quinta-feira, 13 de março de 2008

As Maldições das Festas Juninas

As Maldições das Festas Juninas

A Bíblia diz : " ...que não comam comidas oferecidos aos ídolos" Atos 15:20 " ... aqueles que oferecem alimentos a estes ídolos, estão unidos no sacrifício aos demônios, e não a Deus, não quero que sejais participantes com os demônios." I Cor. 10:20 " ... não podeis beber o cálice do Senhor (Santa Ceia) e o cálice dos demônios : não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios" I Cor. 10:21 "... mas se alguém disser: esta comida foi oferecida aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu, e por causa da consciência." I Cor. 10:28

As FESTAS JUNINAS têm este nome por serem realizadas no mês de Junho.
Cada festa tem um fim específico:

1.FOLCLORE

Folclore é o conjunto de tradições, lendas e crenças de uma região expressas em canções, provérbios e contos.
Seu objetivo é divulgar as tradições dos antepassados.
As Escolas, "em nome da cultura", incentivam esta festa por meio de trabalhos escolares, tarefas, etc...
A criança que não tem como se defender aceita esta festa, pois se sente na obrigação de respeitar a professora que lhe impõe estes trabalhos escolares (sobre festa Junina), e em alguns casos é ameaçada com notas baixas - a professora, na maioria das vezes, é devota de algum santo, simpatizante ou praticante da religião Católica, que é a maior divulgadora desta festa.
Neste momento de mescla entre folclore e religião, a criança -inocente por natureza - rapidamente se envolve com as músicas, brincadeiras, comidas e doces.
Aliás, não existiria esta festa não fosse a religião. Inclusive existe a competição entre clubes, famílias ou grupos para realizarem a maior ou a melhor festa junina da rua, do bairro, da fazenda, sítio, etc...

2. RELIGIOSO

A maioria destas festas é realizada para se pagarem ou fazerem promessas a algum santo ou padroeiro (protetor) cuja data seja celebrada na referida época -Santo Antônio, São Pedro, São João e outros mais.
A Igreja Católica é incentivadora -daí o teor religioso da festa Junina, pois nestas festas ocorrem rezas, canções e missas; as comidas e doces são oferecidos a estes santos -
claro que os que comem não são os santos, mas os que participam desta festa.
Este procedimento de "oferecer comida aos santos" é muito parecido aos despachos espíritas nos cemitérios e encruzilhadas; talvez a diferença seja o local da "festa".

REFUTAÇÃO

1.FOLCLORE

O Brasil é o maior país agrícola do mundo.
Até conhecemos aquela frase elogiando as terras brasileiras, nas quais "... em se plantando tudo dá".
No entanto (pasmem), o governo está importando (isto é, comprando) de outros países arroz, feijão, trigo, café, cacau.
Era para estar exportando, vendendo, aumentando o capital, e não comprando, pois temos terras deexcelente qualidade.
Um dos problemas da falta de produção agrícola é a desvalorização do "homem do campo", que é humilhado nas festas juninas, em suas danças de quadrilhas, e tido como um coitado.
Pergunto: que criança diria "quando crescer quero ser um caipira, ou homem do campo, com as roupas remendadas, na miséria"?
As crianças querem ser médicos, professoras, atrizes, pois estes não são humilhados nas festas juninas.
As Festas Juninas são para humilhar as pessoas do campo; o caipira, quando não é banguela, é desdentado, seu andar é torto, corcunda por causa da enxada, a botina é furada, suas roupas são rasgadas e remendadas, uma alusão ao espantalho! -
pois talvez seja assim que os grandes latifundiários vêem o caipira, e essa visão é reproduzida por nossas crianças nas Escolas. Se isto é

FOLCLORE, CULTURA,

não quero; agradeço; se lambuzem os que gostam de humilhar os outros.
A Bíblia diz que "o que escarnece (humilha) do pobre insulta ao que o criou" (Pv. 17:5).
Disso decorrem problemas urbanos graves como o favelamento e os menores abandonados, pois como os "caipiras" não conseguem sobreviver no campo, pensam que na cidade encontrarão trabalho. A esse processo dá-se o nome de "Êxodo Rural".
E o nosso país agrícola é desmatado, onde só se planta pasto para boi gordo, e expulsa o homem do campo, o caipira das festas juninas. 2.

RELIGIOSO

Esta escrito que "há um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo" (I Tm 2:5).
Se pudermos pedir diretamente a Deus, por meio do Senhor Jesus Cristo, o único MEDIADOR, não precisamos pedir ou louvar aos santos, pois só Deus é o único digno de receber todo louvor.
Não temos nada contra os santos - pelo contrário, São Paulo, São Pedro, São João e outros nos deixaram epístolas, evangelhos e doutrinas.
A Bíblia é contra a veneração das pessoas dos santos, que são humanos mortais.
O próprio São Paulo recusou adoração (At 14:11-15).
Quando adoramos a Deus, somos abençoados; os que adoram aos ídolos, são amaldiçoados. Aqueles que participam da Festa Junina, além de humilhar e escarnecer do homem do campo, é amaldiçoado pelos demônios que recebem as comidas, doces e danças.
Pois está escrito que "... aqueles que oferecem alimentos a estes ídolos estão unidos no sacrifício aos demônios, e não a Deus, não quero que sejais participantes com os demônios".(I Co 10:20).

Matéria escrita pelo
Pr. Afonso Martins pastorafonso@ig.com.br

obs. quando fizerem comentarios,por favor deixem um email para resposta. abraços.

Xuxa e os duendes

Xuxa e os duendes

Ela esta de volta com mais uma saga cheia de mistérios e vilões que enaltecem sua própria pessoa. É claro, estamos falando de Xuxa e seu novo file –
Xuxa e os Duendes.
Nessa minuta sobre o referido filme, reservo-me em observar a questão
“espiritual” do assunto.
Acredito que críticas na área cinematográfica e artística é para críticos mais especializados, embora eles sempre dizem algo como:

“Duendes, como Pop Star, ganhou apelo extra com a participação de figuras consagradas da tevê. De Gugu a Luciana Gimenez, há na produção um verdadeiro dream team do apelo popular.
Como Kira, Xuxa não está muito diferente do papel que faz desde Super Xuxa Contra o Baixo Astral (1988).
Agora, além de amiga das crianças e protetora da natureza, é também defensora dos duendes. Apesar dos tropeços, o filme mantém uma frágil linha narrativa, pré-requisito ausente em Xuxa Requebra e Xuxa Popstar...
Efeitos especiais complementam o clima de fantasia, numa produção que custou ao todo R$ 4,5 milhões, com o aval do Ministério da Cultura”.
Enfim, essa é a crítica cotidiana que Xuxa recebe de seus filmes! Nossas atenções devem se voltar para o lado principal enfocado no filme, o esoterismo.
Fantasias e contos para crianças são uma coisa, mas quando uma referência artística do nível de Xuxa afirma: “É necessário ter permissão para falar de duendes.
É preciso acreditar.
Por isso, eu perguntei à Marlene se ela acredita.
Não para dizer ´Oba! Você é da minha turma´ , mas para ter a certeza de que tudo vai dar certo, senão, a luz não funciona, o som não funciona, nada funciona...
Fiz um especial de fim de ano que mostrava os anões do Papai Noel e nada funcionou.
Tudo dava errado.
Tive de pedir permissão a eles para continuar...”.
Ela está afirmando categoricamente que crê nessas lendas, vejam que o texto extraído acima é de uma entrevista dada a um jornal sério e não uma estória contada para que crianças acreditem

– A QUESTÃO É QUE XUXA BOTA FÉ MESMO NISSO!

Ela chega a admitir: “... No meu quarto vi a cabeça do duende olhando e rindo pra mim..
Minha admiração pelos duendes não é mais uma lenda, mas se tornou agora para mim uma crença.”.
Se isso é magia e contos pra crianças, significa que Xuxa é o que?
Adultos que acreditam em coisas de guri precisam é de um analista!
Mas quem são esses duendes que Xuxa tanto venera?
Teriam eles algo realmente de divino?
Seriam realmente especiais? Os Duendes “Presente em várias mitologias e crenças populares, os duendes evocam um mundo de florestas e riachos sombrios, dominados por misteriosas forças naturais.

Duende é uma criatura fantástica descrita como miniatura de gente ou anão, em geral dotada de grande inteligência e com poderes mágicos, entre os quais a capacidade de tornar-se invisível. Corresponde ao elfo e outros seres da mitologia nórdica.
Na tradição germânica, predominam as versões segundo as quais os duendes usam seus poderes com intenção maligna e podem suscitar enfermidades, pesadelos ou desgraças.
Também conhecidos em português como gnomos, são apresentados como habitantes de cavernas subterrâneas e que têm deformidades físicas.
Em muitas das histórias de duendes, este rouba crianças para substituí-las por seus filhos, deficientes e corcundas.
As características negativas, no entanto, nem sempre estão presentes:
há também os duendes bondosos, travessos e inspiradores de boas ações.
Em outros casos, confundem-se com espíritos do além, que causam transtornos domésticos, mudam objetos e móveis de lugar e perturbam o dia-a-dia das pessoas”.
(Definição extraída da Barsa).
A Barsa define que “os duendes evocam um mundo de florestas e riachos sombrios” –
A Bíblia diz: “pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os principados, contra as potestades, conta os príncipes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniqüidade nas regiões celestes” (Ef.6:12); “os duendes usam seus poderes com intenção maligna e podem suscitar enfermidades, pesadelos ou desgraças” –
“Naquela mesma hora, (Jesus) curou a muitos de doenças, de moléstias e de espíritos malignos” (Lc. 7:21 – parênteses nosso);
“Em muitas das histórias de duendes, estes roubam crianças...”;
O ladrão (diabo) não vem senão para roubar, matar e destruir” (Jo.10:10 – parênteses nosso); “os duendes são espíritos do além” – “
Pois são espíritos de demônios, que operam sinais; os quais vão ao encontro dos reis de todo o mundo...” (Ap.16:14).
Firmados na Palavra de Deus, podemos assegurar que os duendes são espíritos de demônios! Acreditar em duendes e invocá-los é uma prática espúria e desagrada profundamente o nosso Deus!
Todas etimologias dessas criaturinhas estão envolvidas com as trevas.

Devemos proteger nossos filhos e não deixar que ao crescer se tornem pessoas que venham a ter sensibilidade ao esoterismo/espírita e aos demônios
Precisamos acordar para essas questões de nível espiritual. Criança é fidedigna no que aprende e seu caráter no futuro será moldado pelos paradigmas que a ela são apresentados hoje! Precisamos ensina-las no caminho do Senhor:
“Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele” (Pv. 22:6).
O futuro do cristianismo está em nossos filhos! Oremos pelas nossas crianças, oremos também pela vida de Xuxa! Enfim – OREMOS!

por:
Prof. João Flávio Martinez

Movimentos Homossexualismo

Movimentos
Homossexualismo


Matéria extraída de uma ou mais obras literárias.
A Bíblia e o Homossexualismo

O tema homossexualidade nunca foi tão explorado pela mídia como atualmente.
Na televisão, os programas de auditório recebem militantes gays para entrevistas e debates sobre suas conquistas e promoção de seus eventos.
Novelas e filmes também exaltam a homossexualidade. Rádios, jornais e revistas abriram-se para a questão.
O assunto está sempre na ordem do dia.
Os acalorados debates atravessam muitas perspectivas quando o assunto é a homossexualidade: psicológica, sociológica, ética e, a mais polêmica, a religiosa.
As posturas são as mais diversas. A Igreja Evangélica, entretanto, mesmo não sendo favorável à prática homossexual, acredita que os homossexuais devem ser acolhidos, receber compaixão e ouvir a palavra de Deus.
As Sagradas Escrituras prometem transformação para todo e qualquer pecador que se arrependa dos seus pecados e creia em Jesus Cristo.

POSIÇÃO BÍBLICO-TEOLÓGICA DA IGREJA EVANGÉLICA

A Igreja Evangélica tem uma postura bem firme quanto à questão da homossexualidade. Apesar de lançar mão de argumentos psicológicos, científicos, sociológicos e éticos, é da Bíblia Sagrada que retira o substrato para nortear sua compreensão teológica e suas ações práticas.
Tanto no Antigo como no Novo Testamento, a Bíblia faz menção aos atos homossexuais.
A primeira referência ao homossexualismo está no livro de Gênesis, quando os habitantes das cidades Sodoma e Gomorra tentaram violentar sexualmente dois anjos com aparência humana. Assim a Bíblia menciona, em Gênesis 19, a exigência dos homens da cidade que tentavam invadir a casa de Ló, onde os anjos se hospedaram: “Onde estão os homens que, à noitinha, entraram em tua casa?
Traze-os fora a nós para que abusemos deles.” Analisando a história de Sodoma e Gomorra, o escritor Joe Dallas faz a seguinte afirmação: “Houve uma tentativa de estupro homossexual, e os sodomitas com certeza eram culpados de outros pecados além do homossexualismo.
Mas, tendo em vista o número de homens dispostos a participar do estupro, e as muitas outras referências - tanto bíblicas como extra-bíblicas - aos pecados sexuais de Sodoma, é provável que o homossexualismo era amplamente praticado entre os sodomitas. Também é provável que o pecado pelo qual eles são chamados foi um dos muitos motivos porque o juízo final caiu sobre eles.” Outra passagem do Antigo Testamento que refere-se à prática homossexual, encontra-se no capítulo 19 do livro de Juízes.
Os homens da cidade de Gibeá também tentaram violentar sexualmente um homem que se hospedou na casa de um velho agricultor.
A passagem relata o seguinte: “eis que os homens daquela cidade, filhos de Belial, cercaram casa, batendo à porta; e falaram ao velho, senhor da casa, dizendo: Traze para fora o homem que entrou em tua casa, para que abusemos dele.
O senhor da casa, saiu a ter com eles, e lhes disse: Não, irmãos meus, não façais semelhante mal; já que o homem está em minha casa, não façais tal loucura. (...) Porém aqueles homens não o quiseram ouvir...” Para o pesquisador e escritor Júlio Severo não há nenhuma dúvida de que essa passagem da Bíblia também se refere à homossexualidade. Severo afirma que os judeus - por não terem eliminado de seu meio os costumes dos povos pagãos - acabaram sendo influenciados por eles e sofrendo graves conseqüências sociais e morais: “O fato é que os costumes dos cananeus que habitavam no meio do povo de Benjamin acabaram minando toda sua resistência moral. O homossexualismo, que era comumente praticado nas religiões cananéias, foi aos poucos sendo introduzido na vida social do povo de Deus. “Como conseqüência, as ruas de Gibeá deixaram de ser seguras.
Nelas, agora, rondavam estupradores homossexuais. Foi por isso que o velho se dispôs a acolher os viajantes em casa. Ele quis protegê-los de um eventual abuso sexual.” Segundo Júlio Severo, os habitantes da cidade de Gibeá colocaram-se ao lado dos seus cidadãos homossexuais e sofreram graves conseqüências.
Ele considera a história de Gibeá um alerta para os cristãos dos dias de hoje pois, segundo afirma, esses também são suscetíveis de abrigar o pecado em suas comunidades: “Para que toda influência homossexual fosse arrancada do meio do povo de Deus, o Senhor ordenou que os benjamitas fossem combatidos.
Na guerra que se seguiu, morreram quarenta mil soldados de Israel e vinte e cinco mil de Benjamin, sem mencionar as vítimas civis, que foram em número muito maior. “A tragédia moral de Gibeá é um alerta para a comunidade cristã de todos os tempos.
Ela mostra que não só a sociedade secular, mas também os próprios crentes são suscetíveis de perder a aversão pelas opiniões e práticas sexuais erradas.
O ex-povo de Deus de Gibeá foi destruído porque não amou a Palavra do Senhor, nem obedeceu a ela.” Há, ainda, no antigo Testamento duas passagens muito claras a respeito do homossexualismo. São Levítico 18:22 2 Levítico 20:13 que dizem o seguinte, respectivamente: “Com homem não te deitarás como se fosse mulher; é abominação” e “Se também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável; serão mortos; o seu sangue cairá sobre eles”.
Analisando as declarações acima, os teólogos John Ankerberg e John Weldon chegaram à seguinte conclusão: “todo o contexto de Levítico 18 e Levítico 20 é principalmente de moralidade, e não de adoração idólatra. Nesse caso, em Levítico 18.1-5 Deus informa aos israelitas que não devem imitar as práticas malignas dos cananeus, mas devem ser cuidadosos em obedecer às leis de Deus e seguir as Suas determinações.
Deus está expulsando os cananeus, não por sua idolatria, mas por suas práticas sexuais abomináveis.
Na realidade, o restante do capítulo descreve quase todas as práticas malignas como pecados sexuais: relações sexuais proibidas entre membros da família, relação sexual durante o ciclo menstrual de uma mulher, homossexualidade e depravações.
O restante do capítulo consiste em advertências convincentes para não serem contaminados por tais práticas. Por isso, Deus ordena no versículo 24: ‘Com nenhuma destas coisas vos contaminareis.’” No Novo Testamento a homossexualidade também é abordada de forma clara em três momentos: Rm 1, 1 Co 6.9 – 11 e 1 Tm 1.8 - 11.
As três referências são feitas pelo apóstolo Paulo. As principais passagens que abordam a questão homossexual, no entanto, encontram-se nas cartas do apóstolo endereçadas às igrejas de Roma e da cidade de Corinto, na Grécia. Tanto em Roma como na Grécia antiga, o homossexualismo era uma prática comum.
Era, ainda, considerado imagem ideal do erotismo e modelo de educação para os jovens. Contudo, apesar da prática homossexual ser considerada normal em Roma, o homossexualismo passivo desonrava os romanos, que eram educados para serem ativos, serem senhores.
A posição passiva era reservada para os escravos e para as mulheres, para os quais, aliás, era um dever.
A História registra que dos quinze primeiros imperadores de Roma, só Cláudio era exclusivamente heterossexual.
Mas foi o imperador Júlio César que ganhou a fama, só sendo tolerado pela posição que ocupava e por suas conquistas bélicas. Dele diz-se que “era homem de todas as mulheres e mulher de todos os homens”.
A palavra lésbica vem da ilha de Lesbos, na Grécia, onde vivia uma poetisa e sacerdotisa chamada Safo. Ela iniciava mulheres no homossexualismo (daí os adjetivos lésbica ou mulheres sáficas).
As palavras sodomitas e efeminados usadas em 1 Co 6.9 têm significados distintos: sodomita vem do pecado de Sodoma e tornou-se sinônimo universal de homossexualismo ativo (quando o homossexual faz o papel de “marido” na relação com outro homem); e efeminado é quando o homossexual faz o papel de passivo (ou seja, o de “mulher” na relação sexual com outro homem) e, também, quando tem trejeitos femininos ou gosta de vestir-se com roupas de mulher (no caso de travestis).
Esse era exatamente o contexto em que o apóstolo Paulo vivia quando escreveu a primeira referência bíblica do Novo Testamento sobre o homossexualismo, dirigindo-se à igreja de Roma. Usando a autoridade que tinha de pregador da Palavra de Deus, ele não fez distinção entre homossexualismo ativo ou passivo.
Afirmou, sim, que o homossexualismo contrariava os propósitos morais, sexuais, sociais e espirituais de Deus para homens e mulheres.
Depois de afirmar que os romanos haviam trocado a verdade de Deus pela mentira, ele declarou em Romanos 1.26 e 27: “porque até as suas mulheres trocaram o modo natural de suas relações íntimas, por outro contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo em si mesmos a merecida punição do seu erro.” John Ankerberg e John Weldon analisam essa afirmação de Paulo ressaltando que, ao contrário da interpretação de alguns simpatizantes da causa homossexual, esses dois versículos são revelações claras de que o apóstolo referia-se à homossexualidade: “Paulo está simplesmente condenando a homossexualidade em si.
As definições dos dicionários para as palavras que Paulo usa - pathe aschemosune etc - claramente se referem à atividade sexual. (...)
As descrições feitas pelo apóstolo Paulo são também dignas de nota. O livro de Romanos fala de homossexuais queimando-se em lascívia uns pelos outros.
No inglês, a New American Standar Version diz: ‘queimados em seus desejos’; a NVI traduz: ‘estavam inflamados em lascívia’, e a Amplified diz: ‘estavam em chamas (queimados, consumidos) pela lascívia.’”
A outra menção à homossexualidade - considerada por muitos evangélicos a mais importante da Bíblia, por mostrar que homossexualismo é uma pecado como qualquer outro mas, principalmente, que homossexuais podem mudar - é encontrada na carta de Paulo dirigida à igreja de Corinto.
Essa cidade pertencia à Grécia antiga onde, à semelhança de Roma, o homossexualismo era celebrado e também praticado por filósofos e poetas.
Na adolescência, os rapazes gregos deixavam a casa de seus pais e se tornavam amantes de homens adultos. Corria que essas práticas sexuais faziam parte de um relacionamento afetivo e educacional em que os jovens eram ensinados a trilhar os caminhos da virilidade.
O apóstolo Paulo, porém, mesmo conhecendo muito bem a cultura da Grécia, faz uma leitura diferente do pensamento corrente na época, em 1 Coríntios 6.9 a 11: “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus?
Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus.
Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados, em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.”
Comentando essa passagem bíblica, Bob Davies e Lori Rentzel (conselheiros de um ministério de ajuda a quem está deixando o homossexualismo nos EUA) reconhecem o mesmo teor de proibição das práticas homossexuais de muitos teólogos.
Eles, porém, têm uma informação relevante àqueles que acham que a Bíblia só condena os homossexuais: “há evidências bíblicas explícitas de que Deus pode transformar a vida de uma pessoa envolvida nesse comportamento. (...)
Paulo conhecia antigos homossexuais na igreja de Corinto! Portanto, a mensagem de que o homossexualismo pode ser mudado não é nova; os homossexuais têm experimentado transformações desde que a Bíblia foi escrita.”

Autor deste artigo: por João Luiz Santolin (MOSES)

Este artigo é um trabalho compilado.
Clique aqui para entrar em contato com o autor

FINAL DOS TEMPOS - Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia

Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia Segundo relato da vítima à políc...