sexta-feira, 7 de março de 2008

Citar a bílbia contra o homossexualismo pode ser crime

Citar a bílbia contra o homossexualismo pode ser crime


Fonte: Revista Graça/ Show da Fé, ano 7 - nº 94


Em meados de março/07, enquanto o Brasil inteiro discutia quando, finalmente, o jogador Romário faria seu milésimo gol, outro debate, bem menos acalorado, mas envolvendo a violação do direito de alguns milhões de brasileiros, acontecia quase silencioso em uma das comissões do Senado Federal.

A comissão era a de Direitos Humanos (CDH) e o projeto de lei em questão o PL 5003B/2001, que, no Senado, ganhou a numeração 122/2006.
Nascido na Câmara pelas mãos da então deputada Iara Bernardes (PT-SP), foi aprovado naquela casa no apagar das luzes da última legislatura – mais precisamente no dia 23 de novembro de 2006 - com um pequeníssimo quorum.
O projeto, mais conhecido como Lei da Homofobia, prevê justa punição de indivíduos violentos e insanos que se sentem no direito de insultar ou molestar outros cidadãos apenas em função da sua raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero -, embora o Código Penal já o faça há muito tempo.
Entretanto, possui alguns pontos polêmicos, inclusive inconstitucionais. Seu artigo 20, por exemplo, estabelece como crime o praticar, induzir ou incitar a discriminação, envolvendo a prática de qualquer ação violenta, constrangedora, intimatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica.
Trocando em miúdos, o que esse artigo quer dizer é que qualquer brasileiro será considerado um criminoso se criticar ou manifestar-se contrário à prática da homossexualidade.
O projeto nº 122/2006 (numeração do Senado) restabelece o delito de opinião, que é uma das formas mais execráveis de opressão. […]
O direito de não considerar natural, próprio e conveniente, ou de qualificar como moral, filosófica ou psicologicamente inaceitável o comportamento homossexual não seria mais tolerado, observou o jurista Célio Borja, Mininstro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF), no artigo intitulado A liberdade de pensar e julgar a homofobia.Sobre o mesmo ponto do projeto de lei, o filósofo e escritor Olavo de Carvalho escreveu em sua coluna no Jornal do Brasil de 29 de março de 2007: O movimento gay planeja tornar o homossexualismo, por lei, a única conduta humana superior às críticas.
É a pretensão mais arrogante e ditatorial que algum grupo social já acalentou desde o tempo em que os imperadores romanos se autodenominaram deuses.Campanha na InternetNa opinião de alguns juristas, o projeto pode abrir precedentes jurídicos perigosos.
Quem se o próximo passo não será proibir a utilização da Bíblia, já que, em uma passagem, São Paulo recrimina a conduta de homens que se deitam com homens? […] É a face mais horrenda do totalitarismo: o Estado decretando uma suposta “verdade absoluta” – o homossexualismo é uma virtude – e proibindo qualquer oposição a essa “verdade” (sob pena de prisão), nada importando que a posição seja de cunho moral, ético, filosófico ou religioso, afirma o promotor de Justiça, Cláudio da Silva Leiria, em artigo publicado no site Ponto Jurídico.

Para o advogado evangélico Zenóbio Fonseca, o projeto entra em conflito direto com os princípios irrevogáveis de garantia às liberdade de pensamento, de consciência e de religião expressos no Artigo 5º da Constituição Federal e, por isso, deveria ser sumariamente arquivado.“À luz do artigo 20, parágrafo 5º do projeto de lei, as pessoas que pregarem a Bíblia – valores éticos, morais, filosóficos ou psicológicos – poderão ser enquadrados e penalizados pela lei anti-homofobia.
O fato é tão cristalino que já existe, no Brasil, psicólogo evangélico sendo processado por ajudar pessoas, em crise emocional, a deixarem a vivência da homossexualidade. Estamos a um passo de uma possível perseguição religiosa por expressar a fé e seus valores genuínos”, analisa o advogado, um dos responsáveis pela campanha deflagrada pela Internet, no mês de março, que mobilizou centenas – talvez milhares – de evangélicos e outros cristãos do Brasil contra a aprovação do projeto na CDH do Senado.
Seu artigo A criminalização da homofobia no Brasil e as igrejas cristãs, amplamente divulgado via mensagem de correio eletrônico, ajudou a despertar cristãos e lideranças evangélicas para a tramitação do projeto que corria praticamente à surdina.
A campanha incentivava os cidadãos a escreverem e-mails e telefonarem aos gabinetes dos senadores alertando para a gravidade da matéria que seria votada na CDH no dia 15 de março.
Não é possível mensurar todo o alcance do movimento, mas o fato é que, no dia marcado para a votação do projeto na comissão, sua relatora, a senadora Fátima Cleide (PT-RO) – que dera parecer favorável à redação do texto -, pediu a retirada da matéria da pauta para que a comissão pudesse analisá-la melhor.“Isso ocorreu em razão de diversas manifestações da sociedade que chegaram ao meu gabinete e também aos dos senadores membros da CDH. Foram manifestações que tratavam de diversos artigos do projeto.

Então, pedi a retirada para dar a oportunidade às pessoas, inclusive senadores que não são membros da CDH, de apresentarem suas sugestões”, explica Fátima Cleide.

Para o escritor evangélico Júlio Severo, autor do livro O movimento homossexual (Editora Betânia) e um dos responsáveis por deflagrar a campanha dos e-mails, a participação dos cristãos foi decisiva nesse processo.“A mobilização evangélica, com e-mails e telefonemas, ajudou a provocar uma pausa necessária.
A partir do momento em que um alerta sério é veiculado pela internet, espalham-se as fagulhas, o fogo cresce e ninguém tem controlo sobre o incêndio.
Muitos evangélicos e católicos estão se mobilizando contra o projeto anti-homofobia por perceberem que as implicações, cedo ou tarde, atingirão em cheio sua liberdade de expressar o que a Bíblia diz sobre o homossexualismo e também sua liberdade de tratar o homossexualismo do jeito que a Bíblia trata.”Caminho perigosoDepois de retirado da pauta da CDH, o projeto passou a se analisado por um Grupo de Trabalho (GT), composto por alguns parlamentares. Os senadores Flávio Arns (PT-PR), Gilvam Borges (PMDB-AP), Paulo Paim (PT-RS), Geraldo Mesquita Júnior (PMDB-AC), Demóstenes Torres (DEM-GO) e Marcelo Crivella (PRB-RJ), integrantes do GT, foram procurados por nossa reportagem, mas somente Torres e Crivella responderam às perguntas da redação.

Para o senador Marcelo Crivella, o projeto de lei conduz a sociedade a um caminho perigoso. “Antigamente, homossexualismo era uma coisa escondida. Depois, passou a ser tolerável. Hoje é enaltecido. Com esse projeto, passa a ser protegido até de críticas.

Temo que um dia se torne obrigatório”, ironiza o senador.Segundo Crivella, seu trabalho no GT consistia em tentar conscientizar seus colegas da inconstitucionalidade da matéria, por não respeitar o direito de opinião de quem é contrário ao homossexualismo e por poder interferir em questões de fé. “É inaceitável que uma lei proíba um sacerdote, seja católico ou protestante, de pregar do púlpito que o homossexualismo é pecado.

É inaceitável também, que a lei tente interferir no direito de uma congregação de afastar um padre ou pastor, que, optando pelo homossexualismo, contrarie os princípios pelos quais se apóia a convenção religiosa daquela igreja”.
Seu colega Demóstenes Torres discorda.“O que o projeto de lei busca proibir é a discriminação à pessoa. O entendimento religioso de censura acerca de determinada prática ou condição não será considerado crime. Condenar o homossexualismo é diferente de condenar (discriminar) o homossexual”, minimiza.Seja como for, o fato é que os congressistas parecem ter pressa em relação à votação do projeto.
O presidente da CDH, senador Paulo Paim, afirmou, segundo nota veiculada em sites dirigidos ao público homossexual, que o PL 122/2006 seria votado em 15 dias a contar da data da instalação do GT (29 de março) com ou sem acordo entre os parlamentares contrários e favoráveis ao texto.A senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), relatora do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) – para onde as matérias seguem, se aprovadas na CDH – já teria até um esboço de parecer favorável ao projeto de lei recomendando sua aprovação.Se for aprovado nessas comissões, o projeto será levado ao plenário do Senado.

Se não houver modificações, irá à sanção do presidente da República. Até o fechamento desta edição, a matéria permanecia no CDH, mas a julgar pela pressa tão incomum dos parlamentares para aprová-la – tantos outros projetos de lei de interesse nacional levam vários anos nas comissões até serem aprovados -, é possível que, ao ler essa reportagem o leitor já esteja vivendo em um país no qual a liberdade de opinião, de expressão e – quem sabe – de crença, jazam sufocadas pela bandeira do arco-íris.

Perseguição religiosa: Fome e medo após incêndio em 90 igrejas e centenas de casas

Perseguição religiosa: Fome e medo após incêndio em 90 igrejas e centenas de casas

O distrito de Kandhamal, no Estado de Orissa, permanece sob tensão 10 dias após uma série de ataques anticristãos terem começado, e milhares de cristãos cujas casas foram incendiadas estão enfrentando fome e medo. Eles pedem orações de irmãos em todo o mundo. “Cristãos locais que fugiram para as montanhas por temerem por suas vidas começaram a voltar devido à ostensiva presença da polícia e de seguranças pessoais”, disse o pastor Victor John.
O pastor foi à vila Udaigiri, na área de Mallikapur, em Kandhamal, como pregador convidado pela igreja batista no dia 24 de dezembro, dia em que começaram os ataques pelos extremistas hindus do Vishwa Hindu Parishad (Conselho Mundial Hindu ou VHP). Victor John disse ao Compass que a atmosfera ainda está tensa apesar do deslocamento das tropas. “Eu estou planejando voltar para minha casa no Estado de Chhattisgarh, mas é muito arriscado”, declarou ele em um claro tom de nervosismo. “Preciso de orações.” Um policial disse ao Serviço de Notícias Indo-Asiático (IANS) que apesar de não terem relatos de violência nos últimos dias, “a situação continua crítica”.
O IANS também declarou que pelo menos três casas foram queimadas em três ataques distintos no último dia 31 de dezembro nas vilas de Rabingia, Barpada e Daringbadi. Saldo dos ataques De acordo com um memorando submetido à Comissão Nacional de Direitos Humanos, líderes cristãos disseram que pelo menos 9 pessoas morreram, aproximadamente 90 igrejas foram incendiadas, 600 casas foram destruídas ou queimadas, e 5000 pessoas foram afetadas.
O memorando foi assinado pelo arcebispo católico de Délhi, o reverendo Vincent Concessão; pelo presidente do Conselho Geral dos Cristãos da Índia (AICC, sigla em inglês), Joseph D’Souza; pelo porta-voz da arquidiocese católica de Délhi, reverendo Dr. Dominic Emmanuel; e pelo secretário da Associação Cristã Legal, Lansinglu Rongmei, entre outros.
Dr. John Dayal, secretário- geral da AICC, declarou ao Compass que não há um relato oficial de quantas pessoas morreram nos tiroteios com a polícia, pela violência da multidão ou outros acontecimentos ocorridos durante o período de violência anticristã que começou na véspera de Natal. “Muitas pessoas, incluindo moças, ainda estão desaparecidas”, disse Dayal, que estava visitando o distrito de Kandhamal numa missão de levantamento dos fatos. “Nós não temos informações, e não sabemos se a polícia está procurando por eles. Fomos informados que cristãos foram presos, mas não há nenhuma declaração oficial.
Os arruaceiros parecem estar livres em todo o distrito apesar do toque de recolher noturno”, disse o secretário da AICC.

Dificuldade de acesso, dificulta envio de ajuda Dayal reclamou que nenhum grupo ligado às igrejas teve permissão de visitar as áreas afetadas, então o AICC não pode providenciar apoio psicológico às vítimas traumatizadas.
A polícia pediu que a equipe de Dayal deixasse Kandhamal no domingo (30 de dezembro), mas depois de ir para a capital do Estado Bhubaneswar, ele retornou para as vilas afetadas. “Nós soubemos através de nossos líderes e outras pessoas que se comunicaram conosco que estão acontecendo discriminações na distribuição de ajuda, e que muitas famílias ainda não foram assistidas”, ele acrescentou. "Funcionários do governo não estão ajudando as mulheres", ressaltou Dayal, dizendo que as mulheres deveriam trazer seus maridos ou filhos. “Nós tememos que isso seja uma desculpa para prender os homens”, ele disse.
Resposta violenta a conversões As tensões em Kandhamal começaram no dia 24 de dezembro quando cristãos católicos e protestantes estavam levantando uma tenda para as comemorações de Natal.
Uma multidão liderada pelo VHP deu início ao violento ataque contra os cristãos e suas lojas para protestar contra o plano da celebração (leia mais).
Cristãos locais disseram que o líder do VHP, Swami Laxmananda Saraswati, um conhecido opositor dos cristãos por mais de uma década, estava por trás do ataque. “Foi Saraswati que instigou a multidão a nos atacar”, declarou um cristão de Brahmani pedindo anonimato. “Depois, os cristãos souberam que Saraswati estava vindo para começar novos ataques.
Vários cristãos tentaram impedi-lo no caminho, o que resultou em um confronto entre os dois grupos; depois disso o VHP declarou que seu líder havia sido ferido e anunciou que agora os cristãos seriam atacados como vingança”. Saraswati disse à mídia em 25 de dezembro que a razão para a violência foram as conversões dos cristãos locais. Estima-se que os cristãos sejam 16% do total da população do distrito de Kandhamal.
Pedidos de proteção Cristãos de várias denominações de todo o país fizeram vários comícios para mostrar solidariedade com as vítimas, e se encontraram com líderes políticos, incluindo o primeiro- ministro, pedindo que eles garantissem a segurança dos cristãos em Orissa.
Pedidos por escrito foram submetidos ao primeiro ministro Manmohan Singh, ao presidente Pratibha Patil, ao ministro da Casa Civil, Shivraj Patil, ao ministro-chefe do Estado de Orissa, Naveen Patnaik, e ao governador Murlidhar Chandrakant Bhandare.
Um grupo de autores cristãos pediu um boicote contra o VHP por seu papel nos acontecimentos violentos em Orissa.
O Fórum dos Escritores, que se reúne em seu segundo encontro anual em Panjim, no Estado de Goa, requereu o boicote em um memorando ao presidente Pratibha Patil na segunda-feira (31 de dezembro).
O Fórum acusou os governos federal e do Estado de Orissa de apatia e falta de ação por causa de sua incapacidade de interromper com a violência premeditada, dizendo que os abusos em andamento trazem “prejuízos internacionais para a reputação da Índia”.
A polícia, no entanto, diz que o terreno peculiar da área dificulta seus movimentos e esforços para chegar aos locais de conflito em tempo. "Kandhamal, que tem uma área de 8.021 quilômetros quadrados, tem apenas 15 delegacias de polícia com uma força de 647 policiais, que cuida de uma população de 648.201”, disseram as autoridades ao jornal “Hindustan Times”. publicado em 07/01/08Fonte: Portas Abertas

As Mentiras e as Blasfêmias do Diabólico Bhagavad Gita

Em Suas Santas Escrituras Deus nos adverte a respeito da enganação dos últimos dias. O Senhor Jesus Cristo, ao ser indagado pelos discípulos a respeito do fim, iniciou suas advertências com as seguintes palavras:
"E ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos engane."
Mateus 24:4

O atual New Age Movement (Movimento Nova Era) com sua declarada aceitação dos ensinamentos do Hinduísmo e do Budismo está imerso nos ensinamentos anticristo dos escritos védicos. Mentiras como a reencarnação, lei do karma, unidade com o universo, "eu sou tudo", "a natureza é Deus", o universo é eterno, a terra é uma entidade, e outros absurdos congêneres estão, em grande parte, baseados nos ensinamentos mentirosos e blasfemos do Hinduísmo.
O Budismo é filho do Hinduísmo, e a essência de seus ensinos, como não poderia deixar de ser, é a mesma do Hinduísmo.
Dentre a vasta e desnorteante literatura Hindu figura como um livro de referência para os Budistas o Bhagavad Gita.
O Bhagavad Gita foi adicionado ao corpo de escritos do Hinduísmo após 500 AC, estimando-se que os escritos mais antigos dos Vedas remontem a cerca de 2000 AC.
A antiguidade desses escritos não lhes confere nenhum caráter especial, pois o pai da mentira, Lúcifer, enganou Eva ainda no princípio dos séculos. Assim como o velho diabo não possui nenhuma credibilidade, tampouco possuem os escritos védicos, por mais antigos que possam vir a ser.
As Escrituras de Deus, a Bíblia, nos revelam que Satanás é um ser terrivelmente arrogante e pervertido. Lúcifer desejou ser como Deus e por causa de seus malignos intentos e de sua rebelião foi que Deus o expulsou do céu condenando-o ao tormento eterno no lago de fogo e enxofre.
"Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo. Contudo, serás precipitado para o reino dos mortos, no mais profundo do abismo."
Isaías 14:12-15

"Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos."
Mateus 25:41

O atrevimento do diabo chegou ao ponto de ele ousar, de forma louca e blasfema, tentar o Senhor Jesus Cristo a fim de que Ele se prostrasse aos seus pés:
"Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares."
Mateus 4:8,9

Nesse ponto o Senhor já não mais tolerou tamanho atrevimento e ordenou:
"Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto. Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram."
Mateus 4:10,11

Se Satanás procedeu dessa forma diante do Rei dos reis, que a Si mesmo se fez homem a fim de salvar os homens com seu sacrifício, não é de admirar que o diabo se utilize de meios e de modos arrogantes e blasfemos a fim de seduzir, enganar e de destruir os homens. E o Bhagavad Gita é um desses meios.

Por entre trechos que procuram passar a idéia de sabedoria e de beleza poética se escondem princípios completamente satânicos, assim como quando serpentes se escondem por entre belos e floridos arbustos.

A arrogância e a ousadia blasfema presentes no Bhagavad Gita mostram, de forma inequívoca, que esses escritos foram elaborados sob direta influência do diabo, pois os escritos do Bhagavad Gita são diabólicos do começo ao fim.

Vamos aqui examinar alguns trechos desse livro satânico e confrontá-los com as Escrituras do Deus de Israel.

Bhagavad Gita, Canto 10-8; Fala Krishna: "Eu sou a origem de todo ser, de mim procede a obra do universo. Sabendo disto, os sábios me adoram em amorosa contemplação."

Krishna é um dos milhões de deuses do Hinduísmo e ora é tido como sendo alguém que viveu na terra sendo a reencarnação do deus Vishnu (avatar), ora é tido como sendo um deus cósmico.
Em relação ao verso citado acima, vemos a arrogância e a blasfêmia de alguém arrogando para si a criação do universo. Porém, está escrito:

"Eu fiz a terra e criei nela o homem; as minhas mãos estenderam os céus, e a todos os seus exércitos dei as minhas ordens."
Isaías 45:12

"O nosso socorro está em o nome do SENHOR, criador do céu e da terra."
Salmos 124:8

Vemos ainda no texto blasfemo do B. Gita que o autor daquelas palavras reivindica adoração para Krishna: "os sábios me adoram", exatamente como o diabo faz. Porém está escrito:
"Porque não te inclinarás diante de outro deus; pois o nome do SENHOR é Zeloso; é um Deus zeloso."
Êxodo 34:14

"Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele darás culto"
Lucas 4:8

Agora a seguir um trecho do B.Gita que merece ser comentado:
Bhagavad Gita, Canto 10-10 e 11; Fala Krishna: "A estes homens que se consagram à união mística e me servem com amor. Eu lhes inspiro aquela devoção baseada no conhecimento, através da qual chegam a mim. Movido pela compaixão e residindo em sua alma, dissipo neles as trevas nascidas da ignorância, através da luz refulgente da sabedoria."
O mentiroso Krishna antes reivindica, de modo blasfemo, para si a autoria do universo e adoração, e aqui nesse trecho aponta para o modo como alguém pode servi-lo.
A menção de "união mística" é uma referência ao ocultismo diabólico, marca registrada do Hinduísmo. E o meio sugerido é "o conhecimento" e a "sabedoria".
Esse trecho está em total conformidade com a mentira Hinduísta que assevera que o homem pode "se libertar" dos horripilantes ciclos reencarnacionistas através da obtenção da "consciência" de que "Atman é Brahman".

Segundo o Hinduísmo, somente quando o homem é livre da "ignorância" e aceita sua condição de "um com o todo" é que "evolui" segundo as absurdas regras e "leis do karma".
O Bhagavad Gita ensina a mesma coisa, sendo que para os Budistas, o tal "estado superior" é chamado de Nirvana.

A menção das palavras "amor" e "compaixão" é uma óbvia tentativa de mascarar e de esconder princípios diabólicos entre supostas sugestões de beleza e de justiça.
O que se passa no Bhagavad Gita, na realidade, é a atuação da sugestão diabólica com fins a induzir os homens ao erro de supor que a "sabedoria" do Bhagavad Gita contém algo de divino. De divino não contém nada. Contém de satânico.

Ninguém pode chegar a Deus por modo nenhum, a não ser pelo Filho, como está escrito:
"Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim."
João 14:6

As blasfêmias do Bhagavad Gita prosseguem, como veremos a seguir:
Bhagavad Gita, Canto 10-19; Fala Krishna: "Assim seja: vou enumerar-te meus atributos divinos, ainda que me limite aos principais, ó melhor dos kurus, pois não há limites para minha grandeza."

Porém está escrito:
"Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis"
Romanos 1:20

"Assim diz o SENHOR, Rei de Israel, seu Redentor, o SENHOR dos Exércitos: Eu sou o primeiro e eu sou o último, e além de mim não há Deus."
Isaías 44:6

"Grande é o SENHOR e mui digno de ser louvado; a sua grandeza é insondável."
Salmos 145:3

Agora veremos a declaração reveladora de que Krishna é inimigo de Deus e dos homens:
Bhagavad Gita, Canto 10-34; Fala Krishna: "Sou a morte que tudo arrebata e o nascimento de tudo que adquire vida. Entre os atributos femininos sou a glória, a beleza, a eloqüência, a memória, a inteligência, a constância e a misericórdia."

Sem fugir à regra, aqui a mentira é mascarada por entre palavras como: "glória", "beleza", "inteligência" e "misericórdia". "Sou...o nascimento de tudo que adquire vida" é mais uma asseveração arrogante e blasfema, pois está escrito:
"Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá"
João 11:25

No trecho acima citado do Bhagavad Gita, as unhas da ferocidade da enganação se permitem visualizar com a asseveração: "sou a morte que tudo arrebata".
Em NENHUM lugar das Escrituras o Deus Todo-poderoso, o Criador, afirma que Ele é a morte. Essa afirmação do Krishna do Bhagavad Gita é uma evidência de que esses escritos nada têm a ver com Deus, pois o Senhor afirma que a morte é um INIMIGO:
"O último inimigo a ser destruído é a morte."
1 Coríntios 15:26

Desta forma cai por terra toda a fraudulenta argumentação New Age-Hinduísta de que os deuses do Hinduísmo seriam manifestações do mesmo Deus. Essa argumentação é tão falsa como a que assevera que Deus pode ser encontrado no interior de cada ser humano.
O "sou a morte que tudo arrebata" do Krishna do Bhagavad Gita é uma evidência do caráter anticristo desses escritos.

O Senhor Jesus Cristo se manifestou a fim de vencer a morte, o que foi feito quando de Sua ressurreição de entre os mortos ao terceiro dia após a Sua morte na cruz, onde pagou Ele o preço pelos pecados dos homens.
Conclusão:

O Bhagavad Gita não tem nada de divino.
O Bhagavad Gita não ensina a verdade, mas propaga a mentira.
O Bhagavad Gita está completamente de acordo com os princípios satânicos da arrogância e da blasfêmia.
O Bhagavad Gita é promotor do ocultismo e do satanismo. TODA e qualquer adoração que não seja a do Deus de Israel não procede de Deus e é pecado.
Krishna não tem nada a ver com Deus.
Krishna não é uma manifestação de Deus.
A argumentação de que o Bhagavad Gita é simbólico não anula a presença de princípios satânicos explicitamente presentes naqueles escritos.
Krishna se revela como sendo inimigo do Deus de Jacó.
O Bhagavad Gita é mais um dos muitos caminhos que conduzem ao inferno!
_______________________________________________________
"Jesus, pois, lhes afirmou de novo: Em verdade, em verdade vos digo: eu sou a porta das ovelhas. Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não lhes deram ouvido. Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem. O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas. O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, vê vir o lobo, abandona as ovelhas e foge; então, o lobo as arrebata e dispersa. O mercenário foge, porque é mercenário e não tem cuidado com as ovelhas. Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim, assim como o Pai me conhece a mim, e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas."
João 10:7-15
___________________
Dr Leadnet

AS QUATRO LEIS ESPIRITUAIS

1. PRIMEIRA LEI
DEUS TE AMA, E TEM UM PLANO MARAVILHOSO PARA A SUA VIDA. O AMOR DE DEUS"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigénito, para que todo o que nele cré não pereça, mas tenha a vida eterna"(João 3:16). O PLANO DE DEUS Cristo afirma: "Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância" (uma vida plena e com propósito) (João 10:10). Por que é que a maioria das pessoas não conhecem essa "vida em abundância"?


2. SEGUNDA LEI
O HOMEM É PECADOR E ESTÁ SEPARADO DE DEUS; POR ISSO NÃO PODE CONHECER NEM EXPERIMENTAR O AMOR E O PLANO DE DEUS PARA A SUA VIDA.

O HOMEM É PECADOR "Pois todos pecaram e separados estão da glória de Deus" (Romanos 3:23). O homem foi criado para ter um relacionamento perfeito com Deus, mas por causa da sua desobediência e rebelião, escolheu seguir o seu próprio caminho, e o relacionamento com Deus desfez-se. O pecado é um estado de indiferença do homem para com Deus.

O HOMEM ESTÁ SEPARADO "Porque o salário do pecado é a morte" (separação espiritual de Deus) (Romanos 6:23).

Deus é santo e o homem é pecador. Um grande abismo separa-os. Mas o homem sente que lhe falta algo, tem um vazio e está continuamente a procurar alcançar Deus e a vida abundante, através dos seus próprios esforços: vida recta, boa moral, filosofia, etc. A Terceira Lei oferece-nos a única resposta para o problema da separação...


3. TERCEIRA LEI
JESUS CRISTO É A ÚNICA SALVAÇÃO DE DEUS PARA O PECADO DO HOMEM. POR MEIO DELE VOCÊ PODE CONHECER O AMOR E O PLANO DE DEUS PARA A SUA VIDA. ELE MORREU EM NOSSO LUGAR "Mas Deus prova o seu próprio amor para connosco, pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores" (Romanos 5:8).

ELE RESSUSCITOU DENTRE OS MORTOS "Cristo morreu pelos nossos pecados... foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras."
(I Coríntios 15:3,4).
ELE É O ÚNICO CAMINHORespondeu-lhe Jesus: "Eu sou o caminho e a verdade, e a vida: ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14:6).

Deus ligou o abismo que nos separa dele, ao enviar o seu Filho, Jesus Cristo, para morrer na cruz em nosso lugar. Não é suficiente conhecer estas três leis...


4. QUARTA LEI
PRECISAMOS RECEBER JESUS CRISTO COMO SALVADOR E SENHOR, POR MEIO DE UM CONVITE PESSOAL.
SÓ ENTÃO PODEREMOS CONHECER E EXPERIMENTAR O AMOR E O PLANO DE DEUS PARA A NOSSA VIDA. PRECISAMOS RECEBER CRISTO "Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber; aos que crêem no seu nome" (João 1:12) RECEBEMOS CRISTO PELA FÉ "Porque pela graça sois salvos; mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não das obras, para que ninguém se glorie" (Efésios 2:8-9).
RECEBEMOS CRISTO POR MEIO DE UM CONVITE PESSOAL Cristo afirma: "Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa" (Apocalipse 3:20) Receber Cristo implica num desejo de mudança de vida, uma nova atitude para com Deus, é deixar de confiar em nossos próprios esforços, creando que Cristo, ao entrar em nossos vidas faz de nos aquilo que Ele quer que sejamos.
Estes dois círculos representam dois tipos de vida:

Qual dos dois círculos representa a sua vida? Qual deles desejaria que representasse sua vida?
Eu gostaria de explicar-lhe como pode receber Cristo.

VOCÊ PODE RECEBER A CRISTO AGORA MESMO EM ORAÇÃO(Orar é falar com Deus) Deus conhece o seu coração e está mais interessado na atitude do seu coração do que nas suas palavras. A oração seguinte serve como exemplo:"Senhor Jesus, eu preciso de ti. Abro a porta da minha vida e recebo-te como meu Salvador e Senhor. Toma conta da minha vida. Agradeço-te porque perdoas os meus pecados e aceitas-me como sou. Desejo estar dentro do teu propósito para minha vida". Esta oração expressa o desejo do seu coração? Se assim for, faça-a agora mesmo e Cristo entrará em sua vida, como prometeu.

FINAL DOS TEMPOS - Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia

Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia Segundo relato da vítima à políc...