso faz parte da campanha que visa sensibilizar nossas autoridades para aprovação da denominada “Lei da Mordaça”, a dita lei anti-homofobia (PLC 122/2006 E PL 6418/2005).

Tudo isso também faz parte de uma campanha ardilosa que visa jogar a opinião pública contra a Igreja e seus líderes, tachando-os de preconceituosos e intolerantes.
Todo o Brasil sabe da contribuição dada pela Igreja Evangélica ao país.
Nosso povo também sabe que cenas como as que foram apresentadas nesta novela não condizem com a realidade.
Onde já se teve notícia de que evangélicos insuflaram as massas contra os gays no Brasil?
Muito pelo contrário: temos sim é pregado o arrependimento, o amor e o perdão para com essas pessoas, em relação Deus.
A Rede Globo agiu de forma maliciosa, discriminadora, preconceituosa e pejorativa em relação a todos os cristãos evangélicos de nossa nação, retratando-nos como fanáticos que desejam impor seu pensamento e seu estilo de vida à sociedade.
São fatos como esse que nos fazem acender a luz amarela e percebermos que estamos caminhando para tempos de perseguição religiosa em nosso tão amado e querido Brasil. Lamentável.

Fonte: VINACC

Pastor de Obama denuncia os Estados Unidos

Jim Brown

OneNewsNow — 14/3/2008

Por muito tempo, o senador Barack Obama, candidato do Partido Democrático à presidência dos EUA, esteve ligado ao pastor Jeremiah Wright, que é seu conselheiro espiritual.
Agora, esse relacionamento vem sendo intensamente examinado por alguns meios de comunicação.
Os canais de TV ABC, MSNBC e Fox News estão mostrando trechos de algumas das pregações do Pr. Wright, inclusive uma mensagem de 2003 em que ele denunciou os Estados Unidos pelo seu tratamento dos negros.
“O governo lhes dá drogas, constrói prisões maiores e então quer que cantemos ‘Deus Abençoe os EUA’”, grita Wright. “Nada de Deus Abençoe os EUA — Que Deus mande os EUA para os quintos do inferno por matar pessoas inocentes”.
Wright também escandalizou as pessoas por afirmar que o Sionismo tem um elemento de “racismo branco”.

Além disso, ele acusa o governo de infectar os americanos negros com o HIV.
Clenard Childress, pastor negro e fundador do site BlackGenocide.org, diz que Wright tem um longo histórico de retóricas de ódio aos EUA e de deboche a todos os que não concordam com suas opiniões radicais.

“A hipocrisia é que ele muitas vezes fala das políticas americanas que mataram pessoas, mas ele e Barack Obama apóiam a agenda da indústria do aborto”, observa ele.

“[A indústria do aborto] faz os negros de alvo e matou muito mais do que o ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 ou muitas das outras atrocidades que ele menciona”.
Além de todas as suas pregações radicais, o pastor de Obama declarou que Jesus era um homem negro que foi morto por pessoas brancas ricas.

Traduzido e adaptado por Julio Severo

FINAL DOS TEMPOS - Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia

Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia Segundo relato da vítima à políc...